SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 93
O Dilema da
Psicologia
Contemporânea
Paulo da Silveira Rosas
.
IntroduçãoIntrodução
Esforço da psicologia para alcançar
legitimidade entre as ciências
Século XX: destaca-se a psicologia
aplicada nos mais diversos campos da
atividade humana
Problema colocado em questões:
Problema colocado pelo autor emProblema colocado pelo autor em
questõesquestões
Psicologia deve se ater ao domínio
mágico da intuição e casuística e
abandonar campo científico?
Erro da psicologia estaria na escolha do
modelo científico: positivista, à maneira
das ciências naturais?
A psicologia é uma ciência natural?
Ensaio é um parecer sobre oEnsaio é um parecer sobre o
problemaproblema
Referencial básico para discussão do
autor: psicologia acadêmica e em
contraposição a psicologia clínica
Apesar de sua atitude crítica, afirma que:
— em primeiro lugar, a psicologia é necessária;
— em segundo lugar, por sua reflexão, por sua inventividade, os psicólogos
encontrarão o caminho adequado para a realização de seu programa;
— finalmente, nada do que foi feito, nada do que foi até o momento tentado,
nem mesmo as hipóteses paracientíficas, são inúteis enquanto
aproximações (...)
Capítulo I - Da introspecção, comoCapítulo I - Da introspecção, como
método original da psicologiamétodo original da psicologia
Princípio: filosofia/especulação a partir
das próprias experiências (dobrar-se
sobre si mesmo – introspecção)
Significado de Introspecção
s.f. Exame do interior.
Estudo da consciência por si mesma. (O
valor científico da introspecção é muito
discutível, dado o seu caráter subjetivo.)
SócratesSócrates
O filósofo faz um “profundo convite à
introspecção”, tornando-a um método
Maiêutica (arte de levar o interlocutor, através
de uma série de perguntas, a descobrir
conhecimentos que ele possuía sem que o
soubesse)
Entretanto não se podia considerar
introspecção como método da psicologia
Introdução da introspecção naIntrodução da introspecção na
psicologiapsicologia
Se dá pelo estudo que os moralistas fazem do
que denominam “paixões”
Moralistas??
 São críticos dos costumes e da (moral),
mentalidade e do espírito de sua
época. Os moralistas franceses são um
grupo heterogêneo de pensadores franceses
dos séculos XVII e XVIII, que foi inaugurado
por Montaigne e que culmina até o iluminismo.
Montaigne
Bourdaloue
La Bruyère Marquis de Vauvenargues
DescartesDescartes
Com este pensador é que “a
introspecção assumiu um papel definido
como método da psicologia”
Considerando o dualismo mente/corpo,
do método cartesiano, Descartes analisa
o papel do corpo enquanto mediador,
semelhante a uma máquina e a alma
(possuidora de res cogitans) deveria ser
estudada pela introspecção.
  Descartes admite a existência deDescartes admite a existência de
três substâncias:três substâncias:
1- Res cogitans (espírito): substância
pensante, imperfeita, finita e dependente.
2- Res divina (Deus): substância eterna,
perfeita, infinita, que pensa e é
independente.
3- Res extensa (matéria): substância que
não pensa, extensa, imperfeita, finita e
dependente.
IntrospecçãoIntrospecção
Maine de Biran elevou a
introspecção à condição
de método por
excelência da
psicologia.
• Considerado um dos mestres na arte da
introspecção, com sua “ciência dos fatos
interiores” pretendia decompor as
faculdades relativas ao pensar, de modo
a esclarecer as “faculdades elementares”.
WundtWundt
Considerava a psicologia como o
estudo da experiência imediata,
situada entre as ciências sociais e as
ciências morais.
Para este autor, a psicologia deveria
focalizar três questões:
◦ A análise dos processos mentais (sensações,
imagens, sentimentos);
◦ A descrição do modo como estes
processos se conectariam e
◦ A descoberta das leis de sua conexão
Para WundtPara Wundt
Toda a problemática da psicologia estaria
preenchida caso fossem encontradas as leis que
regeriam e combinariam um número de
elementos sensoriais finito.
Enquato para Maine de Biran a introspecção se
tratava de um livre exercício de reflexão, para
Wundt a introspecção deveria ser controlada,
conferindo a esta um status de método de
pesquisa científico
Titchener
Intérprete do
pensamento de Wundt
nos EUA, acredita que a
experiência imediata de
um indivíduo em dado
momento constitui o
que ele compreende por
consciência
Consciência e movimentoConsciência e movimento
Titchener admite que não se pode
observar duas vezes a mesma consciência
Entretanto, “a ciência psicológica
é possível porque podemos observar a
“consciência particular” e os “processos
mentais se agrupam da mesma maneira,
mostram o mesmo tipo de arranjo,
sempre que o organismo é colocado nas
mesmas circunstâncias”
Psicologia como ciência puraPsicologia como ciência pura
A psicologia para Titchener é uma ciência
pura, não comportando qualquer tipo de
aplicação, seja clínica, seja psicométrica
ou outra qualquer.
BrentanoBrentano
Contrapunha-se ao elementarismo de Wundt,
“propondo um modelo fenomenológico para a
psicologia – a psicologia do ato”
Nega a hipótese da
psicologia como ciência
natural ou como ciência
da alma, considerando-a
antes como “ciência
dos fenômenos
psíquicos”
Psicologia sem almaPsicologia sem alma
Brentano defende, junto com Lange, a
construção de uma psicologia sem alma
 Considerava que a primeira tarefa do
psicólogo, consiste em “determinar de
maneira certa as características comuns a todos
os fenômenos psíquicos”. E, a partir daí,
reunir os fenômenos psíquicos em classes
fundamentais, conforme as exigências de suas
“afinidades naturais”
Para realizar os estudo dos fenômenos
psíquicos,compreendidos como “atos”, o
psicólogo deveria, na concepção de
Brentano, utilizar a
Introspecção.
Esta, porém, não era concebida como
“observação interna”, o que lhe parece
impossível, mas como “percepção
interior”, “fonte primeira e indispensável
da psicologia”.
Limitação da psicologiaLimitação da psicologia
Para Brentano a psicologia é a única ciência para
a qual a observação direta seria inaplicável.
Entretanto, essa limitação pode ser compensada
pelo “conhecimento indireto” dos fenômenos
psíquicos de outros indivíduos, pois (...)
“mesmo sem a intervenção da palavra, se
manifestar externamente, de modo menos
perfeito, é verdade, mas não raro com
suficiente clareza”
Fenomenologia
Franz Brentano estabeleceu
profundas diferenças entre os eventos
físicos e os fenômenos psíquicos,
afirmando que nestes existe
intencionalidade e um modo de
percepção original.
Suas principais idéias foram
desenvolvidas por Edmund Husserl
Outros representantes foram: Heidegger, Max Scheler, Hartmann,
Biswanger (psiquiatra fenomenólogo), De Waelhens, Merleau-
Ponty, Jaspers, Buber, Sartre
Postulado básico da
fenomenologia: Noção de
intencionalidade
Pela intencionalidade busca-
se a superação das
tendências racionalistas e
empiristas surgidas no século
XVII
24
Séc. XVII – Empirismo: Francis Bacon, Hobbes, Lock
Racionalismo: Descartes, Pascal,
Malebranche, Spinoza, Leibniz
Séc. XVIII – Empirismo: Berkeley, Hume
Racionalistas: acreditavam que há uma consciência
pura, separada do mundo – acentuavam caráter
absoluto e universal da razão. Pressupõem a primazia
dinâmica do espírito sobre a experiência.
Empiristas: acreditavam na existência do objeto em si;
Pressupõem que as idéias provêm das sensações e, em
seguida, compõem-se entre si para formar idéias mais
gerais, graças às leis da associação.
Na psicologia o empirismo se manifesta especialmente
na corrente behaviorista.
25
A fenomenologia pretende
realizar a superação da
dicotomia
razão – experiência no
processo de conhecimento,
afirmando que toda
consciência é intencional.
26
Ao contrário dos
racionalistas, a
fenomenologia considera que
não há pura consciência,
separada do mundo, mas
“toda consciência é
consciência de algo”; toda
consciência tende para o
mundo.
27
Ao contrário dos empiristas,
a fenomenologia considera
que não há objeto em si, já
que o objeto só existe para
um sujeito que lhe dá
significado:
“O objeto é sempre objeto
para a consciência”
28
A intencionalidade é,
essencialmente, o
ato de atribuir um
sentido; é ela que
unifica a consciência
e o objeto
29
O conceito de intencionalidade
permite a contraposição à
filosofia positivista do século XIX,
restrita à visão objetiva do mundo:
crença na possibilidade de um
conhecimento científico neutro,
despojado de subjetividade, cada
vez mais distante do homem.
Séc. XIX – Positivismo: Augusto Comte, Taine, Stuart
Mill, Spencer
30
A fenomenologia estabelece
uma nova relação entre
sujeito e objeto, homem e
mundo passam a ser
considerados pólos
inseparáveis.
31
Fenômeno em grego
significa: “o que aparece”.
A Fenomenologia aborda os
objetos do conhecimento tais
como aparecem, isto é, como
se apresentam à
consciência.
32
A consciência é compreendida pelos
fenomenólogos como: doadora de
sentido e fonte de significado para o
mundo.
Sendo assim, o conhecimento é um
processo inesgotável de exploração do
mundo.
“O olhar do homem sobre o mundo é o
ato pelo qual o homem experiencia o
mundo, percebendo, imaginando,
julgando, amando, temendo etc.”
Herança: metodologia subjetivaHerança: metodologia subjetiva
Os modelos elementarista (Wundt e Titchener)
e fenomenológico (Brentano) embora distintos,
legaram à nova psicologia a herança de uma
metodologia subjetiva
Isso ocorria tanto com as perspectivas
germânicas como com a psicologia norte-
americana dos primeiros tempos, cujo
representante, William James, também
considerava a introspecção como método
primeiro da psicologia, embora fizesse críticas
ao mesmo.
Status de ciência incompatível comStatus de ciência incompatível com
modelo positivistamodelo positivista
A metodologia subjetiva era inaceitável
para a concepção positivista de ciência do
séc. XX
“Na realidade, a insuficiência da
introspecção é sentida pela maioria dos
psicólogos que a aplicam.”
Mesmo assim, até o advento do
Behaviorismo é geralmente aceita e
defendida em manuais clássicos
Cap. II O legado da PsiquiatriaCap. II O legado da Psiquiatria
tradicionaltradicional
Morton Prince
Em 1927, fundou em
Harvard uma “Clínica
Psicológica”, com a
explícita intenção
de promover a realização
de estudos conjuntos
de psicologia clínica
e de psicologia
acadêmica
