SlideShare uma empresa Scribd logo
Ordem Commelinales
Universidade Regional Integrada do Alto
Uruguai e das Missões- URI
Disciplina: Botânica IV
Professora Kelly C. R. S. Corrêa
Acadêmicas:
Sheila Cassenote Ferreira
Raquel Geraldi
COMMELINALES
• 5 famílias;
• 68 gêneros;
• 812 espécies;
FONTE http://botany.csdl.tamu.edu/FLORA/tfplab/monocot1.htm
HAEMODORACEAE
PONTEDERIACEAE
PHILYDRACEAE
COMMELINACEAE
HANGUANACEAE
Phylogeny
CARACTERÍSTICAS
Micorrizas
ausentes elementos de
vaso com placas
de perfuração
escalariformes
Caracteres
derivados que
Commelinales
compartilha com
Zingiberales: CIMAS
HELICÓIDES
MULTIFLORAS E
UM TAPETE
AMEBÓIDE
• Monofilia sustentada por
caracteres de DNA.
• Sinapomorfias morfológicas ambíguas:
• Ponteridaceae e Haemodoraceae compartilham
a estrutura da exina não- tectada e columelada;
• Enquanto Philydraceae e Haemodoraceae
apresentam folhas estreitas e unifaciais.
• Todas as três famílias apresentam células de
tanino no perianto e esclereídes nas placentas.
A localização de Commelinaceae
tem sido controversa;
Caracteres morfológicos a
situam na ordem Poales;
Enquanto sequências de DNA a
situam junto com Haemodoraceae,
Ponteridaceae ePhilydraceae na
ordem Commelinales
COMMELINACEAE
Ervas, ás vezes
suculentas, com caules
bem desenvolvidos, ás
vezes curtos,
geralmente com com
células de mucilagem ou
canais contendo
rafídeos. Pêlos simples,
folhas alternas,
dísticas ou espiraladas
ao longo do caule.
A nervura mediana
frequentemente é
proeminete, com bainha
fechada, estômatos
tetracíclicos. Estípulas
ausentes.
Inflorescências
determinadas, ás vezes
redeuzidas a uma flor
solitária.
Flores geralmente
bissexuais, radiais a
bilaterias, COM
PERIANTO
DIFERENCIADO EM
CÁLICE E COROLA,
sépalas 3, geralmente
livres, pétalas 3,
livres a conatas, 01
pétala ás vezes
reduzida.
 A corola murcha e se autodigere rapidamente no
fim da vida útil;
 Estames 6, ou 3, filetes finos, livres a ligeiramente
conatos, ás vezes adnatos ás pétalas;
 Anteras ocasionalmente com poros apicais;
 Grãos de pólen geralmente monossulcados;
 Carpelos 3, conatos, ovário súpero, com placentação
axial;
 1 estigma, óvulos 1 a muitos em cada lóculo;
 Nectários ausentes, fruto geralmente cápsula
loculicida; ocasionalmente baga
Semente com capuz cônico conspícuo
As flores de
Commelinaceae
duram no máximo um
dia; A polinização
geralmente é
promovida por
abelhas coletoras de
pólen
Distribuição:
Amplamente distribuída em regiões
tropicais a temperadas
Gêneros: 50
Espécies: 650
 Principais gêneros:
Commelina (230 spp.), Tradescantia (60),
Aneilema (60), Murdannia (45) e Callissia (20).
Callissia, Commelina, Gibasis, Murdannia e
Tradescantia ocorrem nos EUA e Canadá.
 No Brasil, está presente Norte, Nordeste,
Centro-Oeste, Sudeste e Sul (AONA, 2010).
Importância Econômica:
 Algumas espécies são plantas invasoras,
outras são utilizadas como ornamentais,
algumas possuem propridades
medicinais.
 Em áreas agrícolas provocam prejuízos
econômicos pela concorrência por
nutrientes, luz e água.
* Ervas com rizomas, colmos ou bulbos.
Hemodoracea
Colmo
• Raízes frequentemente com pigmentação
vermelho- alaranjada, contendo variadas
fenalonas ( compostos fenólicos).
Hemodoracea
• Pêlos simples cobrindo a dendríticos, cobrindo
densamente o eixo da inflorescência, bráctea e das
peças perianticas.
Hemodoracea
Folhas alternas disticas, equitantes (folhas disticas
achatadas no plano de inserção foliar e providas de duas
faces que são anatomicamente e morfologicamente
idênticas, isto é, unifaciais), unificadas, aquelas da
porção superior do caule reduzidas, simples, inteira com
venação paralela invaginantes na base e estípulas
ausentes.
Hemodorácea
Lachnanthes sp.
Flores:
* Bixessuais, radiais a bilateral;
* Tépalas 6, vistosas, livres a conatas;
* Estames de 3 ou 6, as vezes reduzidos a 1,
ocasionalmente dimórficos;
* Filetes livres ou adnatos as tépalas;
* Carpelos 3, conatos;
* Ovário súpero ou ínfero;
* Fruto capsula e sementes frequentemente
aladas.
Haemodoraceae
• Amplamente distribuída na Austrália, África
do Sul e norte da América do Sul. Poucas
espécies ocorrem na América do Norte,
principalmente plantas de áreas brejosas.
