SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Ano Lectivo:
                                  AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS                                           2009/2010
                          Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias
                                                                                                             7º Ano
                                  Teste Diagnóstico de Língua Portuguesa
                              Domínios da Leitura e do Funcionamento da Língua                         17 Setembro 2009

Nome: _________________________________________________________________ Turma: _____           N.º: _____
Classificação: ________________________ Prof.: _______________________ E.E.: ___________________________



                                                     GRUPO I

A. Leia, com atenção e silenciosamente, o texto A.

                                                        Texto A
         Um dia, o coelho estava a brincar com um arbusto. De repente, este desprendeu-se e atirou com o coelho
     para a outra margem do rio. É que o arbusto estava armadilhado para apanhar porquinhos da Índia.
         Quando lhe passou o atordoamento, foi verificar o que se tinha passado e descobriu que podia atravessar
     o rio muito rapidamente utilizando aquele estratagema. Preparou o seu próprio arbusto: vergava-o até à
5    outra margem, empoleirava-se nele e desprendia-o. O arbusto endireitava-se, atirando com o coelho para a
     outra margem.
         Posto isto, o coelho resolveu ir provocar os outros animais. Andou, andou e encontrou o macaco a
     conversar com o javali. Chamou o macaco à parte e disse-lhe:
         -Olha amigo, não vês que o javali está a rir-se de ti? Ele disse-me que tu não passavas de um escravo seu e
10   que só te tolera porque lhe fazes macaquices para divertir a sua família.
         O macaco ficou furioso e antes de ir pedir contas ao javali quis apanhar o coelho para lhe confirmar as
     afirmações na presença de um amigo, mas aquele fugiu e desprendeu o arbusto. O javali, perante a
     iminência de perder a amizade do macaco, jurou vingar-se. Foi ter com os cães selvagens, que, como sabem,
     andam sempre em grupo muito numeroso, e contou-lhes a história. Os cães selvagens, que havia muito
15   tempo andavam à espera de um pretexto para apanharem o coelho, prontificaram-se de imediato a
     persegui-lo.
         Logo que o viram, desataram numa louca perseguição, o coelho desprendeu o arbusto, mas os cães
     selvagens sabiam nadar. Meteu-se num buraco. Um dos cães meteu a mão e agarrou um dos pés do coelho:
         -Olha, olha, é mesmo burro este cão. Agarra uma raiz e pensa logo que tem o mundo na mão.
20       O cão selvagem larga a pata do coelho. Mete a mão de novo e agarra uma raiz. O coelho grita:
         -Ei, cuidado, chefe, agarraste-me numa ferida, olha que dói, dói, dói.
         O cão puxou a raiz com força, esta desprendeu-se e ele caiu com estrondo. Resolveram montar guarda
     para não deixar o coelho sair e submetê-lo à fome. O coelho disse:
         -Ó chefe, sabes que quando caíste, o javali achou muita graça e está a rir-se de ti?
25       -Eu não acredito em ti, coelho. Antes de tu nasceres, eu já era grande, miúdos como tu não me levam.
         -É verdade, chefe, até foi contar à família. Se não acreditas, podes mandar um dos teus a casa do javali
     para ver se não estão todos a rir-se da tua queda.
         O cão hesitou, mas roído pela dúvida, acabou por enviar um dos cães a casa do javali. Este estava a jantar
     com a mulher e os filhos. O cão selvagem que foi enviado não precisou de entrar na povoação do javali. De
30   longe, viu que todos eles tinham os dentes de fora e convenceu-se que estavam a rir-se e foi comunicar o
     caso ao chefe. Este, aborrecido com a ingratidão do javali, levantou o cerco ao coelho e foi em perseguição
     daquele.
         É por isso que hoje quando vamos à caça e os cães estão a perseguir um coelho, logo que vêem um javali,
     vão prontamente atrás dele.

                                                             Lourenço do Rosário, Contos Africanos, Texto Editores (adaptado)
1. O questionário que se segue fornece-lhe, para cada questão, várias hipóteses de resposta. Assinale com    o
   quadrado correspondente à alternativa correcta, de acordo com o sentido do texto.
   1.1. Um dia, o coelho estava a brincar com um arbusto que se soltou porque…
                …chegaram porquinhos da Índia.
                …o coelho queria ir para a outra margem do rio.
                …era uma armadilha.
                …o coelho queria apanhar porquinhos da Índia.

