SlideShare uma empresa Scribd logo
Primeiros Socorros
APH Básico
APH Brigada Orgânica
PRIMEIROS SOCORROS E SUPORTE BÁSICO DE VIDA
• ATENDIMENTOS - CONCEITOS BÁSICOS:
EMERGÊNCIA
• Toda condição potencialmente ameaçadora à vida ou ao
funcionamento natural de estrutura / órgão do corpo humano.
Exemplos: Obstrução de vias aéreas; parada cardíaca; dor torácica
aguda; hemorragia grave; T.C.E.; hipóxia; parto emergencial com
distócias; amputação traumática, e outros.
•
URGÊNCIA
• Referente à condição que, embora grave, geralmente não instala
ameaça imediata à vida se instaurado tratamento entre minutos e
algumas horas após a ocorrência (há autores que citam tempo
entre 20 minutos e 2 horas para o início do atendimento).
Exemplos: Dor torácica sem associação a outros sintomas
respiratórios; queimaduras; fraturas maiores; náuseas
persistentes, vômito ou diarreia; estado de pânico agudo;
hipertermia, e outros.
SINAIS VITAIS
RESPIRAÇÃO – PULSO – PRESSÃO ARTERIAL – TEMPERATURA
• RESPIRAÇÃO / R ( R ):
•
• Adulto Masculino / Feminino 10 a 20 MRPM
• Criança 20 a 30 MRPM
• Lactentes 30 a 40 MRPM
•
• PULSO / P (Fc):
•
• Adulto Masculino / Feminino 60 a 100 BPM
• Criança 100 a 120 BPM
• Lactentes 120 a 140 BPM
•
• PONTOS DE PULSO:
•
• São 05 (cinco), a saber:
•
• 1 – Carotídeo
• 2 – Braquial
• 3 – Radial
• 4 – Femural
• 5 – Pedial ou Distal.
PRESSÃO ARTERIAL / PA:
• É a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias.
•
• Pressão Sistólica: é a pressão máxima – 110 a 140 mmHg.
• Pressão Diastólica: é a pressão mínima – 60 a 90 mmHg.
TEMPERATURA / T:
• Temperatura bucal --- 36,2 a 37,0  C
• Temperatura retal --- 36,4 a 37,2  C
• Temperatura axilar --- 36,0 a 37,0  C
•
• Temperatura abaixo do normal: Sub Normal --- 35,0 a 36,0  C
• Hipotermia --- 34,0 a 35,0  C
•
• Temperatura elevada: Estado Febril --- 37,5 a 37,9  C
•
• Hipertermias: Febre --- 38 a 38,9  C
• Pirexia --- 39,0  C
• Hiperpirexia --- 39,1 a 41,0  C
AVALIAÇÃO GERAL DO PACIENTE
• Em uma situação de urgência / emergência a vítima não poderá receber
os cuidados adequados se seus problemas não forem corretamente
identificados.
•
• Com o propósito do atendimento pré-hospitalar, todo o trabalho de
avaliação deve ser feito de forma ágil, segura e detalhada - “passo a
passo”, o que permitirá determinar o estado de saúde do paciente,
identificar agravos e implementar as correspondentes ações de socorro
no Suporte Básico de Vida.
• NOTA – Sempre que possível esta avaliação tem que ser feita em equipe
e observando os seguintes passos: Identificação da cena; posicionamento
da equipe e etapas da avaliação do paciente; acionar o sistema de
emergência ou orientar o acionamento.
AVALIAÇÃO DA CENA
• Utilizar Medidas de Precaução Universal / E.P.I´s
• Verificar as condições de segurança: pessoal, do paciente, de
terceiros, e do próprio local – adotando medidas de gerenciamento
de riscos e de segurança de cena;
• Reconhecer a natureza da ocorrência e o mecanismo do trauma;
• Dimensionar o número de vítimas e a necessidade de recursos
adicionais;
• Relato das testemunhas;
• Histórico médico da vítima.
ATENÇÃO !!!
Nunca chame pela vítima antes de se assegurar
da imobilização da coluna cervical !
ANÁLISE DA VÍTIMA
(TEMPO MÁXIMO DE EXECUÇÃO DE 90 SEGUNDOS)
• Referente ao exame físico mais completo do paciente – “da cabeça aos pés” (sentido céfalo-caudal) e monitoração dos
Sinais Vitais.
•
• Avaliação do nível de consciência, verificando se o paciente está Alerta, se responde a estímulos Verbais, se responde a
estímulos Dolorosos ou Não responde;
• Exame das pupilas;
• Verificação da saída de líquor e / ou sangue pelo nariz e / ou pelo ouvido;
• Verificação dos sinais característicos de Traumatismo Crânio-Encefálico (T.C.E.): sinal de guaxinim e sinal de Battle;
• Apalpação da cabeça do paciente procurando por deformidades e ferimentos;
• Verificação do pescoço: alinhamento da traquéia e da coluna, além de possíveis ferimentos;
• (Após o exame da região do pescoço, deve-se colocar o colar cervical, continuando a sustentação da cabeça até o
posicionamento do paciente na prancha com a fixação dos apoios laterais de cabeça).
• Exames do tórax, abdome e pelve do paciente,
• proteção da coluna cervical;
Verificação do paciente
• Boa ventilação;
• Circulação assegurada, com controle de hemorragias;
• Deficiência neurológica – avaliação de status mental e de
comportamento;
• Exposição da vítima para exame físico complementar, imobilização
e transporte.
PARADA CÁRDIO-RESPIRATÓRIA
• A Parada Cárdio-Respiratória (P.C.R.) é o resultado fisiológico da
cessação dos movimentos respiratórios e dos batimentos
cardíacos, impossibilitando – primeiramente, a oxigenação dos
órgãos vitais, em seguida dos demais órgãos e tecidos do corpo.
• Inicialmente, ocorre uma dificuldade respiratória – dispnéia,
fadiga e respiração agônica; que prossegue com o quadro de
hipóxia, perda repentina da consciência – 30 a 45 segundos após a
P.C.R., evoluindo ao choque e ao óbito porque, após 4 minutos de
isquemia cerebral iniciam-se processo de lesões irreversíveis.
Principais causas:
• Obstrução respiratória
• Parada respiratória
• Arritmias cardíacas
• Infarto Agudo do Miocárdio
• Edema Agudo de Pulmão
• Distúrbios do metabolismo
• Ações de medicamentos e outras drogas
• Traumatismos Crânio Encefálico e Torácico
• Estado de choque
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM ADULTO
• As manobras de Reanimação Cardio-Pulmonar (RCP) deverão ser
aplicadas sempre que a vítima apresentar-se inconsciente com
parada cárdio-respiratória constatada na análise primária.
• 1. Constatar inconsciência.
• 2. Deitar a vítima de costas numa superfície rígida.
• 3. Liberar as vias aéreas, mantendo a coluna cervical alinhada.
• 4. Constatar respiração ausente.
• 5. Efetuar 2 (duas) ventilações.
• 6. Constatar ausência de pulso carotídeo.
• 7. Efetuar 30 (trinta) compressões torácicas.
• 8. Após cinco ciclos de 2 ventilações/ 30 compressões, verificar o
pulso na artéria carótida.
• 9. Constatação de pulso ainda ausente, reiniciar o ciclo com 2
(duas) ventilações.
• 10. Informar a Central de Operações e chamar a Unidade de
Suporte Avançado (U.S.A.) ou Suporte Avançado de Vida (S.A.V.)
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM CRIANÇA E
BEBÊ
• 1. Constatar inconsciência.
• 2. Deitar o bebê de costas numa superfície rígida.
• 3. Liberar as vias aéreas.
• 4. Efetuar 2 (duas) ventilações.
• 5. Constatar ausência de pulso carotídeo na criança e pulso braquial no bebê.
• 6. Efetuar 30 compressões torácicas.
• 7. Efetuar 02 ventilações.
• 8. Efetuar 30 compressões torácicas.
• 9. Após 05 ciclos de 2 ventilações / 30 compressões verificar novamente o
pulso.
• 10. Na persistência do pulso ausente, reiniciar o ciclo com 02 ventilações.
• ATENÇÃO !!!
• Não interromper as manobras de RCP por mais de cinco
segundos contínuos.
• Durante a troca de posições ou verificação de pulso as pessoas
não podem interromper a RCP por mais de 5 segundos.
• As manobras de RCP não serão aplicadas nas seguintes situações:
• - A vítima apresentar sinais evidentes e indiscutíveis que tornam óbvia a
• impossibilidade de reanimação, tais como: decapitação, calcinação,
esquartejamento.
• - A vítima apresentar sinais tais como: rigidez cadavérica, manchas
hipostáticas, decomposição e putrefação.
• As manobras de RCP somente poderão ser interrompidas quando:
• - Houver retorno do pulso carotídeo e da respiração da vítima;
• - Um médico assumir o caso.
• Se houver pulso e não houver respiração, manter a ventilação artificial
como orientado anteriormente.
OBSTRUÇÃO RESPIRATÓRIA
• É a diminuição ou impedimento total da passagem do ar através
das Vias Aéreas Superiores (V.A.S.) da vítima pela presença de
corpos estranhos produzindo engasgamento.
VÍTIMA CONSCIENTE ENGASGADA
• Pergunte para a vítima se ela pode falar;
• Se ela não puder falar, coloque-se por trás da vítima e posicione-
se para efetuar as manobras de Heimlich:
• Utilize a mão em punho, devendo a outra mão firmar a primeira.
• Efetue repetidas compressões no abdome – se adulto ou criança, e
compressões no osso esterno em gestantes ou obesos, até a desobstrução ou
chegada do socorro adequado.
• Repita os passos anteriores enquanto necessário.
• VÍTIMA INCONSCIENTE ENGASGADA
•
• Verifique estado de inconsciência.
• Executar a abertura de vias aéreas, utilizando-se da tríplice
manobra.
• Verificar respiração.
• Caso a vítima não respire, efetue duas insuflações.
• Se o tórax não se elevar, repetir a liberação das vias aéreas e as
ventilações.
• Se a obstrução persistir, efetue as manobras de Reanimação Cárdio
Pulmonar (R.C.P.).
• Após a manobra, tente visualizar e remover objetos estranhos.
• Se persistir a obstrução, repita todos os passos anteriores até a
desobstrução ou chegada do socorro adequado.
HEMORRAGIAS E ESTADO DE CHOQUE
• HEMORRAGIA: É a perda abundante e aguda de sangue circulante,
evidenciada ou não. As hemorragias podem ser internas ou externas,
classificando-se em arterial, venosa e capilar.
•
• RECONHECIMENTO DE HEMORRAGIAS EXTERNAS
•
• - Observar se há presença de sangue nas roupas.
• - Observar se há presença de sangue no local onde está a vítima.
• - Observar saída de sangue pelo ferimento.
• - Observar sinais e sintomas de choque.
CONDUTA
• 1- Fazer uma compressão direta e firme sobre o ferimento, com uma
compressa de gaze ou campo operatório, até parar o sangramento.
• 2- Fixar a compressa de gaze ou o campo operatório com uma atadura de
crepom.
• 3- Elevar o membro nas hemorragias de extremidades, exceto nas
ocorrências que apresentem fraturas abertas.
• 4- Caso o sangramento persista, comprimir os pontos arteriais,
anteriores ao ferimento.
• 5- Se o sangramento não cessar, realizar compressão direta sobre com o
dedo indicador e polegar, no vaso rompido.
• 6- Transportar a vítima na posição de choque.
• ATENÇÃO !!!
•
• Nunca remover a compressa de gaze após aplicá-la sobre o
ferimento, se necessário, coloque outras por cima se o
sangramento não parar.
• Nos ferimentos na cabeça não fazer compressão forte no local.
SUSPEITA DE HEMORRAGIA INTERNA
• - Observar presença de grandes hematomas.
• - Observar saída de sangue por orifícios naturais (ouvido, nariz,
boca, vagina, ânus...).
• - Relacionar a lesão com a natureza da ocorrência.
• - Verificar a queixa principal da vítima.
• - Observar sinais e sintomas de choque hemodinâmico.
•
CONDUTA:
• 1- Tratar a vítima como em choque hemodinâmico:
• 2- Deitar a vítima com as pernas elevadas, aproximadamente 30
cm.
• 3- Manter a permeabilidade das vias aéreas.
• 4- Administrar oxigênio através de máscara facial.
• 5- Afrouxar suas roupas.
• 6- Manter a vítima aquecida.
• 7- Não obstruir a saída de sangue através dos orifícios naturais.
• ATENÇÃO !!!
•
• Nas hemorragias provenientes de orifícios naturais da cabeça
e da face, suspeitar de TCE (traumatismo crânio encefálico) e
transportar a vítima em decúbito horizontal sem elevação das
pernas ou cabeça.
ESTADO DE CHOQUE
• É a reação de falência hemodinâmica do organismo a uma
condição de falha na entrega do suprimento necessário de sangue
para a manutenção das funções vitais, ocasionando a perfusão
inadequada dos tecidos. Os estados de choque podem ser:
• Hipovolêmico
• Cardiogênico
• Distributivo (Séptico, anafilático, neurogênico e pirogênico).
• Choque pirogênico caracteriza-se por uma reação febril devido a
presença de pirógenos (agentes que fazem aumentar a