Clínica já existia,Clínica já existia, formalmenteformalmente,,
desde 1896desde 1896
Lightmer Witmer organizou uma “clínica
psicológica” na Universidade da
Pensilvânia.
O destaque a Morton Prince se faz pelo
fato de, diferentemente de outros
cientistas da época, preocupar-se com
a psicologia clínica.
O estudo de obras “clássicas” revela que
estas quase nada contêm sobre a
psicológica clínica
 Estudiosos da história da psicologia costumam citar, como
nomes da psicologia clínica:
◦ Freud, Charcot, Jung (psicanálise)
◦ alguns terapeutas egressos do mesmerismo (termo
advindo de Franz Anton Mesmer, médico que plagiou
Maximillian Hell, jesuita e curandeiro que curava pessoas
com um prato metálico magnético)
◦ alguns terapeutas egressos da hipnologia (Elliotson,
Braid, Esdaile),
◦ psicanalistas das primeiras décadas (Ferenczi, Adler);
◦ psicopatologistas de vários quadrantes, desde Pinel e
Esquirol e Janet e Ribot, chegam mesmo a Morton Prince,
passando por Kraepelin, Liébault, Kretschmer.)
Poucos dos nomes citadosPoucos dos nomes citados
ocuparam-se da psicologiaocuparam-se da psicologia
Com frequência, o vocabulário
psicológico é usado de forma heterodoxa
(Doxa, em grego, significa opinião, mais próximo a senso-comum. Hetero - diferente.
Heterodoxo: opinião diferente, diferente do senso-comum. Heterodoxo é o
contrário de ortodoxo - que é quem segue a doutrina, quem segue o que é tido
como verdadeiro)
Embora parcial e tardiamente absorvido,
há um significativo legado da psiquiatria.
Desmistificação e re-mistificaçãoDesmistificação e re-mistificação
das doenças mentaisdas doenças mentais
Somente a partir do séc. XVI é que os
médicos concentraram seus interesses
sobre a psicopatologia (até então
psiquiatria não se distingue da medicina)
Hipócrates: primeiro médico a buscar
desmistificação, usando combinação
entre:
4 humores
4 órgãos secretores
4 elementos básicos
Saúde para HipócratesSaúde para Hipócrates
Consequência de
equiblibrada combinação
entre humores
Desequilíbrio: doenças,
como temperamentos:
sanguíneas, melancólicas,
coléricas e fleumáticas
HisteriaHisteria
Relacionada à figura feminina, problemas
uterinos e pela ausência prolongada de
relações sexuais.
Influência de Galeno:
Aplicações de banhos
Massagens
Dietas
Choques de enguias
Música
Choque moral
MétodoMétodo PsychoterapeusisPsychoterapeusis
Invenção de Rhazes (Al –Razi) para o
tratamento de certas paralisias
Entre os judeus, Maimônides, médico e
filósofo, descreveu a “evolução da
melancolia em mania”, considera necessário
tratar doenças da alma semelhantemente às
doenças do corpo
Epicuro: empresta à filosofia um caráter
terapêutico
Cícero e Boécio: importantes reflexões
sobre o papel curativo dos “consoladores”
Hipócrates, Galeno, Rhazes: estão em
posição de quem traz fatos episódicos na
história da medicina e da prática do que
viria a ser no futuro a psiquiatria.
Asclepíades, Celso, Sorano e Aretaeus
(primeiro a descrever a personalidade
pré-psicótica) também podem ser
destacaddos.
Obstáculos e PreconceitosObstáculos e Preconceitos
“Durante alguns séculos, o avanço dos
estudos sobre as doenças mentais seria
obstaculizado por preconceitos, em geral
apontados, mas cuja interpretação
psicológica está por ser feita.” (p. 54)
-Vilanova (1240-1313): medicina de base
hipocrática associada a magia
-Pedro Albano ((1250-1316): observações
sobre doentes mentais
Comportamento histérico eComportamento histérico e
feitiçariafeitiçaria
Feiticeiras: vítimas e agentes do demônio
que poderia assumir forma humana para
seduzir e promover pactos carnais por
meio dos íncubos e súcubos.
Íncubos vem do verbo incubare que significa "deitar-se
sobre" . Súcubos vem do verbo succubare que significa
"deitar-se em baixo de". Assim sendo, Íncubos são
demônios machos que visitam mulheres mortais e têm
sexo com elas, enquanto Súcubo é a versão feminina e
atacam homens.
Malleus Maleficarum (“MarteloMalleus Maleficarum (“Martelo
das Feiticeiras”).das Feiticeiras”).
Obra de Johann Sprenger e Heinrich
Kremer, inquisidores dominicanos.
Obra escrita em de 3 partes:
1. componentes indispensáveis da feitiçaria
2. modo de agir das bruxasa e a maneira pela qual
a feitiçaria pode ser anulada e dissolvida
3. procedimentos judiciais contra feiticeira e
demais heréticos
Outras explicações para doençasOutras explicações para doenças
mentaismentais
A partir do século XIII, segundo Foucault,
a “loucura” é com freqüência
encarada como um vício.
“Por esse tempo era bastante generalizado
entre os médicos incluir-se entre os fatores
determinantes da histeria e, por extensão, das
psicopatias em geral, a ociosidade, a
alimentação inadequada e outras características
das classes economicamente privilegiadas.” (p.
55)
Nave dos loucosNave dos loucos
A obra critica os costumes da sociais
da época.
“Em a Nau dos Loucos, as freiras e o
frade negligenciam as obrigações
religiosas
e se entregam as prazeres mundanos.
A critica às freiras e aos frades imorais
eram frequentes na obra do pintor e os
vícios típicos dos conventos – como
luxuria e gula – foram por ele
amplamente denunciados. (...)
tributário de uma visão religiosa e
moralizadora, o pintor propõe, com
seus quadros, a associação entre
loucura, fraquezas
e ilusões humanas.” (Matias, K.D.,
2011)
Hieronymus Bosch. Stultifera navis.
Óleo sobre madeira. 55 X 31,5 cm.
Paris, Louvre.
Tratamentos recomendados àTratamentos recomendados à
épocaépoca
banhos (para Boerhaave, mergulho em
água gelada),
equitação,
viagens ao estrangeiro,
sangrias, purgativos, fumigações uterinas,
jogos de salão, como
o xadrez. (p.55)
Classes sociais e loucuraClasses sociais e loucura
“No século XVIII , a situação sócio-
econômica – econômica antes de tudo –
das faixas “inferiores” da população,
egressas de um longo período
de medo e de luta por causas não muito
bem definidas, perdida inclusive a frágil
segurança dos antigos núcleos feudais, não
era francamente favorável à manutenção de
modelos sadios de
Comportamento” p.56
Saneamento e caridadeSaneamento e caridade
Início do séc. XVII:
internação como
caridade
São Vicente de Paulo –
buscava internar os que
assim o desejassem.
Saneamento e repressãoSaneamento e repressão
Milícias para impor internaçãoMilícias para impor internação
Na verdade a Internação objetivava, na
verdade, afastar os indesejáveis do
convívio e se destinava mais a abrigar os
contraventores da ordem pública,
principalmente quando se considera que as
entidades administrativas eram direta ou
indiretamente controladas pelo Estado
WorkhousesWorkhouses
“Casas de correção, onde os internados se
obrigavam a uma jornada diária de trabalho.
Embora por caminhos tortos se reduzisse
o erro — os caminhos
não eram honestos; o possível acerto seria
um subproduto acidental de uma ação que
visava um lucro fácil, com investimento a
baixo custo.” (p. 57)
Preconceito culturalPreconceito cultural
Fazia da loucura uma reedição da lepra.
Por parte de médicos
Por parte de educadores
Reação aos preconceitosReação aos preconceitos
Paracelso
Grande contestador,
combateu a caça às
bruxas Ambroise Paré
Sustentou ser
imaginária a
coabitação com
íncubos e súcubos.
Três pensadores importantes queTrês pensadores importantes que
reagiram aos preconceitosreagiram aos preconceitos
Hohann Weyer
Primeiro médico a se
concentrar na
psicopatologia.
Documentou abusos na
perseguição de doentes
Persistência de idéias da épocaPersistência de idéias da época
Apesar de seus espíritos críticos, não se
livraram totalmente de influências de
idéias de sua época
“(...) oscilavam todos eles entre certas
evidências que constatavam e as crenças
fantásticas que ingenuamente
assimilavam” (p. 60)
Reforma PsiquiátricaReforma Psiquiátrica
“Foi preciso que (...) Philippe Pinel
(1745- 1826), sob o calor da Revolução
Francesa assumisse a (...) decisão de
retirar simbolicamente as correntes que
prendiam os “loucos” do Bicêtre (1793)
e da Salpêtrière (1795), para uma nova
atitude, uma nova mentalidade começar
a se impor.” (p. 59)
Philippe Pinel na Salpêtrière (libertando de suas correntes a uma
paciente) . Quadro de Robert Fleury (1795)
A “presunção” de Pinel gerouA “presunção” de Pinel gerou
frutos.frutos.
Reforma hospitalar e no tratamento
aos loucos de vários lugares:
◦ Florença
◦ Palermo
◦ Alemanha
◦ Inglaterra
Para a construção da psiquiatriaPara a construção da psiquiatria
modernamoderna
Reação aos preconceitos, como já visto,
representou um progresso bastante
irregular
Progresso científico também era
discutível (Pinel defendia que psicóticos
teriam resistência animal)
“Portanto, a construção da psiquiatria
moderna teve por bases iniciais alicerces
não muito estáveis. Tampouco seriam mais
seguras as informações de que se nutriria,
ao tentar um apoio na ciência. Sobretudo
quando este apoio foi procurado em um
conjunto de hipóteses que poderiam ser
chamadas paracientíficas.” (p. 61)
As Hipóteses ParacientíficasAs Hipóteses Paracientíficas
Três problemas foram objeto de
pesquisas “paracientíficas”:
◦ a aventura do vitalismo,
◦ o magnetismo animal e
◦
◦ a frenologia.
A aventura do vitalismoA aventura do vitalismo
Séc. XVII – XIX: investigações de filósofos e
biofilósofos:
◦ Arqueus (Princípio vital que, segundo Paracelso e J. B. van Helmont,
rege e mantém o desenvolvimento e a continuidade dos seres
vivos.)
◦ Iatroquímica (doutrina médica que surgiu durante o século XVI, a
qual atribuía a causas químicas tudo o que se passava no organismo,
são ou enfermo)
◦ Mediador plástico (Cudworth concebeu a idéia de uma substância
intermediária ao corpo e à alma, participante da natureza de um e
de outra)
◦ Flogístico Fluido que os antigos químicos supunham inerente a
todos os corpos e que, segundo acreditavam, produzia a combustão
ao abandonar esses corpos. (A teoria do flogístico, desenvolvida no
séc. XVIII sobretudo por Stahl, foi definitivamente refutada por
Lavoisier.)
Iatro...Iatro...
A iatroquímica opuseram-se os
iatromatemáticos.
“A iatromatemática logo evoluiu para o
que se chamou iatrofísica e a
iatromecânica. De inspiração cartesiana,
pelo menos em parte, pretenderam seus
defensores ser o homem uma máquina,
explicando-se a saúde ou as enfermidade
de modo estritamente mecanicista.”
(p.62)
Da iatroquímica e da iatromecânica
