SlideShare uma empresa Scribd logo
Sintaxe da
Linguagem Visual
Profa. Dra. Cíntia Dal Bello
www.cintiadalbello.blogspot.com
Ideogramas dos
64 hexagramas
do I Ching
Sintaxe da Linguagem Visual
Elementos Estruturais
(Arte e Teoria do Design)
Ponto
Linha
Forma
Direção
Tom
Cor
Textura
Dimensão
Escala
Movimento
Elementos da Linguagem Visual
ALFABETISMO VISUAL
PONTO
Sinal gráfico mínimo.
Poder de atração.
Estático.
LINHA
Formada por uma cadeia de pontos.
Direciona o olhar, apresenta uma
intecionalidade, um propósito.
Movimento.
FORMA
Três formas básicas: círculo, quadrado e
triângulo, com características específicas,
às quais são atribuídas ideias e valores.
Cada forma sugere uma direção.
Recapitulando...
DIREÇÃO
A direção circular (curva) tem um
significado mais abrangente e repetitivo.
A direção horizontal – vertical transmite
uma ideia de bem-estar, maleabilidade,
estabilidade.
A direção diagonal possui uma força
direcional mais instável e mais
provocadora, possuindo uma composição
mais irregular e, consequentemente,
mais perturbadora.
TOM
“O mundo em que vivemos é dimensional, e o tom é um
dos melhores instrumentos de que dispõe o visualizador
para indicar e expressar essa dimensão” (p.62).
“[...] a sensibilidade tonal é básica para nossa
sobrevivência. Só é superada pela referência vertical-
horizontal enquanto pista visual do relacionamento que
mantemos com o meio ambiente. Graças a ela vemos o
movimento súbito, a profundidade, a distância e outras
referências do ambiente. O valor tonal é outra maneira de
descrever a luz. Graças a ele, e exclusivamente a ele, é que
enxergamos” (p.64).
Justaposição de tons – intensidade da obscuridade ou
claridade de qualquer coisa vista. Vemos graças à presença
ou ausência de luz que não se irradia com uniformidade no
meio ambiente (sol, lua, fonte artificial). Vemos o escuro
porque está próximo ou sobrepõe-se ao claro e vice-versa.
Quantas gradações (tons)
entre o preto e o branco?
O mundo em que vivemos é dimensional e é o tom que expressa essa
dimensão através da perspectiva para simular a distância, a massa, o ponto de
fuga, a linha do horizonte, o nível do olho etc.
O acréscimo de um fundo tonal reforça a aparência de realidade através da
sensação de luz refletiva e sombras projetadas. A sensibilidade tonal é básica
para nossa sobrevivência e só é superada pela referência vertical-horizontal. É
graças ao valor tonal que descrevemos a luz e enxergamos.
COR
“Enquanto o tom está associado a questões de sobrevivência, sendo
portanto essencial para o organismo humano, a cor tem maiores
afinidades com as emoções.
[...] A cor está, de fato, impregnada de informação, e é uma das
mais penetrantes experiências visuais que temos todos em
comum. Constitui, portanto, uma fonte de valor inestimável para os
comunicadores visuais.
[...] Assim, a cor oferece um vocabulário enorme e de grande
utilidade para o alfabetismo visual”(p. 64).
A cor tem três dimensões que podem ser definidas e medidas:
matiz, saturação e brilho.
Círculo cromático
Através da mistura podemos obter múltiplas variações de matizes.
TEXTURA
“A textura se relaciona com a composição de uma
substância através de variações mínimas na
superfície do material” (p.70 e 71).
A textura é o elemento visual que serve de
substituto para outro sentido, o tato.
Na verdade podemos apreciar a textura tanto
através do tato como da visão ou da combinação de
ambos.
O aspecto da lixa e a sensação que ela provoca tem o