temperatura corporal) e contaminação de solução e materiais
utilizados em procedimentos que tenham tido contato endovenoso
(punção). Os sinais e sintomas são:
* Hipotensão acentuada-sendo que ás vezes não se consegue medir
a PA;
* A pele em geral apresenta palidez, sudorese, podendo apresentar
cianose periférica;
* Hipotermia;
* Pulso rápido e fino;
* Alterações emocionais, podendo apresentar agitação, confusão
mental ou apatia;
* Taquipnéia e superficial;
* Oligúria.
RECONHECIMENTO DE CHOQUE
HEMODINÂMICO
• SINAIS E SINTOMAS QUE PODEM INDICAR CHOQUE HEMODINÂMICO:
• - Pele pálida, úmida e fria.
• - Pulso fraco e rápido (adulto maior que 100 bpm, bebês e crianças maior que 120 bpm).
• - Perfusão capilar lenta ou nula.
• - Pressão sistólica, em adulto, menor que 90 mmHg.
• - Respiração rápida e superficial.
• - Sede excessiva e tremores.
• - Agitação.
• Vertigens, desmaio e perda da consciência.
• NOTA:
• A vítima deve ser analisada como um todo, pois nem sempre a totalidade dos sinais podem estar presentes
na fase inicial.
• Os sinais mais precoces do choque hemodinâmico são os dois primeiros da lista.
CONDUTA NO CHOQUE HEMODINÂMICO
• 1- Deitar a vítima com as pernas elevadas, aproximadamente 30
cm.
• 2- Manter a permeabilidade das vias aéreas.
• 3- Administrar oxigênio através de máscara facial.
• 4- Afrouxar suas roupas.
• 5- Manter a vítima aquecida.
• 6- Monitorar a freqüência cardíaca e a pressão sistólica a cada
cinco minutos, inclusive durante o deslocamento.
• ATENÇÃO !!!
• No caso de vítimas de trauma, deve-se ter especial cuidado com a coluna
cervical, mantendo o paciente em decúbito dorsal horizontalizado e
imobilizado na prancha longa e observar o seguinte:
• Nos casos de T.C.E., traumas de tórax e problemas cardíacos, elevar a
parte superior da prancha cerca de 30 cm.
• Nos outros casos eleva-se a parte inferior da prancha cerca de 30 cm.
• Deve-se estar preparado para a ocorrência de vômitos: no caso de vítimas
de trauma, imobilizá-la na prancha longa e virar de lado a prancha; nos
casos clínicos transportar o paciente na posição de coma (decúbito lateral
esquerdo com o membro inferior direito fletido e o esquerdo estendido.
• Não dar alimentos ou líquidos para o paciente !
FERIMENTOS E TRAUMAS
TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO
• 1. RECONHECIMENTO
•
• - Verificar o MECANISMO DA LESÃO.
• - Verificar o nível de consciência.
• - Perguntar à vítima consciente sobre as suas queixas (cefaléia,
vertigens, visão turva, e/ou náusea.
• - Observar presença de ferimento e/ou hemorragia no couro cabeludo.
• - Palpar toda a região crânio encefálica procurando sentir fraturas ou
deformações sem exercer pressão.
• - Verificar presença de hematoma nas pálpebras e/ou atrás das orelhas
(Sinal de guaxinim e Sinal de Battle).
• - Observar saída de sangue e / ou líquor pelo ouvido e / ou pelo
nariz.
• - Verificar se houve confusão mental, desorientação e amnésia.
• - Verificar tamanho e reatividade à luz das pupilas.
• - Observar desigualdade das pupilas (anisocoria).
• - Verificar alterações do padrão respiratório.
• - Observar presença de vômitos.
• - Verificar deficiência de sensibilidade e / ou movimentos em
algum segmento do corpo.
CONDUTA:
• 1- Manter as vias aéreas permeáveis, conservando o alinhamento da coluna
cervical.
• 2- Administrar oxigênio, através de máscara facial.
• 3- Controlar as hemorragias, sem obstruir saída de sangue e/ou líquor dos
ouvidos e nariz.
• 4- Cobrir e proteger ferimentos abertos, sem exercer pressão excessiva.
• 5- Manter o paciente em repouso, imobilizado e aquecido.
• 6- Monitorar a cada 5 minutos os Sinais Vitais, perfusão capilar e continuamente
o nível de consciência / e sinais evolutivos do estado de choque.
• 7- Transportar a vítima imobilizada na prancha longa em decúbito dorsal com a
cabeceira elevada cerca de 30 cm.
•
• ATENÇÃO !!!
•
• Considerar toda vítima de traumatismo crânio encefálico
também como vítima de trauma de coluna cervical associado.
• Durante a avaliação evitar manobras que possam agravar
possível lesão cervical
• Não é necessária a presença de um ferimento externo para que
a vítima apresente traumatismo crânio encefálico, às vezes
somente o mecanismo de aceleração e desaceleração bruscas
são suficientes para causar um trauma crânio encefálico.
• Deve-se estar preparado para a ocorrência de vômitos e para
uma eventual parada respiratória ou cárdio-respiratória.
TRAUMAS DE FACE
• 1- Verificar a permeabilidade das vias aéreas, mantendo a coluna
cervical alinhada.
• 2- Aplicar curativo sem exercer forte pressão.
• 3- Utilizar para o curativo a bandagem triangular ou atadura de crepe.
• 4- Não retirar objetos empalados, exceto, aqueles transfixados na
bochecha que devem ser retirados quando possível.
• 5- Estabilizar o objeto com auxílio de gaze, atadura e bandagem.
• 6- Estar atento aos sinais e sintomas de traumatismo crânio encefálico.
Nesse caso, transportar em decúbito elevado.
• Não efetuar tamponamento compressivo nos ferimentos na cabeça.
• ATENÇÃO !!!
•
• Ferimentos de face associados a fraturas são graves, sendo
necessárias manobras de S.A.V. para a manutenção das vias
aéreas.
• Manter a coluna cervical imóvel durante os procedimentos,
pois é grande a possibilidade de existir lesão na coluna
cervical nas vítimas com ferimento de cabeça e face.
• Nas crianças os ferimentos extensos de cabeça podem levar
rapidamente ao choque por perda sangüínea.
TRAUMAS DE COLUNA
• RECONHECIMENTO:
• - Verificar o MECANISMO DA LESÃO, associando o tipo de acidente com a suspeita de lesão.
• - Examinar cuidadosamente através de palpação o pescoço, traqueia e toda a extensão da
coluna cervical, torácica, lombar e coccígea, procurando deformidades, desalinhamentos,
edemas e / ou crepitação e avaliando os sinais de dor.
• - Verificar se há perda ou diminuição da sensibilidade e/ou movimentação dos membros,
avaliando-os simetricamente.
• - Observar presença de priapismo (ereção peniana sem estimulo sexual).
• - Observar perda do controle dos esfíncteres vesicais (eliminação involuntária de urina e/ou
fezes).
• - Observar o padrão respiratório. No caso de vítima consciente, pedir a mesma que faça uma
inspiração profunda, caso não o consiga este é um dos sinais de lesão de coluna.
CONDUTA:
• 1- Manter as vias aéreas permeáveis, conservando o alinhamento da coluna
cervical.
• 2- Verificar se há desvio de traqueia ou se os vasos do pescoço estão distendidos.
• 3- Administrar oxigênio, através de máscara facial.
• 4- Monitorar Sinais Vitais, nível de consciência, perfusão capilar e evolução para o
estado de choque.
• 5- Em vítimas que estejam sentadas, imobilizar com a prancha curta ou o “KED”
antes de movimentá-la para a prancha longa.
• 6- Em vítimas que estejam deitadas, imobilizar na prancha longa antes de
movimentá-la.
• 7- Transportar com o mínimo de movimentação possível, mantendo a vítima
tranqüila e aquecida.
• ATENÇÃO !!!
•
• No caso de desvio de traqueia e / ou distensão dos vasos do
pescoço avisar a Central de Operações e acionar Suporte
Avançado de Vida.
• Estar preparado para a ocorrência de vômitos, fixando bem a
vítima na prancha para o caso de giro lateral.
AMPUTAÇÃO E AVULSÃO
• Conter hemorragia empregando as técnicas apropriadas descritas
anteriores.
• Cobrir as partes amputadas / avulsionadas com compressas
limpas.
• 3- Prevenir o choque hemodinâmico.
• 4- Localizar o segmento amputado.
• 5- Conduzir o segmento amputado juntamente com a vítima.
• 6- Envolvê-lo com plástico protetor esterilizado e colocá-lo em um
recipiente com gelo, se possível.
• ATENÇÃO !!!
•
• Estar alerta para a rapidez da evolução para o choque
hemodinâmico e o estado de coma nas grandes amputações e /
ou avulsões.
• Não colocar o segmento amputado em contato direto com gelo,
água ou outra substância.
• Caso haja grande perde de sangue ou sinal de choque
hemodinâmico, não perder tempo em procurar o membro
amputado ou em providenciar gelo.
QUEIMADURAS
• É toda lesão produzida nos tecidos de revestimento do organismo
e mucosas, podendo comprometer pele, músculos, vasos
sanguíneos, nervos e ossos. Dividem-se em Térmicas, Químicas,
Elétricas, Por Luz Intensa e Radiação.
CLASSIFICAÇÃO:
• Por profundidade:
• Queimadura de 1º grau: Lesão da camada mais superficial da pele, a
epiderme, caracterizada por dor e vermelhidão local, sem bolhas.
• Queimadura de 2º grau: Lesão de camada superficial e intermediária da
pele com dor e vermelhidão mais intensas. Há formação de bolhas.
• Queimadura de 3º grau: Lesão de todas as camadas da pele, com
destruição de tecidos e terminações nervosas.
• Por extensão:
• • Pequenos Queimados (menos de 10% da área corporal queimada).
• • Grandes Queimados (a partir de 10% da área corporal queimada).
• ATENÇÃO !!!
• São consideradas graves as seguintes queimaduras: Elétricas,
em períneo, com mais de 10% de área corporal queimada e
com lesão de vias aéreas.
RECONHECIMENTO DA QUEIMADURA
• Pele vermelha na área queimada.
• - Dor intensa no(s) local(is) queimado(s).
• - Presença de bolhas.
• - Necrose de tecido.
• - Perda da sensibilidade na área necrosada.
REGRAS GERAIS P/ ABORDAGEM VÍTIMAS
QUEIMADAS
• Interromper o contato da vítima com o agente lesivo (térmico, químico ou elétrico).
• - Assegurar a vítima a manutenção básica da vida.
• - Proteger a vítima e suas lesões de outros agravos durante o transporte.
• - Avaliar as condições de segurança do local. Se necessário, remover a vítima para
local seguro antes de prosseguir o atendimento.
• - Identificar o tipo de acidente, tipo de queimadura, através de indícios ou
testemunhas.
• - Proceder a avaliação inicial da vítima assegurando vias aéreas permeáveis,
respiração e circulação.
• - Qualquer vítima com lesões por queimadura pode também ter sido vítima de
trauma comumente associados a este tipo de acidente. Portanto, especial atenção
deve ser dada à proteção da coluna cervical, à possibilidade de choque
hemodinâmico e existência de fraturas.
CONDUTA PARA ATENDIMENTO DE VÍTIMAS DE
QUEIMADURAS TÉRMICAS
• Se a vítima estiver com fogo nas vestes role-a no chão ou envolva um cobertor em seu corpo a partir do pescoço em direção aos pés.
• 2. Interromper a reação de calor, resfriando a vítima com soro fisiológico ou água limpa a temperatura ambiente.
• 3. Retirar as vestes, sem arrancá-las, cortando-as com tesoura. Não arrancar o tecido se estiver aderido à queimadura, apenas resfriá-lo com soro
fisiológico ou água limpa a temperatura ambiente, deixando-o no local.
• 4. Retirar das extremidades anéis, pulseiras, relógios e outros adereços antes que o a parte afetada edemacie.
• 5. Avaliar as regiões do corpo acometidas, a profundidade da lesão (1º, 2º ou 3º grau), e a sua extensão.
• 6. Caso haja acometimento da face (queimadura de pele, cabelos ou pêlos do nariz e das pálpebras) ou possibilidade de que a vítima tenha
inalado fumaça ou gases, dar especial atenção às vias aéreas e respiração, fornecendo oxigênio por máscara facial. Cobrir os olhos da vítima com
gaze umedecida em soro ou água limpa.
• 7. Proteger as áreas queimadas com gaze e bandagens limpas e umedecidas com água limpa ou soro fisiológico.
• 8. Se a área afetada envolver mãos ou pés, separar os dedos com pequenos rolos de gaze umedecida em soro fisiológico antes de cobri-los.
• 9. Cobrir a vítima com lençol descartável.
• Vítimas com queimaduras podem apresentar choque hemodinâmico. Estar atento para reconhecer esta condição. Neste caso, transportar a vítima
