SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Ano Lectivo:
                               AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS                                   2009/2010
                       Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias
                                                                                                  9º Ano
                                 Língua Portuguesa
                     5ª Ficha de Avaliação Sumativa (Versão A)
                                                                                              30 Abril 2010
Professora: Susana Banha …………………………………………..………………… Duração: 90 minutos
Nome: ______________________________________________________________              Turma: _____      N.º: _____

          Não é permitido o uso de corrector.
          Todas as questões devem ser respondidas na folha de respostas (folha de teste), com caneta
           azul ou preta. As questões cuja resposta for dada no enunciado não serão alvo de correcção.

                                             GRUPO I
A. Lê o texto A. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado a seguir ao texto. De
   seguida, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas.

                                              TEXTO A
                                    PARAÍSOS SUBAQUÁTICOS
    1      É difícil imaginar um país europeu como destino de mergulho. A Europa é uma terra de
        urbes1 e, no bulício2 da nossa vida urbana, esquecemos os ritmos da Natureza, não
        sabemos quando nasce e se põe o Sol, só damos pela Lua às vezes – quando está cheia
        – e, se não estamos na praia, vivemos o conceito de marés como uma abstracção.
    5      Sem o mar, contudo, Portugal não faz sentido, e há uma mão-cheia (enfim, um bocado
        mais que uma mão-cheia) de gente que todos os fins-de-semana se afoita3 a procurar, por
        esse país fora, o contacto com o mítico Atlântico, que modelou as nossas terras e as
        nossas gentes.
           O mar em Portugal carece da temperatura amena dos destinos de mergulho mais
  10    mediáticos e não tem «nemos» nem outras tropicalidades subaquáticas. A água não é
        transparente nem tem aquele azul profundo (excepto nos Açores e na Madeira, onde os
        azuis são únicos). Quem tenha estudado alguma Biologia sabe, contudo, que a água é
        tanto mais azul e límpida quanto mais pobre em vida. Tal como as florestas tropicais, que
        sob o exuberante manto de vida escondem uma constrangedora pobreza do solo, os
  15    recifes de coral tropicais são ilhas de vida num quase-deserto de nutrientes.
           Nas águas de Portugal continental, a riqueza de nutrientes é, pelo contrário, enorme,
        universal e consegue alimentar uma quantidade planetária de peixes, peixinhos e peixões;
        como não há bela sem senão, o omnipresente plâncton4 torna a água esmeralda em vez
        de turquesa e mais fitogénica5 que fotogénica, mas com uma biodiversidade equiparável à
  20    dos mais ricos recifes de coral. À beira de Lisboa, há uma curiosidade geológica que
        potencia o interesse da equação: perto do Cabo Espichel, a plataforma continental é
        mínima e passa abruptamente dos 40 metros de profundidade para os mais de mil. Esta
        proximidade do verdadeiro mar alto traz para perto de Sesimbra espécies animais que, de
        outro modo, só se poderiam ver a muitas milhas da costa. Bichos pequenos e grandes,
  25    coloridos como se fossem pintados, em profusão alarmante, eis algo que não se antecipa
        encontrar nos mares de uma capital europeia.

                                               Vasco Pinhol, Expresso, 25 de Outubro de 2008 (texto adaptado)
  VOCABULÁRIO:
                   1
                     urbes – cidades.
                   2
                     bulício – movimentação, agitação.
                   3
                     se afoita – se atreve.
                   4
                     plâncton – conjunto de seres microscópicos que existem nas águas.
                   5
                     fitogénica – rica em algas microscópicas.
Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 1 de 5
1. As afirmações apresentadas (de A a G) baseiam-se em informações do texto. Escreve a sequência de
    letras que corresponde à ordem pela qual essas informações aparecem no texto. Começa a
    sequência pela letra E.
     A. A Biologia ensina que a transparência da água do mar não é sinal de riqueza em vida marinha.
     B. Os recifes de coral são exemplos de riqueza de vida, ao contrário das águas que os rodeiam.
     C. Existe uma ligação estreita entre Portugal e o mar, e são muitas as pessoas que procuram o
        contacto com o Atlântico.
     D. Na costa portuguesa, junto a Lisboa, vivem espécies que são típicas de mares profundos.
     E. Não é comum os países do continente europeu serem associados à prática de mergulho.
     F. Em Portugal, o mar tem características diferentes das que se associam aos destinos de mergulho
        mais famosos.
     G. A tonalidade das águas do mar, em Portugal, deve-se à presença de plâncton.