nasceriam dois “novos” sistemas médicos
e duas hipóteses sobre a vida: o
humorismo e o solidismo.
o funcionamento do corpo
seria semelhante ao de
uma máquina
hidráulica: tratava-se de
uma volta à “teoria dos
humores”, de Hipócrates
Boerhaave não
pensava no corpo
como sendo
exclusivamente sólido,
mas sim
formado de sólidos
“mergulhados em
humores”
Do magnetismo à hipnoseDo magnetismo à hipnose
“Os reducionismos mágicos são quase
sempre atraentes.”
Vinha de longe a idéia de se comparar a
“atração” existente entre as pessoas à
constatada entre o ferro e o imã.
Aristóteles já dissera que o ferro se move
para o ímã como o amante para a amada
(cf. Wiener e Noland, 1971, p. 18). (p.62)
Magnetismo/MesmerismoMagnetismo/Mesmerismo
Em 1600 William Gilbert (1540-1603).
Enunciaria sua teoria do magnetismo: De
Magnete.”
Este pensador “defendia o valor
medicinal do ferro e o poder de
animação do ímã, que “imita” e às vezes
“supera” a alma do homem.” (p. 62)
MesmerMesmer
Ao corpo geral de sua “doutrina” Mesmer deu
o nome de “magnetismo
animal”, por considerar que o “magnetismo
metal” não seria indispensável”.
O magnetismo animal foi proibido na
Universidade de Paris e os bens de Mesmer
foram confiscados pelos jacobinos, mas o
mesmerismo persistiu por muito tempo e “até
o século XIX receberia acréscimos e
modificações resultantes
de contribuições de magnetizadores diversos.”
HipnoseHipnose
“Paulatinamente, na medida em que se
avançava no século XIX, o mesmerismo
cedia lugar à hipnose”
A hipnose foi um termo usado pelo
médico Braid para substituir o então
denominado “sono mesmérico”
As idéias de Braid encontrariam eco e
continuidade em diversos trabalhos, onde
se enfatizava o poder da sugestão, como
os de Charcot
e Pierre Janet, na Salpêtrière.
FRENOLOGIAFRENOLOGIA
Um terceiro núcleo de interesses, dentro
dos limites das “hipóteses paracientíficas” é
centrado
sobre o estabelecimento de relações de
dependência entre os traços fisionômicos
(fisiognomonia) ou a circunvoluções do
cérebro (craniologia, frenologia), de um
lado, e, de outro, a conduta moral e afetiva
dos indivíduos.
Fisiognomonia (de Lavater)Fisiognomonia (de Lavater)
“estudo do homem interior e moral, pela
observação do homem exterior e físico”,
especialmente da observação de: fronte,
olhos, sobrancelhas, nariz, boca, dentes,
queixo, bochechas, pescoço, cabelos. (p.
66)
Craniologia/FrenologiaCraniologia/Frenologia
Com Franz Joseph Gall (1758—1828), a
fisiognomonia evoluiu para a organologia ou
craniologia, pela qual acreditava que havia
correlações entre faculdades intelectuais e
qualidade morais e as circunvoluções cerebrais.
O termo frenologia, quase sempre indicativo da
hipótese de Gall, é, na verdade, atribuído a
Spurzheim (1776—1832), entusiasta de suas
idéias e, durante algum tempo, seu colaborador
“
Contribuições empíricasContribuições empíricas
Ao lado dessas hipóteses paracientíficas,
desenvolveu-se a partir do século XVII uma
preocupação empírica que informaria
em grande parte a psiquiatria e a psicologia clínica
contemporâneas.
 Método contribui com a contraposição a
explicações puramente racionais. Busca-se a
descrição e classificação. “A explicação deve
partir do que se vê, embora seja ainda muitas
vezes ingênua.” (p. 68)
Séculos XVII e XVIIISéculos XVII e XVIII
Persistência de explicações errôneas
e ingênuas:
◦ “emanações” ou “vapores”, partindo do
útero,contaminariam outros órgãos.
◦ “paixões do espírito” podem causar
perturbações morais ou mesmo físicas.
Consequências do modo empíricoConsequências do modo empírico
de pensarde pensar
Reformulação da crença em torno da
suposta natureza uterina da histeria.
 Compreensão de fatores sociais e
culturais nos processos de agravamento e
cura das doenças mentais.
Séculos XVIII a XIXSéculos XVIII a XIX
 Nestes séculos há uma explosão de autores e
de ensaios abordando a psicopatologia.
“Embora por vezes reflitissem provável
influência filosófica e psicológica — sobretudo no
concernente à investigação do comportamento
emocional —, não há vinculação estreita entre os
autores interessados na psicopatologia e os
psicólogos”. (p.70)
Validade discutívelValidade discutível
Apesar do acúmulo de observações e
descrições baseadas em observações
empíricas, ainda não há controle ou
organização técnica das informações
disponíveis, traduzindo-se em falhas
metodológicas e lógicas. (p. 70)
Havia neste período, uma motivação de
classificar as doenças, tal qual ocorria nas
ciências naturais.
Autor apresenta esquemas relativosAutor apresenta esquemas relativos
às classificaçõesàs classificações
Verificar quadros 7, 8 e 9 nas páginas
71 a 73
O autor destaca a importância das
classificações, no entanto, alerta para o
fato de que na época o conhecimento
acumulado ainda era fragmentário, bem
como a técnica de observação empregada
era ingênua.
Visão de conjunto sobre contribuiçõesVisão de conjunto sobre contribuições
psiquiátricas dos séculos XVIII e XIXpsiquiátricas dos séculos XVIII e XIX
Partindo da obra de Mark D. Altschule
(1976), destaca:
◦ Um grupo de contribuições abrangendo
trabalhos teóricos concernentes a aspectos
gerais da psicopatologia;
◦ Um segundo grupo de contribuições
compreendendo a descrição empírica de
síndromes.
Estudos teóricos: 3 temáticasEstudos teóricos: 3 temáticas
centraiscentrais
◦ A lógica do pensamento psicótico
(François Leuret, em 1834)
◦ A possibilidade de a mente enferma se
exprimir a si mesma “por meio de uma
linguagem figurada”. (Ernst von
Feuchtersleben, em 1845)
◦ Inconsciente e às manifestações
inconscientes da sexualidade.
InconscienteInconsciente
Vários autores consideravam o inconsciente,
não necessariamente com o mesmo sentido
proposto por Freud, dentre o quais se
destacam:
 Fisiólogos e físicos: mencionavam inferência
inconsciente
 Filósofos especularam sobre o assunto
 Na medicina reconheceram a existência de “forças
fisiológicas” de que o homem não teria consciência.
 Heinroth, em particular, escrevia intuitivamente sobre
o “conflito interior” (p.75)
SexualidadeSexualidade
 A sexualidade estava relacionada a
perturbações mentais desde os séculos XVI
e XVII .
No entanto, esta relação seria
redescoberta no séc. XIX, com vários
documentos fortalecendo a hipótese da
“influência dos sexos sobre o caráter das
idéias e das afecções morais” dos
indivíduos.
Ego e “personalidades múltiplas”Ego e “personalidades múltiplas”
A especulação sobre o inconsciente
reforçaria o interesse pelo estudo sobre
a natureza do ego e das personalidades
múltiplas.
No séc. XIX, os especialistas que
analisaram o assunto contrapuseram uma
análise mais racional à antiga associação
entre “dupla” ou “múltipla personalidade”
e a intervenção do demônio
Dentro ainda das considerações teóricas
relativas à psicopatologia desenvolvidas
no século XIX, destaca-se o estudo de
mecanismos primários e sintomas:
◦ ansiedade, comportamento
◦ anti-social, regressão
◦ e alucinações (ilusões e delírios).
Também há estudos sobre associações
entre alucinações e efeito de drogas
Autor destaca as tentativas deAutor destaca as tentativas de
explicações sobre doenças mentaisexplicações sobre doenças mentais
Modelo da psicossomática (expressão
utilizada pela primeira vez por Johann
Christian Heinroth, em 1818)
Modelo neurológico: reduzia a lesões
cerebrais ou a anormalidades sofridas
pelas células do cérebro, a origem de
todas as enfermidades mentais.
(p.77)
SíndromesSíndromes
O reconhecimento de síndromes, favorecido
pela tendência classificatória, ultrapassaria as
noções de “estranheza” ou “excentricidade”,
dos primeiros tempos, e possibilitaria o exame
de problemas bem mais representativos.
Depressão: objeto de reflexão de vários
autores que trouxe contribuição valiosa.
Depressão: entendida comoDepressão: entendida como
 Hipocondria (ou depressão neurótica, era
diferenciada da depressão psicótica)
 Destacou-se o tema da leitura tomada como um dos fatores
determinantes de comportamentos neuróticos ou psicóticos
 Crenças quase mágicas sobre a influência do Werther e o “spleen”
originado do romantismo são alguns dos inúmeros exemplos de
suposições similares. (p.77)
 Melancolia (modalidade masculina da histeria):
encontrou importantes interpretações em vários
autores.
Duas relações relevantesDuas relações relevantes
1. Envolve o conceito de mania e a noção de
psicose maníaco-depressiva (Théophile Bonet
no século XVII)
2. Descoberta dos estados alternantes entre a
depressão e a elação (exaltação), fato
apontado por diversos autores:
R. Mead (1755), Jean-Pierre Falret (1854, “folie
circulaire”), Jules Baillarger (1843, “folie à double
forme”) e Karl Kahlbaum (1874, “ciclotimia”, termo
absorvido pelo vacabulário técnico posterior).
(p. 78)
Desordens esquizo-afetivasDesordens esquizo-afetivas
São tratadas por Georget, em 1820
(“obtusidade”), Griesinger, em 1845 e J.
Luys, em 1881. Jules Baillarger, em 1843,
pretendeu que a “obtusidade” descrita
por Georget seria na maioria das vezes
aparente. Em sua opinião seria com
freqüência acompanhada da idéia de
suicídio e corresponderia ao “grau mais
severo de uma modalidade de
melancolia”. (P. 78)
Esquizofrenia e demênciaEsquizofrenia e demência
Historiadores da psiquiatria indicam a
demência precoce como o ponto de
partida para o estudo da esquizofrenia.
Literatura sobre demência é volumosa,
destaca-se o clássico texto de Kraepelin,
definindo a demência
e distinguindo suas formas hebefrênica,
catatônica e paranóide.
ParanóiaParanóia
De início compreendida de acordo com
padrões diferentes dos atuais. Era a
expressão empregada para designar
genericamente qualquer estado
psicopatológico.
Karl Kahlbaum, em 1863, sugeriu que
tivesse seu emprego limitado aos estados
persecutórios e delírios de grandeza
Outros estudosOutros estudos
“Desordens nervosas”: conceito de
“neurastenia” e “psicastenia”
Histeria examinada no século XIX em
textos clássicos de Ryan, Laycook (1812
— 1876), Bricquet, Charcot e Janet —
antecedendo e já quase
alguns contemporâneos de Breuer e
Freud.)
Epilepsia (descarga anormal de energia na
córtex cerebral)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Andre Thieme
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Artur Mamed
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Viviane Pasqualeto
 