na posição de choque.
•
CONDUTA PARA ATENDIMENTO DE VÍTIMAS DE
QUEIMADURAS QUÍMICAS
• 1. Antes de manipular qualquer vítima que ainda esteja em contato com
o agente agressor (no ambiente, nas vestes, ou na pele), proteger-se de
sua exposição (luvas, óculos e vestimenta de proteção). Se possível,
identificar o agente agressor.
• 2. Retirar as vestes da vítima que estiverem impregnadas pelo produto e
lavar a pele com água corrente, abundantemente. No mínimo 5 minutos
para ácidos e 15 minutos para álcali.
• 3. Se o produto for seco (na forma granulado ou pó), retirá-lo
manualmente sem friccionar (com pano seco ou escova). Em seguida
lavar o local com água corrente no mínimo 5 minutos para ácidos e 15
minutos para álcali.
• 4. Na suspeita de liberação de gases, administrar oxigênio por máscara
facial à vítima.
• ATENÇÃO !!!
•
• No caso de produtos secos, não utilizar água ou líquidos antes de retirá-los
pois poderão dissolver aumentando a área de contato com o agente e assim
produzir uma queimadura mais extensa.
• Nunca furar as bolhas e não aplicar qualquer produto nas áreas afetadas.
•
• Se a lesão for nos olhos, lavá-los bem com água corrente ou soro fisiológico
em abundância no mínimo durante 15 minutos, cobrindo-os depois com
curativo úmido, estéril, mantidos a cada cinco minutos. Fazer a irrigação
sempre do centro para o canto externo do olho.
CHOQUE ELÉTRICO
• Acidente causado pelo contato com corrente de alta ou baixa
tensão elétrica contínua ou alternada. A gravidade das lesões
dependerá da resistência da pele e das estruturas internas do
corpo; do tipo de polaridade da corrente; da frequência,
intensidade e duração da corrente.
VIAS DE ENTRADA E SAÍDA DA CORRENTE:
• Mão – mão;
• Mão – pé;
• Pé – pé.
•
• NOTA: O quadro clínico por choque elétrico provoca agravos
secundários de queimaduras, alterações cardiopulmonares,
complicações neurológicas, lesões musculares e alterações
vasculares sistêmicas.
RECONHECIMENTO DE VÍTIMA DE CHOQUE ELÉTRICO
• a) O choque elétrico pode provocar:
• - Parada cárdio-respiratória devido às descargas elétricas de alta
tensão.
• - Duas queimaduras, indicando ponto de entrada e saída da
corrente elétrica.
• - Traumas associados, como fraturas, luxações, contusões.
• b) Sinais e sintomas:
• - Distúrbios da visão.
• - Zumbido no ouvido.
• - Paralisia dos músculos da respiração.
• - Lesões musculares.
• - Lesões nos ossos e nas articulações decorrentes da violenta contração
muscular.
• - Lesão da medula com ou sem fratura das vértebras.
• - Queda brusca da pressão arterial.
• - Ritmo irregular do coração.
• - Convulsões.
• c) Fatores que determinam a gravidade do acidente:
• - Voltagem.
• - Amperagem
• - Umidade da vítima e do ambiente.
• - Isolamento.
• - Área atravessada
• -.Tempo de contato com a fonte causadora
CONDUTA COM A VÍTIMA DE CHOQUE ELÉTRICO
• 1. Afastar a fonte elétrica da vítima.
• 2. Verificar se a energia foi cortada e escoada antes de abordar a vítima.
• 3. Usar sempre EPI específico.
• 4. Realizar análise primária da vítima.
• 5. Manter a permeabilidade das vias aéreas e estabilizar a coluna cervical da vítima.
• 6. Iniciar RCPC se necessário, conforme procedimento próprio (capítulo 06).
• 7. Tratar as queimaduras conforme procedimento próprio.
• 8. Tratar os ferimentos conforme procedimento próprio, relativos a trauma em
geral.
• 9. Transportar imediatamente a vítima, prevenindo o choque hemodinâmico.
• 10. Dar suporte emocional à vítima durante o atendimento.
• ATENÇÃO!!!
•
• CUIDADOS COM O LOCAL DO ACIDENTE
•
• Providenciar o isolamento do local e avisar imediatamente a Companhia
Elétrica (Cemig, etc...) para desligar a energia, caso o acidente tenha
ocorrido em via pública.
• No caso de recintos fechados, isolar o local e desligar imediatamente a
fonte de alimentação da corrente elétrica.
• Utilizar sempre EPI específico.
• Considerar fios caídos sempre como energizados.
• Se os fios estiverem em contato com veículos, orientar as vítimas a
permanecerem no seu interior até que a companhia de eletricidade possa
desenergizá-los, a não ser que haja risco iminente de incêndio ou
explosões; nestas situações, orientar a vítima a pular do veículo sem
fechar o circuito com o solo.
• Não esquecer de desligar a fonte de energia e certificar-se de que não há
mais corrente elétrica antes de acessar a vítima.
• Considerar a vítima de choque elétrico sempre como grave, mesmo que não
haja sinais externos que indiquem isto.
FRATURAS, LESÕES MÚSCULO ESQUELÉTICAS E
TÉCNICAS DE IMOBILIZAÇÃO
• - Fraturas: perda da continuidade óssea.
• - Luxações: perda da congruência articular.
• - Entorses: lesão de ligamentos e tendões.
• - Contusões: contusões de partes moles (pele, músculo, vaso
sanguíneo).
RECONHECIMENTO
• Verificar o MECANISMO DA LESÃO.
• - Presença de dor aguda.
• - Observar deformidade, movimentos anormais ou incapacidade funcional.
• - Observar encurtamento.
• - Presença de edema, equimose ou hematoma.
• - Observar alteração da cor da pele.
• - Presença de crepitação.
• - Observar exposição óssea.
• - Verificar se há complicação examinando a porção distal à lesão, palmando o
pulso e pesquisando a sensibilidade, motricidade e perfusão capilar.
CONDUTA
• 1- Tratar, primeiramente, as lesões que ameaçam a vida, detectadas na análise primária e início da
secundária.
• 2- Cortar a roupa na região da lesão e retirar objetos como relógio, pulseiras, anéis.
• 3- Cobrir ferimentos com gaze seca, atadura ou bandagem.
• 4- Não tentar introduzir um osso exposto.
• 5- Avaliar o pulso distal, perfusão capilar, sensibilidade e mobilidade.
• 6- Alinhar fraturas conforme necessidade e possibilidade.
• 7- Imobilizar com o mínimo de movimentação possível do membro, conforme procedimentos específicos.
• 8- Avaliar pulso distal, perfusão capilar após a imobilização.
• 9- Ao imobilizar, abranger uma articulação imediatamente acima e outra imediatamente abaixo do ponto
lesionado.
• 10- Ao imobilizar lesões em articulações abranger o osso acima e o osso que está abaixo da articulação.
• ATENÇÃO !!!
• Objetivos da imobilização: reduzir a dor, prevenir lesões
adicionais, diminuir sangramento. Na dúvida, se há ou não fratura,
sempre imobilizar.
• Os procedimentos adotados neste manual aplicam-se a suspeita de
fratura ou fratura indistintamente, uma vez que diagnóstico de
fratura requer confirmação radiológica.
• Lesões músculo-esqueléticas só são manipuladas durante a análise,
exceto quando ameaçam a vida.
• Suspeitar de fratura mesmo com a presença de apenas um sinal e/ou
sintoma.
• Não se distrair das prioridades por causa de uma fratura que cause
uma deformidade impressionante.
• - Tentar alinhar o membro de forma suave, exercendo uma leve
tração.
• - Tentar o alinhamento somente em ossos longos (úmero, rádio, ulna,
fêmur, tíbia e fíbula).
• - Tentar apenas uma única vez, se houver resistência não forçar.
• - Imobilizar na posição encontrada se houver resistência.
• - Avaliar o pulso distal, perfusão capilar, sensibilidade e mobilidade antes e após a
tentativa de alinhamento.
• Não alinhar fraturas expostas, fraturas envolvendo articulações e nem luxações.
• Estar alerta para a possibilidade de choque hemodinâmico nas vítimas com fratura de
pelve e / ou fêmur.
•
• Examinar detalhadamente a região pélvica em busca de sinais de grande hemorragia
interna por rompimento da artéria femural (sangramento pelos orifícios genito-
urinários, e edema da bolsa escrotal por acúmulo e retenção de sangue).
• Pacientes com estes sinais requerem assistência médico cirúrgica imediata!
•
DESMAIOS E CONVULSÕES
Desmaio
É a diminuição da circulação e oxigenação cerebral
• Causas:
• Ambientes com muitas pessoas, sem uma adequada ventilação.
• Emoções fortes
• Fome
• Insolação
• Inadequado recebimento de circulação e oxigênio no cérebro
• Dor intensa
• Outras causas
• Sinais e Sintomas:
• Palidez (pele descorada)
• Pulso rápido e fraco
• Sudorese (suor)
• Perda dos sentidos
Atendimento:
• Arejar o ambiente, ou transportar a vítima para um local com melhor
ventilação.
• Elevar os membros inferiores, com uma mochila, roupas, etc. com isso, o
sangue circula em maior quantidade no cérebro e nos órgãos nobres.
• Lateralizar a cabeça, evitando que a vítima venha a se asfixiar em caso
de vômito.
• Afrouxar a roupa, para uma melhor circulação.
• Faça-a sentar e respirar fundo, após auxilie-a a dar uma volta,
respirando fundo e devagar.
• Com isso, o organismo se readapta a posição vertical e evita que ela
possa desmaiar novamente, o que pode ocorrer se ela levantar
bruscamente.
Se ainda não houve o desmaio:
• Quando a vítima está prestes a desmaiar, faça outro
procedimento:
• Sentar a vítima numa cadeira, fazer com que ela coloque a cabeça
entre as coxas e o socorrista faça pressão na nuca para baixo (com
a palma da mão), enquanto ela força a cabeça para cima por
alguns segundos. Esse movimento fará com que aumente a
quantidade de sangue e oxigênio no cérebro.
• Realize esse procedimento 3 a 4 vezes.
CONVULSÕES
• Conceito: Distúrbio que ocorre no cérebro, podendo ocasionar contrações involuntárias da musculatura, provocando
movimentos desordenados e em geral, perda da consciência.
• Causas:
• Acidentes com traumatismo crânio encefálico
• Febre alta
• Epilepsia
• Alcoolismo
• Drogas
• Determinados medicamentos
• Tumores cerebrais
• Lesões neurológicas
• Choque elétrico
• Origem desconhecida
• Outras causas
Sinais e Sintomas:
• Agitação psicomotora
• Espasmos musculares (contrações) ou não
• Salivação intensa ("baba")
• Perda dos sentidos
• Relaxamento dos esfíncteres, podendo urinar e evacuar, durante a
convulsão.
Atendimento:
• Afastar objetos do chão que possam causar lesões ou fraturas
• Afastar os curiosos, dar espaço para a vítima.
• Proteger a cabeça da vítima com a mão, roupa, travesseiro, etc.
• Lateralizar a cabeça, evitando que a vítima se asfixie com a secreção.
• Não imobilizar membros (braços e pernas), deixá-los livres, apenas
segure-os.
• Afrouxar as roupas
• Observar se a respiração está adequada, se não há obstrução das vias
aéreas.
• Não tracionar a língua ou colocar objetos na boca para segurar a língua
(tipo colher, caneta, madeira, dedos, etc.).
• Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel, para facilitar a
respiração.
• Após passar a convulsão, se a vítima quiser dormir, deixe-a descansar enquanto
aguarda o socorro.
• Não medique a vítima, mesmo que ela tenha os medicamentos. Os reflexos não
estão totalmente recuperados, e ela pode se afogar ao engolir o comprimido e a
água.
• Se a convulsão for provocada por febre alta (geralmente em crianças), além dos
procedimentos descritos no atendimento, dê-lhe um banho com água morna de
chuveiro, vista-a com roupas leves e providencie a atendimento médico.
• Se a convulsão for provocada por acidente ou atropelamento, não retire a
vítima do local, atenda-a e aguarde a chegada do socorro médico É uma
situação grave e oferece risco à vida, se for transportada inadequadamente,
pode morrer.
Estado Pós-Convulsivo
• Sono
• Dificuldade para falar
• Palavras sem nexo
• A vítima sai caminhando sem direção, etc.
• Não deixe a vítima sozinha nesta fase, pois ela pode ser
atropelada, sofrer uma queda e estar sujeita a situações que
podem trazer maiores complicações.
KNR ENGENHARIA E SEGURANÇA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
Mauricio Cesar Soares
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
Oberlania Alves
 