 2. Relê as linhas 13 a 15 do texto e indica a que se refere o pronome «que».

 3. Selecciona, em cada item (3.1. a 3.5.), a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao
    sentido do texto. Escreve o número do item e a letra correspondente a cada alternativa que
    escolheres.

    3.1. A expressão «só damos pela Lua às vezes – quando está cheia –» (linha 3) ilustra a ideia de que
         os europeus, em especial os citadinos,
         A. contactam, apenas à noite, com a Natureza.
         B. procuram o contacto com a Natureza.
         C. se abstraem a observar a Natureza.
         D. vivem afastados dos ciclos da Natureza.

    3.2. A expressão «os recifes de coral tropicais são ilhas de vida num quase-deserto de nutrientes»
         (linhas 14 e 15) contém uma
        A. comparação.
        B. enumeração.
        C. metáfora.
        D. personificação.

    3.3. Entre as águas de Portugal continental e os recifes de coral, a semelhança está na
        A. temperatura amena.
        B. riqueza de nutrientes.
        C. tonalidade da água.
        D. profundidade do mar.

    3.4. A expressão «peixes, peixinhos e peixões» (linha 17) traduz a ideia de
        A. quantidade e diversidade.
        B. intensidade e igualdade.
        C. qualidade e desigualdade.
        D. diversidade e intensidade.

    3.5. A utilização do advérbio «abruptamente» (linha 22) revela que a passagem de uma
         profundidade para outra se faz de forma
        A. gradual.
        B. lenta.
        C. suave.
        D. súbita.



Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 2 de 5
B. Lê, com atenção, o texto B, extraído de Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. Podes consultar alguma
   informação e significados de algumas palavras, apresentados em notas ao lado do texto.
   Posteriormente, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são
   dadas.
                                              TEXTO B

    30 (…)
       O padre Baco ali não consentia
       No que Júpiter disse, conhecendo
       Que esquecerão seus feitos no Oriente
       Se lá passar a Lusitana gente.

    31 Ouvido tinha aos Fados1 que viria                1
                                                        os Fados: o Destino
       Ũa gente fortíssima de Hespanha2                 2
                                                        Hespanha: Península Ibérica
       Pelo mar alto, a qual sujeitaria
       Da Índia tudo quanto Dóris3 banha,               3
                                                        Dóris: divindade marítima; aqui designa o mar
       E com novas vitórias venceria
       A fama antiga, ou sua ou fosse estranha.
       Altamente lhe dói perder a glória
       De que Nisa4 celebra inda a memória.             4
                                                        Nisa: cidade muito ligada ao culto de Baco

    32 Vê que já teve o Indo sojugado
       E nunca lhe tirou Fortuna ou Caso
       Por vencedor da Índia ser cantado
       De quantos bebem a água de Parnaso5.             5
                                                        quantos bebem a água de Parnaso: poetas
       Teme agora que seja sepultado
       Seu tão célebre nome em negro vaso
       D’água do esquecimento, se lá chegam
       Os fortes Portugueses que navegam.

    33 Sustentava contra ele Vénus bela,
       Afeiçoada à gente Lusitana,
       Por quantas qualidades via nela
       Da antiga tão amada sua Romana:
       Nos fortes corações, na grande estrela
       Que mostraram na terra Tingitana6,               6
                                                        terra Tingitana: norte de África
       E na língua, na qual quanto imagina,
       Com pouca corrupção crê que é a Latina.

    34 Estas causas moviam Cyterea7,                    7
                                                         Cyterea: uma das designações de Vénus
       E mais, porque das Parcas8 claro entende         8
                                                         Parcas: deusas que presidiam à vida humana
       Que há-de ser celebrada a clara Dea9,            9
                                                         Dea: deusa
       Onde a gente belígera10 se estende.              10
                                                          belígera: guerreira
       Assi que, um, pela infâmia11 que arrecea,        11
                                                          infâmia: que não tem fama
       E o outro, polas honras que pretende,
       Debatem e na perfia12 permanecem;                12
                                                            perfia: disputa, discussão
       A qualquer seus amigos favorecem.