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
RebecaIvantes2
 

Mais procurados (20)

slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Apresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas BeckApresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas Beck
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Testes Psicométricos - I.pdf
Testes Psicométricos - I.pdfTestes Psicométricos - I.pdf
Testes Psicométricos - I.pdf
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Anamnese Infantil e do Adolescente.pdf
Anamnese Infantil e do Adolescente.pdfAnamnese Infantil e do Adolescente.pdf
Anamnese Infantil e do Adolescente.pdf
 
Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –Desenvolvimento humano e ciclo vital –
Desenvolvimento humano e ciclo vital –
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuaisTerapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
 
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
101 técnicas da terapia cognitivo comportamental
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 

Destaque

Psicologia contemporanea
Psicologia contemporaneaPsicologia contemporanea
Psicologia contemporanea
Jenny Rojas
 
Psicologia contemporanea
Psicologia contemporaneaPsicologia contemporanea
Psicologia contemporanea
gloritae
 
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Lucas Coutinho
 
Percepção existência essência
Percepção existência essênciaPercepção existência essência
Percepção existência essência
Carminha
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Isabella Silva
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011
pibidbio
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
venon84
 
A nova psicologia
A nova psicologiaA nova psicologia
A nova psicologia
informingus
 
Psicologia educacional
Psicologia educacionalPsicologia educacional
Psicologia educacional
Ana Pereira
 

Destaque (20)

PSICOLOGIA CONTEMPORANEA
PSICOLOGIA CONTEMPORANEAPSICOLOGIA CONTEMPORANEA
PSICOLOGIA CONTEMPORANEA
 
Psicologia contemporanea
Psicologia contemporaneaPsicologia contemporanea
Psicologia contemporanea
 
Psicologia contemporanea
Psicologia contemporaneaPsicologia contemporanea
Psicologia contemporanea
 