Distribuição e ecologia das Haemodoraceae
• Generos: 13
• Espécies: 100
• Principais gêneros: Conostylis (30spp);
Haemodorum (20spp); Anigozathos (11spp);
Conostylis.
Anigozanthos
Haemodorum
Gêneros como Anigozanthos (pata de canguru)
Canostylis e Lachnanthes são cultivadas como
plantas ornamentais.
Importância econômica e produtos:
• Haemodoraceae é considerada monofilética
devido a presença de aril fenalenonas
(compostos fenólicos); são as únicas plantas
vasculares que possuem esses pigmentos, as
quais conferem características de cor
vermelho- alaranjado ou purpura as raízes e
rizomas de muitos gêneros.
• As flores de Haemodoraceae são polinizadas
geralmente por insetos, mas o gênero
Anigozanthos são polinizados por aves.
Pontederiaceae
Ervas aquáticas,
rizomatosas,
flutuantes a
emersas.
Caules esponjosos.
Apresentam pêlos
simples, apenas
nas partes
reprodutivas.
Eteranthera sp. Pondeteria sp.
• Pontederiaceae: apresenta geralmente folhas
alternas e espiraladas, ao lingo do caule, ou +/-
basais, +/- diferenciadas em lamina e pecíolo,
simples, inteiras, com venação paralela e
palmada, invaginantes na base e sem estípulas.
• Flores bissexuais, radiais a bilaterais com
frequência apresentando tristila.
• Tépalas 6, vistosas variavelmente conatas,
com frequência as tépalas adaxiais do verticilo
interno diferenciadas.
• Estames geralmente de 6; filetes adnatos ao
tubo do perianto; anteras deiscentes por
fendas ou poros;
• Capelos de 3, conatos; ovário súpero, com
placentação axial, as vezes 2 lóculos estéreis;
• Óvulos numerosos a 1 por lóculo;
• Fruto capsula ou noz.
FLORES DE PONTEDERIACEAE:
Pondeteria cordata
Tristila: flores de diferentes indivíduos da mesma
espécie que apresentam três comprimentos de
estiletes diferentes. Os comprimentos dos
estamos em geral variando de modo inverso,
trata-se de um mecanismo para promover a
polinização cruzada.
• Amplamente distribuída em regiões tropicais e
subtropicais, com poucas espécies nas regiões
temperadas, plantas de ambientes aquáticos
ou áreas brejosas.
Distribuição e ecologia
• generos: 7; espécies:35
• Principais generos:
• Ponderia (6ssp.):
Heteranthera:
(12ssp.)
• Eichhornia: (7spp) Monochoria:
(7ssp)
• Pondeteria e Eichhornia são utilizadas como
plantas ornamentais; esta última é uma praga
muito séria em ambientes de agua parada ou
com pouco movimento em regiões tropicais ou
subtropicais.
Importância econômica:
• A monofilia de Pondeteriaceae é sustentada
por caracteres morfológicos e moleculares, um
clado sustentado pelo hábito perene, pelo eixo
da inflorescência curso e pelas flores
bilaterais com tirsila.
• Dados moleculares sugerem que Monochorea
pertence ao clado Pondeteria + Eichhornia.
Referências Bibliográficas
• JUDD, Walter S. Sistemática Vegetal - Um Enfoque
Filogenético. 3ª ed, Porto Alegre RS, Artmed 2009,
632 p.
• ELBL, Paula Maria. Estudos em Commelinaceae
(Monocotiledôneas): o papel da endoderme e do
periciclo na formação do corpo primário. 2008. 168 f.
Dissertação ( Mestrado em Ciências na área de
Botânica). Instituto de Biociências da Universidade de
São Paulo- Departamento de Botânica. São Paulo- SP,
2008.
Acesso em 02 de novembro de 2013.
• http://www.tropicos.org/Name/8300505
Acesso em 01 de novembro de 2013.
• http://botany.csdl.tamu.edu/FLORA/tfplab/monocot1.
htm
Acesso em 01 de novembro de 2013.
• http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/
Acesso em 02 de novembro de 2013.
• http://www.tropicos.org/
Acesso em 02 de novembro de 2013.
• http://theseedsite.co.uk/profile515.html
Acesso em 01 de novembro de 2013.
• http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/
Acesso em 01 de novembro de 2013.
• http://www.anatomiavegetal.ibilce.unesp.br/cursos/mo
rfologiavegetal/aulas/xilema-floema.php
Acesso em 01 de novembro de 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJANEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
Geagra UFG
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
Pedro Lacerda
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
Geagra UFG
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
Geagra UFG
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
Denysson Amorim
 
