SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
STANISLAVSKI X BRECHT
   Stanislavski – encenador russo.                 Brecht – dramaturgo alemão.
   Pesquisou o que podemos chamar de               Defende o AFASTAMENTO /
    VERDADE ÍNTIMA. E ninguém foi mais               DISTANCIAMENTO.
    longe no trabalho de INTERIORIZAÇÃO,
    cujo ideal é a INTEIRA ENTREGA DO
                                                    Gerou a Teoria do Teatro Épico – teatro
    ATOR À PERSONAGEM.                               com estilo anti-ilusionista (mostrar a
   O objetivo de suas pesquisas: estabelecer        personagem sem encarná-la).
    total intimidade entre ator e personagem,       Técnicas – utilização de canções,
    para que haja a identificação de ambos.          narração, projeções, além de enredo
   “Minha vida na arte” – livro em que narra        episódico (faz com que o processo de
    como os seus atores faziam para “entrar na       identificação entre personagem e
    pele da personagem”.                             espectador não se estabeleça).
   O espectador – o espectador tem a ilusória      Fortalece a participação intelectual do
    possibilidade de estar vendo e ouvindo a         espectador.
    personagem.                                     Para afastar-se é necessário estar
   O ator – age em seu próprio nome,                próximo – teorias se complementando.
    revivendo a vida da personagem.
Forma dramática X Forma épica

   Ação.                      Narração.
   Espectador envolvido.      Espectador crítico.
   Catarse (estímulo          Estímulo mental.
    físico/emocional).
   Desperta emoçoes.
                               Propõe decisões (envolve
   O homem imutável.
                                dúvidas).
   Progressão linear.
                               Homem mutável.
   Sentimento.                Montagem de cenas
                                (episódico).
                               Razão.
“Rua da periferia da cidade” (Brecht)
   A seguir temos uma cena de uma peça de Brecht chamada Maligno Baal,
    o associal, uma peça didática. Esse tipo de texto, as peças didáticas, são
    jogos de aprendizagem, em que, em cada espetáculo, atores não
    profissionais e o próprio público – que participa do espetáculo – fazem
    uma experiência.



    Diante dos cartazes de propaganda de um cinema
    obscuro, Baal encontra, acompanhado de Lupu, um
    garotinho que está soluçando . . .
Trecho da peça
BAAL       - Por que está chorando?
GAROTO - Eu tinha duas moedas para ir ao cinema, aí veio um menino e me arrancou
uma delas. Foi este aí. (Ele mostra.)
BAAL       - (para Lupu) Isto é roubo. Como o roubo não aconteceu por voracidade, não é
roubo motivado pela fome. Como parece ter acontecido por um bilhete de cinema, é roubo
visual. Ainda assim: roubo.
Você não gritou por socorro?
GAROTO - Gritei.
BAAL       - (a Lupo) O grito por socorro, expressão do sentimento de solidariedade
humana, mais conhecido ou assim chamado, grito de morte.
(Acariciando-o) Ninguém ouviu você?
GAROTO - Não.
BAAL         - (para Lupo) Então tire-lhe também a outra moeda. (Lupo tira a outra
     moeda do garoto e os dois seguem despreocupadamente o seu caminho. (para Lupo)
     O desenlace comum de todos os apelos dos fracos.
   Aula elaborada pelo arte-educador Wagner
    Bôa Morte.
   Sugestões para o e-mail
    wagnerboamorte@yahoo.com.br
   Referências bibliográficas – (Trecho peça -
    Projeto escola e cidadania para todos, p. 122).
   Iniciação ao teatro – Sábato Magaldi.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasCEF16
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesEline Lima
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte ConcretaAndrea Dressler
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesRosalina Simão Nunes
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatroTaís Ferreira
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeiaAna Batista
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da MúsicaMeire Falco
 
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XX
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XXPrincipais Movimentos Artísticos do Séc. XX
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XXCinthya Nascimento
 
As vanguardas-europeias
As vanguardas-europeiasAs vanguardas-europeias
As vanguardas-europeiasAndre Lucas
 

Mais procurados (20)

Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes. Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes.
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexões
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 
A origem do teatro
A origem do teatroA origem do teatro
A origem do teatro
 
