SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Piaget - Almada Escola Superior de Educação Tecnologias de Informação e Comunicação – Domínio da Audição e Surdez Julho/2011 Rita Brito | britoarita@gmail.com
Apresentação do professor Rita Brito (britoarita@gmail.com) ,[object Object]
 Doutoramento (Universidad de Málaga) – TIC na educação Pré-Escolar.,[object Object]
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Temas que iremos explorar
Blog do módulo e preenchimento de questionário Blog:http://piagetneetic.blogspot.com/
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Os meios de comunicação resultam de uma necessidade básica de interagir com o mundo que nos rodeia, permitindo-nos trocar ideias, expressar sentimentos, adquirir conhecimentos. Num processo crescente, o homem desenvolveu a pré-escrita (modelagem), criou a xilografia (árabes), o papel, os caracteres móveis para impressão manual e a impressão mecânica. Com o passar dos anos o livro tornou-se móvel, disponível para apropriação e uso pessoal. O jornal surgiu como veículo de transmissão de informações diárias, sendo inicialmente lido em voz alta por um letrado.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade A impressão foi, durante muito tempo, a principal tecnologia de armazenamento e disseminação das ideias, mas, ainda não satisfeito, o homem continuou a sonhar com outras formas de comunicação que o aproximassem mais facilmente de outras culturas e divulgassem o saber produzido com maior rapidez e amplitude. O homem procurava conquistar um meio mais rápido de comunicação, e dedicou-se a aperfeiçoar os meios de que dispunha para diminuir a barreira da distância e do tempo, pois somente após horas, dias, semanas é que a mensagem escrita no papel chegava às mãos do destinatário.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Com o grande crescimento das comunidades, a complexidade das guerras e das actividades sociais, era necessário uma comunicação que oferecesse mais segurança e agilidade. O código morse foi bastante difundido pelo telégrafo eléctrico.  A partir de uma evolução natural e utilizando o mesmo recurso, surgiu o telefone.  A comunicação entre as pessoas começava a tornar-se mais dinâmica.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Um novo marco na história das comunicações estabeleceu-se com a invenção do rádio. Este tinha possibilidades de alcance muito maior e chegava mais rapidamente que qualquer outro meio de comunicação. A sua forma de transmissão e recepção necessitava apenas de uma estação emissora e aparelhos para receber a emissão, por isso a mensagem podia chegar facilmente às pessoas, inicialmente nas suas casas e, com o surgimento de aparelhos portáteis, a qualquer parte para onde o aparelho fosse levado.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Popularizou-se na década de 70 a televisão. A partir de então, não só a palavra em forma de som poderia viajar pelo espaço, mas também a imagem em movimento. A televisão reuniu famílias inteiras na sala, atentas a observar o mundo que antes era apenas fruto da imaginação, e agora podia ser visto dentro das suas casas.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Até aqui, a sociedade agia meramente como espectador e não tinha meios de participarda geração de informações. Mas brevemente surgiria uma forma de comunicação que seria capaz de convergir todas os outras e mudaria essa relação para sempre.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Surge então uma tecnologia mais eficaz, que oferece todas as possibilidades já exploradas na imprensa, no rádio, na televisão, operando uma inovação: a possibilidade de interacção e a velocidade com que tudo ocorre. Referimo-nos ao aparecimento do computador e, mais tarde, a Internet. O indivíduo não fica somente no papel de receptor passivo, há a possibilidade de escolha, há decisões a serem tomadas, o volume de informações emitidas é maior, bem como a rapidez com que chegam, oportunizando-se situações que as tecnologias anteriores não possibilitavam.
1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Pode ler-se o jornal de qualquer parte do mundo, assistir a uma entrevista, participar em conferências, ouvir músicas das mais longínquas regiões do planeta, trocar correspondências, ler, discutir, conversar, tudo num único aparelho, um computador, uma máquina que está conectada a milhares de outras, formando uma complexa rede.
2. Sociedade da informação 2. Sociedade da informação
2. Sociedade da informação Desde os simples electrodomésticos, quase bens de primeira necessidade, até aos computadores, o avanço tecnológico dos últimos anos é inacreditável. Os computadores estão presentes em tudo: gestão das contas bancárias, o processamento de um texto, o check-up de um automóvel, o controlo do tráfego aéreo, a requisição de um livro numa biblioteca, a verificação de um produto em stock numa loja, a codificação dos produtos num supermercado, as análises clínicas...  Surge, assim, um novo paradigma social, que vive da informação e do conhecimento, e que tem como principal recurso a tecnologia, obrigando o cidadão a desenvolver as competências necessárias para compreender e se envolver neste novo processo, e não apenas a saber manusear correctamente as tecnologias.
2. Sociedade da informação Em qualquer local de trabalho, assim como na maioria das casas e instituições, a presença das tecnologias informáticas é notória, sendo, cada vez mais, exigida uma fluência informática em todos os aspectos da vida dos sujeitos.  Esta realidade transforma o computador numa ferramenta cada vez mais indispensável em praticamente todos os aspectos da vida do dia-a-dia, no trabalho, no lazer e na sociedade em geral.
2. Sociedade da informação As tecnologias informáticas estão presentes na sociedade e de uma forma irreversível, provocando profundas transformações no dia-a-dia, a nível individual e social, particular e profissional, influenciando drasticamente a vida humana, o tempo e o espaço e revolucionando a forma de agir, de pensar e de aprender. Está a operar-se no mundo uma transformação, e por conseguinte, no modo como é perspectivada a Educação.
3. O que são as TIC? 3. O que são as TIC?
3. O que são as TIC? O que significa a palavra “tecnologia”? A origem da palavra tecnologia vem da palavra grega tekhnologiaque significa «tratado sobre uma arte».O termo “tecnologia” normalmente é definido por um conjunto de aparelhos, máquinas, ferramentas e procedimentos utilizados na execução de uma tarefa.
3. O que são as TIC? Do ponto de vista temporal, o conceito de tecnologia é usualmente referido como algo que só recentemente existe, algo de agora, desta época, ou seja, as pessoas usualmente empregam a palavra «tecnologia» para se referirem apenas ao que foi inventado depois de elas terem nascido. No entanto, apesar de, no contexto da educação e da formação se utilizarem correntemente expressões que integram o termo tecnologia ou tecnologias, não existe ainda hoje um entendimento claro e universalmente aceite dessas expressões e dos conceitos que lhes estão subjacentes.
