SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Transtorno bipolar e
transtornos relacionados
Estudos dos Fenômenos
Psicopatológicos I – Aula 8
Slides
Objetivos
• Traçar a história dos conceitos associados à
bipolaridade
• Descrever a fenomenologia da mania e da
bipolaridade
• Delimitar contribuições biológicas,
psicológicas, e sociais para o transtorno
bipolar e associados
História breve da bipolaridade
• Antes de 1850, diversos médicos já haviam comentado a alternância entre mania e depressão
• Em 1844, Karl Wigang Maximilian Jacobi, chefe do asilo Siegburg (ALE), notou que “a
exaltação e a depressão apresentam uma relação muito íntima entre si, alternam-se juntas, e
parecem muitas vezes mutuamente, se não regularmente, disparar uma à outra”
• Carl Friedrich Flemming, 1844: “Dysthymia mutabilis”
• 1850-1854: Jean-Pierre Falret e Jules-Gabriel-François Baillarger entram em uma altercação
pela prioridade da descrição de uma doença chamada de “la folie circulaire” pelo primeiro e “la
folie à double forme” pelo segundo; ambos são pessimistas quanto ao prognóstico
• Karl Ludwig Kahlbaum cunha, em 1882, o termo “ciclotimia” para descrever uma forma de
“insanidade circular” que não tem curso deteriorante, como a “vesania typica circularis”
História breve da bipolaridade
• Na sexta edição de seu livro, em 1899, Kraepelin incluiu todos os transtornos
afetivos – depressão, mania, e “formas mistas” – em uma única categoria
diagnóstica, a doença maníaco-depressiva
• “Insanidade maníaco-depressiva. . . inclui, por um lado, toda a área das
chamadas formas periódicas e circulares de insanidade; por outro lado, inclui a
maioria das manias simples até então tratadas separadamente. No decorrer
dos anos, tenho me convencido cada vez mais de que todos os quadros
clínicos mencionados acima são apenas aspectos de uma única doença.”
Mania delirante
• Uma mistura de delirium com “mania clássica”
• Não envolve humor hipertimia, mas violência incoerente
e eruptiva, dentro de um contexto de desorientação e
desconexão do ambiente externo
• Os sintomas são rapidamente reconhecidos na
descrição de pacientes em instituições mentais, mas foi
sendo esquecido após a II Guerra Mundial
Hipertimia: Psicopatologia e valor
semiológico
• Estado de ânimo morbidamente elevado
• Distinguem-se a euforia e a exaltação afetiva patológica
– Euforia simples “se traduz por um estado de completa satisfação e felicidade”
• Elevação do estado de ânimo, aceleração do curso do pensamento, loquacidade, vivacidade da
mímica facial, aumento da gesticulação, riso fácil, e logorreia
• Observada constitucionalmente e, em sua forma pura, na fase maníaca, estados hipomaníacos,
embriaguez alcoólica, e demência senil
– Exaltação patológica apresenta também “aumento da convicção do próprio valor e das
aspirações”
• Aceleração do curso do pensamento (que pode chegar à fuga de ideias, desviabilidade da atenção,
e facilidade para passar rapidamente do pensamento à ação
• Instabilidade afetiva traduzida em extrema facilidade de passar da euforia à tristeza ou cólera
• Turgor vitalis
PAIM, I. Curso de psicopatologia. 11a . ed. São Paulo: E.P.U., 2008.
F30 Episódio maníaco
• F30.0 Hipomania
– Transtorno caracterizado pela presença de uma elevação ligeira mas persistente do humor, da energia e da atividade,
associada em geral a um sentimento intenso de bem-estar e de eficácia física e psíquica.
– Existe frequentemente um aumento da sociabilidade, do desejo de falar, da familiaridade e da energia sexual, e uma redução
da necessidade de sono; estes sintomas não são, entretanto, tão graves de modo a entravar o funcionamento profissional ou
levar a uma rejeição social.
– A euforia e a sociabilidade são por vezes substituídas por irritabilidade, atitude pretensiosa ou comportamento grosseiro. As
perturbações do humor e do comportamento não são acompanhadas de alucinações ou de idéias delirantes.
• F30.1 Mania sem sintomas psicóticos
– Presença de uma elevação do humor fora de proporção com a situação do sujeito, podendo variar de uma jovialidade
descuidada a uma agitação praticamente incontrolável.
– Esta elação se acompanha de um aumento da energia, levando à hiperatividade, um desejo de falar e uma redução da
necessidade de sono.
– A atenção não pode ser mantida, e existe frequentemente uma grande distração.
– O sujeito apresenta frequentemente um aumento do auto-estima com idéias de grandeza e superestimativa de suas
capacidades. A perda das inibições sociais pode levar a condutas imprudentes, irrazoáveis, inapropriadas ou deslocadas.
• F30.2 Mania com sintomas psicóticos
– Presença, além do quadro clínico descrito em F30.1, de idéias delirantes (em geral de grandeza) ou de alucinações (em geral
do tipo de voz que fala diretamente ao sujeito) ou de agitação, de atividade motora excessiva e de fuga de idéias de uma
gravidade tal que o sujeito se torna incompreensível ou inacessível a toda comunicação normal.
F30 Episódio maníaco
• Todas as subdivisões desta categoria se aplicam
exclusivamente a um episódio isolado.
• Um episódio hipomaníaco ou maníaco em
indivíduo que já tenha apresentado um ou mais
episódios afetivos prévios (depressivo,
hipomaníaco, maníaco, ou misto) deve conduzir
a um diagnóstico de transtorno afetivo bipolar
(F31.-).
Episódio maníaco no DSM-5
