SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Universidade Católica de Moçambique
Faculdade de Ciências de Saúde
Curso de licenciatura em Enfermagem
Palestra: Determinação e diferenciação sexual
Elaborado por: Filipe Gustavo, Enf.
Agosto
2023
Tópicos
1. Conceitos gerais :
• Cromossomo ou cromossoma.
• Genes.
• Genótipo.
• Fenótipo.
2. Determinação genética do sexo.
• Teorias de Shetlles.
3. Diferenciação sexual na vida embrionária.
4. Diferenciação sexual ao nascer.
5. Diferenciação sexual na puberdade.
• Genótipo.
• Fenótipo.
• Características sexuais secundarias.
Conceitos Gerais
Os cromossomos são estruturas filamentosas localizadas no interior do núcleo das células. A palavra
cromossomo é derivada do grego (chromos -cor; soma -corpo).
Os cromossomos contêm os genes que são os transmissores das características hereditárias. São
formados de DNA e proteínas.
Conceitos gerais.
Quando falamos no Genótipo (do grego genos, “originar”, “provir”, e typos, “característico”),
estamos falando propriamente dos genes, do “código” que irá determinar o comportamento de
determinada característica no indivíduo. Contudo, todo par de genes produzirá um efeito no
indivíduo. Esse efeito chamamos de fenótipo (do grego pheno, “evidente”, “brilhante”,
e typos, “característico”). Ou seja: há genes específicos que determinam o tamanho da boca de
um ser humano. Esse conjunto de genes corresponde ao genótipo da boca. A forma da boca e a
manifestação do “código” presente nesses genes é o fenótipo.
Dessa forma, podemos observar diretamente o fenótipo de um indivíduo, ao passo que o
genótipo deve ser inferido pela análise e pelo sequenciamento de seu genoma.
Diferenciação e determinação sexual
Processo sequencial, lento e que consiste em etapas/estágios.
Estágios de determinação e diferenciação sexual
• Sexo genético: Genótipo
• Sexo Gonadal: Ovário ou testículo- regulado por cerca de 30 genes específicos.
• Sexo fenótipo: Determinado pelo sexo gonadal, diferenciando as genitálias
interna e externa em feminina e masculina.
• Sexo: Psicológico: Adquirido depois do nascimento através do desenvolvimento
social da personalidade, conjuntamente com influencias hormonais, pré natais e
identificação sexual pós natal. Este tipo de sexo não é abordado nos livros de
embriologia, portanto não e considerado parte das fases ou classificação
sexual.
Determinação sexual genetica
Determinação sexual genética é o processo na qual o nosso organismo determina a sua sexualidade com base no
pareamento de cromossomos na fertilização .
O sexo do indivíduo é determinado no momento da fertilização. Nos seres humanos os homens tem gametas com
cromossomos diferentes ( O cromossomo X e o cromossomo Y) e por isso são chamados de heterogaméticos .
E as as mulheres produzem gametas com cromossomos iguais ( O cromossomo X e o cromossomo X ) e por isso são
chamadas de homogameticas.
Assim, a determinação do sexo cromossómico genético depende de um espermatozoide contendo cromossomo Y ou um
espermatozoide contendo um cromossomo X fecundar um oocito que contem um cromossomo X.
Teorias de Shettles
Na década de 1970, Dr. Shettles descobriu que o espermatozoide “fêmea” e o espermatozoide “macho” têm características
diferentes. Ele acreditava que identificar tais diferenças poderia ajudar os casais a tentar conceber um menino ou uma
menina.
 Quando ter relações sexuais
Shettles descobriu que o espermatozoide que contém um cromossomo Y é menor, desloca-se com mais rapidez e tem
um período de vida mais curto que o espermatozoide que contém um cromossomo X. Ele acreditava que, se um casal
tivesse relações sexuais no período da ovulação, seria mais provável que o espermatozoide “macho” chegasse ao óvulo
antes do espermatozoide “fêmea”. Se o óvulo fosse fertilizado, era mais provável que o casal tivesse um menino
 Posições sexuais
Shettles também sugeriu que a posição sexual na qual há penetração profunda, como na posição de quatro apoios, por
exemplo, daria a oportunidade de o espermatozoide “macho” começar a sua corrida mais próximo do colo do útero e,
por se deslocar com maior rapidez, chegar ao óvulo primeiro, resultando em um menino.
