SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
LEI DIVINA OU NATURAL
1804-1869
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Subsídios
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteres
614 – O que se deve entender por lei
natural?
A lei natural é a lei de Deus.
É a única necessária à felicidade do homem.
Ela lhe Indica o que ele deve ou não fazer, e
ele só se torna infeliz porque dela se afasta (3).
615 – A lei de Deus é eterna?
- É eterna e imutável, como o próprio Deus
(4)*
A lei de Deus instrui o homem como proceder,
levando-o ao caminho da Plenitude Angelical, pois,
mostra a verdadeira justiça com o estabelecimento
da verdade.
*Por este princípio: “a lei natural é a lei de Deus,
eterna e imutável como Ele mesmo”, certos teólogos e
protestantes acusam o Espiritismo de doutrina panteísta
(Crença de que Deus e todo o universo são uma única e
mesma coisas e que Deus não existe como um espírito
separado – Dicionário Informal).
O mesmo fizeram com Espinosa, para quem Deus, a
substância única é a própria Natureza, mas não no seu
aspecto material, e sim nas suas leis.
Espinosa respondeu: “Afirmo-o com Paulo, e talvez
com todos os filósofos em Deus; ouso mesmo acrescentar
que esse foi o pensamento de todos os antigos hebreus”.
(Carta LXXIII, explicando a proposição XV da “Ética”.
“Tudo o que existe em Deus, e nada pode existir
nem ser concebido sem Deus”).
Embora exista funda divergência entre a
concepção espinosiana e a espírita de Deus, ambas
concordam ao negar o antropomorfismo católico e
protestante, ao reafirmar o princípio paulino acima citado
e ao estabelecer identidade de origem e natureza divina
para todas as lei do Universo.
Por outro lado, assim como Espinosa não
confundia a natureza material (natura naturata) com
Deus, mas apenas a natureza inteligente (natura
naturans), assim também o Espiritismo não faz
semelhante confusão, estabelecendo ainda que as lei de
Deus são uma coisa e Deus mesmo é outra.
Veja-se o capítulo primeiro do Livro Primeiro, sobre
Deus.
Não há possibilidade de confusão entre
Espiritismo e Panteísmo, a menos que se admita
como panteísta a doutrina da imanência (Qualidade
do que está em si mesmo, não transita a outrem,
Atributos da imanência de Deus: Onipresença,
onisciência e onipotência, e por intermédio de seus
atributos morais) de Deus, por força mesmo de sua
transcendência;
E, nesse caso, católicos e protestantes também
seriam panteístas.
As revoluções atuais no campo da Teologia,
particularmente o movimento da Teologia Radical,
mostram mais uma vez o acerto da concepção
espírita de Deus. (Nota do Tradutor: J. Herculano Pires).
“A eternidadeeimutabilidade, são
característicasfundamentaisdalei deDeus; por
serem atributosdo próprio Deus, queascriou”.
617 – O que as leis divinas abrangem?
Referem-se a algo mais do que à conduta moral?
- Todas as leis da Natureza são leis divinas,
pois Deus é o autor de todas as coisas.
O sábio estuda as leis da Matéria, o homem
de bem as da alma, e as segue (5).
617-a - É dado ao homem aprofundar umas e
outras?
- Sim, mas uma só existência não lhe é
suficiente para isso (6).
Comentário: Entre as leis divinas, umas
regulam o movimento e as relações da matéria
bruta: são as leis físicas; seus estudos pertence ao
domínio da Ciência.
As outras concernem especialmente aos
homem e às suas relações com Deus e com seus
semelhantes.
Compreendem as regras da vida do corpo e
da vida da alma: são as leis morais (6).
621 - Onde está escrita a lei de Deus?
- Na consciência* (8).
 *Descartes, na terceira de suas Meditações
Metafísicas declara que a ideia de Deus está impressa
no homem “como a marca do obreiro impressa em sua
obra”.
Essa ideia de Deus é inata no homem e o impele à
perfeição.
Embora as escolas modernas de psicologia
neguem a existência das ideias inatas, o Espiritismo
sustenta essa existência, através do princípio da
rematerialização.
Por outro lado, as ideias de Deus, da sobrevivência,
do bem e do mal existiram sempre entre todos os povos.
A lei de Deus está escrita na consciência do
homem como a assinatura do artista na sua obra. (Nota do
Tradutor: J. Herculano Pires).
Deus proporcionou a todos os homens os
meios de conhecerem a sua lei?
- Todos podem conhecê-la, mas nem todos a
compreendem;
Os que melhor a compreendem são os homens
de bem e os que desejam pesquisá-la.
Todos entretanto, um dia a compreenderão,
porque é necessário que o progresso se realize (7).
621-a - Desde que o homem traz na
consciência a lei de Deus, que necessidade tem
de que lha revelem??
- Ele a tinha esquecido e desprezado:
Deus quis que ela ( a lei) lhe fosse lembrada