        (…)

Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 3 de 5
1. Localiza as estrofes transcritas na estrutura interna da obra Os Lusíadas.

   2. Baco discorda da posição anteriormente assumida pelo pai dos Deuses.
       2.1. Transcreve do texto a expressão que o indica.
       2.2. Explicita a posição de Baco relativamente aos Portugueses.
           2.2.1. Que motivos o levam a adoptar tal posição? Justifica a tua resposta com passagens do
                    texto.

   3. Identifica a figura de estilo presente no verso “De quantos bebem a água de Parnaso” (est. 32, v. 4).
      Justifica a tua resposta.

   4. Na estância 33, Vénus apresenta a sua argumentação a favor dos Portugueses.
       4.1. Quais são as razões que a levam a querer ajudá-los? Justifica a tua resposta com excertos do
            texto.

   5. A estância 34 apresenta o verdadeiro interesse de cada um dos Deuses relativamente ao
      empreendimento português.
       5.1. Esclarece o sentido da afirmação.

   6. Faz a escansão do verso “Ouvido tinha aos Fados que viria” (est. 31, v. 1), numerando as sílabas
      métricas.

C. Lê o poema “O Infante”, da autoria de Fernando Pessoa (Texto C).
                                                 TEXTO C
                                                O INFANTE
                          Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
                          Deus quis que a terra fosse toda uma,
                          que o mar unisse, já não separasse.
                          Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.
                          E a orla branca foi de ilha em continente,
                          clareou, correndo, até ao fim do mundo,
                          e viu-se a terra inteira, de repente,
                          surgir, redonda, do azul profundo.
                          Quem te sagrou criou-te português.
                          Do mar e nós em ti nos deu sinal.
                          Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
                          Senhor, falta cumprir-se Portugal!
                                           Fernando Pessoa, Mensagem, Ática

   Redige um texto, com um mínimo de 70 e um máximo de 100 palavras, em que exponhas uma leitura do
   poema. O teu texto deve incluir:
    uma parte inicial, em que indiques o título do poema, a obra de que foi retirado e o seu autor;
    uma parte de desenvolvimento, em que:
      identifiques a figura histórica a quem o poema é dedicado;
      indiques o acontecimento histórico que o poema refere implicitamente, a entidade máxima
         responsável por esse acontecimento e a expressão que indica a sua glória;
      explicites o sentido dos dois últimos versos do poema;
    uma parte final, em que relaciones o poema com o conteúdo da obra Os Lusíadas.


Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 4 de 5
GRUPO II

A. Para cada uma das afirmações que se seguem (1. a 6.) escreve a letra correspondente a Verdadeira
   (V) ou Falsa (F).
   1.   O romance é uma língua que resulta da fusão do latim vulgar com os falares autóctones.
   2.   O Árabe é uma das línguas que constitui o superstrato do Português.
   3.   O Basco, o Português e o Francês são línguas românicas.
   4.   No século XII, o galaico-português é usado na oralidade e na escrita.
   5.   As palavras divergentes são as palavras que provêm de étimos latinos diferentes.
   6.   O fenómeno fonético presente na evolução da palavra “inda” para “ainda” é a aférese.

B. Completa cada uma das frases seguintes, usando as formas verbais apresentadas no quadro.
   Escreve o número do item e a forma verbal que lhe corresponde.
   1.   O juiz exigiu que as testemunhas ….. naquele mesmo dia, em tribunal.
   2.   Actualmente, ….. muito o ambiente, mas há cada vez mais animais em risco.
   3.   Antigamente, ….. mais espécies marinhas nos mares de todo o mundo.
   4.   No futuro, novas espécies ….. enriquecer a fauna dos oceanos.

                existiam               dispusessem                  viram                defendesse
               defende-se                  virão                   haviam                depusessem

C. Lê a abertura de um discurso de apelo à protecção de espécies marinhas, proferido numa associação
   ambientalista.
                   Companheiros e companheiras,
                   A terra, o planeta azul, conserva ainda maravilhas naturais nos seus mares…

   Completa as frases que se seguem, para justificares a pontuação utilizada na abertura do discurso.
   Escreve o número do item e a função sintáctica correspondente.
   1. Na primeira linha, usa-se a vírgula para assinalar a expressão com a função sintáctica de …..
   2. Na segunda linha, as vírgulas delimitam a expressão que desempenha a função sintáctica de …..

