SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
 Celebrar é uma ação comunitária, festiva

que torna célebre ou inesquecível.
 Todos temos necessidade vital de
celebrar. Como seres humanos, somos
essencialmente celebrantes.
 Ao celebrar usamos gestos, ações
simbólicas e palavras que expressam o
que pensamos, o que acreditamos, o que
desejamos, o que amamos... enfim, a visão
que temos do mundo e de Deus.
Conteúdo do Curso
&

6
?

Princípios Bíblicos
Princípios Históricos

Princípios Práticos
 CULTO: serviço ou cerimônia religiosa.

Prestar culto é reverenciar ou oferecer
adoração e louvor.
 LITURGIA: uma celebração religiosa pré-

definida, de acordo com as tradições de
uma religião em particular; pode incluir ou
referir-se a um ritual formal e elaborado.
Origem da palavra Liturgia
 A palavra LITURGIA tem sua origem do grego
clássico e é composta de duas raízes:

 Liet – leos – laos: povo, público, ação

feita para o povo, em favor do povo.
 Urgia (ergom): operar, produzir
(obra), ação, trabalho, ofício, serviço.
 Traduzindo literalmente Liturgia significa: “serviço
prestado ao povo” ou “serviço diretamente prestado
para o bem comum”, serviço público.
 Antes mesmo de esta palavra ser usada pela Igreja, os

gregos a usavam para indicar qualquer trabalho realizado a
favor do povo e pelo povo, em forma de mutirão.
O papel da Liturgia
 Organizar o culto
 Envolver toda a

comunidade
 Facilitar o
entendimento
 Dinamizar e
ser criativo
 ENSINAR: o papel didático do culto destaca-se,
pois enquanto participa, o povo aprende.
Princípios Bíblicos
 Na caminhada de fé do povo da Bíblia,

encontramos muitos momentos celebrativos.
 Ao celebrar, o povo de Israel
fazia memória das ações
que Deus realizara
em seu favor no passado,
as reconhecia no presente
e alimentava a certeza
de sua fidelidade no futuro.
LITURGIA no Antigo Testamento
 A palavra “liturgia” no AT aparece mais ou menos 170
vezes na versão LXX (Septuaginta) como tradução
dos verbos hebraicos SHERET e ABHAD, que

significam:
 Serviço prestado a alguém, porém com esta diferença:




SHERET: Serviço de dedicação incondicionada por
parte de um servo de confiança do patrão.
ABHAD: Serviço honroso, trabalho de escravo. Este
verbo deriva da palavra EHED = escravo, servo.

 As duas palavras na Escritura Hebraica são usadas seja

para o “serviço” em sentido profano, como para o
“serviço” em sentido religioso (Lv 24.1-9).
A Liturgia do Êxodo
A experiência do Êxodo como movimento de
salvação do povo, inspirou uma nova categoria de
culto. Todo o culto, na história de Israel, está
internamente orientado para relembrar o Êxodo.
Festas judaicas
 1) Festa da Páscoa: Êx 12.14-20

 2)Festa dos Pães Asmos: Lv 23.5
 3) Festa de Pentecostes: Lv 23.9-14

 4) Ano Novo judaico: Lv 23.23-25
 5) Dia do Perdão ou Expiação: Lv 16
 6) Festa dos Tabernáculos: Lv 23.33-43
 7) Festa da Dedicação: Jo 10.22
 8) Festa de Purim: Et 9.21-32
Culto No Antigo Testamento
 Componentes essenciais do culto judaico:

 Sacrifício: oferta de um

novilho pelo pecado.
 Altar: lugar onde era
oferecido o sacrifício.
 Templo: local de
adoração e sacrifício.
 O Sacrifício no Altar do Templo era o centro do culto.
O Altar Bíblico
 Havia no A.T. diversos tipos de altar:
 -de terra (Êxodo 20.24) para um sacrifício






momentâneo visto que eram nômades;
-de pedras (Êxodo 20.25) para consagrar um
local para sempre ao Senhor;
-de madeira (Êxodo 27.1) para ser carregado
por onde fossem pelo deserto;
-de bronze banhado (Êxodo 38.1-2) para
suportar o fogo e perdurar;
-de ouro (Êxodo 39.38) para ministrar as
orações permanentemente diante do Senhor.
O que é o Altar?
 1- O Altar é um LUGAR:
Malaquias 1.17