   1.2. O coelho, depois de chegar à outra margem, …
               …não quis saber de mais nada.
               …ficou confuso e procurou saber o que se tinha passado.
               …procurou outro arbusto para brincar.
               …empoleirou-se numa árvore e pediu ajuda.

   1.3. “O macaco ficou furioso” (linha 11), porque…
               …também queria ter um arbusto.
               …o javali não gostava dele.
               …ninguém gostava das suas macaquices.
               …não gostou de ouvir o que o coelho lhe disse.

   1.4. Os cães selvagens decidiram apanhar o coelho, porque…
                …finalmente encontraram uma razão para o fazer.
                …tinham fome.
                …o javali era seu amigo.
                …já o tinham tentado fazer.

   1.5. No último parágrafo, o narrador pretende…
                …dizer que os coelhos não estão em extinção.
                …transmitir a ideia de que os coelhos são animais muito espertos.
                …explicar a razão pela qual os cães preferem caçar javalis.
                …afirmar que é melhor caçar javalis do que coelhos.

   1.6. Esta história é uma fábula, porque…
                 …o narrador é um animal.
                 …as personagens são animais.
                 …é muito antiga.
                 …tem princípio, meio e fim.

2. Responda às questões que se seguem utilizando frases completas.
   2.1. O javali não queria perder a amizade do macaco. Apresente uma expressão do texto que comprove esta
        afirmação. _____________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________

   2.2. O coelho, ao ser apanhado por um dos cães, demonstrou ser mais inteligente do que ele. Explique o que
        aconteceu. _____________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________

   2.3. “-Eu não acredito em ti, coelho.” (linha 25)
        O cão, no início, não levou a sério o coelho, mas, depois, acabou por acreditar nele. O que fez então?
        ______________________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________
        ______________________________________________________________________________________
B. Leia, agora, o texto B, um texto informativo sobre o coelho.
                                                           Texto B
                                                          COELHO
Habitat
O coelho é abundante em regiões herbáceas, florestas, e mesmo zonas próximas de sapais(1), dunas e costa
                                                                                                     (2)
rochosa. Em Portugal prefere as zonas de influência mediterrânica, nomeadamente montados de azinho ,
                    (3)
estepes cerealíferas e zonas de cultura e regadio.
Distribuição geográfica geral
Deve ser, em Portugal, o mamífero de porte médio mais bem representado, estando presente, em relativa
abundância, em todo o país.
Modo de vida
Os coelhos são sobretudo crepusculares(4), mas, se não forem incomodados, apresentam também actividade
durante o dia.
Vivem em grandes famílias, regra geral de um macho com várias fêmeas, que habitam verdadeiras cidades
subterrâneas compostas por um sistema de galerias, alargado nos cruzamentos e com um grande número de
saídas.
Quando se sentem em perigo, fogem em ziguezague para despistar o predador. Tal como as lebres, possuem,
quando em posição vertical, um ângulo de visão de 360 graus, de forma que nunca perdem o perseguidor de
vista.
                            Clara Pinto Correia, Portugal Animal, Lisboa, Editora Dom Quixote, 1991 (texto com adaptações).
(1)
    sapais – terras alagadas de água, normalmente junto da foz de alguns rios.
(2)
    montados de azinho – terrenos de azinheiras.
(3)
    estepes cerealíferas – regiões planas onde se cultivam cereais.
(4)
    animais crepusculares – os que só aparecem ao anoitecer.

1. Preencha o quadro que se segue, indicando algumas das particularidades específicas do coelho e da lebre,
   referidas no texto B.
               Aspectos                                                          Coelho
                                           ……………………………………………………………………………………………………………………
      Ambiente específico em que
                                           ……………………………………………………………………………………………………………………
      vive
                                           ……………………………………………………………………………………………………………………
      Locais onde se encontra, em
      Portugal                             ……………………………………………………………………………………………………………………

      Período diário de actividade         ……………………………………………………………………………………………………………………
      Comportamento face ao
      perigo                               ……………………………………………………………………………………………………………………

                                           Em posição vertical, ……………………………………………………………………………………
      Ângulo de visão
                                           ……………………………………………………………………………………………………………………


2. Imagine que tem de realizar um trabalho de pesquisa sobre o coelho e que consultava o livro referido no texto
   B. Preencha a seguinte ficha, com base na informação apresentada no mesmo texto.

