SlideShare uma empresa Scribd logo
Sismologia
                      BG10
                 Isabel Lopes
     http://bg10esc.wordpress.com
Page  2
Page  3
O que é um sismo ou abalo sismíco?
           • É a vibração do solo devido à propagação de ondas
           elásticas, geradas numa determinada zona da
           litosfera ou por outras palavras, são movimentos
           vibratórios com origem nas camadas superiores da
           Terra,     provocados          pela   libertação      brusca         de
           energia.                                    Movimentos do solo sentidos pelas
                                                       populações (rotura tectónica ou
                                                       erupção vulcânica,…)

                           Microssismo
                                                 Macrossismo
              Movimentos do solo não
              sentidos pelas populações
Page  4      (mar, vento,…)
Causas e efeitos

                                • Sismos vulcânicos
           Causas
                                • Sismos de colapso
           Naturais             • Sismos tectónicos



                                • Actividade humana em minas
            Causas
                                • Actividade humana em pedreiras
           Artificiais          • Ensaios nucleares



                Sismologia – Estuda os fenómenos relacionados à ocorrência de sismos
Page  5
Causas e efeitos
                   Sismo vulcânico




                    Sismo de colapso




Page  6
Causas e efeitos

                                 • Pequenos abalos que precedem o
              Abalos               abalo principal
           premonitórios
                                 • Poderão ajudar a “dar o alerta”



                                 • Sismos de menor magnitude que

             Réplicas              ocorrerem    depois   do    sismo
                                   principal



             Simulação de terramoto no Chile pela National Geographic

Page  7
Monitor sísmico




                  monitor sísmico
Page  8
Registo de Sismos em Portugal




                                   http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/


Page  9
Sismo




Page  10
Page  11
Falha Activa




      Falha activa: estrutura geológica resultante da fractura de rochas,
      com formação de blocos que se deslocam uns em relação aos outros

Page  12
Sismo
                    Foco ou hipocentro - O local do interior da
                    geosfera onde ocorre a libertação da energia
                    sísmica.
                    Epicentro -local à superfície da Terra,
                    situado na vertical do foco ou hipocentro.
                    Profundidade focal - distância entre o foco
                    e o epicentro.
                    As ondas sísmicas originam-se a partir da
                    energia libertada no foco e que se propaga
                    em todas as direcções, fazendo vibrar as
                    partículas rochosas.
Page  13
Sismo




   Frentes de onda -A propagação das ondas sísmicas é tridimensional
   constituindo superfícies esféricas definidas pelo conjunto de pontos
   na mesma fase do movimento ondulatório.
   Raios    sísmicos   -   Direcções   de   propagação   da   onda   sísmica
   perpendiculares à frente de onda.

Page  14
Ondas sísmicas
      Ondas elásticas produzidas durante um sismo e que se
      propagam segundo superfícies concêntricas a partir do
      foco.
      Os dois principais tipos de ondas são as ondas de
      volume e as ondas de superfície. As ondas de volume
      podem atravessar as camadas internas da Terra, mas as
      ondas de superfície podem só andar pela superfície do
      planeta como ondulações na água.
                                             p.148

Page  15
Ondas de volume
      Ondas P
      (ondas primárias, longitudinais, de compressão ou de rarefacção)
      São as ondas sísmicas com movimento mais rápido.
      Têm um movimento de empurrar e puxar, fazendo com que as
      partículas da rocha se movam para frente e para trás, ou seja na
      mesma direcção de propagação da onda.
      As ondas P podem atravessar sólidos, líquidos ou gases.




                                         Fonte: https://www.planetseed.com/

Page  16
Ondas de volume
     Ondas S
     (ondas secundárias, de cisalhamento, laterais ou transversais)
      Andam muito mais lentamente que as ondas P.
      Não atravessam líquidos.
      As ondas S fazem com que as partículas se movam de lado a lado,
      ou seja perpendicularmente à direcção de propagação da onda.
      Introduzem deformações e distorções na geometria do meio onde se
      propagam.




