SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Sistema Reprodutor
Masculino e Feminino
Reprodução Sexuada
 Formação de gametas (Gametogênese) e fecundação (união dos gametas).
 Alternância entre meiose e fecundação, restaurando o n° diploide de cromossomos.
Gametogênese
Espermatogênese
= Produção de
espermatozoides nos
testículos
Ovulogênese
= Produção de
óvulos nos ovários
Gametogênese
Espermatogênese
 O conteúdo mais importante do espermatozoide são os
cromossomos “paternos”.
Célula Germinativa 2n
mitose
2n2n
2n 2n 2n 2n
mitose
Crescimento sem
divisão celular
2n
Meiose I
Meiose II
n
n n
n
n n
Período de multiplicação
Período embrionário até
o nascimento (100 mil
folículos)
Período de maturação
Puberdade onde 5 a 12
ovócitos I são estimulados
por mês, mas apenas um
chega a sofrer divisão
Ovulogênese
Fecundação
 Penetração do espermatozoide no óvulo e a união dos
nucléolos dos dois gametas, com a consequente formação
do zigoto.
 Dos aproximadamente 300 milhões de espermatozoides
na ejaculação, apenas 200 atingem a tuba uterina, e
somente um fecunda o ovócito II.
Fecundação
Interna
Externa
O Hermafroditismo
Definição
• É uma anomalia sexual ainda
pouco conhecida,
configurando um distúrbio
morfológico e fisiológico das
gônadas sexuais de um
indivíduo, que
simultaneamente manifesta
estrutura tecidual testicular e
ovariana
• Por análise do cariótipo é
sabido que não se trata de
uma síndrome genética
(mono ou trissomia
halossômica), relacionada
aos cromossomos sexuais X
ou Y. No entanto, pode
estar associado a uma
ocorrência de dispermia,
havendo fecundação
normal (espermatozoide e
ovócito de segunda ordem
- óvulo) e outra fecundação
paralela anômola
(espermatozoide e um
glóbulo polar – óvulo não
diferenciado, em tese,
inativo).
• Contudo, na maioria dos casos é
observada a presença de duas
gônadas mistas, denominadas de
ovotetis, ou seja, uma fusão do
testículo e do ovário, existindo
outras duas situações: a primeira
onde há desenvolvimento de um
testículo e de um ovário, cada
qual disposto lateralmente no
corpo, contrariando a simetria
bilateral normal dos órgãos
reprodutores; e a segunda com o
desenvolvimento de uma ovotetis
de um lado e uma das gônadas
(testículo ou ovário) do outro.
Existem Três Tipos de Hermafroditismo
Humano...
 Hermafroditismo Verdadeiro:
No hermafroditismo verdadeiro as crianças nascem com os dois órgãos sexuais
bem formados, possuindo os oŕgãos sexuais internos e externos de ambos os
sexos, incluindo ovários, útero, vagina, testículos e pênis. No hermafroditismo
verdadeiro a maioria das pessoas são geneticamente do sexo feminino
(cromossomos XX) e a formação dos órgãos sexuais masculinos é atribuída a
causas ainda não totalmente conhecidas.
 O Pseudo Hermafroditismo Masculino
No pseudo-hermafroditismo masculino a criança nasce geneticamente como do
sexo masculino (cromossomos XY) embora os órgãos sexuais externos não se
desenvolvam completamente.
 Pseudo-Hermafroditismo Feminino
No pseudo-hermafroditismo feminino a criança nasce geneticamente como do
sexo feminino (cromossomos XX) embora o clitóris desenvolva-se
excessivamente adquirindo um formato semelhante a um pênis
(Clitoromegalia). Atribui-se uma suposta causa não genética para o pseudo-
hermafroditismo feminino aos efeitos dos medicamentos utilizados no
tratamento da hiperplasia congênita das supra-renais (HCSR) por deficiência da
21-Hidroxilase, uma doença genética que necessita de tratamento permanente
e que em alguns casos não é interrompido por gestantes que não sabem se
estão grávidas
Hermafroditismo
• Uma teoria genética recente busca explicar várias anomalias sexuais
do hermafroditismo humano com sequências palíndromos presentes
no cromossomo Y. Segundo essa teoria as sequências palíndromos
presentes no cromossomo Y, que supostamente protegeriam esse
cromossomo de mutações genéticas, poderiam ocasionalmente se
esticar e formar uma atração fatal com o palíndromo similar de seu
vizinho, alterando o tamanho e/ou deslocando o centrômero do
gene: os cromossomos gerados nessas divisões celulares teriam
comprimentos variáveis, curtos e longos, com centrômeros
deslocados ora para o centro, ora para as extremidades. Nessa
teoria, os pacientes nos quais a distância entre os dois centrômeros
do Y é curta, seriam homens, ao passo que quanto maior a distância
entre os centrômeros, maior a tendência de que os pacientes sejam
anatomicamente feminilizados. Essa pesquisa incluiu alguns
pacientes do sexo masculino (cromossomos XY) portadores
da síndrome de Turner, uma condição só então conhecida em
mulheres que nascem com um único cromossomo X (cromossomos
45-XO).2
 Tratamento
• No tratamento do hermafroditismo humano, também
chamado intersexualidade (neologismo relacionado a outros términos que
se referem a estilos-de-vida, condições ou identidades – dependendo do
ponto-de-vista – de pessoas estigmatizadas por serem de sexualidade e
expressão/identidade de gênero historicamente e a um certo ponto
presentemente não normativas,
como homossexualidade, bissexualidade e transexualidade ,recorre-se
muitas vezes a uma cirurgia para se definir o sexo. Segundo especialistas a
maior dificuldade está em se definir o momento correto da cirurgia.1De todo
o modo a opinião crescente é de que a pessoa intersexual (termo corrente
para humanos com hermafroditismo) possa escolher por si mesma se ela
deseja a cirurgia e, nesse caso, qual o sexo desejado
• Principal causa do hermafroditismo é mutação genética
Ocorrência de genitais ambíguos é rara; Brasil não tem estatística.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoAna Abegão
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humanamainamgar
 