      Autor: ……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
      Título da obra: ………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
      Editora: ………………………………………………………… Local e data de edição: ………………………………………………………….
      Assunto do texto: Características do coelho, relativamente a ……………………………….……………………………………….
      ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
3. Na sua opinião, viver dentro de uma casa será adequado às características dos coelhos? Justifique a sua
   resposta, com base no texto informativo que leu (texto B).
   __________________________________________________________________________________________
   __________________________________________________________________________________________
   __________________________________________________________________________________________
   __________________________________________________________________________________________




                                                 GRUPO II

Estabeleça a correspondência entre os excertos da coluna A e a respectiva tipologia. Para o efeito, escreva o
número de cada excerto / texto no quadrado existente em cada opção da coluna B.


                                   Coluna A                                                  Coluna B

 1. Naquele tempo, o meu pai contava-me muitas histórias de gigantes. Eu não
    queria adormecer sozinho, de maneira que ele sentava-se na minha cama e
    entretinha-me, enquanto não chegava o João Pestana. A verdade é que o meu
    pai não sabia as histórias de cor e ia inventando, à medida que ia contando.
                                                                                          Texto dramático

 2. Puseram a jaula de frente para o mar.
    Lá dentro, o tigre está imóvel, fixando
    as ondas. Mas o seu espírito não está ali:
    ruge com o vento, com o mar, com as marés;
    e paira, como um pássaro, sobre este mundo                                            Texto narrativo
    baixo e preso às leis imutáveis da terra.

 3. Pai – Onde está o meu chapéu de plumas?
          Onde está o meu elmo invisível?
          Onde está o meu cavalo supersónico?                                             Texto poético
          Onde está o meu filho?
    Filho – Estou aqui, papá.
    Pai – Que palavra é essa… «papá»?!...




                                                 GRUPO III

A. Escreva por ordem alfabética os nomes da lista de animais à        LISTA DE ANIMAIS:
   direita.
                                                                          Coelho              Foca
   _____________________________________________________
                                                                          Tigre               Gato
   _____________________________________________________                  Cão                 Tartaruga
   _____________________________________________________                  Coala               Aranha
   _____________________________________________________                  Hipopótamo          Lebre
   _____________________________________________________
B. Leia a seguinte frase:

   Ah! Eu não invejo aqueles miúdos que têm cães e gatos barulhentos nos quintais, pois nenhum se
   compara ao meu coelho, nem sabe brincar com tanto gosto.


   Transcreva as palavras sublinhadas na linha referente à respectiva classe.


    Nome

    Verbo

    Adjectivo

    Pronome

    Determinante

    Interjeição

    Preposição




C. Atente na frase abaixo:
                                A Ana deu um coelho ao João no seu aniversário.

   1. Faça a sua análise sintáctica, transcrevendo o segmento de frase correspondente a cada uma das funções
      sintácticas indicadas.
       1.1. Complemento circunstancial de tempo: ____________________________________________________
       1.2. Sujeito: ______________________________________________________________________________
       1.3. Complemento indirecto: ________________________________________________________________
       1.4. Complemento directo: _________________________________________________________________


   2. Transcreva da frase uma palavra esdrúxula. ____________________________________________________



D. Complete o parágrafo abaixo, escrevendo os verbos destacados nos tempos do modo indicativo apresentados
   entre parênteses.

   O    coelhinho     __________________________           (vir     –   Pretérito    Imperfeito)     sempre     que
   ___________________________ (ver – Pretérito Imperfeito) o João e _________________ (ter –
   Pretérito      Imperfeito)    muita   paciência     para       brincar   com     ele.    Por    isso,   o    João
   ____________________________             (protestar     –       Pretérito    Perfeito)    quando        os   pais
   ____________________________ (mandar – Pretérito Perfeito) o coelho embora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha factos opiniões_tipo_forma_frases
Ficha factos opiniões_tipo_forma_frasesFicha factos opiniões_tipo_forma_frases
Ficha factos opiniões_tipo_forma_frasesMaria Meinedo
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opiniãoAna Veiga
 
Ficha de recursos expressivos 6º ano
Ficha de recursos expressivos 6º anoFicha de recursos expressivos 6º ano
Ficha de recursos expressivos 6º anozedobarco3
 