                                       Fonte: https://www.planetseed.com/

Page  17
Ondas de superficiais
 … resultam da interacção entre as ondas de volume e a superfície
 terrestre, são as causadoras de maior destruição


       Ondas L
       (ondas de Love)

      Deslocam-se     de    forma    a      fazer           vibrar              as    partículas
      perpendicularmente    à   direcção     de       propagação                 da    onda   e
      paralelamente à superfície.




                                           Fonte: https://www.planetseed.com/

Page  18
Ondas de superficiais
      Ondas R
      (ondas de Rayleigh)

      as partículas deslocam-se de acordo com uma trajectória elíptica e
      em sentido inverso ao dos ponteiros do relógio.




                                         Fonte: https://www.planetseed.com/

Page  19
Sismos: como se registam?




            Sismógrafo    Sismógrafo   Sismograma
             horizontal     vertical



Page  20
Sismograma
                         Ausência de actividade sísmica intensa
                         (nunca é uma linha recta)

                          3 tipos de ondas




                  Ondas P – são as mais rápidas, e por isso
                  as primeiras a chegar
                  Ondas S – são as segundas a chegar
                  Ondas L e R - são as mais lentas mas de
                  maior amplitude

Page  21
Determinação do epicentro




Page  22
Previsão
Identifica os locais perigosos em
caso de sismo, começa pelos
perigos no teu quarto!




                                             Recomendações do
                                    Instituto Português de Meteorologia

Page  23
Animais e a prevenção…
             Sapos podem ajudar a prever sismos




Page  24
Escalas…

            Escala                   Escala
              de                       de
            Mercali                  Richter
                      Intensidade              Magnitude


                      Efeito
                                               Energia
                      sentido pela
                                               libertada
                      população



Page  25
Escalas…




Page  26
Carta de Isossistas
 Com base na Intensidade Sísmica determinada pela Escala de Mercalli,
 constroem-se mapas, também chamados CARTAS de ISOSSISTAS


                                                                 ISOSSISTAS – São linhas curvas
                                                                 e fechadas que unem pontos
                                                                 com       a   mesma    Intensidade
                                                                 Sísmica.
                                                                 De isossista para isossista, a
                                                                 intensidade    varia   um    grau,
                                                                 aumentando da periferia para o
                                                                 centro.
           Carta de isossistas simplificada do
        terramoto de 1755, ocorrido em Portugal
Page  27                      Fonte: http://www.infopedia.pt/
Verifica se estás a perceber…




            • Página 153 e 154

            •on line em: http://asimoesesma.do.sapo.pt/sismologia.htm




Page  28
Sismos e tectónica de placas
 A localização geográfica dos epicentros, distingue:
 • Sismos intraplaca e sismos interplaca

Nas zonas de subducção têm origem sismos superficiais (profundidade do foco
até 80 Km), muito embora, os sismos superficiais ocorram particularmente ao longo
das dorsais meso-oceânicas ( limites divergentes ), intermédios (profundidade
do foco entre 80 e 300 Km, concentrando-se, particularmente, nos limites
convergentes ) e profundos (profundidade do foco entre 300 e 700 Km,
encontrando-se unicamente nos limites convergentes). É aqui que se originam os
terramotos mais violentos e também os mais mortíferos, por causa da sua situação
geográfica, frequentemente, localizada em regiões de forte densidade populacional
(Chile, Japão, México).
                                                Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_3.html
Page  29
Sismos e tectónica de placas
     Os epicentros dos sismos distribuem-se geralmente nas zonas dos
     limites das placas litosféricas e localizam-se em três regiões do
     Globo Terrestre:
     1º- Zona Circumpacífica – anel de fogo do pacífico (Cordilheira dos
     Andes, Japão, Filipinas, Nova Zelândia, Samôa...) É aqui que se
     originam os terramotos mais violentos e também os mais mortíferos,
     por causa da sua situação geográfica, frequentemente, localizada
     em regiões de forte densidade populacional (Chile, Japão, México).