3. O que são as TIC? O que significa “tecnologia educativa”?Tecnologia Educativa é umconjunto de meios ou elementos  mediadores e intencionalmente concebidos que interagem com a estrutura cognitiva dos sujeitos no âmbito da educação; são recursos técnicos utilizados no ensino.
3. O que são as TIC? O que significa “Tecnologias de Informação e Comunicação” (TIC)?O termo Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) refere-se à conjugação da tecnologia computacional ou informática com a tecnologia das telecomunicações e tem na Internet, mais particularmente na WorldWide Web (WWW) a sua mais forte expressão.
3. O que são as TIC? O termo TIC pode incluir os seguintes tipos de Software e Hardware: Computadores (incluindo computadores de secretária e portáteis); Câmaras fotográficas digitais e câmaras de vídeo; Softwarediferenciado; Internet; Telefones, máquinas de fax, telemóveis e gravadores de cassete; Histórias interactivas, ambientes simulados e jogos de computador; Tecnologias de videoconferência, e circuitos fechados de televisão; Projectores e quadrosinteractivos;.......
3. O que são as TIC?
3. O que são as TIC? O que significa “Novas Tecnologias da Informação e Comunicação”?A denominação de novas tecnologias é pouco apropriada pela sua referência temporal, sendo preferível a denominação de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação).Este conceito é ambíguo visto que em qualquer momento histórico existiram novas tecnologias (NTIC). É por isso é importante contextualizar este término dentro de um período histórico. A roda, a imprensa, a máquina a vapor, foram NTIC na sua época.Na nossa sociedade actual fala-se de Tecnologia de Informação e Comunicação, no entanto as definições dadas são diversas e até contraditórias, entre outros motivos, pelos simples facto de que o próprio nome “novo” já é antigo.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Já desde finais da década de 50, e no campo da utilização do computador em Educação, o ensino programado de B.F. Skinner (E.U.A) desencadeou a geração de um paradigma de ensino – o ensino assistido por computador que, privilegiando um diálogo reactivo com o aluno, reforçou, paradoxalmente a natureza unidireccional, clássica, da mensagem pedagógica.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Vídeo com B. f. Skinner a explicar o porquê e a importância das “máquinas de ensinar”:http://www.youtube.com/watch?v=vmRmBgKQq20
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Porquê utilizar as máquinas de B.F. Skinner?Com esta máquina o aluno não tem de esperar para saber se a sua resposta está certa ou errada;Este conhecimento imediato tem 2 efeitos: leva mais rapidamente à formação do comportamento correcto e há também um efeito motivador e de entusiasmo;Ao utilizar esta máquina, o aluno progride ao seu próprio ritmo.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Na década de 60, o projecto Logo de Papert emergiu como o movimento mais representativo de um novo paradigma de ensino – bidireccional ou interactivo, privilegiando ambientes criativos de aprendizagem, caracterizados pelo desenvolvimento de estratégias de ensino flexíveis em que o aluno, interagindo com o computador, com o professor ou com os outros alunos, procurava executar tarefas de aprendizagem e resolver problemas.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Professor da Universidade Unirio mostra como trabalhar com o Logo. Aqui também o poderemos instalar no computador:http://www.youtube.com/watch?v=qQXmMkJz8AMCrianças a trabalhar com o Logo e a escrever os comandos :http://www.youtube.com/watch?v=2lA0QZTbwJshttp://www.youtube.com/watch?v=xMzojQFyMo0http://www.youtube.com/watch?v=CyC_pEH_TEE&NR=1
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Em Portugal, a partir dos anos 80 surgiram vários projectos, todos com o objectivo de inserir as TIC no ensino.Projecto Carmona (1984) (todos os níveis de ensino).Os seus principais objectivos foram:• Fortalecer a ligação entre a escola e a comunidade;• Promover a inovação;• Criar os centros escolares de informática (CEI).
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Projecto MINERVA (Meios Informáticos no Ensino-Racionalização, Valorização, Actualização) (1985).Objectivos:• Apetrechar escolas com equipamento informático;• Formar professores e formadores de professores;• Desenvolver software educacional;• Promover investigação e desenvolvimento sobre a utilização educacional das TIC nas escolas primárias e secundárias;• Potenciar as TIC como instrumento de valorização dos professores e do espaço escolar;• Desenvolver o ensino das TIC para inserção na vida activa.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal O Projecto MINERVA foi considerado como o mais relevante para a introdução e investigação das tecnologias de informação e comunicação nos ensinos básico e secundário.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Com a entrada em vigor do Regime Jurídico da Formação Contínua, foi implementado, em 1992, o Programa FOCO (Programa de Formação Contínua de Professores), destinado a educadores de infância e a professores dos ensinos básico e secundário.O Projecto MINERVA possibilitou, ainda, a muitos professores participar noutros programas como o FORJA (o Forja era um programa integrado no FOCO) que permitia equipar as escolas com uma rede de 15 computadores e proporcionava formação aos professores.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Em 1996 foi lançada a Iniciativa Nacional para a Sociedade da Informação peloConselho de Ministros da Missão para a Sociedade da Informação.Objectivos:Promoção de um amplo debate nacional que possibilitou diagnosticar e identificar as necessidades e potencialidades do país no âmbito da Sociedade da Informação e na definição de medidas concretas, de forma a cumprir o programa do Governo, tornar as escolas tecnológicas.Um inquérito levado a cabo em 1997 revelou que 76% das escolas não dispunham de computadores, verificando-se que no 1º Ciclo do Ensino Básico aquele valor chegava aos 90%.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Programa Nónio Século XXI (1996)Objectivo:Apoiar e adaptar o desenvolvimento das escolas às novas exigências da Sociedade da Informação.As escolas aderentes apresentavam, implementavam e desenvolviam o Projecto, o Ministério da Educação aprovava-o e financiava-o, e o Centro de Competências apoiava e acompanhava as escolas. Entre 1997 e 2001 o Programa Nónio Século XXI apoiou 430 projectos que envolveram mais de 750 escolas (do Pré Escolar ao Ensino Secundário). A sede dos Centros de Competências criados por este Programa proporcionou também acções de formação para professores.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal O Programa Internet na Escola:1ª fase: Instalação de um computador ligado à Internet em todas as bibliotecas das escolas do ensino público e privado, do 5º ao 12º anos de escolaridade - total de cerca de 1600 escolas; 2ª fase: ligação das escolas do 1° Ciclo do Ensino Básico à Internet.Nesse ano foram ligadas todas as escolas, públicas e privadas, do 2º e 3º ciclos, secundárias e algumas do 1º ciclo. No final de 2001 todas as 8404 escolas do 1º ciclo estavam também conectadas à Internet.
