SlideShare uma empresa Scribd logo
Viviane Marques




                        Elementos Visuais

            OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. São Paulo, Ática, 1979.
Elemento Visual

•   A Linguagem Visual se expressa através de cinco elementos:
     – a linha,
     – a superfície,
     – o volume,
     – a luz,
     – a cor.
•   Os elementos visuais não tem significados preestabelecidos:
     – nada representam,
     – nada descrevem,
     – nada assinalam,
     – não são símbolos de nada, não definem nada;
     – nada antes de entrarem em um contexto formal.
•   Importante - os elementos visuais tem identidades expressivas diferentes.
•   Ao participar de uma composição cada elemento visual configura o espaço de um modo
    diferente.
•   As dimensões espaciais , articuladas por cada elemento, na organização de um espaço é
    que caracterizam os elementos visuais.
Linha

•   Configura um espaço linear, de uma única dimensão.
•   Através dela apreendemos um espaço direcional.
•   Existem possibilidades de se modular o movimento da linha.
•   Introduz movimento direcional, intervalos ou contrastes de direção,
•   Reduz o movimento; quanto maiores os contrastes menor a velocidade e maior o
    peso visual e vice-versa.
•   O movimento visual se dá no espaço e no tempo.
•   O clima expressivo da linha se configura pelo espaço e pelo tempo.
•   Introduzindo pausas e modulando as velocidades das linhas, modula-se o fluir do
    tempo.
•   O espaço linear sempre será frágil e de pouca substância, sempre será um espaço
    unidimensional;
•   É importante notar que as linhas nascem da abstração, pois não há linhas
    corpóreas no espaço natural.
TIENSHÊNG.
    Bambu.
Sung (960-1279)
Jackson Pollock, Eco, 1951
    233.4 x 218.4 cm.
     The Museum of
  Modern Art New York
Ni Zan, A Floresta e o Vale Mount Yu
    Pergaminho. 95.3 x 35.9 cm
     Dinastia Yuan (1279–1368)
                1372
Honoré Daumier
   Desenho
Superfície

•   Percebemos as dimensões da altura e largura.
•   As linhas estão presas a área que contornam.
•   Quando uma dimensão prevalecer visualmente, o movimento será impulsionado
    na direção dominante.
•   As duas dimensões estabilizam o espaço e o imobilizam.
•   Se não forem introduzidos novos elementos dinâmicos , de movimento, o espaço
    aparece idealizado.
•   As linhas perdem sua independência e sua mobilidade, sendo assim a superfície
    um caráter mais estático do que dinâmico.
•   Na superfície o movimento terá que ser introduzido por outros fatores visuais.
•   Ao se acumularem várias formas, com margens sinuosas, tamanhos e posições
    diferentes, temos o movimento visual.
•   Superfície fechada: as margens nos permite inferir uma estrutura interna, com
    centro e eixos.
•   Superfície aberta: área interna nos permite perceber uma faixa externa.
•   As superfícies fechadas são reguladas pela margem e as abertas pela articulação
    da área interior.
Paul Klee, Mulher Acordando, 1920
      Aquarela, 22.5 x 28 cm
Piet Mondrian, Composição, 1929
Óleo sobre tela, 73.5cm x 74.5cm
  The Cleveland Museum of Art
Jan Van Eyck, A Anunciação, 1425-30
The National Gallery of Art Washington D.C.
Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
Superfície

•   Outro fator importante na superfície é a superposição , a percepção de planos
    sobrepostos.
•   A superposição sempre nos faz perceber o espaço profundo.
•   A superposição só ocorre com superfícies mais ou menos fechadas.
•   Agrupadas em seqüências rítmicas, as superposições criam campos de energia que
    se expandem e se contraem.(Cubismo)
•   Na superposição, o espaço é dinâmico.
Pablo Picasso, Retrato de Daniel-Henry Kahnweiler, 1910
                     Óleo sobre Tela
Georges Braque, O Português, 1911
         Óleo sobre Tela
      Kunstmuseum, Basle
Elementos Visuais

