Carboidratos

4.918 visualizações

Publicada em

Publicada em: Alimentos
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.918
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
264
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carboidratos

  1. 1. CARBOIDRATOS : COMPOSIÇÃO: São compostos de carbono, hidrogênio e oxigênio; A glicose, hidrato de carbono fundamental tem a seguinte fórmula: C₆H₁₂O₆
  2. 2. DEFINIÇÃO: • Os carboidratos são formados nos vegetais, através da fotossíntese. • A fixação do CO₂ e da H₂O em presença da luz solar e da clorofila, faz com que os carboidratos sejam armazenados em algumas partes das planta, como a raiz, as sementes, o fruto, o caule ou a folha, compondo sua estrutura. • Os carboidratos reagem com o oxigênio e formando CO₂ e água, na respiração celular. • A combustão dos açúcares libera energia. Exceções: Existem carboidratos de origem animal: lactose (açúcar do leite) e a frutose (açúcar do mel). Os carboidratos representam para o organismo a mais apreciável e a mais econômica fonte de energia.
  3. 3. CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM SUAS FUNÇÕES BIOLÓGICAS Polissacarídeos energéticos de reserva: • são formas de armazenamento de glicose. • Nos vegetais superiores, o amido é a principal forma de armazenamento de açúcar: nas sementes, como no arroz; nas raízes, como na mandioca; ou no caule, na batata. • Nos animais superiores, o açúcar é armazenado como glicogênio, nas células do fígado e nas células musculares.
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM SUAS FUNÇÕES BIOLÓGICAS Polissacarídeos estruturais: • alguns polissacarídeos participam da manutenção da estrutura dos seres vivos, como um esqueleto. • Os mais importantes são a celulose e a quitina. • A quitina é um polissacarídeo rígido e resistente, que contém átomos de nitrogênio na molécula. Constitui o esqueleto externo dos insetos, dos crustáceos e das aranhas. Faz parte da parede celular de fungos filamentosos.
  5. 5. CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM SUAS FUNÇÕES BIOLÓGICAS Polissacarídeos estruturais: • A celulose forma a parede celular das células vegetais. • Constitui 50% de toda a matéria orgânica da biosfera. Em muitas partes das plantas, com o passar do tempo, a parede celular ganha outros polissacarídeos mais rígidos, como a lignina, que podem torná-la impermeável.
  6. 6. FUNÇÕES DOS CARBOIDRATOS 1) Principal fonte de energia do corpo. 2) Deve ser suprido regularmente e em intervalos frequentes, para satisfazer as necessidades energéticas do organismo. 3) Sistema Nervoso Central: • O cérebro não armazena glicose e dessa maneira depende minuto a minuto de um suprimento de glicose sanguínea. Uma interrupção prolongada glicêmica pode causar danos irreversíveis ao cérebro.
  7. 7. FUNÇÕES DOS CARBOIDRATOS • Regulam o metabolismo proteico, poupando proteínas. • Uma quantidade suficiente de carboidratos impede que as proteínas sejam utilizadas para a produção de energia, mantendo-se em sua função de construção de tecidos.
  8. 8. FUNÇÕES DOS CARBOIDRATOS • A quantidade de carboidratos da dieta determina como as gorduras serão utilizadas para suprir uma fonte de energia imediata. • Se não houver glicose disponível para a utilização das células (jejum ou dietas restritivas), os lipídios serão oxidados, formando uma quantidade excessiva de cetonas que poderão causar uma acidose metabólica, podendo levar ao coma e a morte.
  9. 9. FUNÇÕES DOS CARBOIDRATOS • A celulose e outros carboidratos indigeríveis auxiliam na eliminação do bolo fecal. • Estimulam os movimentos peristálticos do trato gastrointestinal e absorvem água para dar massa ao conteúdo intestinal.
  10. 10. FUNÇÕES DOS CARBOIDRATOS • Apresentam função estrutural nas membranas plasmáticas da células.
  11. 11. MONOSSACARÍDEOS  Açúcares simples, que não necessitam ser quebrados para serem absorvidos pelo organismo Glicose (dextrose): é a forma de açúcar que circula no sangue e se oxida para fornecer energia;  No metabolismo humano, todos os demais açúcares se transformam em glicose;  É também encontrada no milho, na uva e em outras frutas e vegetais; Frutose: é o açúcar das frutas, faz parte da sacarose; Galactose: faz parte da lactose, açúcar do leite;
  12. 12. MONOSSACARÍDEOS E DISSACARÍDEOS 1. Sacarose = glicose + frutose 2. Lactose = glicose + galactose 3. Maltose = glicose + glicose
  13. 13. DISSACARÍDEO  São combinações de açúcares simples (açúcares duplos); • Sacarose (açúcar da cana): Forma de açúcar mais comum no dia-dia; • Lactose: Açúcar do leite; • Maltose: Açúcar do malte e da cevada.
  14. 14. POLISSACARÍDEOS Carboidratos mais complexos, compostos de muitas unidades de monossacarídeos; • Amido: Principal fonte de reserva de carboidratos; • Encontra-se nos grãos dos cereais (milho, trigo, aveia, arroz etc), nas sementes das leguminosas, nas frutas, nas raízes e tubérculos (batatas, mandioca); • O grânulo do amido é constituído de: Amilose amilopectina
  15. 15. POLISSACARÍDEOS Polissacarídeos • São uniões de várias unidades de glicose, diferindo apenas no tipo de ligação. • Os polissacarídeos são menos solúveis e mais estáveis que os açúcares mais simples. • São conhecidos como carboidratos complexos.