D. Classifica as orações sublinhadas nas frases apresentadas.
   1.   Se vires alguém a deitar lixo no mar, avisa as autoridades!
   2.   Apesar de não teres muito tempo livre, deves ir à exposição sobre baleias.
   3.   Tens de receber treino apropriado para poderes mergulhar em águas profundas.
   4.   Os alunos que visitaram a exposição fizeram trabalhos interessantes.
   5.   Ou deitas os papéis no caixote ou limpas a escola toda!


                                                GRUPO III

   Os textos A, B e C têm em comum o tema da ligação entre Portugal e o mar. Para muitos autores, o mar
está associado a mistérios por desvendar.
   Escreve um texto narrativo, correcto e bem estruturado, com um mínimo de 180 e um máximo de 240
palavras, em que imagines uma aventura misteriosa que tenha o mar como cenário.
   Na tua narrativa, deves incluir, pelo menos, um momento de descrição de uma personagem.


                                                     FIM


Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 5 de 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saresp port 7º ano 2011
Saresp port 7º ano 2011Saresp port 7º ano 2011
Saresp port 7º ano 2011Alda Cavalcante
 
Prova Final de Língua Portuguesa 2012
Prova Final de Língua Portuguesa 2012Prova Final de Língua Portuguesa 2012
Prova Final de Língua Portuguesa 2012Maria Catarina Santos
 
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunhaalex ferreira
 
Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2jasonrplima
 
Eaof simulado 1 2015
Eaof  simulado 1 2015Eaof  simulado 1 2015
Eaof simulado 1 2015jasonrplima
 
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versão
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versãoProva Final Português 9º Ano - 2ª versão
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versãoMaria Catarina Santos
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portuguesadridias2007
 
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014Angela Maria
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
2003 terceira série[1].
2003   terceira série[1].2003   terceira série[1].
2003 terceira série[1].Cidinha Paulo
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
Avaliação de portugues 2 bimestre
Avaliação de portugues 2 bimestreAvaliação de portugues 2 bimestre
Avaliação de portugues 2 bimestreLucyanne Guimaraes
 

Mais procurados (18)

Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
 
Saresp port 7º ano 2011
Saresp port 7º ano 2011Saresp port 7º ano 2011
Saresp port 7º ano 2011
 
Prova SME Português- 7º Ano
Prova SME Português-  7º AnoProva SME Português-  7º Ano
Prova SME Português- 7º Ano
 
Prova Final de Língua Portuguesa 2012
Prova Final de Língua Portuguesa 2012Prova Final de Língua Portuguesa 2012
Prova Final de Língua Portuguesa 2012
 
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha
6042478 lingua-portuguesa-gramatica-celso-cunha
 
Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2
 
Eaof simulado 1 2015
Eaof  simulado 1 2015Eaof  simulado 1 2015
Eaof simulado 1 2015
 
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versão
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versãoProva Final Português 9º Ano - 2ª versão
Prova Final Português 9º Ano - 2ª versão
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portugues
 
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014
Simulado de Português 5º ano Edite Porto 2014
 
Simulado - 4º ano E.F.
Simulado - 4º ano E.F.Simulado - 4º ano E.F.
Simulado - 4º ano E.F.
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Prova Diagnóstico Língua Portuguesa GNR
Prova Diagnóstico Língua Portuguesa GNRProva Diagnóstico Língua Portuguesa GNR
Prova Diagnóstico Língua Portuguesa GNR
 
2003 terceira série[1].
2003   terceira série[1].2003   terceira série[1].
2003 terceira série[1].
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Avaliação de portugues 2 bimestre
Avaliação de portugues 2 bimestreAvaliação de portugues 2 bimestre
Avaliação de portugues 2 bimestre
 
Saresp e Prova Brasil
Saresp e Prova BrasilSaresp e Prova Brasil
Saresp e Prova Brasil
 

Destaque

Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroSusana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeSusana Sobrenome
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaSusana Sobrenome
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaSusana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?Susana Sobrenome
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaSusana Sobrenome
 