A Um período distinto de humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável e
aumento anormal e persistente da atividade dirigi da a objetivos ou da energia, com duração
mínima de uma semana e presente na maior parte do dia, quase todos os dias (ou qualquer
duração, se a hospitalização se fizer necessária).
B Durante o período de perturbação do humor e aumento da energia ou atividade, três (ou
mais) dos seguintes sintomas (quatro se o humor é apenas irritável) estão presentes em
grau significativo e representam uma mudança notável do comportamento habitual:
1.Autoestima inflada ou grandiosidade.
2.Redução da necessidade de sono (p. ex., sente-se descansado com apenas três horas de sono).
3.Mais loquaz que o habitual ou pressão para continuar falando.
4.Fuga de ideias ou experiência subjetiva de que os pensamentos estão acelerados.
5.Distratibilidade (i.e., a atenção é desviada muito facilmente por estímulos externos insignificantes ou
irrelevantes), conforme relatado ou observado.
6.Aumento da atividade dirigida a objetivos (seja socialmente, no trabalho ou escola, seja sexualmente)
ou agitação psicomotora (i.e., atividade sem propósito não dirigida a objetivos).
7.Envolvimento excessivo em atividades com elevado potencial para consequências dolorosas (p. ex.,
envolvimento em surtos desenfreados de compras, indiscrições sexuais ou investimentos financeiros
insensatos).
Episódio maníaco no DSM-5
CA perturbação do humor é suficientemente grave a ponto de causar prejuízo acentuado no
funcionamento social ou profissional ou para necessitar de hospitalização a fim de prevenir
dano a si mesmo ou a outras pessoas, ou existem características psicóticas.
DO episódio não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., droga de
abuso, medicamento, outro tratamento) ou a outra condição médica.
Nota: Um episódio maníaco completo que surge durante tratamento antidepressivo (p. ex.,
medicamento, eletroconvulsoterapia), mas que persiste em um nível de sinais e sintomas
além do efeito fisiológico desse tratamento, é evidência suficiente para um episódio
maníaco e, portanto, para um diagnóstico de transtorno bipolar tipo I.
Episódio hipomaníaco no DSM-5
A Um período distinto de humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável e aumento
anormal e persistente da atividade ou energia, com duração mínima de quatro dias consecutivos e
presente na maior parte do dia, quase todos os dias.
B Durante o período de perturbação do humor e aumento de energia e atividade, três (ou mais) dos
sintomas (quatro se o humor é apenas irritável) persistem, representam uma mudança notável em
relação ao comportamento habitual e estão presentes em grau significativo.
CO episódio está associado a uma mudança clara no funcionamento que não é característica do
indivíduo quando assintomático.
DA perturbação do humor e a mudança no funcionamento são observáveis por outras pessoas.
E O episódio não é suficientemente grave a ponto de causar prejuízo acentuado no funcionamento
social ou profissional ou para necessitar de hospitalização. Existindo características psicóticas, por
definição, o episódio é maníaco.
F O episódio não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., droga de abuso,
medicamento, outro tratamento).
F31 Transtorno afetivo bipolar
• Transtorno caracterizado por dois ou mais episódios nos quais o
humor e o nível de atividade do sujeito estão profundamente
perturbados, sendo que este distúrbio consiste em algumas
ocasiões de uma elevação do humor e aumento da energia e da
atividade (hipomania ou mania) e em outras, de um rebaixamento do
humor e de redução da energia e da atividade (depressão).
• Pacientes que sofrem somente de episódios repetidos de hipomania
ou mania são classificados como bipolares.
Subtipos no CID-10
• F31.0 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual hipomaníaco
– Episódio atual correspondente à descrição de uma hipomania tendo ocorrido, no passado, ao menos um outro episódio
afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto).
• F31.1 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco sem sintomas psicóticos
– Episódio atual maníaco correspondente à descrição de um episódio maníaco sem sintomas psicóticos (F30.1), tendo
ocorrido, no passado, ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto).
• F31.2 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco com sintomas psicóticos
– Episódio atual correspondente à descrição de um episódio maníaco com sintomas psicóticos (F30.2), tendo ocorrido,
no passado, ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto).
• F31.3 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo leve ou moderado
– Episódio atual correspondente à descrição de um episódio depressivo leve ou moderado (F32.0 ou F32.1), tendo
ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem comprovado.
• F31.4 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave sem sintomas psicóticos
– Episódio atual correspondentes à descrição de um episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos (F32.2), tendo
ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem documentado.
Subtipos no CID-10
• F31.5 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave com sintomas psicóticos