Folha
FolhaFolha
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
Luciano Marques
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
Geagra UFG
 
Flores angiospermas
Flores angiospermasFlores angiospermas
Flores angiospermas
Andrea Barreto
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol
Geagra UFG
 
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Luciano Marques
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
Sophie Gris
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Hymenoptera
HymenopteraHymenoptera
Hymenoptera
Bruno Montezano
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
Giovani de Oliveira Arieira
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJANEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
NEMATOIDES E ÁCAROS NA SOJA
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
 
Folha
FolhaFolha
Folha
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
 
Flores angiospermas
Flores angiospermasFlores angiospermas
Flores angiospermas
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
 
Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol Manejo de Pragas no Girassol
Manejo de Pragas no Girassol
 
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
Guia ilustrado de abelhas "sem-ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazona...
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Hymenoptera
HymenopteraHymenoptera
Hymenoptera
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 

Destaque

Diversidade sexual vegetal
Diversidade sexual vegetalDiversidade sexual vegetal
Diversidade sexual vegetal
unesp
 
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas Ciências Biológicas
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas  Ciências  Biológicas Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas  Ciências  Biológicas
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas Ciências Biológicas
Selita Ribas
 
Projeto ambiental
Projeto ambientalProjeto ambiental
Projeto ambiental
Anafranz2
 
Rio de janeiro - parque prainha monocotyledons
Rio de janeiro  - parque prainha monocotyledonsRio de janeiro  - parque prainha monocotyledons
Rio de janeiro - parque prainha monocotyledons
Andre Benedito
 
Apresentação vera lúcia ufrsa
Apresentação vera lúcia   ufrsaApresentação vera lúcia   ufrsa
Apresentação vera lúcia ufrsa
Oxya Agro e Biociências
 