•   Enquanto a linha e a superfície ainda se inserem no plano pictórico, os elementos
    restantes, volume, luz e cor, ultrapassam a estrutura bidimensional.
•   Volume, luz e cor são considerados elementos mais dinâmicos.
•   O espaço que poderá ser estruturado por eles ultrapassará sempre, em dimensões
    a base do plano.
Volume
•   Com linhas diagonais interligadas às horizontais e verticais, o contexto espacial
    adquire profundidade.
•   Quando vistas em conjunto horizontais e verticais, as diagonais introduzem a
    dimensão da profundidade.
•   Planos relacionados em diagonal, superposições, profundidade e o cheio/vazio:
    são as qualidades espaciais que podem ser formuladas mediante o volume.
•   Em configurações de volume sempre reencontramos os elementos linha e
    superfície, mas nos seus aspectos dinâmicos, diagonalidade da linha e a
    superposição da superfície.
•   Qualquer volume representa um conjunto de planos em superposições diagonais.
Leonardo da Vinci, Anunciação, 1472-75
  Têmpera sobre madeira - 98x217cm
  Galleria Degli Uffizi, Florença, Itália
São Gregório de Nissa,
          Afresco
Catedral de Santa Sofia, Kiev
Volume
•   Configurando volumes, as próprias linhas e superfícies passam a desempenhar novas
    funções.
•   Sem perder suas funções anteriores, as linhas individuais assinalam agora limites
    comuns entre áreas vizinhas, unindo-as ao mesmo tempo que a separam, e indicando
    em que lugar, precisamente, ocorre uma mudança de direção nas várias faces que
    compõem a figura do volume.
•   Também as superfícies terão novas funções; como áreas separadas, embora vizinhas,
    cada qual atuando como um plano bidimensional, as superfícies se conjugam , sempre
    no sentido diagonal, para formar um espaço tridimensional.
•   O espaço característico do volume é o da profundidade, mas a noção da profundidade é
    sempre visual, virtual.
•   Na representação do volume, a profundidade é inserida pela ação de diagonais, junto a
    planos verticais ou horizontais.
•   Os dados visuais nos são apresentados em conjunto à nossa percepção,integrando-se e
    qualificando-se reciprocamente, de tal modo que nenhuma das três dimensões pode
    ser apreendida sem as outras.
•   O espaço configurado dos volumes induz também a sua densidade, quanto mais
    subdivisões e maior número de facetas percebidas, maior a noção de substância física
    densa.
Volume
•   Na configuração de volumes, e conseqüentemente de um espaço que é
    caracterizado como tridimensional, também os aspectos da escala e magnitudes
    serão integrados ao esquema da percepção.
•   Na representação de volumes, a magnitude indicará unicamente relações espaciais
    de proximidade ou distância.
•   Em função da obliqüidade, o contexto espacial se dinamiza, e articula um
    afastamento ou proximidade.
•   No volume, a cada espaço sólido externo sentimos corresponder um espaço
    equivalente interno.
•   Como qualificação espacial própria do volume (não existindo em outro elemento
    visual) as correspondências de cheio/vazio irão caracterizar o desdobramento
    formal do elemento volume.
•   O Volume deve ser reconhecido pela diagonalidade das interligações, pela
    profundidade do espaço (profundidade tridimensional) e pela densidade (na visão
    do cheio/vazio).
Suzuki Harunobu, O Cochilo, Séc. XVIII
           Tokyo National
Suzuki Harunobu, Corvo e Garça, ou Amantes Jovens que Entram Junto debaixo
                de um Guarda-chuva em uma Nevasca, 1769
                         Xilogravura, 28.6 x 20.6 cm
Le Corbusier, Villa Savoye, 1928, Toulon, França
Le Corbusier, Villa Savoye, 1928, Toulon, França
Bramante Donato, 1444-1514
S Pietro in Montorio, tempietto
Bramante Donato, 1444-1514
S Pietro in Montorio, tempietto
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
Elementos Visuais
•   A elaboração formal envolve problemas mais complexos, como o processo de
    transformação nos elementos visuais.
•   Cada elemento pode ser transformado em outro, isto é, pode ser visto como
    componente de outro elemento (exceção luz em cor ou cor em luz).
•   Os elementos podem ser agrupados para comporem outros elementos.
•   A escolha do elemento, ou talvez dos vários elementos com que o artista vai
    trabalhar, assim como o caminho em que os elementos são desdobrados e
    transformados, corresponde às intenções do artista, mesmo que a nível não-
    consciente.
Giotto di Bondone, Encontro de Joaquim e Ana no Portal de Ouro, 1304-06
                         Afresco, 200 x 185 cm
               Cappella Scrovegni (Arena Chapel), Padua
Giotto di Bondone, A deposição, 1304-06
          Afresco, 200 x 185 cm
Cappella Scrovegni (Arena Chapel), Padua
Paolo Ucello
       A batalha de San Romano,1438-40
Tempera, 181.6 x 320 cm National Gallery, Londres
Paolo Ucello
       A batalha de San Romano,1438-40
Tempera, 181.6 x 320 cm National Gallery, Londres
Pierro Della Francesca - A Flagelação –1469, 58.4 x 81.5 cm;
 Galleria Nazionale delle Marche, Palácio Ducal de Urbino
Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz
          Afresco, 356 x 747 cm
     Igreja de São Francisco, Arezzo
Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz
          Afresco, 356 x 747 cm
     Igreja de São Francisco, Arezzo
Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz
          Afresco, 356 x 747 cm
     Igreja de São Francisco, Arezzo
Luz
•   Luz: Contraste entre o claro e o escuro.
•   O artista aproveita os efeitos de iluminação natural ou artificial , fazendo-
    os coincidir com as distribuições de manchas claras e escuras na imagem,
    destacando então, nos objetos apresentados, certos planos iluminados ou
    sombras projetadas.
•   O contraste de claro/escuro pode existir independentemente de um foco