mesmo significado intelectual, mas não o mesmo
valor. O julgamento do olho costuma ser confirmado
pelo tato.
A textura se relaciona com a composição de uma
substância através de variações mínimas na
superfície do material. Ex.: Convites de casamento,
papel reciclado.
ESCALA
“Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se
definir uns aos outros. O processo constitui, em si, o elemento
daquilo que chamamos escala” (p.72).
O brilho se contrapõe ao escuro, o grande faz o pequeno, e assim
por diante. “Aprender a relacionar o tamanho com o objetivo e o
significado é essencial na estruturação da mensagem
visual” (p.75).
Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir
uns aos outros.
Esse processo constitui a escala. Por exemplo, o grande não pode
existir sem o pequeno. A escala não está relacionada apenas ao
tamanho relativo, mas também através das relações com o campo
ou com o meio ambiente. Quanto aos resultados visuais, eles são
fluídos e nunca absolutos, pois podem sofrer modificações.
As escalas são muito usadas nos projetos e mapas para
representar uma medida.
DIMENSÃO
“A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas
também vê-la, com o auxílio de nossa visão estereóptica e
binocular.
Mas em nenhuma das representações bidimensionais da
realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a
televisão, existe uma dimensão real; ela é apenas implícita.
A ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o principal
artifício para simulá-la é a convenção técnica da
perspectiva” (p.75).
A representação da dimensão nos formatos visuais bidimensionais
(fotografia, desenho, pintura, cinema, televisão) depende da
ilusão que é dada através da perspectiva, que existe na realidade,
mas que nesses formatos aparece de modo implícito.
Como dois planos de um cubo aparecem aos nossos olhos?
Estabelece-se o nível do olho, só há um ponto de fuga, no qual o cubo superior é
visto de baixo para cima e o inferior é visto de cima para baixo.
Dois pontos de fuga para expressar a perspectiva de dois cubos com três faces.
MOVIMENTO
“[...] o movimento talvez seja uma das forças visuais mais
dominantes da experiência humana” (p.80).
Presente naturalmente na televisão e no cinema, o movimento
pode ser sugerido nas artes visuais estáticas.
Percepção e comunicação visual: “Na criação de mensagens visuais,
o significado não se encontra apenas nos efeitos cumulativos da
disposição dos elementos básicos, mas também no mecanismo
perceptivo universalmente compartilhado pelo organismo
humano” (p.30).
Assim como a dimensão o elemento visual do movimento aparece
frequentemente de forma implícita. Porém, o movimento é uma
das forças visuais mais dominantes da experiência humana
(enquanto movimento, aparece na televisão e no cinema).
Algumas das propriedades da “persistência da visão” podem constituir de forma
errônea o uso da palavra movimento, um quadro, uma foto ou a estampa de um
tecido podem ser estáticos, porém descrevem tensões e ritmos. A leitura segue
uma sequência organizada, portanto fica claro a existência de ação não apenas
no que se vê, mas também no processo da visão.
O movimento como componente visual é dinâmico e a compreensão desses
elementos visuais e seu funcionamento constitui a base de uma linguagem que
não conhece barreiras nem fronteiras.
Sintaxe da
Linguagem Visual
Profa. Dra. Cíntia Dal Bello
www.cintiadalbello.blogspot.com
Ideogramas dos
64 hexagramas
do I Ching

