ASPECTOS BÁSICOS  PLASTICIDADE NA DOR PATOLÓGICA Carlos Darcy Alves Bersot
FISIOPATOLOGIA DA DOR Dor:   é uma experiência sensorial subjetiva e complexa,de natureza cognitiva e emocional,  normalme...
<ul><li>Dor Crônica:  É a dor iniciada ou causada por uma lesão primária  ou disfunsão do sistema nervoso. </li></ul>
 
 
Frio Quente irritantes químicos  Neurônio Nociceptor Intensidade da força mecânica  Dor Resposta autonômica Reflexo Medula...
Neurônio periférico danificado  Medula espinal Danificada  cérebro Dor Neuropático   Dor espontânea Hipersensibilidade
NEUROTRANSMISSÃO DA DOR ATIVADORES: Histamina, BK Serotonina Fibras aferentes 1árias Fibra C e A  Glu S.P AMPA -   Na NM...
Substância P
Dor rápida e dor lenta Fibra C Fibra A  Dor rápida Dor lenta Tempo Tempo Intensidade Da dor Intensidade Da dor Estímulo n...
TIPOS DE FIBRAS
 
 
 
Conceito de Dor-Rene Descartes
 
 
Mecanismos da Dor Neuropática Lesão do Nervo Alterações Periféricas Alterações Centrais Dor Neuropática
O aumento da atividade nociceptiva leva à sensibilização de neurônios do corno posterior da medula espinal Estímulo  Mecân...
<ul><li>Lesão do Nervo </li></ul><ul><ul><li>Disparo espontâneo ao longo do axônio </li></ul></ul>Ausência do Estímulo Sen...
Mecanismos Periféricos  Sensibilização periférica <ul><li>A dor espontânea nos aferentes primários pode produzir sensibili...
<ul><li>Lesão do Nervo </li></ul><ul><ul><li>Disparo espontâneo de neurônios do corno posterior </li></ul></ul>Ausência do...
Brotamento (“Sprouting”) de Fibras Tipo A-  <ul><li>Terminação normal dos aferentes primários no corno posterior   </li><...
<ul><li>Lesão nervosa  </li></ul><ul><ul><li>atrofia de terminações das fibras C  </li></ul></ul><ul><ul><li>terminais de ...
<ul><li>A excitabilidade dos neurônios do corno posterior é determinada pela  equilíbrio de estímulos excitatórios e inibi...
<ul><li>A lesão nervosa diminui a entrada inibitória:  </li></ul><ul><ul><li>Estímulos aferentes induzem resposta mais int...
 
 
Nociceptors
 
AMPA,  -amino-3-hydroxy-5-methyl-4-isoxazole propionic acid; CCR2, CCL2 receptor; CX 3 CR1, fractalkine receptor; EAA, exc...
Mecanismo de Ação PAG NMR
Mecanismo de Ação PAG = Substância cinzenta periaquedutal NMR = Núcleo magno da rafe NRPG = Núcleo reticular paragigantoce...
PAIN… International Association for the Study of Pain http://www.iasp-pain.org / American Pain Foundation http://www.painf...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Chronic Pain-Physiopatology

5.314 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.314
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.929
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • websites
  • Chronic Pain-Physiopatology

