UMA PROFESSORA E A
CULTURA DIGITAL NA
ESCOLA.
Narrativa Conclusiva da Trajetória no Curso
Especialização Educação na Cultu...
Para ser professor é necessário desejar, ter
vocação e principalmente uma boa formação. A
sociedade como um todo tem passa...
Ao longo do percurso, diversos
foram os acontecimentos. as
mudanças em minhas práticas
pedagógicas foram acorrendo
aos pou...
A especialização Educação na Cultura
Digital, tornou-se um divisor de águas no
meu fazer pedagógico. A cada etapa
cursada,...
Aluno Pedro Bender, 3º ano – ensino médio
E.E.B.Apolônio Ireno Cardoso
Entrevista setembro/2014
Através dos objetivos do curso, as
expectativas foram alcançadas.
Porém, para que toda a
comunidade escolar agregue a
cult...
A especialização foi muito
determinante na profissional que
sou hoje! Porém foi um caminho
com muitos estímulos, desafios ...
Trabalho a trabalho,
passo a passo, fui
aprendendo e ensinado
por meio das TDIC. A
elaboração do retrato da
escola, a adiç...
http://slide.ly/view/fa7f20f924acac3dd9510c5215404720
Aos poucos minha aula deixou
de ser tradicional, os
educandos passaram a ter mais
interesse, aceitaram os novos
desafios. ...
Produções de Revistas Digitais
Pequenos exemplos, de uma
grande transformação...
Aplicativo Móvel - Conhecendo a Europa
Visando utilizar o domínio e
interesse dos alunos pelos
dispositivos, foi proposto
...
Desenvolvimento de jogos
e animações utilizando os
conteúdos de geografia
como base.
Movimentos da terra
Quebra barreiras
Criação e utilização do blog pessoal
www.geografiaemsaladeaula.wordpress
A ferramenta tornou-se uma grande aliada, transfo...
Utilização Ambiente Virtual de Ensino e
Aprendizagem - moodle
http://educacaonaculturadigital.ufsc.br/alunos-utilizam-o-mo...
Blog das escolas..
https://eebbernardinosenacampos.wordpres
s.com/
https://eebapolonioirenocardoso.wordpre
ss.com/
Dificuldades no caminho...
Em todas as etapas a insegurança foi algo presente,
para mim foi muito difícil este percurso, n...
Hoje nas escolas nas quais trabalhei e trabalho já virei
referência de como utilizar as novas tecnologias em sala, já é
co...
Mesmo com todas as turbulências, quanto ao sistema e-proinfo no início do curso, falta de tempo, a desistência de alguns
c...
Retomar tudo que foi vivenciando ao longo do curso é estimulante e recompensador. Relembrar é
importante para que possamos...
http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2015/09/professora-de-sc-
cria-aplicativo-para-compensar-falta-de-livros-em-esc...
Muitas experiências,
muito aprendizado.....
A geografia e a Cultura Digital
Para Cavalcanti¹,(1998) “A finalidade de ensinar geografia para jovens e crianças deve
ser...
Josi Zanette do Canto
Professora de Geografia e História da rede estadual e
particular no município de Araranguá/SC.
https...
Atividade2.josizanette
Atividade2.josizanette
Atividade2.josizanette
Atividade2.josizanette
Atividade2.josizanette
Atividade2.josizanette
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atividade2.josizanette

178 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividade2.josizanette

  1. 1. UMA PROFESSORA E A CULTURA DIGITAL NA ESCOLA. Narrativa Conclusiva da Trajetória no Curso Especialização Educação na Cultura Digital. PLAC 3 – Atividade 2 Josi Zanette do Canto 2016
  2. 2. Para ser professor é necessário desejar, ter vocação e principalmente uma boa formação. A sociedade como um todo tem passado por grandes transformações, nada diferente com a escola. Percebendo essas mudanças, senti uma necessidade de me adaptar. Necessitava atualizar minha maneira de ensinar e também de aprender, foi assim que o a especialização Educação na Cultura Digital surgia em minha vida profissional. Modernizar práticas pedagógicasTransformações sociais
  3. 3. Ao longo do percurso, diversos foram os acontecimentos. as mudanças em minhas práticas pedagógicas foram acorrendo aos poucos. Minha visão de como aprender foi se modelando aos novos tempos, minhas concepções foram se transformando.. E foi questionado... COMO EU APRENDO? https://www.youtube.com/watch?v=R4Wwmu-fJZk
  4. 4. A especialização Educação na Cultura Digital, tornou-se um divisor de águas no meu fazer pedagógico. A cada etapa cursada, cada desafio proposto e executado, novas descobertas foram surgindo. Ficou evidente que era possível mudar, que as tecnologias digitais de informação e comunicação, TDIC, estavam presente no coletivo da escola.