    de luz.
•   Para que o elemento luz se torne expressivo, é preciso ter todo o
    movimento visual desdobrar-se através de valores claros e escuros.
•   Naturalmente os contraste não precisam ser distribuídos de maneira igual,
    há maneiras de se graduar suas intensidades e também os tamanhos, no
    que chamamos de graduação de intensidade.
•   Através do contraste claro/escuro , a luz articula uma vibração no espaço.
•   O claro avança no espaço e o escuro recua.
•   Quanto mais intenso o contraste, mais visível o efeito da vibração.
Luz
•   O claro, referido aos escuros, vai avançar, e o escuro, referido aos claros,
    vai recuar.
•   Quanto mais consistente for a elaboração de valores contrastantes,
    através de graduações de intensidades, variações e inversões, tanto mais
    nítido se torna o efeito vibratório de um avanço/recuo simultâneo.
•   O claro, referido visualmente ao escuro e avançando, se irradia e se
    expande, referido ao claro, o escuro recua e se contrai.
•   O artista ao elaborar formalmente o contraste de claro/escuro, sabendo
    que pequenas áreas claras podem ser contrastadas a áreas escuras
    relativamente maiores e ainda assim, avançar e irradiar-se, o artista
    procura equilibrá-las, graduando proporcionalmente o tamanho das
    partes claras e escuras que a cada vez irão propor a unidade de contraste.
•   Procura também graduar as intensidades, o sem-número de combinações
    possíveis, desde o muito claro ao muito escuro.
Elementos visuais
Luz
•   Em cada etapa o artista trabalhará comparando os detalhes com o
    conjunto que se forma, e novamente o conjunto com os detalhes.
•   Na indução de deslocamentos simultâneos de avanço/recuo e
    expansão/contração, que se farão possíveis em todas as partes do quadro,
    os tamanhos e também as intensidades se tornarão relativas.
•   Embora, em cada contraste, os componentes claros e escuros apareçam
    intimamente interligados, pois só reunidos tornam-se expressivos, eles
    não perdem seu caráter individual, nem tampouco seu significado original.
•   Ao claro e ao escuro atribuímos significados diversos.
•   Vemos a claridade como afirmação da vida, do ser e do fazer, calor das
    qualidades éticas do bem e da verdade.
•   Inversamente, a escuridão não é tida apenas como ausência da claridade,
    mas como sua negação, como um contra-princípio ativo, o não-ser, o mal,
    o desaparecimento, a destruição, a morte.
•   No contraste claro-escuro existem portanto certas qualificações, que irão
    definir a gama expressiva do elemento luz.
Leonardo da Vinci , A Virgem das Rochas, 1492-1508
       National Gallery, Londres, Inglaterra
Luz
•   O fenômeno do avanço/recuo simultâneo e na expansão-contração que o
    acompanha, a vibração torna visível um espaço de profundidade.
•   Diferente dos volumes, a profundidade não mais se apresenta tridimensional,
    em vez disso vemos o tempo formulado como ritmo.
•   A forma do espaço caracterizada por ritmos de simultâneos avanços-recuos é
    alta dinâmica
•   Em qualquer dos elementos visuais, dinâmicos ou estáticos, nas configurações
    de cor, superfície e até mesmo da linha, surge sempre uma figura espacial de
    maior ou menor substância, isto não acontece com a luz, que parece consistir
    de pura energia.
•   Não podemos precisar a duração do tempo neste movimento pulsante.
•   Um maior grau de claridade corresponde a um nível maior de aproximação,
    assim como um escuro mais profundo corresponde a um afastamento maior
•   A pulsação se aprofunda e se acelera entre os pólos de avanço e recuo.
•   A crescente velocidade ocorre dentro do contraste.
•   O elemento luz vai articular ritmos em profundidade espacial.
•   Todo contraste representa uma parada obrigatória
Luz
•   A combinação de profundidade-tempo, que é característica para o
    elemento luz, coloca-se inteiramente fora das dimensões do plano
    pictórico (altura-largura).
•   O elemento luz, não só pode como deve ser, necessariamente, composto
    por outros elementos.
•   Contraste claro-escuro podem entrar em linhas, superfícies ou volumes,
    ou ainda tonalidades de cor.
•   Embora transformando-se, os elementos originais não perdem suas
    funções e qualificações espaciais.
•   O fenômeno da luminosidade pelo seu simbolismo e alta expressividade tem para
    nós significados especiais, tais como o amor, a verdade, a consciência que
    formulados em termos de qualidade de luz são, claro, lúcido, transparente.
•   A presença do elemento luz é significativa para o conteúdo expressivo das obras
    de um artista.
Rembrandt, A Festa de Baltasar, 1630-35
    Òleo sobre Tela, 167 x 209 cm
      National Gallery, London
Rembrandt, A Ronda noturna, 1642
  Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm.
    Rijksmuseum. Amsterdam
Rembrandt, A Ronda noturna, 1642
  Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm.
    Rijksmuseum. Amsterdam
Rembrandt, A Ronda noturna, 1642
  Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm.
    Rijksmuseum. Amsterdam
Rembrandt, A Noiva Judia, 1665
Òleo sobre Tela, 121.5 x 166.5 cm
   Rijksmuseum, Amsterdam
Rembrandt, A Noiva Judia, 1665
Òleo sobre Tela, 121.5 x 166.5 cm
   Rijksmuseum, Amsterdam
Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII
                   Roma
Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII
                   Roma
Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII
Escada Régia do Palácio do Vaticano, Detalhe da Colunata
                         Roma
Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII
Cátedra de São Pedro, Baldaquim, Basílica de São Pedro, Roma
Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII
Cátedra de São Pedro, Baldaquim, Basílica de São Pedro, Roma

