SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
SINDROME DE LEGG CALVÉS 
PERTHES 
POR: GISELE SENA 
TECNÓLOGA EM RADIOLOGIA
A síndrome 
 Tem a denominação de síndrome ou doença, que 
afeta a articulação do quadril, na faixa etária de 5 a 
10 anos, mais comum no sexo masculino. 
 A síndrome de Legg Clavés Perthes causa a 
destruição(necrose) da cabeça femural devido a falta 
de vascularização no local.
Diferença de síndrome X Doença 
 SÍNDROME- É o conjunto de sinais ou sintomas que 
geralmente tem um único fator, na maioria dos casos 
o fator é genético. 
 DOENÇA- É um problema de saúde fisico ou mental 
por um fator exógeno, ou seja, agentes 
externos(bactérias) ou endógenos(câncer ou doenças 
auto imunes).
A evolução da síndrome de Legg Calvés Perthes 
 A evolução está disposta em 4 fases: 
1ª Surgimento de sintomas devido a inflamação pela 
falta de aporte sanguíneo no local. 
2ª Necrose ocorrendo a destruição da cabeça femural. 
3ª Ocorrem granulações na necrose(tecido granuloso) 
diminuindo o tamanho da epífise proximal do fêmur. 
4ª Nova formação de vasos sanguíneos, fase de 
remodelação.
A etiologia da síndrome 
 Estudos ainda não chegaram á uma conclusão de que 
origem e quais causas que contribuem para o 
desenvolvimento da síndrome. 
 Há teorias que apotam que infeccões na articulação 
do quadril seriam grandes fatores para desencadear 
da síndrome de Legg Calvés Perthes.
Sintomas 
 Dor na virilha, principalmente nos movimentos de 
rotação da coxa na extremidade proximal. 
 Porém a dor pode surgir na extremidade distal da 
coxa(joelho) denominada dor referida. 
 A criança acaba apoiando-se mais em uma perna 
para poupar a dor que sente na outra.
Diagnóstico 
 O diagnóstico da síndrome de Legg Calvés Perthes é 
feito com base nos sintomas do paciente e através de 
radiografias, método que utiliza radiação ionizante 
para visualização de estruturas internas, neste caso 
estruturas ósseas. 
 Com o avanço da tecnologia em diagnósticos por 
imagem, é também utilizada a Ressonância 
Magnética.
Radiologia convencional ou digital versus 
Ressonância Magnética 
 Em radiografias para o diagnóstico da síndrome 
pouco nota-se na fase inicial(sinovite), além disso as 
práticas que envolvem o uso de radiações ionizantes 
devem estar de acordo com as normas fiscalizadoras. 
 Toda prática com a utilização de radiação ionizante 
deve ser justificada, otimizada e obedecer os limites 
de doses. 
 As radiografias do quadril servem como base.
Radiologia convencional ou digital versus 
Ressonância Magnética 
 Em Ressônancia Magnética pode ser evidenciado 
algum edema na fase inicial, propiciando um melhor 
diagnóstico e tratamento. 
 Entendendo que a prática que envolve a utilização de 
Ressonância Magnética é mais invasiva, pois não há 
utilização de radiação ionizante, há precauções a 
serem tomadas, mas a princípio o dano biológico 
desta prática é inexistente.
ARTROGRAFIA DO QUADRIL
contatos:cesio137radio@hotmail.com 
Cel: (21) 981744949

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)Norberto Werle
 
4. radiologia cervical rx do trauma
4. radiologia cervical  rx do trauma4. radiologia cervical  rx do trauma
4. radiologia cervical rx do traumaJuan Zambon
 
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articularCaso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articularLUAH
 
3. doenças do colágeno rx do trauma
3. doenças do colágeno  rx do trauma3. doenças do colágeno  rx do trauma
3. doenças do colágeno rx do traumaJuan Zambon
 
Apostila maos unidas mielomeningocele
Apostila maos unidas mielomeningoceleApostila maos unidas mielomeningocele
Apostila maos unidas mielomeningoceleLeila Fortes
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Rosely Mota
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Jorge Acosta Noriega
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah Omar Mohamad Abdallah
 

Mais procurados (20)

Estenose
EstenoseEstenose
Estenose
 
Espondilolistese
EspondilolisteseEspondilolistese
Espondilolistese
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
Monitoria snc, crânio e coluna cervical(2)
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
Tumores da Coluna Vertebral
Tumores da Coluna VertebralTumores da Coluna Vertebral
Tumores da Coluna Vertebral
 
