Portifólio milena

1.317 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portifólio milena

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIACAMPUS II - ALAGOINHAS-BACOLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICASDEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRADOCENTE: CLÁUDIA REGINA TEIXEIRA DE SOUZA Portfólio Milena de Brito Improta 21/2/2011
  2. 2. Introdução Este portfólio é um relato dasexperiências vivenciadas durante o períodode Estágio Supervisionado II do curso deLicenciatura em Ciências Biológicas daUniversidade do Estado da Bahia, e temcomo objetivo sociabilizar as experiências emsala de aula, a fim de produzir uma reflexãocrítica e vislumbrar as futuras açõespedagógicas, e assim construir “um novoolhar sobre o ensino, a aprendizagem e afunção do educador”. “Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão.” Paulo Freire
  3. 3. O Estágio O estágio possibilita que sejamtrabalhados aspectos indispensáveis àconstrução da identidade, dos saberes e dasposturas específicas ao exercício profissionaldocente (PIMENTA, 2009), por meio dele oestudante pode perceber as diferenças domundo organizacional e exercitar suaadaptação ao meio docente (FACULDADEBATISTA BRASILEIRA, sd). O estágio funciona como uma “janela do futuro” através do qual o aluno antevê seu próximo modo de viver. Deve ser uma passagem natural do “saber sobre” para o “saber como”; um momento de validação do aprendizado teórico e
  4. 4. prático em confronto com a realidade (FACULDADE BATISTA BRASILEIRA, sd). Neste momento de aprendizagem eupude perceber quais são os meus potenciais eminhas falhas no meio docente, este processome possibilitou amadurecer as ideias queantes era apenas especulações do quepoderia fazer na sala de aula para ser umbom profissional e transmitir o conteúdocom clareza, para que o estudanteconseguisse desenvolver o seu conhecimento. Apesar de já ter vivido a experiência dadocência no Ensino Fundamental, no EnsinoMédio foi algo totalmente novo, acabeipercebendo que a didática teria que serdiferente, e que o controle da turma era mais
  5. 5. difícil, pois o pessoal era mais velho e não seimpunham a minha autoridade. Entre os meus grandes desafios estava odomínio de classe, e ele me mostrou que éuma das principais ferramentas para setornar um bom professor, porém na minhaconvicção eu não consegui desenvolvê-lo damelhor forma possível. Durante esse período pude apender quepara ser um bom professor é necessáriomanter uma boa relação com os estudantes,ser flexível, mais ao mesmo tempo exigente emanter sempre a palavra, é preciso motivarcontinuamente os alunos para que elestenham vontade de apreender, os exercíciosfazem parte da construção do conhecimentoe por isso devem ser bem trabalhos, pois elestambém são ferramentas que o professor
  6. 6. pode utilizar para verificar se houveaprendizado. O estágio possibilitou que eu vivesse umpouco da minha futura realidade e assimcomeçasse a construir a minha identidadeprofissional. Desenvolvendo a docência O estágio foi realizado no ColégioEstadual Luis Eduardo Magalhães, nomunicípio de Alagoinhas, durante o períodode 09 de setembro a 08 de dezembro. Foidesenvolvido em duas etapas o período deobservação e adaptação da turma e o períodode regência. O período de observação eadaptação consistiu em assistir as aulas daprofessora regente para que se pudesse
  7. 7. conhecer a turma e a forma de ensinar daprofessora. Neste momento eu me senti deslocada,todos os alunos me observando, comentandosobre mim, tive um pouco de inveja daprofessora, pois esta mantinha um bomrelacionamento com a turma e conseguia terdomínio de classe apesar dos alunos serembem agitados. E ai me vinha à pergunta seráque eu iria conseguir fazer um bomtrabalho? Apesar da insegurança o períodode observação me ajudou a refletir sobrecomo eu iria desenvolver o período deregência. A observação é uma parteimportantíssima do estágio, pois é nestemomento que você tem a oportunidade de