Importância e desaparecimento dos polinizadores
Importância e desaparecimento dos polinizadoresImportância e desaparecimento dos polinizadores
Importância e desaparecimento dos polinizadores
Tulio Malaspina
 
Minas gerais - toca dos urubus plantas
Minas gerais  - toca dos urubus plantasMinas gerais  - toca dos urubus plantas
Minas gerais - toca dos urubus plantas
Andre Benedito
 
Monocotiledôneas arecales e zingiberales
Monocotiledôneas   arecales e zingiberalesMonocotiledôneas   arecales e zingiberales
Monocotiledôneas arecales e zingiberales
kittymust
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Guia zingiberales ebook (1)
Guia zingiberales ebook (1)Guia zingiberales ebook (1)
Guia zingiberales ebook (1)
SILVANA DE FÁTIMA ENGELMANN
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
unesp
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
unesp
 
Botânica - Monocotiledôneas
Botânica - MonocotiledôneasBotânica - Monocotiledôneas
Botânica - Monocotiledôneas
Juliano van Melis
 
Conceito de Espécie
Conceito de EspécieConceito de Espécie
Conceito de Espécie
carlinhosmatos
 
Sistemática vegetal
Sistemática vegetalSistemática vegetal
Sistemática vegetal
emanuel
 
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetaisBotânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
harleyac
 

Destaque (16)

Diversidade sexual vegetal
Diversidade sexual vegetalDiversidade sexual vegetal
Diversidade sexual vegetal
 
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas Ciências Biológicas
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas  Ciências  Biológicas Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas  Ciências  Biológicas
Sistemática Vegetal: Monocotiledôneas Ciências Biológicas
 
Projeto ambiental
Projeto ambientalProjeto ambiental
Projeto ambiental
 
Rio de janeiro - parque prainha monocotyledons
Rio de janeiro  - parque prainha monocotyledonsRio de janeiro  - parque prainha monocotyledons
Rio de janeiro - parque prainha monocotyledons
 
Apresentação vera lúcia ufrsa
Apresentação vera lúcia   ufrsaApresentação vera lúcia   ufrsa
Apresentação vera lúcia ufrsa
 
Importância e desaparecimento dos polinizadores
Importância e desaparecimento dos polinizadoresImportância e desaparecimento dos polinizadores
Importância e desaparecimento dos polinizadores
 
Minas gerais - toca dos urubus plantas
Minas gerais  - toca dos urubus plantasMinas gerais  - toca dos urubus plantas
Minas gerais - toca dos urubus plantas
 
Monocotiledôneas arecales e zingiberales
Monocotiledôneas   arecales e zingiberalesMonocotiledôneas   arecales e zingiberales
Monocotiledôneas arecales e zingiberales
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Trapoeraba!
 
Guia zingiberales ebook (1)
Guia zingiberales ebook (1)Guia zingiberales ebook (1)
Guia zingiberales ebook (1)
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
 
Botânica - Monocotiledôneas
Botânica - MonocotiledôneasBotânica - Monocotiledôneas
Botânica - Monocotiledôneas
 
Conceito de Espécie
Conceito de EspécieConceito de Espécie
Conceito de Espécie
 
Sistemática vegetal
Sistemática vegetalSistemática vegetal
Sistemática vegetal
 
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetaisBotânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
Botânica, morfologia e tipos de células e tecidos vegetais
 

Semelhante a Ordem commelinales

Solanaceae
SolanaceaeSolanaceae
Solanaceae
biologia-conectado
 
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neasjonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
Cris Souza
 
Familia hylidae
Familia hylidaeFamilia hylidae
Familia hylidae
Katlin Camila Fernandes
 
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
Gerdian Teixeira
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Família eriocaulaceae
Família eriocaulaceaeFamília eriocaulaceae
Família eriocaulaceae
Sauro Bacelar Martins
 