4. radiologia cervical rx do trauma
4. radiologia cervical  rx do trauma4. radiologia cervical  rx do trauma
4. radiologia cervical rx do trauma
 
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articularCaso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Espondilolistese
EspondilolisteseEspondilolistese
Espondilolistese
 
Discite e mal de pott
Discite e mal de pottDiscite e mal de pott
Discite e mal de pott
 
Anatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebralAnatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebral
 
Radiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica PediátricaRadiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica Pediátrica
 
3. doenças do colágeno rx do trauma
3. doenças do colágeno  rx do trauma3. doenças do colágeno  rx do trauma
3. doenças do colágeno rx do trauma
 
Doença de scheuermann
Doença de scheuermannDoença de scheuermann
Doença de scheuermann
 
Apostila maos unidas mielomeningocele
Apostila maos unidas mielomeningoceleApostila maos unidas mielomeningocele
Apostila maos unidas mielomeningocele
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 

Destaque

Legg calve perthes disease-UMY
 Legg calve perthes disease-UMY Legg calve perthes disease-UMY
Legg calve perthes disease-UMYUmesh Yadav
 
Classification & management of legg calve perthes disease
Classification & management of legg calve perthes diseaseClassification & management of legg calve perthes disease
Classification & management of legg calve perthes diseaseSitanshu Barik
 
Legg calve perthes disease
Legg calve perthes disease Legg calve perthes disease
Legg calve perthes disease Ratan Khuman
 
Legg calve perthes
Legg calve perthesLegg calve perthes
Legg calve perthesairwave12
 
Perthes Disease LCPD
Perthes Disease LCPDPerthes Disease LCPD
Perthes Disease LCPDAnoop GC
 
Perthes ’ disease
Perthes ’ diseasePerthes ’ disease
Perthes ’ diseaseMannan Ahmed
 
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARA
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARAPerthes disease ADOLESCENT COXA VARA
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARADr ashwani panchal
 
Legg+Calve+Perthes+Disease
Legg+Calve+Perthes+DiseaseLegg+Calve+Perthes+Disease
Legg+Calve+Perthes+Diseasedhavalshah4424
 
Legg calvé-perthes disease
Legg calvé-perthes diseaseLegg calvé-perthes disease
Legg calvé-perthes diseaseorthoprince
 

Destaque (12)

Legg calve perthes disease-UMY
 Legg calve perthes disease-UMY Legg calve perthes disease-UMY
Legg calve perthes disease-UMY
 
Classification & management of legg calve perthes disease
Classification & management of legg calve perthes diseaseClassification & management of legg calve perthes disease
Classification & management of legg calve perthes disease
 
Legg calve perthes disease
Legg calve perthes disease Legg calve perthes disease
Legg calve perthes disease
 
Legg calve perthes
Legg calve perthesLegg calve perthes
Legg calve perthes
 
PS SESSION : EXAMINATION OF HIP
PS SESSION : EXAMINATION OF HIPPS SESSION : EXAMINATION OF HIP
PS SESSION : EXAMINATION OF HIP
 
Perthes Disease LCPD
Perthes Disease LCPDPerthes Disease LCPD
Perthes Disease LCPD
 
perthes disease
perthes diseaseperthes disease
perthes disease
 
Perthes ’ disease
Perthes ’ diseasePerthes ’ disease
Perthes ’ disease
 
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARA
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARAPerthes disease ADOLESCENT COXA VARA
Perthes disease ADOLESCENT COXA VARA
 
Legg+Calve+Perthes+Disease
Legg+Calve+Perthes+DiseaseLegg+Calve+Perthes+Disease
Legg+Calve+Perthes+Disease
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Legg calvé-perthes disease
Legg calvé-perthes diseaseLegg calvé-perthes disease
Legg calvé-perthes disease
 

Semelhante a Sindrome de legg calvés perthes- Por Gisele Sena(Flor Radioativa)

Semelhante a Sindrome de legg calvés perthes- Por Gisele Sena(Flor Radioativa) (20)

Lombalgia aguda
Lombalgia agudaLombalgia aguda
Lombalgia aguda
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
 
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICIDSarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
 
Aula 6: Dra. Érica Boldrini (Oncologista Pediátrica)
 Aula 6: Dra. Érica Boldrini (Oncologista Pediátrica)  Aula 6: Dra. Érica Boldrini (Oncologista Pediátrica)
Aula 6: Dra. Érica Boldrini (Oncologista Pediátrica)
 
