SlideShare uma empresa Scribd logo
Rui Belo
Rio Maior
1933 – 1978
Este céu passará e então
teu riso descerá dos
montes pelos rios
até desaguar no nosso
coração
É triste ir pela vida como
quem
regressa e entrar
humildemente por engano
pela morte dentro.
Digam que foi mentira, que não sou
ninguém, que atravesso apenas ruas
da cidade abandonada
fechada como boca onde não
encontro nada:
não encontro respostas para tudo o
que pergunto nem na verdade
pergunto coisas por aí além
Eu não vivi ali em tempo algum.
Mesmo que não conheças
nem o mês nem o lugar
caminha para o mar pelo
verão
Amei a mulher amei a terra
amei o mar
amei muitas coisas que hoje
me é difícil enumerar
De muitas delas de resto
falei.
Tem o amor a arte de tornar
eterno aquele que por amor
tem de morrer
e até de morrer jovem
amiúde pois os deuses amam
aquele que perece em plena
juventude
e assim se fixa petrifica e
permanece
Ver-te é como ter à minha frente
todo o tempo
é tudo serem para mim estradas
largas estradas onde passa o sol
poente é o tempo parar e eu
próprio duvidar mas sem pensar
se o tempo existe se existiu
alguma vez e nem mesmo meço a
devastação do meu passado
Nomeei-te no meio dos meus
sonhos chamei por ti na
minha solidão troquei o céu
azul pelos teus olhos e o meu
sólido chão pelo teu amor.
e um olhar perdido é tão
difícil de encontrar
como o é congregar ventos
dispersos pelo mar
Esta manhã gostaria de ter
dado ontem um grande passeio
àquela praia onde ontem por sinal
passei o dia
É difícil a vida dos homens
senhor
Os anjos tinham outras
possibilidades e alguns deles foi o
que tu sabes
Esta terra não está feita para
nós
Mesmo que ela fosse diferente
nós quereríamos talvez outra terra
talvez esta de que agora dispomos
Pra nascer e morrer seria
necessário tanto?
É difícil a vida difícil a morte.
Por vezes os homens juntam-se
todos ou quase todos e organizam
grandes manifestações.
Mas nada disso os dispensa
da grande solidão da morte de
termos de morrer cada um por
nossa conta.
Requiem por um cão
I
Cão que matinalmente
farejavas a calçada
as ervas os calhaus os seixos
os paralelepípedos os restos de
comida
os restos de manhã a chuva
antes caída
e convertida numa como que
auréola da terra cão que isso
farejas cão que nada disso já
farejas
II
Foi um segundo súbito e
ficaste
ensanduichado esborrachado
comprimido
e reduzido debaixo do rodado
imperturbável do pesado camião
Que tinhas que não tens diz-
mo ou ladra-mo
ou utiliza então qualquer
moderno meio de comunicação
III
Eras vivo e morreste nada
mais
teus donos se é que os tinhas
sempre que de ti falavam
falavam no presente falam no
passado agora Cão que morreste
tão caninamente
IV
cão que morreste e me fazes
pensar
parar até que o polícia me diz
que siga em frente
Que se passou então?
Um simples cão que era
e já não é
No teu amor por mim há uma
rua que começa
Nem árvores nem casas
existiam antes que tu
tivesses palavras e todo eu
fosse um coração para elas
Tocam sinos e levantam voo
todos os cuidados
Ó meu amor nem minha mãe
tinha assim um regaço como este
dia tem
E eu chego e sento-me ao lado
da primavera
Aqui eu fui feliz aqui fui terra
aqui fui tudo quanto em mim se
encerra aqui me senti bem aqui o
vento veio aqui gostei de gente e
tive mãe em cada árvore e até em
cada folha aqui enchi o peito e
mesmo até desfeito eu fui aquele
que da vida vil se orgulha Aqui
fiquei em tudo aquilo em que
passei um avião um riso uns olhos
uma luz eu fui aqui aquilo tudo até
a que me opus
Morreu a mais bela mulher do
mundo tão bela
que não só era assim bela
como mais que
chamar-lhe marilyn
devíamos mas era reservar
apenas para ela o seco sóbrio
simples nome de mulher em vez
de marilyn dizer mulher
Não havia no fundo em todo o
mundo outra mulher
I
O portugal futuro é um país
aonde o puro pássaro é possível
e sobre o leito negro do asfalto da
estrada
as profundas crianças desenharão
a giz
esse peixe da infância que vem na
enxurrada
e me parece que se chama sável
II
Mas desenhem elas o que
desenharem
é essa a forma do meu país
e chamem elas o que lhe
chamarem
portugal será e lá serei feliz
Poderá ser pequeno como este
ter a oeste o mar e a espanha a
leste
III
tudo nele será novo desde os
ramos à raiz
À sombra dos plátanos as crianças
dançarão
e na avenida que houver
à beira-mar
pode o tempo mudar será verão
IV
Gostaria de ouvir as horas do
relógio da matriz
mas isso era o passado e podia ser
duro
edificar sobre ele o portugal futuro
Os pássaros nascem na ponta das árvores*
As árvores que eu vejo em vez de fruto dão
pássaros
Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores
Os pássaros começam onde as árvores acabam
Os pássaros fazem cantar as árvores
Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam
movimentam-se
deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao
reino animal
Como pássaros poisam as folhas na terra
quando o outono desce veladamente sobre os
campos
Gostaria de dizer que os pássaros emanam das
árvores
mas deixo essa forma de dizer ao romancista
é complicada e não se dá bem na poesia
não foi ainda isolada da filosofia
Eu amo as árvores principalmente as que dão
pássaros
Quem é que lá os pendura nos ramos?
De quem é a mão a inúmera mão?
Eu passo e muda-se-me o coração
• Texto recomendado pelas Metas Curriculares do 9 º ano.
Os estivadores
Só eles suam mas só eles sabem
o preço de estar vivo sobre a terra
Só nessas mãos enormes é que cabem
as coisas mais reais que a vida encerra
Outros rirão e outros sonharão
podem outros roubar-lhes a alegria
mas a um deles é que chamo irmão
na vida que em seus gestos principia
Onde outrora houve o deus e houve a ninfa
eles são a moderna divindade
e o que dantes era pura linfa
é o que sobra agora da cidade
Vede como alheios a tudo o resto
compram com o suor a claridade
e rasgam com a decisão do gesto
o muro oposto da gravidade
Ode marítima é o que chamo à ode
escrita ali sobre a pedra do cais
A natureza é certo que muito pode
mas um homem de pé pode bem mais
• Texto recomendado pelas Metas Curriculares do 9 º ano.
Rui Belo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cérebro
CérebroCérebro
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Dina Baptista
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
AMLDRP
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
12º A Golegã
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
Carla Luís
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
layssa09
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Celeste Gregório Lopes
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
António Damásio
António DamásioAntónio Damásio
António Damásio
Yanick Santos
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
António Teixeira
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3
Mónica Martins
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
António Damásio
António DamásioAntónio Damásio
António Damásio
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 