Psicologia contemporanea
Psicologia contemporaneaPsicologia contemporanea
Psicologia contemporanea
 
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
 
Aplicativos de filosofia.pptx darliene e tayane 1v2 1
Aplicativos de filosofia.pptx darliene e tayane 1v2 1Aplicativos de filosofia.pptx darliene e tayane 1v2 1
Aplicativos de filosofia.pptx darliene e tayane 1v2 1
 
Gnosiologia 21 mp
Gnosiologia 21 mpGnosiologia 21 mp
Gnosiologia 21 mp
 
Percepção existência essência
Percepção existência essênciaPercepção existência essência
Percepção existência essência
 
Santo Agostinho e a Folosofia
Santo Agostinho e a FolosofiaSanto Agostinho e a Folosofia
Santo Agostinho e a Folosofia
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
AD1 - 1 BIMESTRE - 3 ANO
AD1 - 1 BIMESTRE - 3 ANOAD1 - 1 BIMESTRE - 3 ANO
AD1 - 1 BIMESTRE - 3 ANO
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011
 
Aula segundo sexo (1)
Aula segundo sexo (1)Aula segundo sexo (1)
Aula segundo sexo (1)
 
Gnosiologia
GnosiologiaGnosiologia
Gnosiologia
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
A nova psicologia
A nova psicologiaA nova psicologia
A nova psicologia
 
5. Psicología contemporánea
5. Psicología contemporánea5. Psicología contemporánea
5. Psicología contemporánea
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Psicologia educacional
Psicologia educacionalPsicologia educacional
Psicologia educacional
 

Semelhante a Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii

Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
familiaestagio
 
História da psicanálise
História da psicanáliseHistória da psicanálise
História da psicanálise
Agespisa
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Vilciele
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
Luciano Souza
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
Patricia Amorim
 
Psicanalise sobre os autores
Psicanalise sobre os autoresPsicanalise sobre os autores
Psicanalise sobre os autores
lelilana
 

Semelhante a Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii (20)

Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
1 historia do surgimento da psicanalise
1   historia do surgimento da psicanalise1   historia do surgimento da psicanalise
1 historia do surgimento da psicanalise
 
Psicologia_-_Ciencia.pdf
Psicologia_-_Ciencia.pdfPsicologia_-_Ciencia.pdf
Psicologia_-_Ciencia.pdf
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
 
Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
 
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
 
História da psicanálise
História da psicanáliseHistória da psicanálise
História da psicanálise
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
 
Psicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoPsicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introdução
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
 
Psicanalise sobre os autores
Psicanalise sobre os autoresPsicanalise sobre os autores
Psicanalise sobre os autores
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
6 Descrença no positivismo e novas conceções científicas
6   Descrença no positivismo e novas conceções científicas6   Descrença no positivismo e novas conceções científicas
6 Descrença no positivismo e novas conceções científicas
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 

Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii

  • 2. IntroduçãoIntrodução Esforço da psicologia para alcançar legitimidade entre as ciências Século XX: destaca-se a psicologia aplicada nos mais diversos campos da atividade humana Problema colocado em questões:
  • 3. Problema colocado pelo autor emProblema colocado pelo autor em questõesquestões Psicologia deve se ater ao domínio mágico da intuição e casuística e abandonar campo científico? Erro da psicologia estaria na escolha do modelo científico: positivista, à maneira das ciências naturais? A psicologia é uma ciência natural?
  • 4. Ensaio é um parecer sobre oEnsaio é um parecer sobre o problemaproblema Referencial básico para discussão do autor: psicologia acadêmica e em contraposição a psicologia clínica Apesar de sua atitude crítica, afirma que: — em primeiro lugar, a psicologia é necessária; — em segundo lugar, por sua reflexão, por sua inventividade, os psicólogos encontrarão o caminho adequado para a realização de seu programa; — finalmente, nada do que foi feito, nada do que foi até o momento tentado, nem mesmo as hipóteses paracientíficas, são inúteis enquanto aproximações (...)
  • 5. Capítulo I - Da introspecção, comoCapítulo I - Da introspecção, como método original da psicologiamétodo original da psicologia
  • 6. Princípio: filosofia/especulação a partir das próprias experiências (dobrar-se sobre si mesmo – introspecção) Significado de Introspecção s.f. Exame do interior. Estudo da consciência por si mesma. (O valor científico da introspecção é muito discutível, dado o seu caráter subjetivo.)
  • 7. SócratesSócrates O filósofo faz um “profundo convite à introspecção”, tornando-a um método Maiêutica (arte de levar o interlocutor, através de uma série de perguntas, a descobrir conhecimentos que ele possuía sem que o soubesse) Entretanto não se podia considerar introspecção como método da psicologia
  • 8. Introdução da introspecção naIntrodução da introspecção na psicologiapsicologia Se dá pelo estudo que os moralistas fazem do que denominam “paixões” Moralistas??  São críticos dos costumes e da (moral), mentalidade e do espírito de sua época. Os moralistas franceses são um grupo heterogêneo de pensadores franceses dos séculos XVII e XVIII, que foi inaugurado por Montaigne e que culmina até o iluminismo.
  • 10. DescartesDescartes Com este pensador é que “a introspecção assumiu um papel definido como método da psicologia” Considerando o dualismo mente/corpo, do método cartesiano, Descartes analisa o papel do corpo enquanto mediador, semelhante a uma máquina e a alma (possuidora de res cogitans) deveria ser estudada pela introspecção.
  • 11.   Descartes admite a existência deDescartes admite a existência de três substâncias:três substâncias: 1- Res cogitans (espírito): substância pensante, imperfeita, finita e dependente. 2- Res divina (Deus): substância eterna, perfeita, infinita, que pensa e é independente. 3- Res extensa (matéria): substância que não pensa, extensa, imperfeita, finita e dependente.
  • 12. IntrospecçãoIntrospecção Maine de Biran elevou a introspecção à condição de método por excelência da psicologia. • Considerado um dos mestres na arte da introspecção, com sua “ciência dos fatos interiores” pretendia decompor as faculdades relativas ao pensar, de modo a esclarecer as “faculdades elementares”.
  • 13. WundtWundt Considerava a psicologia como o estudo da experiência imediata, situada entre as ciências sociais e as ciências morais. Para este autor, a psicologia deveria focalizar três questões: ◦ A análise dos processos mentais (sensações, imagens, sentimentos); ◦ A descrição do modo como estes processos se conectariam e ◦ A descoberta das leis de sua conexão
  • 14. Para WundtPara Wundt Toda a problemática da psicologia estaria preenchida caso fossem encontradas as leis que regeriam e combinariam um número de elementos sensoriais finito. Enquato para Maine de Biran a introspecção se tratava de um livre exercício de reflexão, para Wundt a introspecção deveria ser controlada, conferindo a esta um status de método de pesquisa científico
  • 15. Titchener Intérprete do pensamento de Wundt nos EUA, acredita que a experiência imediata de um indivíduo em dado momento constitui o que ele compreende por consciência
  • 16. Consciência e movimentoConsciência e movimento Titchener admite que não se pode observar duas vezes a mesma consciência Entretanto, “a ciência psicológica é possível porque podemos observar a “consciência particular” e os “processos mentais se agrupam da mesma maneira, mostram o mesmo tipo de arranjo, sempre que o organismo é colocado nas mesmas circunstâncias”
  • 17. Psicologia como ciência puraPsicologia como ciência pura A psicologia para Titchener é uma ciência pura, não comportando qualquer tipo de aplicação, seja clínica, seja psicométrica ou outra qualquer.
  • 18. BrentanoBrentano Contrapunha-se ao elementarismo de Wundt, “propondo um modelo fenomenológico para a psicologia – a psicologia do ato” Nega a hipótese da psicologia como ciência natural ou como ciência da alma, considerando-a antes como “ciência dos fenômenos psíquicos”
  • 19. Psicologia sem almaPsicologia sem alma Brentano defende, junto com Lange, a construção de uma psicologia sem alma  Considerava que a primeira tarefa do psicólogo, consiste em “determinar de maneira certa as características comuns a todos os fenômenos psíquicos”. E, a partir daí, reunir os fenômenos psíquicos em classes fundamentais, conforme as exigências de suas “afinidades naturais”
  • 20. Para realizar os estudo dos fenômenos psíquicos,compreendidos como “atos”, o psicólogo deveria, na concepção de Brentano, utilizar a Introspecção. Esta, porém, não era concebida como “observação interna”, o que lhe parece impossível, mas como “percepção interior”, “fonte primeira e indispensável da psicologia”.
  • 21. Limitação da psicologiaLimitação da psicologia Para Brentano a psicologia é a única ciência para a qual a observação direta seria inaplicável. Entretanto, essa limitação pode ser compensada pelo “conhecimento indireto” dos fenômenos psíquicos de outros indivíduos, pois (...) “mesmo sem a intervenção da palavra, se manifestar externamente, de modo menos perfeito, é verdade, mas não raro com suficiente clareza”
  • 22. Fenomenologia Franz Brentano estabeleceu profundas diferenças entre os eventos físicos e os fenômenos psíquicos, afirmando que nestes existe intencionalidade e um modo de percepção original. Suas principais idéias foram desenvolvidas por Edmund Husserl Outros representantes foram: Heidegger, Max Scheler, Hartmann, Biswanger (psiquiatra fenomenólogo), De Waelhens, Merleau- Ponty, Jaspers, Buber, Sartre
  • 23. Postulado básico da fenomenologia: Noção de intencionalidade Pela intencionalidade busca- se a superação das tendências racionalistas e empiristas surgidas no século XVII
  • 24. 24 Séc. XVII – Empirismo: Francis Bacon, Hobbes, Lock Racionalismo: Descartes, Pascal, Malebranche, Spinoza, Leibniz Séc. XVIII – Empirismo: Berkeley, Hume Racionalistas: acreditavam que há uma consciência pura, separada do mundo – acentuavam caráter absoluto e universal da razão. Pressupõem a primazia dinâmica do espírito sobre a experiência. Empiristas: acreditavam na existência do objeto em si; Pressupõem que as idéias provêm das sensações e, em seguida, compõem-se entre si para formar idéias mais gerais, graças às leis da associação. Na psicologia o empirismo se manifesta especialmente na corrente behaviorista.
  • 25. 25 A fenomenologia pretende realizar a superação da dicotomia razão – experiência no processo de conhecimento, afirmando que toda consciência é intencional.
  • 26. 26 Ao contrário dos racionalistas, a fenomenologia considera que não há pura consciência, separada do mundo, mas “toda consciência é consciência de algo”; toda consciência tende para o mundo.
  • 27. 27 Ao contrário dos empiristas, a fenomenologia considera que não há objeto em si, já que o objeto só existe para um sujeito que lhe dá significado: “O objeto é sempre objeto para a consciência”
  • 28. 28 A intencionalidade é, essencialmente, o ato de atribuir um sentido; é ela que unifica a consciência e o objeto
  • 29. 29 O conceito de intencionalidade permite a contraposição à filosofia positivista do século XIX, restrita à visão objetiva do mundo: crença na possibilidade de um conhecimento científico neutro, despojado de subjetividade, cada vez mais distante do homem. Séc. XIX – Positivismo: Augusto Comte, Taine, Stuart Mill, Spencer
  • 30. 30 A fenomenologia estabelece uma nova relação entre sujeito e objeto, homem e mundo passam a ser considerados pólos inseparáveis.
  • 31. 31 Fenômeno em grego significa: “o que aparece”. A Fenomenologia aborda os objetos do conhecimento tais como aparecem, isto é, como se apresentam à consciência.
  • 32. 32 A consciência é compreendida pelos fenomenólogos como: doadora de sentido e fonte de significado para o mundo. Sendo assim, o conhecimento é um processo inesgotável de exploração do mundo. “O olhar do homem sobre o mundo é o ato pelo qual o homem experiencia o mundo, percebendo, imaginando, julgando, amando, temendo etc.”
  • 33. Herança: metodologia subjetivaHerança: metodologia subjetiva Os modelos elementarista (Wundt e Titchener) e fenomenológico (Brentano) embora distintos, legaram à nova psicologia a herança de uma metodologia subjetiva Isso ocorria tanto com as perspectivas germânicas como com a psicologia norte- americana dos primeiros tempos, cujo representante, William James, também considerava a introspecção como método primeiro da psicologia, embora fizesse críticas ao mesmo.
  • 34. Status de ciência incompatível comStatus de ciência incompatível com modelo positivistamodelo positivista A metodologia subjetiva era inaceitável para a concepção positivista de ciência do séc. XX “Na realidade, a insuficiência da introspecção é sentida pela maioria dos psicólogos que a aplicam.” Mesmo assim, até o advento do Behaviorismo é geralmente aceita e defendida em manuais clássicos
  • 35. Cap. II O legado da PsiquiatriaCap. II O legado da Psiquiatria tradicionaltradicional Morton Prince Em 1927, fundou em Harvard uma “Clínica Psicológica”, com a explícita intenção de promover a realização de estudos conjuntos de psicologia clínica e de psicologia acadêmica