Page  30
Sismos e tectónica de placas
    2º- Faixa ou Cintura Mediterrânico- asiática




Page  31
Sismos e tectónica de placas
    3º - Zonas de dorsais - Crista ou Dorsal Médio – Atlântica (Açores,
    Canárias Islândia...), bem como nas falhas transformantes, originam-se
    numerosos sismos de intensidade moderada. Estes produzem-se a uma
    profundidade, abaixo do fundo oceânico, entre 1.000 a 2.000 metros e,
    praticamente, não afectam o homem.




Page  32
Século XX – sismos em Portugal
•1909, 1941 e 1969 no continente, com efeito destrutivo reduzido
•1926, 1950, 1973, 1980 e 1998, nos Açores, ocorreram sismos importantes .
O que a Sismologia e a Engenharia Sísmica hoje impõem, para além do
desenvolvimento da observação experimental dos sismos, quanto à sua origem,
propagação e intensidade, é o emprego de:
• técnicas de avaliação do estado actual e do reforço, quando introduzido, das
estruturas existentes;
• de novos materiais e componentes estruturais destinados à dissipação de
energia;
• e a implementação de códigos de projecto de estruturas anti-sísmicas, para as
novas construções, com vista à segurança das pessoas e dos seus bens.
                                            Adaptado de: http://www-ext.lnec.pt/LNEC/museuvirtual/sismos.html

Page  33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
margaridabt
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
margaridabt
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
Sandra Nascimento
 
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Nuno Correia
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
margaridabt
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
Luís Filipe Marinho
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentares
Nuno Correia
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
Isabel Lopes
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Isabel Lopes
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Gabriela Bruno
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
Luís Reguengo
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
Hugo Martins
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
9 vulcanologia
9   vulcanologia9   vulcanologia
9 vulcanologia
margaridabt
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
margaridabt
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
Isabel Lopes
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ana Castro
 

Mais procurados (20)

7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentares
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosfera
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
9 vulcanologia
9   vulcanologia9   vulcanologia
9 vulcanologia
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
 

Destaque

Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Gabriela Bruno
 
VII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIAVII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIA
sandranascimento
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
Tânia Reis
 
11 sismologia
11 sismologia 11 sismologia
11 sismologia
Vanessa Jorge
 
Ppt 26 Sismologia
Ppt 26   SismologiaPpt 26   Sismologia
Ppt 26 Sismologia
Nuno Correia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Catir
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
SismosSismos
Sismos
HugoAndre
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
professoraIsabel
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
ivasantos
 
Atividade sismica
Atividade sismicaAtividade sismica
Sismos
SismosSismos
Sismos
Isabel Lopes
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
luis costa
 
Sismologia 1
Sismologia 1Sismologia 1
Sismologia 1
João Braga
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
Rita Pereira
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
Rodrigo Baglini
 
Os Sismos
Os Sismos   Os Sismos
Os Sismos
vialongadt
 
Sismos
SismosSismos
Estrutura interna da geosfera
Estrutura interna da geosfera Estrutura interna da geosfera
Estrutura interna da geosfera
Isabel Lopes
 
Teste 3 geo 10 versao oficial
Teste 3 geo 10 versao oficialTeste 3 geo 10 versao oficial
Teste 3 geo 10 versao oficial
Estela Costa
 

Destaque (20)

Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
VII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIAVII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIA
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
11 sismologia
11 sismologia 11 sismologia
11 sismologia
 
Ppt 26 Sismologia
Ppt 26   SismologiaPpt 26   Sismologia
Ppt 26 Sismologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Atividade sismica
Atividade sismicaAtividade sismica
Atividade sismica
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismologia 1
Sismologia 1Sismologia 1
Sismologia 1
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
 
Os Sismos
Os Sismos   Os Sismos
Os Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Estrutura interna da geosfera
Estrutura interna da geosfera Estrutura interna da geosfera
Estrutura interna da geosfera
 
Teste 3 geo 10 versao oficial
Teste 3 geo 10 versao oficialTeste 3 geo 10 versao oficial
Teste 3 geo 10 versao oficial
 