Destaque

Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
kally
 
Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
anabraga
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
BE ESGN
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Dina Baptista
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
liofer21
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
Rosário Cunha
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Miguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e ObraMiguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e Obra
Dina Baptista
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Gabriela
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 

Destaque (10)

Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
 
Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Miguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e ObraMiguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e Obra
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 

Semelhante a Rui Belo

Poesia 8 1
Poesia 8 1Poesia 8 1
Poesia 8 1
bibliotecaagansiao
 
Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias
Cassiano Santana
 
CATULLUS RELOADED
CATULLUS RELOADEDCATULLUS RELOADED
CATULLUS RELOADED
Paulo de Toledo
 
Idade da alma
Idade da almaIdade da alma
Idade da alma
14701968
 
Cardápio DalheMongo
Cardápio DalheMongoCardápio DalheMongo
Cardápio DalheMongo
DalheMongo .com
 
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
Bruno Dinardi
 
Tres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas históriasTres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas histórias
guest0c62edcc
 
Tres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas históriasTres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas histórias
guest0c62edcc
 
Três
 Três Três
Três
Agenor Neto
 
3 Musicas E Suas Historias
3 Musicas E Suas Historias3 Musicas E Suas Historias
3 Musicas E Suas Historias
JNR
 
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
Dulcelenacosta
 
Cada Música tem UMA HISTÓRIA
Cada Música tem UMA HISTÓRIACada Música tem UMA HISTÓRIA
Cada Música tem UMA HISTÓRIA
Valdir Fentes Firmino
 
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIASTRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
eliane_ac
 
Tres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas HistoriasTres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas Historias
guest3bc760
 
Três Músicas e suas histórias
Três Músicas e suas históriasTrês Músicas e suas histórias
Três Músicas e suas histórias
Georgia Stella
 
Três músi..
Três músi..Três músi..
Três músi..
babins
 
HISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICAS
HISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICASHISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICAS
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
Denise Rivera
 
Tres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas HistoriasTres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas Historias
site curiosidades
 
25 a2008 poesia
25 a2008 poesia25 a2008 poesia
25 a2008 poesia
Helena Mendes
 

Semelhante a Rui Belo (20)