 Ingerir determinados alimentos
Shettles sugeriu que tornar a vagina mais ácida aumentaria a probabilidade de o espermatozoide “fêmea” sobreviver,
por ser mais robusto, o que resultaria em uma menina. Um ambiente mais alcalino seria melhor para o rápido
espermatozoide “macho”, concebendo um menino.
Diferenciação sexual durante a vida embrionaria
O sexo do indivíduo é determinado no momento da fertilização. Porém, o processo de diferenciação sexual
ocorrerá apenas algum tempo depois. E para tal existem mais de cinco genes relacionados ao começo da
diferenciação sexual do sexo dentre esses se destacam:
• Nas mulheres: WNT4, WT1, RESPO1?
• Nos homens: SOX9 e SRY.
No braco curto do cromossomo Y, fora das regioes pseudoautossomicas encontramos o gene SRY.
O gene SRY (Sex-Determining Region of Y Chromossome- Região determinante sexual do cromosssomo Y)
também denominado TDF (Testis Determining Factor- Factor determinandor dos testículos ) é implicado na
formação do testículo, isto ocorre no final do período embrionário, na oitava semana de desenvolvimento. os
testículos consistem nos cordões seminíferos, com as células germinativas primordiais (ou gonócitos) e as células
de Sertoli, também denominadas células de sustentação por realizarem essa função.
As células de Sertoli secretam o hormônio antimülleriano (antimüllerian hormone – AMH), que suprime o
desenvolvimento dos ductos de Müller, precursores do trato reprodutor feminino.
Por influência da gonadotrofina coriônica humana (human chorionic gonadotropin – hCG), hormônio proteico
produzido pela placenta, semelhante ao hormônio luteinizante (luteinizing hormone – LH), surgem, entre os
cordões seminíferos, as células de Leydig (ou células intersticiais), as quais secretam testosterona, indutora da
formação do sistema reprodutor masculino.
Formação dos órgãos genitais internos a partir dos dutos de Wolff no macho e dos dutos de Müller na fêmea.
Fonte: Segundo ZARCO, 2018, apud SILVA 2021,.
Formação dos órgãos genitais internos a partir dos genes femeninos e masculinos localizados nos cromossomos.
Fonte: Segundo ZARCO, 2018, apud SILVA 2021,.
A respeito dos órgãos genitais externos , nos embriões de ambos os sexos existem estruturas precursoras chamadas
de tubérculo genital e pregas vestibulares. Na mulher o tubérculo genital da origem ao clitóris e as pregas
vestibulares dão origem aos lábios vulvares sem a necessidade da atuação de hormônios ovarianos, já que o padrão
“por via pré-estabelecida” é feminino.
Em contrapartida, no macho, tanto o tubérculo genital quanto as pregas vestibulares respondem ao hormônio 5α-
dehidro-testosterona (DHT), ao qual se formam as células da pele da zona genital a partir da testosterona que é
secretada pelos testículos. Para isso existem nas células a enzima 5α-reductasa, que transforma a testosterona em
DHT. Uma vez formada, a DHT atua sobre as pregas vestibulares do embrião macho para que se fusionem e
formem o escroto (em lugar dos lábios vulvares), e sobre o tubérculo genital para formar o pênis (em lugar do
clitóris).
Diferenciação sexual durante a vida embrionária- Orgaos externos
Estruturas que se desenvolvem nos embriões de cada sexo a partir do seio urogenital, o tubérculo genital e as pregas
vestibulares. A cor do né de cada estrutura final corresponde com a cor do nome da estrutura a partir da qual se originou.
Fonte: ZARCO, 2018. Apud Silva, 2021.
Diferenciação sexual ao nascer.
Ao nascer, o recém-nascido se encontra normalmente em total equilíbrio nutricional, desde que a
mãe tenha adotado uma dieta adequada. A diferencicao sexual ao nascer se da apritr da obcercao
da genitalia externa, na qual se apresentar o canl vaginal e denomidado menina e se nascer com o
penis e denominado homem.
Diferenciação sexual na puberdade - Homem
Os testículos secretam muitos hormônios sexuais masculinos, chamados, coletivamente, androgênios,
incluindo a testosterona, di-hidrotestosterona e androstenediona. Esses hormônios são importantes
para atribuir características sexuais secundarias para poder se diferenciar a mulher do homem.
Efeitos da testosterona nos homens como parte da diferenciação sexual.