Ovace
OvaceOvace
Manobra Heimlich
Manobra HeimlichManobra Heimlich
Manobra Heimlich
LF Martins
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
Nilton Goulart
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
andreportellaal
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Alexandra Leal
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
Rodrigo Camilo Araujo
 
Primeiros Socorros - Avaliação da vítima
Primeiros Socorros - Avaliação da vítimaPrimeiros Socorros - Avaliação da vítima
Primeiros Socorros - Avaliação da vítima
URCA - Universidade Regional do Cariri
 
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Hitalo Vieira
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
elisangela messias
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aph
AphAph
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Ana Hollanders
 
Hemorragias e ferimentos
Hemorragias e ferimentosHemorragias e ferimentos
Hemorragias e ferimentos
DiegoAugusto86
 
Nr – 06
Nr – 06Nr – 06
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 

Mais procurados (20)

Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Manobra Heimlich
Manobra HeimlichManobra Heimlich
Manobra Heimlich
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
 
Primeiros Socorros - Avaliação da vítima
Primeiros Socorros - Avaliação da vítimaPrimeiros Socorros - Avaliação da vítima
Primeiros Socorros - Avaliação da vítima
 
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Aph
AphAph
Aph
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
 
Hemorragias e ferimentos
Hemorragias e ferimentosHemorragias e ferimentos
Hemorragias e ferimentos
 
Nr – 06
Nr – 06Nr – 06
Nr – 06
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 

Semelhante a Primeiros Socorros

Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
neenahshare
 
APH.ppt
APH.pptAPH.ppt
APH.ppt
naimmoreira
 
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVARPRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
Ingrid789856
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
RafaelAraujo259
 
DESMAME VM.pptx
DESMAME VM.pptxDESMAME VM.pptx
DESMAME VM.pptx
ssusera86a80
 
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
AlexandreTolosa1
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vida
GuilhermeRafael22
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitáriaBoas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
Fernando Amaral de Calais
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Juliana Santos
 
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdfREANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
CamilaNunes401195
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
DevidBruce
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
DevidBruce
 
Simpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista VeterinárioSimpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista Veterinário
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdfAula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 

Semelhante a Primeiros Socorros (20)

Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
 
APH.ppt
APH.pptAPH.ppt
APH.ppt
 
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVARPRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
DESMAME VM.pptx
DESMAME VM.pptxDESMAME VM.pptx
DESMAME VM.pptx
 
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vida
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitáriaBoas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
Boas práticas para aferição da pressão arterial em farmácia comunitária
 
Assistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítimaAssistência de enfermagem ao homem vítima
Assistência de enfermagem ao homem vítima
 
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdfREANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
 
Simpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista VeterinárioSimpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista Veterinário
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdfAula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
 

Mais de DiegoAugusto86

legislação Básica
legislação Básicalegislação Básica
legislação Básica
DiegoAugusto86
 