Poesia 8 1
Poesia 8 1Poesia 8 1
Poesia 8 1
 
Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias
 
CATULLUS RELOADED
CATULLUS RELOADEDCATULLUS RELOADED
CATULLUS RELOADED
 
Idade da alma
Idade da almaIdade da alma
Idade da alma
 
Cardápio DalheMongo
Cardápio DalheMongoCardápio DalheMongo
Cardápio DalheMongo
 
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
 
Tres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas históriasTres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas histórias
 
Tres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas históriasTres músicas e suas histórias
Tres músicas e suas histórias
 
Três
 Três Três
Três
 
3 Musicas E Suas Historias
3 Musicas E Suas Historias3 Musicas E Suas Historias
3 Musicas E Suas Historias
 
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
 
Cada Música tem UMA HISTÓRIA
Cada Música tem UMA HISTÓRIACada Música tem UMA HISTÓRIA
Cada Música tem UMA HISTÓRIA
 
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIASTRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
TRÊS MÚSICAS E SUAS HISTÓRIAS
 
Tres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas HistoriasTres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas Historias
 
Três Músicas e suas histórias
Três Músicas e suas históriasTrês Músicas e suas histórias
Três Músicas e suas histórias
 
Três músi..
Três músi..Três músi..
Três músi..
 
HISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICAS
HISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICASHISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICAS
HISTÓRIA DE TRÊS BELÍSSIMAS MÚSICAS
 
Três músicas e suas histórias
Três músicas e suas históriasTrês músicas e suas histórias
Três músicas e suas histórias
 
Tres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas HistoriasTres Musicas E Suas Historias
Tres Musicas E Suas Historias
 
25 a2008 poesia
25 a2008 poesia25 a2008 poesia
25 a2008 poesia
 

Mais de davidaaduarte

Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
davidaaduarte
 
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
davidaaduarte
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
davidaaduarte
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
davidaaduarte
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
davidaaduarte
 
Tema 1 genética
Tema 1   genéticaTema 1   genética
Tema 1 genética
davidaaduarte
 
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOPCREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
davidaaduarte
 
Filipa Duarte
Filipa Duarte Filipa Duarte
Filipa Duarte
davidaaduarte
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
davidaaduarte
 
René magritte
René magritteRené magritte
René magritte
davidaaduarte
 
René Magritte
René MagritteRené Magritte
René Magritte
davidaaduarte
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
davidaaduarte
 
António Nobre
António NobreAntónio Nobre
António Nobre
davidaaduarte
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
davidaaduarte
 
Poesia Chinesa
Poesia  ChinesaPoesia  Chinesa
Poesia Chinesa
davidaaduarte
 
Eugénio De Andrade
Eugénio De AndradeEugénio De Andrade
Eugénio De Andrade
davidaaduarte
 

Mais de davidaaduarte (16)

Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
 
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
 
Tema 1 genética
Tema 1   genéticaTema 1   genética
Tema 1 genética
 
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOPCREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
 
Filipa Duarte
Filipa Duarte Filipa Duarte
Filipa Duarte
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 
René magritte
René magritteRené magritte
René magritte
 
René Magritte
René MagritteRené Magritte
René Magritte
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
António Nobre
António NobreAntónio Nobre
António Nobre
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 
Poesia Chinesa
Poesia  ChinesaPoesia  Chinesa
Poesia Chinesa
 
Eugénio De Andrade
Eugénio De AndradeEugénio De Andrade
Eugénio De Andrade
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Rui Belo

