SlideShare uma empresa Scribd logo
SHEILA FERREIRA
RAQUEL GERALDI
 LAIS PRESOTTO
 É a transferência de material genético com o propósito
 de prevenir ou curar uma enfermidade qualquer.

 No caso de enfermidades genéticas, nas quais um
 gene está defeituoso ou ausente, a terapia gênica
 consiste em transferir a versão funcional do gene
 para o organismo portador da doença, de modo a
 reparar o defeito.
 Um gene é uma porção de DNA que contém a informação
  necessária para sintetizar uma proteína. Transferir um
  gene é transferir um pedaço particular de DNA. Portanto,
  é necessário antes de tudo, possuir “em mãos” o pedaço
  correto.
 As enfermidades genéticas conhecidas estão ao redor de
  5000, cada uma causada por uma alteração genética
  diferente.
 O 1º passo para a terapia gênica é identificar o gene
  responsável pela enfermidade. Subsequentemente, pelas
  técnicas de biologia molecular é possível adquirir um
  pedaço de DNA que contém este gene.
 Esta primeira etapa é chamada de isolamento ou
  clonagem do gene.

 Qualquer enfermidade é candidata a terapia gênica, desde
  que o gene esteja isolado para a transferência.
Os procedimentos da terapia gênica in vivo consistem
em transferir o DNA diretamente para as células ou
para os tecidos do paciente.

Nos procedimentos ex-vivo, o DNA é primeiramente
transferido para células isoladas de um organismo,
previamente crescidas em laboratório. As células
isoladas são assim modificadas e podem ser
introduzidas no paciente.
 Uma vez inserido o gene tem que resistir bastante
 tempo. Neste tempo, o gene tem que produzir grandes
 quantidades de proteína para reparar o defeito
 genético.

 Essas características podem ser resumidas em um
 único conceito: o gene estranho precisa se expressar de
 modo efetivo no organismo que o receberá.
 Os vetores virais são vírus manipulados
 geneticamente, de modo a reduzir a sua
 patogenicidade, sem anular totalmente o seu poder de
 infectar as células do hospedeiro

        Com as técnicas da engenharia genética é
        possível somar ao DNA do vírus o gene que
        se quer transferir a determinada célula.
        Deste modo, o vírus infectando a célula,
        trará consigo uma ou mais cópias do gene
        desejado.
Possuem a habilidade de integrar o seu DNA
  dentro dos cromossomos da célula infectada.
   Então, o gene será inserido no genoma das
     células hospedeiras e, podem assim ser
    transmitidos a todas as células-filhas das
infectadas. Eles infectam somente as células que
               estão proliferando.
Como o HIV, permitem também transferir
     material genético para células que não
  proliferam (como os neurônios e células do
   fígado) ou para células refratárias para o
retrovírus (como as células retiradas da medula
                     óssea).
Os adenoassociados de vírus também integram
o seu DNA ao cromossomo da célula hospedeira.
Eles têm a vantagem de serem inofensivos para
  a natureza em relação ao retrovírus, mas não
 são capazes de transportar genes de dimensões
                    grandes.
Não são capazes de integrar o seu DNA ao
  cromossomo da célula hospedeira. Eles
   podem transportar genes de grandes
dimensões, mas a expressão deles não dura
              muito tempo.
Os lipossomos são essencialmente os únicos
vetores não virais utilizados freqüentemente. As
 esferas de lipídeos podem ser um importante
     meio para a transferência gênica. Em
 comparação aos vírus, eles têm a vantagem de
  não introduzir algum risco em condições de
   segurança, mas eles não possuem grande
        eficiência e são muito seletivos.
 As principais dificuldades enfrentadas por
 pesquisadores que lidam com terapia gênica
 são as seguintes:
Lado Negativo da Terapia Gênica


                              REFLEXÃO

Podemos dizer que a Terapia Gênica vem sendo uma promessa
  através da Ciência para a cura de muitas doenças, que no
                 momento são incuráveis.

