Terra em Transformação
CNat 7ºAno Prof.ª Gabriela Salgado
3.6
Explicar a formação de um sismo, associado à
dinâmica interna da Terra e aos limites das placas
Associar a vibração da...
Pág. 140 do manual
Pág. 160 do manual antigo
Atividade Sísmica
Os sismos são movimentos vibratórios que ocorrem na superfície
da Terra, com origem nas rochas da litosfera, e são provoca...
... a ocorrência de sismos está associada a zonas geologicamente
instáveis, tais como os limites das placas litosféricas.
...
Os movimento das placas litosféricas ou das falhas ocasionam a
acumulação de energia que, ao libertar-se bruscamente, dá o...
Origem dos Sismos
Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
A energia libertada pela rutura dos materiais propaga-se, a
partir...
O ponto na superfície terrestre localizado na vertical do foco
designa-se por epicentro e corresponde ao local onde o sism...
Origem dos Sismos
Adaptado de Descobrir a Terra 7 – Areal editores
Registo dos Sismos
O registo das ondas sísmicas é realizado por aparelhos muito
sensíveis, capazes de captar as oscilações...
Os registos obtidos
designam-se por
sismogramas.
Registo dos Sismos
Abalos premonitórios
Pequenos abalos que
antecedem um sismo maior
Réplicas
Pequenos sismos de
magnitude inferior que se
se...
A grandeza de um sismo depende da quantidade da energia
libertada, da profundidade do foco, da distância ao epicentro e do...
Avaliação dos Sismos
A determinação da intensidade baseia-se nos efeitos provocados
pelo sismo no terreno ou nos edifícios...
Escala Macrossísmica Europeia
Não sentido Escassamente sentido Fraco
Amplamente observado Forte Ligeiramente danificante
A...
Escala Macrossísmica Europeia (cont.)
Danificante Muito danificante Destrutivo
Muito destrutivo Devastador Completamente d...
Escala Macrossísmica Europeia
É atualmente, a escala mais utilizada, pretendendo constituir um
padrão europeu para avaliar...
Avaliação dos Sismos
Mediante a análise dos relatos
de testemunhas e dos danos
causados, podemos determinar
a intensidade ...
Avaliação dos Sismos
A intensidade vai diminuindo à medida que nos afastamos do epicentro.
As isossistas não são circunfer...
A magnitude relaciona-se com a quantidade de energia libertada
no foco de um sismo.
Baseia-se no estudo de sismogramas e é...
Avaliação dos Sismos
Elaborada a partir de cálculos baseados no registo efetuado
pelos sismógrafos.
É uma escala aberta, m...
Avaliação dos Sismos
Escala Macrossísmica Europeia Escala de Richter
Permite a comparação e clasificação de
sismos antigos...
•  Perda de vidas humanas
•  Destruição de edifícios, pontes,...
•  Desmoronamento de terras
•  Incêndios
Riscos dos Sismo...
•  Propagação de doenças
•  Tsunamis
Riscos dos Sismos
Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
Os sismos localizados sob os oceanos podem transmitir parte da
sua energia às massas de água e gerar movimentos ondulatóri...
Riscos dos Sismos
2004 – Oceano Índico
magnitude 9,1
Págs. 148 e 150
Págs. 166 e 168
Atividade Sísmica
Resolução de exercícios
Foram vários os episódios sísmicos que existiram em Portugal, entre
os quais:
•  Sismo de 1755 – sentido em toda a Penínsu...
Placa Norte-Americana
Placa Euro-Asiática
Placa Africana
Açores
Madeira
Falha
Açores-Gibraltar
Dorsal
Médio-Atlântica
Sism...
Cartas de risco sísmico
•  A carta de intensidades máximas
representa o maior grau de intensidade
sentido em cada região d...
Apesar dos progressos, é impossível prever, com exa4dão, a ocorrência 
de um sismo. Por isso, a prevenção é importante par...
 
 Implementação das construções an4ssísmicas. 
 Cumprimento rigoroso das normas de construção de ediAcios, de forma a 
...
Ainda não existe um método totalmente fiável para a previsão de
sismos.
Em Portugal, a atividade sísmica é acompanhada por...
?
?
?
Pressão
nas rochas
Movimento
e deformação
das rochas
Registo
de variações
do campo magnético
Controlo
de deslocação
...