 2- O Altar é uma POSIÇÃO:
Malaquias 1.10
 3- O altar é a VIDA:

Malaquias 2.13
Se o Altar é um lugar santo, devemos respeitar e buscar estar
sempre neste lugar nos entregando a Deus. Se o Altar é uma
posição, então devemos nos colocar à disposição como
adoradores. Mas acima de tudo o altar deve ser a vida de cada
cristão consagrando-se como templo do Espírito Santo de Deus.
A essência do Culto no AT
 O culto de Israel era um memorial dos
acontecimentos libertadores do passado, contém
um movimento de esperança, uma tensão

escatológica voltada para o porvir.
 Nos momentos mais incertos da história do povo, o
culto, enquanto evoca a experiência libertadora do
Êxodo, convida a esperar um novo Êxodo,
enquanto louva o Deus da criação
esperando uma nova criação.
LITURGIA no Novo Testamento
 No NT acontece uma mudança de paradigmas:
 Templo: Jesus profetizou sua destruição (Mt 26.61;
Mc 14.58) e a partir de então os cristãos são o
templo de Cristo (I Co 3.16).
 Sacrifício: Jesus morreu uma vez por todas para
purificação de nossos pecados (Hb 9.14; 10.11-12).
 Altar: não existe altar físico, mas o coração de cada
cristão é onde está a presença de Deus (Gl 4.6).
 Sacerdócio: Jesus é o sacerdote (Hb 4.14; 7.26-28) e

cada cristão deve exercer seu sacerdócio (I Pd 2.9).
Atitude de Jesus no Culto
 Jesus de Nazaré vive e atua

dentro do sistema de culto de
seu povo. Frequenta a
reunião sinagogal dos
sábados, “segundo seu
costume”(Lc 4.16).
 Participa regularmente do
culto do templo e das festas
de peregrinação (Lc 2.41-42;
Jo 2.13; 5.1; 7.2-14; 10.22-23).
A posição de Jesus quanto ao Culto
 Jesus manifesta o desejo de mudança no culto judeu:
 A forma de observância do sábado: Mc 2.23-28
 O templo como único lugar de adoração: Mc 13.2
 Ritos de purificação antes das refeições: Mc 7.1s

 A repetição de palavras nas orações: Mt 6.7
 Quanto às ofertas públicas: Mc 12.41,42
 As orações dos fariseus: Lucas 18.10,11

 O comércio no templo: Jo 2.13-16

 Jesus age como profeta por
uma mudança no culto (Is 29.13).
A proposta de Culto de Jesus
 O amor e o perdão do irmão: Mt 5.23-24; 15.5-9
 Inclusão de pessoas discriminadas: Lc 5.30
 Aceitava a presença de mulheres: Jo 4.20-24
 Acolheu as crianças: Lc 18.16

 Sinais e maravilhas: Jo 14.16
 Cura de enfermos: Jo 5.8,9
“ Mas vem a hora e já chegou,
em que os verdadeiros adoradores
adorarão o Pai em espírito
e em verdade; porque
são estes que o Pai procura
para seus adoradores” João 4.23
O culto de Jesus
 Jesus instituiu a ação simbólica de uma refeição,

a CEIA, como significado profundo de toda sua
vida e missão (Mt 26.26-30).
O Culto na Igreja Primitiva
 At 2.42-47 nos apresenta um retrato da vida

da comunidade primitiva com quatro
elementos principais:
 a) DIDAQUÊ:
Ensinamento dos apóstolos
 b) KOINONIA:
Comunhão fraterna

 c) DIAKONIA:
Serviço de partir o pão
 d) As orações
O Culto Racional (Romanos 12.1)
Você sabe o que está fazendo durante o culto?

Gestos e
Posição
expressões

Momento

Culto

Ação
Cantar

Referência

Salmo 95.1; 100.2
Orar
Mateus 21.13
Ler
Lucas 4.16
Pregar
Marcos 1.39
Ofertar
Malaquias 3.8-10
Testemunhar Atos 4.20
Assentar
Lucas 2.46
Ajoelhar
Filipenses 2.10
Levantar
Neemias 9.5
Fechar os olhos II Coríntios 5.7
Dizer amém Mateus 18.19
Levantar mãos Salmo 63.4 e 141.2
Bater palmas Salmo 47.1