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 - Direção de Arte
Aula 3  - Direção de ArteAula 3  - Direção de Arte
Aula 3 - Direção de Arte
Cíntia Dal Bello
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Débora Cseri
 
A representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuaisA representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuais
Fernanda Bastos
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
Aline Raposo
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
ProfVivianeLopes
 
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADECOMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
Kleiton Renzo
 
AULA 2:Fundamentos composicao visual
AULA 2:Fundamentos composicao visualAULA 2:Fundamentos composicao visual
AULA 2:Fundamentos composicao visual
W.COM
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
William Marques
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
Kadu Sp
 
Elementos básicos da comunicação visual
Elementos básicos da comunicação visualElementos básicos da comunicação visual
Elementos básicos da comunicação visual
vivi_belon
 
Elementos visuais da forma
Elementos visuais da forma Elementos visuais da forma
Elementos visuais da forma
Márcia Siqueira
 
Elementos da Linguagem Visual - Movimento
Elementos da Linguagem Visual - MovimentoElementos da Linguagem Visual - Movimento
Elementos da Linguagem Visual - Movimento
Raphael Lanzillotte
 
elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
guest1c7f7f
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
Aline Raposo
 
Perspectiva
PerspectivaPerspectiva
Perspectiva
Fernanda Bastos
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
Claudio Bastos
 
Elementos visuais cor
Elementos visuais   corElementos visuais   cor
Elementos visuais cor
Viviane Marques
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
O ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismoO ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismo
Michele Wilbert
 

Mais procurados (20)

Aula 3 - Direção de Arte
Aula 3  - Direção de ArteAula 3  - Direção de Arte
Aula 3 - Direção de Arte
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
 
A representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuaisA representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuais
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
 
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADECOMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
COMPOSIÇÃO E PERCEPÇÃO - COMUNICAÇÃO VISUAL - 3º PERÍODO - PUBLICIDADE
 
AULA 2:Fundamentos composicao visual
AULA 2:Fundamentos composicao visualAULA 2:Fundamentos composicao visual
AULA 2:Fundamentos composicao visual
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
 
Elementos básicos da comunicação visual
Elementos básicos da comunicação visualElementos básicos da comunicação visual
Elementos básicos da comunicação visual
 
Elementos visuais da forma
Elementos visuais da forma Elementos visuais da forma
Elementos visuais da forma
 
Elementos da Linguagem Visual - Movimento
Elementos da Linguagem Visual - MovimentoElementos da Linguagem Visual - Movimento
Elementos da Linguagem Visual - Movimento
 
elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
 
Perspectiva
PerspectivaPerspectiva
Perspectiva
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
 
Elementos visuais cor
Elementos visuais   corElementos visuais   cor
Elementos visuais cor
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
O ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismoO ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismo
 

Destaque

Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
GeovanaPorto
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
professoramariaraquel
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
Ronaldo Russou
 
EVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da FormaEVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da Forma
Agostinho NSilva
 
Elementos básicos da arte plástica
Elementos básicos da arte plásticaElementos básicos da arte plástica
Elementos básicos da arte plástica
Joaninha Sena
 
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Denise Lima
 
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Mauricio Mallet Duprat
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
Michele Wilbert
 
Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )
graduartes
 
Ponto e linha
Ponto e linhaPonto e linha
Ponto e linha
Elizete Iran
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
liliane10
 
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EFPontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Antonio Pinto Pereira
 
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não DesignersPrincípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Leonardo Pereira
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Moesio Alves
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos CompositivosLinguagem Visual - Fundamentos Compositivos

Destaque (18)

Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
 
EVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da FormaEVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da Forma
 
Elementos básicos da arte plástica
Elementos básicos da arte plásticaElementos básicos da arte plástica
Elementos básicos da arte plástica
 
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
 
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
 
Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )
 
Ponto e linha
Ponto e linhaPonto e linha
Ponto e linha
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EFPontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
Pontos e linhas - Arte - Escola APP - 3º Ano EF
 
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não DesignersPrincípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos CompositivosLinguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
 

Semelhante a Elementos visuais

Espaço e expressão
Espaço e expressãoEspaço e expressão
Espaço e expressão
Viviane Marques
 
Linhas de composicao 2 linha superficie volume
Linhas de composicao 2 linha superficie volumeLinhas de composicao 2 linha superficie volume
Linhas de composicao 2 linha superficie volume
Andréia de Alcantara
 
linguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuaislinguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuais
Governo do Estado de São Paulo
 