A Nau Catrineta- Interpretação
A Nau Catrineta- InterpretaçãoA Nau Catrineta- Interpretação
A Nau Catrineta- InterpretaçãoA. Simoes
 
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correção
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correçãoFicha de revisões 6º ano Português - notícia com correção
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correçãoBelmira Pereira
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões LíricoVanda Sousa
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação marçoLuis Martins
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da NotíciasextoD
 
Complemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcaoComplemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcaoLuís Ventura
 
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosTeste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosAcima da Média
 
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuosfilomena morais
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivojlsr1970
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosGabriela Bruno
 
Biografia de luis sepulveda
Biografia de luis sepulvedaBiografia de luis sepulveda
Biografia de luis sepulvedaMiguel Carvalho
 
Ali Babá e os quarenta ladrões
Ali Babá e os quarenta ladrõesAli Babá e os quarenta ladrões
Ali Babá e os quarenta ladrõesIsabelPereira2010
 

Mais procurados (20)

Ficha factos opiniões_tipo_forma_frases
Ficha factos opiniões_tipo_forma_frasesFicha factos opiniões_tipo_forma_frases
Ficha factos opiniões_tipo_forma_frases
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Ficha de recursos expressivos 6º ano
Ficha de recursos expressivos 6º anoFicha de recursos expressivos 6º ano
Ficha de recursos expressivos 6º ano
 
A Nau Catrineta- Interpretação
A Nau Catrineta- InterpretaçãoA Nau Catrineta- Interpretação
A Nau Catrineta- Interpretação
 
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correção
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correçãoFicha de revisões 6º ano Português - notícia com correção
Ficha de revisões 6º ano Português - notícia com correção
 
Rochas – 5º ano
Rochas – 5º anoRochas – 5º ano
Rochas – 5º ano
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação março
 
Ficha de avaliação CN6 - alimentação e s. digestivo
Ficha de avaliação CN6 - alimentação e s. digestivoFicha de avaliação CN6 - alimentação e s. digestivo
Ficha de avaliação CN6 - alimentação e s. digestivo
 
Ficha de revisões ângulos
Ficha de revisões ângulosFicha de revisões ângulos
Ficha de revisões ângulos
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
 
Ficha de revisão
Ficha de revisãoFicha de revisão
Ficha de revisão
 
Complemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcaoComplemento agente da passiva correcao
Complemento agente da passiva correcao
 
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosTeste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
 
Exercícios advérbios dt
Exercícios advérbios dtExercícios advérbios dt
Exercícios advérbios dt
 
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos OceânicosFT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
FT4 - Morfologia dos Fundos Oceânicos
 
Biografia de luis sepulveda
Biografia de luis sepulvedaBiografia de luis sepulveda
Biografia de luis sepulveda
 
Ali Babá e os quarenta ladrões
Ali Babá e os quarenta ladrõesAli Babá e os quarenta ladrões
Ali Babá e os quarenta ladrões
 

Destaque

Fic.av.trimestral páscoa2014 b
Fic.av.trimestral páscoa2014 bFic.av.trimestral páscoa2014 b
Fic.av.trimestral páscoa2014 blveiga
 
Livro de fichas matematica 4º ano
Livro de  fichas matematica 4º anoLivro de  fichas matematica 4º ano
Livro de fichas matematica 4º anoCarla Fernandes
 
Modelo de teste português
Modelo de teste portuguêsModelo de teste português
Modelo de teste portuguêsMafalda Portas
 
Despacho n.º 17169 2011
Despacho n.º 17169 2011Despacho n.º 17169 2011
Despacho n.º 17169 2011Ana Pereira
 
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoiras
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoirasPower-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoiras
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoirasbeatriz123-madeira
 
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1Yolanda Maria
 
Questões de Exame 1 Resolvido Texto Narrativo
Questões de Exame 1 Resolvido   Texto NarrativoQuestões de Exame 1 Resolvido   Texto Narrativo
Questões de Exame 1 Resolvido Texto NarrativoSusana Sobrenome
 
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosa
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosaFicha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosa
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosaRute Almeida
 
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Rita Silva
 
2º ano texto expositivo e poema
2º ano texto expositivo e poema2º ano texto expositivo e poema
2º ano texto expositivo e poemaladydanasoares
 
Os bichos guião de leitura
Os bichos   guião de leituraOs bichos   guião de leitura
Os bichos guião de leiturabibliotecap
 