Significado

Louvor, alegria, gratidão
Pedir, crer, falar com Deus
Conferir nas Escrituras
Anunciar, orientar e ensinar
Compromisso, fidelidade
Agradecer
Esperar, acomodar
Submissão, confissão,
Disposição, honra, respeito
Concentração, crer no invisível
Concordar, confirmar
Receber bênção, entregar a vida
Saudar, exaltar, alegria
Podemos concluir que a Bíblia é um livro litúrgico com muitos hinos:
Cânticos de Moisés: Êx 15.1-18; Dt 31.30-32.43
Cântico de Miriã: Êx 15.20-21
Cântico de marcha de Israel: Nm 21.17-20
Cântico de Débora e Baraque: Jz 5.1-31
Cântico de Ana: 1Sm 2.1-10
Cântico de recebimento a Davi: 1Sm 18.7
Cântico de libertação (de Davi): 2Sm 22.1-51
Canto de Ezequias: Is 38.9-20
Hino de vitória: Is 42.10-17
Cântico de Maria (Magnificat): Lc 1.46-55
Cântico de Zacarias (Benedictus): Lc 1.67-79
Cântico dos anjos pelo nascimento de Jesus: Lc 2.14
Cântico de Simeão: Lc 2.29-32
Humilhação e exaltação de Cristo: Fp 2.5-11
Cânticos de louvor ao Cordeiro: Ap 5.9-10,12-13; Ap 15.3-4
Um exemplo Bíblico de culto: Isaías 6.1-8
EDIFICAÇÃO CONFISSÃO ADORAÇÃO PRELÚDIO

MOMENTO

DEDICAÇÃO

TEXTO
v. 1, 2 “No ano da morte do Rei Uzias eu vi o
Senhor assentado sobre um alto e sublime trono e
as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins
estavam por cima dele...”

AÇÕES
-Momento de preparação para o culto.
-Ministério de intercessão.
-Apresentação de um hino ou fundo musical.
-Oração de invocação do Espírito Santo.

v. 3, 4 “E clamavam uns para os outros, dizendo:
Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos;
toda a terra está cheia da sua glória. As bases do
limiar se moveram à voz do que clamavas e a casa
se encheu de fumaça”.

-Leitura de um salmo de adoração.
-Oração de Adoração e Louvor a Deus.
-Cantar hinos e cânticos de louvor e comunhão.
-Ofertório.
-Apresentação de um solo ou conjunto musical.

v. 5 “Então disse eu: ai de mim! Estou perdido!
Porque sou homem de lábios impuros, habito no
meio dum povo de impuros lábios, e os meus
olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos”.
v. 6, 7 “Então um dos Serafim voou par mim
trazendo na mão um abrasa viva, que tirara do
altar com uma tenaz, com a brasa tocou a minha
boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios, a tua
iniquidade foi tirada, e perdoado o teu pecado;”

-Momento de reflexão
-Oração de joelhos
-Clamor pela alma perdidas e pelas famílias.
-Declaração de perdão.
-Pregação da Palavra.
-Apresentação de um teatro.
- Oportunidade para Testemunho.
-Estudo Bíblico.
-Leitura de uma mensagem ou poesia.

v. 8 “Depois disto ouvi a voz do Senhor, que Dizia; -Momento de oração e entrega no altar.
A quem enviarei e quem há de ir por nós? Disse
-Envio e Bênção Final.
eu: eis-me aqui, envia-me a mim”.
Reverência no culto
“Guarda o teu pé quando entrares
na casa do teu Deus!”
O Culto deve ser momento apropriado para:
 1- ORAÇÃO: “A minha casa será chamada Casa de

Oração” Mateus 21.13
 2- CONCENTRAÇÃO: “e toda altivez que se levante
contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo
pensamento à obediência de Cristo” 2 Coríntios 10.5
 3- REFLEXÃO: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas
misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por
sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso
culto racional” Romanos 12.1
Ajude na reverência aos cultos:
 Chegue mais cedo à igreja e procure se assentar no melhor lugar.
 Não se esqueça de cumprimentar aos irmãos.
 Dobre seus joelhos e ore em antes de tudo.
 Esteja em oração e reflexão antes de começar o culto.

 Não ande no templo durante a oração ou leitura da Bíblia.
 Evite conversar durante o culto.
 Desligue o celular ou no mínimo coloque no silencioso [pressionando #].
 Não leia revista, jornal e nem mesmo a Bíblia enquanto o pregador ou dirigente estiver
falando a menos que este peça para ler.