– Episódio atual correspondente à descrição de um episódio depressivo grave com sintomas psicóticos (F32.3),
tendo ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem comprovado.
• F31.6 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual misto
– Ocorrência, no passado, de ao menos um episódio afetivo maníaco, hipomaníaco ou misto bem
documentado, e episódio atual caracterizado pela presença simultânea de sintomas maníacos e depressivos
ou por uma alternância rápida de sintomas maníacos e depressivos.
• F31.7 Transtorno afetivo bipolar, atualmente em remissão
– Ocorrência, no passado, de ao menos um episódio afetivo maníaco, hipomaníaco ou misto muito bem
comprovado, e de ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto) mas sem
nenhuma perturbação significativa do humor, nem atualmente nem no curso dos últimos meses. As remissões
sob tratamento profilático devem ser classificadas aqui.
• F31.8 Outros transtornos afetivos bipolares
– Episódios maníacos recidivantes SOE
– Transtorno bipolar II
Transtorno bipolar tipo I (DSM-5)
A Foram atendidos os critérios para pelo menos um
episódio maníaco (Critérios A-D em “Episódio
Maníaco” descritos anteriormente).
B A ocorrência do(s) episódio(s) maníaco(s) e
depressivo(s) maior(es) não é mais bem explicada por
transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, transtorno
esquizofreniforme, transtorno delirante ou transtorno
do espectro da esquizofrenia e outro transtorno
psicótico com outras especificações ou não
especificado.
Transtorno bipolar tipo II (DSM-5)
A Foram atendidos os critérios para pelo menos um episódio hipomaníaco.
B Jamais houve um episódio maníaco.
CA ocorrência do(s) episódio(s) hipomaníaco(s) e depressivo(s) maior(es) não é
mais bem explicada por transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, transtorno
esquizofreniforme, transtorno delirante, outro transtorno do espectro da
esquizofrenia e outro transtorno psicótico especificado ou transtorno do
espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico não especificado.
DOs sintomas de depressão ou a imprevisibilidade causada por alternância
frequente entre períodos de depressão e hipomania causam sofrimento
clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou
em outra área importante da vida do indivíduo.
Transtorno ciclotímico (DSM-5)
A Por pelo menos dois anos (um ano em crianças e adolescentes), presença de vários
períodos com sintomas hipomaníacos que não satisfazem os critérios para episódio
hipomaníaco e vários períodos com sintomas depressivos que não satisfazem os critérios
para episódio depressivo maior.
B Durante o período antes citado de dois anos (um ano em crianças e adolescentes), os
períodos hipomaníaco e depressivo estiveram presentes por pelo menos metade do tempo,
e o indivíduo não permaneceu sem os sintomas por mais que dois meses consecutivos.
COs critérios para um episódio depressivo maior, maníaco ou hipomaníaco nunca foram
satisfeitos.
DOs sintomas do Critério A não são mais bem explicados por transtorno esquizoafetivo,
esquizofrenia, transtorno esquizofreniforme, transtorno delirante, outro transtorno do
espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico especificado ou transtorno espectro
da esquizofrenia e outro transtorno fisiológico não especificado.
Especificadores
Qual o diagnóstico do nosso estudo de
caso?
CID-10: F31.3 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo
leve ou moderado
DSM-5: 296.52 Transtorno bipolar Tipo I, episódio atual ou mais
recente depressivo, moderado
Modelo integrativo
Vulnerabilidade biológicaVulnerabilidade biológica
Vulnerabilidade psicológica
Esquemas negativos
Vulnerabilidade psicológica
Esquemas negativos
Eventos de vida estressantes
Realizações
Novas oportunidades
Esforço perfeccionista
Eventos de vida estressantes
Realizações
Novas oportunidades
Esforço perfeccionista
Ativação HPA
Efeitos sobre
neurotransmissores
Ativação HPA
Efeitos sobre
neurotransmissores
Atribuições positivas
Sensação de poder
Atitudes disfuncionais
Esquemas grandiosos
Atribuições positivas
Sensação de poder
Atitudes disfuncionais
Esquemas grandiosos
Problemas de
relacionamento
interpessoal e falta
de suporte social
Problemas de
relacionamento
interpessoal e falta
de suporte social
Mania
Como esses elementos aparecem no
estudo de caso?
• Histórico familiar de depressão e, possivelmente,
transtorno bipolar
• Joselino conecta a emergência de seu primeiro episódio
maníaco (e os episódios depressivos subsequentes) a
períodos estressantes na vida (último ano da faculdade,
conflitos quanto aos negócios da família)
• Recusa do tratamento após melhora inicial sugere
negação ou minimização do problema; isso é preditor de
baixa resposta ao tratamento
Como tratar o caso de Joselino?
• Como não está em episódio maníaco, a primeira opção seria utilizar um
antidepressivo de meia-vida curta
– Em episódio maníaco, a primeira opção é lítio, valproato, ou carbamazepina
– O lítio pode ser usado em terapia de manutenção para prevenir o episódio
maníaco, mas deve ser monitorado por causa da toxicidade
• Psicoterapias que demonstram eficácia quando combinadas à
medicação: psicoeducação individual ou em grupo, TCC individual ou
em grupo, terapia familiar, e terapia interpessoal
Slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?adglm
 