  8. 8. fazer uma diagnose do espaço que você estápreste a assumir (COSTA, 2010). Para a realização do período de regênciafoi utilizada a técnica de ensino de aulaexpositiva e métodos de avaliação comoestudo dirigido, quadro comparativo, aulaspráticas e testes de verificação. A propostade estágio foi desenvolvida a partir daelaboração de planos de aula contendosequências didáticas que buscarampotencializar as relações interativas na salade aula e acompanhadas de proposta deavaliação que fosse viável a realidade dosestudantes. Durante a regência senti muitadificuldade, pois a turma era muito agitada.Era muito triste ver o que eu tinha planejadonão dar certo, devido à falta de disciplina e
  9. 9. interesse dos alunos, esse foi um períodoonde eu pude aprender que é preciso pensarem tudo que poderá acontecer antes deplanejar. O planejamento serve como umaferramenta importantíssima para organizare subsidiar o trabalho do professor, destaforma ele deve ser uma organização dasideias e informações (CASTRO;TUCUNDUVA; ARNS, 2008). A EscolaO colégio Luis Eduardo Magalhães é umcolégio modelo presente nas principaiscidades do estado da Bahia, a sua estrutura ébem ampla e as salas são bem arejadas, todaspossuem um bom sistema de ventilação com
  10. 10. janelas e ventiladores, quadro branco e tvpendrive, porém a acústica acabaatrapalhando o andamento das aulas. Ocolégio possui uma biblioteca, um auditório,quadra esportiva, uma cantina, duas salas deprofessores, uma secretaria, coordenação,direção e bastante espaço para que osestudantes possam circular. O ambiente é instrumento dodesenvolvimento humano, em que o serhumano busca recursos para suas ações,desta forma a organização do espaço escolarpode favorecer ou não a aprendizagem dosalunos (FREITAS, sd). Desta forma eu me senti tranquila aosaber que o colégio apresentava umaestrutura que dava para desenvolver umtrabalho de qualidade com os discentes.
  11. 11. A professora A professora regente é formada pelaUniversidade do Estado da Bahia e tem umbom período de experiência de sala de aula, oseu relacionamento com os alunos é derespeito e cordialidade, ela é vista como umaprofessora exigente por grande parte dosalunos. Ela me passou segurança com relação aatuação do professor, porém no seu discursocomigo era perceptível a falta de satisfaçãocom a profissão, pois ela me aconselhou anão seguir essa carreira já como eracansativa e árdua. O problema da satisfação do professor sesitua no preenchimento de necessidades dealta ordem em uma profissão onde ospadrões de carreira podem ser limitados(TELEFER; SWAN, 1986 apud MOREIRA,sd).
  12. 12. A turma A turma 91 m3, era composta por 47alunos, porem nem todos freqüentavam, poisalguns eram alunos de dependência. Erauma turma muito agitada, os alunosgostavam de conversar, poucos tinhaminteresse e motivação para com as aulas,para ter um bom rendimento era necessárioo professo ter criatividade e sempre trazernovidades. A minha falta de experiência foi um dosgrandes desafios para com a turma que eramuito indisciplinada, eu me senti incapazalgumas vezes, já como o pessoal era maisvelho e nem todos estavam dispostos arealizar as atividades propostas. A indisciplina é um “fenómeno relacional e interactivo que se concretiza no incumprimento das regras que presidem, orientam e
  13. 13. estabelecem as condições das tarefas na aula e, ainda, no desrespeito de normas e valores que fundamentam o são convívio entre pares e a relação com o professor, enquanto pessoa e autoridade” (JOÃO AMADO, 1998 apud DEBATE). A indisciplina está muito relacionadacom a relação que se estabelece no interiorda aula e esta relação depende sobretudo damotivação dos alunos para os conteúdos daaprendizagem e do clima relacional(DEBATE, sd). Observando O período de observação ocorreu emuma semana e foram observadas duas aulas,pode-se perceber que a professora conseguiater um domínio de classe apesar da agitaçãodos alunos, transmitia segurança e domíniode conteúdo, porém pela sua didática dava
  14. 14. para perceber a falta de motivação para oensino. A didática da professora foi a aulaexpositiva isso me fez ter a ideia de inovarquando eu iniciasse a regência, porémquando eu fui viver a realidade de serprofessor percebi quanto é difícil não seacomodar com as técnicas de ensinotradicional. A didática é o conjunto de técnicas esaberes metodológicos indispensáveis à artede ensinar algo a alguém e cabe a elaconverter objetivos sociopolíticos epedagógicos em objetivos de ensino,consequentemente, em objetivoseducacionais, acrescentando-lhe a tarefa dedar sentido ao processo ensino-aprendizagem (SANTOS, 2003).
