Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 148-149

4.533 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.533
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.674
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 148-149

  1. 1. 1.1 A expressão “Cidadão do seu tempo” (l. 1) desempenha a função sintática de Cidadão do seu tempo, Pessoa deixou-se arrastar pela torrente dos novos ventos que sopravam e … a) complemento oblíquo. b) predicativo do sujeito. c) sujeito. d) modificador do nome apositivo.
  2. 2. 1.2 A forma verbal “deixou-se” (l. 1) exemplifica a conjugação a) pronominal. deixou-a b) pronominal recíproca. beijaram-se c) pronominal reflexa. deixei-me, deixaste-te d) na voz passiva. foi deixada
  3. 3. Reflexa Lavo-me (X lava X) Secámo-nos ao sol (X s. X; Y s. Y) Eles sentiam-se bem Concentraram-se no estudo Recíproca Beijámo-nos (X b. Y; Y b. X) Abraçaram-se Cumprimentaram-se
  4. 4. 1.3 A oração sublinhada na frase “Usou todos os meios para alcançar este fim” (l. 4) é subordinada adverbial a) final. b) causal. c) concessiva. d) temporal.
  5. 5. 1.4 No contexto, a expressão “erguer das cinzas” (l. 4) é usada com o sentido de [Fez erguer das cinzas D. Sebastião] a) exumar o corpo. ‘tirar da sepultura’ b) recuperar a simbologia. c) imitar a figura. d) reavivar a biografia.
  6. 6. 1.5 O pronome “o” (l. 9) recupera anaforicamente o referente Esse tal Encoberto que levaria Portugal a constituir-se como Quinto Império não o via, Pessoa, na figura de D. Sebastião a) “Encoberto” (l. 9). b) “Portugal” (l. 9). c) “Quinto Império” (l. 9). d) “Esse tal Encoberto que levaria Portugal a constituir-se como Quinto Império.” (l. 9).
  7. 7. 1.6 O adjetivo “redivivo” (l. 10) significa na figura de D. Sebastião redivivo a) regressado. b) ressuscitado. (que revive) c) nascido. d) figurado.
  8. 8. 1.7 O vocábulo “sim” (l. 14) pertence à classe a) das preposições. b) das conjunções. c) dos advérbios. d) dos quantificadores.
  9. 9. 2.1 Identifica a função sintática desempenhada pela oração subordinada relativa restritiva presente em “Cidadão do seu tempo, Pessoa deixou-se arrastar pela torrente dos novos ventos que sopravam” (ll. 1-2). oração subordinada adjetiva relativa restritiva A função sintática desempenhada pela oração subordinada relativa restritiva que está em análise é a de Modificador do nome restritivo.
  10. 10. 2.2 Classifica a oração iniciada por “porque”, na linha 5. Na linha 5, a oração iniciada por “porque” é subordinada adverbial causal.
  11. 11. * «porque» é oração subordinada adverbial causal
  12. 12. 2.3 Indica o antecedente do determinante possessivo que ocorre em “substância que essa pessoa e o seu nome simbolizam” (ll. 10-11). O antecedente do determinante possessivo é “essa pessoa” (l. 10).
  13. 13. O «antecedente» é uma expressão ou uma palavra (não é a realidade a que estas correspondam). O «antecedente» é o imediato antecedente. Qualquer expressão citada ficaria entre aspas.
  14. 14. Ainda podem (devem) melhorar bastante em gramática.
  15. 15. Comentário à própria peça (como reflexão que poderia acontecer num texto que não fosse do género dramático): Os denunciadores valorizam os seus serviços exagerando a gravidade da conjura. O Principal Sousa, que só no segundo acto se revela inteiramente, apenas pretende salvar a sua consciência, isto é, apenas deseja ser convencido, pelos outros, da necessidade de tomar as medidas, que, aliás, já está inteiramente decidido a tomar.
  16. 16. Esta situação é, em si mesma, uma crítica a Portugal, que ele, como se depreende, despreza. Beresford é um homem prático, que encara objetivamente a realidade. [...]
  17. 17. • ? O público tem de entender, logo de entrada, que tudo o que se vai passar no palco tem um significado preciso. Mais: que os gestos, as palavras e o cenário são apenas elementos duma linguagem a que tem de adaptar-se. • Esta posição é deliberada. Pretende-se criar desde já, no público, qa consciência de que ninguém, no decorrer desta peça, vai esboçar um gesto para o cativar ou para acamaradar com ele. (O réu não se senta ao lado dos juízes.) • ? Entende-se, todavia, que a personagem se refee ao ambiente político da época.