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptxABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
DiegoAugusto86
 
legislao basica.pptx
legislao basica.pptxlegislao basica.pptx
legislao basica.pptx
DiegoAugusto86
 
Combate a Incêndio - Urbano avançado
Combate a Incêndio - Urbano avançadoCombate a Incêndio - Urbano avançado
Combate a Incêndio - Urbano avançado
DiegoAugusto86
 
Segurança contra incêndio e pânico
Segurança contra incêndio e pânico Segurança contra incêndio e pânico
Segurança contra incêndio e pânico
DiegoAugusto86
 
Equipamentos de incêndio
Equipamentos de incêndio Equipamentos de incêndio
Equipamentos de incêndio
DiegoAugusto86
 
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOPREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
DiegoAugusto86
 
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃOMÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
DiegoAugusto86
 
Teoria do Fogo
Teoria do FogoTeoria do Fogo
Teoria do Fogo
DiegoAugusto86
 
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
DiegoAugusto86
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
DiegoAugusto86
 
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
 MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
DiegoAugusto86
 
riscos em instalações e serviços com eletricidade
riscos em instalações e serviços com eletricidaderiscos em instalações e serviços com eletricidade
riscos em instalações e serviços com eletricidade
DiegoAugusto86
 
Anexos NR 33
Anexos NR 33Anexos NR 33
Anexos NR 33
DiegoAugusto86
 
Guia Técnico Da NR33
Guia Técnico Da NR33Guia Técnico Da NR33
Guia Técnico Da NR33
DiegoAugusto86
 
Nr 33 básico gestão segurança e saúde
Nr 33 básico   gestão segurança e saúdeNr 33 básico   gestão segurança e saúde
Nr 33 básico gestão segurança e saúde
DiegoAugusto86
 
Glossário NR 33
Glossário NR 33Glossário NR 33
Glossário NR 33
DiegoAugusto86
 
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr  35 capacete cordas e cadeirinhasNr  35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
DiegoAugusto86
 
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
DiegoAugusto86
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
DiegoAugusto86
 

Mais de DiegoAugusto86 (20)

legislação Básica
legislação Básicalegislação Básica
legislação Básica
 
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptxABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
ABNT_BombeiroCivil-Comentada.pptx
 
legislao basica.pptx
legislao basica.pptxlegislao basica.pptx
legislao basica.pptx
 
Combate a Incêndio - Urbano avançado
Combate a Incêndio - Urbano avançadoCombate a Incêndio - Urbano avançado
Combate a Incêndio - Urbano avançado
 
Segurança contra incêndio e pânico
Segurança contra incêndio e pânico Segurança contra incêndio e pânico
Segurança contra incêndio e pânico
 
Equipamentos de incêndio
Equipamentos de incêndio Equipamentos de incêndio
Equipamentos de incêndio
 
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOPREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO
 
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃOMÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
 
Teoria do Fogo
Teoria do FogoTeoria do Fogo
Teoria do Fogo
 
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
NORMAS ABNT SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
 
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
 MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
MEDIDAS DE CONTROLE DOS RISCOS ELÉTRICOS
 
riscos em instalações e serviços com eletricidade
riscos em instalações e serviços com eletricidaderiscos em instalações e serviços com eletricidade
riscos em instalações e serviços com eletricidade
 
Anexos NR 33
Anexos NR 33Anexos NR 33
Anexos NR 33
 
Guia Técnico Da NR33
Guia Técnico Da NR33Guia Técnico Da NR33
Guia Técnico Da NR33
 
Nr 33 básico gestão segurança e saúde
Nr 33 básico   gestão segurança e saúdeNr 33 básico   gestão segurança e saúde
Nr 33 básico gestão segurança e saúde
 
Glossário NR 33
Glossário NR 33Glossário NR 33
Glossário NR 33
 
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr  35 capacete cordas e cadeirinhasNr  35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
 
