SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
Diferentes Categorias de Mundos Habitados
1804-1869
1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal
2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo:
Matéria e EspíritoMatéria e Espírito
3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra
4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza:
Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal
5. Diferentes Categorias de Mundos
Habitados
6. Materialização nos Diferentes Mundos
77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
Mark TwainMark Twain
(1835-1910)(1835-1910)
O que oO que o
senhor pensasenhor pensa
sobre o céu esobre o céu e
o inferno?o inferno?
Eu tenhoEu tenho
amigos nosamigos nos
dois lugares,dois lugares,
E, portantoE, portanto
Justiça Divina
Legal! Bom , no momento, eu quero muitoLegal! Bom , no momento, eu quero muito
amor de Deus, todo o perdão d’Ele, salvaçãoamor de Deus, todo o perdão d’Ele, salvação
eterna para mim, um fortificante para minhaeterna para mim, um fortificante para minha
fé, um ingresso para os Mundos Superioresfé, um ingresso para os Mundos Superiores
e todo o estoque de felicidade do céu!e todo o estoque de felicidade do céu!
Tudo bem! Aqui está!Tudo bem! Aqui está!
Mas o que é isto, Erasto?Mas o que é isto, Erasto?
Como pode caber tudo o que pediComo pode caber tudo o que pedi
apenas neste pequeno embrulho?apenas neste pequeno embrulho?
Dequinho, Deus não dá FRUTOS.Dequinho, Deus não dá FRUTOS.
Ele dá apenas SEMENTES!Ele dá apenas SEMENTES!
Subsídios
Ensina o Espiritismo que todos os mundos que
existem no Universo são habitados [...] e o
homem terreno está bem longe de ser, como
acredita, o primeiro em inteligência, bondade e
perfeição (11).
Sobre este assunto, assim se pronuncia Kardec:
Deus povoou os mundos de seres vivos, e todos
concorrem para o objetivo final da Providência.
Acreditar que os seres vivos estejam limitados
apenas ao ponto que habitamos no Universo, seria
pôr em dúvida a sabedoria de Deus que nada fez
de inútil e deve ter destinado esses mundos a um
fim mais sério do que o de alegrar os nossos olhos.
Nada, aliás, nem na há, nem posição, no volume
ou na constituição física da Terra, que possa induzir à
suposição de que ela (a Terra) goze do privilégio de
ser habitada, com exclusão de tantos milhares de
mundos semelhantes (11).
Ensinamento semelhante se encontra no
Evangelho, quando o Cristo afirma:
Na casa de meu Pai há muitas moradas (1).
A propósito dessa expressão evangélica, Kardec
faz o seguinte comentário:
A Casa do Pai é o Universo.
As diferentes moradas são os mundos que
circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos
que neles materializam-se, moradas correspondentes
ao adiantamento dos mesmos Espíritos (2).
Do ensinamento dado pelos Espíritos, resulta
que os diversos mundos possuem condições muito
diferentes uns dos outros, quanto ao grau de
adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes.
[...] Nos mundos inferiores a existência é toda
material, as paixões reinam soberanas, a vida moral
quase não existe.
À medida que esta se desenvolve, a influência
da matéria diminui, de maneira que, nos mundos mais
avançados, a vida é por assim dizer toda espiritual (3).
Nos mundos intermediários, o bem e o mal se
misturam, e um predomina sobre o outro, segundo o
grau de adiantamento em que se encontrarem.
Embora não possamos fazer uma classificação
absoluta dos diversos mundos, podemos, pelo menos,
considerando o seu estado e o seu destino, com base
nos seus aspectos mais destacados, dividi-los assim:
Mundos primitivos, onde se verificam as primeiras
materializações da alma humana;
Mundos de expiação e de Provas, em que o mal
predomina;
Mundos regeneradores, onde as almas que ainda
têm o que expiar adquirem novas forças, repousando
das fadigas da luta;
Mundos Felizes, onde o bem supera o mal;
Mundos Celestes ou divinos, morada dos Espíritos
purificados, onde o bem reina sem mistura (4).