4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Edutic (2005)Objectivo: Desenvolver as TIC na Educação e dar continuidade ao Programa Nónio – Séc. XXI.CRIE (Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola) (2005) (actual).
5. As TIC como mudança educativa 5. As TIC como mudança educativa
5. As TIC como mudança educativa As TIC permitem alargar o acesso ao conhecimento, multiplicando as situações de aprendizagem, pelo recurso às potencialidades inesgotáveis das "auto-estradas da informação".Os computadores devem ser vistos como ferramentas poderosas flexíveis que podem melhorar o ensino e a aprendizagem de várias formas: tornando a aprendizagem mais atraente, correspondendo melhor às necessidades individuais das crianças, promovendo a autonomia, proporcionando o acesso a uma grande variedade de informação e encorajando os alunos a explorar e a criar.
5. As TIC como mudança educativa As soluções passam essencialmente pelo recurso a estratégias activas nas salas de aula, a novas formas de gestão dos espaços eequipamentos, que deverão incorporar adequadamente estas tecnologias.
5. As TIC como mudança educativa As TIC têm contribuído progressivamente para mudar a escola e também o seu papel na sociedade. Todavia, continua a ser necessária uma formação adequada do professor, pois este precisa de estar, não só à vontade na utilização dos diversos tipos de software, como também de conhecer as respectivas potencialidades pedagógicas e de ser capaz de obter dele o  melhor usufruto na sala de aula.
5. As TIC como mudança educativa A incorporação de tecnologia na escola, por muito avançada que essa seja, não é capaz, só por si, de se transformar em inovação pedagógica. De facto, a inovação pedagógica não reside na tecnologia, mas fora dela, na mente de quem desenhará o contexto em que a tecnologia será utilizada – o PROFESSOR.
6. Benefícios das TIC na educação 6. Benefícios das TIC na educação
6. Benefícios das TIC na educação Desenvolvimento da linguagem e a literacia:• Discurso mais complexo e fluente;• As crianças são estimuladas a usar a linguagem, sobretudo quando utilizam programas abertos que encorajam a exploração e a fantasia, como no caso dos programas de desenho, fazendo relatos enquanto desenham, deslocam objectos, ou "escrevem“;• As crianças contam histórias mais elaboradas acerca dos desenhos realizados no computador;• A interacção com os computadores estimula a comunicação verbal.
6. Benefícios das TIC na educação Linguagem escrita:A utilização de processadores de texto proporciona às crianças oportunidades de se envolverem na exploração e co-construção de conhecimentos sobre representação simbólica e desenvolvimento da literacia e de conceitos com ela relacionados, como direccionalidade da escrita, sequencialidade, etc.;A utilização de livros de história electrónicos, bem como a sua criação pelas próprias crianças e professores tem também revelado ganhos significativos. Os livros interactivos parecem contribuir para o desenvolvimento de competências ao nível de vocabulário, sintaxe e reconhecimento de palavras, bem como da compreensão da estrutura narrativa das histórias.
6. Benefícios das TIC na educação Os programas interactivos multimédia complementam o desenvolvimento da literacia na medida em que a sua componente áudio permite trabalhar questões de pronúncia, bem como proporcionar leitura silabada ou centrada em segmentos fonéticos, desenvolvendo deste modo a consciência fonológica. É inevitável, aqui, uma referência à utilização do correio electrónico, cujafacilidade de utilização aliada à instantaneidade na troca de mensagens, histórias, desenhos, etc., se revela altamente motivadora para as crianças e estimuladora da comunicação e descoberta da linguagem escrita.
6. Benefícios das TIC na educação A utilização de computadores tem também demonstrado estimular aemergência de alguns conceitos matemáticos, tais como reconhecimento de formas, contagem e classificação.
6. Benefícios das TIC na educação Para além do acesso à informação, é também possível utilizar atecnologia para transformar e produzir nova informação.Assim, por exemplo, a Internet oferece às crianças a hipótese de editarem em papel ou online os seus trabalhos, seja um jornal escolar, um projecto de pesquisa desenvolvido, ou uma história.
6. Benefícios das TIC na educação A utilização de câmaras digitais permite a realização de fóruns online,e permite às crianças contactar com cientistas, palhaços, actores, ousimplesmente com outras crianças, outras escolas ou família. Permitem também documentar experiências vividas pelas crianças no âmbito da sua comunidade ou outros contextos, facilmente editáveis no jornal escolar, no blogue da turma ou no site da escola.
6. Benefícios das TIC na educação A simples utilização do correio electrónico permite a troca de mensagens, postais animados, textos, histórias, fotografias e desenhos digitalizados, com os seus amigos, família, elementos da comunidade e correspondentes. A exposição aos olhos dos outros, importantes na esfera relacional das crianças, valoriza os seus trabalhos e atribui-lhes um sentido acrescido.Deste modo, estamos a estimular as suas capacidades comunicativas, a desenvolver a sua apetência pela escrita, a favorecer a compreensão da sua funcionalidade, sendo que o fazemos através de uma forma de comunicação que faz, também ela, parte integrante desse mundo que pretendemos que descubra e conheça.
7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) 7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais)
7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) Metas de Aprendizagem Pré-EscolarConhecimento do mundoExpressõesFormação pessoal e socialLinguagem oral e abordagem à escritaMatemáticaTecnologias de Informação e Comunicação
7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) TIC no 1º, 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico
8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal 8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal
8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal http://www.dgidc.min-edu.pt/educacaoespecial/index.php
8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal Exploração dos separadores do site:          Áreas de intervenção          Serviços de Educação especial – Redes          Estatísticas da Educação Especial          Documentos de referência          Perguntas frequentes          Documentação disponível          Biblioteca digital
9. Acessibilidade Windows para pessoas com NEE’s http://windows.microsoft.com/pt-PT/windows7/products/features/accessibility(página com vídeo e informações sobre acessibilidade) Para abrir a Central de Facilidade de Acesso, clique no botão Iniciar, em Painel de Controle, em Acessibilidade e, depois, em Central de Facilidade de Acesso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia Assistiva
Tecnologia AssistivaTecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
professorasdaoficina
 
