SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Ivanice Buzatto
O nome anfíbios vem do grego amphi – duas e bios – vida
Quer dizer que os anfíbios possuem dois tipos de vida,
ou seja, o seu ciclo de vida tem início dentro da água,
sob forma de larvas e após se tornarem adultos, prossegue
fora dela, em locais úmidos
Na fase aquática, é chamado de GIRINO.
Há espécies que não se reproduzem na água, mas em
ambientes terrestres úmidos.
A pele é úmida, lisa, com glândulas mucosas, sem escamas e
de fácil desidratação. Por isso, habitam locais úmidos e
sombreados
Os anfíbios são considerados ectotérmicos
Necessitam de energia externa (exemplo a luz solar)
para se aquecerem
Alguém identificou???
Na fase de girino, os anfíbios retiram o oxigênio
misturado na água através da pele e das brânquias que
ficam na parte interna da boca.
Depois que saem da água, passam a respirar pelos
pulmões (apresentam pouca eficiência) e também
através da pele (respiração cutânea)
Respiração dos anfíbios
Normalmente os anfíbios vivem em locais úmidos para
evitar o ressecamento de sua pele, não prejudicando a
respiração cutânea.
Os anfíbios adultos
normalmente são
carnívoros;
Se alimentam de caracóis,
lesmas, minhocas, entre
outros pequenos animais;
Muitos capturam suas
presas lançando sua língua
pegajosa capturando-a;
Sapos, rãs e pererecas geralmente se locomovem através
de saltos. Suas patas traseiras são compridas e fortes, o que
lhes permitem saltar.
Salamandras caminham usando as quatro patas
Cobras-cegas rastejam
Os anfíbios possuem sexos separados e na maioria das
vezes o acasalamento ocorre na água (gametas
masculinos se desloquem até os femininos)
Em muitas espécies, o macho produz sons para atrair a
fêmea
coaxar
Physalaemus gracilis
A fecundação é externa, ou seja, a união dos gametas
ocorre fora do corpo da fêmea
Os ovos são depositados em locais úmidos e sombreados,
para evitar a desidratação
Os ovos, ao eclodir, liberam uma larva chamada girino,
que é bem diferente do animal adulto
Durante o desenvolvimento dos anuros, os girinos
sofrem metamorfose, e adquirem características do
adulto.
Amplexo de anfíbios
Em salamandras e cobras cegas, a fecundação é interna.
Salamandras possuem rituais de acasalamento, onde o
macho deposita os espermatozóides sobre uma
superfície e guia a fêmea até o local. Ela os recolhe e
guarda em seu interior até que os óvulos sejam liberados
Do grego an = sem e uro = cauda
Na fase adulta não apresentam cauda
Exemplos: sapos, rãs e pererecas
Apresentam corpo curto e pernas posteriores maiores
que as anteriores, permitindo-lhes saltar
Possuem cuidado parental
Sapos - apresentam a pele rugosa, com bolsas nas laterais, uma
atrás de cada olho, conhecidas como glândulas paratóides. São
animais de hábitos mais terrestres, com locomoção lenta, quase
sempre a pequenos saltos.
Rãs: apresentam pele muito lisa e úmida, dedos de ponta
afilada com membranas interdigitais em grande parte de seus
representantes e locomoção rápida, com saltos de grande
extensão.
Pererecas: apresentam discos adesivos na ponta dos
dedos, usados para subir na vegetação e em
paredes. Possuem pele lisa e úmida e locomovem-se
rapidamente através de saltos.
O maior anuro conhecido é a rã-golias. Esta espécie
vive nas florestas tropicais africanas e chega a pesar
cerca de 3kg. Com as pernas esticadas pode alcançar
quase 1 metro de comprimento.
Um dos menores anuros conhecido é o sapo-pingo-
de-ouro. Ele vive entre folhas caídas no solo da Mata
Atlântica, no Brasil. Mede cerca de 1 cm de
comprimento.
Phyllobates terribilis
Este é o animal consagrado como sendo o vertebrado
mais venenoso do planeta
Mais de
100 toxinas foram
identificadas
nesta rã.
O nome vem do grego uro – cauda e delos – mais visível
São anfíbios que apresentam corpo alongado e cauda,
sem adaptações para saltar
Exemplo: salamandras e tritão
O nome vem do grego a – sem e pódos – pés
Caracterizam-se por não possuir pernas
O corpo é longo e fino, com cabeça pequena e ossos com
formato que facilita o ato de cavar
Tem vida aquática ou terrestre subterrânea
Cobras-cegas
Sapos, rãs e pererecas.
Salamandras
Ordem Principais
Características
Representantes
Apoda Corpo
cilíndrico, pele
lisa e não tem
pés.
Anura Não tem cauda.
A cabeça e o
tronco não têm
separação
nítida.
Caudata Tem cabeça e
tronco
definidos,
cauda e quatro
pernas
Anfíbios - ensino fundamental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteis
Ilsoflavio
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
RéPteis
RéPteisRéPteis
Poriferos
PoriferosPoriferos
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Janaina Alves
 