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Aula 2 composição visual
Aula  2 composição visualAula  2 composição visual
Aula 2 composição visual
Artedoiscmb Cmb
 
3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual
Caio Cæsar
 
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x TensãoDesign Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
DESIGN DIGITAL UNIARA 2012
 
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre FontesExercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
Alexandre Fontes
 
Aula 3 - Direção de Arte
Aula 3  - Direção de ArteAula 3  - Direção de Arte
Aula 3 - Direção de Arte
Cíntia Dal Bello
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
Keyla Dias
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual
melzynhabessa
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
liliane10
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
ProfVivianeLopes
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
Renata_Vasconcelos
 
Fundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráficoFundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráfico
nfeio
 
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Cíntia Dal Bello
 
Aula 01 linguagem visual
Aula 01   linguagem visualAula 01   linguagem visual
Aula 01 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
William Marques
 
Design Digital I Percepção e comunicação visual
Design Digital I Percepção e comunicação visualDesign Digital I Percepção e comunicação visual
Design Digital I Percepção e comunicação visual
DESIGN DIGITAL UNIARA 2012
 
Aula 02 semiótica e cores
Aula 02   semiótica e coresAula 02   semiótica e cores
Aula 02 semiótica e cores
Cristiano Pires Martins
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
A dinâmica do contraste
A dinâmica do contrasteA dinâmica do contraste
A dinâmica do contraste
Daniela Fiuza
 

Mais procurados (20)

Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
 
Aula 2 composição visual
Aula  2 composição visualAula  2 composição visual
Aula 2 composição visual
 
3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual
 
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x TensãoDesign Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
Design Digital Fundamentos do Design Equilibrio x Tensão
 
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre FontesExercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
Exercícios Teoria de Luz e Cor - Alexandre Fontes
 
Aula 3 - Direção de Arte
Aula 3  - Direção de ArteAula 3  - Direção de Arte
Aula 3 - Direção de Arte
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
 
Fundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráficoFundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráfico
 
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
 
Aula 01 linguagem visual
Aula 01   linguagem visualAula 01   linguagem visual
Aula 01 linguagem visual
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
 
Design Digital I Percepção e comunicação visual
Design Digital I Percepção e comunicação visualDesign Digital I Percepção e comunicação visual
Design Digital I Percepção e comunicação visual
 
Aula 02 semiótica e cores
Aula 02   semiótica e coresAula 02   semiótica e cores
Aula 02 semiótica e cores
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
A dinâmica do contraste
A dinâmica do contrasteA dinâmica do contraste
A dinâmica do contraste
 

Destaque

Projeto Mario Quintana
Projeto Mario QuintanaProjeto Mario Quintana
Projeto Mario Quintana
Roberta Trezza S. Souza
 
Perspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e texturaPerspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e textura
Avatar Cuamba
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Lismara de Oliveira
 
Atividade 5
Atividade  5Atividade  5
Atividades realizadas com os alunos
Atividades realizadas com os alunosAtividades realizadas com os alunos
Atividades realizadas com os alunos
Roberta Trezza S. Souza
 
O Rosto E O Auto Retrato
O Rosto E O Auto RetratoO Rosto E O Auto Retrato
O Rosto E O Auto Retrato
jonybrother
 
Livro de auto retratos
Livro de auto retratosLivro de auto retratos
Livro de auto retratos
becrecv
 
Autorretrato
AutorretratoAutorretrato
Autorretrato
solcitoweis
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula
Eduardo Lopes
 
Planejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamentalPlanejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamental
Marcia Alves de Oliveira
 

Destaque (10)

Projeto Mario Quintana
Projeto Mario QuintanaProjeto Mario Quintana
Projeto Mario Quintana
 
Perspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e texturaPerspectiva, cor e textura
Perspectiva, cor e textura
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Atividade 5
Atividade  5Atividade  5
Atividade 5
 
Atividades realizadas com os alunos
Atividades realizadas com os alunosAtividades realizadas com os alunos
Atividades realizadas com os alunos
 
O Rosto E O Auto Retrato
O Rosto E O Auto RetratoO Rosto E O Auto Retrato
O Rosto E O Auto Retrato
 
Livro de auto retratos
Livro de auto retratosLivro de auto retratos
Livro de auto retratos
 
Autorretrato
AutorretratoAutorretrato
Autorretrato
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula
 
Planejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamentalPlanejamento anual de artes ensino fundamental
Planejamento anual de artes ensino fundamental
 

Semelhante a Sintaxe da Linguagem Visual - parte II

elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
guest1c7f7f
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
André Yuiti Ozawa
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
Odair Tuono
 
Aula EE-composicao
Aula EE-composicaoAula EE-composicao
Aula EE-composicao
ProfVivianeLopes
 
Cpg Aula2
Cpg Aula2Cpg Aula2
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
Willians Martins
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
Willians Martins
 
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e DesignAula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Cíntia Dal Bello
 
Aula02 cpg elementbasicos
Aula02 cpg elementbasicosAula02 cpg elementbasicos
Aula02 cpg elementbasicos
producaoaudiovisualunip
 