  18. 18. Referência à posição das personagens em cena (ou aos movimentos que fazem): D. Miguel anda, no palco, de um lado para o outro. (Do púlpito.) (Levanta-se e passeia de um lado para o outro) (Avançando do fundo do palco e falando)
  19. 19. • Ao dizer isto, a personagem está quase de costas para os espetadores. • encontrando-se uma única personagem, ao centro e à frente do palco. • (Dá dois passos em direção ao fundo do palco, detém-se, e continua) • (Avança e detém-se junto de... • O primeiro popular volta a sentar-se.
  20. 20. Indicação das atitudes, gestos, das personagens (destinadas aos actores, sobretudo, e ao encenador): (Sorrindo.) (Abre os braços no gesto dramático de quem faz uma revelação importante e inesperada.) (Para D. Miguel)
  21. 21. (Depois de um momento de espanto.) (Atrapalhado. Olhando à sua volta.) (Cumprimenta os dois)
  22. 22. • A pergunta é acompanhada dum gesto que revela a impotência da personagem ... • (Levantando-se dum salto e macaqueando as maneiras dum fidalgo, finge tirarum relógio do bolso dum colete inexistente) • A pergunta não é dirigida a ninguém. • Algumas personagens mostram certa agitação. • (Finge levantar o relógio para ver melhor. Desfaz o gesto com violência e continua em tom raivoso • # (Ouve o som dos tambores) • (Como ninguém responde, volta a dirigir-se a Manuel.)
  23. 23. Caracterização do tom de voz (e estado de espírito) e pausas: (Pausa) Zombeteiro (Rindo-se)
  24. 24. Estaca. A última frase é proferida no tom de quem já pensou no assunto. Fala lentamente. Está a lembrar-se de tudo o que deixou atrás de si. Impaciente. (Irónico.)
  25. 25. • Muda de tom à voz. Está a imitar, com sarcasmo, alguém que não se sabe quem seja. • Volta ao seu tom de voz habitual • (Pausa) • ? O gesto é lento, deliberadamente sarcástico. • O tom é irónico • (Silêncio)
  26. 26. Indicação imprescindível a encenador (cenógrafo, aderecista, luminotécnico): (Começa a entrar povo pela direita e pela esquerda do palco. Os tambores tocam sem cessar.) «Os tambores entram em fanfarra e o palco enche-se de soldados»
  27. 27. (Ilumina-se o palco. D. Miguel Forjaz, Beresford e o principal Sousa estão sentados em três cadeiras pesadas e ricas com aparência de tronos.) (O principal Sousa surge no palco, imponentemente vestido)
  28. 28. • Ao abrir o pano, a cena está às escuras ... • Esta personagem está andrajosamente vestida. • Ilumina-se, subitamente, ... • mulher ainda nova, que dorme, no chão, coberta por uma saca • Começa a ouvir-se ao longe o ruído dos tambores. • # (Ouve o som dos tambores)
  29. 29. Marcação da saída ou da entrada de personagens (o que, no fundo, corresponde ao limite de cada cena): (Entram Corvo e Vicente, respectivamente pela esquerda e pela direita do palco.) (Corvo e Morais Sarmento saem pela esquerda do palco.) (Sai pela esquerda do palco.) (Entra Vicente pela esquerda do palco.)
  30. 30. Didascálias laterais Em redondo, espécie de «notas de rodapé» das falas. Longas. Subjetivas. Didascálias na mancha principal Em itálico e entre parânteses. Curtas. Objetivas.
  31. 31. Didascálias laterais Explicação de determinado som; intenção do autor com a indicação de certos gestos, movimentos, entoações; juízos valorativos sobre personagens; preocupação com a interpretação do público. Didascálias na mancha principal Indicações sobre sons, luz, gestos das personagens, prosódia, movimentos em palco, etc.
  32. 32. Outros elementos paratextuais • Dedicatória «Ao Fernando de Abranches Ferrão — amigo de todas as horas — que quase me obrigou a escrever esta peça.»