 Siga as orientações do dirigente, se levantando ou se ajoelhando quando for pedido.
 Evite sair antes de terminar. Peça aos familiares e amigos para não te chamar durante o
culto.
 Ajude as crianças e entenderem a seriedade do que está sendo feito no culto.
Ensinando-as a prestar a devida atenção assentadas junto com os pais.

 Seja receptivo aos visitantes cumprimentando-os, se assentando junto e
compartilhando a Bíblia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
Marcos Aurélio
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
Carlos Cirleno Neves
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Éder Tomé
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
igrejafecrista
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Éder Tomé
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
A igreja de Cristo.
A igreja de Cristo.A igreja de Cristo.
A igreja de Cristo.
Márcio Martins
 
O ministério do pastor
O ministério do pastorO ministério do pastor
O ministério do pastor
Moisés Sampaio
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
José Ribeiro
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
Vilmar Nascimento
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
Felipe Mamud
 

Mais procurados (20)

O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
A igreja de Cristo.
A igreja de Cristo.A igreja de Cristo.
A igreja de Cristo.
 
O ministério do pastor
O ministério do pastorO ministério do pastor
O ministério do pastor
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
 

Semelhante a Culto e Liturgia

Litrugia adventista
Litrugia   adventistaLitrugia   adventista
Litrugia adventista
Anderson Costa
 
Liturgia na Bíblia
Liturgia na BíbliaLiturgia na Bíblia
Liturgia na Bíblia
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
liturgia
liturgialiturgia
liturgia
SamuelWesley26
 
A igreja e o culto
A igreja e o cultoA igreja e o culto
A igreja e o culto
José Freitas Freitas
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Celso Napoleon
 
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptxLiturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Leandro Couto
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Especialidade santuário
Especialidade santuárioEspecialidade santuário
Especialidade santuário
Servo de Deus e Amigos de Todos
 
E.b.d juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
E.b.d  juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04E.b.d  juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
E.b.d juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
Joel Silva
 
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto LevíticoLição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
Éder Tomé
 
Eucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do SenhorEucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do Senhor
José Vieira Dos Santos
 
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSOLIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
5 sinais-sensiveis
5 sinais-sensiveis5 sinais-sensiveis
5 sinais-sensiveis
SITEclarissasmarilia
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
Estevão Ribeiro
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
José Vieira Dos Santos
 
Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3
parsantanajequeri
 
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano cRoteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
José Luiz Silva Pinto
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
Tarcísio Picaglia
 
MISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptxMISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptx
ChristianBarbosa26
 

Semelhante a Culto e Liturgia (20)

Litrugia adventista
Litrugia   adventistaLitrugia   adventista
Litrugia adventista
 
Liturgia na Bíblia
Liturgia na BíbliaLiturgia na Bíblia
Liturgia na Bíblia
 
liturgia
liturgialiturgia
liturgia
 
A igreja e o culto
A igreja e o cultoA igreja e o culto
A igreja e o culto
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptxLiturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
Liturgia Fundamental - Celebração Litúrgica.pptx
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Especialidade santuário
Especialidade santuárioEspecialidade santuário
Especialidade santuário
 
E.b.d juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
E.b.d  juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04E.b.d  juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
E.b.d juvenis- 1º trimestre 2016 lição 04
 
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto LevíticoLição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
Lição 2 - A Beleza e a Glória do Culto Levítico
 
Eucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do SenhorEucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do Senhor
 
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSOLIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
 
5 sinais-sensiveis
5 sinais-sensiveis5 sinais-sensiveis
5 sinais-sensiveis
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
 
Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3Formação litúrgica 16.09.2017 3
Formação litúrgica 16.09.2017 3
 
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano cRoteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
Roteiro homilético do 3.º domingo do tempo comum – ano c
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
 
MISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptxMISSA PASSO A PASSO.pptx
MISSA PASSO A PASSO.pptx
 

