SlideShare uma empresa Scribd logo
“Mensagem”
Fernando Pessoa
Realizado por:
• Juliana Carvalho nº17
• 12ºJ
“O DOS CASTELOS”
A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.
O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.
Fita, com olhar esfíngico e fatal
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal.
“O DOS CASTELOS”
A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.
O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.
Fita, com olhar esfíngico e fatal
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal.
Quadra
Quintilha
Dístico
Monóstico
“O DOS CASTELOS”
A Eu/ro/pa/ jaz,/ pos/ta/ nos/ co/to/ve/los: A
De Oriente a Ocidente jaz, fitando, B
E toldam-lhe românticos cabelos A
Olhos gregos, lembrando. B
O cotovelo esquerdo é recuado; C
O direito é em ângulo disposto. D
Aquele diz Itália onde é pousado; C
Este diz Inglaterra onde, afastado, C
A mão sustenta, em que se apoia o rosto. D
Fita, com olhar esfíngico e fatal E
O Ocidente, futuro do passado. C
O rosto com que fita é Portugal. E
• Estrutura externa:
o Esquema rimático:
A,B,A,B/ C,D,C,C,D/
E,C/E
o Rima cruzada
o Métrica regular (9
sílabas métricas)
“O DOS CASTELOS”
Análise
• Quadra: Personificação da Europa como se fosse um
corpo, o que permite uma aproximação da realidade
geográfica física de Portugal com o mito que deu
origem à designação Europa e concede o realce de
algumas partes desse corpo.
A descrição inicia-se do geral para o particular. É
referido, logo no verso um, o tema que levará à descrição
da («Europa», v.1) e apresenta dois traços que a definem
(«jaz, posta nos cotovelos», v. 1 e «fitando», v. 2).
“O DOS CASTELOS”
• Quintilha: Caracterização dos dois «cotovelos»: o
direito, representa a Inglaterra («O direito é em ângulo
disposto/Este diz Inglaterra») e o esquerdo, a Itália («O
cotovelo esquerdo é recuado/Aquele diz Itália onde é
pousado»), sendo estes os locais onde se encontram as
raízes culturais que constituem a identidade europeia.
Esta caracterização, permite também fazer a
localização geográfica do território de Portugal,
recorrendo à metáfora do corpo da Europa.
“O DOS CASTELOS”
• Dístico e monóstico: É evidente um olhar
«misterioso», ou seja, com incerteza, pois ainda não
sabe o futuro. O sujeito poético aponta para esse
futuro que é para onde a Europa deve agora dirigir o
olhar (Portugal).
A importância de Portugal, rosto da Europa, e
portanto, a face visível de tudo o que ela representa, é
posta em relevo pelo monóstico final do poema, sendo
Portugal visto também como o «rosto» da Europa.
“D. SEBASTIÃO”
Esperai! Caí no areal e na hora adversa
Que Deus concede aos seus
Para o intervalo em que esteja a alma imersa
Em sonhos que são Deus.
Que importa o areal e a morte e a desventura
Se com Deus me guardei?
É O que eu me sonhei que eterno dura,
É Esse que regressarei.
“D. SEBASTIÃO”
Es/pe/rai!/ Caí/ no a/re/al e/ na/ ho/ra ad/ver/sa A
Que Deus concede aos seus B
Para o intervalo em que esteja a alma imersa A
Em sonhos que são Deus. B
Que importa o areal e a morte e a desventura C
Se com Deus me guardei? D
É O que eu me sonhei que eterno dura, C
É Esse que regressarei. D
• Estrutura externa:
o Duas quadras
o Esquema rimático: A,
B, A, B/C, D, C, D
o Rima cruzada
o Métrica irregular
“D. SEBASTIÃO”
Análise
• 1ª Quadra: Com um discurso na primeira pessoa, D. Sebastião,
confronta-se com a sua dimensão histórica e mítica, dado que é
a figura histórica conhecida pelo combate contra os mouros em
Alcácer-Quibir, onde perde a vida ou «desaparece», («Caí no
areal e na hora adversa/Que Deus concede aos seus», vv.1 e 2).
O sujeito poético apresenta a morte como sendo
transitória, expresso através da palavra («o intervalo», v. 3), que
está «imersa/Em sonhos que são Deus». Portanto, não é um
estado que seja permanente mas é de transição, ou seja, uma
passagem da vida, tal como a conhecemos, para uma vida
futura.
“D. SEBASTIÃO”
• 2ª Quadra: Nesta estrofe está presente a indiferença perante
a imortalidade da alma do herói mítico, bem como a sua
morte não apresentar um significado, (« Que importa o areal
e a morte e a desventura», v. 5), uma vez que a morte de D.
Sebastião não é importante, visto que a sua alma e a sua
essência permanecem com Deus, («Se com Deus me guardei?»,
v.6), por isso, a alma e o mito de D. Sebastião reencarnarão em
outro corpo, («É esse que regressarei», v. 8).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 

Mais procurados (20)

Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Mensagem,  D. Filipa de Lencastre Mensagem,  D. Filipa de Lencastre
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 

Semelhante a Mensagem - Fernando Pessoa

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
luisprista
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
1950casal
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
luisprista
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
Mariana Klafke
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
luisprista
 

Semelhante a Mensagem - Fernando Pessoa (20)

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 33-34
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
 
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
 
Europa ulisses
Europa ulissesEuropa ulisses
Europa ulisses
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 116-117
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 