Gminospermas
GminospermasGminospermas
Gminospermas
Bruna Medeiros
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
Sheila Cassenotte
 
Fabaceaes
FabaceaesFabaceaes
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdfTRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
JosenildoAlvesdaSilv1
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Bruna Medeiros
 
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
WaldemarBelota
 
Forragicultura pucrs
Forragicultura   pucrsForragicultura   pucrs
Forragicultura pucrs
Marianny Miranda
 
Ordem Cucurbitales
Ordem CucurbitalesOrdem Cucurbitales
Ordem Cucurbitales
Letícia Soares
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
David Pereira
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
anamendes21
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
ALTAIR SOUZA
 
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste PelasTaxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Diego Yamazaki Bolano
 

Semelhante a Ordem commelinales (20)

Solanaceae
SolanaceaeSolanaceae
Solanaceae
 
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neasjonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
jonival lucasSistem tica de monocotiled-neas
 
Familia hylidae
Familia hylidaeFamilia hylidae
Familia hylidae
 
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Família eriocaulaceae
Família eriocaulaceaeFamília eriocaulaceae
Família eriocaulaceae
 
Gminospermas
GminospermasGminospermas
Gminospermas
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
 
Fabaceaes
FabaceaesFabaceaes
Fabaceaes
 
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
 
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdfTRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
 
Forragicultura pucrs
Forragicultura   pucrsForragicultura   pucrs
Forragicultura pucrs
 
Ordem Cucurbitales
Ordem CucurbitalesOrdem Cucurbitales
Ordem Cucurbitales
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
 
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste PelasTaxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
 

Mais de Sheila Cassenotte

Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
Sheila Cassenotte
 
Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
Sheila Cassenotte
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
Sheila Cassenotte
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
Sheila Cassenotte
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Sheila Cassenotte
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
Sheila Cassenotte
 
Freinet
Freinet Freinet
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Slides
SlidesSlides
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
Sheila Cassenotte
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
Sheila Cassenotte
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
Sheila Cassenotte
 
aborto
 aborto aborto

Mais de Sheila Cassenotte (14)

Anfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamentalAnfíbios - ensino fundamental
Anfíbios - ensino fundamental
 
Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
 
Freinet
Freinet Freinet
Freinet
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
 