Semelhante a Sismologia

Actividade sísmica
Actividade sísmicaActividade sísmica
Actividade sísmica
7F
 
CN: Actividade Sísmica
CN: Actividade SísmicaCN: Actividade Sísmica
CN: Actividade Sísmica
7F
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Rita Pereira
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
tmar
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
guestdbe434
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Aula sobreTerremoto David Ferreira
Aula sobreTerremoto David FerreiraAula sobreTerremoto David Ferreira
Aula sobreTerremoto David Ferreira
dlmc01
 
7 sismologia
7  sismologia7  sismologia
7 sismologia
bgprof
 
sismologia-10-ano-geologia.pdf
sismologia-10-ano-geologia.pdfsismologia-10-ano-geologia.pdf
sismologia-10-ano-geologia.pdf
CarlaMarisa6
 
Sismos
SismosSismos
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Tânia Reis
 
Sismologia_Gabriela.pdf
Sismologia_Gabriela.pdfSismologia_Gabriela.pdf
Sismologia_Gabriela.pdf
MikeMicas
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Sérgio Luiz
 
ONDAS_SÍSMICAS.ppt
ONDAS_SÍSMICAS.pptONDAS_SÍSMICAS.ppt
ONDAS_SÍSMICAS.ppt
Paulo Ricardo
 
Sismos
SismosSismos
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da UnicampAbalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
Silvio Araujo de Sousa
 
Geologia 10 sismologia
Geologia 10   sismologiaGeologia 10   sismologia
Geologia 10 sismologia
Nuno Correia
 
#Sismologia.ppt
#Sismologia.ppt#Sismologia.ppt
#Sismologia.ppt
thais701572
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
Resumo   sismologia e estrutura interna da terraResumo   sismologia e estrutura interna da terra
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
Hugo Martins
 

Semelhante a Sismologia (20)

Actividade sísmica
Actividade sísmicaActividade sísmica
Actividade sísmica
 
CN: Actividade Sísmica
CN: Actividade SísmicaCN: Actividade Sísmica
CN: Actividade Sísmica
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
Aula sobreTerremoto David Ferreira
Aula sobreTerremoto David FerreiraAula sobreTerremoto David Ferreira
Aula sobreTerremoto David Ferreira
 
7 sismologia
7  sismologia7  sismologia
7 sismologia
 
sismologia-10-ano-geologia.pdf
sismologia-10-ano-geologia.pdfsismologia-10-ano-geologia.pdf
sismologia-10-ano-geologia.pdf
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismologia_Gabriela.pdf
Sismologia_Gabriela.pdfSismologia_Gabriela.pdf
Sismologia_Gabriela.pdf
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
ONDAS_SÍSMICAS.ppt
ONDAS_SÍSMICAS.pptONDAS_SÍSMICAS.ppt
ONDAS_SÍSMICAS.ppt
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da UnicampAbalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
Abalos sísmicos no Brasil - fundamentação teórica e vestibular da Unicamp
 
Geologia 10 sismologia
Geologia 10   sismologiaGeologia 10   sismologia
Geologia 10 sismologia
 
#Sismologia.ppt
#Sismologia.ppt#Sismologia.ppt
#Sismologia.ppt
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
Resumo   sismologia e estrutura interna da terraResumo   sismologia e estrutura interna da terra
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
 

Mais de Isabel Lopes

Relatório posto 9 passarela
Relatório posto 9 passarelaRelatório posto 9 passarela
Relatório posto 9 passarela
Isabel Lopes
 
Relatório posto 8 contra relógio
Relatório posto 8 contra relógioRelatório posto 8 contra relógio
Relatório posto 8 contra relógio
Isabel Lopes
 
Relatório posto 7 desespero em casa
Relatório posto 7 desespero em casaRelatório posto 7 desespero em casa
Relatório posto 7 desespero em casa
Isabel Lopes
 
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dadRelatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
Isabel Lopes
 
