SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Agrupamento de Escolas n.º 1 de Serpa
ESCOLA BÁSICA DE PIAS

UNIDADE 3: Ficha de Trabalho n. º 2
9.º Ano de Escolaridade

Português
Ano Letivo 2012/2013 | 19 de abril de 2013
9.º B

Os Lusíadas – Canto IV

Episódio da Despedida em Belém
Lê as estâncias 83 a 93 do Canto IV, correspondentes ao episódio da Despedida em Belém (páginas 162 3
163 do manual).
Sabendo que cada sequência abaixo apresentada corresponde à paráfrase de uma estância, ordena as
sequências de acordo com o texto.
(a)

As gentes davam-nos já por perdidos, tratando-se de uma viagem tão longa e incerta. As mulheres
choravam, os homens suspiravam de maneira comovente. Nas mães, esposas e irmãs era maior ainda o
desespero e o medo.

(b) Assim partiram do templo de Belém, que está à beira da água. Quando pensa nesta partida, Vasco da
Gama mal pode reter as lágrimas.
(c)

D. Manuel I remunerou-os e animou-os com palavras de louvor. Da mesma forma tinham sido reunidos à
conquista do Velo de Ouro, na nau fadada, que pela primeira vez se arriscou a navegar o Mar Negro.

(d) Depois dos preparativos para a viagem, prepararam a alma para a morte, que anda sempre diante dos
olhos dos marinheiros. Imploraram o favor de Deus para que favorecesse os começos da viagem.
(e)

Já no porto de Lisboa, onde o Tejo mistura as suas águas e areias com as do oceano, estavam preparadas
as naus e os homens, alvoraçados e animados de um nobre desejo. Nenhum receio entravava o
atrevimento juvenil. Soldados e marinheiros estão prontos para seguir Vasco da Gama para onde quer
que seja.

(f)

Os velhos e as crianças, a quem a idade faz mais fracos, juntavam-se a estes lamentos, a que os montes,
como se estivessem comovidos, respondiam com o eco; as lágrimas da multidão inundavam a areia.

(g)

Outra, com o cabelo descoberto, fala ao marido, mostrando-se magoada por ele ir arriscar ao mar uma
vida que lhe pertence e trocar o amor entre ambos pela incerteza do mar e dos ventos.

(h) Receando sofrer ou arrepender-se, os marinheiros não levantavam os olhos para as mães e esposas, e
Vasco da Gama decidiu que não haveria despedidas, porque fazem sofrer quem fica e quem parte.
(i)

Uma fala ao filho, queixando-se de que ele a deixa desamparada na velhice para ir ser comido pelos
peixes.

(j)

Vêm os soldados pelas praias, vestidos de cores e feitios diversos, preparados para buscar novas regiões
do mundo. A brisa faz ondear as bandeiras das naus, que estão destinadas, pela sua grande viagem, a
subir ao céu, como a dos Argonautas.

(k)

Vinha gente da cidade por causa de amigos ou parentes ou só para ver, saudosos e tristes. Eles,
acompanhados de muitos frades, em procissão solene avançaram rezando para os batéis.
Fonte: Luís de Camões, Os Lusíadas, Introdução, notas e vocabulário do Prof. António José Saraiva (adaptação)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Susana Sobrenome
 

Mais procurados (20)

10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 anoTeste1 poesia trovadoresca 10 ano
Teste1 poesia trovadoresca 10 ano
 
Esparsa ao desconcerto mundo
Esparsa  ao desconcerto mundoEsparsa  ao desconcerto mundo
Esparsa ao desconcerto mundo
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdfTeste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 

Semelhante a Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)

Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Vanda Marques
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
Susana Sobrenome
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
marianelsa
 
Comparação de Poemas
Comparação de PoemasComparação de Poemas
Comparação de Poemas
SaraBranco
 
Poemas de Alda Espirito Santo
Poemas de Alda Espirito SantoPoemas de Alda Espirito Santo
Poemas de Alda Espirito Santo
BE ESGN
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
luisprista
 
Basílio da gama o uraguai
Basílio da gama   o uraguaiBasílio da gama   o uraguai
Basílio da gama o uraguai
greghouse48
 

Semelhante a Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase) (18)

