SlideShare uma empresa Scribd logo
“Mensagem”
Fernando Pessoa
Realizado por:
• Juliana Carvalho nº17
• 12ºJ
“O DOS CASTELOS”
A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.
O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.
Fita, com olhar esfíngico e fatal
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal.
“O DOS CASTELOS”
A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.
O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.
Fita, com olhar esfíngico e fatal
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal.
Quadra
Quintilha
Dístico
Monóstico
“O DOS CASTELOS”
A Eu/ro/pa/ jaz,/ pos/ta/ nos/ co/to/ve/los: A
De Oriente a Ocidente jaz, fitando, B
E toldam-lhe românticos cabelos A
Olhos gregos, lembrando. B
O cotovelo esquerdo é recuado; C
O direito é em ângulo disposto. D
Aquele diz Itália onde é pousado; C
Este diz Inglaterra onde, afastado, C
A mão sustenta, em que se apoia o rosto. D
Fita, com olhar esfíngico e fatal E
O Ocidente, futuro do passado. C
O rosto com que fita é Portugal. E
• Estrutura externa:
o Esquema rimático:
A,B,A,B/ C,D,C,C,D/
E,C/E
o Rima cruzada
o Métrica regular (9
sílabas métricas)
“O DOS CASTELOS”
Análise
• Quadra: Personificação da Europa como se fosse um
corpo, o que permite uma aproximação da realidade
geográfica física de Portugal com o mito que deu
origem à designação Europa e concede o realce de
algumas partes desse corpo.
A descrição inicia-se do geral para o particular. É
referido, logo no verso um, o tema que levará à descrição
da («Europa», v.1) e apresenta dois traços que a definem
(«jaz, posta nos cotovelos», v. 1 e «fitando», v. 2).
“O DOS CASTELOS”
• Quintilha: Caracterização dos dois «cotovelos»: o
direito, representa a Inglaterra («O direito é em ângulo
disposto/Este diz Inglaterra») e o esquerdo, a Itália («O
cotovelo esquerdo é recuado/Aquele diz Itália onde é
pousado»), sendo estes os locais onde se encontram as
raízes culturais que constituem a identidade europeia.
Esta caracterização, permite também fazer a
localização geográfica do território de Portugal,
recorrendo à metáfora do corpo da Europa.
“O DOS CASTELOS”
• Dístico e monóstico: É evidente um olhar
«misterioso», ou seja, com incerteza, pois ainda não
sabe o futuro. O sujeito poético aponta para esse
futuro que é para onde a Europa deve agora dirigir o
olhar (Portugal).
A importância de Portugal, rosto da Europa, e
portanto, a face visível de tudo o que ela representa, é
posta em relevo pelo monóstico final do poema, sendo
Portugal visto também como o «rosto» da Europa.
“D. SEBASTIÃO”
Esperai! Caí no areal e na hora adversa
Que Deus concede aos seus
Para o intervalo em que esteja a alma imersa
Em sonhos que são Deus.
Que importa o areal e a morte e a desventura
Se com Deus me guardei?
É O que eu me sonhei que eterno dura,
É Esse que regressarei.
“D. SEBASTIÃO”
Es/pe/rai!/ Caí/ no a/re/al e/ na/ ho/ra ad/ver/sa A
Que Deus concede aos seus B
Para o intervalo em que esteja a alma imersa A
Em sonhos que são Deus. B
Que importa o areal e a morte e a desventura C
Se com Deus me guardei? D
É O que eu me sonhei que eterno dura, C
É Esse que regressarei. D
• Estrutura externa:
o Duas quadras
o Esquema rimático: A,
B, A, B/C, D, C, D
o Rima cruzada
o Métrica irregular
“D. SEBASTIÃO”
Análise
• 1ª Quadra: Com um discurso na primeira pessoa, D. Sebastião,
confronta-se com a sua dimensão histórica e mítica, dado que é
a figura histórica conhecida pelo combate contra os mouros em
Alcácer-Quibir, onde perde a vida ou «desaparece», («Caí no
areal e na hora adversa/Que Deus concede aos seus», vv.1 e 2).
O sujeito poético apresenta a morte como sendo
transitória, expresso através da palavra («o intervalo», v. 3), que
está «imersa/Em sonhos que são Deus». Portanto, não é um
estado que seja permanente mas é de transição, ou seja, uma
passagem da vida, tal como a conhecemos, para uma vida
futura.
“D. SEBASTIÃO”
• 2ª Quadra: Nesta estrofe está presente a indiferença perante
a imortalidade da alma do herói mítico, bem como a sua
morte não apresentar um significado, (« Que importa o areal
e a morte e a desventura», v. 5), uma vez que a morte de D.
Sebastião não é importante, visto que a sua alma e a sua
essência permanecem com Deus, («Se com Deus me guardei?»,
v.6), por isso, a alma e o mito de D. Sebastião reencarnarão em
outro corpo, («É esse que regressarei», v. 8).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
VniaRodrigues30
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Carla Ribeiro
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 

Semelhante a Mensagem - Fernando Pessoa

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
luisprista
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
1950casal
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
luisprista
 
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
complementoindirecto
 
Europa ulisses
Europa ulissesEuropa ulisses
Europa ulisses
Tiago Vieira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
Elisabete Freitas
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
Inês Barão
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
luisprista
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Daiane Leite
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
FilipaFonseca
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
luisprista
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Antónia Mancha
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
MartaROQUES1
 
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Paula Meyer Piagentini
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
luisprista
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
Mariana Klafke
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
luisprista
 

Semelhante a Mensagem - Fernando Pessoa (20)