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad121cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
 
Distrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénitaDistrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénita
 
Síndrome do Túnel do Carpo
Síndrome do Túnel do CarpoSíndrome do Túnel do Carpo
Síndrome do Túnel do Carpo
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Hérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesHérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizes
 
Sle 2014
Sle 2014Sle 2014
Sle 2014
 
Fenômeno de Raynaud - Documento Científico da SBP
Fenômeno de Raynaud - Documento Científico da SBP Fenômeno de Raynaud - Documento Científico da SBP
Fenômeno de Raynaud - Documento Científico da SBP
 
Síndrome de duchenne.point.poetha
Síndrome de duchenne.point.poethaSíndrome de duchenne.point.poetha
Síndrome de duchenne.point.poetha
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Síndrome
 Síndrome Síndrome
Síndrome
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
 
Especial npc
Especial npcEspecial npc
Especial npc
 
Osteocondroma cervical
Osteocondroma cervicalOsteocondroma cervical
Osteocondroma cervical
 
Apresentação pioatrite e piomiosite
Apresentação pioatrite e piomiositeApresentação pioatrite e piomiosite
Apresentação pioatrite e piomiosite
 
Síndrome Túnel do carpo
Síndrome Túnel do carpoSíndrome Túnel do carpo
Síndrome Túnel do carpo
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
 

Sindrome de legg calvés perthes- Por Gisele Sena(Flor Radioativa)

  • 1. SINDROME DE LEGG CALVÉS PERTHES POR: GISELE SENA TECNÓLOGA EM RADIOLOGIA
  • 2. A síndrome  Tem a denominação de síndrome ou doença, que afeta a articulação do quadril, na faixa etária de 5 a 10 anos, mais comum no sexo masculino.  A síndrome de Legg Clavés Perthes causa a destruição(necrose) da cabeça femural devido a falta de vascularização no local.
  • 3. Diferença de síndrome X Doença  SÍNDROME- É o conjunto de sinais ou sintomas que geralmente tem um único fator, na maioria dos casos o fator é genético.  DOENÇA- É um problema de saúde fisico ou mental por um fator exógeno, ou seja, agentes externos(bactérias) ou endógenos(câncer ou doenças auto imunes).
  • 4. A evolução da síndrome de Legg Calvés Perthes  A evolução está disposta em 4 fases: 1ª Surgimento de sintomas devido a inflamação pela falta de aporte sanguíneo no local. 2ª Necrose ocorrendo a destruição da cabeça femural. 3ª Ocorrem granulações na necrose(tecido granuloso) diminuindo o tamanho da epífise proximal do fêmur. 4ª Nova formação de vasos sanguíneos, fase de remodelação.
  • 5. A etiologia da síndrome  Estudos ainda não chegaram á uma conclusão de que origem e quais causas que contribuem para o desenvolvimento da síndrome.  Há teorias que apotam que infeccões na articulação do quadril seriam grandes fatores para desencadear da síndrome de Legg Calvés Perthes.
  • 6. Sintomas  Dor na virilha, principalmente nos movimentos de rotação da coxa na extremidade proximal.  Porém a dor pode surgir na extremidade distal da coxa(joelho) denominada dor referida.  A criança acaba apoiando-se mais em uma perna para poupar a dor que sente na outra.
  • 7. Diagnóstico  O diagnóstico da síndrome de Legg Calvés Perthes é feito com base nos sintomas do paciente e através de radiografias, método que utiliza radiação ionizante para visualização de estruturas internas, neste caso estruturas ósseas.  Com o avanço da tecnologia em diagnósticos por imagem, é também utilizada a Ressonância Magnética.
  • 8. Radiologia convencional ou digital versus Ressonância Magnética  Em radiografias para o diagnóstico da síndrome pouco nota-se na fase inicial(sinovite), além disso as práticas que envolvem o uso de radiações ionizantes devem estar de acordo com as normas fiscalizadoras.  Toda prática com a utilização de radiação ionizante deve ser justificada, otimizada e obedecer os limites de doses.  As radiografias do quadril servem como base.
  • 9. Radiologia convencional ou digital versus Ressonância Magnética  Em Ressônancia Magnética pode ser evidenciado algum edema na fase inicial, propiciando um melhor diagnóstico e tratamento.  Entendendo que a prática que envolve a utilização de Ressonância Magnética é mais invasiva, pois não há utilização de radiação ionizante, há precauções a serem tomadas, mas a princípio o dano biológico desta prática é inexistente.