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XX
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XXPrincipais Movimentos Artísticos do Séc. XX
Principais Movimentos Artísticos do Séc. XX
 
As vanguardas-europeias
As vanguardas-europeiasAs vanguardas-europeias
As vanguardas-europeias
 

Destaque (8)

Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
Arquitetura realista
Arquitetura realistaArquitetura realista
Arquitetura realista
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
Las vanguardias artísticas
Las vanguardias artísticasLas vanguardias artísticas
Las vanguardias artísticas
 
Las Vanguardias ArtíSticas Del Siglo Xx
Las Vanguardias ArtíSticas Del Siglo XxLas Vanguardias ArtíSticas Del Siglo Xx
Las Vanguardias ArtíSticas Del Siglo Xx
 

Semelhante a 22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht

Manhã apresentação e clippling
Manhã   apresentação e clipplingManhã   apresentação e clippling
Manhã apresentação e clipplingricoxxete
 
Espelhos - Uma poética visual
Espelhos - Uma poética visualEspelhos - Uma poética visual
Espelhos - Uma poética visualAlinny Russini
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
EstruturatextoteatralCarla Souto
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatralEnilde Diniz
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoCarla Souto
 
Panorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanPanorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanClaudia Venturi
 
O sonho surealista no cinema
O sonho surealista no cinemaO sonho surealista no cinema
O sonho surealista no cinemaEquipemundi2014
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saGladis Maia
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François JostA narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jostcrislautert
 
Slides Raízes Volantes - Encontro 3
Slides Raízes Volantes - Encontro 3Slides Raízes Volantes - Encontro 3
Slides Raízes Volantes - Encontro 3gernacor
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literaturaLuan02
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptAna Vaz
 

Semelhante a 22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht (20)

A crise de identidade
A crise de identidadeA crise de identidade
A crise de identidade
 
Manhã apresentação e clippling
Manhã   apresentação e clipplingManhã   apresentação e clippling
Manhã apresentação e clippling
 
Espelhos - Uma poética visual
Espelhos - Uma poética visualEspelhos - Uma poética visual
Espelhos - Uma poética visual
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Teatro do oprimido
Teatro do oprimidoTeatro do oprimido
Teatro do oprimido
 
Projeto Nascituros
Projeto NasciturosProjeto Nascituros
Projeto Nascituros
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral
 
Béla Balázs
Béla BalázsBéla Balázs
Béla Balázs
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
 
A Arte da Literatura.pdf
A Arte da Literatura.pdfA Arte da Literatura.pdf
A Arte da Literatura.pdf
 
Panorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanPanorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental Stan
 
O sonho surealista no cinema
O sonho surealista no cinemaO sonho surealista no cinema
O sonho surealista no cinema
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François JostA narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost
 
Slides Raízes Volantes - Encontro 3
Slides Raízes Volantes - Encontro 3Slides Raízes Volantes - Encontro 3
Slides Raízes Volantes - Encontro 3
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
 
Poesia e Imaginário
Poesia e ImaginárioPoesia e Imaginário
Poesia e Imaginário
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
 

Mais de Ricardo Araujo

3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev
3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev
3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia OrientaldocrevRicardo Araujo
 
3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito
3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito
3207629 Joseph Campbell O Poder Do MitoRicardo Araujo
 
23619960 Qorposanto De Corpo Inteiro Org Janer Cristaldo
23619960  Qorposanto De  Corpo  Inteiro Org  Janer  Cristaldo23619960  Qorposanto De  Corpo  Inteiro Org  Janer  Cristaldo
23619960 Qorposanto De Corpo Inteiro Org Janer CristaldoRicardo Araujo
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do TeatroRicardo Araujo
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do TeatroRicardo Araujo
 
21235763 A Arte Do Ator Jean Roubine
21235763  A  Arte  Do  Ator  Jean  Roubine21235763  A  Arte  Do  Ator  Jean  Roubine
21235763 A Arte Do Ator Jean RoubineRicardo Araujo
 

Mais de Ricardo Araujo (6)