  5. 5. Aluno Pedro Bender, 3º ano – ensino médio E.E.B.Apolônio Ireno Cardoso Entrevista setembro/2014
  6. 6. Através dos objetivos do curso, as expectativas foram alcançadas. Porém, para que toda a comunidade escolar agregue a cultura digital ao fazer coletivo, muito deve ser feito.. Afinal, é necessário que a escola mude, para que consiga formar cidadãos aos quais a sociedade espera. O PRIMEIRO DESAFIO.. https://www.youtube.com/watch?v=Dl7qVx8zCW0
  7. 7. A especialização foi muito determinante na profissional que sou hoje! Porém foi um caminho com muitos estímulos, desafios e muitas metas a vencer...
  8. 8. Trabalho a trabalho, passo a passo, fui aprendendo e ensinado por meio das TDIC. A elaboração do retrato da escola, a adição das tecnologias em minhas aulas foram momentos marcantes em minha transformação pedagógica. https://prezi.com/qdgs-kbz-nzt/retrato-escola-eebaic/
  9. 9. http://slide.ly/view/fa7f20f924acac3dd9510c5215404720
  10. 10. Aos poucos minha aula deixou de ser tradicional, os educandos passaram a ter mais interesse, aceitaram os novos desafios. A execução das atividades propostas ao longo do curso, foram de suma importância em minhas práticas pedagógicas. Um grande desafio, foi aprender a trabalhar no coletivo.
  11. 11. Produções de Revistas Digitais Pequenos exemplos, de uma grande transformação...
  12. 12. Aplicativo Móvel - Conhecendo a Europa Visando utilizar o domínio e interesse dos alunos pelos dispositivos, foi proposto que o grupo de educandos de forma colaborativa desenvolvessem o aplicativo sobre o continente europeu.
  13. 13. Desenvolvimento de jogos e animações utilizando os conteúdos de geografia como base. Movimentos da terra Quebra barreiras
  14. 14. Criação e utilização do blog pessoal www.geografiaemsaladeaula.wordpress A ferramenta tornou-se uma grande aliada, transformando-se em uma extensão das sala de aula.
  15. 15. Utilização Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem - moodle http://educacaonaculturadigital.ufsc.br/alunos-utilizam-o-moodle-na-aula-de- geografia/
  16. 16. Blog das escolas.. https://eebbernardinosenacampos.wordpres s.com/ https://eebapolonioirenocardoso.wordpre ss.com/
  17. 17. Dificuldades no caminho... Em todas as etapas a insegurança foi algo presente, para mim foi muito difícil este percurso, no começo da especialização meus conhecimentos tecnológicos eram muito restritos, mesmo tendo apenas trinta e dois anos de idade, meu primeiro computador foi comprado no ano de 2013, mas com os desafios lançados, muitos objetivos foram alcançados, inúmeros recursos descobertas, ideias compartilhadas
  18. 18. Hoje nas escolas nas quais trabalhei e trabalho já virei referência de como utilizar as novas tecnologias em sala, já é comum os colegas me procurarem para questionamentos de como poderiam utilizar uma nova ferramenta para trabalhar com determinado assunto. Acredito que o percurso foi trabalhoso e muito complicado, mas assim mesmo corri, fui atrás, busquei, descobri novas maneiras e fiz mais, inovei. Foi através da especialização e de todas as atividades propostas que tomei consciência de como minha prática pedagógica poderia ser diferente, de que poderíamos realizar a construção do conhecimento de maneira muito mais criativa e instigante para o aluno, utilizando as novas tecnologias