Relatório posto 5 tudo a limpo
Relatório posto 5 tudo a limpoRelatório posto 5 tudo a limpo
Relatório posto 5 tudo a limpo
Isabel Lopes
 
Relatório posto 4 roleplay
Relatório posto 4 roleplayRelatório posto 4 roleplay
Relatório posto 4 roleplay
Isabel Lopes
 
Relatório posto 3 party & co
Relatório posto 3 party & coRelatório posto 3 party & co
Relatório posto 3 party & co
Isabel Lopes
 
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguaisRelatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
Isabel Lopes
 
Relatorio posto 1 johnson's baby
Relatorio posto 1 johnson's babyRelatorio posto 1 johnson's baby
Relatorio posto 1 johnson's baby
Isabel Lopes
 
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de géneroMapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
Isabel Lopes
 
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
Isabel Lopes
 
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
Isabel Lopes
 
Peddy paper students evaluation
Peddy paper students evaluationPeddy paper students evaluation
Peddy paper students evaluation
Isabel Lopes
 
Final product stories on children's rights
Final product   stories on children's rightsFinal product   stories on children's rights
Final product stories on children's rights
Isabel Lopes
 
sistema hormonal
sistema hormonalsistema hormonal
sistema hormonal
Isabel Lopes
 
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - NervosoSistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Isabel Lopes
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivos
Isabel Lopes
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
Isabel Lopes
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
Isabel Lopes
 
Biodiversidade (versão 2012)
Biodiversidade (versão 2012)Biodiversidade (versão 2012)
Biodiversidade (versão 2012)
Isabel Lopes
 

Mais de Isabel Lopes (20)

Relatório posto 9 passarela
Relatório posto 9 passarelaRelatório posto 9 passarela
Relatório posto 9 passarela
 
Relatório posto 8 contra relógio
Relatório posto 8 contra relógioRelatório posto 8 contra relógio
Relatório posto 8 contra relógio
 
Relatório posto 7 desespero em casa
Relatório posto 7 desespero em casaRelatório posto 7 desespero em casa
Relatório posto 7 desespero em casa
 
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dadRelatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
Relatório posto 6 entre pais e filhos playing with mom and dad
 
Relatório posto 5 tudo a limpo
Relatório posto 5 tudo a limpoRelatório posto 5 tudo a limpo
Relatório posto 5 tudo a limpo
 
Relatório posto 4 roleplay
Relatório posto 4 roleplayRelatório posto 4 roleplay
Relatório posto 4 roleplay
 
Relatório posto 3 party & co
Relatório posto 3 party & coRelatório posto 3 party & co
Relatório posto 3 party & co
 
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguaisRelatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
Relatório posto 2 todos diferentes, todos iguais
 
Relatorio posto 1 johnson's baby
Relatorio posto 1 johnson's babyRelatorio posto 1 johnson's baby
Relatorio posto 1 johnson's baby
 
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de géneroMapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
Mapa peddy paper 2013 des-igualdade de género
 
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
Inquérito por questionário para avaliação final peddy paper (alunos participa...
 
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
Avaliação pelos alunos (Peddy paper 2013)
 
Peddy paper students evaluation
Peddy paper students evaluationPeddy paper students evaluation
Peddy paper students evaluation
 
Final product stories on children's rights
Final product   stories on children's rightsFinal product   stories on children's rights
Final product stories on children's rights
 
sistema hormonal
sistema hormonalsistema hormonal
sistema hormonal
 
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - NervosoSistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - Nervoso
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivos
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Biodiversidade (versão 2012)
Biodiversidade (versão 2012)Biodiversidade (versão 2012)
Biodiversidade (versão 2012)
 

Último

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 

Último (20)