Escrever Uma Narrativa1
Escrever Uma Narrativa1Escrever Uma Narrativa1
Escrever Uma Narrativa1Maria Fonseca
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaSusana Sobrenome
 
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Rita Silva
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoGabriel Lima
 
Oferta formativa 2013/14
Oferta formativa 2013/14Oferta formativa 2013/14
Oferta formativa 2013/14Pedro França
 
Preliminary English Test.
Preliminary English Test.Preliminary English Test.
Preliminary English Test.Pedro França
 
Manuais eb23 erreira almeida
Manuais eb23 erreira almeidaManuais eb23 erreira almeida
Manuais eb23 erreira almeidaPedro França
 

Destaque (20)

Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
 
1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Questionário "A Aia"
Questionário "A Aia"Questionário "A Aia"
Questionário "A Aia"
 
Escrever Uma Narrativa1
Escrever Uma Narrativa1Escrever Uma Narrativa1
Escrever Uma Narrativa1
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
Testes livropratico modelogave_20500416454ea59e6f5cb20
 
9ano_HLP
9ano_HLP9ano_HLP
9ano_HLP
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Oferta formativa 2013/14
Oferta formativa 2013/14Oferta formativa 2013/14
Oferta formativa 2013/14
 
Preliminary English Test.
Preliminary English Test.Preliminary English Test.
Preliminary English Test.
 
Manuais eb23 erreira almeida
Manuais eb23 erreira almeidaManuais eb23 erreira almeida
Manuais eb23 erreira almeida
 

Semelhante a Portugal, destino de mergulho subaquático

Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasJose Barroco
 
Palavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugalPalavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugalMaria Paredes
 
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)Márcio Hilário
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
A língua da gente
A língua da genteA língua da gente
A língua da genteguest8f716e
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilVIVIAN TROMBINI
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilVIVIAN TROMBINI
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas1950casal
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativamaria ceu pita
 
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdfMensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdfFilipaCampos15
 
Teste de preparação 1
Teste de preparação 1Teste de preparação 1
Teste de preparação 1Isabel Couto
 
ae_pag11_teste_1.pdf
ae_pag11_teste_1.pdfae_pag11_teste_1.pdf
ae_pag11_teste_1.pdfConceioMota6
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteBreno Fostek
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteBreno Fostek
 

Semelhante a Portugal, destino de mergulho subaquático (20)

Exame mensagem
Exame mensagemExame mensagem
Exame mensagem
 
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
 
Trabalho prático obrigatório n º 1
Trabalho prático obrigatório n º 1Trabalho prático obrigatório n º 1
Trabalho prático obrigatório n º 1
 
Teste 12 Ano
Teste  12 Ano Teste  12 Ano
Teste 12 Ano
 
Palavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugalPalavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugal
 
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
A língua da gente
A língua da genteA língua da gente
A língua da gente
 
Lp22 p1 10
Lp22 p1 10Lp22 p1 10
Lp22 p1 10
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
 
As primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasilAs primeiras visões do brasil
As primeiras visões do brasil
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
Literatura 2009
Literatura 2009Literatura 2009
Literatura 2009
 
Quinhentismo - barroco
Quinhentismo - barrocoQuinhentismo - barroco
Quinhentismo - barroco
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdfMensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
 
Teste de preparação 1
Teste de preparação 1Teste de preparação 1
Teste de preparação 1
 
ae_pag11_teste_1.pdf
ae_pag11_teste_1.pdfae_pag11_teste_1.pdf
ae_pag11_teste_1.pdf
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noite
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noite
 

Mais de Susana Sobrenome

Mais de Susana Sobrenome (16)

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
 
7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto
 
2009/2010_2ª Ficha de avaliação_9ano
2009/2010_2ª Ficha de avaliação_9ano2009/2010_2ª Ficha de avaliação_9ano
2009/2010_2ª Ficha de avaliação_9ano
 