Mais de Pr. Welfany Nolasco Rodrigues

Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Espiritualidade do Líder
Espiritualidade do LíderEspiritualidade do Líder
Espiritualidade do Líder
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Apocalipse 10 - Visão do Livrinho
Apocalipse 10 - Visão do LivrinhoApocalipse 10 - Visão do Livrinho
Apocalipse 10 - Visão do Livrinho
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Provérbios 2 - Busque a Sabedoria
Provérbios 2 - Busque a SabedoriaProvérbios 2 - Busque a Sabedoria
Provérbios 2 - Busque a Sabedoria
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
As portas de Jerusalém
As portas de JerusalémAs portas de Jerusalém
As portas de Jerusalém
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Apocalipse 1 - O Cristo Revelado
Apocalipse 1 - O Cristo ReveladoApocalipse 1 - O Cristo Revelado
Apocalipse 1 - O Cristo Revelado
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
A vitória pela vida disciplinada
A vitória pela vida disciplinadaA vitória pela vida disciplinada
A vitória pela vida disciplinada
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Calvinismo x Arminianismo
Calvinismo x ArminianismoCalvinismo x Arminianismo
Calvinismo x Arminianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
O que a biblia diz sobre racismo
O que a biblia diz sobre racismoO que a biblia diz sobre racismo
O que a biblia diz sobre racismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Quarentena biblica
Quarentena biblicaQuarentena biblica
Quarentena biblica
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Discernindo os sonhos de Deus
Discernindo os sonhos de DeusDiscernindo os sonhos de Deus
Discernindo os sonhos de Deus
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Daniel 8 a visao do carneiro e do bode
Daniel 8 a visao do carneiro e do bodeDaniel 8 a visao do carneiro e do bode
Daniel 8 a visao do carneiro e do bode
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Montes sagrados
Montes sagradosMontes sagrados
A Fé de Abraão
A Fé de AbraãoA Fé de Abraão
Eventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
Eventos apocalípticos segundo o sermão de JesusEventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
Eventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MG
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MGPainel Missionario - Itamarati de Minas - MG
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MG
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Tratando as Emoções
Tratando as EmoçõesTratando as Emoções
Tratando as Emoções
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Pão da paz
Pão da pazPão da paz
O Caminho de Jericó
O Caminho de JericóO Caminho de Jericó
O Caminho de Jericó
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIOO Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 

Mais de Pr. Welfany Nolasco Rodrigues (20)

Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
Espiritualidade do Líder
Espiritualidade do LíderEspiritualidade do Líder
Espiritualidade do Líder
 
Apocalipse 10 - Visão do Livrinho
Apocalipse 10 - Visão do LivrinhoApocalipse 10 - Visão do Livrinho
Apocalipse 10 - Visão do Livrinho
 
Provérbios 2 - Busque a Sabedoria
Provérbios 2 - Busque a SabedoriaProvérbios 2 - Busque a Sabedoria
Provérbios 2 - Busque a Sabedoria
 
As portas de Jerusalém
As portas de JerusalémAs portas de Jerusalém
As portas de Jerusalém
 
Apocalipse 1 - O Cristo Revelado
Apocalipse 1 - O Cristo ReveladoApocalipse 1 - O Cristo Revelado
Apocalipse 1 - O Cristo Revelado
 
A vitória pela vida disciplinada
A vitória pela vida disciplinadaA vitória pela vida disciplinada
A vitória pela vida disciplinada
 
Calvinismo x Arminianismo
Calvinismo x ArminianismoCalvinismo x Arminianismo
Calvinismo x Arminianismo
 
O que a biblia diz sobre racismo
O que a biblia diz sobre racismoO que a biblia diz sobre racismo
O que a biblia diz sobre racismo
 
Quarentena biblica
Quarentena biblicaQuarentena biblica
Quarentena biblica
 
Discernindo os sonhos de Deus
Discernindo os sonhos de DeusDiscernindo os sonhos de Deus
Discernindo os sonhos de Deus
 
Daniel 8 a visao do carneiro e do bode
Daniel 8 a visao do carneiro e do bodeDaniel 8 a visao do carneiro e do bode
Daniel 8 a visao do carneiro e do bode
 
Montes sagrados
Montes sagradosMontes sagrados
Montes sagrados
 
A Fé de Abraão
A Fé de AbraãoA Fé de Abraão
A Fé de Abraão
 
Eventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
Eventos apocalípticos segundo o sermão de JesusEventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
Eventos apocalípticos segundo o sermão de Jesus
 
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MG
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MGPainel Missionario - Itamarati de Minas - MG
Painel Missionario - Itamarati de Minas - MG
 