Transtornos de personalidade
Transtornos de personalidadeTranstornos de personalidade
Transtornos de personalidadegfolive
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivosCaio Maximino
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Inaiara Bragante
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarRodolpho David
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Júnior Maidana
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasLampsi
 
Pensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesPensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesCarol Lucas
 
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptxTRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptxMIRIAN FARIA
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 

Mais procurados (20)

Bipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptxBipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptx
 
Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?
 
Transtornos de personalidade
Transtornos de personalidadeTranstornos de personalidade
Transtornos de personalidade
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivos
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Pensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesPensamento e suas alterações
Pensamento e suas alterações
 
A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptxTRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
TRANSTORNO BIPOLAR (1).pptx
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Transtorno bipolar
Transtorno bipolarTranstorno bipolar
Transtorno bipolar
 

Semelhante a Transtorno bipolar e transtornos relacionados

Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar PsiquiatraSlide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatraanajanainafmo
 
Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental  Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental amanda helena
 
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdfAulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdfJainnyBeatriz1
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOSerafim Carvalho, MD, PhD
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo ViiCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo ViiAntonio Luis Sanfim
 
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolar
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolarConsiderações acerca do transtorno afetivo bipolar
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolarCasa
 
Transtorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo ITranstorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo Iadglm
 
comorbidades_11_ago.pdf
comorbidades_11_ago.pdfcomorbidades_11_ago.pdf
comorbidades_11_ago.pdfMaxDrummond1
 
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da Depressão
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da DepressãoTranstorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da Depressão
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da DepressãoFelipe de Souza
 