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMApptElementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
LucimeireMellodosRei1
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
tomasin2
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
martha
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
JucelirCarnauba1
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
professoramariaraquel
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
liliane10
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
melzynhabessa
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
melzynhabessa
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Vanda Sousa
 
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIOLINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
Odair Tuono
 
Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01
Arteduka Arte E Educação
 

Semelhante a Sintaxe da Linguagem Visual - parte II (20)

elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
 
Aula EE-composicao
Aula EE-composicaoAula EE-composicao
Aula EE-composicao
 
Cpg Aula2
Cpg Aula2Cpg Aula2
Cpg Aula2
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
 
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e DesignAula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
 
Aula02 cpg elementbasicos
Aula02 cpg elementbasicosAula02 cpg elementbasicos
Aula02 cpg elementbasicos
 
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMApptElementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
 
Elementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visualElementos basicos da comunicacao visual
Elementos basicos da comunicacao visual
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto Icónico
 
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIOLINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
LINGUAGEM VISUAL E VESTUÁRIO
 
Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01
 

Mais de Cíntia Dal Bello

BA Creative Collectibles - Projeto de Stand
BA Creative Collectibles - Projeto de StandBA Creative Collectibles - Projeto de Stand
BA Creative Collectibles - Projeto de Stand
Cíntia Dal Bello
 
Ba creative collectibles 2018.1
Ba creative collectibles 2018.1Ba creative collectibles 2018.1
Ba creative collectibles 2018.1
Cíntia Dal Bello
 
Briefing Converse - relação de peças solicitadas
Briefing Converse - relação de peças solicitadasBriefing Converse - relação de peças solicitadas
Briefing Converse - relação de peças solicitadas
Cíntia Dal Bello
 
Briefing Converse - Chuck Taylor All Star
Briefing Converse - Chuck Taylor All StarBriefing Converse - Chuck Taylor All Star
Briefing Converse - Chuck Taylor All Star
Cíntia Dal Bello
 
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão betaBriefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
Cíntia Dal Bello
 
Exercício de criação: Sonho de Valsa
Exercício de criação: Sonho de ValsaExercício de criação: Sonho de Valsa
Exercício de criação: Sonho de Valsa
Cíntia Dal Bello
 
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
 Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2 Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
Cíntia Dal Bello
 
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
Cíntia Dal Bello
 
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Cíntia Dal Bello
 
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
Cíntia Dal Bello
 
A criação do cartaz
A criação do cartaz A criação do cartaz
A criação do cartaz
Cíntia Dal Bello
 
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - finalAnálise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
Cíntia Dal Bello
 
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptxAnálise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
Cíntia Dal Bello
 
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAISPIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
Cíntia Dal Bello
 
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitárioAnálise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
Cíntia Dal Bello
 
Briefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicioBriefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicio
Cíntia Dal Bello
 
Criação em Propaganda: a relação texto x imagem
Criação em Propaganda: a relação texto x imagemCriação em Propaganda: a relação texto x imagem
Criação em Propaganda: a relação texto x imagem
Cíntia Dal Bello
 
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean BaudrillardA Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
Cíntia Dal Bello
 
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
Cíntia Dal Bello
 
Dinâmicas de identidade e exclusão
Dinâmicas de identidade e exclusãoDinâmicas de identidade e exclusão
Dinâmicas de identidade e exclusão
Cíntia Dal Bello
 

Mais de Cíntia Dal Bello (20)

BA Creative Collectibles - Projeto de Stand
BA Creative Collectibles - Projeto de StandBA Creative Collectibles - Projeto de Stand
BA Creative Collectibles - Projeto de Stand
 
Ba creative collectibles 2018.1
Ba creative collectibles 2018.1Ba creative collectibles 2018.1
Ba creative collectibles 2018.1
 
Briefing Converse - relação de peças solicitadas
Briefing Converse - relação de peças solicitadasBriefing Converse - relação de peças solicitadas
Briefing Converse - relação de peças solicitadas
 
Briefing Converse - Chuck Taylor All Star
Briefing Converse - Chuck Taylor All StarBriefing Converse - Chuck Taylor All Star
Briefing Converse - Chuck Taylor All Star
 
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão betaBriefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
Briefing de criação x estrutura do anúncio publicitário - versão beta
 