1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO
 
Escrita
EscritaEscrita
Escrita
 
CoesãO 1
CoesãO 1CoesãO 1
CoesãO 1
 
CoesãO
CoesãOCoesãO
CoesãO
 
Classes
ClassesClasses
Classes
 
Pti3
Pti3Pti3
Pti3
 

Último

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

Portugal, destino de mergulho subaquático

  • 1. Ano Lectivo: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS 2009/2010 Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias 9º Ano Língua Portuguesa 5ª Ficha de Avaliação Sumativa (Versão A) 30 Abril 2010 Professora: Susana Banha …………………………………………..………………… Duração: 90 minutos Nome: ______________________________________________________________ Turma: _____ N.º: _____  Não é permitido o uso de corrector.  Todas as questões devem ser respondidas na folha de respostas (folha de teste), com caneta azul ou preta. As questões cuja resposta for dada no enunciado não serão alvo de correcção. GRUPO I A. Lê o texto A. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado a seguir ao texto. De seguida, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas. TEXTO A PARAÍSOS SUBAQUÁTICOS 1 É difícil imaginar um país europeu como destino de mergulho. A Europa é uma terra de urbes1 e, no bulício2 da nossa vida urbana, esquecemos os ritmos da Natureza, não sabemos quando nasce e se põe o Sol, só damos pela Lua às vezes – quando está cheia – e, se não estamos na praia, vivemos o conceito de marés como uma abstracção. 5 Sem o mar, contudo, Portugal não faz sentido, e há uma mão-cheia (enfim, um bocado mais que uma mão-cheia) de gente que todos os fins-de-semana se afoita3 a procurar, por esse país fora, o contacto com o mítico Atlântico, que modelou as nossas terras e as nossas gentes. O mar em Portugal carece da temperatura amena dos destinos de mergulho mais 10 mediáticos e não tem «nemos» nem outras tropicalidades subaquáticas. A água não é transparente nem tem aquele azul profundo (excepto nos Açores e na Madeira, onde os azuis são únicos). Quem tenha estudado alguma Biologia sabe, contudo, que a água é tanto mais azul e límpida quanto mais pobre em vida. Tal como as florestas tropicais, que sob o exuberante manto de vida escondem uma constrangedora pobreza do solo, os 15 recifes de coral tropicais são ilhas de vida num quase-deserto de nutrientes. Nas águas de Portugal continental, a riqueza de nutrientes é, pelo contrário, enorme, universal e consegue alimentar uma quantidade planetária de peixes, peixinhos e peixões; como não há bela sem senão, o omnipresente plâncton4 torna a água esmeralda em vez de turquesa e mais fitogénica5 que fotogénica, mas com uma biodiversidade equiparável à 20 dos mais ricos recifes de coral. À beira de Lisboa, há uma curiosidade geológica que potencia o interesse da equação: perto do Cabo Espichel, a plataforma continental é mínima e passa abruptamente dos 40 metros de profundidade para os mais de mil. Esta proximidade do verdadeiro mar alto traz para perto de Sesimbra espécies animais que, de outro modo, só se poderiam ver a muitas milhas da costa. Bichos pequenos e grandes, 25 coloridos como se fossem pintados, em profusão alarmante, eis algo que não se antecipa encontrar nos mares de uma capital europeia. Vasco Pinhol, Expresso, 25 de Outubro de 2008 (texto adaptado) VOCABULÁRIO: 1 urbes – cidades. 2 bulício – movimentação, agitação. 3 se afoita – se atreve. 4 plâncton – conjunto de seres microscópicos que existem nas águas. 5 fitogénica – rica em algas microscópicas. Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 1 de 5