aborto
 aborto aborto
aborto
 

Último

MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 

Ordem commelinales

  • 1. Ordem Commelinales Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões- URI Disciplina: Botânica IV Professora Kelly C. R. S. Corrêa Acadêmicas: Sheila Cassenote Ferreira Raquel Geraldi
  • 2. COMMELINALES • 5 famílias; • 68 gêneros; • 812 espécies; FONTE http://botany.csdl.tamu.edu/FLORA/tfplab/monocot1.htm HAEMODORACEAE PONTEDERIACEAE PHILYDRACEAE COMMELINACEAE HANGUANACEAE
  • 4. CARACTERÍSTICAS Micorrizas ausentes elementos de vaso com placas de perfuração escalariformes Caracteres derivados que Commelinales compartilha com Zingiberales: CIMAS HELICÓIDES MULTIFLORAS E UM TAPETE AMEBÓIDE
  • 5. • Monofilia sustentada por caracteres de DNA. • Sinapomorfias morfológicas ambíguas: • Ponteridaceae e Haemodoraceae compartilham a estrutura da exina não- tectada e columelada; • Enquanto Philydraceae e Haemodoraceae apresentam folhas estreitas e unifaciais. • Todas as três famílias apresentam células de tanino no perianto e esclereídes nas placentas.
  • 6. A localização de Commelinaceae tem sido controversa; Caracteres morfológicos a situam na ordem Poales; Enquanto sequências de DNA a situam junto com Haemodoraceae, Ponteridaceae ePhilydraceae na ordem Commelinales
  • 7. COMMELINACEAE Ervas, ás vezes suculentas, com caules bem desenvolvidos, ás vezes curtos, geralmente com com células de mucilagem ou canais contendo rafídeos. Pêlos simples, folhas alternas, dísticas ou espiraladas ao longo do caule. A nervura mediana frequentemente é proeminete, com bainha fechada, estômatos tetracíclicos. Estípulas ausentes. Inflorescências determinadas, ás vezes redeuzidas a uma flor solitária. Flores geralmente bissexuais, radiais a bilaterias, COM PERIANTO DIFERENCIADO EM CÁLICE E COROLA, sépalas 3, geralmente livres, pétalas 3, livres a conatas, 01 pétala ás vezes reduzida.
  • 8.  A corola murcha e se autodigere rapidamente no fim da vida útil;  Estames 6, ou 3, filetes finos, livres a ligeiramente conatos, ás vezes adnatos ás pétalas;  Anteras ocasionalmente com poros apicais;  Grãos de pólen geralmente monossulcados;  Carpelos 3, conatos, ovário súpero, com placentação axial;  1 estigma, óvulos 1 a muitos em cada lóculo;  Nectários ausentes, fruto geralmente cápsula loculicida; ocasionalmente baga Semente com capuz cônico conspícuo
  • 9.
  • 10. As flores de Commelinaceae duram no máximo um dia; A polinização geralmente é promovida por abelhas coletoras de pólen
  • 11. Distribuição: Amplamente distribuída em regiões tropicais a temperadas
  • 12. Gêneros: 50 Espécies: 650  Principais gêneros: Commelina (230 spp.), Tradescantia (60), Aneilema (60), Murdannia (45) e Callissia (20). Callissia, Commelina, Gibasis, Murdannia e Tradescantia ocorrem nos EUA e Canadá.  No Brasil, está presente Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul (AONA, 2010).
  • 13. Importância Econômica:  Algumas espécies são plantas invasoras, outras são utilizadas como ornamentais, algumas possuem propridades medicinais.  Em áreas agrícolas provocam prejuízos econômicos pela concorrência por nutrientes, luz e água.
  • 14. * Ervas com rizomas, colmos ou bulbos. Hemodoracea Colmo
  • 15. • Raízes frequentemente com pigmentação vermelho- alaranjada, contendo variadas fenalonas ( compostos fenólicos). Hemodoracea
  • 16. • Pêlos simples cobrindo a dendríticos, cobrindo densamente o eixo da inflorescência, bráctea e das peças perianticas. Hemodoracea
  • 17. Folhas alternas disticas, equitantes (folhas disticas achatadas no plano de inserção foliar e providas de duas faces que são anatomicamente e morfologicamente idênticas, isto é, unifaciais), unificadas, aquelas da porção superior do caule reduzidas, simples, inteira com venação paralela invaginantes na base e estípulas ausentes. Hemodorácea Lachnanthes sp.
  • 18. Flores: * Bixessuais, radiais a bilateral; * Tépalas 6, vistosas, livres a conatas; * Estames de 3 ou 6, as vezes reduzidos a 1, ocasionalmente dimórficos; * Filetes livres ou adnatos as tépalas; * Carpelos 3, conatos; * Ovário súpero ou ínfero; * Fruto capsula e sementes frequentemente aladas. Haemodoraceae
