Apresentação para décimo segundo ano, aula 56

1.921 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.921
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.282
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano, aula 56

  1. 2. <ul><li>80-90-100- 110-120 </li></ul>
  2. 3. <ul><li>idealmente, retomar (ainda que em termos mínimos) a citação dada. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>evitar desperdiçar espaço em empolamentos ( retóricas infantis [«Luiz Vaz de Camões, na sua grandiosa obra Os Lusíadas »] ) e «cultura popular». </li></ul><ul><li>conhecer os conteúdos (Batalha de Ourique, reflexões do poeta) </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Foco eram Os Lusíadas (não os sketches ) </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Os Lusíadas </li></ul><ul><li>nos Lusíadas </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Obcecado </li></ul><ul><li>Obsessivo </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Camões não esteve na viagem do Gama </li></ul>
  8. 10. <ul><li>Comentário à própria peça (como reflexão que poderia acontecer num texto que não fosse do género dramático): </li></ul><ul><li>Os denunciadores valorizam os seus serviços exagerando a gravidade da conjura. </li></ul><ul><li>O Principal Sousa, que só no segundo acto se revela inteiramente, </li></ul>
  9. 11. <ul><li>apenas pretende salvar a sua cons-ciência, isto é, apenas deseja ser convencido, pelos outros, da neces-sidade de tomar as medidas, que, aliás, já está inteiramente decidido a tomar. </li></ul><ul><li>Esta situação é, em si mesma, uma crítica a Portugal, que ele, como se depreende, despreza. </li></ul><ul><li>Beresford é um homem prático, que encara objectivamente a realidade. [...] </li></ul>
  10. 12. <ul><li>Referência à posição das personagens em cena (ou aos movimentos que fazem): </li></ul><ul><li>D. Miguel anda, no palco, de um lado para o outro. </li></ul><ul><li>(Do púlpito.) </li></ul><ul><li>(Levanta-se e passeia de um lado para o outro) </li></ul>
  11. 13. <ul><li>(Avançando do fundo do palco e falando) </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Indicação das atitudes, gestos, das personagens (destinadas aos actores, sobretudo, e ao encenador): </li></ul><ul><li>(Sorrindo.) </li></ul><ul><li>(Abre os braços no gesto dramático de quem faz uma revelação importante e inesperada.) </li></ul><ul><li>(Para D. Miguel) </li></ul>
  13. 15. <ul><li>(Depois de um momento de espanto.) </li></ul><ul><li>(Atrapalhado. Olhando à sua volta.) </li></ul><ul><li>(Cumprimenta os dois) </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Caracterização do tom de voz (e estado de espírito) e pausas: </li></ul><ul><li>(Pausa) </li></ul><ul><li>Zombeteiro </li></ul><ul><li>(Rindo-se) </li></ul>
  15. 17. <ul><li>Estaca. A última frase é proferida no tom de quem já pensou no assunto. </li></ul><ul><li>Fala lentamente. Está a lembrar-se de tudo o que deixou atrás de si. </li></ul><ul><li>Impaciente. </li></ul><ul><li>(Irónico.) </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Indicação imprescindível a encenador (cenógrafo, aderecista, luminotécnico): </li></ul><ul><li>(Começa a entrar povo pela direita e pela esquerda do palco. Os tambores tocam sem cessar.) </li></ul><ul><li>«Os tambores entram em fanfarra e o palco enche-se de soldados» </li></ul>
  17. 19. <ul><li>(Ilumina-se o palco. D. Miguel Forjaz, Beresford e o principal Sousa estão sentados em três cadeiras pesadas e ricas com aparência de tronos.) </li></ul><ul><li>(O principal Sousa surge no palco, imponentemente vestido) </li></ul>
  18. 20. <ul><li>Marcação da saída ou da entrada de personagens (o que, no fundo, corresponde ao limite de cada cena): </li></ul><ul><li>(Entram Corvo e Vicente, respectivamente pela esquerda e pela direita do palco.) </li></ul><ul><li>(Corvo e Morais Sarmento saem pela esquerda do palco.) </li></ul><ul><li>(Sai pela esquerda do palco.) </li></ul><ul><li>(Entra Vicente pela esquerda do palco.) </li></ul>
  19. 22. <ul><li>A nota de ironia mais evidente encontra-se na apresentação de Morais Sarmento e Andrade Corvo — «dois denunciantes que honraram a classe» —, pois, independentemente da actuação das personagens, a conotação negativa de «denunciantes» confere ao resto da frase uma nota dissonante. O mesmo acontece em relação a Vicente, pois parece estranha a relação entre «provocador» e estar em vias de ser promovido. </li></ul>
  20. 23. <ul><li>Também a apresentação dos polícias não está isenta de ironia (como se as personagens fossem desinteressantes logo pela sua profissão). Quanto aos governadores, o adjectivo «conscienciosos», é propositadamente ambíguo, e depois de lida a peça será decerto percebido como pejorativo. </li></ul>

×