                                      No mundo atual em que vivemos
  Será que ela realmente será usada   onde QUEM TEM MAIS, PODE
     para “casos específicos” de        MAIS ela será só usada para
      doenças incuráveis sendo        doenças, quando se pode realizar
      realmente um tratamento         mutações para que seu filho nasça
             promissor ?               com cabelo lisos, olhos azuis...
                                          Moldado pela ciência ?
LADO NEGATIVO
                       TRATAMENTOS E
                         MUTAÇÕES




                       POSSIBILIDADE DE
                      INDUZIR UM TUMOR


• Existe uma possibilidade de induzir um tumor, pelo fato de que
  a aplicação de um DNA integrado no lugar errado, no genoma,
 por exemplo, em um gene supressor tumoral, poderia induzir um
                            tumor.
DESORDEM DE VÁRIOS GENES



• Na tentativa de melhor a saúde de uma pessoa introduzindo
  genes bons, pode vir a desencadear novos distúrbios. Tais
                             como:
                    • doença cardíaca,
                 • pressão arterial elevada
                  • Doença de Alzheimer,
• artrite, e diabetes, são causados por variações dos efeitos
                 combinados de muitos genes.
CURTA VIDA NATURAL DA
                      TERAPIA GÊNICA




 Primeiro momento percebe-se uma melhora, só que percepção de
                 que o tratamento não é tão eficaz.



            Existe a possibilidade da doença voltar e o indivíduo
           terá que submeter-se a novas incisões, sendo assim, se
              expondo a distúrbio de genes e a possibilidade de
                           desencadear um tumor.
USO DE EMBRIÕES

 O uso de embriões para a retirada de células-troncos é algo
                       ilegal no Brasil.

 Já foi comprovado que a partir 6 semana o coração de um
                     feto começa a bater...

             Você não considera isso uma vida?
 Terapia Gênica na Estética




• Pessoas que tem acesso e dinheiro a este meio da Ciência,
sabendo que fazendo certos tipos de mutações em genes podem
  se aproveitar da situação e fazer mutações para seus filhos
venham com características desejadas. Tais como: cabelos lisos,
                  olhos azuis ou verdes, etc.




                       Mas isso é vantagem?
 Vimos anteriormente que a incisão de genes pode acarretar
                 em problemas mais sérios.

        Mas será que eles tem este conhecimento?
            E onde fica o planejado por Deus?


                   O amor pelos filhos?


      Afinal, queremos seres humanos ou mutantes?
 GENES CONTRA DOENÇAS- TERAPIA GÊNICA
 UMA . 356pNOVA ERA GENÉTICA. Rafael Linden.
 Editora Vieira e Lent. 119 p.

 TERAPIAS AVANÇADAS- CÉLULAS TRONCO,
 TERAPIA GÊNICA E NANOTECNOLOGIA. Marcelo
 M. Morales 2oo7, 356 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3S_Terapias genicas
3S_Terapias genicas3S_Terapias genicas
3S_Terapias genicas
Ionara Urrutia Moura
 
DNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoDNA -estrutura e função
DNA -estrutura e função
Isabel Lopes
 
Ists
IstsIsts
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
mainamgar
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Andreia Maria
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
Matheus Faria do Valle
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Guellity Marcel
 
Melhoramento Genético e Transgênicos
Melhoramento Genético e TransgênicosMelhoramento Genético e Transgênicos
Melhoramento Genético e Transgênicos
Jaqueline Soares
 
Aula biotecnologia e bioetica
Aula biotecnologia e bioeticaAula biotecnologia e bioetica
Aula biotecnologia e bioetica
Ronaldo Santana
 
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANAORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
araujo94
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Bio
 
1 Leis De Mendel
1  Leis De Mendel1  Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
Ana Paula Ribeiro
 
Vacinas de DNA
Vacinas de DNAVacinas de DNA
Vacinas de DNA
Marina Sousa
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedade
Rebeca Vale
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
Isabel Lopes
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Mutações
MutaçõesMutações
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
Shaline Araújo
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células tronco
Silvana Sanches
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
Seleste Mendes Pereira
 

Mais procurados (20)

3S_Terapias genicas
3S_Terapias genicas3S_Terapias genicas
3S_Terapias genicas
 
DNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoDNA -estrutura e função
DNA -estrutura e função
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Melhoramento Genético e Transgênicos
Melhoramento Genético e TransgênicosMelhoramento Genético e Transgênicos
Melhoramento Genético e Transgênicos
 
Aula biotecnologia e bioetica
Aula biotecnologia e bioeticaAula biotecnologia e bioetica
Aula biotecnologia e bioetica
 
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANAORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS - BANANA
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
1 Leis De Mendel
1  Leis De Mendel1  Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
 
Vacinas de DNA
Vacinas de DNAVacinas de DNA
Vacinas de DNA
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedade
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células tronco
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
 

Destaque

Terapia génica
Terapia génicaTerapia génica
Terapia génica
vanesalazcano
 
Terapia Genica Power Point
Terapia Genica Power PointTerapia Genica Power Point
Terapia Genica Power Point
ges_c_mati
 
Terapia Genica
Terapia GenicaTerapia Genica
Terapia Genica
Alienware
 
Terapia Genica
Terapia GenicaTerapia Genica
Terapia Genica
Lxis Silva Nxñez
 
TERAPIA GENICA
TERAPIA GENICATERAPIA GENICA
TERAPIA GENICA
Jose Julian
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
Luzinete Miranda
 
Terapia genética
Terapia genéticaTerapia genética
Terapia genética
SaraLF
 
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositivaTerapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
ROMAE22
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
Milena de Azevedo
 
Teràpia gènica
Teràpia gènicaTeràpia gènica
Teràpia gènica
viirmire
 
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
Antonio Liras
 
Terapia genica..
Terapia genica..Terapia genica..
Terapia genica..
Jhon Henry Ceballos S.
 