Transtornos Depressivos .pdf
Transtornos Depressivos .pdfTranstornos Depressivos .pdf
Transtornos Depressivos .pdfFelipe Pinho
 
Resumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia IIResumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia IISandra Pintos
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSilviaLouro2
 

Semelhante a Transtorno bipolar e transtornos relacionados (20)

seminário toc
seminário tocseminário toc
seminário toc
 
Transtorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptxTranstorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptx
 
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar PsiquiatraSlide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
 
Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental  Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental
 
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdfAulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
 
Transtornos do Humor nos Transtornos Alimentares
Transtornos do Humor nos Transtornos AlimentaresTranstornos do Humor nos Transtornos Alimentares
Transtornos do Humor nos Transtornos Alimentares
 
Inserir um título (1).pdf
Inserir um título (1).pdfInserir um título (1).pdf
Inserir um título (1).pdf
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo ViiCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
 
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolar
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolarConsiderações acerca do transtorno afetivo bipolar
Considerações acerca do transtorno afetivo bipolar
 
Bipolar Final
Bipolar FinalBipolar Final
Bipolar Final
 
Transtorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo ITranstorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo I
 
comorbidades_11_ago.pdf
comorbidades_11_ago.pdfcomorbidades_11_ago.pdf
comorbidades_11_ago.pdf
 
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da Depressão
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da DepressãoTranstorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da Depressão
Transtorno Bipolar e Depressão - Curso Psicologia Cognitiva da Depressão
 
Transtornos Depressivos .pdf
Transtornos Depressivos .pdfTranstornos Depressivos .pdf
Transtornos Depressivos .pdf
 
Resumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia IIResumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia II
 
Folder Transtorno Bipolar
Folder Transtorno BipolarFolder Transtorno Bipolar
Folder Transtorno Bipolar
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdfSURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
 
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraCaio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoCaio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasCaio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosCaio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoCaio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneCaio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeCaio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachCaio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeCaio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaCaio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoCaio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaCaio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisCaio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoCaio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalCaio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaCaio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentaresCaio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 

Último (20)

nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 

Transtorno bipolar e transtornos relacionados

  • 1. Transtorno bipolar e transtornos relacionados Estudos dos Fenômenos Psicopatológicos I – Aula 8
  • 3. Objetivos • Traçar a história dos conceitos associados à bipolaridade • Descrever a fenomenologia da mania e da bipolaridade • Delimitar contribuições biológicas, psicológicas, e sociais para o transtorno bipolar e associados
  • 4. História breve da bipolaridade • Antes de 1850, diversos médicos já haviam comentado a alternância entre mania e depressão • Em 1844, Karl Wigang Maximilian Jacobi, chefe do asilo Siegburg (ALE), notou que “a exaltação e a depressão apresentam uma relação muito íntima entre si, alternam-se juntas, e parecem muitas vezes mutuamente, se não regularmente, disparar uma à outra” • Carl Friedrich Flemming, 1844: “Dysthymia mutabilis” • 1850-1854: Jean-Pierre Falret e Jules-Gabriel-François Baillarger entram em uma altercação pela prioridade da descrição de uma doença chamada de “la folie circulaire” pelo primeiro e “la folie à double forme” pelo segundo; ambos são pessimistas quanto ao prognóstico • Karl Ludwig Kahlbaum cunha, em 1882, o termo “ciclotimia” para descrever uma forma de “insanidade circular” que não tem curso deteriorante, como a “vesania typica circularis”
  • 5. História breve da bipolaridade • Na sexta edição de seu livro, em 1899, Kraepelin incluiu todos os transtornos afetivos – depressão, mania, e “formas mistas” – em uma única categoria diagnóstica, a doença maníaco-depressiva • “Insanidade maníaco-depressiva. . . inclui, por um lado, toda a área das chamadas formas periódicas e circulares de insanidade; por outro lado, inclui a maioria das manias simples até então tratadas separadamente. No decorrer dos anos, tenho me convencido cada vez mais de que todos os quadros clínicos mencionados acima são apenas aspectos de uma única doença.”
  • 6. Mania delirante • Uma mistura de delirium com “mania clássica” • Não envolve humor hipertimia, mas violência incoerente e eruptiva, dentro de um contexto de desorientação e desconexão do ambiente externo • Os sintomas são rapidamente reconhecidos na descrição de pacientes em instituições mentais, mas foi sendo esquecido após a II Guerra Mundial
  • 7. Hipertimia: Psicopatologia e valor semiológico • Estado de ânimo morbidamente elevado • Distinguem-se a euforia e a exaltação afetiva patológica – Euforia simples “se traduz por um estado de completa satisfação e felicidade” • Elevação do estado de ânimo, aceleração do curso do pensamento, loquacidade, vivacidade da mímica facial, aumento da gesticulação, riso fácil, e logorreia • Observada constitucionalmente e, em sua forma pura, na fase maníaca, estados hipomaníacos, embriaguez alcoólica, e demência senil – Exaltação patológica apresenta também “aumento da convicção do próprio valor e das aspirações” • Aceleração do curso do pensamento (que pode chegar à fuga de ideias, desviabilidade da atenção, e facilidade para passar rapidamente do pensamento à ação • Instabilidade afetiva traduzida em extrema facilidade de passar da euforia à tristeza ou cólera • Turgor vitalis PAIM, I. Curso de psicopatologia. 11a . ed. São Paulo: E.P.U., 2008.
  • 8. F30 Episódio maníaco • F30.0 Hipomania – Transtorno caracterizado pela presença de uma elevação ligeira mas persistente do humor, da energia e da atividade, associada em geral a um sentimento intenso de bem-estar e de eficácia física e psíquica. – Existe frequentemente um aumento da sociabilidade, do desejo de falar, da familiaridade e da energia sexual, e uma redução da necessidade de sono; estes sintomas não são, entretanto, tão graves de modo a entravar o funcionamento profissional ou levar a uma rejeição social. – A euforia e a sociabilidade são por vezes substituídas por irritabilidade, atitude pretensiosa ou comportamento grosseiro. As perturbações do humor e do comportamento não são acompanhadas de alucinações ou de idéias delirantes. • F30.1 Mania sem sintomas psicóticos – Presença de uma elevação do humor fora de proporção com a situação do sujeito, podendo variar de uma jovialidade descuidada a uma agitação praticamente incontrolável. – Esta elação se acompanha de um aumento da energia, levando à hiperatividade, um desejo de falar e uma redução da necessidade de sono. – A atenção não pode ser mantida, e existe frequentemente uma grande distração. – O sujeito apresenta frequentemente um aumento do auto-estima com idéias de grandeza e superestimativa de suas capacidades. A perda das inibições sociais pode levar a condutas imprudentes, irrazoáveis, inapropriadas ou deslocadas. • F30.2 Mania com sintomas psicóticos – Presença, além do quadro clínico descrito em F30.1, de idéias delirantes (em geral de grandeza) ou de alucinações (em geral do tipo de voz que fala diretamente ao sujeito) ou de agitação, de atividade motora excessiva e de fuga de idéias de uma gravidade tal que o sujeito se torna incompreensível ou inacessível a toda comunicação normal.
  • 9. F30 Episódio maníaco • Todas as subdivisões desta categoria se aplicam exclusivamente a um episódio isolado. • Um episódio hipomaníaco ou maníaco em indivíduo que já tenha apresentado um ou mais episódios afetivos prévios (depressivo, hipomaníaco, maníaco, ou misto) deve conduzir a um diagnóstico de transtorno afetivo bipolar (F31.-).