T.A. para surdos
T.A.  para surdosT.A.  para surdos
T.A. para surdos
EDITORA ARARA AZUL
 
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesTecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Soraia Prietch
 
Comunicação aumentativa
Comunicação aumentativaComunicação aumentativa
Comunicação aumentativa
candidacruz
 
Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0Web Móvel 2.0
Livro tecnologia assistiva
Livro tecnologia assistivaLivro tecnologia assistiva
Livro tecnologia assistiva
Eduardo Santana Cordeiro
 
Tecnologia assistiva
Tecnologia assistivaTecnologia assistiva
Tecnologia assistiva
Márcio Darlen Lopes Cavalcante
 
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e AcessibilidadeTecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Soraia Prietch
 
Tecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusãoTecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusão
Cariocaseventos
 
Tecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva Tecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
Tatiane Rauber Dedé
 
Pratica de Pesquisa
Pratica de PesquisaPratica de Pesquisa
Pratica de Pesquisa
Hudson Augusto
 
Web 2.0 e Web Móvel 2.0
Web 2.0 e Web Móvel 2.0Web 2.0 e Web Móvel 2.0
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiroÓcio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ministério da Educação
 
óCio, LaZer e TIC
óCio, LaZer e TICóCio, LaZer e TIC
óCio, LaZer e TIC
Ministério da Educação
 
Normas acessibilidade joaquim colôa
Normas acessibilidade  joaquim colôaNormas acessibilidade  joaquim colôa
Normas acessibilidade joaquim colôa
Joaquim Colôa
 
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiroÓcio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ministério da Educação
 
Artigo revista tecnologia_assistiva
Artigo revista tecnologia_assistivaArtigo revista tecnologia_assistiva
Artigo revista tecnologia_assistiva
barbaragratao
 
Tecnologiaassistiva
TecnologiaassistivaTecnologiaassistiva
Tecnologiaassistiva
Patited
 
Tecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolasTecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolas
Sandrastos
 
Educação&tecnologia assistiva
Educação&tecnologia assistivaEducação&tecnologia assistiva
Educação&tecnologia assistiva
Clarissa Kauss
 

Mais procurados (20)

Tecnologia Assistiva
Tecnologia AssistivaTecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
 
T.A. para surdos
T.A.  para surdosT.A.  para surdos
T.A. para surdos
 
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesTecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
 
Comunicação aumentativa
Comunicação aumentativaComunicação aumentativa
Comunicação aumentativa
 
Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0
 
Livro tecnologia assistiva
Livro tecnologia assistivaLivro tecnologia assistiva
Livro tecnologia assistiva
 
Tecnologia assistiva
Tecnologia assistivaTecnologia assistiva
Tecnologia assistiva
 
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e AcessibilidadeTecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
 
Tecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusãoTecnologia assistiva na inclusão
Tecnologia assistiva na inclusão
 
Tecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva Tecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
 
Pratica de Pesquisa
Pratica de PesquisaPratica de Pesquisa
Pratica de Pesquisa
 
Web 2.0 e Web Móvel 2.0
Web 2.0 e Web Móvel 2.0Web 2.0 e Web Móvel 2.0
Web 2.0 e Web Móvel 2.0
 
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiroÓcio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
 
óCio, LaZer e TIC
óCio, LaZer e TICóCio, LaZer e TIC
óCio, LaZer e TIC
 
Normas acessibilidade joaquim colôa
Normas acessibilidade  joaquim colôaNormas acessibilidade  joaquim colôa
Normas acessibilidade joaquim colôa
 
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiroÓcio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
Ócio, Lazer e TIC virgílio ribeiro
 
Artigo revista tecnologia_assistiva
Artigo revista tecnologia_assistivaArtigo revista tecnologia_assistiva
Artigo revista tecnologia_assistiva
 
Tecnologiaassistiva
TecnologiaassistivaTecnologiaassistiva
Tecnologiaassistiva
 
Tecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolasTecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolas
 
Educação&tecnologia assistiva
Educação&tecnologia assistivaEducação&tecnologia assistiva
Educação&tecnologia assistiva
 

Destaque

Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
Valdemar Júnior
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
Vanessa Dagostim
 
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e as passeatas do Dia Nacional dos...
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e  as passeatas do Dia Nacional dos...O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e  as passeatas do Dia Nacional dos...
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e as passeatas do Dia Nacional dos...
antonio abreu
 
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidadePessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Inclusão de alunos surdos
Inclusão de alunos surdosInclusão de alunos surdos
Inclusão de alunos surdos
rosana bastos
 
Texto educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
Texto   educação inclusiva e língua brasileira de sinais - librasTexto   educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
Texto educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
Márcia Dos Santos
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Hardware Do Computador
Hardware Do ComputadorHardware Do Computador
Hardware Do Computador
Natércia Dias
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
mmorigami
 
Telecomunicações
TelecomunicaçõesTelecomunicações
Telecomunicações
Sofia Pais
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
aiadufmg
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
Thaisduarte
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
SimoneHelenDrumond
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
Carina Zandonai
 

Destaque (16)

Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
 
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e as passeatas do Dia Nacional dos...
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e  as passeatas do Dia Nacional dos...O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e  as passeatas do Dia Nacional dos...
O Mundo Surdo: Passeata dos Surdos – luta e as passeatas do Dia Nacional dos...
 
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidadePessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
Pessoas com deficiência visual, tecnologia assistiva e acessibilidade
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
Inclusão de alunos surdos
Inclusão de alunos surdosInclusão de alunos surdos
Inclusão de alunos surdos
 
Texto educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
Texto   educação inclusiva e língua brasileira de sinais - librasTexto   educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
Texto educação inclusiva e língua brasileira de sinais - libras
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Hardware Do Computador
Hardware Do ComputadorHardware Do Computador
Hardware Do Computador
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
 
Telecomunicações
TelecomunicaçõesTelecomunicações
Telecomunicações
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
 

Semelhante a Tecnologias de Informação e Comunicação – Domínio da Audição e Surdez - Apresentação 01

Atividade para apresentação
Atividade para apresentaçãoAtividade para apresentação
Atividade para apresentação
galrnproinfo
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
43714
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
43714
 
Tecnologia na sociedade
Tecnologia na sociedade Tecnologia na sociedade
Tecnologia na sociedade
mluisavalente
 
Trabalho da ti cs valendo
Trabalho da ti cs valendoTrabalho da ti cs valendo
Trabalho da ti cs valendo
Universidade Federal do Oeste do Pará
 