Exercício de criação: Sonho de Valsa
Exercício de criação: Sonho de ValsaExercício de criação: Sonho de Valsa
Exercício de criação: Sonho de Valsa
 
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
 Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2 Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 2
 
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
Resolução - Briefing de Criação - Case Vigor Grego - Exercício 1
 
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
Da leveza: uma civilização sem peso (Gilles Lipovetsky)
 
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
BOOK DE CRIAÇÃO - 2017-1
 
A criação do cartaz
A criação do cartaz A criação do cartaz
A criação do cartaz
 
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - finalAnálise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5B - final
 
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptxAnálise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
Análise de peça publicitária - Resolução – Case Vigor - 5A - final.pptx
 
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAISPIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
PIM - ROTEIRO DE PROJETO - MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS
 
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitárioAnálise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
Análise de projeto gráfico de revista e anúncio publicitário
 
Briefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicioBriefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicio
 
Criação em Propaganda: a relação texto x imagem
Criação em Propaganda: a relação texto x imagemCriação em Propaganda: a relação texto x imagem
Criação em Propaganda: a relação texto x imagem
 
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean BaudrillardA Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
A Sociedade de consumo: A liturgia formal do objeto - Jean Baudrillard
 
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
Guia do Projeto REVISTA - 2017-1
 
Dinâmicas de identidade e exclusão
Dinâmicas de identidade e exclusãoDinâmicas de identidade e exclusão
Dinâmicas de identidade e exclusão
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