  • 19. • Amplamente distribuída na Austrália, África do Sul e norte da América do Sul. Poucas espécies ocorrem na América do Norte, principalmente plantas de áreas brejosas. Distribuição e ecologia das Haemodoraceae
  • 20. • Generos: 13 • Espécies: 100 • Principais gêneros: Conostylis (30spp); Haemodorum (20spp); Anigozathos (11spp); Conostylis. Anigozanthos Haemodorum
  • 21. Gêneros como Anigozanthos (pata de canguru) Canostylis e Lachnanthes são cultivadas como plantas ornamentais. Importância econômica e produtos:
  • 22. • Haemodoraceae é considerada monofilética devido a presença de aril fenalenonas (compostos fenólicos); são as únicas plantas vasculares que possuem esses pigmentos, as quais conferem características de cor vermelho- alaranjado ou purpura as raízes e rizomas de muitos gêneros. • As flores de Haemodoraceae são polinizadas geralmente por insetos, mas o gênero Anigozanthos são polinizados por aves.
  • 23. Pontederiaceae Ervas aquáticas, rizomatosas, flutuantes a emersas. Caules esponjosos. Apresentam pêlos simples, apenas nas partes reprodutivas. Eteranthera sp. Pondeteria sp.
  • 24. • Pontederiaceae: apresenta geralmente folhas alternas e espiraladas, ao lingo do caule, ou +/- basais, +/- diferenciadas em lamina e pecíolo, simples, inteiras, com venação paralela e palmada, invaginantes na base e sem estípulas.
  • 25. • Flores bissexuais, radiais a bilaterais com frequência apresentando tristila. • Tépalas 6, vistosas variavelmente conatas, com frequência as tépalas adaxiais do verticilo interno diferenciadas. • Estames geralmente de 6; filetes adnatos ao tubo do perianto; anteras deiscentes por fendas ou poros; • Capelos de 3, conatos; ovário súpero, com placentação axial, as vezes 2 lóculos estéreis; • Óvulos numerosos a 1 por lóculo; • Fruto capsula ou noz. FLORES DE PONTEDERIACEAE:
  • 26. Pondeteria cordata Tristila: flores de diferentes indivíduos da mesma espécie que apresentam três comprimentos de estiletes diferentes. Os comprimentos dos estamos em geral variando de modo inverso, trata-se de um mecanismo para promover a polinização cruzada.
  • 27. • Amplamente distribuída em regiões tropicais e subtropicais, com poucas espécies nas regiões temperadas, plantas de ambientes aquáticos ou áreas brejosas. Distribuição e ecologia
  • 28. • generos: 7; espécies:35 • Principais generos: • Ponderia (6ssp.): Heteranthera: (12ssp.)
  • 29. • Eichhornia: (7spp) Monochoria: (7ssp)
  • 30. • Pondeteria e Eichhornia são utilizadas como plantas ornamentais; esta última é uma praga muito séria em ambientes de agua parada ou com pouco movimento em regiões tropicais ou subtropicais. Importância econômica:
  • 31. • A monofilia de Pondeteriaceae é sustentada por caracteres morfológicos e moleculares, um clado sustentado pelo hábito perene, pelo eixo da inflorescência curso e pelas flores bilaterais com tirsila. • Dados moleculares sugerem que Monochorea pertence ao clado Pondeteria + Eichhornia.
  • 32. Referências Bibliográficas • JUDD, Walter S. Sistemática Vegetal - Um Enfoque Filogenético. 3ª ed, Porto Alegre RS, Artmed 2009, 632 p. • ELBL, Paula Maria. Estudos em Commelinaceae (Monocotiledôneas): o papel da endoderme e do periciclo na formação do corpo primário. 2008. 168 f. Dissertação ( Mestrado em Ciências na área de Botânica). Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo- Departamento de Botânica. São Paulo- SP, 2008. Acesso em 02 de novembro de 2013.
  • 33. • http://www.tropicos.org/Name/8300505 Acesso em 01 de novembro de 2013. • http://botany.csdl.tamu.edu/FLORA/tfplab/monocot1. htm Acesso em 01 de novembro de 2013. • http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/ Acesso em 02 de novembro de 2013. • http://www.tropicos.org/ Acesso em 02 de novembro de 2013. • http://theseedsite.co.uk/profile515.html Acesso em 01 de novembro de 2013. • http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/ Acesso em 01 de novembro de 2013. • http://www.anatomiavegetal.ibilce.unesp.br/cursos/mo rfologiavegetal/aulas/xilema-floema.php Acesso em 01 de novembro de 2013.