AULA 02 TICS.pptx
AULA 02 TICS.pptxAULA 02 TICS.pptx
AULA 02 TICS.pptx
Cidrone
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Gilberto Campos
 
Macro
 Macro Macro
Linguagens e Tecnologias na Educação
Linguagens e Tecnologias na EducaçãoLinguagens e Tecnologias na Educação
Linguagens e Tecnologias na Educação
novafaculdade
 
Tecnologia e ti cs
Tecnologia e ti csTecnologia e ti cs
Tecnologia e midia
Tecnologia e midiaTecnologia e midia
Tecnologia e midia
Tecnologia e midiaTecnologia e midia
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço SocialDisciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
2007011
20070112007011
A sociedade de informação na vida quoatidiana
A sociedade de informação na vida quoatidianaA sociedade de informação na vida quoatidiana
A sociedade de informação na vida quoatidiana
charmechulo
 
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃOTECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
Mayra Nascimento
 
Informatica no mundo atual
Informatica no mundo atualInformatica no mundo atual
Informatica no mundo atual
jmchavesouza
 
Clc 5 ciber_finale
Clc 5 ciber_finaleClc 5 ciber_finale
Clc 5 ciber_finale
SILVIA G. FERNANDES
 
Apropriacoes tecnologias final
Apropriacoes tecnologias finalApropriacoes tecnologias final
Apropriacoes tecnologias final
hernani dimantas
 
Atividade para apresentação.ppt linox
Atividade para apresentação.ppt linoxAtividade para apresentação.ppt linox
Atividade para apresentação.ppt linox
mestrescomolhardigital
 

Semelhante a Tecnologias de Informação e Comunicação – Domínio da Audição e Surdez - Apresentação 01 (20)

Atividade para apresentação
Atividade para apresentaçãoAtividade para apresentação
Atividade para apresentação
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
 
Tics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãOTics Na EducaçãO
Tics Na EducaçãO
 
Tecnologia na sociedade
Tecnologia na sociedade Tecnologia na sociedade
Tecnologia na sociedade
 
Trabalho da ti cs valendo
Trabalho da ti cs valendoTrabalho da ti cs valendo
Trabalho da ti cs valendo
 
AULA 02 TICS.pptx
AULA 02 TICS.pptxAULA 02 TICS.pptx
AULA 02 TICS.pptx
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
 
Macro
 Macro Macro
Macro
 
Linguagens e Tecnologias na Educação
Linguagens e Tecnologias na EducaçãoLinguagens e Tecnologias na Educação
Linguagens e Tecnologias na Educação
 
Tecnologia e ti cs
Tecnologia e ti csTecnologia e ti cs
Tecnologia e ti cs
 
Tecnologia e midia
Tecnologia e midiaTecnologia e midia
Tecnologia e midia
 
Tecnologia e midia
Tecnologia e midiaTecnologia e midia
Tecnologia e midia
 
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço SocialDisciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
 
2007011
20070112007011
2007011
 
A sociedade de informação na vida quoatidiana
A sociedade de informação na vida quoatidianaA sociedade de informação na vida quoatidiana
A sociedade de informação na vida quoatidiana
 
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃOTECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
 
Informatica no mundo atual
Informatica no mundo atualInformatica no mundo atual
Informatica no mundo atual
 
Clc 5 ciber_finale
Clc 5 ciber_finaleClc 5 ciber_finale
Clc 5 ciber_finale
 
Apropriacoes tecnologias final
Apropriacoes tecnologias finalApropriacoes tecnologias final
Apropriacoes tecnologias final
 
Atividade para apresentação.ppt linox
Atividade para apresentação.ppt linoxAtividade para apresentação.ppt linox
Atividade para apresentação.ppt linox
 

Mais de Rita Brito

Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Rita Brito
 
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Rita Brito
 
Happy families digi litey
Happy families digi liteyHappy families digi litey
Happy families digi litey
Rita Brito
 
Researching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit eyResearching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit ey
Rita Brito
 
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
Rita Brito
 
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebookConceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Rita Brito
 
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTILHERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
Rita Brito
 
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
Rita Brito
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Rita Brito
 
Creche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaçoCreche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaço
Rita Brito
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infância
Rita Brito
 
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolarObservação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Rita Brito
 
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
Rita Brito
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Rita Brito
 
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
Rita Brito
 
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
Rita Brito
 
A utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idososA utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idosos
Rita Brito
 
Cuisenaire
CuisenaireCuisenaire
Cuisenaire
Rita Brito
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
Rita Brito
 
Hábitos de higiene
Hábitos de higieneHábitos de higiene
Hábitos de higiene
Rita Brito
 

Mais de Rita Brito (20)

Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
 
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
 
Happy families digi litey
Happy families digi liteyHappy families digi litey
Happy families digi litey
 
Researching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit eyResearching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit ey
 
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
 
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebookConceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
 
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTILHERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
 
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
 
Creche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaçoCreche e ji, rotinas e espaço
Creche e ji, rotinas e espaço
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infância
 
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolarObservação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolar
 
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
 
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
 
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
 
A utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idososA utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idosos
 
Cuisenaire
CuisenaireCuisenaire
Cuisenaire
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
 
Hábitos de higiene
Hábitos de higieneHábitos de higiene
Hábitos de higiene
 

Tecnologias de Informação e Comunicação – Domínio da Audição e Surdez - Apresentação 01