  15. 15. RegênciaPrimeira semana Estava ansiosa para que começasse... meprogramei para dar continuidade ao assuntosobre os integrantes do reino Plantae.Planejei fazer uma breve revisão para que osdiscentes pudessem compreender como sedeu a evolução no reino plantae, trabalhar adiferença entre angiospermas egimnospermas e a estrutura da flor atravésda dissecação de uma flor de hibisco. Na prática eu fiquei um pouco nervosaao fazer o primeiro contado. O tempo foi omeu grande inimigo, pois eu não conseguir
  16. 16. concluir tudo o que havia planejado.Conseguir motivar os alunos quando falei daaula prática sobre as partes da flor, todosficaram empolgados. O tempo destinado a cada parte da aula éuma decisão importante que os professorestêm que tomar durante o planejamento e aexecução da mesma (COSTA, sd). O planejamento do tempo durante as atividades propostas é particularmente mais difícil para professores em início de carreira, os quais, geralmente, não estão muito acostumados a preverem o tempo a ser despendido (WAJNRYB, 1996 apud COSTA, sd).
  17. 17. Segunda semana Nessa semana planejei trabalhar com osdiscentes a estrutura da semente, asdiferenças entre monocotiledôneas edicotiledôneas e a absorção de água e saisminerais pelos vegetais. Essa semana foi marcada pelaindisciplina dos alunos, estes estavam muitoagitados e eu acabei perdendo o controle dasituação, a professora regente teve queintervir para que eles se acalmassem. Esseacontecimento me fez sentir muito mal, eincapaz em relação à docência. A indisciplina integra todos oscomportamentos que os alunos apresentamna sala de aula que perturbam o trabalho
  18. 18. que o professor pretende realizar (JESUS,2008). É o principal fator de mal-estar docentepara muitos professores, de acordo com osresultados obtidos em diversas investigações(JESUS, 1996 apud JESUS, 2008).Terceira semana Para não confundir os discentes essasemana resolvi dar continuidade ao conteúdoreferente ao reino Plantae, diferente dasequencia abordada no livro didático.Planejei trabalhar a fisiologia vegetal.Devido ao feriado no dia anterior a uma dasaulas o que programei teve que serremanejado para a outra semana.
  19. 19. Consegui adequar o tempo ao que foiplanejado, conteúdo foi transmitido comclareza e os alunos mostraram compreensão.Ter conseguido cumprir com tudo que euhavia planejado me fez muito feliz, eutambém acabei percebendo que já estavatendo um pouco mais de experiência comrelação a docência. O tempo durante as aulas em que os alunos estão ativamente engajados nas atividades propostas representa uma significante contribuição para o aprendizado, ao contrário do tempo despendido nos intervalos, distribuição de livros e dever de casa e discussão sobre eventos que acontecerão nas aulas seguintes (RICHARDS; NUNAN, 1995 apud COSTA, sd).
  20. 20. Quarta semana Essa foi a semana de observação daprofessora orientadora, havia planejadotrabalha com o conteúdo sobre fotossíntese,hormônio vegetal e adaptações dos vegetais. Foi uma semana tranquila, conseguicumprir o planejamento, ela também memostrou que eu tinha capacidade de fazerum bom trabalho, pois havia faltado energiae eu consegui manter desenvolver o conteúdobem e prender a atenção dos alunos. A satisfação do professor está intrínsecaa chance de se relacionar com os alunos, aaprendizagem dos alunos e o crescimentopessoal e profissional através do ensino(MOREIRA, sd).
  21. 21. Quinta semana Esta semana planejei trabalha o reinoAnimalia, doenças causadas por verminose eum estudo sobre os principais vertebradosatravés de quadro comparativo que osdiscentes deveriam confeccionar e entregarno ultimo dia de aula. Como eu tenho uma grande paixão peloos animais dar aula sobre eles me deixoubastante animada, os discentes participaramda aula e ocorreu tudo bem.Sexta semana Planejei trabalhar com os filos Cnidária,Platelmintos, Nematelmintos e Molusca,para isso levei alguns animais representantesdesses filos e de outros. Ao ver os animais os discentes seinteressaram pelo conteúdo, a aula foi
  22. 22. bastante proveitosa. Ver o interesse dosdiscentes me deixou muito feliz, pois a partirdesse momento eu já estava começando aconquistar a confiança e atenção deles. A identificação do aluno com o professorpassa muito pela satisfação obtida na relaçãoestabelecida (JESUS,2008). Para potencializar a criação de “laços” com os alunos e a motivação destes, os professores devem evitar o distanciamento, a “neutralidade afectiva” e o autoritarismo, devendo, ao contrário, fomentar uma “relação de agrado” (RIBEIRO, 1991 apud JESUS,2008), caracterizada pelo diálogo, pela negociação e pelo respeito mútuo (JESUS,2008). Entre os fatores que pode auxiliar aformação de laços entre os professores ealunos está a linguagem utilizada na relaçãopedagógica, quer verbal, quer não verbal(JESUS,2008).