  • 36. Clínica já existia,Clínica já existia, formalmenteformalmente,, desde 1896desde 1896 Lightmer Witmer organizou uma “clínica psicológica” na Universidade da Pensilvânia. O destaque a Morton Prince se faz pelo fato de, diferentemente de outros cientistas da época, preocupar-se com a psicologia clínica. O estudo de obras “clássicas” revela que estas quase nada contêm sobre a psicológica clínica
  • 37.  Estudiosos da história da psicologia costumam citar, como nomes da psicologia clínica: ◦ Freud, Charcot, Jung (psicanálise) ◦ alguns terapeutas egressos do mesmerismo (termo advindo de Franz Anton Mesmer, médico que plagiou Maximillian Hell, jesuita e curandeiro que curava pessoas com um prato metálico magnético) ◦ alguns terapeutas egressos da hipnologia (Elliotson, Braid, Esdaile), ◦ psicanalistas das primeiras décadas (Ferenczi, Adler); ◦ psicopatologistas de vários quadrantes, desde Pinel e Esquirol e Janet e Ribot, chegam mesmo a Morton Prince, passando por Kraepelin, Liébault, Kretschmer.)
  • 38. Poucos dos nomes citadosPoucos dos nomes citados ocuparam-se da psicologiaocuparam-se da psicologia Com frequência, o vocabulário psicológico é usado de forma heterodoxa (Doxa, em grego, significa opinião, mais próximo a senso-comum. Hetero - diferente. Heterodoxo: opinião diferente, diferente do senso-comum. Heterodoxo é o contrário de ortodoxo - que é quem segue a doutrina, quem segue o que é tido como verdadeiro) Embora parcial e tardiamente absorvido, há um significativo legado da psiquiatria.
  • 39. Desmistificação e re-mistificaçãoDesmistificação e re-mistificação das doenças mentaisdas doenças mentais Somente a partir do séc. XVI é que os médicos concentraram seus interesses sobre a psicopatologia (até então psiquiatria não se distingue da medicina) Hipócrates: primeiro médico a buscar desmistificação, usando combinação entre: 4 humores 4 órgãos secretores 4 elementos básicos
  • 40. Saúde para HipócratesSaúde para Hipócrates Consequência de equiblibrada combinação entre humores Desequilíbrio: doenças, como temperamentos: sanguíneas, melancólicas, coléricas e fleumáticas
  • 41. HisteriaHisteria Relacionada à figura feminina, problemas uterinos e pela ausência prolongada de relações sexuais. Influência de Galeno: Aplicações de banhos Massagens Dietas Choques de enguias Música Choque moral
  • 42. MétodoMétodo PsychoterapeusisPsychoterapeusis Invenção de Rhazes (Al –Razi) para o tratamento de certas paralisias
  • 43. Entre os judeus, Maimônides, médico e filósofo, descreveu a “evolução da melancolia em mania”, considera necessário tratar doenças da alma semelhantemente às doenças do corpo Epicuro: empresta à filosofia um caráter terapêutico Cícero e Boécio: importantes reflexões sobre o papel curativo dos “consoladores”
  • 44. Hipócrates, Galeno, Rhazes: estão em posição de quem traz fatos episódicos na história da medicina e da prática do que viria a ser no futuro a psiquiatria. Asclepíades, Celso, Sorano e Aretaeus (primeiro a descrever a personalidade pré-psicótica) também podem ser destacaddos.
  • 45. Obstáculos e PreconceitosObstáculos e Preconceitos “Durante alguns séculos, o avanço dos estudos sobre as doenças mentais seria obstaculizado por preconceitos, em geral apontados, mas cuja interpretação psicológica está por ser feita.” (p. 54) -Vilanova (1240-1313): medicina de base hipocrática associada a magia -Pedro Albano ((1250-1316): observações sobre doentes mentais
  • 46. Comportamento histérico eComportamento histérico e feitiçariafeitiçaria Feiticeiras: vítimas e agentes do demônio que poderia assumir forma humana para seduzir e promover pactos carnais por meio dos íncubos e súcubos. Íncubos vem do verbo incubare que significa "deitar-se sobre" . Súcubos vem do verbo succubare que significa "deitar-se em baixo de". Assim sendo, Íncubos são demônios machos que visitam mulheres mortais e têm sexo com elas, enquanto Súcubo é a versão feminina e atacam homens.
  • 47. Malleus Maleficarum (“MarteloMalleus Maleficarum (“Martelo das Feiticeiras”).das Feiticeiras”). Obra de Johann Sprenger e Heinrich Kremer, inquisidores dominicanos. Obra escrita em de 3 partes: 1. componentes indispensáveis da feitiçaria 2. modo de agir das bruxasa e a maneira pela qual a feitiçaria pode ser anulada e dissolvida 3. procedimentos judiciais contra feiticeira e demais heréticos
  • 48. Outras explicações para doençasOutras explicações para doenças mentaismentais A partir do século XIII, segundo Foucault, a “loucura” é com freqüência encarada como um vício. “Por esse tempo era bastante generalizado entre os médicos incluir-se entre os fatores determinantes da histeria e, por extensão, das psicopatias em geral, a ociosidade, a alimentação inadequada e outras características das classes economicamente privilegiadas.” (p. 55)
  • 49. Nave dos loucosNave dos loucos A obra critica os costumes da sociais da época. “Em a Nau dos Loucos, as freiras e o frade negligenciam as obrigações religiosas e se entregam as prazeres mundanos. A critica às freiras e aos frades imorais eram frequentes na obra do pintor e os vícios típicos dos conventos – como luxuria e gula – foram por ele amplamente denunciados. (...) tributário de uma visão religiosa e moralizadora, o pintor propõe, com seus quadros, a associação entre loucura, fraquezas e ilusões humanas.” (Matias, K.D., 2011) Hieronymus Bosch. Stultifera navis. Óleo sobre madeira. 55 X 31,5 cm. Paris, Louvre.
  • 50. Tratamentos recomendados àTratamentos recomendados à épocaépoca banhos (para Boerhaave, mergulho em água gelada), equitação, viagens ao estrangeiro, sangrias, purgativos, fumigações uterinas, jogos de salão, como o xadrez. (p.55)
  • 51. Classes sociais e loucuraClasses sociais e loucura “No século XVIII , a situação sócio- econômica – econômica antes de tudo – das faixas “inferiores” da população, egressas de um longo período de medo e de luta por causas não muito bem definidas, perdida inclusive a frágil segurança dos antigos núcleos feudais, não era francamente favorável à manutenção de modelos sadios de Comportamento” p.56
  • 52. Saneamento e caridadeSaneamento e caridade Início do séc. XVII: internação como caridade São Vicente de Paulo – buscava internar os que assim o desejassem.
  • 53. Saneamento e repressãoSaneamento e repressão Milícias para impor internaçãoMilícias para impor internação Na verdade a Internação objetivava, na verdade, afastar os indesejáveis do convívio e se destinava mais a abrigar os contraventores da ordem pública, principalmente quando se considera que as entidades administrativas eram direta ou indiretamente controladas pelo Estado
  • 54. WorkhousesWorkhouses “Casas de correção, onde os internados se obrigavam a uma jornada diária de trabalho. Embora por caminhos tortos se reduzisse o erro — os caminhos não eram honestos; o possível acerto seria um subproduto acidental de uma ação que visava um lucro fácil, com investimento a baixo custo.” (p. 57)
  • 55. Preconceito culturalPreconceito cultural Fazia da loucura uma reedição da lepra. Por parte de médicos Por parte de educadores Reação aos preconceitosReação aos preconceitos
  • 56. Paracelso Grande contestador, combateu a caça às bruxas Ambroise Paré Sustentou ser imaginária a coabitação com íncubos e súcubos. Três pensadores importantes queTrês pensadores importantes que reagiram aos preconceitosreagiram aos preconceitos Hohann Weyer Primeiro médico a se concentrar na psicopatologia. Documentou abusos na perseguição de doentes
  • 57. Persistência de idéias da épocaPersistência de idéias da época Apesar de seus espíritos críticos, não se livraram totalmente de influências de idéias de sua época “(...) oscilavam todos eles entre certas evidências que constatavam e as crenças fantásticas que ingenuamente assimilavam” (p. 60)
  • 58. Reforma PsiquiátricaReforma Psiquiátrica “Foi preciso que (...) Philippe Pinel (1745- 1826), sob o calor da Revolução Francesa assumisse a (...) decisão de retirar simbolicamente as correntes que prendiam os “loucos” do Bicêtre (1793) e da Salpêtrière (1795), para uma nova atitude, uma nova mentalidade começar a se impor.” (p. 59)
  • 59. Philippe Pinel na Salpêtrière (libertando de suas correntes a uma paciente) . Quadro de Robert Fleury (1795)
  • 60. A “presunção” de Pinel gerouA “presunção” de Pinel gerou frutos.frutos. Reforma hospitalar e no tratamento aos loucos de vários lugares: ◦ Florença ◦ Palermo ◦ Alemanha ◦ Inglaterra
  • 61. Para a construção da psiquiatriaPara a construção da psiquiatria modernamoderna Reação aos preconceitos, como já visto, representou um progresso bastante irregular Progresso científico também era discutível (Pinel defendia que psicóticos teriam resistência animal)
  • 62. “Portanto, a construção da psiquiatria moderna teve por bases iniciais alicerces não muito estáveis. Tampouco seriam mais seguras as informações de que se nutriria, ao tentar um apoio na ciência. Sobretudo quando este apoio foi procurado em um conjunto de hipóteses que poderiam ser chamadas paracientíficas.” (p. 61)
  • 63. As Hipóteses ParacientíficasAs Hipóteses Paracientíficas Três problemas foram objeto de pesquisas “paracientíficas”: ◦ a aventura do vitalismo, ◦ o magnetismo animal e ◦ ◦ a frenologia.
  • 64. A aventura do vitalismoA aventura do vitalismo Séc. XVII – XIX: investigações de filósofos e biofilósofos: ◦ Arqueus (Princípio vital que, segundo Paracelso e J. B. van Helmont, rege e mantém o desenvolvimento e a continuidade dos seres vivos.) ◦ Iatroquímica (doutrina médica que surgiu durante o século XVI, a qual atribuía a causas químicas tudo o que se passava no organismo, são ou enfermo) ◦ Mediador plástico (Cudworth concebeu a idéia de uma substância intermediária ao corpo e à alma, participante da natureza de um e de outra) ◦ Flogístico Fluido que os antigos químicos supunham inerente a todos os corpos e que, segundo acreditavam, produzia a combustão ao abandonar esses corpos. (A teoria do flogístico, desenvolvida no séc. XVIII sobretudo por Stahl, foi definitivamente refutada por Lavoisier.)
  • 65. Iatro...Iatro... A iatroquímica opuseram-se os iatromatemáticos. “A iatromatemática logo evoluiu para o que se chamou iatrofísica e a iatromecânica. De inspiração cartesiana, pelo menos em parte, pretenderam seus defensores ser o homem uma máquina, explicando-se a saúde ou as enfermidade de modo estritamente mecanicista.” (p.62)