  • 1. Instituto Piaget - Almada Escola Superior de Educação Tecnologias de Informação e Comunicação – Domínio da Audição e Surdez Julho/2011 Rita Brito | britoarita@gmail.com
  • 2.
  • 3.
  • 4. Temas que iremos explorar
  • 5. Temas que iremos explorar
  • 6. Temas que iremos explorar
  • 7. Temas que iremos explorar
  • 8. Temas que iremos explorar
  • 9. Temas que iremos explorar
  • 10. Temas que iremos explorar
  • 11. Temas que iremos explorar
  • 12. Temas que iremos explorar
  • 13. Temas que iremos explorar
  • 14. Temas que iremos explorar
  • 15. Blog do módulo e preenchimento de questionário Blog:http://piagetneetic.blogspot.com/
  • 16. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade
  • 17. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Os meios de comunicação resultam de uma necessidade básica de interagir com o mundo que nos rodeia, permitindo-nos trocar ideias, expressar sentimentos, adquirir conhecimentos. Num processo crescente, o homem desenvolveu a pré-escrita (modelagem), criou a xilografia (árabes), o papel, os caracteres móveis para impressão manual e a impressão mecânica. Com o passar dos anos o livro tornou-se móvel, disponível para apropriação e uso pessoal. O jornal surgiu como veículo de transmissão de informações diárias, sendo inicialmente lido em voz alta por um letrado.
  • 18. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade A impressão foi, durante muito tempo, a principal tecnologia de armazenamento e disseminação das ideias, mas, ainda não satisfeito, o homem continuou a sonhar com outras formas de comunicação que o aproximassem mais facilmente de outras culturas e divulgassem o saber produzido com maior rapidez e amplitude. O homem procurava conquistar um meio mais rápido de comunicação, e dedicou-se a aperfeiçoar os meios de que dispunha para diminuir a barreira da distância e do tempo, pois somente após horas, dias, semanas é que a mensagem escrita no papel chegava às mãos do destinatário.
  • 19. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Com o grande crescimento das comunidades, a complexidade das guerras e das actividades sociais, era necessário uma comunicação que oferecesse mais segurança e agilidade. O código morse foi bastante difundido pelo telégrafo eléctrico. A partir de uma evolução natural e utilizando o mesmo recurso, surgiu o telefone. A comunicação entre as pessoas começava a tornar-se mais dinâmica.
  • 20. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Um novo marco na história das comunicações estabeleceu-se com a invenção do rádio. Este tinha possibilidades de alcance muito maior e chegava mais rapidamente que qualquer outro meio de comunicação. A sua forma de transmissão e recepção necessitava apenas de uma estação emissora e aparelhos para receber a emissão, por isso a mensagem podia chegar facilmente às pessoas, inicialmente nas suas casas e, com o surgimento de aparelhos portáteis, a qualquer parte para onde o aparelho fosse levado.
  • 21. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Popularizou-se na década de 70 a televisão. A partir de então, não só a palavra em forma de som poderia viajar pelo espaço, mas também a imagem em movimento. A televisão reuniu famílias inteiras na sala, atentas a observar o mundo que antes era apenas fruto da imaginação, e agora podia ser visto dentro das suas casas.
  • 22. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Até aqui, a sociedade agia meramente como espectador e não tinha meios de participarda geração de informações. Mas brevemente surgiria uma forma de comunicação que seria capaz de convergir todas os outras e mudaria essa relação para sempre.
  • 23. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Surge então uma tecnologia mais eficaz, que oferece todas as possibilidades já exploradas na imprensa, no rádio, na televisão, operando uma inovação: a possibilidade de interacção e a velocidade com que tudo ocorre. Referimo-nos ao aparecimento do computador e, mais tarde, a Internet. O indivíduo não fica somente no papel de receptor passivo, há a possibilidade de escolha, há decisões a serem tomadas, o volume de informações emitidas é maior, bem como a rapidez com que chegam, oportunizando-se situações que as tecnologias anteriores não possibilitavam.
  • 24. 1. A emergência dos meios de comunicação na sociedade Pode ler-se o jornal de qualquer parte do mundo, assistir a uma entrevista, participar em conferências, ouvir músicas das mais longínquas regiões do planeta, trocar correspondências, ler, discutir, conversar, tudo num único aparelho, um computador, uma máquina que está conectada a milhares de outras, formando uma complexa rede.
  • 25. 2. Sociedade da informação 2. Sociedade da informação
  • 26. 2. Sociedade da informação Desde os simples electrodomésticos, quase bens de primeira necessidade, até aos computadores, o avanço tecnológico dos últimos anos é inacreditável. Os computadores estão presentes em tudo: gestão das contas bancárias, o processamento de um texto, o check-up de um automóvel, o controlo do tráfego aéreo, a requisição de um livro numa biblioteca, a verificação de um produto em stock numa loja, a codificação dos produtos num supermercado, as análises clínicas... Surge, assim, um novo paradigma social, que vive da informação e do conhecimento, e que tem como principal recurso a tecnologia, obrigando o cidadão a desenvolver as competências necessárias para compreender e se envolver neste novo processo, e não apenas a saber manusear correctamente as tecnologias.
  • 27. 2. Sociedade da informação Em qualquer local de trabalho, assim como na maioria das casas e instituições, a presença das tecnologias informáticas é notória, sendo, cada vez mais, exigida uma fluência informática em todos os aspectos da vida dos sujeitos. Esta realidade transforma o computador numa ferramenta cada vez mais indispensável em praticamente todos os aspectos da vida do dia-a-dia, no trabalho, no lazer e na sociedade em geral.
  • 28. 2. Sociedade da informação As tecnologias informáticas estão presentes na sociedade e de uma forma irreversível, provocando profundas transformações no dia-a-dia, a nível individual e social, particular e profissional, influenciando drasticamente a vida humana, o tempo e o espaço e revolucionando a forma de agir, de pensar e de aprender. Está a operar-se no mundo uma transformação, e por conseguinte, no modo como é perspectivada a Educação.
  • 29. 3. O que são as TIC? 3. O que são as TIC?
  • 30. 3. O que são as TIC? O que significa a palavra “tecnologia”? A origem da palavra tecnologia vem da palavra grega tekhnologiaque significa «tratado sobre uma arte».O termo “tecnologia” normalmente é definido por um conjunto de aparelhos, máquinas, ferramentas e procedimentos utilizados na execução de uma tarefa.
  • 31. 3. O que são as TIC? Do ponto de vista temporal, o conceito de tecnologia é usualmente referido como algo que só recentemente existe, algo de agora, desta época, ou seja, as pessoas usualmente empregam a palavra «tecnologia» para se referirem apenas ao que foi inventado depois de elas terem nascido. No entanto, apesar de, no contexto da educação e da formação se utilizarem correntemente expressões que integram o termo tecnologia ou tecnologias, não existe ainda hoje um entendimento claro e universalmente aceite dessas expressões e dos conceitos que lhes estão subjacentes.