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêuticaImunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
Natacha Santos
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uece
dayrla
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Presentacion terapia genica
Presentacion terapia genicaPresentacion terapia genica
Presentacion terapia genica
tamaraalonsoperez
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Éllon Oliveira
 
Projeto Genoma
Projeto Genoma Projeto Genoma
Projeto Genoma
Wesla Campos
 
Terapias genicas
Terapias genicasTerapias genicas
Terapias genicas
ROMAE22
 
La terapia génica
La terapia génicaLa terapia génica
La terapia génica
victorserranov
 

Destaque (20)

Terapia génica
Terapia génicaTerapia génica
Terapia génica
 
Terapia Genica Power Point
Terapia Genica Power PointTerapia Genica Power Point
Terapia Genica Power Point
 
Terapia Genica
Terapia GenicaTerapia Genica
Terapia Genica
 
Terapia Genica
Terapia GenicaTerapia Genica
Terapia Genica
 
TERAPIA GENICA
TERAPIA GENICATERAPIA GENICA
TERAPIA GENICA
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
 
Terapia genética
Terapia genéticaTerapia genética
Terapia genética
 
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositivaTerapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
Terapias genicas desde una perspectiva.diapositiva
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
 
Teràpia gènica
Teràpia gènicaTeràpia gènica
Teràpia gènica
 
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
Terapia Genica ¿Memoria o Esperanza?
 
Terapia genica..
Terapia genica..Terapia genica..
Terapia genica..
 
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêuticaImunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
Imunodeficiências primárias - abordagem terapêutica
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uece
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
 
Presentacion terapia genica
Presentacion terapia genicaPresentacion terapia genica
Presentacion terapia genica
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Projeto Genoma
Projeto Genoma Projeto Genoma
Projeto Genoma
 
Terapias genicas
Terapias genicasTerapias genicas
Terapias genicas
 
La terapia génica
La terapia génicaLa terapia génica
La terapia génica
 

Semelhante a Terapia gênica

Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na MedicinaAplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
António Morais
 
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genética
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genéticaApresentação genética médica Evolução médica com base na genética
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genética
dnei
 
Genetica -mapa_de_conceitos
Genetica  -mapa_de_conceitosGenetica  -mapa_de_conceitos
Genetica -mapa_de_conceitos
190501
 
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdf
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdfAplicações atuais do conhecimento genético.pdf
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdf
SothisGuimares1
 
Odontologia - Bioética e genética
Odontologia - Bioética e genéticaOdontologia - Bioética e genética
Odontologia - Bioética e genética
Rauricio Vital Mendes
 
22 ge aula10_terapia_genica
22 ge aula10_terapia_genica22 ge aula10_terapia_genica
22 ge aula10_terapia_genica
Andreza Patrícia Martins
 
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptxAula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
RomuloHalley1
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdfAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
NivaldoJnior16
 
3S_Resumo_
3S_Resumo_ 3S_Resumo_
Transgenicidade
TransgenicidadeTransgenicidade
Transgenicidade
Raphaela Florêncio
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptxAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
NivaldoJnior16
 
11 - biotecnologia e engenharia genética
11 - biotecnologia e engenharia genética11 - biotecnologia e engenharia genética
11 - biotecnologia e engenharia genética
Marcus Magarinho
 
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
Van Der Häägen Brazil
 
Engenharia Genética
Engenharia Genética Engenharia Genética
Engenharia Genética
Tiago Faisca
 
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULARCANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
amaroalmeida74
 
ManipulaçãO GenéTica
ManipulaçãO   GenéTicaManipulaçãO   GenéTica
ManipulaçãO GenéTica
suzy975
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Margarida Pedro da Silva
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptx
KarinyNayara1
 
Alimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos Alimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos
Thainá Carvalho
 
Engenharia genética
Engenharia genética Engenharia genética
Engenharia genética
Rayanne Leão
 

Semelhante a Terapia gênica (20)

Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na MedicinaAplicação da Engenharia Genética na Medicina
Aplicação da Engenharia Genética na Medicina
 
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genética
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genéticaApresentação genética médica Evolução médica com base na genética
Apresentação genética médica Evolução médica com base na genética
 
Genetica -mapa_de_conceitos
Genetica  -mapa_de_conceitosGenetica  -mapa_de_conceitos
Genetica -mapa_de_conceitos
 
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdf
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdfAplicações atuais do conhecimento genético.pdf
Aplicações atuais do conhecimento genético.pdf
 
Odontologia - Bioética e genética
Odontologia - Bioética e genéticaOdontologia - Bioética e genética
Odontologia - Bioética e genética
 
22 ge aula10_terapia_genica
22 ge aula10_terapia_genica22 ge aula10_terapia_genica
22 ge aula10_terapia_genica
 
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptxAula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
Aula 6 EPIGENÉTICA NUTRIGENÉTICA E CARCINOGENESE.pptx
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdfAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pdf
 
3S_Resumo_
3S_Resumo_ 3S_Resumo_
3S_Resumo_
 
Transgenicidade
TransgenicidadeTransgenicidade
Transgenicidade
 
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptxAula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
Aula 01 Genética para Enfermagem 2023.pptx
 
11 - biotecnologia e engenharia genética
11 - biotecnologia e engenharia genética11 - biotecnologia e engenharia genética
11 - biotecnologia e engenharia genética
 
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
Baixa Estatura Familial pode ocorrer segundo um padrão familiar chama se baix...
 
Engenharia Genética
Engenharia Genética Engenharia Genética
Engenharia Genética
 
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULARCANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
 
ManipulaçãO GenéTica
ManipulaçãO   GenéTicaManipulaçãO   GenéTica
ManipulaçãO GenéTica
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptx
 
Alimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos Alimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos
 
Engenharia genética
Engenharia genética Engenharia genética
Engenharia genética
 

Mais de Sheila Cassenotte

Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
Sheila Cassenotte
 
Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
Sheila Cassenotte
 
Ordem commelinales
Ordem commelinalesOrdem commelinales
Ordem commelinales
Sheila Cassenotte
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
Sheila Cassenotte
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
Sheila Cassenotte
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
Sheila Cassenotte
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Sheila Cassenotte
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
Sheila Cassenotte
 
Freinet
Freinet Freinet
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Slides
SlidesSlides
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
Sheila Cassenotte
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
Sheila Cassenotte
 
aborto
 aborto aborto

Mais de Sheila Cassenotte (15)

Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
 
Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
 
Ordem commelinales
Ordem commelinalesOrdem commelinales
Ordem commelinales
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
 
Freinet
Freinet Freinet
Freinet
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
 
aborto
 aborto aborto
aborto
 

Último

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 

Último (20)