A Classificação de mundos inferiores e
mundos superiores é antes relativa do que
absoluta, pois um mundo é inferior ou superior
em relação aos que se acham abaixo ou acima
dele, na escala progressiva.
Tomando a Terra como ponto de
comparação, pode fazer-se uma ideia do estado
de um mundo inferior, supondo os seus
habitantes no grau evolutivo dos povos selvagens
e das nações bárbaras que ainda se encontram
em nosso planeta, como restos do seu estado
primitivo.
Nos mundos mais atrasados, os homens
são de certo modo rudimentares.
Possuem a forma humana, mas sem
nenhuma beleza;
Seus instintos são temperados por nenhum
sentimento de delicadeza ou benevolência, nem
pelas noções do justo e do injusto;
A força bruta é sua única lei.
Sem indústrias, sem invenções, dedicam
sua vida à conquista de alimentos.
Não obstante, Deus não abandona
nenhuma de suas criaturas.
No fundo tenebroso dessas inteligências
encontra-se, latente, a vaga intuição de um Ser
Supremo (5).
Georg B. ShawGeorg B. Shaw
(1856-1950)(1856-1950)
Não será estáNão será está
nossa terra onossa terra o
inferno, einferno, e
não estaremosnão estaremos
todos aquitodos aqui
expiando osexpiando os
crimes quecrimes que
cometemos numacometemos numa
São mundos onde domina o mal, destinados aos
espíritos que necessitam expiar as faltas cometidas
em suas materializações anteriores.
A Terra nos oferece, pois, um dos tipos de
mundos expiatórios, em que as variedades são
infinitas, mas têm por caráter comum servirem de lugar
de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus.
Nesses mundos, os Espíritos exilados têm de
lutar, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos
homens e a inclemência da natureza, trabalho
duplamente penoso, que desenvolve a uma só vez as
qualidades do coração e as da inteligência.
É assim que Deus, na sua bondade, torna o
próprio castigo proveitoso para o progresso do Espírito
(8).
Os mundos regeneradores servem de transição
entre os mundos de expiação e os felizes.
A alma que se arrepende, neles encontra a paz
e o descanso, acabando por se purificar.
Sem dúvida, mesmo nesses mundos, o homem
ainda está sujeito às leis que regem a matéria.
A Humanidade experimenta as vossas
sensações e os vossos desejos, mas está isenta
das paixões desordenadas que vos escravizam.
Neles, não há mais o orgulho que emudece o
coração, a inveja que o tortura e o ódio que os
asfixia (que os sufoca).
A palavra amor está escrita em todas as
frontes;
Uma perfeita equidade (igualdade – direitos
iguais para todos) regula as relações sociais;
Todos manifestam (reconhecem) a Deus e
procuram elevar-se a Ele, seguindo as suas leis.
Nesses mundos, contudo, ainda não existe a
perfeita felicidade, mas a aurora da felicidade.
O homem ainda é carnal, e por isso mesmo
sujeito às vicissitudes (aos infortúnios, as
instabilidades) de que só estão isentos os seres
completamente desmaterializados (desprovidos dos
bens materiais – da materialidade).
Ainda tem provas a sofrer, mas estas não se
revestem das pungentes angústias da expiação (9).
Nos mundos que atingiram um grau superior
de evolução, as condições da vida moral e material
são muito diferentes das que encontramos na Terra.
A forma dos corpos é sempre, como por toda
parte, a humana, mas embelezada, aperfeiçoada, e
sobretudo purificada.
O corpo nada tem da materialidade terrena, e
não está, por isso mesmo sujeito às necessidades,
às doenças e às deteriorações decorrentes do
predomínio da matéria.
Os sentidos, mais sutis, têm percepções que
a grosseria dos nossos órgãos sufoca.
A leveza específica dos corpos torna a
locomoção rápida e fácil.
Em vez de se arrastarem penosamente sobre o
solo, eles deslizam, por assim dizer, pela superfície
ou pelo ar, pelo esforço apenas da vontade [...].
Em vez de rostos pálidos, arruinados pelos
sofrimentos e as paixões, a inteligência e a vida
esplendem (brilham), com esse brilho que os pintores
traduziram pela auréola dos santos.
A pouca resistência que a matéria oferece aos