  23. 23. Sétima semana Planejei trabalhar com os filosArtrópode, Anelídea, Equinodermata,Vertebrata e fazer uma revisão para a prova. Os discentes ficaram preocupadosquando eu falei sobre os assuntos que ia cairna prova, eles acharam muito, mais ai euexplique que tudo que iria cair na prova foitrabalho em sala e que não era para eles sepreocuparem, a partir desse momento jádava para perceber um relacionamento derespeito, cordialidade e amizade entre mim eos estudantes, eles já estavam seacostumando a mim, senti muito pela relaçãonão ter sido feita antes e pelo tempo deexperiência ser tão curto. A interação professor-aluno ultrapassa os limites profissionais, escolares, do ano letivo e de semestres. É, na verdade, uma relação que deixa marcas, e que deve
  24. 24. sempre buscar a afetividade e o diálogo como forma de construção do espaço escolar (SILVA; SANTOS, 2002). Em seu relacionamento com os alunos, oprofessore deve dialogar e manter com eleuma afetividade, auxiliando o educando a irreconhecendo que sua vida é diferenciada,tanto em coisas intransformáveis quanto emcoisas que podem e devem ser modificadas(SILVA; SANTOS, 2002).Oitava semana Essa semana eu não fiz plano de aula,mais me planejei para aplicar a prova daunidade. Consegui ter um domínio de classe eimpor a minha autoridade como professora,foi um momento muito bom, pois eu já tinhaconquistado a confiança dos alunos.
  25. 25. A autoridade advém do papel social do professor e também do domínio que este possui do conteúdo com o qual está trabalhando, esta pressupõe uma relação hierárquica, onde o primeiro tem como função dar ordens que se referem ao “bom” anda-mento do processo de ensino- aprendizagem, e o segundo as segue, desde que elas sejam justas e se mostrem efica-zes (De La Taille, 1999 apud NOVAIS, 2004) A autoridade do professor é fundamentalna aprendizagem, pois garante a ordem, acontinuidade e o respeito à vida social(DAVIS E LUNA, 1991; SETTON, 1999apud NOVAIS, 2004)
  26. 26. ReferenciasCOSTA, Flaviane Arcênio Tinoco.Planejamento do Tempo em Sala de aula.Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/arado/relatorio4.htm> Acessado 18/02/11JESUS, Saul Neves. Estratégias para motivaros alunos. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 1,p. 21-29, jan./abr. 2008MOREIRA, Herivelton. A investigação damotivação do professor: a dimensãoesquecida. Disponível em: <http://escoladeser.wordpress.com/2008/09/25/a-investigacao-da-motivacao-do-professor-a-dimensao-esquecida/ > Acessado em 18/02/11SILVA, Andréa Catarina; SANTOS, RoseaneMoreira. RELAÇÃO PROFESSOR ALUNOUma reflexão dos problemas educacionais.Belém, Universidade da Amazônia, 2002.
  27. 27. SANTOS, Vivaldo Paulo. O QUEFAZER NASALA DE AULA: didática, metodologia ounada disso?. Disponível em: <http://portal.uninove.br/marketing/cope/pdfs_revistas/dialogia/dialogia_v2/dialogv2_vivaldosantos.pdf > Acessado em 18/02/11FREITAS, João Batista. A organização doespaço da escola de forma a favorecer oaprendizado. II Simpósio De GestãoEducacional Para Escolas Públicas.CASTRO, Patrícia Aparecida Pereira Penkal;TUCUNDUVA, Cristiane Costa; ARNS, ElaineMandelli. A Importância Do PlanejamentoDas Aulas Para Organização Do TrabalhoDo Professor Em Sua Prática Docente.ATHENA Revista Científica de Educação, v.10, n. 10, jan./jun. 2008COSTA, Valnise Christo. Portfólio. Disponívelem: <http://www.slideshare.net/020621388/portflio-de-valnise-christo-da-costa > Acessado em:18/02/11
  28. 28. PIMENTA, Selma Garrido & LIMA, MariaSocorro Lucena. Docência em FormaçãoSaberes Pedagógicos: Estágio e Docência. 4.ed. São Paulo: Cortez Editora, 2009FACULDADE BATISTA BRASILEIRA.Estágio Supervisionado. Disponível em: <http://www.fbb.br/downloads/estagio.pdf >acessado em: 18/02/11NOVAIS, Elaine Lopes. É possível terautoridade em sala de aula sem serautoritário?. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.1, 2004 (15-51)

×