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 

Terapia gênica

  • 2.  É a transferência de material genético com o propósito de prevenir ou curar uma enfermidade qualquer.  No caso de enfermidades genéticas, nas quais um gene está defeituoso ou ausente, a terapia gênica consiste em transferir a versão funcional do gene para o organismo portador da doença, de modo a reparar o defeito.
  • 3.
  • 4.  Um gene é uma porção de DNA que contém a informação necessária para sintetizar uma proteína. Transferir um gene é transferir um pedaço particular de DNA. Portanto, é necessário antes de tudo, possuir “em mãos” o pedaço correto.  As enfermidades genéticas conhecidas estão ao redor de 5000, cada uma causada por uma alteração genética diferente.  O 1º passo para a terapia gênica é identificar o gene responsável pela enfermidade. Subsequentemente, pelas técnicas de biologia molecular é possível adquirir um pedaço de DNA que contém este gene.
  • 5.  Esta primeira etapa é chamada de isolamento ou clonagem do gene.  Qualquer enfermidade é candidata a terapia gênica, desde que o gene esteja isolado para a transferência.
  • 6.
  • 7. Os procedimentos da terapia gênica in vivo consistem em transferir o DNA diretamente para as células ou para os tecidos do paciente. Nos procedimentos ex-vivo, o DNA é primeiramente transferido para células isoladas de um organismo, previamente crescidas em laboratório. As células isoladas são assim modificadas e podem ser introduzidas no paciente.
  • 8.  Uma vez inserido o gene tem que resistir bastante tempo. Neste tempo, o gene tem que produzir grandes quantidades de proteína para reparar o defeito genético.  Essas características podem ser resumidas em um único conceito: o gene estranho precisa se expressar de modo efetivo no organismo que o receberá.
  • 9.
  • 10.  Os vetores virais são vírus manipulados geneticamente, de modo a reduzir a sua patogenicidade, sem anular totalmente o seu poder de infectar as células do hospedeiro Com as técnicas da engenharia genética é possível somar ao DNA do vírus o gene que se quer transferir a determinada célula. Deste modo, o vírus infectando a célula, trará consigo uma ou mais cópias do gene desejado.
  • 11. Possuem a habilidade de integrar o seu DNA dentro dos cromossomos da célula infectada. Então, o gene será inserido no genoma das células hospedeiras e, podem assim ser transmitidos a todas as células-filhas das infectadas. Eles infectam somente as células que estão proliferando.
  • 12. Como o HIV, permitem também transferir material genético para células que não proliferam (como os neurônios e células do fígado) ou para células refratárias para o retrovírus (como as células retiradas da medula óssea).
  • 13. Os adenoassociados de vírus também integram o seu DNA ao cromossomo da célula hospedeira. Eles têm a vantagem de serem inofensivos para a natureza em relação ao retrovírus, mas não são capazes de transportar genes de dimensões grandes.
  • 14. Não são capazes de integrar o seu DNA ao cromossomo da célula hospedeira. Eles podem transportar genes de grandes dimensões, mas a expressão deles não dura muito tempo.
  • 15. Os lipossomos são essencialmente os únicos vetores não virais utilizados freqüentemente. As esferas de lipídeos podem ser um importante meio para a transferência gênica. Em comparação aos vírus, eles têm a vantagem de não introduzir algum risco em condições de segurança, mas eles não possuem grande eficiência e são muito seletivos.
  • 16.  As principais dificuldades enfrentadas por pesquisadores que lidam com terapia gênica são as seguintes:
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Lado Negativo da Terapia Gênica REFLEXÃO Podemos dizer que a Terapia Gênica vem sendo uma promessa através da Ciência para a cura de muitas doenças, que no momento são incuráveis. No mundo atual em que vivemos Será que ela realmente será usada onde QUEM TEM MAIS, PODE para “casos específicos” de MAIS ela será só usada para doenças incuráveis sendo doenças, quando se pode realizar realmente um tratamento mutações para que seu filho nasça promissor ? com cabelo lisos, olhos azuis... Moldado pela ciência ?
  • 22. LADO NEGATIVO TRATAMENTOS E MUTAÇÕES POSSIBILIDADE DE INDUZIR UM TUMOR • Existe uma possibilidade de induzir um tumor, pelo fato de que a aplicação de um DNA integrado no lugar errado, no genoma, por exemplo, em um gene supressor tumoral, poderia induzir um tumor.
  • 23. DESORDEM DE VÁRIOS GENES • Na tentativa de melhor a saúde de uma pessoa introduzindo genes bons, pode vir a desencadear novos distúrbios. Tais como: • doença cardíaca, • pressão arterial elevada • Doença de Alzheimer, • artrite, e diabetes, são causados por variações dos efeitos combinados de muitos genes.
  • 24. CURTA VIDA NATURAL DA  TERAPIA GÊNICA  Primeiro momento percebe-se uma melhora, só que percepção de que o tratamento não é tão eficaz. Existe a possibilidade da doença voltar e o indivíduo terá que submeter-se a novas incisões, sendo assim, se expondo a distúrbio de genes e a possibilidade de desencadear um tumor.
  • 25. USO DE EMBRIÕES  O uso de embriões para a retirada de células-troncos é algo ilegal no Brasil.  Já foi comprovado que a partir 6 semana o coração de um feto começa a bater...  Você não considera isso uma vida?
  • 26.  Terapia Gênica na Estética • Pessoas que tem acesso e dinheiro a este meio da Ciência, sabendo que fazendo certos tipos de mutações em genes podem se aproveitar da situação e fazer mutações para seus filhos venham com características desejadas. Tais como: cabelos lisos, olhos azuis ou verdes, etc. Mas isso é vantagem?
  • 27.  Vimos anteriormente que a incisão de genes pode acarretar em problemas mais sérios.  Mas será que eles tem este conhecimento?  E onde fica o planejado por Deus?  O amor pelos filhos?  Afinal, queremos seres humanos ou mutantes?
  • 28.  GENES CONTRA DOENÇAS- TERAPIA GÊNICA UMA . 356pNOVA ERA GENÉTICA. Rafael Linden. Editora Vieira e Lent. 119 p.  TERAPIAS AVANÇADAS- CÉLULAS TRONCO, TERAPIA GÊNICA E NANOTECNOLOGIA. Marcelo M. Morales 2oo7, 356 p.