4. sistema reprodutor feminino
4. sistema reprodutor feminino4. sistema reprodutor feminino
4. sistema reprodutor femininoElsa RITA
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutorcarlotabuchi
 
Reprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e SexualidadeReprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e Sexualidaderailuz07
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANALuís Ferreira
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
ReproduçãoZé Luís
 
5 -adolescencia_e_puberdade
5  -adolescencia_e_puberdade5  -adolescencia_e_puberdade
5 -adolescencia_e_puberdadeJoana Cunha
 
3. sistema reprodutor masculino
3. sistema reprodutor masculino3. sistema reprodutor masculino
3. sistema reprodutor masculinoElsa RITA
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..daniela
 
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetasTânia Reis
 

Mais procurados (20)

Sistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor Masculino
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
4. sistema reprodutor feminino
4. sistema reprodutor feminino4. sistema reprodutor feminino
4. sistema reprodutor feminino
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutor
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Reprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e SexualidadeReprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e Sexualidade
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
5 -adolescencia_e_puberdade
5  -adolescencia_e_puberdade5  -adolescencia_e_puberdade
5 -adolescencia_e_puberdade
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
 
3. sistema reprodutor masculino
3. sistema reprodutor masculino3. sistema reprodutor masculino
3. sistema reprodutor masculino
 
Ovogênese
Ovogênese Ovogênese
Ovogênese
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..
 
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetas
 

Destaque

Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Cynthia Castro
 
Aparelho genital masculino
Aparelho genital masculinoAparelho genital masculino
Aparelho genital masculinoRayssa Luz
 
Apres Embriol Sexualidade
Apres Embriol SexualidadeApres Embriol Sexualidade
Apres Embriol SexualidadeAlbano Novaes
 
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual HumanaDignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual HumanaTarcio Oliveira
 
Malformaciones congénitas de útero
Malformaciones congénitas de úteroMalformaciones congénitas de útero
Malformaciones congénitas de úteroasuimh
 
Hermafroditismo verdadeiro
Hermafroditismo verdadeiroHermafroditismo verdadeiro
Hermafroditismo verdadeiroProf Paula
 
Hermafrodita
HermafroditaHermafrodita
HermafroditaPelo Siro
 
Trabalho Hermafroditismo G2
Trabalho Hermafroditismo G2Trabalho Hermafroditismo G2
Trabalho Hermafroditismo G2Daniel Sousa
 

Destaque (15)

Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Malformações genitais
Malformações genitaisMalformações genitais
Malformações genitais
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
 
Aparelho genital masculino
Aparelho genital masculinoAparelho genital masculino
Aparelho genital masculino
 
Apres Embriol Sexualidade
Apres Embriol SexualidadeApres Embriol Sexualidade
Apres Embriol Sexualidade
 
Reprodução e bioética
Reprodução e bioética Reprodução e bioética
Reprodução e bioética
 
Reprodução assistida trabalho de bioetica oficial 2
Reprodução assistida trabalho de bioetica oficial 2Reprodução assistida trabalho de bioetica oficial 2
Reprodução assistida trabalho de bioetica oficial 2
 
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual HumanaDignidade E Diversidade Sexual Humana
Dignidade E Diversidade Sexual Humana
 
Malformaciones congénitas de útero
Malformaciones congénitas de úteroMalformaciones congénitas de útero
Malformaciones congénitas de útero
 