  • 2. 1. As afirmações apresentadas (de A a G) baseiam-se em informações do texto. Escreve a sequência de letras que corresponde à ordem pela qual essas informações aparecem no texto. Começa a sequência pela letra E. A. A Biologia ensina que a transparência da água do mar não é sinal de riqueza em vida marinha. B. Os recifes de coral são exemplos de riqueza de vida, ao contrário das águas que os rodeiam. C. Existe uma ligação estreita entre Portugal e o mar, e são muitas as pessoas que procuram o contacto com o Atlântico. D. Na costa portuguesa, junto a Lisboa, vivem espécies que são típicas de mares profundos. E. Não é comum os países do continente europeu serem associados à prática de mergulho. F. Em Portugal, o mar tem características diferentes das que se associam aos destinos de mergulho mais famosos. G. A tonalidade das águas do mar, em Portugal, deve-se à presença de plâncton. 2. Relê as linhas 13 a 15 do texto e indica a que se refere o pronome «que». 3. Selecciona, em cada item (3.1. a 3.5.), a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao sentido do texto. Escreve o número do item e a letra correspondente a cada alternativa que escolheres. 3.1. A expressão «só damos pela Lua às vezes – quando está cheia –» (linha 3) ilustra a ideia de que os europeus, em especial os citadinos, A. contactam, apenas à noite, com a Natureza. B. procuram o contacto com a Natureza. C. se abstraem a observar a Natureza. D. vivem afastados dos ciclos da Natureza. 3.2. A expressão «os recifes de coral tropicais são ilhas de vida num quase-deserto de nutrientes» (linhas 14 e 15) contém uma A. comparação. B. enumeração. C. metáfora. D. personificação. 3.3. Entre as águas de Portugal continental e os recifes de coral, a semelhança está na A. temperatura amena. B. riqueza de nutrientes. C. tonalidade da água. D. profundidade do mar. 3.4. A expressão «peixes, peixinhos e peixões» (linha 17) traduz a ideia de A. quantidade e diversidade. B. intensidade e igualdade. C. qualidade e desigualdade. D. diversidade e intensidade. 3.5. A utilização do advérbio «abruptamente» (linha 22) revela que a passagem de uma profundidade para outra se faz de forma A. gradual. B. lenta. C. suave. D. súbita. Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 2 de 5
  • 3. B. Lê, com atenção, o texto B, extraído de Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. Podes consultar alguma informação e significados de algumas palavras, apresentados em notas ao lado do texto. Posteriormente, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas. TEXTO B 30 (…) O padre Baco ali não consentia No que Júpiter disse, conhecendo Que esquecerão seus feitos no Oriente Se lá passar a Lusitana gente. 31 Ouvido tinha aos Fados1 que viria 1 os Fados: o Destino Ũa gente fortíssima de Hespanha2 2 Hespanha: Península Ibérica Pelo mar alto, a qual sujeitaria Da Índia tudo quanto Dóris3 banha, 3 Dóris: divindade marítima; aqui designa o mar E com novas vitórias venceria A fama antiga, ou sua ou fosse estranha. Altamente lhe dói perder a glória De que Nisa4 celebra inda a memória. 4 Nisa: cidade muito ligada ao culto de Baco 32 Vê que já teve o Indo sojugado E nunca lhe tirou Fortuna ou Caso Por vencedor da Índia ser cantado De quantos bebem a água de Parnaso5. 5 quantos bebem a água de Parnaso: poetas Teme agora que seja sepultado Seu tão célebre nome em negro vaso D’água do esquecimento, se lá chegam Os fortes Portugueses que navegam. 33 Sustentava contra ele Vénus bela, Afeiçoada à gente Lusitana, Por quantas qualidades via nela Da antiga tão amada sua Romana: Nos fortes corações, na grande estrela Que mostraram na terra Tingitana6, 6 terra Tingitana: norte de África E na língua, na qual quanto imagina, Com pouca corrupção crê que é a Latina. 34 Estas causas moviam Cyterea7, 7 Cyterea: uma das designações de Vénus E mais, porque das Parcas8 claro entende 8 Parcas: deusas que presidiam à vida humana Que há-de ser celebrada a clara Dea9, 9 Dea: deusa Onde a gente belígera10 se estende. 10 belígera: guerreira Assi que, um, pela infâmia11 que arrecea, 11 infâmia: que não tem fama E o outro, polas honras que pretende, Debatem e na perfia12 permanecem; 12 perfia: disputa, discussão A qualquer seus amigos favorecem. (…) Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 3 de 5