  33. 33. • Epígrafe (aliás, longa citação) de peça de John Osborn (A subject of scandal and concern), com paralelismo entre a personagem do professor inglês Holyoake e a de Gomes Freire
  34. 34. • Lista de personagens
  35. 35. A nota de ironia mais evidente encontra-se na apresentação de Morais Sarmento e Andrade Corvo — «dois denunciantes que honraram a classe» —, pois, independentemente da actuação das personagens, a conotação negativa de «denunciantes» confere ao resto da frase uma nota dissonante. O mesmo acontece em relação a Vicente, pois parece estranha a relação entre «provocador» e estar em vias de ser promovido.
  36. 36. Também a apresentação dos polícias não está isenta de ironia (como se as personagens fossem desinteressantes logo pela sua profissão). Quanto aos governadores, o adjectivo «conscienciosos» é propositadamente ambíguo, e depois de lida a peça será decerto percebido como pejorativo.
  37. 37. Poder absoluto || Poder liberal Beresford, Corvo, Antigo soldado Morais Sarmento Principal Sousa Frei Diogo D. Miguel Sousa Falcão Matilde Vicente, [Polícias] Manuel, Rita Populares
  38. 38. • Nota biobibliográfica (na orelha e no anterrosto)
  39. 39. a. A vivência dos primeiros anos de vida de Luís de Sttau Monteiro no estrangeiro influenciou a sua criação literária posterior.
  40. 40. b. A primeira obra do autor publicada foi um texto do modo dramático. Um homem não chora pertence ao modo narrativo (é um romance).
  41. 41. c. A peça Felizmente Há Luar! foi escrita em 1962. 1961
  42. 42. d. As obras de Sttau Monteiro mereceram o reconhecimento do poder político. Sim, reconheceram-no, tendo-o posto na prisão.
  43. 43. e. Durante a sua vida, Sttau Monteiro dedicou-se apenas à escrita literária. Escreveu também textos cronísticos (já vimos uma das suas «Redações da Guidinha»), textos em torno da gastronomia, etc.
  44. 44. Relancear 6. (na p. 233):
  45. 45. 6.1 modificador apositivo do nome
  46. 46. 6.2 Subordinada adjetiva relativa restritiva
  47. 47. • Lista de obras do autor (orelha e verso da p. com o título corrente)
  48. 48. Passar a trazer (nas duas próximas aulas, pelo menos) a folha agora entregue
  49. 49. Prazos das tarefas, desta vez, são mesmo para cumprir.
  50. 50. Recitações não serão logo na primeira aula da próxima semana.
  51. 51. Guerra e ocupação estrangeira
  52. 52. Retomámos hoje o filme no momento em que se resolvia a guerra, a Segunda Guerra Mundial, com o desembarque dos aliados e os saques por parte do povo (tendo mais sorte Peppino do que a futura namorada, Mannina). Soldados americanos são bem recebidos — a sua chegada é vista como libertadora —, com Mannina a ser a melhor a interpretar o que querem. Estamos em 1943.
  53. 53. O período que se vive é ainda consequência da guerra, isto é, das Invasões francesas (1807, 1809, 1810). Por fuga e estratégia, a corte portuguesa fora para o Brasil em 1808. Na peça estamos em 1817. Chegados para ajudar os portugueses, militares ingleses estão instalados no país já há muito — desde 1808 —, o que não agrada ao povo. Quem governa é o Conselho da Regência.
  54. 54. Organizações políticas e secretas
  55. 55. Vive-se num momento de evolução política: por um lado, o fim do fascismo; por outro, em termos de regime, perspetivava-se a mudança de monarquia para república. Vemos Peppino a inscrever-se no Partido Comunista. Assistimos a um comício (na sequência do qual, Peppino e Nino lutam entre si, só depois se identificando) e à mobilização de massas por alturas do assassinato de populares. E há outros testemunhos da repressão e da exploração de camponeses e operários. Entretanto, apercebemos-nos dos pequenos expedientes, ora políticos ora comerciais, em que se envolve Peppino Torrenuova.
  56. 56. Por falas de personagens, sabemos do papel que teria a maçonaria (aparece também referida como «os pedreiros livres») na promoção de uma mudança política. Gomes Freire era mação (e, aliás, grão-mestre); os próprios Andrade Corvo e Morais Sarmento pertenciam a uma loja maçónica. Pelos cafés, pelos botequins, germinava o ambiente que prenunciava a revolta liberal de 1820; e havia pasquins revolucionários afixados. Nesta altura, em 1817, estaria em curso uma conspiração ou, pelo menos, o poder fez que se fizesse crer que estava em curso essa conjura, alegadamente chefiada por Gomes Freire de Andrade.

×