Ficha de matemática 5o ano sequências, frações, probl
Ficha de matemática 5o ano   sequências, frações, problFicha de matemática 5o ano   sequências, frações, probl
Ficha de matemática 5o ano sequências, frações, problvisiense
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9Susana Sobrenome
 
Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresabrigada
 

Destaque (19)

Testes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapasTestes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapas
 
Fic.av.trimestral páscoa2014 b
Fic.av.trimestral páscoa2014 bFic.av.trimestral páscoa2014 b
Fic.av.trimestral páscoa2014 b
 
Livro de fichas matematica 4º ano
Livro de  fichas matematica 4º anoLivro de  fichas matematica 4º ano
Livro de fichas matematica 4º ano
 
Modelo de teste português
Modelo de teste portuguêsModelo de teste português
Modelo de teste português
 
Despacho n.º 17169 2011
Despacho n.º 17169 2011Despacho n.º 17169 2011
Despacho n.º 17169 2011
 
O leão e o coelho saltitão
O leão e o coelho saltitãoO leão e o coelho saltitão
O leão e o coelho saltitão
 
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoiras
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoirasPower-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoiras
Power-Point - Lenga lengas sobre os números - As dez meninas casadoiras
 
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1
Teste Intermédio do 2º ano de Português. 2011, Caderno1
 
Flor de Mel
Flor de MelFlor de Mel
Flor de Mel
 
Ficha de avaliação MAT5 nº 5
Ficha de avaliação MAT5 nº 5Ficha de avaliação MAT5 nº 5
Ficha de avaliação MAT5 nº 5
 
Questões de Exame 1 Resolvido Texto Narrativo
Questões de Exame 1 Resolvido   Texto NarrativoQuestões de Exame 1 Resolvido   Texto Narrativo
Questões de Exame 1 Resolvido Texto Narrativo
 
Lição nº 43
Lição nº 43Lição nº 43
Lição nº 43
 
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosa
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosaFicha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosa
Ficha avaliacao 5º_a_minha_irma_rosa
 
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
 
2º ano texto expositivo e poema
2º ano texto expositivo e poema2º ano texto expositivo e poema
2º ano texto expositivo e poema
 
Os bichos guião de leitura
Os bichos   guião de leituraOs bichos   guião de leitura
Os bichos guião de leitura
 
Ficha de matemática 5o ano sequências, frações, probl
Ficha de matemática 5o ano   sequências, frações, problFicha de matemática 5o ano   sequências, frações, probl
Ficha de matemática 5o ano sequências, frações, probl
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
 
Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutores
 

Semelhante a Teste Diagnóstico

Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosMarcos Ataide
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoAugusto Bertotto
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02mariacarmcorreia
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Sonia Ramos
 
Teste diagnóstico_5.º
 Teste diagnóstico_5.º Teste diagnóstico_5.º
Teste diagnóstico_5.ºPatrícia Dias
 
Teste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.ºTeste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.ºRute Almeida
 
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa MLURBANO
 
Apostila de portugues 5ano
Apostila de portugues   5anoApostila de portugues   5ano
Apostila de portugues 5anoElaine Fatima
 
Sequencia didática para trabalhar com as fábulas
Sequencia didática para trabalhar com as fábulasSequencia didática para trabalhar com as fábulas
Sequencia didática para trabalhar com as fábulasRITA DE CASSIA LAGO GOMES
 
Teste Santillana Fábula.docx
 Teste Santillana Fábula.docx Teste Santillana Fábula.docx
Teste Santillana Fábula.docxSara Fernandes
 

Semelhante a Teste Diagnóstico (20)

SÓ FÁBULAS 3.pdf
SÓ FÁBULAS 3.pdfSÓ FÁBULAS 3.pdf
SÓ FÁBULAS 3.pdf
 
Especialidade de Gatos
Especialidade de GatosEspecialidade de Gatos
Especialidade de Gatos
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de texto
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 
Teste diagnóstico_5.º
 Teste diagnóstico_5.º Teste diagnóstico_5.º
Teste diagnóstico_5.º
 
3 simulado 5º ano
3 simulado 5º ano3 simulado 5º ano
3 simulado 5º ano
 
Saresp o pastor e o lobo
Saresp o pastor e o loboSaresp o pastor e o lobo
Saresp o pastor e o lobo
 
Teste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.ºTeste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.º
 