Pág. 158 do manual
Pág. 174 do manual antigo
Avaliação
Formativa
Atividade Sísmica
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
O que devo saber…
Adaptado de Escola Virtual
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atividade sismica

3.293 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
323
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividade sismica

  1. 1. Terra em Transformação CNat 7ºAno Prof.ª Gabriela Salgado
  2. 2. 3.6 Explicar a formação de um sismo, associado à dinâmica interna da Terra e aos limites das placas Associar a vibração das rochas ao registo das ondas sísmicas Distinguir a escala de Richter da Escala Macrossísmica Europeia Explicitar a intensidade sísmica com base em documentos e interpretar cartas de isossistas Indicar os riscos associados aos sismos Identificar o risco sísmico de Portugal e caracterizar alguns episódios históricos Reconhecer a importância da Ciência e Tecnologia na previsão sísmica Atividade Sísmica
  3. 3. Pág. 140 do manual Pág. 160 do manual antigo Atividade Sísmica
  4. 4. Os sismos são movimentos vibratórios que ocorrem na superfície da Terra, com origem nas rochas da litosfera, e são provocados pela libertação de energia. Sismos
  5. 5. ... a ocorrência de sismos está associada a zonas geologicamente instáveis, tais como os limites das placas litosféricas. Localização dos Sismos Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  6. 6. Os movimento das placas litosféricas ou das falhas ocasionam a acumulação de energia que, ao libertar-se bruscamente, dá origem a um sismo. Origem dos Sismos Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  7. 7. Origem dos Sismos Adaptado de Cientic 7 – Porto editora A energia libertada pela rutura dos materiais propaga-se, a partir do foco, por ondas sísmicas. O ponto na litosfera onde ocorre a libertação de energia que origina o sismo é designado por foco sísmico ou hipocentro.
  8. 8. O ponto na superfície terrestre localizado na vertical do foco designa-se por epicentro e corresponde ao local onde o sismo é, geralmente, sentido com maior intensidade. Origem dos Sismos Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  9. 9. Origem dos Sismos Adaptado de Descobrir a Terra 7 – Areal editores
  10. 10. Registo dos Sismos O registo das ondas sísmicas é realizado por aparelhos muito sensíveis, capazes de captar as oscilações de um corpo e de as transformar em sinais passíveis de registo – os sismógrafos. Adaptado de Descobrir a Terra 7 – Areal editores
  11. 11. Os registos obtidos designam-se por sismogramas. Registo dos Sismos
  12. 12. Abalos premonitórios Pequenos abalos que antecedem um sismo maior Réplicas Pequenos sismos de magnitude inferior que se seguem a um sismo maior Sismos
  13. 13. A grandeza de um sismo depende da quantidade da energia libertada, da profundidade do foco, da distância ao epicentro e do tipo de rochas atravessadas pelas ondas sísmicas. Medidas que permitem avaliar a grandeza de um sismo Intensidade sísmica Magnitude sísmica Avaliação dos Sismos
  14. 14. Avaliação dos Sismos A determinação da intensidade baseia-se nos efeitos provocados pelo sismo no terreno ou nos edifícios. Exprime-se numa tabela de doze graus - a Escala Macrossísmica Europeia.
  15. 15. Escala Macrossísmica Europeia Não sentido Escassamente sentido Fraco Amplamente observado Forte Ligeiramente danificante Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  16. 16. Escala Macrossísmica Europeia (cont.) Danificante Muito danificante Destrutivo Muito destrutivo Devastador Completamente devastador Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  17. 17. Escala Macrossísmica Europeia É atualmente, a escala mais utilizada, pretendendo constituir um padrão europeu para avaliar a intensidade de um sismo. A vantagem do uso de uma escala tão subjetiva tem a ver com o facto de permitir avaliar a intensidade de um sismo com meios muito simples e económicos, sem o recurso a qualquer instrumento. Avaliação dos Sismos Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  18. 18. Avaliação dos Sismos Mediante a análise dos relatos de testemunhas e dos danos causados, podemos determinar a intensidade verificada em cada local e traçar cartas de isossistas. As isossistas são linhas curvas que unem pontos do terreno onde o sismo ocorreu com a mesma intensidade, em torno do epicentro.
  19. 19. Avaliação dos Sismos A intensidade vai diminuindo à medida que nos afastamos do epicentro. As isossistas não são circunferências perfeitas pois os estragos dependem, não só da distância ao epicentro mas também das características dos terrenos, do tipo de construções,… Em determinadas zonas, como no mar, não é possível quantificar os estragos, pelo que não se traçam as isossistas (ou marcam-se a tracejado).