3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev
3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev
3933770 Joseph Campbell As Mscaras De Deus Vol Ii Mitologia Orientaldocrev
 
3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito
3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito
3207629 Joseph Campbell O Poder Do Mito
 
23619960 Qorposanto De Corpo Inteiro Org Janer Cristaldo
23619960  Qorposanto De  Corpo  Inteiro Org  Janer  Cristaldo23619960  Qorposanto De  Corpo  Inteiro Org  Janer  Cristaldo
23619960 Qorposanto De Corpo Inteiro Org Janer Cristaldo
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do Teatro
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do Teatro
 
21235763 A Arte Do Ator Jean Roubine
21235763  A  Arte  Do  Ator  Jean  Roubine21235763  A  Arte  Do  Ator  Jean  Roubine
21235763 A Arte Do Ator Jean Roubine
 

22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht

  • 1. STANISLAVSKI X BRECHT  Stanislavski – encenador russo.  Brecht – dramaturgo alemão.  Pesquisou o que podemos chamar de  Defende o AFASTAMENTO / VERDADE ÍNTIMA. E ninguém foi mais DISTANCIAMENTO. longe no trabalho de INTERIORIZAÇÃO, cujo ideal é a INTEIRA ENTREGA DO  Gerou a Teoria do Teatro Épico – teatro ATOR À PERSONAGEM. com estilo anti-ilusionista (mostrar a  O objetivo de suas pesquisas: estabelecer personagem sem encarná-la). total intimidade entre ator e personagem,  Técnicas – utilização de canções, para que haja a identificação de ambos. narração, projeções, além de enredo  “Minha vida na arte” – livro em que narra episódico (faz com que o processo de como os seus atores faziam para “entrar na identificação entre personagem e pele da personagem”. espectador não se estabeleça).  O espectador – o espectador tem a ilusória  Fortalece a participação intelectual do possibilidade de estar vendo e ouvindo a espectador. personagem.  Para afastar-se é necessário estar  O ator – age em seu próprio nome, próximo – teorias se complementando. revivendo a vida da personagem.
  • 2. Forma dramática X Forma épica  Ação.  Narração.  Espectador envolvido.  Espectador crítico.  Catarse (estímulo  Estímulo mental. físico/emocional).  Desperta emoçoes.  Propõe decisões (envolve  O homem imutável. dúvidas).  Progressão linear.  Homem mutável.  Sentimento.  Montagem de cenas (episódico).  Razão.
  • 3. “Rua da periferia da cidade” (Brecht)  A seguir temos uma cena de uma peça de Brecht chamada Maligno Baal, o associal, uma peça didática. Esse tipo de texto, as peças didáticas, são jogos de aprendizagem, em que, em cada espetáculo, atores não profissionais e o próprio público – que participa do espetáculo – fazem uma experiência. Diante dos cartazes de propaganda de um cinema obscuro, Baal encontra, acompanhado de Lupu, um garotinho que está soluçando . . .
  • 4. Trecho da peça BAAL - Por que está chorando? GAROTO - Eu tinha duas moedas para ir ao cinema, aí veio um menino e me arrancou uma delas. Foi este aí. (Ele mostra.) BAAL - (para Lupu) Isto é roubo. Como o roubo não aconteceu por voracidade, não é roubo motivado pela fome. Como parece ter acontecido por um bilhete de cinema, é roubo visual. Ainda assim: roubo. Você não gritou por socorro? GAROTO - Gritei. BAAL - (a Lupo) O grito por socorro, expressão do sentimento de solidariedade humana, mais conhecido ou assim chamado, grito de morte. (Acariciando-o) Ninguém ouviu você? GAROTO - Não. BAAL - (para Lupo) Então tire-lhe também a outra moeda. (Lupo tira a outra moeda do garoto e os dois seguem despreocupadamente o seu caminho. (para Lupo) O desenlace comum de todos os apelos dos fracos.
  • 5. Aula elaborada pelo arte-educador Wagner Bôa Morte.  Sugestões para o e-mail wagnerboamorte@yahoo.com.br  Referências bibliográficas – (Trecho peça - Projeto escola e cidadania para todos, p. 122).  Iniciação ao teatro – Sábato Magaldi.