Sintaxe da Linguagem Visual - parte II

  • 1. Sintaxe da Linguagem Visual Profa. Dra. Cíntia Dal Bello www.cintiadalbello.blogspot.com Ideogramas dos 64 hexagramas do I Ching
  • 3. Elementos Estruturais (Arte e Teoria do Design) Ponto Linha Forma Direção Tom Cor Textura Dimensão Escala Movimento Elementos da Linguagem Visual ALFABETISMO VISUAL
  • 4. PONTO Sinal gráfico mínimo. Poder de atração. Estático. LINHA Formada por uma cadeia de pontos. Direciona o olhar, apresenta uma intecionalidade, um propósito. Movimento. FORMA Três formas básicas: círculo, quadrado e triângulo, com características específicas, às quais são atribuídas ideias e valores. Cada forma sugere uma direção. Recapitulando... DIREÇÃO A direção circular (curva) tem um significado mais abrangente e repetitivo. A direção horizontal – vertical transmite uma ideia de bem-estar, maleabilidade, estabilidade. A direção diagonal possui uma força direcional mais instável e mais provocadora, possuindo uma composição mais irregular e, consequentemente, mais perturbadora.
  • 5. TOM “O mundo em que vivemos é dimensional, e o tom é um dos melhores instrumentos de que dispõe o visualizador para indicar e expressar essa dimensão” (p.62). “[...] a sensibilidade tonal é básica para nossa sobrevivência. Só é superada pela referência vertical- horizontal enquanto pista visual do relacionamento que mantemos com o meio ambiente. Graças a ela vemos o movimento súbito, a profundidade, a distância e outras referências do ambiente. O valor tonal é outra maneira de descrever a luz. Graças a ele, e exclusivamente a ele, é que enxergamos” (p.64). Justaposição de tons – intensidade da obscuridade ou claridade de qualquer coisa vista. Vemos graças à presença ou ausência de luz que não se irradia com uniformidade no meio ambiente (sol, lua, fonte artificial). Vemos o escuro porque está próximo ou sobrepõe-se ao claro e vice-versa.
  • 6. Quantas gradações (tons) entre o preto e o branco? O mundo em que vivemos é dimensional e é o tom que expressa essa dimensão através da perspectiva para simular a distância, a massa, o ponto de fuga, a linha do horizonte, o nível do olho etc. O acréscimo de um fundo tonal reforça a aparência de realidade através da sensação de luz refletiva e sombras projetadas. A sensibilidade tonal é básica para nossa sobrevivência e só é superada pela referência vertical-horizontal. É graças ao valor tonal que descrevemos a luz e enxergamos.
  • 7. COR “Enquanto o tom está associado a questões de sobrevivência, sendo portanto essencial para o organismo humano, a cor tem maiores afinidades com as emoções. [...] A cor está, de fato, impregnada de informação, e é uma das mais penetrantes experiências visuais que temos todos em comum. Constitui, portanto, uma fonte de valor inestimável para os comunicadores visuais. [...] Assim, a cor oferece um vocabulário enorme e de grande utilidade para o alfabetismo visual”(p. 64). A cor tem três dimensões que podem ser definidas e medidas: matiz, saturação e brilho.
  • 8. Círculo cromático Através da mistura podemos obter múltiplas variações de matizes.
  • 9. TEXTURA “A textura se relaciona com a composição de uma substância através de variações mínimas na superfície do material” (p.70 e 71). A textura é o elemento visual que serve de substituto para outro sentido, o tato. Na verdade podemos apreciar a textura tanto através do tato como da visão ou da combinação de ambos. O aspecto da lixa e a sensação que ela provoca tem o mesmo significado intelectual, mas não o mesmo valor. O julgamento do olho costuma ser confirmado pelo tato. A textura se relaciona com a composição de uma substância através de variações mínimas na superfície do material. Ex.: Convites de casamento, papel reciclado.
  • 10. ESCALA “Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros. O processo constitui, em si, o elemento daquilo que chamamos escala” (p.72). O brilho se contrapõe ao escuro, o grande faz o pequeno, e assim por diante. “Aprender a relacionar o tamanho com o objetivo e o significado é essencial na estruturação da mensagem visual” (p.75). Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros. Esse processo constitui a escala. Por exemplo, o grande não pode existir sem o pequeno. A escala não está relacionada apenas ao tamanho relativo, mas também através das relações com o campo ou com o meio ambiente. Quanto aos resultados visuais, eles são fluídos e nunca absolutos, pois podem sofrer modificações. As escalas são muito usadas nos projetos e mapas para representar uma medida.
  • 11. DIMENSÃO “A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la, com o auxílio de nossa visão estereóptica e binocular. Mas em nenhuma das representações bidimensionais da realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, existe uma dimensão real; ela é apenas implícita. A ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o principal artifício para simulá-la é a convenção técnica da perspectiva” (p.75). A representação da dimensão nos formatos visuais bidimensionais (fotografia, desenho, pintura, cinema, televisão) depende da ilusão que é dada através da perspectiva, que existe na realidade, mas que nesses formatos aparece de modo implícito.
  • 12. Como dois planos de um cubo aparecem aos nossos olhos? Estabelece-se o nível do olho, só há um ponto de fuga, no qual o cubo superior é visto de baixo para cima e o inferior é visto de cima para baixo.
  • 13. Dois pontos de fuga para expressar a perspectiva de dois cubos com três faces.
  • 14. MOVIMENTO “[...] o movimento talvez seja uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana” (p.80). Presente naturalmente na televisão e no cinema, o movimento pode ser sugerido nas artes visuais estáticas. Percepção e comunicação visual: “Na criação de mensagens visuais, o significado não se encontra apenas nos efeitos cumulativos da disposição dos elementos básicos, mas também no mecanismo perceptivo universalmente compartilhado pelo organismo humano” (p.30). Assim como a dimensão o elemento visual do movimento aparece frequentemente de forma implícita. Porém, o movimento é uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana (enquanto movimento, aparece na televisão e no cinema).
  • 15. Algumas das propriedades da “persistência da visão” podem constituir de forma errônea o uso da palavra movimento, um quadro, uma foto ou a estampa de um tecido podem ser estáticos, porém descrevem tensões e ritmos. A leitura segue uma sequência organizada, portanto fica claro a existência de ação não apenas no que se vê, mas também no processo da visão. O movimento como componente visual é dinâmico e a compreensão desses elementos visuais e seu funcionamento constitui a base de uma linguagem que não conhece barreiras nem fronteiras.
  • 16. Sintaxe da Linguagem Visual Profa. Dra. Cíntia Dal Bello www.cintiadalbello.blogspot.com Ideogramas dos 64 hexagramas do I Ching