  • 66. Da iatroquímica e da iatromecânica nasceriam dois “novos” sistemas médicos e duas hipóteses sobre a vida: o humorismo e o solidismo. o funcionamento do corpo seria semelhante ao de uma máquina hidráulica: tratava-se de uma volta à “teoria dos humores”, de Hipócrates Boerhaave não pensava no corpo como sendo exclusivamente sólido, mas sim formado de sólidos “mergulhados em humores”
  • 67. Do magnetismo à hipnoseDo magnetismo à hipnose “Os reducionismos mágicos são quase sempre atraentes.” Vinha de longe a idéia de se comparar a “atração” existente entre as pessoas à constatada entre o ferro e o imã. Aristóteles já dissera que o ferro se move para o ímã como o amante para a amada (cf. Wiener e Noland, 1971, p. 18). (p.62)
  • 68. Magnetismo/MesmerismoMagnetismo/Mesmerismo Em 1600 William Gilbert (1540-1603). Enunciaria sua teoria do magnetismo: De Magnete.” Este pensador “defendia o valor medicinal do ferro e o poder de animação do ímã, que “imita” e às vezes “supera” a alma do homem.” (p. 62)
  • 69. MesmerMesmer Ao corpo geral de sua “doutrina” Mesmer deu o nome de “magnetismo animal”, por considerar que o “magnetismo metal” não seria indispensável”. O magnetismo animal foi proibido na Universidade de Paris e os bens de Mesmer foram confiscados pelos jacobinos, mas o mesmerismo persistiu por muito tempo e “até o século XIX receberia acréscimos e modificações resultantes de contribuições de magnetizadores diversos.”
  • 70. HipnoseHipnose “Paulatinamente, na medida em que se avançava no século XIX, o mesmerismo cedia lugar à hipnose” A hipnose foi um termo usado pelo médico Braid para substituir o então denominado “sono mesmérico” As idéias de Braid encontrariam eco e continuidade em diversos trabalhos, onde se enfatizava o poder da sugestão, como os de Charcot e Pierre Janet, na Salpêtrière.
  • 71. FRENOLOGIAFRENOLOGIA Um terceiro núcleo de interesses, dentro dos limites das “hipóteses paracientíficas” é centrado sobre o estabelecimento de relações de dependência entre os traços fisionômicos (fisiognomonia) ou a circunvoluções do cérebro (craniologia, frenologia), de um lado, e, de outro, a conduta moral e afetiva dos indivíduos.
  • 72. Fisiognomonia (de Lavater)Fisiognomonia (de Lavater) “estudo do homem interior e moral, pela observação do homem exterior e físico”, especialmente da observação de: fronte, olhos, sobrancelhas, nariz, boca, dentes, queixo, bochechas, pescoço, cabelos. (p. 66)
  • 73. Craniologia/FrenologiaCraniologia/Frenologia Com Franz Joseph Gall (1758—1828), a fisiognomonia evoluiu para a organologia ou craniologia, pela qual acreditava que havia correlações entre faculdades intelectuais e qualidade morais e as circunvoluções cerebrais. O termo frenologia, quase sempre indicativo da hipótese de Gall, é, na verdade, atribuído a Spurzheim (1776—1832), entusiasta de suas idéias e, durante algum tempo, seu colaborador “
  • 74. Contribuições empíricasContribuições empíricas Ao lado dessas hipóteses paracientíficas, desenvolveu-se a partir do século XVII uma preocupação empírica que informaria em grande parte a psiquiatria e a psicologia clínica contemporâneas.  Método contribui com a contraposição a explicações puramente racionais. Busca-se a descrição e classificação. “A explicação deve partir do que se vê, embora seja ainda muitas vezes ingênua.” (p. 68)
  • 75. Séculos XVII e XVIIISéculos XVII e XVIII Persistência de explicações errôneas e ingênuas: ◦ “emanações” ou “vapores”, partindo do útero,contaminariam outros órgãos. ◦ “paixões do espírito” podem causar perturbações morais ou mesmo físicas.
  • 76. Consequências do modo empíricoConsequências do modo empírico de pensarde pensar Reformulação da crença em torno da suposta natureza uterina da histeria.  Compreensão de fatores sociais e culturais nos processos de agravamento e cura das doenças mentais.
  • 77. Séculos XVIII a XIXSéculos XVIII a XIX  Nestes séculos há uma explosão de autores e de ensaios abordando a psicopatologia. “Embora por vezes reflitissem provável influência filosófica e psicológica — sobretudo no concernente à investigação do comportamento emocional —, não há vinculação estreita entre os autores interessados na psicopatologia e os psicólogos”. (p.70)
  • 78. Validade discutívelValidade discutível Apesar do acúmulo de observações e descrições baseadas em observações empíricas, ainda não há controle ou organização técnica das informações disponíveis, traduzindo-se em falhas metodológicas e lógicas. (p. 70) Havia neste período, uma motivação de classificar as doenças, tal qual ocorria nas ciências naturais.
  • 79. Autor apresenta esquemas relativosAutor apresenta esquemas relativos às classificaçõesàs classificações Verificar quadros 7, 8 e 9 nas páginas 71 a 73 O autor destaca a importância das classificações, no entanto, alerta para o fato de que na época o conhecimento acumulado ainda era fragmentário, bem como a técnica de observação empregada era ingênua.
  • 80. Visão de conjunto sobre contribuiçõesVisão de conjunto sobre contribuições psiquiátricas dos séculos XVIII e XIXpsiquiátricas dos séculos XVIII e XIX Partindo da obra de Mark D. Altschule (1976), destaca: ◦ Um grupo de contribuições abrangendo trabalhos teóricos concernentes a aspectos gerais da psicopatologia; ◦ Um segundo grupo de contribuições compreendendo a descrição empírica de síndromes.
  • 81. Estudos teóricos: 3 temáticasEstudos teóricos: 3 temáticas centraiscentrais ◦ A lógica do pensamento psicótico (François Leuret, em 1834) ◦ A possibilidade de a mente enferma se exprimir a si mesma “por meio de uma linguagem figurada”. (Ernst von Feuchtersleben, em 1845) ◦ Inconsciente e às manifestações inconscientes da sexualidade.
  • 82. InconscienteInconsciente Vários autores consideravam o inconsciente, não necessariamente com o mesmo sentido proposto por Freud, dentre o quais se destacam:  Fisiólogos e físicos: mencionavam inferência inconsciente  Filósofos especularam sobre o assunto  Na medicina reconheceram a existência de “forças fisiológicas” de que o homem não teria consciência.  Heinroth, em particular, escrevia intuitivamente sobre o “conflito interior” (p.75)
  • 83. SexualidadeSexualidade  A sexualidade estava relacionada a perturbações mentais desde os séculos XVI e XVII . No entanto, esta relação seria redescoberta no séc. XIX, com vários documentos fortalecendo a hipótese da “influência dos sexos sobre o caráter das idéias e das afecções morais” dos indivíduos.
  • 84. Ego e “personalidades múltiplas”Ego e “personalidades múltiplas” A especulação sobre o inconsciente reforçaria o interesse pelo estudo sobre a natureza do ego e das personalidades múltiplas. No séc. XIX, os especialistas que analisaram o assunto contrapuseram uma análise mais racional à antiga associação entre “dupla” ou “múltipla personalidade” e a intervenção do demônio
  • 85. Dentro ainda das considerações teóricas relativas à psicopatologia desenvolvidas no século XIX, destaca-se o estudo de mecanismos primários e sintomas: ◦ ansiedade, comportamento ◦ anti-social, regressão ◦ e alucinações (ilusões e delírios). Também há estudos sobre associações entre alucinações e efeito de drogas
  • 86. Autor destaca as tentativas deAutor destaca as tentativas de explicações sobre doenças mentaisexplicações sobre doenças mentais Modelo da psicossomática (expressão utilizada pela primeira vez por Johann Christian Heinroth, em 1818) Modelo neurológico: reduzia a lesões cerebrais ou a anormalidades sofridas pelas células do cérebro, a origem de todas as enfermidades mentais. (p.77)
  • 87. SíndromesSíndromes O reconhecimento de síndromes, favorecido pela tendência classificatória, ultrapassaria as noções de “estranheza” ou “excentricidade”, dos primeiros tempos, e possibilitaria o exame de problemas bem mais representativos. Depressão: objeto de reflexão de vários autores que trouxe contribuição valiosa.
  • 88. Depressão: entendida comoDepressão: entendida como  Hipocondria (ou depressão neurótica, era diferenciada da depressão psicótica)  Destacou-se o tema da leitura tomada como um dos fatores determinantes de comportamentos neuróticos ou psicóticos  Crenças quase mágicas sobre a influência do Werther e o “spleen” originado do romantismo são alguns dos inúmeros exemplos de suposições similares. (p.77)  Melancolia (modalidade masculina da histeria): encontrou importantes interpretações em vários autores.
  • 89. Duas relações relevantesDuas relações relevantes 1. Envolve o conceito de mania e a noção de psicose maníaco-depressiva (Théophile Bonet no século XVII) 2. Descoberta dos estados alternantes entre a depressão e a elação (exaltação), fato apontado por diversos autores: R. Mead (1755), Jean-Pierre Falret (1854, “folie circulaire”), Jules Baillarger (1843, “folie à double forme”) e Karl Kahlbaum (1874, “ciclotimia”, termo absorvido pelo vacabulário técnico posterior). (p. 78)
  • 90. Desordens esquizo-afetivasDesordens esquizo-afetivas São tratadas por Georget, em 1820 (“obtusidade”), Griesinger, em 1845 e J. Luys, em 1881. Jules Baillarger, em 1843, pretendeu que a “obtusidade” descrita por Georget seria na maioria das vezes aparente. Em sua opinião seria com freqüência acompanhada da idéia de suicídio e corresponderia ao “grau mais severo de uma modalidade de melancolia”. (P. 78)
  • 91. Esquizofrenia e demênciaEsquizofrenia e demência Historiadores da psiquiatria indicam a demência precoce como o ponto de partida para o estudo da esquizofrenia. Literatura sobre demência é volumosa, destaca-se o clássico texto de Kraepelin, definindo a demência e distinguindo suas formas hebefrênica, catatônica e paranóide.
  • 92. ParanóiaParanóia De início compreendida de acordo com padrões diferentes dos atuais. Era a expressão empregada para designar genericamente qualquer estado psicopatológico. Karl Kahlbaum, em 1863, sugeriu que tivesse seu emprego limitado aos estados persecutórios e delírios de grandeza
  • 93. Outros estudosOutros estudos “Desordens nervosas”: conceito de “neurastenia” e “psicastenia” Histeria examinada no século XIX em textos clássicos de Ryan, Laycook (1812 — 1876), Bricquet, Charcot e Janet — antecedendo e já quase alguns contemporâneos de Breuer e Freud.) Epilepsia (descarga anormal de energia na córtex cerebral)