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 

Sismologia

  • 1. Sismologia BG10 Isabel Lopes http://bg10esc.wordpress.com
  • 4. O que é um sismo ou abalo sismíco? • É a vibração do solo devido à propagação de ondas elásticas, geradas numa determinada zona da litosfera ou por outras palavras, são movimentos vibratórios com origem nas camadas superiores da Terra, provocados pela libertação brusca de energia. Movimentos do solo sentidos pelas populações (rotura tectónica ou erupção vulcânica,…) Microssismo Macrossismo Movimentos do solo não sentidos pelas populações Page  4 (mar, vento,…)
  • 5. Causas e efeitos • Sismos vulcânicos Causas • Sismos de colapso Naturais • Sismos tectónicos • Actividade humana em minas Causas • Actividade humana em pedreiras Artificiais • Ensaios nucleares Sismologia – Estuda os fenómenos relacionados à ocorrência de sismos Page  5
  • 6. Causas e efeitos Sismo vulcânico Sismo de colapso Page  6
  • 7. Causas e efeitos • Pequenos abalos que precedem o Abalos abalo principal premonitórios • Poderão ajudar a “dar o alerta” • Sismos de menor magnitude que Réplicas ocorrerem depois do sismo principal Simulação de terramoto no Chile pela National Geographic Page  7
  • 8. Monitor sísmico monitor sísmico Page  8
  • 9. Registo de Sismos em Portugal http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/ Page  9
  • 12. Falha Activa Falha activa: estrutura geológica resultante da fractura de rochas, com formação de blocos que se deslocam uns em relação aos outros Page  12
  • 13. Sismo Foco ou hipocentro - O local do interior da geosfera onde ocorre a libertação da energia sísmica. Epicentro -local à superfície da Terra, situado na vertical do foco ou hipocentro. Profundidade focal - distância entre o foco e o epicentro. As ondas sísmicas originam-se a partir da energia libertada no foco e que se propaga em todas as direcções, fazendo vibrar as partículas rochosas. Page  13
  • 14. Sismo Frentes de onda -A propagação das ondas sísmicas é tridimensional constituindo superfícies esféricas definidas pelo conjunto de pontos na mesma fase do movimento ondulatório. Raios sísmicos - Direcções de propagação da onda sísmica perpendiculares à frente de onda. Page  14
  • 15. Ondas sísmicas Ondas elásticas produzidas durante um sismo e que se propagam segundo superfícies concêntricas a partir do foco. Os dois principais tipos de ondas são as ondas de volume e as ondas de superfície. As ondas de volume podem atravessar as camadas internas da Terra, mas as ondas de superfície podem só andar pela superfície do planeta como ondulações na água. p.148 Page  15
  • 16. Ondas de volume Ondas P (ondas primárias, longitudinais, de compressão ou de rarefacção) São as ondas sísmicas com movimento mais rápido. Têm um movimento de empurrar e puxar, fazendo com que as partículas da rocha se movam para frente e para trás, ou seja na mesma direcção de propagação da onda. As ondas P podem atravessar sólidos, líquidos ou gases. Fonte: https://www.planetseed.com/ Page  16
  • 17. Ondas de volume Ondas S (ondas secundárias, de cisalhamento, laterais ou transversais) Andam muito mais lentamente que as ondas P. Não atravessam líquidos. As ondas S fazem com que as partículas se movam de lado a lado, ou seja perpendicularmente à direcção de propagação da onda. Introduzem deformações e distorções na geometria do meio onde se propagam. Fonte: https://www.planetseed.com/ Page  17
  • 18. Ondas de superficiais … resultam da interacção entre as ondas de volume e a superfície terrestre, são as causadoras de maior destruição Ondas L (ondas de Love) Deslocam-se de forma a fazer vibrar as partículas perpendicularmente à direcção de propagação da onda e paralelamente à superfície. Fonte: https://www.planetseed.com/ Page  18
  • 19. Ondas de superficiais Ondas R (ondas de Rayleigh) as partículas deslocam-se de acordo com uma trajectória elíptica e em sentido inverso ao dos ponteiros do relógio. Fonte: https://www.planetseed.com/ Page  19