Hermafroditismo verdadeiro
Hermafroditismo verdadeiroHermafroditismo verdadeiro
Hermafroditismo verdadeiro
 
Hermafrodita
HermafroditaHermafrodita
Hermafrodita
 
Trabalho Hermafroditismo G2
Trabalho Hermafroditismo G2Trabalho Hermafroditismo G2
Trabalho Hermafroditismo G2
 
Hermafroditismo
HermafroditismoHermafroditismo
Hermafroditismo
 

Semelhante a Sistema reprodutor masculino e feminino

Sexo e Herança Genética
Sexo e Herança GenéticaSexo e Herança Genética
Sexo e Herança GenéticaFelipe Jeronimo
 
Determinação cromossômica do sexo
Determinação cromossômica do sexoDeterminação cromossômica do sexo
Determinação cromossômica do sexoPatrícia Oliver
 
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxUCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxFilipe Francisco
 
3 GenóTipo E FenóTipo
3 GenóTipo E FenóTipo3 GenóTipo E FenóTipo
3 GenóTipo E FenóTipomaria tique
 
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...ArlaDaConceio
 
Herança do sexo e determinação do sexo
Herança do sexo e determinação do sexoHerança do sexo e determinação do sexo
Herança do sexo e determinação do sexoPhoenixSportFitness
 
Trabalho de biologia aneuploidias sexuais,
Trabalho de biologia   aneuploidias sexuais,Trabalho de biologia   aneuploidias sexuais,
Trabalho de biologia aneuploidias sexuais,Elisa Mitye Akiyama
 
Genética 3
Genética 3Genética 3
Genética 3Jorgelgl
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a geneticaemibio
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadePatrícia Santos
 
Divisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosDivisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosPriscila Rodrigues
 

Semelhante a Sistema reprodutor masculino e feminino (20)

Sexo e Herança Genética
Sexo e Herança GenéticaSexo e Herança Genética
Sexo e Herança Genética
 
Reprodução2
Reprodução2Reprodução2
Reprodução2
 
Determinação cromossômica do sexo
Determinação cromossômica do sexoDeterminação cromossômica do sexo
Determinação cromossômica do sexo
 
Hereditariedade9
Hereditariedade9Hereditariedade9
Hereditariedade9
 
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxUCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
 
3 GenóTipo E FenóTipo
3 GenóTipo E FenóTipo3 GenóTipo E FenóTipo
3 GenóTipo E FenóTipo
 
Determinacao sexo
Determinacao sexoDeterminacao sexo
Determinacao sexo
 
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...
A determinação genética do sexo e a herança relacionada ao sexo na espécie hu...
 
AULA-GENETICA.pdf
AULA-GENETICA.pdfAULA-GENETICA.pdf
AULA-GENETICA.pdf
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 
Herança do sexo e determinação do sexo
Herança do sexo e determinação do sexoHerança do sexo e determinação do sexo
Herança do sexo e determinação do sexo
 
Biologia vol2
Biologia vol2Biologia vol2
Biologia vol2
 
Trabalho de biologia aneuploidias sexuais,
Trabalho de biologia   aneuploidias sexuais,Trabalho de biologia   aneuploidias sexuais,
Trabalho de biologia aneuploidias sexuais,
 
Genética 3
Genética 3Genética 3
Genética 3
 
3 genetica
3   genetica3   genetica
3 genetica
 
AULA CITO.pptx
AULA CITO.pptxAULA CITO.pptx
AULA CITO.pptx
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
 
Hereditaridade Humana
Hereditaridade HumanaHereditaridade Humana
Hereditaridade Humana
 
Divisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosDivisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomos
 

Último

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfJorge Filho
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 

Último (12)