10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
 
Comparação de Poemas
Comparação de PoemasComparação de Poemas
Comparação de Poemas
 
velho do restelo
velho do restelovelho do restelo
velho do restelo
 
Hino de fortaleza
Hino de fortalezaHino de fortaleza
Hino de fortaleza
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Amadis de Gaula
Amadis de GaulaAmadis de Gaula
Amadis de Gaula
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
 
Poetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdfPoetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdf
 
Poemas de Alda Espirito Santo
Poemas de Alda Espirito SantoPoemas de Alda Espirito Santo
Poemas de Alda Espirito Santo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
 
Basílio da gama o uraguai
Basílio da gama   o uraguaiBasílio da gama   o uraguai
Basílio da gama o uraguai
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 

Mais de Susana Sobrenome

Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
Susana Sobrenome
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Susana Sobrenome
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
Susana Sobrenome
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
Susana Sobrenome
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Susana Sobrenome
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Susana Sobrenome
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
Susana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Susana Sobrenome
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Susana Sobrenome
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
Susana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
Susana Sobrenome
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
Susana Sobrenome
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
Susana Sobrenome
 

Mais de Susana Sobrenome (20)

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
 
9ano_HLP
9ano_HLP9ano_HLP
9ano_HLP
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
 
7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)

  • 1. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Serpa ESCOLA BÁSICA DE PIAS UNIDADE 3: Ficha de Trabalho n. º 2 9.º Ano de Escolaridade Português Ano Letivo 2012/2013 | 19 de abril de 2013 9.º B Os Lusíadas – Canto IV Episódio da Despedida em Belém Lê as estâncias 83 a 93 do Canto IV, correspondentes ao episódio da Despedida em Belém (páginas 162 3 163 do manual). Sabendo que cada sequência abaixo apresentada corresponde à paráfrase de uma estância, ordena as sequências de acordo com o texto. (a) As gentes davam-nos já por perdidos, tratando-se de uma viagem tão longa e incerta. As mulheres choravam, os homens suspiravam de maneira comovente. Nas mães, esposas e irmãs era maior ainda o desespero e o medo. (b) Assim partiram do templo de Belém, que está à beira da água. Quando pensa nesta partida, Vasco da Gama mal pode reter as lágrimas. (c) D. Manuel I remunerou-os e animou-os com palavras de louvor. Da mesma forma tinham sido reunidos à conquista do Velo de Ouro, na nau fadada, que pela primeira vez se arriscou a navegar o Mar Negro. (d) Depois dos preparativos para a viagem, prepararam a alma para a morte, que anda sempre diante dos olhos dos marinheiros. Imploraram o favor de Deus para que favorecesse os começos da viagem. (e) Já no porto de Lisboa, onde o Tejo mistura as suas águas e areias com as do oceano, estavam preparadas as naus e os homens, alvoraçados e animados de um nobre desejo. Nenhum receio entravava o atrevimento juvenil. Soldados e marinheiros estão prontos para seguir Vasco da Gama para onde quer que seja. (f) Os velhos e as crianças, a quem a idade faz mais fracos, juntavam-se a estes lamentos, a que os montes, como se estivessem comovidos, respondiam com o eco; as lágrimas da multidão inundavam a areia. (g) Outra, com o cabelo descoberto, fala ao marido, mostrando-se magoada por ele ir arriscar ao mar uma vida que lhe pertence e trocar o amor entre ambos pela incerteza do mar e dos ventos. (h) Receando sofrer ou arrepender-se, os marinheiros não levantavam os olhos para as mães e esposas, e Vasco da Gama decidiu que não haveria despedidas, porque fazem sofrer quem fica e quem parte. (i) Uma fala ao filho, queixando-se de que ele a deixa desamparada na velhice para ir ser comido pelos peixes. (j) Vêm os soldados pelas praias, vestidos de cores e feitios diversos, preparados para buscar novas regiões do mundo. A brisa faz ondear as bandeiras das naus, que estão destinadas, pela sua grande viagem, a subir ao céu, como a dos Argonautas. (k) Vinha gente da cidade por causa de amigos ou parentes ou só para ver, saudosos e tristes. Eles, acompanhados de muitos frades, em procissão solene avançaram rezando para os batéis. Fonte: Luís de Camões, Os Lusíadas, Introdução, notas e vocabulário do Prof. António José Saraiva (adaptação)