Teoria de arte
Teoria de arteTeoria de arte
Teoria de arte
Ana Lucia
 
Fundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 IIFundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 II
Renato Garcia
 
Clareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
Clareza e Obscuridade, Plano e ProfundidadeClareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
Clareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
Daniel Bohn
 
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
ssusera065a2
 
Apresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DADApresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DAD
acosta100
 
Composição1
Composição1Composição1
Composição1
Composição1Composição1
Traçados harmoniosos . A Composição na arte
Traçados harmoniosos . A Composição na arteTraçados harmoniosos . A Composição na arte
Traçados harmoniosos . A Composição na arte
angelarts569
 
Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
Franciele Kestring
 
Fundamentos do desenho 2011
Fundamentos do desenho 2011Fundamentos do desenho 2011
Fundamentos do desenho 2011
Renato Garcia
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
JucelirCarnauba1
 
elementos visuais
elementos visuaiselementos visuais
elementos visuais
EdsonGabrieldaSilva
 
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptxLuz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
alexandramatos33
 
Nascimento; jaime bispo do arte máquina e o suporte sucata
Nascimento; jaime bispo do   arte máquina e o suporte sucataNascimento; jaime bispo do   arte máquina e o suporte sucata
Nascimento; jaime bispo do arte máquina e o suporte sucata
Acervo_DAC
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Raphael Lanzillotte
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Seduc MT
 

Semelhante a Elementos visuais (20)

Espaço e expressão
Espaço e expressãoEspaço e expressão
Espaço e expressão
 
Linhas de composicao 2 linha superficie volume
Linhas de composicao 2 linha superficie volumeLinhas de composicao 2 linha superficie volume
Linhas de composicao 2 linha superficie volume
 
linguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuaislinguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuais
 
Teoria de arte
Teoria de arteTeoria de arte
Teoria de arte
 
Fundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 IIFundamentos do desenho 2011 II
Fundamentos do desenho 2011 II
 
Clareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
Clareza e Obscuridade, Plano e ProfundidadeClareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
Clareza e Obscuridade, Plano e Profundidade
 
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
 
Apresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DADApresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DAD
 
Composição1
Composição1Composição1
Composição1
 
Composição1
Composição1Composição1
Composição1
 
Traçados harmoniosos . A Composição na arte
Traçados harmoniosos . A Composição na arteTraçados harmoniosos . A Composição na arte
Traçados harmoniosos . A Composição na arte
 
Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013
 
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
Apresentação para foz.pptx [salvo automaticamente]
 
Fundamentos do desenho 2011
Fundamentos do desenho 2011Fundamentos do desenho 2011
Fundamentos do desenho 2011
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
 
elementos visuais
elementos visuaiselementos visuais
elementos visuais
 
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptxLuz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
Luz e sombra aula ensino fundamental II.pptx
 
Nascimento; jaime bispo do arte máquina e o suporte sucata
Nascimento; jaime bispo do   arte máquina e o suporte sucataNascimento; jaime bispo do   arte máquina e o suporte sucata
Nascimento; jaime bispo do arte máquina e o suporte sucata
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
 

Mais de Viviane Marques

Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Introdução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaIntrodução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalista
Viviane Marques
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
Viviane Marques
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Viviane Marques
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
Viviane Marques
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Viviane Marques
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
Viviane Marques
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
Viviane Marques
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Viviane Marques
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Rococó
RococóRococó
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
Viviane Marques
 
Revista forma primeira edição
Revista forma   primeira ediçãoRevista forma   primeira edição
Revista forma primeira edição
Viviane Marques
 
Revista forma
Revista formaRevista forma
Revista forma
Viviane Marques
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismo
Viviane Marques
 
Revista forma organicismo
Revista forma   organicismoRevista forma   organicismo
Revista forma organicismo
Viviane Marques
 

Mais de Viviane Marques (18)

Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
 
Introdução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaIntrodução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalista
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
 
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Revista forma primeira edição
Revista forma   primeira ediçãoRevista forma   primeira edição
Revista forma primeira edição
 
Revista forma
Revista formaRevista forma
Revista forma
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismo
 
Revista forma organicismo
Revista forma   organicismoRevista forma   organicismo
Revista forma organicismo
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Elementos visuais