  • 32. 3. O que são as TIC? O que significa “tecnologia educativa”?Tecnologia Educativa é umconjunto de meios ou elementos mediadores e intencionalmente concebidos que interagem com a estrutura cognitiva dos sujeitos no âmbito da educação; são recursos técnicos utilizados no ensino.
  • 33. 3. O que são as TIC? O que significa “Tecnologias de Informação e Comunicação” (TIC)?O termo Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) refere-se à conjugação da tecnologia computacional ou informática com a tecnologia das telecomunicações e tem na Internet, mais particularmente na WorldWide Web (WWW) a sua mais forte expressão.
  • 34. 3. O que são as TIC? O termo TIC pode incluir os seguintes tipos de Software e Hardware: Computadores (incluindo computadores de secretária e portáteis); Câmaras fotográficas digitais e câmaras de vídeo; Softwarediferenciado; Internet; Telefones, máquinas de fax, telemóveis e gravadores de cassete; Histórias interactivas, ambientes simulados e jogos de computador; Tecnologias de videoconferência, e circuitos fechados de televisão; Projectores e quadrosinteractivos;.......
  • 35. 3. O que são as TIC?
  • 36. 3. O que são as TIC? O que significa “Novas Tecnologias da Informação e Comunicação”?A denominação de novas tecnologias é pouco apropriada pela sua referência temporal, sendo preferível a denominação de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação).Este conceito é ambíguo visto que em qualquer momento histórico existiram novas tecnologias (NTIC). É por isso é importante contextualizar este término dentro de um período histórico. A roda, a imprensa, a máquina a vapor, foram NTIC na sua época.Na nossa sociedade actual fala-se de Tecnologia de Informação e Comunicação, no entanto as definições dadas são diversas e até contraditórias, entre outros motivos, pelos simples facto de que o próprio nome “novo” já é antigo.
  • 37. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos
  • 38. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Já desde finais da década de 50, e no campo da utilização do computador em Educação, o ensino programado de B.F. Skinner (E.U.A) desencadeou a geração de um paradigma de ensino – o ensino assistido por computador que, privilegiando um diálogo reactivo com o aluno, reforçou, paradoxalmente a natureza unidireccional, clássica, da mensagem pedagógica.
  • 39. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Vídeo com B. f. Skinner a explicar o porquê e a importância das “máquinas de ensinar”:http://www.youtube.com/watch?v=vmRmBgKQq20
  • 40. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Porquê utilizar as máquinas de B.F. Skinner?Com esta máquina o aluno não tem de esperar para saber se a sua resposta está certa ou errada;Este conhecimento imediato tem 2 efeitos: leva mais rapidamente à formação do comportamento correcto e há também um efeito motivador e de entusiasmo;Ao utilizar esta máquina, o aluno progride ao seu próprio ritmo.
  • 41. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Na década de 60, o projecto Logo de Papert emergiu como o movimento mais representativo de um novo paradigma de ensino – bidireccional ou interactivo, privilegiando ambientes criativos de aprendizagem, caracterizados pelo desenvolvimento de estratégias de ensino flexíveis em que o aluno, interagindo com o computador, com o professor ou com os outros alunos, procurava executar tarefas de aprendizagem e resolver problemas.
  • 42. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos Professor da Universidade Unirio mostra como trabalhar com o Logo. Aqui também o poderemos instalar no computador:http://www.youtube.com/watch?v=qQXmMkJz8AMCrianças a trabalhar com o Logo e a escrever os comandos :http://www.youtube.com/watch?v=2lA0QZTbwJshttp://www.youtube.com/watch?v=xMzojQFyMo0http://www.youtube.com/watch?v=CyC_pEH_TEE&NR=1
  • 43. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Em Portugal, a partir dos anos 80 surgiram vários projectos, todos com o objectivo de inserir as TIC no ensino.Projecto Carmona (1984) (todos os níveis de ensino).Os seus principais objectivos foram:• Fortalecer a ligação entre a escola e a comunidade;• Promover a inovação;• Criar os centros escolares de informática (CEI).
  • 44. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Projecto MINERVA (Meios Informáticos no Ensino-Racionalização, Valorização, Actualização) (1985).Objectivos:• Apetrechar escolas com equipamento informático;• Formar professores e formadores de professores;• Desenvolver software educacional;• Promover investigação e desenvolvimento sobre a utilização educacional das TIC nas escolas primárias e secundárias;• Potenciar as TIC como instrumento de valorização dos professores e do espaço escolar;• Desenvolver o ensino das TIC para inserção na vida activa.
  • 45. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal O Projecto MINERVA foi considerado como o mais relevante para a introdução e investigação das tecnologias de informação e comunicação nos ensinos básico e secundário.
  • 46. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Com a entrada em vigor do Regime Jurídico da Formação Contínua, foi implementado, em 1992, o Programa FOCO (Programa de Formação Contínua de Professores), destinado a educadores de infância e a professores dos ensinos básico e secundário.O Projecto MINERVA possibilitou, ainda, a muitos professores participar noutros programas como o FORJA (o Forja era um programa integrado no FOCO) que permitia equipar as escolas com uma rede de 15 computadores e proporcionava formação aos professores.
  • 47. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Em 1996 foi lançada a Iniciativa Nacional para a Sociedade da Informação peloConselho de Ministros da Missão para a Sociedade da Informação.Objectivos:Promoção de um amplo debate nacional que possibilitou diagnosticar e identificar as necessidades e potencialidades do país no âmbito da Sociedade da Informação e na definição de medidas concretas, de forma a cumprir o programa do Governo, tornar as escolas tecnológicas.Um inquérito levado a cabo em 1997 revelou que 76% das escolas não dispunham de computadores, verificando-se que no 1º Ciclo do Ensino Básico aquele valor chegava aos 90%.
  • 48. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Programa Nónio Século XXI (1996)Objectivo:Apoiar e adaptar o desenvolvimento das escolas às novas exigências da Sociedade da Informação.As escolas aderentes apresentavam, implementavam e desenvolviam o Projecto, o Ministério da Educação aprovava-o e financiava-o, e o Centro de Competências apoiava e acompanhava as escolas. Entre 1997 e 2001 o Programa Nónio Século XXI apoiou 430 projectos que envolveram mais de 750 escolas (do Pré Escolar ao Ensino Secundário). A sede dos Centros de Competências criados por este Programa proporcionou também acções de formação para professores.