• Aumento dos órgãos : O pênis, o saco escrotal e os testículos aumentam de tamanho, em aproximadamente oito
vezes antes dos 20 anos de idade.
• Distribuição dos Pelos Corporais: A testosterona induz o crescimento de pelos (1) no púbis; (2) para cima ao
longo da linha alba do abdome, algumas vezes até o umbigo ou acima; (3) na face; (4) geralmente no tórax; e
(5), menos frequentemente, em outras regiões do corpo, como as costas.
• Efeito na Voz: A testosterona secretada pelos testículos ou injetada no corpo produz hipertrofia da mucosa
laríngea e alargamento da laringe. Inicialmente, esses efeitos causam voz relativamente dissonante, “rachada” e
posterior ajustavel
• Aumento da a espessura da pele e pode contribuir para o desenvolvimento de Acne: A secreção excessiva
pelas glândulas sebáceas do rosto é de especial importância, porque pode ter como resultado a acne.
• A testosterona aumenta a formação de proteínas e o desenvolvimento muscular.
• A testosterona Aumenta a Matriz Óssea e Induz a Retenção de Cálcio: o aumento na matriz óssea seja
resultado da função geral da testosterona, no anabolismo proteico, e da deposição aumentada de sais de cálcio.
• Aumento da produção de hemácias.
Os dois tipos de hormônios sexuais ovarianos são os estrogênios e as progestinas. Sem dúvida, o
mais importante dos estrogênios é o hormônio estradiol, e a mais importante das progestinas é a
progesterona.
Diferenciação sexual na puberdade - Mulher
Efeitos dos estrogenios
• Aumento dos orgaos : Os ovários, as trompas de Falópio, o útero e a vagina aumentam de tamanho várias vezes.
Além do mais, a genitália externa aumenta, com depósito de gordura no monte pubiano e nos grandes lábios,
além de aumento dos pequenos lábios.
• Proliferação do tecido das tubas uterinas: A proliferação induz o surgimentos de cílios .
• Os Estrogênios Aumentam Ligeiramente o Depósito de Proteínas.
• Os Estrogênios Têm Pouco Efeito na Distribuição dos Pelos.
• Os Estrogênios Aumentam o Metabolismo Corporal e o Depósito de Gordura.
• Estrogênios no Esqueleto: Os estrogênios inibem a atividade osteoclástica nos ossos e, portanto, estimulam o
crescimento ósseo.
• Efeito dos Estrogênios nas Mamas: Os estrogênios causam (1) desenvolvimento dos tecidos estromais das
• mamas; (2) crescimento de um vasto sistema de ductos; e (3) depósito de
• gordura nas mamas.
• Efeito dos Estrogênios na Pele: Os estrogênios fazem com que a pele desenvolva textura macia e normalmente
. Além disso, os estrogênios fazem com que a pele se torne mais vascularizada.
Diferenciação sexual na puberdade -
Mulher
Efeitos da progesterona
• A Progesterona Promove Alterações Secretoras no Útero. Uma função importante da progesterona é
promover alterações secretoras no endométrio uterino.
• Efeito da Progesterona nas Trompas de Falópio. A progesterona promove também aumento da secreção
pelo revestimento mucoso das trompas de Falópio. Essas secreções são necessárias para nutrir o óvulo
• Progesterona Promove o Desenvolvimento das Mamas. A progesterona promove o desenvolvimento dos
lóbulos e alvéolos das mamas, fazendo com que as células alveolares proliferem, aumentem e adquiram
natureza secretora.
Referencias Bibliográficas
• GRIFFITHS, A.J.F. et al. Introdução à Genética. Ed. Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro, 2010.
• SNUSTAD, D.P.; SIMMONS, M.J. Fundamentos de Genética. Ed. Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro,
2018.
• MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F.; AGUR, Anne M. R. Anatomia orientada para a clínica. 8 ed. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019.
• HALL, John E.; HALL, Michael E. Guyton & Hall. Tratado de fisiologia médica. 13ª ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2021.
• -SILVERTHORN, D. Fisiologia Humana: Uma Abordagem Integrada, 7ª. Edição, Artmed, 2017.
• TORTORA, G. J.; DERRICKSON, B. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 14ª. ed. RIo de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2016
Muito obrigado pela atenção dispensada.
Dúvidas?
Sugestões?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx

Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 
Diferencia+º+úo sexual
Diferencia+º+úo sexualDiferencia+º+úo sexual
Diferencia+º+úo sexualarrudanantes
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução Gaby Veloso
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidadeHugo Martins
 
Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor ladyacp
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..daniela
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducaoMarcos Elias
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanamestregil
 
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)joaotendeiro
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 

Semelhante a UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx (20)

Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
Diferencia+º+úo sexual
Diferencia+º+úo sexualDiferencia+º+úo sexual
Diferencia+º+úo sexual
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução
 
Resumos ciências
Resumos ciênciasResumos ciências
Resumos ciências
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
 
Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..
 
A Sexualidade
A SexualidadeA Sexualidade
A Sexualidade
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
A Sexualidade
 A Sexualidade A Sexualidade
A Sexualidade
 
A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducao
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducao
 
Transmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutorTransmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutor
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
 
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
Aula 14 e_15
Aula 14 e_15Aula 14 e_15
Aula 14 e_15
 

Último

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 

Último (10)

Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 

UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx

  • 1. Universidade Católica de Moçambique Faculdade de Ciências de Saúde Curso de licenciatura em Enfermagem Palestra: Determinação e diferenciação sexual Elaborado por: Filipe Gustavo, Enf. Agosto 2023
  • 2. Tópicos 1. Conceitos gerais : • Cromossomo ou cromossoma. • Genes. • Genótipo. • Fenótipo. 2. Determinação genética do sexo. • Teorias de Shetlles. 3. Diferenciação sexual na vida embrionária. 4. Diferenciação sexual ao nascer. 5. Diferenciação sexual na puberdade. • Genótipo. • Fenótipo. • Características sexuais secundarias.
  • 3. Conceitos Gerais Os cromossomos são estruturas filamentosas localizadas no interior do núcleo das células. A palavra cromossomo é derivada do grego (chromos -cor; soma -corpo). Os cromossomos contêm os genes que são os transmissores das características hereditárias. São formados de DNA e proteínas.
  • 4. Conceitos gerais. Quando falamos no Genótipo (do grego genos, “originar”, “provir”, e typos, “característico”), estamos falando propriamente dos genes, do “código” que irá determinar o comportamento de determinada característica no indivíduo. Contudo, todo par de genes produzirá um efeito no indivíduo. Esse efeito chamamos de fenótipo (do grego pheno, “evidente”, “brilhante”, e typos, “característico”). Ou seja: há genes específicos que determinam o tamanho da boca de um ser humano. Esse conjunto de genes corresponde ao genótipo da boca. A forma da boca e a manifestação do “código” presente nesses genes é o fenótipo. Dessa forma, podemos observar diretamente o fenótipo de um indivíduo, ao passo que o genótipo deve ser inferido pela análise e pelo sequenciamento de seu genoma.
  • 5. Diferenciação e determinação sexual Processo sequencial, lento e que consiste em etapas/estágios. Estágios de determinação e diferenciação sexual • Sexo genético: Genótipo • Sexo Gonadal: Ovário ou testículo- regulado por cerca de 30 genes específicos. • Sexo fenótipo: Determinado pelo sexo gonadal, diferenciando as genitálias interna e externa em feminina e masculina. • Sexo: Psicológico: Adquirido depois do nascimento através do desenvolvimento social da personalidade, conjuntamente com influencias hormonais, pré natais e identificação sexual pós natal. Este tipo de sexo não é abordado nos livros de embriologia, portanto não e considerado parte das fases ou classificação sexual.
  • 6. Determinação sexual genetica Determinação sexual genética é o processo na qual o nosso organismo determina a sua sexualidade com base no pareamento de cromossomos na fertilização . O sexo do indivíduo é determinado no momento da fertilização. Nos seres humanos os homens tem gametas com cromossomos diferentes ( O cromossomo X e o cromossomo Y) e por isso são chamados de heterogaméticos . E as as mulheres produzem gametas com cromossomos iguais ( O cromossomo X e o cromossomo X ) e por isso são chamadas de homogameticas. Assim, a determinação do sexo cromossómico genético depende de um espermatozoide contendo cromossomo Y ou um espermatozoide contendo um cromossomo X fecundar um oocito que contem um cromossomo X.