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
Michelle2789
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
Rebeca Vale
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
Giulia Soares
 
Algas
AlgasAlgas
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
Miguel De Lima
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
infoeducp2
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
empaul_harris
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Lidia Medeiros
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
whybells
 
Peixes
PeixesPeixes
Repteis
RepteisRepteis
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
emanuel
 

Mais procurados (20)

Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteis
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
RéPteis
RéPteisRéPteis
RéPteis
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
 

Semelhante a Anfíbios - ensino fundamental

Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Classe Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBiosClasse Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBios
Simone Morais
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
Taise Martins
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
IsmaelMarinho4
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Cap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbiosCap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbios
Sarah Lemes
 
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Yan Barbieri
 
Animais
AnimaisAnimais
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio... ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
Déborah Carvalho
 
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdfMatéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Filhos da Rocha
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
Universidade Estadual de Maringá
 
Curiosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os saposCuriosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os sapos
Ressurrei
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Clélia Kaneda
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
Duarte Nifo
 
Os Anfibios
Os AnfibiosOs Anfibios
Os Anfibios
Valeria Garcia
 
Tetrápodes
TetrápodesTetrápodes
Tetrápodes
Antonio Carlos
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
andreiaalbuquerque17
 

Semelhante a Anfíbios - ensino fundamental (20)

Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015Anfíbios 3 A2015
Anfíbios 3 A2015
 
Classe Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBiosClasse Dos AnfíBios
Classe Dos AnfíBios
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Anfibius
 
Cap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbiosCap 14 anfíbios
Cap 14 anfíbios
 
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)Trabalho de Biologia -  Anfíbios. (incompleto)
Trabalho de Biologia - Anfíbios. (incompleto)
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio... ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdfMatéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
Matéria de Especialidade - Anfíbios.pdf
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Curiosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os saposCuriosidades sobre os sapos
Curiosidades sobre os sapos
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Os Anfibios
Os AnfibiosOs Anfibios
Os Anfibios
 
Tetrápodes
TetrápodesTetrápodes
Tetrápodes
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
 

Mais de Sheila Cassenotte

Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
Sheila Cassenotte
 
Ordem commelinales
Ordem commelinalesOrdem commelinales
Ordem commelinales
Sheila Cassenotte
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
Sheila Cassenotte
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
Sheila Cassenotte
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
Sheila Cassenotte
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Sheila Cassenotte
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
Sheila Cassenotte
 
Freinet
Freinet Freinet
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Slides
SlidesSlides
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
Sheila Cassenotte
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
Sheila Cassenotte
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
Sheila Cassenotte
 
aborto
 aborto aborto

Mais de Sheila Cassenotte (15)

Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
 
Ordem commelinales
Ordem commelinalesOrdem commelinales
Ordem commelinales
 
Família Aristolochiaceae
Família AristolochiaceaeFamília Aristolochiaceae
Família Aristolochiaceae
 
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃOSENTIDO E FORMAS DE  PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS  DE GESTÃO
SENTIDO E FORMAS DE PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO
 
Formação Irati
Formação IratiFormação Irati
Formação Irati
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
 
Taxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemáticaTaxonomia e sistemática
Taxonomia e sistemática
 
Freinet
Freinet Freinet
Freinet
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Urano (2) ss
Urano (2) ssUrano (2) ss
Urano (2) ss
 
Intolerância á lactose
Intolerância á lactoseIntolerância á lactose
Intolerância á lactose
 
Terapia gênica
Terapia gênicaTerapia gênica
Terapia gênica
 
aborto
 aborto aborto
aborto
 

Último

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
MelissaSouza39
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 