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 

Sistema reprodutor masculino e feminino

  • 2. Reprodução Sexuada  Formação de gametas (Gametogênese) e fecundação (união dos gametas).  Alternância entre meiose e fecundação, restaurando o n° diploide de cromossomos.
  • 3. Gametogênese Espermatogênese = Produção de espermatozoides nos testículos Ovulogênese = Produção de óvulos nos ovários Gametogênese
  • 4. Espermatogênese  O conteúdo mais importante do espermatozoide são os cromossomos “paternos”.
  • 5. Célula Germinativa 2n mitose 2n2n 2n 2n 2n 2n mitose Crescimento sem divisão celular 2n Meiose I Meiose II n n n n n n Período de multiplicação Período embrionário até o nascimento (100 mil folículos) Período de maturação Puberdade onde 5 a 12 ovócitos I são estimulados por mês, mas apenas um chega a sofrer divisão Ovulogênese
  • 6. Fecundação  Penetração do espermatozoide no óvulo e a união dos nucléolos dos dois gametas, com a consequente formação do zigoto.  Dos aproximadamente 300 milhões de espermatozoides na ejaculação, apenas 200 atingem a tuba uterina, e somente um fecunda o ovócito II. Fecundação Interna Externa
  • 7.
  • 8. O Hermafroditismo Definição • É uma anomalia sexual ainda pouco conhecida, configurando um distúrbio morfológico e fisiológico das gônadas sexuais de um indivíduo, que simultaneamente manifesta estrutura tecidual testicular e ovariana • Por análise do cariótipo é sabido que não se trata de uma síndrome genética (mono ou trissomia halossômica), relacionada aos cromossomos sexuais X ou Y. No entanto, pode estar associado a uma ocorrência de dispermia, havendo fecundação normal (espermatozoide e ovócito de segunda ordem - óvulo) e outra fecundação paralela anômola (espermatozoide e um glóbulo polar – óvulo não diferenciado, em tese, inativo).
  • 9. • Contudo, na maioria dos casos é observada a presença de duas gônadas mistas, denominadas de ovotetis, ou seja, uma fusão do testículo e do ovário, existindo outras duas situações: a primeira onde há desenvolvimento de um testículo e de um ovário, cada qual disposto lateralmente no corpo, contrariando a simetria bilateral normal dos órgãos reprodutores; e a segunda com o desenvolvimento de uma ovotetis de um lado e uma das gônadas (testículo ou ovário) do outro.
  • 10. Existem Três Tipos de Hermafroditismo Humano...  Hermafroditismo Verdadeiro: No hermafroditismo verdadeiro as crianças nascem com os dois órgãos sexuais bem formados, possuindo os oŕgãos sexuais internos e externos de ambos os sexos, incluindo ovários, útero, vagina, testículos e pênis. No hermafroditismo verdadeiro a maioria das pessoas são geneticamente do sexo feminino (cromossomos XX) e a formação dos órgãos sexuais masculinos é atribuída a causas ainda não totalmente conhecidas.  O Pseudo Hermafroditismo Masculino No pseudo-hermafroditismo masculino a criança nasce geneticamente como do sexo masculino (cromossomos XY) embora os órgãos sexuais externos não se desenvolvam completamente.  Pseudo-Hermafroditismo Feminino No pseudo-hermafroditismo feminino a criança nasce geneticamente como do sexo feminino (cromossomos XX) embora o clitóris desenvolva-se excessivamente adquirindo um formato semelhante a um pênis (Clitoromegalia). Atribui-se uma suposta causa não genética para o pseudo- hermafroditismo feminino aos efeitos dos medicamentos utilizados no tratamento da hiperplasia congênita das supra-renais (HCSR) por deficiência da 21-Hidroxilase, uma doença genética que necessita de tratamento permanente e que em alguns casos não é interrompido por gestantes que não sabem se estão grávidas
  • 11. Hermafroditismo • Uma teoria genética recente busca explicar várias anomalias sexuais do hermafroditismo humano com sequências palíndromos presentes no cromossomo Y. Segundo essa teoria as sequências palíndromos presentes no cromossomo Y, que supostamente protegeriam esse cromossomo de mutações genéticas, poderiam ocasionalmente se esticar e formar uma atração fatal com o palíndromo similar de seu vizinho, alterando o tamanho e/ou deslocando o centrômero do gene: os cromossomos gerados nessas divisões celulares teriam comprimentos variáveis, curtos e longos, com centrômeros deslocados ora para o centro, ora para as extremidades. Nessa teoria, os pacientes nos quais a distância entre os dois centrômeros do Y é curta, seriam homens, ao passo que quanto maior a distância entre os centrômeros, maior a tendência de que os pacientes sejam anatomicamente feminilizados. Essa pesquisa incluiu alguns pacientes do sexo masculino (cromossomos XY) portadores da síndrome de Turner, uma condição só então conhecida em mulheres que nascem com um único cromossomo X (cromossomos 45-XO).2
  • 12.  Tratamento • No tratamento do hermafroditismo humano, também chamado intersexualidade (neologismo relacionado a outros términos que se referem a estilos-de-vida, condições ou identidades – dependendo do ponto-de-vista – de pessoas estigmatizadas por serem de sexualidade e expressão/identidade de gênero historicamente e a um certo ponto presentemente não normativas, como homossexualidade, bissexualidade e transexualidade ,recorre-se muitas vezes a uma cirurgia para se definir o sexo. Segundo especialistas a maior dificuldade está em se definir o momento correto da cirurgia.1De todo o modo a opinião crescente é de que a pessoa intersexual (termo corrente para humanos com hermafroditismo) possa escolher por si mesma se ela deseja a cirurgia e, nesse caso, qual o sexo desejado • Principal causa do hermafroditismo é mutação genética Ocorrência de genitais ambíguos é rara; Brasil não tem estatística.