Espíritos já bastante adiantados, facilita o
desenvolvimento dos corpos e abrevia ou quase
anula o período de infância.
A vida, isenta de cuidados e angústias, é
proporcionalmente muito mais longa que a da Terra.
Em princípio, a longevidade é proporcional ao
grau de adiantamento dos mundos.
A morte não tem nenhum dos horrores da
decomposição, e longe de ser motivo de pavor, é
considerada como uma transformação feliz, pois não
existem dúvidas quanto ao futuro (6).
Nos mundos felizes, a relação de povo para povo,
sempre amigáveis, jamais são perturbadas pelas
ambições de dominação e pelas guerras que lhes são
consequentes (que daí decorre) [...].
A autoridade é sempre respeitada, porque decorre
unicamente do mérito e se exerce sempre com justiça
[...].
Todos os sentimentos ternos e elevados da
natureza humana apresentam-se engrandecidos e
purificados; [...]
Um sentimento de amor e fraternidade une a todos
os homens [...] (7)
188 - Os Espíritos puros habitam mundos
especiais ou encontram-se no espaço universal,
sem estar ligados especialmente a um globo?
- Os Espíritos puro habitam determinados
mundos, mas não estão confinados a eles como
os homens à Terra;
Eles (os Espíritos) podem, melhor que os
outros, estar em toda parte (12).
O progresso é uma das leis da natureza.
Todos os seres da Criação, animados e
inanimados, estão submetidos a ela, pela bondade
de Deus, que deseja que tudo se engrandeça e
prospere [...].
Ao mesmo tempo em que os seres vivos
progridem moralmente, os mundos que eles
habitam progridem materialmente.
Quem pudesse seguir um mundo em suas
diversas fases, desde o instante em que se
aglomeraram os primeiros átomos da sua
constituição, o veria percorrer uma escala
incessantemente progressiva, mas em degraus
imperceptíveis para cada geração, e oferecer aos
seus habitantes uma morada mais agradável, à
medida que eles também avançam na senda do
progresso.
[...] porque nada fica estacionário na natureza.
De tanto ver
triunfar as nulidades, de
tanto ver prosperar a
desonra, de tanto ver
crescer a injustiça, de
tanto ver agigantarem-
se os poderes nas
mãos dos maus, o
homem chega a
desanimar-se da
virtude, a rir-se da
honra e a ter vergonha
de ser honesto.
Rui Barbosa
(1849 – 1923)
O mal ainda
predomina sobre o
planeta Terra porque o
bem está retraído.
Quando todos os
homens de bem
resolverem colocar em
prática as suas virtudes,
e quando isso for um
apanágio da maioria, o
mal se esconderá com
medo de ser visto.”Sérgio Biagi Gregório
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed.
Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. III –
Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai – Qst. 1 -
Pág. 52.
2.________,Item: Diferentes Estados da Alma na
Erraticidade - Qst. 2 – Págs. 52-53
3.________,Item: Diversas Categorias de
Mundos Habitados - Qst. 3 – Pág. 53.
4.________,Qst. 4 – Pág. 53
5.________,Instruções dos Espíritos – Item:
Mundos Superiores e Inferiores - Qst. 8 – Pág. 55.
6.________,Qst. 9 – Pág. 56.
7.________,Qst. 10 – Págs. 56-57.
8.________,Item: Mundos de Expiações e de
Provas – (Santo Agostinho) - Qst. 15 – Pág. 58.
9.________,Item: Mundos Regeneradores –
(Santo Agostinho) - Qst. 17 – Págs. 59-60.
10.________,Item: Progressão dos Mundos –
(Santo Agostinho) - Qst. 19 – Págs. 60-61.
11. ________, O livro dos Espíritos. Tradução
de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo:
LAKE, Janeiro 2009 - Livro Primeiro - Cap. III –
CRIAÇÃO - Item V – Pluralidade dos Mundos – Qst.
55 e Comentário- Pág. 70.
12.________,Livro Segundo - Cap. IV –
Pluralidade das Existências – Item III – Materialização
nos Diferentes Mundos - Qst. 188 – Pág. 109.
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
igmateus
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
alice martins
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
Henrique Vieira
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
Jorge Luiz dos Santos
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
Candice Gunther
 