Tratando as Emoções
Tratando as EmoçõesTratando as Emoções
Tratando as Emoções
 
Pão da paz
Pão da pazPão da paz
Pão da paz
 
O Caminho de Jericó
O Caminho de JericóO Caminho de Jericó
O Caminho de Jericó
 
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIOO Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
O Fruto do Espírito DOMÍNIO PRÓPRIO
 

Último

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Culto e Liturgia

  • 1.
  • 2. Introdução  Celebrar é uma ação comunitária, festiva que torna célebre ou inesquecível.  Todos temos necessidade vital de celebrar. Como seres humanos, somos essencialmente celebrantes.  Ao celebrar usamos gestos, ações simbólicas e palavras que expressam o que pensamos, o que acreditamos, o que desejamos, o que amamos... enfim, a visão que temos do mundo e de Deus.
  • 3. Conteúdo do Curso & 6 ? Princípios Bíblicos Princípios Históricos Princípios Práticos
  • 4.  CULTO: serviço ou cerimônia religiosa. Prestar culto é reverenciar ou oferecer adoração e louvor.  LITURGIA: uma celebração religiosa pré- definida, de acordo com as tradições de uma religião em particular; pode incluir ou referir-se a um ritual formal e elaborado.
  • 5. Origem da palavra Liturgia  A palavra LITURGIA tem sua origem do grego clássico e é composta de duas raízes:  Liet – leos – laos: povo, público, ação feita para o povo, em favor do povo.  Urgia (ergom): operar, produzir (obra), ação, trabalho, ofício, serviço.  Traduzindo literalmente Liturgia significa: “serviço prestado ao povo” ou “serviço diretamente prestado para o bem comum”, serviço público.
  • 6.  Antes mesmo de esta palavra ser usada pela Igreja, os gregos a usavam para indicar qualquer trabalho realizado a favor do povo e pelo povo, em forma de mutirão.
  • 7. O papel da Liturgia  Organizar o culto  Envolver toda a comunidade  Facilitar o entendimento  Dinamizar e ser criativo  ENSINAR: o papel didático do culto destaca-se, pois enquanto participa, o povo aprende.
  • 8. Princípios Bíblicos  Na caminhada de fé do povo da Bíblia, encontramos muitos momentos celebrativos.  Ao celebrar, o povo de Israel fazia memória das ações que Deus realizara em seu favor no passado, as reconhecia no presente e alimentava a certeza de sua fidelidade no futuro.
  • 9. LITURGIA no Antigo Testamento  A palavra “liturgia” no AT aparece mais ou menos 170 vezes na versão LXX (Septuaginta) como tradução dos verbos hebraicos SHERET e ABHAD, que significam:  Serviço prestado a alguém, porém com esta diferença:   SHERET: Serviço de dedicação incondicionada por parte de um servo de confiança do patrão. ABHAD: Serviço honroso, trabalho de escravo. Este verbo deriva da palavra EHED = escravo, servo.  As duas palavras na Escritura Hebraica são usadas seja para o “serviço” em sentido profano, como para o “serviço” em sentido religioso (Lv 24.1-9).
  • 10. A Liturgia do Êxodo A experiência do Êxodo como movimento de salvação do povo, inspirou uma nova categoria de culto. Todo o culto, na história de Israel, está internamente orientado para relembrar o Êxodo.
  • 11. Festas judaicas  1) Festa da Páscoa: Êx 12.14-20  2)Festa dos Pães Asmos: Lv 23.5  3) Festa de Pentecostes: Lv 23.9-14  4) Ano Novo judaico: Lv 23.23-25  5) Dia do Perdão ou Expiação: Lv 16  6) Festa dos Tabernáculos: Lv 23.33-43  7) Festa da Dedicação: Jo 10.22  8) Festa de Purim: Et 9.21-32
  • 12. Culto No Antigo Testamento  Componentes essenciais do culto judaico:  Sacrifício: oferta de um novilho pelo pecado.  Altar: lugar onde era oferecido o sacrifício.  Templo: local de adoração e sacrifício.  O Sacrifício no Altar do Templo era o centro do culto.