  • 7. Teorias de Shettles Na década de 1970, Dr. Shettles descobriu que o espermatozoide “fêmea” e o espermatozoide “macho” têm características diferentes. Ele acreditava que identificar tais diferenças poderia ajudar os casais a tentar conceber um menino ou uma menina.  Quando ter relações sexuais Shettles descobriu que o espermatozoide que contém um cromossomo Y é menor, desloca-se com mais rapidez e tem um período de vida mais curto que o espermatozoide que contém um cromossomo X. Ele acreditava que, se um casal tivesse relações sexuais no período da ovulação, seria mais provável que o espermatozoide “macho” chegasse ao óvulo antes do espermatozoide “fêmea”. Se o óvulo fosse fertilizado, era mais provável que o casal tivesse um menino  Posições sexuais Shettles também sugeriu que a posição sexual na qual há penetração profunda, como na posição de quatro apoios, por exemplo, daria a oportunidade de o espermatozoide “macho” começar a sua corrida mais próximo do colo do útero e, por se deslocar com maior rapidez, chegar ao óvulo primeiro, resultando em um menino.  Ingerir determinados alimentos Shettles sugeriu que tornar a vagina mais ácida aumentaria a probabilidade de o espermatozoide “fêmea” sobreviver, por ser mais robusto, o que resultaria em uma menina. Um ambiente mais alcalino seria melhor para o rápido espermatozoide “macho”, concebendo um menino.
  • 8. Diferenciação sexual durante a vida embrionaria O sexo do indivíduo é determinado no momento da fertilização. Porém, o processo de diferenciação sexual ocorrerá apenas algum tempo depois. E para tal existem mais de cinco genes relacionados ao começo da diferenciação sexual do sexo dentre esses se destacam: • Nas mulheres: WNT4, WT1, RESPO1? • Nos homens: SOX9 e SRY. No braco curto do cromossomo Y, fora das regioes pseudoautossomicas encontramos o gene SRY. O gene SRY (Sex-Determining Region of Y Chromossome- Região determinante sexual do cromosssomo Y) também denominado TDF (Testis Determining Factor- Factor determinandor dos testículos ) é implicado na formação do testículo, isto ocorre no final do período embrionário, na oitava semana de desenvolvimento. os testículos consistem nos cordões seminíferos, com as células germinativas primordiais (ou gonócitos) e as células de Sertoli, também denominadas células de sustentação por realizarem essa função. As células de Sertoli secretam o hormônio antimülleriano (antimüllerian hormone – AMH), que suprime o desenvolvimento dos ductos de Müller, precursores do trato reprodutor feminino. Por influência da gonadotrofina coriônica humana (human chorionic gonadotropin – hCG), hormônio proteico produzido pela placenta, semelhante ao hormônio luteinizante (luteinizing hormone – LH), surgem, entre os cordões seminíferos, as células de Leydig (ou células intersticiais), as quais secretam testosterona, indutora da formação do sistema reprodutor masculino.
  • 9. Formação dos órgãos genitais internos a partir dos dutos de Wolff no macho e dos dutos de Müller na fêmea. Fonte: Segundo ZARCO, 2018, apud SILVA 2021,.
  • 10. Formação dos órgãos genitais internos a partir dos genes femeninos e masculinos localizados nos cromossomos. Fonte: Segundo ZARCO, 2018, apud SILVA 2021,.
  • 11. A respeito dos órgãos genitais externos , nos embriões de ambos os sexos existem estruturas precursoras chamadas de tubérculo genital e pregas vestibulares. Na mulher o tubérculo genital da origem ao clitóris e as pregas vestibulares dão origem aos lábios vulvares sem a necessidade da atuação de hormônios ovarianos, já que o padrão “por via pré-estabelecida” é feminino. Em contrapartida, no macho, tanto o tubérculo genital quanto as pregas vestibulares respondem ao hormônio 5α- dehidro-testosterona (DHT), ao qual se formam as células da pele da zona genital a partir da testosterona que é secretada pelos testículos. Para isso existem nas células a enzima 5α-reductasa, que transforma a testosterona em DHT. Uma vez formada, a DHT atua sobre as pregas vestibulares do embrião macho para que se fusionem e formem o escroto (em lugar dos lábios vulvares), e sobre o tubérculo genital para formar o pênis (em lugar do clitóris). Diferenciação sexual durante a vida embrionária- Orgaos externos
  • 12. Estruturas que se desenvolvem nos embriões de cada sexo a partir do seio urogenital, o tubérculo genital e as pregas vestibulares. A cor do né de cada estrutura final corresponde com a cor do nome da estrutura a partir da qual se originou. Fonte: ZARCO, 2018. Apud Silva, 2021.