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Primeiros Socorros

  • 3.
  • 4. PRIMEIROS SOCORROS E SUPORTE BÁSICO DE VIDA • ATENDIMENTOS - CONCEITOS BÁSICOS:
  • 5. EMERGÊNCIA • Toda condição potencialmente ameaçadora à vida ou ao funcionamento natural de estrutura / órgão do corpo humano. Exemplos: Obstrução de vias aéreas; parada cardíaca; dor torácica aguda; hemorragia grave; T.C.E.; hipóxia; parto emergencial com distócias; amputação traumática, e outros. •
  • 6. URGÊNCIA • Referente à condição que, embora grave, geralmente não instala ameaça imediata à vida se instaurado tratamento entre minutos e algumas horas após a ocorrência (há autores que citam tempo entre 20 minutos e 2 horas para o início do atendimento). Exemplos: Dor torácica sem associação a outros sintomas respiratórios; queimaduras; fraturas maiores; náuseas persistentes, vômito ou diarreia; estado de pânico agudo; hipertermia, e outros.
  • 7.
  • 8. SINAIS VITAIS RESPIRAÇÃO – PULSO – PRESSÃO ARTERIAL – TEMPERATURA • RESPIRAÇÃO / R ( R ): • • Adulto Masculino / Feminino 10 a 20 MRPM • Criança 20 a 30 MRPM • Lactentes 30 a 40 MRPM •
  • 9. • PULSO / P (Fc): • • Adulto Masculino / Feminino 60 a 100 BPM • Criança 100 a 120 BPM • Lactentes 120 a 140 BPM • • PONTOS DE PULSO: • • São 05 (cinco), a saber: • • 1 – Carotídeo • 2 – Braquial • 3 – Radial • 4 – Femural • 5 – Pedial ou Distal.
  • 10. PRESSÃO ARTERIAL / PA: • É a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias. • • Pressão Sistólica: é a pressão máxima – 110 a 140 mmHg. • Pressão Diastólica: é a pressão mínima – 60 a 90 mmHg.
  • 11. TEMPERATURA / T: • Temperatura bucal --- 36,2 a 37,0  C • Temperatura retal --- 36,4 a 37,2  C • Temperatura axilar --- 36,0 a 37,0  C • • Temperatura abaixo do normal: Sub Normal --- 35,0 a 36,0  C • Hipotermia --- 34,0 a 35,0  C • • Temperatura elevada: Estado Febril --- 37,5 a 37,9  C • • Hipertermias: Febre --- 38 a 38,9  C • Pirexia --- 39,0  C • Hiperpirexia --- 39,1 a 41,0  C
  • 12.
  • 13. AVALIAÇÃO GERAL DO PACIENTE • Em uma situação de urgência / emergência a vítima não poderá receber os cuidados adequados se seus problemas não forem corretamente identificados. • • Com o propósito do atendimento pré-hospitalar, todo o trabalho de avaliação deve ser feito de forma ágil, segura e detalhada - “passo a passo”, o que permitirá determinar o estado de saúde do paciente, identificar agravos e implementar as correspondentes ações de socorro no Suporte Básico de Vida. • NOTA – Sempre que possível esta avaliação tem que ser feita em equipe e observando os seguintes passos: Identificação da cena; posicionamento da equipe e etapas da avaliação do paciente; acionar o sistema de emergência ou orientar o acionamento.
  • 14. AVALIAÇÃO DA CENA • Utilizar Medidas de Precaução Universal / E.P.I´s • Verificar as condições de segurança: pessoal, do paciente, de terceiros, e do próprio local – adotando medidas de gerenciamento de riscos e de segurança de cena; • Reconhecer a natureza da ocorrência e o mecanismo do trauma; • Dimensionar o número de vítimas e a necessidade de recursos adicionais; • Relato das testemunhas; • Histórico médico da vítima.
  • 15. ATENÇÃO !!! Nunca chame pela vítima antes de se assegurar da imobilização da coluna cervical !
  • 16. ANÁLISE DA VÍTIMA (TEMPO MÁXIMO DE EXECUÇÃO DE 90 SEGUNDOS) • Referente ao exame físico mais completo do paciente – “da cabeça aos pés” (sentido céfalo-caudal) e monitoração dos Sinais Vitais. • • Avaliação do nível de consciência, verificando se o paciente está Alerta, se responde a estímulos Verbais, se responde a estímulos Dolorosos ou Não responde; • Exame das pupilas; • Verificação da saída de líquor e / ou sangue pelo nariz e / ou pelo ouvido; • Verificação dos sinais característicos de Traumatismo Crânio-Encefálico (T.C.E.): sinal de guaxinim e sinal de Battle; • Apalpação da cabeça do paciente procurando por deformidades e ferimentos; • Verificação do pescoço: alinhamento da traquéia e da coluna, além de possíveis ferimentos; • (Após o exame da região do pescoço, deve-se colocar o colar cervical, continuando a sustentação da cabeça até o posicionamento do paciente na prancha com a fixação dos apoios laterais de cabeça). • Exames do tórax, abdome e pelve do paciente, • proteção da coluna cervical;
  • 17. Verificação do paciente • Boa ventilação; • Circulação assegurada, com controle de hemorragias; • Deficiência neurológica – avaliação de status mental e de comportamento; • Exposição da vítima para exame físico complementar, imobilização e transporte.
  • 19. • A Parada Cárdio-Respiratória (P.C.R.) é o resultado fisiológico da cessação dos movimentos respiratórios e dos batimentos cardíacos, impossibilitando – primeiramente, a oxigenação dos órgãos vitais, em seguida dos demais órgãos e tecidos do corpo. • Inicialmente, ocorre uma dificuldade respiratória – dispnéia, fadiga e respiração agônica; que prossegue com o quadro de hipóxia, perda repentina da consciência – 30 a 45 segundos após a P.C.R., evoluindo ao choque e ao óbito porque, após 4 minutos de isquemia cerebral iniciam-se processo de lesões irreversíveis.
  • 20. Principais causas: • Obstrução respiratória • Parada respiratória • Arritmias cardíacas • Infarto Agudo do Miocárdio • Edema Agudo de Pulmão • Distúrbios do metabolismo • Ações de medicamentos e outras drogas • Traumatismos Crânio Encefálico e Torácico • Estado de choque
  • 21. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM ADULTO • As manobras de Reanimação Cardio-Pulmonar (RCP) deverão ser aplicadas sempre que a vítima apresentar-se inconsciente com parada cárdio-respiratória constatada na análise primária.
  • 22. • 1. Constatar inconsciência. • 2. Deitar a vítima de costas numa superfície rígida. • 3. Liberar as vias aéreas, mantendo a coluna cervical alinhada. • 4. Constatar respiração ausente. • 5. Efetuar 2 (duas) ventilações. • 6. Constatar ausência de pulso carotídeo. • 7. Efetuar 30 (trinta) compressões torácicas. • 8. Após cinco ciclos de 2 ventilações/ 30 compressões, verificar o pulso na artéria carótida. • 9. Constatação de pulso ainda ausente, reiniciar o ciclo com 2 (duas) ventilações. • 10. Informar a Central de Operações e chamar a Unidade de Suporte Avançado (U.S.A.) ou Suporte Avançado de Vida (S.A.V.)
  • 23. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR EM CRIANÇA E BEBÊ • 1. Constatar inconsciência. • 2. Deitar o bebê de costas numa superfície rígida. • 3. Liberar as vias aéreas. • 4. Efetuar 2 (duas) ventilações. • 5. Constatar ausência de pulso carotídeo na criança e pulso braquial no bebê. • 6. Efetuar 30 compressões torácicas. • 7. Efetuar 02 ventilações. • 8. Efetuar 30 compressões torácicas. • 9. Após 05 ciclos de 2 ventilações / 30 compressões verificar novamente o pulso. • 10. Na persistência do pulso ausente, reiniciar o ciclo com 02 ventilações.
  • 24. • ATENÇÃO !!! • Não interromper as manobras de RCP por mais de cinco segundos contínuos. • Durante a troca de posições ou verificação de pulso as pessoas não podem interromper a RCP por mais de 5 segundos.
  • 25. • As manobras de RCP não serão aplicadas nas seguintes situações: • - A vítima apresentar sinais evidentes e indiscutíveis que tornam óbvia a • impossibilidade de reanimação, tais como: decapitação, calcinação, esquartejamento. • - A vítima apresentar sinais tais como: rigidez cadavérica, manchas hipostáticas, decomposição e putrefação. • As manobras de RCP somente poderão ser interrompidas quando: • - Houver retorno do pulso carotídeo e da respiração da vítima; • - Um médico assumir o caso. • Se houver pulso e não houver respiração, manter a ventilação artificial como orientado anteriormente.
  • 27. • É a diminuição ou impedimento total da passagem do ar através das Vias Aéreas Superiores (V.A.S.) da vítima pela presença de corpos estranhos produzindo engasgamento.
  • 28. VÍTIMA CONSCIENTE ENGASGADA • Pergunte para a vítima se ela pode falar; • Se ela não puder falar, coloque-se por trás da vítima e posicione- se para efetuar as manobras de Heimlich: • Utilize a mão em punho, devendo a outra mão firmar a primeira. • Efetue repetidas compressões no abdome – se adulto ou criança, e compressões no osso esterno em gestantes ou obesos, até a desobstrução ou chegada do socorro adequado. • Repita os passos anteriores enquanto necessário.
  • 29. • VÍTIMA INCONSCIENTE ENGASGADA • • Verifique estado de inconsciência. • Executar a abertura de vias aéreas, utilizando-se da tríplice manobra. • Verificar respiração. • Caso a vítima não respire, efetue duas insuflações. • Se o tórax não se elevar, repetir a liberação das vias aéreas e as ventilações. • Se a obstrução persistir, efetue as manobras de Reanimação Cárdio Pulmonar (R.C.P.). • Após a manobra, tente visualizar e remover objetos estranhos. • Se persistir a obstrução, repita todos os passos anteriores até a desobstrução ou chegada do socorro adequado.
  • 30. HEMORRAGIAS E ESTADO DE CHOQUE • HEMORRAGIA: É a perda abundante e aguda de sangue circulante, evidenciada ou não. As hemorragias podem ser internas ou externas, classificando-se em arterial, venosa e capilar. • • RECONHECIMENTO DE HEMORRAGIAS EXTERNAS • • - Observar se há presença de sangue nas roupas. • - Observar se há presença de sangue no local onde está a vítima. • - Observar saída de sangue pelo ferimento. • - Observar sinais e sintomas de choque.
  • 31. CONDUTA • 1- Fazer uma compressão direta e firme sobre o ferimento, com uma compressa de gaze ou campo operatório, até parar o sangramento. • 2- Fixar a compressa de gaze ou o campo operatório com uma atadura de crepom. • 3- Elevar o membro nas hemorragias de extremidades, exceto nas ocorrências que apresentem fraturas abertas. • 4- Caso o sangramento persista, comprimir os pontos arteriais, anteriores ao ferimento. • 5- Se o sangramento não cessar, realizar compressão direta sobre com o dedo indicador e polegar, no vaso rompido. • 6- Transportar a vítima na posição de choque.
  • 32. • ATENÇÃO !!! • • Nunca remover a compressa de gaze após aplicá-la sobre o ferimento, se necessário, coloque outras por cima se o sangramento não parar. • Nos ferimentos na cabeça não fazer compressão forte no local.
  • 33. SUSPEITA DE HEMORRAGIA INTERNA • - Observar presença de grandes hematomas. • - Observar saída de sangue por orifícios naturais (ouvido, nariz, boca, vagina, ânus...). • - Relacionar a lesão com a natureza da ocorrência. • - Verificar a queixa principal da vítima. • - Observar sinais e sintomas de choque hemodinâmico. •
  • 34. CONDUTA: • 1- Tratar a vítima como em choque hemodinâmico: • 2- Deitar a vítima com as pernas elevadas, aproximadamente 30 cm. • 3- Manter a permeabilidade das vias aéreas. • 4- Administrar oxigênio através de máscara facial. • 5- Afrouxar suas roupas. • 6- Manter a vítima aquecida. • 7- Não obstruir a saída de sangue através dos orifícios naturais.
  • 35. • ATENÇÃO !!! • • Nas hemorragias provenientes de orifícios naturais da cabeça e da face, suspeitar de TCE (traumatismo crânio encefálico) e transportar a vítima em decúbito horizontal sem elevação das pernas ou cabeça.
  • 36. ESTADO DE CHOQUE • É a reação de falência hemodinâmica do organismo a uma condição de falha na entrega do suprimento necessário de sangue para a manutenção das funções vitais, ocasionando a perfusão inadequada dos tecidos. Os estados de choque podem ser: • Hipovolêmico • Cardiogênico • Distributivo (Séptico, anafilático, neurogênico e pirogênico).