  19. 19. Mesmo com todas as turbulências, quanto ao sistema e-proinfo no início do curso, falta de tempo, a desistência de alguns cursistas, a falta de apoio por parte de alguns gestores, o desinteresse por parte da comunidade escolar, valeu a pena! Alguns momentos foram marcantes. A reunião com os pais para a apresentação de projetos desenvolvidos com a integração das tecnologias, justificando o uso dos dispositivos móveis sala. Outro fato marcante, foi convencer a equipe pedagógica, a autorizar as saídas da escola de alguns estudantes para realização de oficinas tecnológicas, pois para muitos da comunidade essas aprendizagens não eram necessárias. Em outros momentos, desejando a melhoria, muitas propostas foram apresentadas a instituição, como grupos de estudos para os educadores sobre a cultura digital, campanha para a manutenção e melhorias das ferramentas tecnológicas disponíveis, porém a falta de apoio foi determinante para a execução. Mesmo com as dificuldades apresentadas aqui e muitas outras que não relatei, muitas atividades foram executadas com sucesso. Hoje, por exemplo, em parceria com a UFSC a escola conta com clube de programação, Code.Club, no qual os alunos com maior conhecimento orientam os iniciantes. Espero que essas iniciativas sejam inspiradoras para que a cultura digital faça parte do cotidiano escolar e que contribua para a formação de cidadãos plenos. As barreiras a serem vencidas são gigantescas mas a vontade de transportá-las é muito maior.
  20. 20. Retomar tudo que foi vivenciando ao longo do curso é estimulante e recompensador. Relembrar é importante para que possamos ter a noção de como foi trabalhoso, desafiador, mas que foi sem dúvida recompensador! Mostrar aos colegas professores, aos gestores escolares, aos alunos, a todo o coletivo da escola que é possível renovar velhas práticas, reconhecer que a cultura digital está presente na escola e que ela pode e deve ser uma grande aliada aos processos de ensino e aprendizagem é algo de grande valia. Porém muito trabalhoso, lembro de colegas professores comentando como: “ Estou muito velho para isso” ou ainda “ Isso não é aula”, receber alguns olhares de desconfiança por estar executando atividades muito diferentes das quais a escola estava habituada a ver. Muitas vezes questionada pelos superiores: “Será que vaio dar certo?” “ Você acha que os alunos estão aprendendo?”, foi realmente provocante! Aos poucos os resultados foram aparecendo, inovar é muito difícil, não pelo a ação em si, mas pelo olhar de desconfiança de muitos...
  21. 21. http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2015/09/professora-de-sc- cria-aplicativo-para-compensar-falta-de-livros-em-escola.html http://porvir.org/professora-alunos-criam-app-na-aula-de-geografia/
  22. 22. Muitas experiências, muito aprendizado.....
  23. 23. A geografia e a Cultura Digital Para Cavalcanti¹,(1998) “A finalidade de ensinar geografia para jovens e crianças deve ser justamente ajudá-los a formar raciocínios e concepções mais articuladas e profundas a respeito do espaço geográfico” Considerando todas as transformações ocorridas em todos os setores das sociedades com a utilização das Tecnologias Digitais de Informações e Comunicação, torna-se indispensável utilizar as TDIC nas aulas de geografia. Essa é a ciência escolar que contribui profundamente para a formação crítica e plena dos cidadãos. A disciplina de geografia deve ser trabalhada, assim como as outras áreas do conhecimento, vinculada ao uso das TDICs, para que com isso nossos educandos tenham condições de utilizar as tecnologias digitais de forma consciente. É necessário que preparemos os educandos para esse novo mundo, pois eles não devem ser apenas usuários, ou repetidores, é fundamental que as crianças e jovens sejam preparados em plenitude para a atualidade. ¹ CAVALCANTI, Lana de Souza. Ciência Geográfica e ensino de Geografia.___. Geografia e Construção de Conhecimento. 2ª ed. Campinas: Papirus, 1998.
  24. 24. Josi Zanette do Canto Professora de Geografia e História da rede estadual e particular no município de Araranguá/SC. https://geonasaladeaula.wordpress.com/ https://www.facebook.com/josi.zanettecanto @zanette_josi josizanettecanto@gmail.com Imagens avatar: Isabela Nardi

×