Lei de destruição
Lei de destruiçãoLei de destruição
Lei de destruição
Izabel Cristina Fonseca
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Denise Aguiar
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
apresentação do Magnetismo espirita natal
apresentação do Magnetismo espirita  natalapresentação do Magnetismo espirita  natal
apresentação do Magnetismo espirita natal
Wagner Marques
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
Leonardo Pereira
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos091028 conclusão de o livro dos espíritos
091028 conclusão de o livro dos espíritos
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
 
Lei de destruição
Lei de destruiçãoLei de destruição
Lei de destruição
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
apresentação do Magnetismo espirita natal
apresentação do Magnetismo espirita  natalapresentação do Magnetismo espirita  natal
apresentação do Magnetismo espirita natal
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 

Semelhante a Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados

Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
Ana Karina Andrade
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
Gianete Rocha
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
Lena Lopez
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
hamletcrs
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
Alfweb Sistemas
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
petrus genuino
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Sergio Menezes
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Marcelo Bomfim de Aguiar
 
458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
KEURE SANTOS SILVA
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
Marta Gomes
 
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exerciciosPluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Oribes Teixeira
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 

Semelhante a Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados (20)

Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do PaiHá Muitas Moradas Na Casa Do Pai
Há Muitas Moradas Na Casa Do Pai
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
 
458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
 
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exerciciosPluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 

Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ Diferentes Categorias de Mundos Habitados
  • 3.
  • 4. 1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal 2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo: Matéria e EspíritoMatéria e Espírito 3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra 4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza: Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal 5. Diferentes Categorias de Mundos Habitados 6. Materialização nos Diferentes Mundos 77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
  • 5.
  • 6. Mark TwainMark Twain (1835-1910)(1835-1910) O que oO que o senhor pensasenhor pensa sobre o céu esobre o céu e o inferno?o inferno? Eu tenhoEu tenho amigos nosamigos nos dois lugares,dois lugares, E, portantoE, portanto
  • 7.
  • 9. Legal! Bom , no momento, eu quero muitoLegal! Bom , no momento, eu quero muito amor de Deus, todo o perdão d’Ele, salvaçãoamor de Deus, todo o perdão d’Ele, salvação eterna para mim, um fortificante para minhaeterna para mim, um fortificante para minha fé, um ingresso para os Mundos Superioresfé, um ingresso para os Mundos Superiores e todo o estoque de felicidade do céu!e todo o estoque de felicidade do céu!
  • 10. Tudo bem! Aqui está!Tudo bem! Aqui está!
  • 11. Mas o que é isto, Erasto?Mas o que é isto, Erasto? Como pode caber tudo o que pediComo pode caber tudo o que pedi apenas neste pequeno embrulho?apenas neste pequeno embrulho?
  • 12. Dequinho, Deus não dá FRUTOS.Dequinho, Deus não dá FRUTOS. Ele dá apenas SEMENTES!Ele dá apenas SEMENTES!
  • 14.
  • 15. Ensina o Espiritismo que todos os mundos que existem no Universo são habitados [...] e o homem terreno está bem longe de ser, como acredita, o primeiro em inteligência, bondade e perfeição (11). Sobre este assunto, assim se pronuncia Kardec: Deus povoou os mundos de seres vivos, e todos concorrem para o objetivo final da Providência. Acreditar que os seres vivos estejam limitados apenas ao ponto que habitamos no Universo, seria pôr em dúvida a sabedoria de Deus que nada fez de inútil e deve ter destinado esses mundos a um fim mais sério do que o de alegrar os nossos olhos.
  • 16. Nada, aliás, nem na há, nem posição, no volume ou na constituição física da Terra, que possa induzir à suposição de que ela (a Terra) goze do privilégio de ser habitada, com exclusão de tantos milhares de mundos semelhantes (11). Ensinamento semelhante se encontra no Evangelho, quando o Cristo afirma: Na casa de meu Pai há muitas moradas (1). A propósito dessa expressão evangélica, Kardec faz o seguinte comentário: A Casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos que neles materializam-se, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos (2).
  • 17. Do ensinamento dado pelos Espíritos, resulta que os diversos mundos possuem condições muito diferentes uns dos outros, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes. [...] Nos mundos inferiores a existência é toda material, as paixões reinam soberanas, a vida moral quase não existe. À medida que esta se desenvolve, a influência da matéria diminui, de maneira que, nos mundos mais avançados, a vida é por assim dizer toda espiritual (3). Nos mundos intermediários, o bem e o mal se misturam, e um predomina sobre o outro, segundo o grau de adiantamento em que se encontrarem.
  • 18. Embora não possamos fazer uma classificação absoluta dos diversos mundos, podemos, pelo menos, considerando o seu estado e o seu destino, com base nos seus aspectos mais destacados, dividi-los assim: Mundos primitivos, onde se verificam as primeiras materializações da alma humana; Mundos de expiação e de Provas, em que o mal predomina; Mundos regeneradores, onde as almas que ainda têm o que expiar adquirem novas forças, repousando das fadigas da luta; Mundos Felizes, onde o bem supera o mal; Mundos Celestes ou divinos, morada dos Espíritos purificados, onde o bem reina sem mistura (4).
  • 19.
  • 20. A Classificação de mundos inferiores e mundos superiores é antes relativa do que absoluta, pois um mundo é inferior ou superior em relação aos que se acham abaixo ou acima dele, na escala progressiva. Tomando a Terra como ponto de comparação, pode fazer-se uma ideia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes no grau evolutivo dos povos selvagens e das nações bárbaras que ainda se encontram em nosso planeta, como restos do seu estado primitivo. Nos mundos mais atrasados, os homens são de certo modo rudimentares.
  • 21. Possuem a forma humana, mas sem nenhuma beleza; Seus instintos são temperados por nenhum sentimento de delicadeza ou benevolência, nem pelas noções do justo e do injusto; A força bruta é sua única lei. Sem indústrias, sem invenções, dedicam sua vida à conquista de alimentos. Não obstante, Deus não abandona nenhuma de suas criaturas. No fundo tenebroso dessas inteligências encontra-se, latente, a vaga intuição de um Ser Supremo (5).
  • 22.
  • 23. Georg B. ShawGeorg B. Shaw (1856-1950)(1856-1950) Não será estáNão será está nossa terra onossa terra o inferno, einferno, e não estaremosnão estaremos todos aquitodos aqui expiando osexpiando os crimes quecrimes que cometemos numacometemos numa
  • 24. São mundos onde domina o mal, destinados aos espíritos que necessitam expiar as faltas cometidas em suas materializações anteriores. A Terra nos oferece, pois, um dos tipos de mundos expiatórios, em que as variedades são infinitas, mas têm por caráter comum servirem de lugar de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus. Nesses mundos, os Espíritos exilados têm de lutar, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens e a inclemência da natureza, trabalho duplamente penoso, que desenvolve a uma só vez as qualidades do coração e as da inteligência. É assim que Deus, na sua bondade, torna o próprio castigo proveitoso para o progresso do Espírito (8).
  • 25.