  • 10. Episódio maníaco no DSM-5 A Um período distinto de humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável e aumento anormal e persistente da atividade dirigi da a objetivos ou da energia, com duração mínima de uma semana e presente na maior parte do dia, quase todos os dias (ou qualquer duração, se a hospitalização se fizer necessária). B Durante o período de perturbação do humor e aumento da energia ou atividade, três (ou mais) dos seguintes sintomas (quatro se o humor é apenas irritável) estão presentes em grau significativo e representam uma mudança notável do comportamento habitual: 1.Autoestima inflada ou grandiosidade. 2.Redução da necessidade de sono (p. ex., sente-se descansado com apenas três horas de sono). 3.Mais loquaz que o habitual ou pressão para continuar falando. 4.Fuga de ideias ou experiência subjetiva de que os pensamentos estão acelerados. 5.Distratibilidade (i.e., a atenção é desviada muito facilmente por estímulos externos insignificantes ou irrelevantes), conforme relatado ou observado. 6.Aumento da atividade dirigida a objetivos (seja socialmente, no trabalho ou escola, seja sexualmente) ou agitação psicomotora (i.e., atividade sem propósito não dirigida a objetivos). 7.Envolvimento excessivo em atividades com elevado potencial para consequências dolorosas (p. ex., envolvimento em surtos desenfreados de compras, indiscrições sexuais ou investimentos financeiros insensatos).
  • 11. Episódio maníaco no DSM-5 CA perturbação do humor é suficientemente grave a ponto de causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou profissional ou para necessitar de hospitalização a fim de prevenir dano a si mesmo ou a outras pessoas, ou existem características psicóticas. DO episódio não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., droga de abuso, medicamento, outro tratamento) ou a outra condição médica. Nota: Um episódio maníaco completo que surge durante tratamento antidepressivo (p. ex., medicamento, eletroconvulsoterapia), mas que persiste em um nível de sinais e sintomas além do efeito fisiológico desse tratamento, é evidência suficiente para um episódio maníaco e, portanto, para um diagnóstico de transtorno bipolar tipo I.
  • 12. Episódio hipomaníaco no DSM-5 A Um período distinto de humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável e aumento anormal e persistente da atividade ou energia, com duração mínima de quatro dias consecutivos e presente na maior parte do dia, quase todos os dias. B Durante o período de perturbação do humor e aumento de energia e atividade, três (ou mais) dos sintomas (quatro se o humor é apenas irritável) persistem, representam uma mudança notável em relação ao comportamento habitual e estão presentes em grau significativo. CO episódio está associado a uma mudança clara no funcionamento que não é característica do indivíduo quando assintomático. DA perturbação do humor e a mudança no funcionamento são observáveis por outras pessoas. E O episódio não é suficientemente grave a ponto de causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou profissional ou para necessitar de hospitalização. Existindo características psicóticas, por definição, o episódio é maníaco. F O episódio não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., droga de abuso, medicamento, outro tratamento).
  • 13. F31 Transtorno afetivo bipolar • Transtorno caracterizado por dois ou mais episódios nos quais o humor e o nível de atividade do sujeito estão profundamente perturbados, sendo que este distúrbio consiste em algumas ocasiões de uma elevação do humor e aumento da energia e da atividade (hipomania ou mania) e em outras, de um rebaixamento do humor e de redução da energia e da atividade (depressão). • Pacientes que sofrem somente de episódios repetidos de hipomania ou mania são classificados como bipolares.
  • 14. Subtipos no CID-10 • F31.0 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual hipomaníaco – Episódio atual correspondente à descrição de uma hipomania tendo ocorrido, no passado, ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto). • F31.1 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco sem sintomas psicóticos – Episódio atual maníaco correspondente à descrição de um episódio maníaco sem sintomas psicóticos (F30.1), tendo ocorrido, no passado, ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto). • F31.2 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco com sintomas psicóticos – Episódio atual correspondente à descrição de um episódio maníaco com sintomas psicóticos (F30.2), tendo ocorrido, no passado, ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto). • F31.3 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo leve ou moderado – Episódio atual correspondente à descrição de um episódio depressivo leve ou moderado (F32.0 ou F32.1), tendo ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem comprovado. • F31.4 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave sem sintomas psicóticos – Episódio atual correspondentes à descrição de um episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos (F32.2), tendo ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem documentado.