  20. 20. A magnitude relaciona-se com a quantidade de energia libertada no foco de um sismo. Baseia-se no estudo de sismogramas e é determinada utilizando-se a escala de Richter. Avaliação dos Sismos
  21. 21. Avaliação dos Sismos Elaborada a partir de cálculos baseados no registo efetuado pelos sismógrafos. É uma escala aberta, mais exata do que a escala de intensidades, já que esta determinação é efetuada por cálculos matemáticos, a partir dos sismogramas. É mais objetiva, pois é independente dos observadores e do local de observação. Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  22. 22. Avaliação dos Sismos Escala Macrossísmica Europeia Escala de Richter Permite a comparação e clasificação de sismos antigos. Permite avaliar os estragos de um sismo com meios muito simples e económicos. É muito subjetiva, pois baseia-se em inquéritos e descrições. Um sismo corresponde a várias intensidades, pois os estragos dependem de vários fatores. É objetiva, pois é independente dos observadores e do local de observação. Um sismo corresponde apenas a uma magnitude, uma vez que a energia libertada no foco é apenas uma. Obriga à existência de registos dos sismos pelos sismógrafos.
  23. 23. •  Perda de vidas humanas •  Destruição de edifícios, pontes,... •  Desmoronamento de terras •  Incêndios Riscos dos Sismos Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  24. 24. •  Propagação de doenças •  Tsunamis Riscos dos Sismos Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  25. 25. Os sismos localizados sob os oceanos podem transmitir parte da sua energia às massas de água e gerar movimentos ondulatórios em larga escala. Como consequência podem formar-se ondas gigantes, os tsunamis. Adaptado de Cientic 7 – Porto editora Riscos dos Sismos
  26. 26. Riscos dos Sismos 2004 – Oceano Índico magnitude 9,1
  27. 27. Págs. 148 e 150 Págs. 166 e 168 Atividade Sísmica Resolução de exercícios
  28. 28. Foram vários os episódios sísmicos que existiram em Portugal, entre os quais: •  Sismo de 1755 – sentido em toda a Península Ibérica, provocou estragos no Algarve e em Lisboa, sendo seguido por um tsunami. •  Sismo de 1980 – a 1 de janeiro, um sismo de magnitude de 7,2 destruiu Angra do Heroísmo. •  Sismo de 1998– a 9 de julho, nos Açores, um sismo de magnitude 5,8 deu origem a uma vasta destruição e provocou 9 mortes, mais de uma centena de feridos e milhares de desalojados. Sismos em Portugal Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  29. 29. Placa Norte-Americana Placa Euro-Asiática Placa Africana Açores Madeira Falha Açores-Gibraltar Dorsal Médio-Atlântica Sismos em Portugal Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  30. 30. Cartas de risco sísmico •  A carta de intensidades máximas representa o maior grau de intensidade sentido em cada região de Portugal, tendo em conta todos os sismos ocorridos até à atualidade. Sismos em Portugal Adaptado de Compreender a Terra 7 – Areal editores
  31. 31. Apesar dos progressos, é impossível prever, com exa4dão, a ocorrência  de um sismo. Por isso, a prevenção é importante para minorar as suas  consequências.  Construção an,ssísmica  Pêndulo an,tremuras  Barreira para tsunamis  Prevenção dos Sismos Adaptado de Descobrir a Terra 7 – Areal editores
  32. 32.    Implementação das construções an4ssísmicas.   Cumprimento rigoroso das normas de construção de ediAcios, de forma a  suportarem as vibrações sísmicas.   O estudo geológico dos terrenos.    A iden4ficação de zonas de elevado risco sísmico.     Construção de barreiras de proteção de tsunamis.   A aplicação das medidas de prevenção e atuação.  Prevenção dos Sismos Adaptado de Descobrir a Terra 7 – Areal editores
  33. 33. Ainda não existe um método totalmente fiável para a previsão de sismos. Em Portugal, a atividade sísmica é acompanhada por uma rede de estações sísmicas. Previsão dos Sismos Adaptado de Cientic 7 – Porto editora
  34. 34. ? ? ? Pressão nas rochas Movimento e deformação das rochas Registo de variações do campo magnético Controlo de deslocação do terreno Intensidade e duração das ondas sísmicas Alteração da posição geográfica GPS Adaptado de Cientic 7 – Porto editora Previsão dos Sismos
  35. 35. Pág. 158 do manual Pág. 174 do manual antigo Avaliação Formativa Atividade Sísmica
  36. 36. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  37. 37. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  38. 38. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  39. 39. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  40. 40. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  41. 41. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  42. 42. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual
  43. 43. O que devo saber… Adaptado de Escola Virtual

×