  • 1. Viviane Marques Elementos Visuais OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. São Paulo, Ática, 1979.
  • 2. Elemento Visual • A Linguagem Visual se expressa através de cinco elementos: – a linha, – a superfície, – o volume, – a luz, – a cor. • Os elementos visuais não tem significados preestabelecidos: – nada representam, – nada descrevem, – nada assinalam, – não são símbolos de nada, não definem nada; – nada antes de entrarem em um contexto formal. • Importante - os elementos visuais tem identidades expressivas diferentes. • Ao participar de uma composição cada elemento visual configura o espaço de um modo diferente. • As dimensões espaciais , articuladas por cada elemento, na organização de um espaço é que caracterizam os elementos visuais.
  • 3. Linha • Configura um espaço linear, de uma única dimensão. • Através dela apreendemos um espaço direcional. • Existem possibilidades de se modular o movimento da linha. • Introduz movimento direcional, intervalos ou contrastes de direção, • Reduz o movimento; quanto maiores os contrastes menor a velocidade e maior o peso visual e vice-versa. • O movimento visual se dá no espaço e no tempo. • O clima expressivo da linha se configura pelo espaço e pelo tempo. • Introduzindo pausas e modulando as velocidades das linhas, modula-se o fluir do tempo. • O espaço linear sempre será frágil e de pouca substância, sempre será um espaço unidimensional; • É importante notar que as linhas nascem da abstração, pois não há linhas corpóreas no espaço natural.
  • 4. TIENSHÊNG. Bambu. Sung (960-1279)
  • 5. Jackson Pollock, Eco, 1951 233.4 x 218.4 cm. The Museum of Modern Art New York
  • 6. Ni Zan, A Floresta e o Vale Mount Yu Pergaminho. 95.3 x 35.9 cm Dinastia Yuan (1279–1368) 1372
  • 7. Honoré Daumier Desenho
  • 8. Superfície • Percebemos as dimensões da altura e largura. • As linhas estão presas a área que contornam. • Quando uma dimensão prevalecer visualmente, o movimento será impulsionado na direção dominante. • As duas dimensões estabilizam o espaço e o imobilizam. • Se não forem introduzidos novos elementos dinâmicos , de movimento, o espaço aparece idealizado. • As linhas perdem sua independência e sua mobilidade, sendo assim a superfície um caráter mais estático do que dinâmico. • Na superfície o movimento terá que ser introduzido por outros fatores visuais. • Ao se acumularem várias formas, com margens sinuosas, tamanhos e posições diferentes, temos o movimento visual. • Superfície fechada: as margens nos permite inferir uma estrutura interna, com centro e eixos. • Superfície aberta: área interna nos permite perceber uma faixa externa. • As superfícies fechadas são reguladas pela margem e as abertas pela articulação da área interior.
  • 9. Paul Klee, Mulher Acordando, 1920 Aquarela, 22.5 x 28 cm
  • 10. Piet Mondrian, Composição, 1929 Óleo sobre tela, 73.5cm x 74.5cm The Cleveland Museum of Art
  • 11. Jan Van Eyck, A Anunciação, 1425-30 The National Gallery of Art Washington D.C.
  • 12. Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
  • 13. Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
  • 14. Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
  • 15. Thomas Gerrit Rietveld, arquitetura “Casa Schröder”, 1924, Utrecht, Holanda
  • 16. Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
  • 17. Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
  • 18. Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
  • 19. Coop Himmelbeau, UFA Cinema Center, 1993, Dresden, Alemanha
  • 20. Superfície • Outro fator importante na superfície é a superposição , a percepção de planos sobrepostos. • A superposição sempre nos faz perceber o espaço profundo. • A superposição só ocorre com superfícies mais ou menos fechadas. • Agrupadas em seqüências rítmicas, as superposições criam campos de energia que se expandem e se contraem.(Cubismo) • Na superposição, o espaço é dinâmico.
  • 21. Pablo Picasso, Retrato de Daniel-Henry Kahnweiler, 1910 Óleo sobre Tela
  • 22. Georges Braque, O Português, 1911 Óleo sobre Tela Kunstmuseum, Basle
  • 23. Elementos Visuais • Enquanto a linha e a superfície ainda se inserem no plano pictórico, os elementos restantes, volume, luz e cor, ultrapassam a estrutura bidimensional. • Volume, luz e cor são considerados elementos mais dinâmicos. • O espaço que poderá ser estruturado por eles ultrapassará sempre, em dimensões a base do plano.
  • 24. Volume • Com linhas diagonais interligadas às horizontais e verticais, o contexto espacial adquire profundidade. • Quando vistas em conjunto horizontais e verticais, as diagonais introduzem a dimensão da profundidade. • Planos relacionados em diagonal, superposições, profundidade e o cheio/vazio: são as qualidades espaciais que podem ser formuladas mediante o volume. • Em configurações de volume sempre reencontramos os elementos linha e superfície, mas nos seus aspectos dinâmicos, diagonalidade da linha e a superposição da superfície. • Qualquer volume representa um conjunto de planos em superposições diagonais.
  • 25. Leonardo da Vinci, Anunciação, 1472-75 Têmpera sobre madeira - 98x217cm Galleria Degli Uffizi, Florença, Itália
  • 26. São Gregório de Nissa, Afresco Catedral de Santa Sofia, Kiev