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa
Trabalho do Gestar II de Língua Portuguesa
 
Livro nossas fabulas 2013
Livro nossas fabulas 2013Livro nossas fabulas 2013
Livro nossas fabulas 2013
 
Livro nossas fabulas 2013
Livro nossas fabulas 2013Livro nossas fabulas 2013
Livro nossas fabulas 2013
 
Livro fábulas
Livro fábulasLivro fábulas
Livro fábulas
 
Apostila de portugues 5ano
Apostila de portugues   5anoApostila de portugues   5ano
Apostila de portugues 5ano
 
Teste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.ºTeste diagnóstico 5.º
Teste diagnóstico 5.º
 
Sequencia didática para trabalhar com as fábulas
Sequencia didática para trabalhar com as fábulasSequencia didática para trabalhar com as fábulas
Sequencia didática para trabalhar com as fábulas
 
Livro fábulas
Livro fábulasLivro fábulas
Livro fábulas
 
Teste Santillana Fábula.docx
 Teste Santillana Fábula.docx Teste Santillana Fábula.docx
Teste Santillana Fábula.docx
 
A águia e a coruja
A águia e a corujaA águia e a coruja
A águia e a coruja
 

Mais de Susana Sobrenome

Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesSusana Sobrenome
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaSusana Sobrenome
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaSusana Sobrenome
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseSusana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Susana Sobrenome
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroSusana Sobrenome
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaSusana Sobrenome
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?Susana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeSusana Sobrenome
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoSusana Sobrenome
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasSusana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9anoSusana Sobrenome
 

Mais de Susana Sobrenome (20)

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
 
9ano_HLP
9ano_HLP9ano_HLP
9ano_HLP
 

Último

Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 

Último (20)

Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 

Teste Diagnóstico

  • 1. Ano Lectivo: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS 2009/2010 Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias 7º Ano Teste Diagnóstico de Língua Portuguesa Domínios da Leitura e do Funcionamento da Língua 17 Setembro 2009 Nome: _________________________________________________________________ Turma: _____ N.º: _____ Classificação: ________________________ Prof.: _______________________ E.E.: ___________________________ GRUPO I A. Leia, com atenção e silenciosamente, o texto A. Texto A Um dia, o coelho estava a brincar com um arbusto. De repente, este desprendeu-se e atirou com o coelho para a outra margem do rio. É que o arbusto estava armadilhado para apanhar porquinhos da Índia. Quando lhe passou o atordoamento, foi verificar o que se tinha passado e descobriu que podia atravessar o rio muito rapidamente utilizando aquele estratagema. Preparou o seu próprio arbusto: vergava-o até à 5 outra margem, empoleirava-se nele e desprendia-o. O arbusto endireitava-se, atirando com o coelho para a outra margem. Posto isto, o coelho resolveu ir provocar os outros animais. Andou, andou e encontrou o macaco a conversar com o javali. Chamou o macaco à parte e disse-lhe: -Olha amigo, não vês que o javali está a rir-se de ti? Ele disse-me que tu não passavas de um escravo seu e 10 que só te tolera porque lhe fazes macaquices para divertir a sua família. O macaco ficou furioso e antes de ir pedir contas ao javali quis apanhar o coelho para lhe confirmar as afirmações na presença de um amigo, mas aquele fugiu e desprendeu o arbusto. O javali, perante a iminência de perder a amizade do macaco, jurou vingar-se. Foi ter com os cães selvagens, que, como sabem, andam sempre em grupo muito numeroso, e contou-lhes a história. Os cães selvagens, que havia muito 15 tempo andavam à espera de um pretexto para apanharem o coelho, prontificaram-se de imediato a persegui-lo. Logo que o viram, desataram numa louca perseguição, o coelho desprendeu o arbusto, mas os cães selvagens sabiam nadar. Meteu-se num buraco. Um dos cães meteu a mão e agarrou um dos pés do coelho: -Olha, olha, é mesmo burro este cão. Agarra uma raiz e pensa logo que tem o mundo na mão. 20 O cão selvagem larga a pata do coelho. Mete a mão de novo e agarra uma raiz. O coelho grita: -Ei, cuidado, chefe, agarraste-me numa ferida, olha que dói, dói, dói. O cão puxou a raiz com força, esta desprendeu-se e ele caiu com estrondo. Resolveram montar guarda para não deixar o coelho sair e submetê-lo à fome. O coelho disse: -Ó chefe, sabes que quando caíste, o javali achou muita graça e está a rir-se de ti? 25 -Eu não acredito em ti, coelho. Antes de tu nasceres, eu já era grande, miúdos como tu não me levam. -É verdade, chefe, até foi contar à família. Se não acreditas, podes mandar um dos teus a casa do javali para ver se não estão todos a rir-se da tua queda. O cão hesitou, mas roído pela dúvida, acabou por enviar um dos cães a casa do javali. Este estava a jantar com a mulher e os filhos. O cão selvagem que foi enviado não precisou de entrar na povoação do javali. De 30 longe, viu que todos eles tinham os dentes de fora e convenceu-se que estavam a rir-se e foi comunicar o caso ao chefe. Este, aborrecido com a ingratidão do javali, levantou o cerco ao coelho e foi em perseguição daquele. É por isso que hoje quando vamos à caça e os cães estão a perseguir um coelho, logo que vêem um javali, vão prontamente atrás dele. Lourenço do Rosário, Contos Africanos, Texto Editores (adaptado)
  • 2. 1. O questionário que se segue fornece-lhe, para cada questão, várias hipóteses de resposta. Assinale com o quadrado correspondente à alternativa correcta, de acordo com o sentido do texto. 1.1. Um dia, o coelho estava a brincar com um arbusto que se soltou porque… …chegaram porquinhos da Índia. …o coelho queria ir para a outra margem do rio. …era uma armadilha. …o coelho queria apanhar porquinhos da Índia. 1.2. O coelho, depois de chegar à outra margem, … …não quis saber de mais nada. …ficou confuso e procurou saber o que se tinha passado. …procurou outro arbusto para brincar. …empoleirou-se numa árvore e pediu ajuda. 1.3. “O macaco ficou furioso” (linha 11), porque… …também queria ter um arbusto. …o javali não gostava dele. …ninguém gostava das suas macaquices. …não gostou de ouvir o que o coelho lhe disse. 1.4. Os cães selvagens decidiram apanhar o coelho, porque… …finalmente encontraram uma razão para o fazer. …tinham fome. …o javali era seu amigo. …já o tinham tentado fazer. 1.5. No último parágrafo, o narrador pretende… …dizer que os coelhos não estão em extinção. …transmitir a ideia de que os coelhos são animais muito espertos. …explicar a razão pela qual os cães preferem caçar javalis. …afirmar que é melhor caçar javalis do que coelhos. 1.6. Esta história é uma fábula, porque… …o narrador é um animal. …as personagens são animais. …é muito antiga. …tem princípio, meio e fim. 2. Responda às questões que se seguem utilizando frases completas. 2.1. O javali não queria perder a amizade do macaco. Apresente uma expressão do texto que comprove esta afirmação. _____________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ 2.2. O coelho, ao ser apanhado por um dos cães, demonstrou ser mais inteligente do que ele. Explique o que aconteceu. _____________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ 2.3. “-Eu não acredito em ti, coelho.” (linha 25) O cão, no início, não levou a sério o coelho, mas, depois, acabou por acreditar nele. O que fez então? ______________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________