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
 
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
 
Europa ulisses
Europa ulissesEuropa ulisses
Europa ulisses
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Mensagem - Fernando Pessoa

  • 1. “Mensagem” Fernando Pessoa Realizado por: • Juliana Carvalho nº17 • 12ºJ
  • 2. “O DOS CASTELOS” A Europa jaz, posta nos cotovelos: De Oriente a Ocidente jaz, fitando, E toldam-lhe românticos cabelos Olhos gregos, lembrando. O cotovelo esquerdo é recuado; O direito é em ângulo disposto. Aquele diz Itália onde é pousado; Este diz Inglaterra onde, afastado, A mão sustenta, em que se apoia o rosto. Fita, com olhar esfíngico e fatal O Ocidente, futuro do passado. O rosto com que fita é Portugal.
  • 3. “O DOS CASTELOS” A Europa jaz, posta nos cotovelos: De Oriente a Ocidente jaz, fitando, E toldam-lhe românticos cabelos Olhos gregos, lembrando. O cotovelo esquerdo é recuado; O direito é em ângulo disposto. Aquele diz Itália onde é pousado; Este diz Inglaterra onde, afastado, A mão sustenta, em que se apoia o rosto. Fita, com olhar esfíngico e fatal O Ocidente, futuro do passado. O rosto com que fita é Portugal. Quadra Quintilha Dístico Monóstico
  • 4. “O DOS CASTELOS” A Eu/ro/pa/ jaz,/ pos/ta/ nos/ co/to/ve/los: A De Oriente a Ocidente jaz, fitando, B E toldam-lhe românticos cabelos A Olhos gregos, lembrando. B O cotovelo esquerdo é recuado; C O direito é em ângulo disposto. D Aquele diz Itália onde é pousado; C Este diz Inglaterra onde, afastado, C A mão sustenta, em que se apoia o rosto. D Fita, com olhar esfíngico e fatal E O Ocidente, futuro do passado. C O rosto com que fita é Portugal. E • Estrutura externa: o Esquema rimático: A,B,A,B/ C,D,C,C,D/ E,C/E o Rima cruzada o Métrica regular (9 sílabas métricas)
  • 5. “O DOS CASTELOS” Análise • Quadra: Personificação da Europa como se fosse um corpo, o que permite uma aproximação da realidade geográfica física de Portugal com o mito que deu origem à designação Europa e concede o realce de algumas partes desse corpo. A descrição inicia-se do geral para o particular. É referido, logo no verso um, o tema que levará à descrição da («Europa», v.1) e apresenta dois traços que a definem («jaz, posta nos cotovelos», v. 1 e «fitando», v. 2).
  • 6. “O DOS CASTELOS” • Quintilha: Caracterização dos dois «cotovelos»: o direito, representa a Inglaterra («O direito é em ângulo disposto/Este diz Inglaterra») e o esquerdo, a Itália («O cotovelo esquerdo é recuado/Aquele diz Itália onde é pousado»), sendo estes os locais onde se encontram as raízes culturais que constituem a identidade europeia. Esta caracterização, permite também fazer a localização geográfica do território de Portugal, recorrendo à metáfora do corpo da Europa.
  • 7. “O DOS CASTELOS” • Dístico e monóstico: É evidente um olhar «misterioso», ou seja, com incerteza, pois ainda não sabe o futuro. O sujeito poético aponta para esse futuro que é para onde a Europa deve agora dirigir o olhar (Portugal). A importância de Portugal, rosto da Europa, e portanto, a face visível de tudo o que ela representa, é posta em relevo pelo monóstico final do poema, sendo Portugal visto também como o «rosto» da Europa.
  • 8. “D. SEBASTIÃO” Esperai! Caí no areal e na hora adversa Que Deus concede aos seus Para o intervalo em que esteja a alma imersa Em sonhos que são Deus. Que importa o areal e a morte e a desventura Se com Deus me guardei? É O que eu me sonhei que eterno dura, É Esse que regressarei.
  • 9. “D. SEBASTIÃO” Es/pe/rai!/ Caí/ no a/re/al e/ na/ ho/ra ad/ver/sa A Que Deus concede aos seus B Para o intervalo em que esteja a alma imersa A Em sonhos que são Deus. B Que importa o areal e a morte e a desventura C Se com Deus me guardei? D É O que eu me sonhei que eterno dura, C É Esse que regressarei. D • Estrutura externa: o Duas quadras o Esquema rimático: A, B, A, B/C, D, C, D o Rima cruzada o Métrica irregular
  • 10. “D. SEBASTIÃO” Análise • 1ª Quadra: Com um discurso na primeira pessoa, D. Sebastião, confronta-se com a sua dimensão histórica e mítica, dado que é a figura histórica conhecida pelo combate contra os mouros em Alcácer-Quibir, onde perde a vida ou «desaparece», («Caí no areal e na hora adversa/Que Deus concede aos seus», vv.1 e 2). O sujeito poético apresenta a morte como sendo transitória, expresso através da palavra («o intervalo», v. 3), que está «imersa/Em sonhos que são Deus». Portanto, não é um estado que seja permanente mas é de transição, ou seja, uma passagem da vida, tal como a conhecemos, para uma vida futura.
  • 11. “D. SEBASTIÃO” • 2ª Quadra: Nesta estrofe está presente a indiferença perante a imortalidade da alma do herói mítico, bem como a sua morte não apresentar um significado, (« Que importa o areal e a morte e a desventura», v. 5), uma vez que a morte de D. Sebastião não é importante, visto que a sua alma e a sua essência permanecem com Deus, («Se com Deus me guardei?», v.6), por isso, a alma e o mito de D. Sebastião reencarnarão em outro corpo, («É esse que regressarei», v. 8).