Mensagem - Fernando Pessoa

  • 1. “Mensagem” Fernando Pessoa Realizado por: • Juliana Carvalho nº17 • 12ºJ
  • 2. “O DOS CASTELOS” A Europa jaz, posta nos cotovelos: De Oriente a Ocidente jaz, fitando, E toldam-lhe românticos cabelos Olhos gregos, lembrando. O cotovelo esquerdo é recuado; O direito é em ângulo disposto. Aquele diz Itália onde é pousado; Este diz Inglaterra onde, afastado, A mão sustenta, em que se apoia o rosto. Fita, com olhar esfíngico e fatal O Ocidente, futuro do passado. O rosto com que fita é Portugal.
  • 3. “O DOS CASTELOS” A Europa jaz, posta nos cotovelos: De Oriente a Ocidente jaz, fitando, E toldam-lhe românticos cabelos Olhos gregos, lembrando. O cotovelo esquerdo é recuado; O direito é em ângulo disposto. Aquele diz Itália onde é pousado; Este diz Inglaterra onde, afastado, A mão sustenta, em que se apoia o rosto. Fita, com olhar esfíngico e fatal O Ocidente, futuro do passado. O rosto com que fita é Portugal. Quadra Quintilha Dístico Monóstico
  • 4. “O DOS CASTELOS” A Eu/ro/pa/ jaz,/ pos/ta/ nos/ co/to/ve/los: A De Oriente a Ocidente jaz, fitando, B E toldam-lhe românticos cabelos A Olhos gregos, lembrando. B O cotovelo esquerdo é recuado; C O direito é em ângulo disposto. D Aquele diz Itália onde é pousado; C Este diz Inglaterra onde, afastado, C A mão sustenta, em que se apoia o rosto. D Fita, com olhar esfíngico e fatal E O Ocidente, futuro do passado. C O rosto com que fita é Portugal. E • Estrutura externa: o Esquema rimático: A,B,A,B/ C,D,C,C,D/ E,C/E o Rima cruzada o Métrica regular (9 sílabas métricas)
  • 5. “O DOS CASTELOS” Análise • Quadra: Personificação da Europa como se fosse um corpo, o que permite uma aproximação da realidade geográfica física de Portugal com o mito que deu origem à designação Europa e concede o realce de algumas partes desse corpo. A descrição inicia-se do geral para o particular. É referido, logo no verso um, o tema que levará à descrição da («Europa», v.1) e apresenta dois traços que a definem («jaz, posta nos cotovelos», v. 1 e «fitando», v. 2).
  • 6. “O DOS CASTELOS” • Quintilha: Caracterização dos dois «cotovelos»: o direito, representa a Inglaterra («O direito é em ângulo disposto/Este diz Inglaterra») e o esquerdo, a Itália («O cotovelo esquerdo é recuado/Aquele diz Itália onde é pousado»), sendo estes os locais onde se encontram as raízes culturais que constituem a identidade europeia. Esta caracterização, permite também fazer a localização geográfica do território de Portugal, recorrendo à metáfora do corpo da Europa.
  • 7. “O DOS CASTELOS” • Dístico e monóstico: É evidente um olhar «misterioso», ou seja, com incerteza, pois ainda não sabe o futuro. O sujeito poético aponta para esse futuro que é para onde a Europa deve agora dirigir o olhar (Portugal). A importância de Portugal, rosto da Europa, e portanto, a face visível de tudo o que ela representa, é posta em relevo pelo monóstico final do poema, sendo Portugal visto também como o «rosto» da Europa.
  • 8. “D. SEBASTIÃO” Esperai! Caí no areal e na hora adversa Que Deus concede aos seus Para o intervalo em que esteja a alma imersa Em sonhos que são Deus. Que importa o areal e a morte e a desventura Se com Deus me guardei? É O que eu me sonhei que eterno dura, É Esse que regressarei.
  • 9. “D. SEBASTIÃO” Es/pe/rai!/ Caí/ no a/re/al e/ na/ ho/ra ad/ver/sa A Que Deus concede aos seus B Para o intervalo em que esteja a alma imersa A Em sonhos que são Deus. B Que importa o areal e a morte e a desventura C Se com Deus me guardei? D É O que eu me sonhei que eterno dura, C É Esse que regressarei. D • Estrutura externa: o Duas quadras o Esquema rimático: A, B, A, B/C, D, C, D o Rima cruzada o Métrica irregular
  • 10. “D. SEBASTIÃO” Análise • 1ª Quadra: Com um discurso na primeira pessoa, D. Sebastião, confronta-se com a sua dimensão histórica e mítica, dado que é a figura histórica conhecida pelo combate contra os mouros em Alcácer-Quibir, onde perde a vida ou «desaparece», («Caí no areal e na hora adversa/Que Deus concede aos seus», vv.1 e 2). O sujeito poético apresenta a morte como sendo transitória, expresso através da palavra («o intervalo», v. 3), que está «imersa/Em sonhos que são Deus». Portanto, não é um estado que seja permanente mas é de transição, ou seja, uma passagem da vida, tal como a conhecemos, para uma vida futura.
  • 11. “D. SEBASTIÃO” • 2ª Quadra: Nesta estrofe está presente a indiferença perante a imortalidade da alma do herói mítico, bem como a sua morte não apresentar um significado, (« Que importa o areal e a morte e a desventura», v. 5), uma vez que a morte de D. Sebastião não é importante, visto que a sua alma e a sua essência permanecem com Deus, («Se com Deus me guardei?», v.6), por isso, a alma e o mito de D. Sebastião reencarnarão em outro corpo, («É esse que regressarei», v. 8).