  • 13. Diferenciação sexual ao nascer. Ao nascer, o recém-nascido se encontra normalmente em total equilíbrio nutricional, desde que a mãe tenha adotado uma dieta adequada. A diferencicao sexual ao nascer se da apritr da obcercao da genitalia externa, na qual se apresentar o canl vaginal e denomidado menina e se nascer com o penis e denominado homem.
  • 14. Diferenciação sexual na puberdade - Homem Os testículos secretam muitos hormônios sexuais masculinos, chamados, coletivamente, androgênios, incluindo a testosterona, di-hidrotestosterona e androstenediona. Esses hormônios são importantes para atribuir características sexuais secundarias para poder se diferenciar a mulher do homem. Efeitos da testosterona nos homens como parte da diferenciação sexual. • Aumento dos órgãos : O pênis, o saco escrotal e os testículos aumentam de tamanho, em aproximadamente oito vezes antes dos 20 anos de idade. • Distribuição dos Pelos Corporais: A testosterona induz o crescimento de pelos (1) no púbis; (2) para cima ao longo da linha alba do abdome, algumas vezes até o umbigo ou acima; (3) na face; (4) geralmente no tórax; e (5), menos frequentemente, em outras regiões do corpo, como as costas. • Efeito na Voz: A testosterona secretada pelos testículos ou injetada no corpo produz hipertrofia da mucosa laríngea e alargamento da laringe. Inicialmente, esses efeitos causam voz relativamente dissonante, “rachada” e posterior ajustavel • Aumento da a espessura da pele e pode contribuir para o desenvolvimento de Acne: A secreção excessiva pelas glândulas sebáceas do rosto é de especial importância, porque pode ter como resultado a acne. • A testosterona aumenta a formação de proteínas e o desenvolvimento muscular. • A testosterona Aumenta a Matriz Óssea e Induz a Retenção de Cálcio: o aumento na matriz óssea seja resultado da função geral da testosterona, no anabolismo proteico, e da deposição aumentada de sais de cálcio. • Aumento da produção de hemácias.
  • 15.
  • 16. Os dois tipos de hormônios sexuais ovarianos são os estrogênios e as progestinas. Sem dúvida, o mais importante dos estrogênios é o hormônio estradiol, e a mais importante das progestinas é a progesterona. Diferenciação sexual na puberdade - Mulher Efeitos dos estrogenios • Aumento dos orgaos : Os ovários, as trompas de Falópio, o útero e a vagina aumentam de tamanho várias vezes. Além do mais, a genitália externa aumenta, com depósito de gordura no monte pubiano e nos grandes lábios, além de aumento dos pequenos lábios. • Proliferação do tecido das tubas uterinas: A proliferação induz o surgimentos de cílios . • Os Estrogênios Aumentam Ligeiramente o Depósito de Proteínas. • Os Estrogênios Têm Pouco Efeito na Distribuição dos Pelos. • Os Estrogênios Aumentam o Metabolismo Corporal e o Depósito de Gordura. • Estrogênios no Esqueleto: Os estrogênios inibem a atividade osteoclástica nos ossos e, portanto, estimulam o crescimento ósseo. • Efeito dos Estrogênios nas Mamas: Os estrogênios causam (1) desenvolvimento dos tecidos estromais das • mamas; (2) crescimento de um vasto sistema de ductos; e (3) depósito de • gordura nas mamas. • Efeito dos Estrogênios na Pele: Os estrogênios fazem com que a pele desenvolva textura macia e normalmente . Além disso, os estrogênios fazem com que a pele se torne mais vascularizada.
  • 17. Diferenciação sexual na puberdade - Mulher Efeitos da progesterona • A Progesterona Promove Alterações Secretoras no Útero. Uma função importante da progesterona é promover alterações secretoras no endométrio uterino. • Efeito da Progesterona nas Trompas de Falópio. A progesterona promove também aumento da secreção pelo revestimento mucoso das trompas de Falópio. Essas secreções são necessárias para nutrir o óvulo • Progesterona Promove o Desenvolvimento das Mamas. A progesterona promove o desenvolvimento dos lóbulos e alvéolos das mamas, fazendo com que as células alveolares proliferem, aumentem e adquiram natureza secretora.
  • 18.
  • 19. Referencias Bibliográficas • GRIFFITHS, A.J.F. et al. Introdução à Genética. Ed. Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro, 2010. • SNUSTAD, D.P.; SIMMONS, M.J. Fundamentos de Genética. Ed. Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro, 2018. • MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F.; AGUR, Anne M. R. Anatomia orientada para a clínica. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019. • HALL, John E.; HALL, Michael E. Guyton & Hall. Tratado de fisiologia médica. 13ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2021. • -SILVERTHORN, D. Fisiologia Humana: Uma Abordagem Integrada, 7ª. Edição, Artmed, 2017. • TORTORA, G. J.; DERRICKSON, B. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 14ª. ed. RIo de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016
  • 20. Muito obrigado pela atenção dispensada. Dúvidas? Sugestões?