  • 27. Volume • Configurando volumes, as próprias linhas e superfícies passam a desempenhar novas funções. • Sem perder suas funções anteriores, as linhas individuais assinalam agora limites comuns entre áreas vizinhas, unindo-as ao mesmo tempo que a separam, e indicando em que lugar, precisamente, ocorre uma mudança de direção nas várias faces que compõem a figura do volume. • Também as superfícies terão novas funções; como áreas separadas, embora vizinhas, cada qual atuando como um plano bidimensional, as superfícies se conjugam , sempre no sentido diagonal, para formar um espaço tridimensional. • O espaço característico do volume é o da profundidade, mas a noção da profundidade é sempre visual, virtual. • Na representação do volume, a profundidade é inserida pela ação de diagonais, junto a planos verticais ou horizontais. • Os dados visuais nos são apresentados em conjunto à nossa percepção,integrando-se e qualificando-se reciprocamente, de tal modo que nenhuma das três dimensões pode ser apreendida sem as outras. • O espaço configurado dos volumes induz também a sua densidade, quanto mais subdivisões e maior número de facetas percebidas, maior a noção de substância física densa.
  • 28. Volume • Na configuração de volumes, e conseqüentemente de um espaço que é caracterizado como tridimensional, também os aspectos da escala e magnitudes serão integrados ao esquema da percepção. • Na representação de volumes, a magnitude indicará unicamente relações espaciais de proximidade ou distância. • Em função da obliqüidade, o contexto espacial se dinamiza, e articula um afastamento ou proximidade. • No volume, a cada espaço sólido externo sentimos corresponder um espaço equivalente interno. • Como qualificação espacial própria do volume (não existindo em outro elemento visual) as correspondências de cheio/vazio irão caracterizar o desdobramento formal do elemento volume. • O Volume deve ser reconhecido pela diagonalidade das interligações, pela profundidade do espaço (profundidade tridimensional) e pela densidade (na visão do cheio/vazio).
  • 29. Suzuki Harunobu, O Cochilo, Séc. XVIII Tokyo National
  • 30. Suzuki Harunobu, Corvo e Garça, ou Amantes Jovens que Entram Junto debaixo de um Guarda-chuva em uma Nevasca, 1769 Xilogravura, 28.6 x 20.6 cm
  • 31. Le Corbusier, Villa Savoye, 1928, Toulon, França
  • 32. Le Corbusier, Villa Savoye, 1928, Toulon, França
  • 33. Bramante Donato, 1444-1514 S Pietro in Montorio, tempietto
  • 34. Bramante Donato, 1444-1514 S Pietro in Montorio, tempietto
  • 35. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 36. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 37. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 38. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 39. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 40. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 41. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 42. Frank Lloyd Wright, Robie House, Chicago, Illinois, 1909
  • 43. Elementos Visuais • A elaboração formal envolve problemas mais complexos, como o processo de transformação nos elementos visuais. • Cada elemento pode ser transformado em outro, isto é, pode ser visto como componente de outro elemento (exceção luz em cor ou cor em luz). • Os elementos podem ser agrupados para comporem outros elementos. • A escolha do elemento, ou talvez dos vários elementos com que o artista vai trabalhar, assim como o caminho em que os elementos são desdobrados e transformados, corresponde às intenções do artista, mesmo que a nível não- consciente.
  • 44. Giotto di Bondone, Encontro de Joaquim e Ana no Portal de Ouro, 1304-06 Afresco, 200 x 185 cm Cappella Scrovegni (Arena Chapel), Padua
  • 45. Giotto di Bondone, A deposição, 1304-06 Afresco, 200 x 185 cm Cappella Scrovegni (Arena Chapel), Padua
  • 46. Paolo Ucello A batalha de San Romano,1438-40 Tempera, 181.6 x 320 cm National Gallery, Londres
  • 47. Paolo Ucello A batalha de San Romano,1438-40 Tempera, 181.6 x 320 cm National Gallery, Londres
  • 48. Pierro Della Francesca - A Flagelação –1469, 58.4 x 81.5 cm; Galleria Nazionale delle Marche, Palácio Ducal de Urbino
  • 49. Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz Afresco, 356 x 747 cm Igreja de São Francisco, Arezzo
  • 50. Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz Afresco, 356 x 747 cm Igreja de São Francisco, Arezzo
  • 51. Pierro Della Francesca, O Milagre da Cruz Afresco, 356 x 747 cm Igreja de São Francisco, Arezzo
  • 52. Luz • Luz: Contraste entre o claro e o escuro. • O artista aproveita os efeitos de iluminação natural ou artificial , fazendo- os coincidir com as distribuições de manchas claras e escuras na imagem, destacando então, nos objetos apresentados, certos planos iluminados ou sombras projetadas. • O contraste de claro/escuro pode existir independentemente de um foco de luz. • Para que o elemento luz se torne expressivo, é preciso ter todo o movimento visual desdobrar-se através de valores claros e escuros. • Naturalmente os contraste não precisam ser distribuídos de maneira igual, há maneiras de se graduar suas intensidades e também os tamanhos, no que chamamos de graduação de intensidade. • Através do contraste claro/escuro , a luz articula uma vibração no espaço. • O claro avança no espaço e o escuro recua. • Quanto mais intenso o contraste, mais visível o efeito da vibração.