  • 20. Sismos: como se registam? Sismógrafo Sismógrafo Sismograma horizontal vertical Page  20
  • 21. Sismograma Ausência de actividade sísmica intensa (nunca é uma linha recta) 3 tipos de ondas Ondas P – são as mais rápidas, e por isso as primeiras a chegar Ondas S – são as segundas a chegar Ondas L e R - são as mais lentas mas de maior amplitude Page  21
  • 23. Previsão Identifica os locais perigosos em caso de sismo, começa pelos perigos no teu quarto! Recomendações do Instituto Português de Meteorologia Page  23
  • 24. Animais e a prevenção… Sapos podem ajudar a prever sismos Page  24
  • 25. Escalas… Escala Escala de de Mercali Richter Intensidade Magnitude Efeito Energia sentido pela libertada população Page  25
  • 27. Carta de Isossistas Com base na Intensidade Sísmica determinada pela Escala de Mercalli, constroem-se mapas, também chamados CARTAS de ISOSSISTAS ISOSSISTAS – São linhas curvas e fechadas que unem pontos com a mesma Intensidade Sísmica. De isossista para isossista, a intensidade varia um grau, aumentando da periferia para o centro. Carta de isossistas simplificada do terramoto de 1755, ocorrido em Portugal Page  27 Fonte: http://www.infopedia.pt/
  • 28. Verifica se estás a perceber… • Página 153 e 154 •on line em: http://asimoesesma.do.sapo.pt/sismologia.htm Page  28
  • 29. Sismos e tectónica de placas A localização geográfica dos epicentros, distingue: • Sismos intraplaca e sismos interplaca Nas zonas de subducção têm origem sismos superficiais (profundidade do foco até 80 Km), muito embora, os sismos superficiais ocorram particularmente ao longo das dorsais meso-oceânicas ( limites divergentes ), intermédios (profundidade do foco entre 80 e 300 Km, concentrando-se, particularmente, nos limites convergentes ) e profundos (profundidade do foco entre 300 e 700 Km, encontrando-se unicamente nos limites convergentes). É aqui que se originam os terramotos mais violentos e também os mais mortíferos, por causa da sua situação geográfica, frequentemente, localizada em regiões de forte densidade populacional (Chile, Japão, México). Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/sismos_3.html Page  29
  • 30. Sismos e tectónica de placas Os epicentros dos sismos distribuem-se geralmente nas zonas dos limites das placas litosféricas e localizam-se em três regiões do Globo Terrestre: 1º- Zona Circumpacífica – anel de fogo do pacífico (Cordilheira dos Andes, Japão, Filipinas, Nova Zelândia, Samôa...) É aqui que se originam os terramotos mais violentos e também os mais mortíferos, por causa da sua situação geográfica, frequentemente, localizada em regiões de forte densidade populacional (Chile, Japão, México). Page  30
  • 31. Sismos e tectónica de placas 2º- Faixa ou Cintura Mediterrânico- asiática Page  31
  • 32. Sismos e tectónica de placas 3º - Zonas de dorsais - Crista ou Dorsal Médio – Atlântica (Açores, Canárias Islândia...), bem como nas falhas transformantes, originam-se numerosos sismos de intensidade moderada. Estes produzem-se a uma profundidade, abaixo do fundo oceânico, entre 1.000 a 2.000 metros e, praticamente, não afectam o homem. Page  32
  • 33. Século XX – sismos em Portugal •1909, 1941 e 1969 no continente, com efeito destrutivo reduzido •1926, 1950, 1973, 1980 e 1998, nos Açores, ocorreram sismos importantes . O que a Sismologia e a Engenharia Sísmica hoje impõem, para além do desenvolvimento da observação experimental dos sismos, quanto à sua origem, propagação e intensidade, é o emprego de: • técnicas de avaliação do estado actual e do reforço, quando introduzido, das estruturas existentes; • de novos materiais e componentes estruturais destinados à dissipação de energia; • e a implementação de códigos de projecto de estruturas anti-sísmicas, para as novas construções, com vista à segurança das pessoas e dos seus bens. Adaptado de: http://www-ext.lnec.pt/LNEC/museuvirtual/sismos.html Page  33