  • 13. O Altar Bíblico  Havia no A.T. diversos tipos de altar:  -de terra (Êxodo 20.24) para um sacrifício     momentâneo visto que eram nômades; -de pedras (Êxodo 20.25) para consagrar um local para sempre ao Senhor; -de madeira (Êxodo 27.1) para ser carregado por onde fossem pelo deserto; -de bronze banhado (Êxodo 38.1-2) para suportar o fogo e perdurar; -de ouro (Êxodo 39.38) para ministrar as orações permanentemente diante do Senhor.
  • 14. O que é o Altar?  1- O Altar é um LUGAR: Malaquias 1.17  2- O Altar é uma POSIÇÃO: Malaquias 1.10  3- O altar é a VIDA: Malaquias 2.13 Se o Altar é um lugar santo, devemos respeitar e buscar estar sempre neste lugar nos entregando a Deus. Se o Altar é uma posição, então devemos nos colocar à disposição como adoradores. Mas acima de tudo o altar deve ser a vida de cada cristão consagrando-se como templo do Espírito Santo de Deus.
  • 15. A essência do Culto no AT  O culto de Israel era um memorial dos acontecimentos libertadores do passado, contém um movimento de esperança, uma tensão escatológica voltada para o porvir.  Nos momentos mais incertos da história do povo, o culto, enquanto evoca a experiência libertadora do Êxodo, convida a esperar um novo Êxodo, enquanto louva o Deus da criação esperando uma nova criação.
  • 16. LITURGIA no Novo Testamento  No NT acontece uma mudança de paradigmas:  Templo: Jesus profetizou sua destruição (Mt 26.61; Mc 14.58) e a partir de então os cristãos são o templo de Cristo (I Co 3.16).  Sacrifício: Jesus morreu uma vez por todas para purificação de nossos pecados (Hb 9.14; 10.11-12).  Altar: não existe altar físico, mas o coração de cada cristão é onde está a presença de Deus (Gl 4.6).  Sacerdócio: Jesus é o sacerdote (Hb 4.14; 7.26-28) e cada cristão deve exercer seu sacerdócio (I Pd 2.9).
  • 17. Atitude de Jesus no Culto  Jesus de Nazaré vive e atua dentro do sistema de culto de seu povo. Frequenta a reunião sinagogal dos sábados, “segundo seu costume”(Lc 4.16).  Participa regularmente do culto do templo e das festas de peregrinação (Lc 2.41-42; Jo 2.13; 5.1; 7.2-14; 10.22-23).
  • 18. A posição de Jesus quanto ao Culto  Jesus manifesta o desejo de mudança no culto judeu:  A forma de observância do sábado: Mc 2.23-28  O templo como único lugar de adoração: Mc 13.2  Ritos de purificação antes das refeições: Mc 7.1s  A repetição de palavras nas orações: Mt 6.7  Quanto às ofertas públicas: Mc 12.41,42  As orações dos fariseus: Lucas 18.10,11  O comércio no templo: Jo 2.13-16  Jesus age como profeta por uma mudança no culto (Is 29.13).
  • 19. A proposta de Culto de Jesus  O amor e o perdão do irmão: Mt 5.23-24; 15.5-9  Inclusão de pessoas discriminadas: Lc 5.30  Aceitava a presença de mulheres: Jo 4.20-24  Acolheu as crianças: Lc 18.16  Sinais e maravilhas: Jo 14.16  Cura de enfermos: Jo 5.8,9 “ Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores” João 4.23
  • 20. O culto de Jesus  Jesus instituiu a ação simbólica de uma refeição, a CEIA, como significado profundo de toda sua vida e missão (Mt 26.26-30).
  • 21. O Culto na Igreja Primitiva  At 2.42-47 nos apresenta um retrato da vida da comunidade primitiva com quatro elementos principais:  a) DIDAQUÊ: Ensinamento dos apóstolos  b) KOINONIA: Comunhão fraterna  c) DIAKONIA: Serviço de partir o pão  d) As orações
  • 22. O Culto Racional (Romanos 12.1) Você sabe o que está fazendo durante o culto? Gestos e Posição expressões Momento Culto Ação Cantar Referência Salmo 95.1; 100.2 Orar Mateus 21.13 Ler Lucas 4.16 Pregar Marcos 1.39 Ofertar Malaquias 3.8-10 Testemunhar Atos 4.20 Assentar Lucas 2.46 Ajoelhar Filipenses 2.10 Levantar Neemias 9.5 Fechar os olhos II Coríntios 5.7 Dizer amém Mateus 18.19 Levantar mãos Salmo 63.4 e 141.2 Bater palmas Salmo 47.1 Significado Louvor, alegria, gratidão Pedir, crer, falar com Deus Conferir nas Escrituras Anunciar, orientar e ensinar Compromisso, fidelidade Agradecer Esperar, acomodar Submissão, confissão, Disposição, honra, respeito Concentração, crer no invisível Concordar, confirmar Receber bênção, entregar a vida Saudar, exaltar, alegria