  • 53. Luz • O claro, referido aos escuros, vai avançar, e o escuro, referido aos claros, vai recuar. • Quanto mais consistente for a elaboração de valores contrastantes, através de graduações de intensidades, variações e inversões, tanto mais nítido se torna o efeito vibratório de um avanço/recuo simultâneo. • O claro, referido visualmente ao escuro e avançando, se irradia e se expande, referido ao claro, o escuro recua e se contrai. • O artista ao elaborar formalmente o contraste de claro/escuro, sabendo que pequenas áreas claras podem ser contrastadas a áreas escuras relativamente maiores e ainda assim, avançar e irradiar-se, o artista procura equilibrá-las, graduando proporcionalmente o tamanho das partes claras e escuras que a cada vez irão propor a unidade de contraste. • Procura também graduar as intensidades, o sem-número de combinações possíveis, desde o muito claro ao muito escuro.
  • 55. Luz • Em cada etapa o artista trabalhará comparando os detalhes com o conjunto que se forma, e novamente o conjunto com os detalhes. • Na indução de deslocamentos simultâneos de avanço/recuo e expansão/contração, que se farão possíveis em todas as partes do quadro, os tamanhos e também as intensidades se tornarão relativas. • Embora, em cada contraste, os componentes claros e escuros apareçam intimamente interligados, pois só reunidos tornam-se expressivos, eles não perdem seu caráter individual, nem tampouco seu significado original. • Ao claro e ao escuro atribuímos significados diversos. • Vemos a claridade como afirmação da vida, do ser e do fazer, calor das qualidades éticas do bem e da verdade. • Inversamente, a escuridão não é tida apenas como ausência da claridade, mas como sua negação, como um contra-princípio ativo, o não-ser, o mal, o desaparecimento, a destruição, a morte. • No contraste claro-escuro existem portanto certas qualificações, que irão definir a gama expressiva do elemento luz.
  • 56. Leonardo da Vinci , A Virgem das Rochas, 1492-1508 National Gallery, Londres, Inglaterra
  • 57. Luz • O fenômeno do avanço/recuo simultâneo e na expansão-contração que o acompanha, a vibração torna visível um espaço de profundidade. • Diferente dos volumes, a profundidade não mais se apresenta tridimensional, em vez disso vemos o tempo formulado como ritmo. • A forma do espaço caracterizada por ritmos de simultâneos avanços-recuos é alta dinâmica • Em qualquer dos elementos visuais, dinâmicos ou estáticos, nas configurações de cor, superfície e até mesmo da linha, surge sempre uma figura espacial de maior ou menor substância, isto não acontece com a luz, que parece consistir de pura energia. • Não podemos precisar a duração do tempo neste movimento pulsante. • Um maior grau de claridade corresponde a um nível maior de aproximação, assim como um escuro mais profundo corresponde a um afastamento maior • A pulsação se aprofunda e se acelera entre os pólos de avanço e recuo. • A crescente velocidade ocorre dentro do contraste. • O elemento luz vai articular ritmos em profundidade espacial. • Todo contraste representa uma parada obrigatória
  • 58. Luz • A combinação de profundidade-tempo, que é característica para o elemento luz, coloca-se inteiramente fora das dimensões do plano pictórico (altura-largura). • O elemento luz, não só pode como deve ser, necessariamente, composto por outros elementos. • Contraste claro-escuro podem entrar em linhas, superfícies ou volumes, ou ainda tonalidades de cor. • Embora transformando-se, os elementos originais não perdem suas funções e qualificações espaciais. • O fenômeno da luminosidade pelo seu simbolismo e alta expressividade tem para nós significados especiais, tais como o amor, a verdade, a consciência que formulados em termos de qualidade de luz são, claro, lúcido, transparente. • A presença do elemento luz é significativa para o conteúdo expressivo das obras de um artista.
  • 59. Rembrandt, A Festa de Baltasar, 1630-35 Òleo sobre Tela, 167 x 209 cm National Gallery, London
  • 60. Rembrandt, A Ronda noturna, 1642 Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm. Rijksmuseum. Amsterdam
  • 61. Rembrandt, A Ronda noturna, 1642 Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm. Rijksmuseum. Amsterdam
  • 62. Rembrandt, A Ronda noturna, 1642 Òleo sobre Tela, 359 x 438 cm. Rijksmuseum. Amsterdam
  • 63. Rembrandt, A Noiva Judia, 1665 Òleo sobre Tela, 121.5 x 166.5 cm Rijksmuseum, Amsterdam
  • 64. Rembrandt, A Noiva Judia, 1665 Òleo sobre Tela, 121.5 x 166.5 cm Rijksmuseum, Amsterdam
  • 65. Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII Roma
  • 66. Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII Roma
  • 67. Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII Escada Régia do Palácio do Vaticano, Detalhe da Colunata Roma
  • 68. Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII Cátedra de São Pedro, Baldaquim, Basílica de São Pedro, Roma
  • 69. Gian Lorenzo Bernini, Praça de São Pedro, XVII Cátedra de São Pedro, Baldaquim, Basílica de São Pedro, Roma