  • 15. Subtipos no CID-10 • F31.5 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave com sintomas psicóticos – Episódio atual correspondente à descrição de um episódio depressivo grave com sintomas psicóticos (F32.3), tendo ocorrido, no passado, ao menos um episódio afetivo hipomaníaco, maníaco ou misto bem comprovado. • F31.6 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual misto – Ocorrência, no passado, de ao menos um episódio afetivo maníaco, hipomaníaco ou misto bem documentado, e episódio atual caracterizado pela presença simultânea de sintomas maníacos e depressivos ou por uma alternância rápida de sintomas maníacos e depressivos. • F31.7 Transtorno afetivo bipolar, atualmente em remissão – Ocorrência, no passado, de ao menos um episódio afetivo maníaco, hipomaníaco ou misto muito bem comprovado, e de ao menos um outro episódio afetivo (hipomaníaco, maníaco, depressivo ou misto) mas sem nenhuma perturbação significativa do humor, nem atualmente nem no curso dos últimos meses. As remissões sob tratamento profilático devem ser classificadas aqui. • F31.8 Outros transtornos afetivos bipolares – Episódios maníacos recidivantes SOE – Transtorno bipolar II
  • 16. Transtorno bipolar tipo I (DSM-5) A Foram atendidos os critérios para pelo menos um episódio maníaco (Critérios A-D em “Episódio Maníaco” descritos anteriormente). B A ocorrência do(s) episódio(s) maníaco(s) e depressivo(s) maior(es) não é mais bem explicada por transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, transtorno esquizofreniforme, transtorno delirante ou transtorno do espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico com outras especificações ou não especificado.
  • 17. Transtorno bipolar tipo II (DSM-5) A Foram atendidos os critérios para pelo menos um episódio hipomaníaco. B Jamais houve um episódio maníaco. CA ocorrência do(s) episódio(s) hipomaníaco(s) e depressivo(s) maior(es) não é mais bem explicada por transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, transtorno esquizofreniforme, transtorno delirante, outro transtorno do espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico especificado ou transtorno do espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico não especificado. DOs sintomas de depressão ou a imprevisibilidade causada por alternância frequente entre períodos de depressão e hipomania causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outra área importante da vida do indivíduo.
  • 18. Transtorno ciclotímico (DSM-5) A Por pelo menos dois anos (um ano em crianças e adolescentes), presença de vários períodos com sintomas hipomaníacos que não satisfazem os critérios para episódio hipomaníaco e vários períodos com sintomas depressivos que não satisfazem os critérios para episódio depressivo maior. B Durante o período antes citado de dois anos (um ano em crianças e adolescentes), os períodos hipomaníaco e depressivo estiveram presentes por pelo menos metade do tempo, e o indivíduo não permaneceu sem os sintomas por mais que dois meses consecutivos. COs critérios para um episódio depressivo maior, maníaco ou hipomaníaco nunca foram satisfeitos. DOs sintomas do Critério A não são mais bem explicados por transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, transtorno esquizofreniforme, transtorno delirante, outro transtorno do espectro da esquizofrenia e outro transtorno psicótico especificado ou transtorno espectro da esquizofrenia e outro transtorno fisiológico não especificado.
  • 20. Qual o diagnóstico do nosso estudo de caso? CID-10: F31.3 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo leve ou moderado DSM-5: 296.52 Transtorno bipolar Tipo I, episódio atual ou mais recente depressivo, moderado
  • 21. Modelo integrativo Vulnerabilidade biológicaVulnerabilidade biológica Vulnerabilidade psicológica Esquemas negativos Vulnerabilidade psicológica Esquemas negativos Eventos de vida estressantes Realizações Novas oportunidades Esforço perfeccionista Eventos de vida estressantes Realizações Novas oportunidades Esforço perfeccionista Ativação HPA Efeitos sobre neurotransmissores Ativação HPA Efeitos sobre neurotransmissores Atribuições positivas Sensação de poder Atitudes disfuncionais Esquemas grandiosos Atribuições positivas Sensação de poder Atitudes disfuncionais Esquemas grandiosos Problemas de relacionamento interpessoal e falta de suporte social Problemas de relacionamento interpessoal e falta de suporte social Mania
  • 22. Como esses elementos aparecem no estudo de caso? • Histórico familiar de depressão e, possivelmente, transtorno bipolar • Joselino conecta a emergência de seu primeiro episódio maníaco (e os episódios depressivos subsequentes) a períodos estressantes na vida (último ano da faculdade, conflitos quanto aos negócios da família) • Recusa do tratamento após melhora inicial sugere negação ou minimização do problema; isso é preditor de baixa resposta ao tratamento
  • 23. Como tratar o caso de Joselino? • Como não está em episódio maníaco, a primeira opção seria utilizar um antidepressivo de meia-vida curta – Em episódio maníaco, a primeira opção é lítio, valproato, ou carbamazepina – O lítio pode ser usado em terapia de manutenção para prevenir o episódio maníaco, mas deve ser monitorado por causa da toxicidade • Psicoterapias que demonstram eficácia quando combinadas à medicação: psicoeducação individual ou em grupo, TCC individual ou em grupo, terapia familiar, e terapia interpessoal