  • 2. Este céu passará e então teu riso descerá dos montes pelos rios até desaguar no nosso coração
  • 3. É triste ir pela vida como quem regressa e entrar humildemente por engano pela morte dentro.
  • 4.
  • 5. Digam que foi mentira, que não sou ninguém, que atravesso apenas ruas da cidade abandonada fechada como boca onde não encontro nada: não encontro respostas para tudo o que pergunto nem na verdade pergunto coisas por aí além Eu não vivi ali em tempo algum.
  • 6. Mesmo que não conheças nem o mês nem o lugar caminha para o mar pelo verão
  • 7. Amei a mulher amei a terra amei o mar amei muitas coisas que hoje me é difícil enumerar De muitas delas de resto falei.
  • 8. Tem o amor a arte de tornar eterno aquele que por amor tem de morrer e até de morrer jovem amiúde pois os deuses amam aquele que perece em plena juventude e assim se fixa petrifica e permanece
  • 9.
  • 10. Ver-te é como ter à minha frente todo o tempo é tudo serem para mim estradas largas estradas onde passa o sol poente é o tempo parar e eu próprio duvidar mas sem pensar se o tempo existe se existiu alguma vez e nem mesmo meço a devastação do meu passado
  • 11. Nomeei-te no meio dos meus sonhos chamei por ti na minha solidão troquei o céu azul pelos teus olhos e o meu sólido chão pelo teu amor.
  • 12. e um olhar perdido é tão difícil de encontrar como o é congregar ventos dispersos pelo mar
  • 13. Esta manhã gostaria de ter dado ontem um grande passeio àquela praia onde ontem por sinal passei o dia É difícil a vida dos homens senhor Os anjos tinham outras possibilidades e alguns deles foi o que tu sabes Esta terra não está feita para nós Mesmo que ela fosse diferente nós quereríamos talvez outra terra talvez esta de que agora dispomos
  • 14. Pra nascer e morrer seria necessário tanto? É difícil a vida difícil a morte. Por vezes os homens juntam-se todos ou quase todos e organizam grandes manifestações. Mas nada disso os dispensa da grande solidão da morte de termos de morrer cada um por nossa conta.
  • 15. Requiem por um cão I Cão que matinalmente farejavas a calçada as ervas os calhaus os seixos os paralelepípedos os restos de comida os restos de manhã a chuva antes caída e convertida numa como que auréola da terra cão que isso farejas cão que nada disso já farejas
  • 16. II Foi um segundo súbito e ficaste ensanduichado esborrachado comprimido e reduzido debaixo do rodado imperturbável do pesado camião Que tinhas que não tens diz- mo ou ladra-mo ou utiliza então qualquer moderno meio de comunicação
  • 17. III Eras vivo e morreste nada mais teus donos se é que os tinhas sempre que de ti falavam falavam no presente falam no passado agora Cão que morreste tão caninamente
  • 18. IV cão que morreste e me fazes pensar parar até que o polícia me diz que siga em frente Que se passou então? Um simples cão que era e já não é
  • 19. No teu amor por mim há uma rua que começa Nem árvores nem casas existiam antes que tu tivesses palavras e todo eu fosse um coração para elas Tocam sinos e levantam voo todos os cuidados Ó meu amor nem minha mãe tinha assim um regaço como este dia tem E eu chego e sento-me ao lado da primavera
  • 20. Aqui eu fui feliz aqui fui terra aqui fui tudo quanto em mim se encerra aqui me senti bem aqui o vento veio aqui gostei de gente e tive mãe em cada árvore e até em cada folha aqui enchi o peito e mesmo até desfeito eu fui aquele que da vida vil se orgulha Aqui fiquei em tudo aquilo em que passei um avião um riso uns olhos uma luz eu fui aqui aquilo tudo até a que me opus
  • 21.
  • 22. Morreu a mais bela mulher do mundo tão bela que não só era assim bela como mais que chamar-lhe marilyn devíamos mas era reservar apenas para ela o seco sóbrio simples nome de mulher em vez de marilyn dizer mulher Não havia no fundo em todo o mundo outra mulher
  • 23. I O portugal futuro é um país aonde o puro pássaro é possível e sobre o leito negro do asfalto da estrada as profundas crianças desenharão a giz esse peixe da infância que vem na enxurrada e me parece que se chama sável
  • 24. II Mas desenhem elas o que desenharem é essa a forma do meu país e chamem elas o que lhe chamarem portugal será e lá serei feliz Poderá ser pequeno como este ter a oeste o mar e a espanha a leste
  • 25. III tudo nele será novo desde os ramos à raiz À sombra dos plátanos as crianças dançarão e na avenida que houver à beira-mar pode o tempo mudar será verão
  • 26. IV Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz mas isso era o passado e podia ser duro edificar sobre ele o portugal futuro
  • 27. Os pássaros nascem na ponta das árvores* As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores Os pássaros começam onde as árvores acabam Os pássaros fazem cantar as árvores Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal Como pássaros poisam as folhas na terra quando o outono desce veladamente sobre os campos
  • 28. Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores mas deixo essa forma de dizer ao romancista é complicada e não se dá bem na poesia não foi ainda isolada da filosofia Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros Quem é que lá os pendura nos ramos? De quem é a mão a inúmera mão? Eu passo e muda-se-me o coração • Texto recomendado pelas Metas Curriculares do 9 º ano.
  • 29. Os estivadores Só eles suam mas só eles sabem o preço de estar vivo sobre a terra Só nessas mãos enormes é que cabem as coisas mais reais que a vida encerra Outros rirão e outros sonharão podem outros roubar-lhes a alegria mas a um deles é que chamo irmão na vida que em seus gestos principia Onde outrora houve o deus e houve a ninfa eles são a moderna divindade e o que dantes era pura linfa é o que sobra agora da cidade
  • 30. Vede como alheios a tudo o resto compram com o suor a claridade e rasgam com a decisão do gesto o muro oposto da gravidade Ode marítima é o que chamo à ode escrita ali sobre a pedra do cais A natureza é certo que muito pode mas um homem de pé pode bem mais • Texto recomendado pelas Metas Curriculares do 9 º ano.