  • 3. B. Leia, agora, o texto B, um texto informativo sobre o coelho. Texto B COELHO Habitat O coelho é abundante em regiões herbáceas, florestas, e mesmo zonas próximas de sapais(1), dunas e costa (2) rochosa. Em Portugal prefere as zonas de influência mediterrânica, nomeadamente montados de azinho , (3) estepes cerealíferas e zonas de cultura e regadio. Distribuição geográfica geral Deve ser, em Portugal, o mamífero de porte médio mais bem representado, estando presente, em relativa abundância, em todo o país. Modo de vida Os coelhos são sobretudo crepusculares(4), mas, se não forem incomodados, apresentam também actividade durante o dia. Vivem em grandes famílias, regra geral de um macho com várias fêmeas, que habitam verdadeiras cidades subterrâneas compostas por um sistema de galerias, alargado nos cruzamentos e com um grande número de saídas. Quando se sentem em perigo, fogem em ziguezague para despistar o predador. Tal como as lebres, possuem, quando em posição vertical, um ângulo de visão de 360 graus, de forma que nunca perdem o perseguidor de vista. Clara Pinto Correia, Portugal Animal, Lisboa, Editora Dom Quixote, 1991 (texto com adaptações). (1) sapais – terras alagadas de água, normalmente junto da foz de alguns rios. (2) montados de azinho – terrenos de azinheiras. (3) estepes cerealíferas – regiões planas onde se cultivam cereais. (4) animais crepusculares – os que só aparecem ao anoitecer. 1. Preencha o quadro que se segue, indicando algumas das particularidades específicas do coelho e da lebre, referidas no texto B. Aspectos Coelho …………………………………………………………………………………………………………………… Ambiente específico em que …………………………………………………………………………………………………………………… vive …………………………………………………………………………………………………………………… Locais onde se encontra, em Portugal …………………………………………………………………………………………………………………… Período diário de actividade …………………………………………………………………………………………………………………… Comportamento face ao perigo …………………………………………………………………………………………………………………… Em posição vertical, …………………………………………………………………………………… Ângulo de visão …………………………………………………………………………………………………………………… 2. Imagine que tem de realizar um trabalho de pesquisa sobre o coelho e que consultava o livro referido no texto B. Preencha a seguinte ficha, com base na informação apresentada no mesmo texto. Autor: ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. Título da obra: …………………………………………………………………………………………………………………………………………………. Editora: ………………………………………………………… Local e data de edição: …………………………………………………………. Assunto do texto: Características do coelho, relativamente a ……………………………….………………………………………. ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
  • 4. 3. Na sua opinião, viver dentro de uma casa será adequado às características dos coelhos? Justifique a sua resposta, com base no texto informativo que leu (texto B). __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ GRUPO II Estabeleça a correspondência entre os excertos da coluna A e a respectiva tipologia. Para o efeito, escreva o número de cada excerto / texto no quadrado existente em cada opção da coluna B. Coluna A Coluna B 1. Naquele tempo, o meu pai contava-me muitas histórias de gigantes. Eu não queria adormecer sozinho, de maneira que ele sentava-se na minha cama e entretinha-me, enquanto não chegava o João Pestana. A verdade é que o meu pai não sabia as histórias de cor e ia inventando, à medida que ia contando. Texto dramático 2. Puseram a jaula de frente para o mar. Lá dentro, o tigre está imóvel, fixando as ondas. Mas o seu espírito não está ali: ruge com o vento, com o mar, com as marés; e paira, como um pássaro, sobre este mundo Texto narrativo baixo e preso às leis imutáveis da terra. 3. Pai – Onde está o meu chapéu de plumas? Onde está o meu elmo invisível? Onde está o meu cavalo supersónico? Texto poético Onde está o meu filho? Filho – Estou aqui, papá. Pai – Que palavra é essa… «papá»?!... GRUPO III A. Escreva por ordem alfabética os nomes da lista de animais à LISTA DE ANIMAIS: direita. Coelho Foca _____________________________________________________ Tigre Gato _____________________________________________________ Cão Tartaruga _____________________________________________________ Coala Aranha _____________________________________________________ Hipopótamo Lebre _____________________________________________________
  • 5. B. Leia a seguinte frase: Ah! Eu não invejo aqueles miúdos que têm cães e gatos barulhentos nos quintais, pois nenhum se compara ao meu coelho, nem sabe brincar com tanto gosto. Transcreva as palavras sublinhadas na linha referente à respectiva classe. Nome Verbo Adjectivo Pronome Determinante Interjeição Preposição C. Atente na frase abaixo: A Ana deu um coelho ao João no seu aniversário. 1. Faça a sua análise sintáctica, transcrevendo o segmento de frase correspondente a cada uma das funções sintácticas indicadas. 1.1. Complemento circunstancial de tempo: ____________________________________________________ 1.2. Sujeito: ______________________________________________________________________________ 1.3. Complemento indirecto: ________________________________________________________________ 1.4. Complemento directo: _________________________________________________________________ 2. Transcreva da frase uma palavra esdrúxula. ____________________________________________________ D. Complete o parágrafo abaixo, escrevendo os verbos destacados nos tempos do modo indicativo apresentados entre parênteses. O coelhinho __________________________ (vir – Pretérito Imperfeito) sempre que ___________________________ (ver – Pretérito Imperfeito) o João e _________________ (ter – Pretérito Imperfeito) muita paciência para brincar com ele. Por isso, o João ____________________________ (protestar – Pretérito Perfeito) quando os pais ____________________________ (mandar – Pretérito Perfeito) o coelho embora.