  • 26. Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os felizes. A alma que se arrepende, neles encontra a paz e o descanso, acabando por se purificar. Sem dúvida, mesmo nesses mundos, o homem ainda está sujeito às leis que regem a matéria. A Humanidade experimenta as vossas sensações e os vossos desejos, mas está isenta das paixões desordenadas que vos escravizam. Neles, não há mais o orgulho que emudece o coração, a inveja que o tortura e o ódio que os asfixia (que os sufoca). A palavra amor está escrita em todas as frontes;
  • 27. Uma perfeita equidade (igualdade – direitos iguais para todos) regula as relações sociais; Todos manifestam (reconhecem) a Deus e procuram elevar-se a Ele, seguindo as suas leis. Nesses mundos, contudo, ainda não existe a perfeita felicidade, mas a aurora da felicidade. O homem ainda é carnal, e por isso mesmo sujeito às vicissitudes (aos infortúnios, as instabilidades) de que só estão isentos os seres completamente desmaterializados (desprovidos dos bens materiais – da materialidade). Ainda tem provas a sofrer, mas estas não se revestem das pungentes angústias da expiação (9).
  • 28.
  • 29. Nos mundos que atingiram um grau superior de evolução, as condições da vida moral e material são muito diferentes das que encontramos na Terra. A forma dos corpos é sempre, como por toda parte, a humana, mas embelezada, aperfeiçoada, e sobretudo purificada. O corpo nada tem da materialidade terrena, e não está, por isso mesmo sujeito às necessidades, às doenças e às deteriorações decorrentes do predomínio da matéria. Os sentidos, mais sutis, têm percepções que a grosseria dos nossos órgãos sufoca. A leveza específica dos corpos torna a locomoção rápida e fácil.
  • 30. Em vez de se arrastarem penosamente sobre o solo, eles deslizam, por assim dizer, pela superfície ou pelo ar, pelo esforço apenas da vontade [...]. Em vez de rostos pálidos, arruinados pelos sofrimentos e as paixões, a inteligência e a vida esplendem (brilham), com esse brilho que os pintores traduziram pela auréola dos santos. A pouca resistência que a matéria oferece aos Espíritos já bastante adiantados, facilita o desenvolvimento dos corpos e abrevia ou quase anula o período de infância. A vida, isenta de cuidados e angústias, é proporcionalmente muito mais longa que a da Terra. Em princípio, a longevidade é proporcional ao grau de adiantamento dos mundos.
  • 31. A morte não tem nenhum dos horrores da decomposição, e longe de ser motivo de pavor, é considerada como uma transformação feliz, pois não existem dúvidas quanto ao futuro (6). Nos mundos felizes, a relação de povo para povo, sempre amigáveis, jamais são perturbadas pelas ambições de dominação e pelas guerras que lhes são consequentes (que daí decorre) [...]. A autoridade é sempre respeitada, porque decorre unicamente do mérito e se exerce sempre com justiça [...]. Todos os sentimentos ternos e elevados da natureza humana apresentam-se engrandecidos e purificados; [...] Um sentimento de amor e fraternidade une a todos os homens [...] (7)
  • 32.
  • 33. 188 - Os Espíritos puros habitam mundos especiais ou encontram-se no espaço universal, sem estar ligados especialmente a um globo? - Os Espíritos puro habitam determinados mundos, mas não estão confinados a eles como os homens à Terra; Eles (os Espíritos) podem, melhor que os outros, estar em toda parte (12). O progresso é uma das leis da natureza. Todos os seres da Criação, animados e inanimados, estão submetidos a ela, pela bondade de Deus, que deseja que tudo se engrandeça e prospere [...].
  • 34. Ao mesmo tempo em que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente. Quem pudesse seguir um mundo em suas diversas fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos da sua constituição, o veria percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas em degraus imperceptíveis para cada geração, e oferecer aos seus habitantes uma morada mais agradável, à medida que eles também avançam na senda do progresso. [...] porque nada fica estacionário na natureza.
  • 35.
  • 36. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem- se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto. Rui Barbosa (1849 – 1923)
  • 37.
  • 38. O mal ainda predomina sobre o planeta Terra porque o bem está retraído. Quando todos os homens de bem resolverem colocar em prática as suas virtudes, e quando isso for um apanágio da maioria, o mal se esconderá com medo de ser visto.”Sérgio Biagi Gregório
  • 39.
  • 41. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. III – Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai – Qst. 1 - Pág. 52. 2.________,Item: Diferentes Estados da Alma na Erraticidade - Qst. 2 – Págs. 52-53 3.________,Item: Diversas Categorias de Mundos Habitados - Qst. 3 – Pág. 53. 4.________,Qst. 4 – Pág. 53 5.________,Instruções dos Espíritos – Item: Mundos Superiores e Inferiores - Qst. 8 – Pág. 55. 6.________,Qst. 9 – Pág. 56. 7.________,Qst. 10 – Págs. 56-57.
  • 42. 8.________,Item: Mundos de Expiações e de Provas – (Santo Agostinho) - Qst. 15 – Pág. 58. 9.________,Item: Mundos Regeneradores – (Santo Agostinho) - Qst. 17 – Págs. 59-60. 10.________,Item: Progressão dos Mundos – (Santo Agostinho) - Qst. 19 – Págs. 60-61. 11. ________, O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Janeiro 2009 - Livro Primeiro - Cap. III – CRIAÇÃO - Item V – Pluralidade dos Mundos – Qst. 55 e Comentário- Pág. 70. 12.________,Livro Segundo - Cap. IV – Pluralidade das Existências – Item III – Materialização nos Diferentes Mundos - Qst. 188 – Pág. 109.

Notas do Editor

  1. Imagem captada no seguinte endereço eletrônico, em 24 de março de 2008: http://notitial.blogspot.com/2006/02/ndice-do-estudo-de-o-livro-dos.html
  2. Imagem captada no seguinte endereço eletrônico, em 24 de março de 2008: http://notitial.blogspot.com/2006/02/ndice-do-estudo-de-o-livro-dos.html
  3. Imagem captada no seguinte endereço eletrônico, em 24 de março de 2008: http://notitial.blogspot.com/2006/02/ndice-do-estudo-de-o-livro-dos.html
  4. Imagem captada no seguinte endereço eletrônico, em 24 de março de 2008: http://notitial.blogspot.com/2006/02/ndice-do-estudo-de-o-livro-dos.html