  • 37. • Choque pirogênico caracteriza-se por uma reação febril devido a presença de pirógenos (agentes que fazem aumentar a temperatura corporal) e contaminação de solução e materiais utilizados em procedimentos que tenham tido contato endovenoso (punção). Os sinais e sintomas são: * Hipotensão acentuada-sendo que ás vezes não se consegue medir a PA; * A pele em geral apresenta palidez, sudorese, podendo apresentar cianose periférica; * Hipotermia; * Pulso rápido e fino; * Alterações emocionais, podendo apresentar agitação, confusão mental ou apatia; * Taquipnéia e superficial; * Oligúria.
  • 38. RECONHECIMENTO DE CHOQUE HEMODINÂMICO • SINAIS E SINTOMAS QUE PODEM INDICAR CHOQUE HEMODINÂMICO: • - Pele pálida, úmida e fria. • - Pulso fraco e rápido (adulto maior que 100 bpm, bebês e crianças maior que 120 bpm). • - Perfusão capilar lenta ou nula. • - Pressão sistólica, em adulto, menor que 90 mmHg. • - Respiração rápida e superficial. • - Sede excessiva e tremores. • - Agitação. • Vertigens, desmaio e perda da consciência. • NOTA: • A vítima deve ser analisada como um todo, pois nem sempre a totalidade dos sinais podem estar presentes na fase inicial. • Os sinais mais precoces do choque hemodinâmico são os dois primeiros da lista.
  • 39. CONDUTA NO CHOQUE HEMODINÂMICO • 1- Deitar a vítima com as pernas elevadas, aproximadamente 30 cm. • 2- Manter a permeabilidade das vias aéreas. • 3- Administrar oxigênio através de máscara facial. • 4- Afrouxar suas roupas. • 5- Manter a vítima aquecida. • 6- Monitorar a freqüência cardíaca e a pressão sistólica a cada cinco minutos, inclusive durante o deslocamento.
  • 40. • ATENÇÃO !!! • No caso de vítimas de trauma, deve-se ter especial cuidado com a coluna cervical, mantendo o paciente em decúbito dorsal horizontalizado e imobilizado na prancha longa e observar o seguinte: • Nos casos de T.C.E., traumas de tórax e problemas cardíacos, elevar a parte superior da prancha cerca de 30 cm. • Nos outros casos eleva-se a parte inferior da prancha cerca de 30 cm. • Deve-se estar preparado para a ocorrência de vômitos: no caso de vítimas de trauma, imobilizá-la na prancha longa e virar de lado a prancha; nos casos clínicos transportar o paciente na posição de coma (decúbito lateral esquerdo com o membro inferior direito fletido e o esquerdo estendido. • Não dar alimentos ou líquidos para o paciente !
  • 42. TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO • 1. RECONHECIMENTO • • - Verificar o MECANISMO DA LESÃO. • - Verificar o nível de consciência. • - Perguntar à vítima consciente sobre as suas queixas (cefaléia, vertigens, visão turva, e/ou náusea. • - Observar presença de ferimento e/ou hemorragia no couro cabeludo. • - Palpar toda a região crânio encefálica procurando sentir fraturas ou deformações sem exercer pressão. • - Verificar presença de hematoma nas pálpebras e/ou atrás das orelhas (Sinal de guaxinim e Sinal de Battle).
  • 43. • - Observar saída de sangue e / ou líquor pelo ouvido e / ou pelo nariz. • - Verificar se houve confusão mental, desorientação e amnésia. • - Verificar tamanho e reatividade à luz das pupilas. • - Observar desigualdade das pupilas (anisocoria). • - Verificar alterações do padrão respiratório. • - Observar presença de vômitos. • - Verificar deficiência de sensibilidade e / ou movimentos em algum segmento do corpo.
  • 44. CONDUTA: • 1- Manter as vias aéreas permeáveis, conservando o alinhamento da coluna cervical. • 2- Administrar oxigênio, através de máscara facial. • 3- Controlar as hemorragias, sem obstruir saída de sangue e/ou líquor dos ouvidos e nariz. • 4- Cobrir e proteger ferimentos abertos, sem exercer pressão excessiva. • 5- Manter o paciente em repouso, imobilizado e aquecido. • 6- Monitorar a cada 5 minutos os Sinais Vitais, perfusão capilar e continuamente o nível de consciência / e sinais evolutivos do estado de choque. • 7- Transportar a vítima imobilizada na prancha longa em decúbito dorsal com a cabeceira elevada cerca de 30 cm.
  • 45. • • ATENÇÃO !!! • • Considerar toda vítima de traumatismo crânio encefálico também como vítima de trauma de coluna cervical associado. • Durante a avaliação evitar manobras que possam agravar possível lesão cervical • Não é necessária a presença de um ferimento externo para que a vítima apresente traumatismo crânio encefálico, às vezes somente o mecanismo de aceleração e desaceleração bruscas são suficientes para causar um trauma crânio encefálico. • Deve-se estar preparado para a ocorrência de vômitos e para uma eventual parada respiratória ou cárdio-respiratória.
  • 46. TRAUMAS DE FACE • 1- Verificar a permeabilidade das vias aéreas, mantendo a coluna cervical alinhada. • 2- Aplicar curativo sem exercer forte pressão. • 3- Utilizar para o curativo a bandagem triangular ou atadura de crepe. • 4- Não retirar objetos empalados, exceto, aqueles transfixados na bochecha que devem ser retirados quando possível. • 5- Estabilizar o objeto com auxílio de gaze, atadura e bandagem. • 6- Estar atento aos sinais e sintomas de traumatismo crânio encefálico. Nesse caso, transportar em decúbito elevado. • Não efetuar tamponamento compressivo nos ferimentos na cabeça.
  • 47. • ATENÇÃO !!! • • Ferimentos de face associados a fraturas são graves, sendo necessárias manobras de S.A.V. para a manutenção das vias aéreas. • Manter a coluna cervical imóvel durante os procedimentos, pois é grande a possibilidade de existir lesão na coluna cervical nas vítimas com ferimento de cabeça e face. • Nas crianças os ferimentos extensos de cabeça podem levar rapidamente ao choque por perda sangüínea.
  • 48. TRAUMAS DE COLUNA • RECONHECIMENTO: • - Verificar o MECANISMO DA LESÃO, associando o tipo de acidente com a suspeita de lesão. • - Examinar cuidadosamente através de palpação o pescoço, traqueia e toda a extensão da coluna cervical, torácica, lombar e coccígea, procurando deformidades, desalinhamentos, edemas e / ou crepitação e avaliando os sinais de dor. • - Verificar se há perda ou diminuição da sensibilidade e/ou movimentação dos membros, avaliando-os simetricamente. • - Observar presença de priapismo (ereção peniana sem estimulo sexual). • - Observar perda do controle dos esfíncteres vesicais (eliminação involuntária de urina e/ou fezes). • - Observar o padrão respiratório. No caso de vítima consciente, pedir a mesma que faça uma inspiração profunda, caso não o consiga este é um dos sinais de lesão de coluna.
  • 49. CONDUTA: • 1- Manter as vias aéreas permeáveis, conservando o alinhamento da coluna cervical. • 2- Verificar se há desvio de traqueia ou se os vasos do pescoço estão distendidos. • 3- Administrar oxigênio, através de máscara facial. • 4- Monitorar Sinais Vitais, nível de consciência, perfusão capilar e evolução para o estado de choque. • 5- Em vítimas que estejam sentadas, imobilizar com a prancha curta ou o “KED” antes de movimentá-la para a prancha longa. • 6- Em vítimas que estejam deitadas, imobilizar na prancha longa antes de movimentá-la. • 7- Transportar com o mínimo de movimentação possível, mantendo a vítima tranqüila e aquecida.
  • 50. • ATENÇÃO !!! • • No caso de desvio de traqueia e / ou distensão dos vasos do pescoço avisar a Central de Operações e acionar Suporte Avançado de Vida. • Estar preparado para a ocorrência de vômitos, fixando bem a vítima na prancha para o caso de giro lateral.
  • 51. AMPUTAÇÃO E AVULSÃO • Conter hemorragia empregando as técnicas apropriadas descritas anteriores. • Cobrir as partes amputadas / avulsionadas com compressas limpas. • 3- Prevenir o choque hemodinâmico. • 4- Localizar o segmento amputado. • 5- Conduzir o segmento amputado juntamente com a vítima. • 6- Envolvê-lo com plástico protetor esterilizado e colocá-lo em um recipiente com gelo, se possível.
  • 52. • ATENÇÃO !!! • • Estar alerta para a rapidez da evolução para o choque hemodinâmico e o estado de coma nas grandes amputações e / ou avulsões. • Não colocar o segmento amputado em contato direto com gelo, água ou outra substância. • Caso haja grande perde de sangue ou sinal de choque hemodinâmico, não perder tempo em procurar o membro amputado ou em providenciar gelo.
  • 53. QUEIMADURAS • É toda lesão produzida nos tecidos de revestimento do organismo e mucosas, podendo comprometer pele, músculos, vasos sanguíneos, nervos e ossos. Dividem-se em Térmicas, Químicas, Elétricas, Por Luz Intensa e Radiação.
  • 54. CLASSIFICAÇÃO: • Por profundidade: • Queimadura de 1º grau: Lesão da camada mais superficial da pele, a epiderme, caracterizada por dor e vermelhidão local, sem bolhas. • Queimadura de 2º grau: Lesão de camada superficial e intermediária da pele com dor e vermelhidão mais intensas. Há formação de bolhas. • Queimadura de 3º grau: Lesão de todas as camadas da pele, com destruição de tecidos e terminações nervosas. • Por extensão: • • Pequenos Queimados (menos de 10% da área corporal queimada). • • Grandes Queimados (a partir de 10% da área corporal queimada).
  • 55. • ATENÇÃO !!! • São consideradas graves as seguintes queimaduras: Elétricas, em períneo, com mais de 10% de área corporal queimada e com lesão de vias aéreas.
  • 56. RECONHECIMENTO DA QUEIMADURA • Pele vermelha na área queimada. • - Dor intensa no(s) local(is) queimado(s). • - Presença de bolhas. • - Necrose de tecido. • - Perda da sensibilidade na área necrosada.
  • 57. REGRAS GERAIS P/ ABORDAGEM VÍTIMAS QUEIMADAS • Interromper o contato da vítima com o agente lesivo (térmico, químico ou elétrico). • - Assegurar a vítima a manutenção básica da vida. • - Proteger a vítima e suas lesões de outros agravos durante o transporte. • - Avaliar as condições de segurança do local. Se necessário, remover a vítima para local seguro antes de prosseguir o atendimento. • - Identificar o tipo de acidente, tipo de queimadura, através de indícios ou testemunhas. • - Proceder a avaliação inicial da vítima assegurando vias aéreas permeáveis, respiração e circulação. • - Qualquer vítima com lesões por queimadura pode também ter sido vítima de trauma comumente associados a este tipo de acidente. Portanto, especial atenção deve ser dada à proteção da coluna cervical, à possibilidade de choque hemodinâmico e existência de fraturas.
  • 58. CONDUTA PARA ATENDIMENTO DE VÍTIMAS DE QUEIMADURAS TÉRMICAS • Se a vítima estiver com fogo nas vestes role-a no chão ou envolva um cobertor em seu corpo a partir do pescoço em direção aos pés. • 2. Interromper a reação de calor, resfriando a vítima com soro fisiológico ou água limpa a temperatura ambiente. • 3. Retirar as vestes, sem arrancá-las, cortando-as com tesoura. Não arrancar o tecido se estiver aderido à queimadura, apenas resfriá-lo com soro fisiológico ou água limpa a temperatura ambiente, deixando-o no local. • 4. Retirar das extremidades anéis, pulseiras, relógios e outros adereços antes que o a parte afetada edemacie. • 5. Avaliar as regiões do corpo acometidas, a profundidade da lesão (1º, 2º ou 3º grau), e a sua extensão. • 6. Caso haja acometimento da face (queimadura de pele, cabelos ou pêlos do nariz e das pálpebras) ou possibilidade de que a vítima tenha inalado fumaça ou gases, dar especial atenção às vias aéreas e respiração, fornecendo oxigênio por máscara facial. Cobrir os olhos da vítima com gaze umedecida em soro ou água limpa. • 7. Proteger as áreas queimadas com gaze e bandagens limpas e umedecidas com água limpa ou soro fisiológico. • 8. Se a área afetada envolver mãos ou pés, separar os dedos com pequenos rolos de gaze umedecida em soro fisiológico antes de cobri-los. • 9. Cobrir a vítima com lençol descartável. • Vítimas com queimaduras podem apresentar choque hemodinâmico. Estar atento para reconhecer esta condição. Neste caso, transportar a vítima na posição de choque. •