  • 4. 1. Localiza as estrofes transcritas na estrutura interna da obra Os Lusíadas. 2. Baco discorda da posição anteriormente assumida pelo pai dos Deuses. 2.1. Transcreve do texto a expressão que o indica. 2.2. Explicita a posição de Baco relativamente aos Portugueses. 2.2.1. Que motivos o levam a adoptar tal posição? Justifica a tua resposta com passagens do texto. 3. Identifica a figura de estilo presente no verso “De quantos bebem a água de Parnaso” (est. 32, v. 4). Justifica a tua resposta. 4. Na estância 33, Vénus apresenta a sua argumentação a favor dos Portugueses. 4.1. Quais são as razões que a levam a querer ajudá-los? Justifica a tua resposta com excertos do texto. 5. A estância 34 apresenta o verdadeiro interesse de cada um dos Deuses relativamente ao empreendimento português. 5.1. Esclarece o sentido da afirmação. 6. Faz a escansão do verso “Ouvido tinha aos Fados que viria” (est. 31, v. 1), numerando as sílabas métricas. C. Lê o poema “O Infante”, da autoria de Fernando Pessoa (Texto C). TEXTO C O INFANTE Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te, e foste desvendando a espuma. E a orla branca foi de ilha em continente, clareou, correndo, até ao fim do mundo, e viu-se a terra inteira, de repente, surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! Fernando Pessoa, Mensagem, Ática Redige um texto, com um mínimo de 70 e um máximo de 100 palavras, em que exponhas uma leitura do poema. O teu texto deve incluir:  uma parte inicial, em que indiques o título do poema, a obra de que foi retirado e o seu autor;  uma parte de desenvolvimento, em que:  identifiques a figura histórica a quem o poema é dedicado;  indiques o acontecimento histórico que o poema refere implicitamente, a entidade máxima responsável por esse acontecimento e a expressão que indica a sua glória;  explicites o sentido dos dois últimos versos do poema;  uma parte final, em que relaciones o poema com o conteúdo da obra Os Lusíadas. Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 4 de 5
  • 5. GRUPO II A. Para cada uma das afirmações que se seguem (1. a 6.) escreve a letra correspondente a Verdadeira (V) ou Falsa (F). 1. O romance é uma língua que resulta da fusão do latim vulgar com os falares autóctones. 2. O Árabe é uma das línguas que constitui o superstrato do Português. 3. O Basco, o Português e o Francês são línguas românicas. 4. No século XII, o galaico-português é usado na oralidade e na escrita. 5. As palavras divergentes são as palavras que provêm de étimos latinos diferentes. 6. O fenómeno fonético presente na evolução da palavra “inda” para “ainda” é a aférese. B. Completa cada uma das frases seguintes, usando as formas verbais apresentadas no quadro. Escreve o número do item e a forma verbal que lhe corresponde. 1. O juiz exigiu que as testemunhas ….. naquele mesmo dia, em tribunal. 2. Actualmente, ….. muito o ambiente, mas há cada vez mais animais em risco. 3. Antigamente, ….. mais espécies marinhas nos mares de todo o mundo. 4. No futuro, novas espécies ….. enriquecer a fauna dos oceanos. existiam dispusessem viram defendesse defende-se virão haviam depusessem C. Lê a abertura de um discurso de apelo à protecção de espécies marinhas, proferido numa associação ambientalista. Companheiros e companheiras, A terra, o planeta azul, conserva ainda maravilhas naturais nos seus mares… Completa as frases que se seguem, para justificares a pontuação utilizada na abertura do discurso. Escreve o número do item e a função sintáctica correspondente. 1. Na primeira linha, usa-se a vírgula para assinalar a expressão com a função sintáctica de ….. 2. Na segunda linha, as vírgulas delimitam a expressão que desempenha a função sintáctica de ….. D. Classifica as orações sublinhadas nas frases apresentadas. 1. Se vires alguém a deitar lixo no mar, avisa as autoridades! 2. Apesar de não teres muito tempo livre, deves ir à exposição sobre baleias. 3. Tens de receber treino apropriado para poderes mergulhar em águas profundas. 4. Os alunos que visitaram a exposição fizeram trabalhos interessantes. 5. Ou deitas os papéis no caixote ou limpas a escola toda! GRUPO III Os textos A, B e C têm em comum o tema da ligação entre Portugal e o mar. Para muitos autores, o mar está associado a mistérios por desvendar. Escreve um texto narrativo, correcto e bem estruturado, com um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras, em que imagines uma aventura misteriosa que tenha o mar como cenário. Na tua narrativa, deves incluir, pelo menos, um momento de descrição de uma personagem. FIM Versão A ……………………………………………………………………………………………………………….. Página 5 de 5