Anfíbios - ensino fundamental

  • 2. O nome anfíbios vem do grego amphi – duas e bios – vida Quer dizer que os anfíbios possuem dois tipos de vida, ou seja, o seu ciclo de vida tem início dentro da água, sob forma de larvas e após se tornarem adultos, prossegue fora dela, em locais úmidos Na fase aquática, é chamado de GIRINO. Há espécies que não se reproduzem na água, mas em ambientes terrestres úmidos.
  • 3.
  • 4. A pele é úmida, lisa, com glândulas mucosas, sem escamas e de fácil desidratação. Por isso, habitam locais úmidos e sombreados
  • 5. Os anfíbios são considerados ectotérmicos Necessitam de energia externa (exemplo a luz solar) para se aquecerem
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Na fase de girino, os anfíbios retiram o oxigênio misturado na água através da pele e das brânquias que ficam na parte interna da boca. Depois que saem da água, passam a respirar pelos pulmões (apresentam pouca eficiência) e também através da pele (respiração cutânea) Respiração dos anfíbios
  • 11. Normalmente os anfíbios vivem em locais úmidos para evitar o ressecamento de sua pele, não prejudicando a respiração cutânea.
  • 12. Os anfíbios adultos normalmente são carnívoros; Se alimentam de caracóis, lesmas, minhocas, entre outros pequenos animais; Muitos capturam suas presas lançando sua língua pegajosa capturando-a;
  • 13. Sapos, rãs e pererecas geralmente se locomovem através de saltos. Suas patas traseiras são compridas e fortes, o que lhes permitem saltar. Salamandras caminham usando as quatro patas Cobras-cegas rastejam
  • 14.
  • 15. Os anfíbios possuem sexos separados e na maioria das vezes o acasalamento ocorre na água (gametas masculinos se desloquem até os femininos) Em muitas espécies, o macho produz sons para atrair a fêmea coaxar
  • 17.
  • 18. A fecundação é externa, ou seja, a união dos gametas ocorre fora do corpo da fêmea Os ovos são depositados em locais úmidos e sombreados, para evitar a desidratação Os ovos, ao eclodir, liberam uma larva chamada girino, que é bem diferente do animal adulto Durante o desenvolvimento dos anuros, os girinos sofrem metamorfose, e adquirem características do adulto.
  • 19.
  • 21.
  • 22. Em salamandras e cobras cegas, a fecundação é interna. Salamandras possuem rituais de acasalamento, onde o macho deposita os espermatozóides sobre uma superfície e guia a fêmea até o local. Ela os recolhe e guarda em seu interior até que os óvulos sejam liberados
  • 23.
  • 24. Do grego an = sem e uro = cauda Na fase adulta não apresentam cauda Exemplos: sapos, rãs e pererecas Apresentam corpo curto e pernas posteriores maiores que as anteriores, permitindo-lhes saltar
  • 26.
  • 27. Sapos - apresentam a pele rugosa, com bolsas nas laterais, uma atrás de cada olho, conhecidas como glândulas paratóides. São animais de hábitos mais terrestres, com locomoção lenta, quase sempre a pequenos saltos.
  • 28. Rãs: apresentam pele muito lisa e úmida, dedos de ponta afilada com membranas interdigitais em grande parte de seus representantes e locomoção rápida, com saltos de grande extensão.
  • 29. Pererecas: apresentam discos adesivos na ponta dos dedos, usados para subir na vegetação e em paredes. Possuem pele lisa e úmida e locomovem-se rapidamente através de saltos.
  • 30.
  • 31. O maior anuro conhecido é a rã-golias. Esta espécie vive nas florestas tropicais africanas e chega a pesar cerca de 3kg. Com as pernas esticadas pode alcançar quase 1 metro de comprimento.
  • 32. Um dos menores anuros conhecido é o sapo-pingo- de-ouro. Ele vive entre folhas caídas no solo da Mata Atlântica, no Brasil. Mede cerca de 1 cm de comprimento.
  • 33.
  • 34. Phyllobates terribilis Este é o animal consagrado como sendo o vertebrado mais venenoso do planeta Mais de 100 toxinas foram identificadas nesta rã.
  • 35.
  • 36. O nome vem do grego uro – cauda e delos – mais visível São anfíbios que apresentam corpo alongado e cauda, sem adaptações para saltar Exemplo: salamandras e tritão
  • 37. O nome vem do grego a – sem e pódos – pés Caracterizam-se por não possuir pernas O corpo é longo e fino, com cabeça pequena e ossos com formato que facilita o ato de cavar Tem vida aquática ou terrestre subterrânea
  • 38.
  • 39.
  • 40. Cobras-cegas Sapos, rãs e pererecas. Salamandras Ordem Principais Características Representantes Apoda Corpo cilíndrico, pele lisa e não tem pés. Anura Não tem cauda. A cabeça e o tronco não têm separação nítida. Caudata Tem cabeça e tronco definidos, cauda e quatro pernas