  • 59. CONDUTA PARA ATENDIMENTO DE VÍTIMAS DE QUEIMADURAS QUÍMICAS • 1. Antes de manipular qualquer vítima que ainda esteja em contato com o agente agressor (no ambiente, nas vestes, ou na pele), proteger-se de sua exposição (luvas, óculos e vestimenta de proteção). Se possível, identificar o agente agressor. • 2. Retirar as vestes da vítima que estiverem impregnadas pelo produto e lavar a pele com água corrente, abundantemente. No mínimo 5 minutos para ácidos e 15 minutos para álcali. • 3. Se o produto for seco (na forma granulado ou pó), retirá-lo manualmente sem friccionar (com pano seco ou escova). Em seguida lavar o local com água corrente no mínimo 5 minutos para ácidos e 15 minutos para álcali. • 4. Na suspeita de liberação de gases, administrar oxigênio por máscara facial à vítima.
  • 60. • ATENÇÃO !!! • • No caso de produtos secos, não utilizar água ou líquidos antes de retirá-los pois poderão dissolver aumentando a área de contato com o agente e assim produzir uma queimadura mais extensa. • Nunca furar as bolhas e não aplicar qualquer produto nas áreas afetadas. • • Se a lesão for nos olhos, lavá-los bem com água corrente ou soro fisiológico em abundância no mínimo durante 15 minutos, cobrindo-os depois com curativo úmido, estéril, mantidos a cada cinco minutos. Fazer a irrigação sempre do centro para o canto externo do olho.
  • 61. CHOQUE ELÉTRICO • Acidente causado pelo contato com corrente de alta ou baixa tensão elétrica contínua ou alternada. A gravidade das lesões dependerá da resistência da pele e das estruturas internas do corpo; do tipo de polaridade da corrente; da frequência, intensidade e duração da corrente.
  • 62. VIAS DE ENTRADA E SAÍDA DA CORRENTE: • Mão – mão; • Mão – pé; • Pé – pé. • • NOTA: O quadro clínico por choque elétrico provoca agravos secundários de queimaduras, alterações cardiopulmonares, complicações neurológicas, lesões musculares e alterações vasculares sistêmicas.
  • 63. RECONHECIMENTO DE VÍTIMA DE CHOQUE ELÉTRICO • a) O choque elétrico pode provocar: • - Parada cárdio-respiratória devido às descargas elétricas de alta tensão. • - Duas queimaduras, indicando ponto de entrada e saída da corrente elétrica. • - Traumas associados, como fraturas, luxações, contusões.
  • 64. • b) Sinais e sintomas: • - Distúrbios da visão. • - Zumbido no ouvido. • - Paralisia dos músculos da respiração. • - Lesões musculares. • - Lesões nos ossos e nas articulações decorrentes da violenta contração muscular. • - Lesão da medula com ou sem fratura das vértebras. • - Queda brusca da pressão arterial. • - Ritmo irregular do coração. • - Convulsões.
  • 65. • c) Fatores que determinam a gravidade do acidente: • - Voltagem. • - Amperagem • - Umidade da vítima e do ambiente. • - Isolamento. • - Área atravessada • -.Tempo de contato com a fonte causadora
  • 66. CONDUTA COM A VÍTIMA DE CHOQUE ELÉTRICO • 1. Afastar a fonte elétrica da vítima. • 2. Verificar se a energia foi cortada e escoada antes de abordar a vítima. • 3. Usar sempre EPI específico. • 4. Realizar análise primária da vítima. • 5. Manter a permeabilidade das vias aéreas e estabilizar a coluna cervical da vítima. • 6. Iniciar RCPC se necessário, conforme procedimento próprio (capítulo 06). • 7. Tratar as queimaduras conforme procedimento próprio. • 8. Tratar os ferimentos conforme procedimento próprio, relativos a trauma em geral. • 9. Transportar imediatamente a vítima, prevenindo o choque hemodinâmico. • 10. Dar suporte emocional à vítima durante o atendimento.
  • 67. • ATENÇÃO!!! • • CUIDADOS COM O LOCAL DO ACIDENTE • • Providenciar o isolamento do local e avisar imediatamente a Companhia Elétrica (Cemig, etc...) para desligar a energia, caso o acidente tenha ocorrido em via pública. • No caso de recintos fechados, isolar o local e desligar imediatamente a fonte de alimentação da corrente elétrica. • Utilizar sempre EPI específico. • Considerar fios caídos sempre como energizados. • Se os fios estiverem em contato com veículos, orientar as vítimas a permanecerem no seu interior até que a companhia de eletricidade possa desenergizá-los, a não ser que haja risco iminente de incêndio ou explosões; nestas situações, orientar a vítima a pular do veículo sem fechar o circuito com o solo. • Não esquecer de desligar a fonte de energia e certificar-se de que não há mais corrente elétrica antes de acessar a vítima. • Considerar a vítima de choque elétrico sempre como grave, mesmo que não haja sinais externos que indiquem isto.
  • 68. FRATURAS, LESÕES MÚSCULO ESQUELÉTICAS E TÉCNICAS DE IMOBILIZAÇÃO • - Fraturas: perda da continuidade óssea. • - Luxações: perda da congruência articular. • - Entorses: lesão de ligamentos e tendões. • - Contusões: contusões de partes moles (pele, músculo, vaso sanguíneo).
  • 69. RECONHECIMENTO • Verificar o MECANISMO DA LESÃO. • - Presença de dor aguda. • - Observar deformidade, movimentos anormais ou incapacidade funcional. • - Observar encurtamento. • - Presença de edema, equimose ou hematoma. • - Observar alteração da cor da pele. • - Presença de crepitação. • - Observar exposição óssea. • - Verificar se há complicação examinando a porção distal à lesão, palmando o pulso e pesquisando a sensibilidade, motricidade e perfusão capilar.
  • 70. CONDUTA • 1- Tratar, primeiramente, as lesões que ameaçam a vida, detectadas na análise primária e início da secundária. • 2- Cortar a roupa na região da lesão e retirar objetos como relógio, pulseiras, anéis. • 3- Cobrir ferimentos com gaze seca, atadura ou bandagem. • 4- Não tentar introduzir um osso exposto. • 5- Avaliar o pulso distal, perfusão capilar, sensibilidade e mobilidade. • 6- Alinhar fraturas conforme necessidade e possibilidade. • 7- Imobilizar com o mínimo de movimentação possível do membro, conforme procedimentos específicos. • 8- Avaliar pulso distal, perfusão capilar após a imobilização. • 9- Ao imobilizar, abranger uma articulação imediatamente acima e outra imediatamente abaixo do ponto lesionado. • 10- Ao imobilizar lesões em articulações abranger o osso acima e o osso que está abaixo da articulação.
  • 71. • ATENÇÃO !!! • Objetivos da imobilização: reduzir a dor, prevenir lesões adicionais, diminuir sangramento. Na dúvida, se há ou não fratura, sempre imobilizar. • Os procedimentos adotados neste manual aplicam-se a suspeita de fratura ou fratura indistintamente, uma vez que diagnóstico de fratura requer confirmação radiológica. • Lesões músculo-esqueléticas só são manipuladas durante a análise, exceto quando ameaçam a vida. • Suspeitar de fratura mesmo com a presença de apenas um sinal e/ou sintoma. • Não se distrair das prioridades por causa de uma fratura que cause uma deformidade impressionante. • - Tentar alinhar o membro de forma suave, exercendo uma leve tração. • - Tentar o alinhamento somente em ossos longos (úmero, rádio, ulna, fêmur, tíbia e fíbula).
  • 72. • - Tentar apenas uma única vez, se houver resistência não forçar. • - Imobilizar na posição encontrada se houver resistência. • - Avaliar o pulso distal, perfusão capilar, sensibilidade e mobilidade antes e após a tentativa de alinhamento. • Não alinhar fraturas expostas, fraturas envolvendo articulações e nem luxações. • Estar alerta para a possibilidade de choque hemodinâmico nas vítimas com fratura de pelve e / ou fêmur. • • Examinar detalhadamente a região pélvica em busca de sinais de grande hemorragia interna por rompimento da artéria femural (sangramento pelos orifícios genito- urinários, e edema da bolsa escrotal por acúmulo e retenção de sangue). • Pacientes com estes sinais requerem assistência médico cirúrgica imediata! •
  • 74. Desmaio É a diminuição da circulação e oxigenação cerebral • Causas: • Ambientes com muitas pessoas, sem uma adequada ventilação. • Emoções fortes • Fome • Insolação • Inadequado recebimento de circulação e oxigênio no cérebro • Dor intensa • Outras causas • Sinais e Sintomas: • Palidez (pele descorada) • Pulso rápido e fraco • Sudorese (suor) • Perda dos sentidos
  • 75. Atendimento: • Arejar o ambiente, ou transportar a vítima para um local com melhor ventilação. • Elevar os membros inferiores, com uma mochila, roupas, etc. com isso, o sangue circula em maior quantidade no cérebro e nos órgãos nobres. • Lateralizar a cabeça, evitando que a vítima venha a se asfixiar em caso de vômito. • Afrouxar a roupa, para uma melhor circulação. • Faça-a sentar e respirar fundo, após auxilie-a a dar uma volta, respirando fundo e devagar. • Com isso, o organismo se readapta a posição vertical e evita que ela possa desmaiar novamente, o que pode ocorrer se ela levantar bruscamente.
  • 76. Se ainda não houve o desmaio: • Quando a vítima está prestes a desmaiar, faça outro procedimento: • Sentar a vítima numa cadeira, fazer com que ela coloque a cabeça entre as coxas e o socorrista faça pressão na nuca para baixo (com a palma da mão), enquanto ela força a cabeça para cima por alguns segundos. Esse movimento fará com que aumente a quantidade de sangue e oxigênio no cérebro. • Realize esse procedimento 3 a 4 vezes.
  • 77. CONVULSÕES • Conceito: Distúrbio que ocorre no cérebro, podendo ocasionar contrações involuntárias da musculatura, provocando movimentos desordenados e em geral, perda da consciência. • Causas: • Acidentes com traumatismo crânio encefálico • Febre alta • Epilepsia • Alcoolismo • Drogas • Determinados medicamentos • Tumores cerebrais • Lesões neurológicas • Choque elétrico • Origem desconhecida • Outras causas
  • 78. Sinais e Sintomas: • Agitação psicomotora • Espasmos musculares (contrações) ou não • Salivação intensa ("baba") • Perda dos sentidos • Relaxamento dos esfíncteres, podendo urinar e evacuar, durante a convulsão.
  • 79. Atendimento: • Afastar objetos do chão que possam causar lesões ou fraturas • Afastar os curiosos, dar espaço para a vítima. • Proteger a cabeça da vítima com a mão, roupa, travesseiro, etc. • Lateralizar a cabeça, evitando que a vítima se asfixie com a secreção. • Não imobilizar membros (braços e pernas), deixá-los livres, apenas segure-os. • Afrouxar as roupas • Observar se a respiração está adequada, se não há obstrução das vias aéreas. • Não tracionar a língua ou colocar objetos na boca para segurar a língua (tipo colher, caneta, madeira, dedos, etc.).
  • 80. • Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel, para facilitar a respiração. • Após passar a convulsão, se a vítima quiser dormir, deixe-a descansar enquanto aguarda o socorro. • Não medique a vítima, mesmo que ela tenha os medicamentos. Os reflexos não estão totalmente recuperados, e ela pode se afogar ao engolir o comprimido e a água. • Se a convulsão for provocada por febre alta (geralmente em crianças), além dos procedimentos descritos no atendimento, dê-lhe um banho com água morna de chuveiro, vista-a com roupas leves e providencie a atendimento médico. • Se a convulsão for provocada por acidente ou atropelamento, não retire a vítima do local, atenda-a e aguarde a chegada do socorro médico É uma situação grave e oferece risco à vida, se for transportada inadequadamente, pode morrer.
  • 81. Estado Pós-Convulsivo • Sono • Dificuldade para falar • Palavras sem nexo • A vítima sai caminhando sem direção, etc. • Não deixe a vítima sozinha nesta fase, pois ela pode ser atropelada, sofrer uma queda e estar sujeita a situações que podem trazer maiores complicações.
  • 82. KNR ENGENHARIA E SEGURANÇA