    1. 1. ASPECTOS BÁSICOS PLASTICIDADE NA DOR PATOLÓGICA Carlos Darcy Alves Bersot
    2. 2. FISIOPATOLOGIA DA DOR Dor: é uma experiência sensorial subjetiva e complexa,de natureza cognitiva e emocional, normalmente provocada por estímulos nocivos.
    3. 3. <ul><li>Dor Crônica: É a dor iniciada ou causada por uma lesão primária ou disfunsão do sistema nervoso. </li></ul>
    4. 6. Frio Quente irritantes químicos Neurônio Nociceptor Intensidade da força mecânica Dor Resposta autonômica Reflexo Medula espinal cérebro Dor Nociceptivo
    5. 7. Neurônio periférico danificado Medula espinal Danificada cérebro Dor Neuropático Dor espontânea Hipersensibilidade
    6. 8. NEUROTRANSMISSÃO DA DOR ATIVADORES: Histamina, BK Serotonina Fibras aferentes 1árias Fibra C e A  Glu S.P AMPA -  Na NMDA -  Ca NK1 - PLC Nociceptores PG’s (sensibilizadores) Hiperalgesia SNC
    7. 9. Substância P
    8. 10. Dor rápida e dor lenta Fibra C Fibra A  Dor rápida Dor lenta Tempo Tempo Intensidade Da dor Intensidade Da dor Estímulo nocivo Estímulo nocivo Receptores polimodades C ( pele) Dor aguda bem localizada Vaga queimação dolorosa
    9. 11. TIPOS DE FIBRAS
    10. 15. Conceito de Dor-Rene Descartes
    11. 18. Mecanismos da Dor Neuropática Lesão do Nervo Alterações Periféricas Alterações Centrais Dor Neuropática
    12. 19. O aumento da atividade nociceptiva leva à sensibilização de neurônios do corno posterior da medula espinal Estímulo Mecânica Evocada Pelo Tato Intensificação da Atividade Sináptica Estímulo Não Nocivo Sensação Dolorosa Mecanismos Centrais Sensibilização
    13. 20. <ul><li>Lesão do Nervo </li></ul><ul><ul><li>Disparo espontâneo ao longo do axônio </li></ul></ul>Ausência do Estímulo Sensação Dolorosa Na +  2 Mecanismos Periféricos Fenômeno do Neuroma
    14. 21. Mecanismos Periféricos Sensibilização periférica <ul><li>A dor espontânea nos aferentes primários pode produzir sensibilização periférica nos axônios lesados e nos adjacentes íntegros </li></ul><ul><li>A desnervação parcial leva a aumento relativo dos níveis de NGF nas células intactas </li></ul>innocuous stimulus innocuous innocuous stimulus stimulus pain sensation pain pain sensation sensation nociceptor nociceptor nociceptor nociceptor nociceptor nociceptor Estímulo Não Nocivo Hiperalgesia Mecânica e Térmica Sensação Dolorosa NGF NGF NGF NGF
    15. 22. <ul><li>Lesão do Nervo </li></ul><ul><ul><li>Disparo espontâneo de neurônios do corno posterior </li></ul></ul>Ausência do Estímulo Sensação Dolorosa Mecanismos Centrais Sensibilização Central
    16. 23. Brotamento (“Sprouting”) de Fibras Tipo A-  <ul><li>Terminação normal dos aferentes primários no corno posterior </li></ul>Gânglio da raiz dorsal Fibras A-  Fibras C superficial profundo Mecanismos Centrais Reorganização da Conectividade Sináptica Corno posterior
    17. 24. <ul><li>Lesão nervosa </li></ul><ul><ul><li>atrofia de terminações das fibras C </li></ul></ul><ul><ul><li>terminais de fibras A-  “brotam” em direção a porções superficiais da raiz dorsal </li></ul></ul>Brotamento (“Sprouting”) de Fibras Tipo A-  Mecanismos Centrais Reorganização da conectividade sináptica Corno posterior Gânglio da raiz dorsal Fibras A-  Fibras C superficial profundo
    18. 25. <ul><li>A excitabilidade dos neurônios do corno posterior é determinada pela equilíbrio de estímulos excitatórios e inibitórios (locais e descendentes) </li></ul>Mecanismos Centrais Desibinição Neurônio do Corno Posterior Vias Inibitórias Descendentes Neurônio Inibitório Local Sinapse Excitatória Sinapse Inibitória RESPOSTA NORMAL Estímulo Nocivo ou Inócuo Encéfalo
    19. 26. <ul><li>A lesão nervosa diminui a entrada inibitória: </li></ul><ul><ul><li>Estímulos aferentes induzem resposta mais intensa </li></ul></ul><ul><ul><li>Neurônios do Corno Posterior podem disparar </li></ul></ul><ul><ul><li>espontaneamente </li></ul></ul>Sinapse Excitatória Sinapse Inibitória RESPOSTA DOLOROSA EXACERBADA Estímulo Nocivo ou Inócuo Neurônio do Corno Posterior Vias Inibitórias Descendentes Neurônio Inibitório Local Mecanismos Centrais Desibinição Encéfalo
    20. 29. Nociceptors
    21. 31. AMPA, -amino-3-hydroxy-5-methyl-4-isoxazole propionic acid; CCR2, CCL2 receptor; CX 3 CR1, fractalkine receptor; EAA, excitatory amino acids; ERK, extracellular signal-regulated kinase; FPRL1, formyl peptide receptor-like 1; MHC, major histocompatibility complex; NGF, nerve growth factor; NK1R, neurokinin-1 receptor; NMDA, N -methyl- D -aspartate; P2X4, P2X7, ionotropic purinoceptors; p38 MAPK, p38 mitogen-activated protein kinase; TLR4, Toll-like receptor 4.
    22. 32. Mecanismo de Ação PAG NMR
    23. 33. Mecanismo de Ação PAG = Substância cinzenta periaquedutal NMR = Núcleo magno da rafe NRPG = Núcleo reticular paragigantocelular Córtex PAG NMR Corno Dorsal Hipotálamo Tálamo NRPG Periferia LC (+) (+) ( + ) ( + ) (+) (+) NA 5-HT Enk ( - ) Opióides Opióides Opióides
    24. 34. PAIN… International Association for the Study of Pain http://www.iasp-pain.org / American Pain Foundation http://www.painfoundation.org/ American Pain Society http://www.ampainsoc.org/ American Chronic Pain Association http://www.theacpa.org / American Academy of Pain Medicine http://www.painmed.org/about / NIH information http://www.ninds.nih.gov/health medical/pubs/pain.htm#spine Pain Seminar, Lecture #1, DEFINING PAIN, p. 2

    ×