  16. 16. Pectina (ácido péctico) É indigerível. • É encontrado nas frutas (casca de frutas cítricas, polpa de maçã, beterraba, banana, etc.) tem a qualidade de conferir densidade a certos produtos, como as geleias, pois apresenta a capacidade de formar géis, na presença de açúcar e ácido;
  17. 17. CELULOSE: • Constitui a parede celular da célula vegetal. • É resistente as enzimas digestiva do ser humano, podendo ser degradada pela ação das bactérias intestinais. • Não sofre digestão e incorporando-se ao bolo fecal, estimula o peristaltismo intestinal;
  18. 18. Os animais não possuem as enzimas celulases, que são encontradas em bactérias, incluindo as que habitam o trato digestivo dos cupins e animais de pasto, como gados e cavalos. Glicogênio: • É a forma sob a qual a glicose se armazena no organismo humano, principalmente fígado e nos tecidos musculares
  19. 19. DIGESTÃO DE CARBOIDRATOS: Boca e Estômago
  20. 20. DIGESTÃO DE CARBOIDRATOS 1. A saliva contém uma enzima que hidrolisa o amido: a amilase salivar (ptialina), secretada pelas glândulas parótidas. 2. A amilase salivar consegue hidrolisar apenas 3 a 5 % do total, pois age em um curto período de tempo, liberando dextrinas (forma de maltose e isomaltose). 3. A amilase salivar é rapidamente inativada em pH 4,0 ou mais baixo, de modo que a digestão do amido iniciada na boca, cessa rapidamente no meio ácido do estômago.
  21. 21. DIGESTÃO DE CARBOIDRATOS: INTESTINO DELGADO 1. DUODENO: A amilase pancreática é capaz de realizar à digestão completa do amido, transformando-o em maltose e dextrina. 2. INTESTINO DELGADO: Temos a ação das dissacaridases (enzimas que hidrolisam os dissacarídeos), que estão na borda das células intestinais: 2.1 Sacarase ou invertase, lactase, maltase
  22. 22. CARÊNCIA OU EXCESSO DE CARBOIDRATOS • A falta de carboidratos no organismo manifesta-se por sintomas de fraqueza, tremores, mãos frias, nervosismo e tonturas, o que pode levar até ao desmaio. É o que acontece no jejum prolongado. • A carência leva o organismo a utilizar-se das gorduras e reservas do tecido adiposo para fornecimento de energia, o que provoca emagrecimento
  23. 23. CARÊNCIA OU EXCESSO DE CARBOIDRATOS • Os carboidratos, quando em excesso no organismo, transformam-se em gordura e ficam acumulados nos adipócitos, podendo causar obesidade e aterosclerose (aumento dos triglicerídeos sanguíneos).
  24. 24. NECESSIDADES DIÁRIAS DE CARBOIDRATOS • As necessidades, situam-se em torno de 6 a 7 gramas por quilo de peso / dia; • Em relação ao valor calórico total (VCT) da dieta, cerca de 50 a 60% (55-65%) das calorias devem ser procedentes de carboidratos.
  25. 25. GLICEMIA • É a taxa de glicose no sangue. • Varia em função da nossa alimentação e nossa atividade. • Uma pessoa em situação de equilíbrio glicêmico ou homeostase possui uma glicemia que varia, em geral, de 85 a 110 mg/dL. • Segundo sugestão da Associação Americana de Diabetes, a glicemia normal seria de 70 a 99 mg/dL.
  26. 26. HIPERGLICEMIA • Estimula a secreção da insulina pelo pâncreas. • Esse hormônio estimula as células do nosso organismo a absorver a glicose presente no sangue. • Se essas células não necessitam imediatamente do açúcar disponível, as células do fígado se responsabilizam pela transformação da glicose, estocando-a sob a forma de glicogênio.
  27. 27. GLICEMIA BAIXA- HIPOGLICEMIA • Estimula o pâncreas a secretar outro hormônio: o glucagon. • O fígado transforma o glicogênio em glicose e libera a glicose no sangue. • A glicemia retorna, então, ao valor de referência.
  28. 28. DIABETES • Quando o pâncreas para de fabricar a insulina, ou o organismo não consegue utilizá-la de forma eficiente, a glicose fica circulando na corrente sanguínea, gerando a hiperglicemia e levando a uma doença conhecida como o diabetes
  29. 29. SIMPLES Os carboidratos simples são digeridos e absorvidos rapidamente, produzindo um aumento súbito da taxa de glicose no sangue (glicemia). Exemplos de alimentos que são fontes de carboidratos simples: frutas, mel, xarope de milho, leite e derivados, açúcares e vegetais.
  30. 30. MONO- DI- POLISSACARÍDEOS • Mono: contêm apenas uma molécula de açúcar. • Os dissacarídeos são compostos pela união de duas moléculas de açúcar (por exemplo: sacarose contém uma molécula de frutose e outra de glicose). • Os oligossacarídeos contêm de 2 a 20 unidades de monossacarídeos
  31. 31. CARBO COMPLEXOS • Correspondem àqueles com estrutura química maior, mais complexa, como os polissacarídeos (amido, celulose). • Devido ao tamanho de sua molécula, são digeridos e absorvidos lentamente, ocasionando aumento pequeno e gradual da glicemia. • Exemplos de alimentos fontes de carboidratos deste grupo: arroz, pão, batata, massa e fibras. • Os polissacarídeos possuem muitas unidades de açúcar, chegando a 3.000 unidades ou mais.
  32. 32. FONTES ALIMENTARES As fontes são: • Pães, massas, melados, cereais, frutas, açúcar, doces, geleias, legumes, verduras, vegetais feculentos, hortaliças e leite • Os alimentos refinados fornecem apenas calorias vazias, por isso devemos preferir os integrais que apresentam vitaminas, minerais e fibras.

×