  • 49. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal O Programa Internet na Escola:1ª fase: Instalação de um computador ligado à Internet em todas as bibliotecas das escolas do ensino público e privado, do 5º ao 12º anos de escolaridade - total de cerca de 1600 escolas; 2ª fase: ligação das escolas do 1° Ciclo do Ensino Básico à Internet.Nesse ano foram ligadas todas as escolas, públicas e privadas, do 2º e 3º ciclos, secundárias e algumas do 1º ciclo. No final de 2001 todas as 8404 escolas do 1º ciclo estavam também conectadas à Internet.
  • 50. 4. As TIC no ensino e aprendizagem: antecedentes históricos em Portugal Edutic (2005)Objectivo: Desenvolver as TIC na Educação e dar continuidade ao Programa Nónio – Séc. XXI.CRIE (Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola) (2005) (actual).
  • 51. 5. As TIC como mudança educativa 5. As TIC como mudança educativa
  • 52. 5. As TIC como mudança educativa As TIC permitem alargar o acesso ao conhecimento, multiplicando as situações de aprendizagem, pelo recurso às potencialidades inesgotáveis das "auto-estradas da informação".Os computadores devem ser vistos como ferramentas poderosas flexíveis que podem melhorar o ensino e a aprendizagem de várias formas: tornando a aprendizagem mais atraente, correspondendo melhor às necessidades individuais das crianças, promovendo a autonomia, proporcionando o acesso a uma grande variedade de informação e encorajando os alunos a explorar e a criar.
  • 53. 5. As TIC como mudança educativa As soluções passam essencialmente pelo recurso a estratégias activas nas salas de aula, a novas formas de gestão dos espaços eequipamentos, que deverão incorporar adequadamente estas tecnologias.
  • 54. 5. As TIC como mudança educativa As TIC têm contribuído progressivamente para mudar a escola e também o seu papel na sociedade. Todavia, continua a ser necessária uma formação adequada do professor, pois este precisa de estar, não só à vontade na utilização dos diversos tipos de software, como também de conhecer as respectivas potencialidades pedagógicas e de ser capaz de obter dele o melhor usufruto na sala de aula.
  • 55. 5. As TIC como mudança educativa A incorporação de tecnologia na escola, por muito avançada que essa seja, não é capaz, só por si, de se transformar em inovação pedagógica. De facto, a inovação pedagógica não reside na tecnologia, mas fora dela, na mente de quem desenhará o contexto em que a tecnologia será utilizada – o PROFESSOR.
  • 56. 6. Benefícios das TIC na educação 6. Benefícios das TIC na educação
  • 57. 6. Benefícios das TIC na educação Desenvolvimento da linguagem e a literacia:• Discurso mais complexo e fluente;• As crianças são estimuladas a usar a linguagem, sobretudo quando utilizam programas abertos que encorajam a exploração e a fantasia, como no caso dos programas de desenho, fazendo relatos enquanto desenham, deslocam objectos, ou "escrevem“;• As crianças contam histórias mais elaboradas acerca dos desenhos realizados no computador;• A interacção com os computadores estimula a comunicação verbal.
  • 58. 6. Benefícios das TIC na educação Linguagem escrita:A utilização de processadores de texto proporciona às crianças oportunidades de se envolverem na exploração e co-construção de conhecimentos sobre representação simbólica e desenvolvimento da literacia e de conceitos com ela relacionados, como direccionalidade da escrita, sequencialidade, etc.;A utilização de livros de história electrónicos, bem como a sua criação pelas próprias crianças e professores tem também revelado ganhos significativos. Os livros interactivos parecem contribuir para o desenvolvimento de competências ao nível de vocabulário, sintaxe e reconhecimento de palavras, bem como da compreensão da estrutura narrativa das histórias.
  • 59. 6. Benefícios das TIC na educação Os programas interactivos multimédia complementam o desenvolvimento da literacia na medida em que a sua componente áudio permite trabalhar questões de pronúncia, bem como proporcionar leitura silabada ou centrada em segmentos fonéticos, desenvolvendo deste modo a consciência fonológica. É inevitável, aqui, uma referência à utilização do correio electrónico, cujafacilidade de utilização aliada à instantaneidade na troca de mensagens, histórias, desenhos, etc., se revela altamente motivadora para as crianças e estimuladora da comunicação e descoberta da linguagem escrita.
  • 60. 6. Benefícios das TIC na educação A utilização de computadores tem também demonstrado estimular aemergência de alguns conceitos matemáticos, tais como reconhecimento de formas, contagem e classificação.
  • 61. 6. Benefícios das TIC na educação Para além do acesso à informação, é também possível utilizar atecnologia para transformar e produzir nova informação.Assim, por exemplo, a Internet oferece às crianças a hipótese de editarem em papel ou online os seus trabalhos, seja um jornal escolar, um projecto de pesquisa desenvolvido, ou uma história.
  • 62. 6. Benefícios das TIC na educação A utilização de câmaras digitais permite a realização de fóruns online,e permite às crianças contactar com cientistas, palhaços, actores, ousimplesmente com outras crianças, outras escolas ou família. Permitem também documentar experiências vividas pelas crianças no âmbito da sua comunidade ou outros contextos, facilmente editáveis no jornal escolar, no blogue da turma ou no site da escola.
  • 63. 6. Benefícios das TIC na educação A simples utilização do correio electrónico permite a troca de mensagens, postais animados, textos, histórias, fotografias e desenhos digitalizados, com os seus amigos, família, elementos da comunidade e correspondentes. A exposição aos olhos dos outros, importantes na esfera relacional das crianças, valoriza os seus trabalhos e atribui-lhes um sentido acrescido.Deste modo, estamos a estimular as suas capacidades comunicativas, a desenvolver a sua apetência pela escrita, a favorecer a compreensão da sua funcionalidade, sendo que o fazemos através de uma forma de comunicação que faz, também ela, parte integrante desse mundo que pretendemos que descubra e conheça.
  • 64. 7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) 7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais)
  • 65. 7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) Metas de Aprendizagem Pré-EscolarConhecimento do mundoExpressõesFormação pessoal e socialLinguagem oral e abordagem à escritaMatemáticaTecnologias de Informação e Comunicação
  • 66. 7. As TIC nos curricula em Portugal (crianças ditas normais) TIC no 1º, 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico
  • 67. 8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal 8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal
  • 68. 8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal http://www.dgidc.min-edu.pt/educacaoespecial/index.php
  • 69. 8. Currículo e programas – Educação Especial em Portugal Exploração dos separadores do site: Áreas de intervenção Serviços de Educação especial – Redes Estatísticas da Educação Especial Documentos de referência Perguntas frequentes Documentação disponível Biblioteca digital
  • 70. 9. Acessibilidade Windows para pessoas com NEE’s http://windows.microsoft.com/pt-PT/windows7/products/features/accessibility(página com vídeo e informações sobre acessibilidade) Para abrir a Central de Facilidade de Acesso, clique no botão Iniciar, em Painel de Controle, em Acessibilidade e, depois, em Central de Facilidade de Acesso.