  • 23. Podemos concluir que a Bíblia é um livro litúrgico com muitos hinos: Cânticos de Moisés: Êx 15.1-18; Dt 31.30-32.43 Cântico de Miriã: Êx 15.20-21 Cântico de marcha de Israel: Nm 21.17-20 Cântico de Débora e Baraque: Jz 5.1-31 Cântico de Ana: 1Sm 2.1-10 Cântico de recebimento a Davi: 1Sm 18.7 Cântico de libertação (de Davi): 2Sm 22.1-51 Canto de Ezequias: Is 38.9-20 Hino de vitória: Is 42.10-17 Cântico de Maria (Magnificat): Lc 1.46-55 Cântico de Zacarias (Benedictus): Lc 1.67-79 Cântico dos anjos pelo nascimento de Jesus: Lc 2.14 Cântico de Simeão: Lc 2.29-32 Humilhação e exaltação de Cristo: Fp 2.5-11 Cânticos de louvor ao Cordeiro: Ap 5.9-10,12-13; Ap 15.3-4
  • 24. Um exemplo Bíblico de culto: Isaías 6.1-8 EDIFICAÇÃO CONFISSÃO ADORAÇÃO PRELÚDIO MOMENTO DEDICAÇÃO TEXTO v. 1, 2 “No ano da morte do Rei Uzias eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono e as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins estavam por cima dele...” AÇÕES -Momento de preparação para o culto. -Ministério de intercessão. -Apresentação de um hino ou fundo musical. -Oração de invocação do Espírito Santo. v. 3, 4 “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. As bases do limiar se moveram à voz do que clamavas e a casa se encheu de fumaça”. -Leitura de um salmo de adoração. -Oração de Adoração e Louvor a Deus. -Cantar hinos e cânticos de louvor e comunhão. -Ofertório. -Apresentação de um solo ou conjunto musical. v. 5 “Então disse eu: ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos”. v. 6, 7 “Então um dos Serafim voou par mim trazendo na mão um abrasa viva, que tirara do altar com uma tenaz, com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios, a tua iniquidade foi tirada, e perdoado o teu pecado;” -Momento de reflexão -Oração de joelhos -Clamor pela alma perdidas e pelas famílias. -Declaração de perdão. -Pregação da Palavra. -Apresentação de um teatro. - Oportunidade para Testemunho. -Estudo Bíblico. -Leitura de uma mensagem ou poesia. v. 8 “Depois disto ouvi a voz do Senhor, que Dizia; -Momento de oração e entrega no altar. A quem enviarei e quem há de ir por nós? Disse -Envio e Bênção Final. eu: eis-me aqui, envia-me a mim”.
  • 25. Reverência no culto “Guarda o teu pé quando entrares na casa do teu Deus!” O Culto deve ser momento apropriado para:  1- ORAÇÃO: “A minha casa será chamada Casa de Oração” Mateus 21.13  2- CONCENTRAÇÃO: “e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo” 2 Coríntios 10.5  3- REFLEXÃO: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” Romanos 12.1
  • 26. Ajude na reverência aos cultos:  Chegue mais cedo à igreja e procure se assentar no melhor lugar.  Não se esqueça de cumprimentar aos irmãos.  Dobre seus joelhos e ore em antes de tudo.  Esteja em oração e reflexão antes de começar o culto.  Não ande no templo durante a oração ou leitura da Bíblia.  Evite conversar durante o culto.  Desligue o celular ou no mínimo coloque no silencioso [pressionando #].  Não leia revista, jornal e nem mesmo a Bíblia enquanto o pregador ou dirigente estiver falando a menos que este peça para ler.  Siga as orientações do dirigente, se levantando ou se ajoelhando quando for pedido.  Evite sair antes de terminar. Peça aos familiares e amigos para não te chamar durante o culto.  Ajude as crianças e entenderem a seriedade do que está sendo feito no culto. Ensinando-as a prestar a devida atenção assentadas junto com os pais.  Seja receptivo aos visitantes cumprimentando-os, se assentando junto e compartilhando a Bíblia.