(9).
A lei de Deus é constantemente revelada aos
homens, apesar de estar ela escrita na
consciência, porque é passível de ser esquecida e
desprezada pelo ser humano.
622 - Deus outorgou (concedeu) a alguns
homens a missão de revelar a sua lei?
- Sim, certamente; em todos os tempos houve
homens que receberam essa missão.
São Espíritos Superiores (são os chamados
Teguéias), materializados com o fim de fazer
progredir a Humanidade (10).
623 - Esses que pretenderam instruir os
homens na lei de Deus não se enganaram
algumas vezes e não os fizeram transviar-se
muitas vezes através de falsos princípios?
- Certamente, com os que não eram
inspirados por Deus e que atribuíram a si
mesmos, por ambição, uma missão, que não
tinham.
Todavia, como eram homens de gênio, em
meio aos seus próprios erros, acabavam
ensinando às vezes grandes verdades (11).
647 - Toda a lei e Deus está encerrada (traz
em si – está contida) na máxima do amor ao
próximo ensinada por Jesus?
- Certamente essa máxima encerra (contém)
todos os deveres dos homens entre si;
Mas é necessário mostrar-lhes a aplicação,
pois do contrário podem deixar de cumpri-la, como
já o fazem hoje.
Aliás, a lei natural compreende todas as
circunstâncias da vida e essa máxima se refere
apenas a um dos seus aspectos.
Os homens necessitam de regras precisas.
Os preceitos (obrigação relacionada com a
conduta) gerais e muito vagos deixam muitas
portas abertas à interpretação (12).
648 – Que pensais da divisão da lei natura
em dez partes, compreendendo as leis sobre a
adoração, o trabalho, a reprodução, a
conservação, a destruição, a sociedade, o
progresso, a igualdade, a liberdade e, por fim, a
da justiça, amor e caridade?
- Essa divisão em dez partes é a de Moisés
e pode abranger todas as circunstâncias da vida,
o que é essencial.
Podes segui-la, sem que ela tenha entretanto
nada de absoluto, como não o têm os demais
sistemas de classificação, que sempre dependem
do ponto de vista sob o qual se considera um
assunto.
A última lei é a mais importante;
É por ele que o homem pode avançar mais na
vida espiritual, porque ela resume todas as outras
(13).
A vivência da lei de Deus conduz o homem ao
bem.
E o [...] o verdadeiro homem de bem é aquele
que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua
Por extensão, reconhece-se [...] o
verdadeiro espírita pela sua transformação moral
e pelos esforços que emprega para domar suas
inclinações más (2).
Dessa forma, tanto [...] quanto podemos
perceber o Pensamento Divino, imanente (Que
está contido de maneira inseparável) em todos os
seres e em todas as coisas, o Criador se
manifesta a nós outros – criaturas conscientes,
mas imperfeitas – através de leis que Lhe
expressam os objetivos no rumo do Bem
Supremo (14).
Lembremo-nos, pois, de que no concerto
admirável da Criação, somente será possível
regenerar e burilar a nós mesmos para que a vida
imperecível em nós se retrate vitoriosa, mas não
nos esqueçamos de que, apesar da grandeza
cósmica, nosso desequilíbrio no mal pode
comprometer todo o sistema em que as Leis
Divinas se expressam, através do trono sublime
da natureza [...] (15).
Obs: As Leis de: Adoração, Trabalho,
Reprodução, Conservação, Destruição,
Sociedade, Progresso, Igualdade, Liberdade e a
de Justiça, Amor e Caridade, serão estudadas nos
módulos subsequentes.
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed.
Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. XVII –
SEDE PERFEITOS – Item: O Homem de Bem –
Questão 3 - Pág. 221.
2.________,Item: Os Bons Espíritas – Qst.4–Pág. 223.
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
3. ________, O livro dos Espíritos. Tradução
de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo:
LAKE, Janeiro 2009 - Livro Terceiro - AS LEIS
MORAIS – Cap. I – A Lei Divina ou Natural - Item I
Caracteres da Lei Natural – Questão 614 - Pág.
223.
4.________,Questão 615 – Pág. 223.
5.________,Questão 617 – Pág. 224.
6.________,Questão 617-a e Comentário –
Pág. 224.
7.________,Item II - Conhecimento da Lei
Natural – Questão 619 – Pág. 224.
8.________,Questão 621 – Pág. 225.
10._______,Questão 622 – Pág. 225.
11._______,Questão 623 – Pág. 225.
12._______,Item IV - Divisão da Lei Natural
– Questão 647 – Pág. 230.
13._______,Questão 648 – Pág. 230.
14. Xavier, Francisco Cândido. Justiça
Divina – Pelo Espírito Emmanuel – 11ª Ed. Rio de
Janeiro: FEB 2006 - (Nas Leis do Destino) Pág.
119.
15. Xavier, Francisco Cândido. Inspiração.
Pelo Espírito Emmanuel – 1ª Ed. São Bernardo do
Campo: Grupo Espírita Emmanuel – 1978 –
(Diante do Universo) – Págs. 72-73.
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteres

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
Marta Gomes
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
CeiClarencio
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progresso
igmateus
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
Izabel Cristina Fonseca
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Elysio Laroide Lugarinho
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
Jorge Luiz dos Santos
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoração
home
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Divulgador do Espiritismo
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
Anderson Dias
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
Lisete B.
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Denise Aguiar
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
grupodepaisceb
 
Espirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpoEspirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpo
Ailton Guimaraes
 
Allan kardec - A Missão
Allan kardec - A MissãoAllan kardec - A Missão
Allan kardec - A Missão
Antonino Silva
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 

Mais procurados (20)

3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progresso
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoração
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
 
Espirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpoEspirito perispírito-corpo
Espirito perispírito-corpo
 
Allan kardec - A Missão
Allan kardec - A MissãoAllan kardec - A Missão
Allan kardec - A Missão
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 

Destaque

Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
CeiClarencio
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
Harleyde Santos
 
Lei divina
Lei divinaLei divina
Lei divina
Candice Gunther
 
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
grupodepaisceb
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
Ceile Bernardo
 
Lei de Igualdade
Lei de IgualdadeLei de Igualdade
Lei de Igualdade
Angelo Baptista
 
Lição 10
Lição 10Lição 10
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
Leis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiroLeis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiro
Norberto Tomasini Jr
 
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas VidasPrograma de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
Departamento Comunicação Social SER
 
Deus na visão espírita
Deus na visão espíritaDeus na visão espírita
Deus na visão espírita
Carlos José Dalto
 
Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1
Sophia Alves de Souza
 
Lei Divina ou Natural
Lei Divina ou NaturalLei Divina ou Natural
Lei Divina ou Natural
Angelo Baptista
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
VisualBee.com
 
Fazer o bem e evitar o mal
Fazer o bem e evitar o malFazer o bem e evitar o mal
Fazer o bem e evitar o mal
Tomaz Soeiro
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
Francisco de Assis Alencar
 
методы исследования ландшафта
методы исследования ландшафтаметоды исследования ландшафта
методы исследования ландшафта
Zojkvasnikova
 
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o malFilosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Leticia Araújo
 
Slides Einstein O Bem E O Mal
Slides  Einstein   O Bem E O Mal Slides  Einstein   O Bem E O Mal
Slides Einstein O Bem E O Mal
silasicm
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
NILTON CARVALHO
 

Destaque (20)

Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
 
Lei divina
Lei divinaLei divina
Lei divina
 
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
 
Lei de Igualdade
Lei de IgualdadeLei de Igualdade
Lei de Igualdade
 
Lição 10
Lição 10Lição 10
Lição 10
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
Leis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiroLeis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiro
 
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas VidasPrograma de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
Programa de estudo - As Leis Morais em Nossas Vidas
 
Deus na visão espírita
Deus na visão espíritaDeus na visão espírita
Deus na visão espírita
 
Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1
 
Lei Divina ou Natural
Lei Divina ou NaturalLei Divina ou Natural
Lei Divina ou Natural
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Fazer o bem e evitar o mal
Fazer o bem e evitar o malFazer o bem e evitar o mal
Fazer o bem e evitar o mal
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
 
методы исследования ландшафта
методы исследования ландшафтаметоды исследования ландшафта
методы исследования ландшафта
 
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o malFilosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o mal
 
Slides Einstein O Bem E O Mal
Slides  Einstein   O Bem E O Mal Slides  Einstein   O Bem E O Mal
Slides Einstein O Bem E O Mal
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
 

Semelhante a Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres

Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docxCapitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Marta Gomes
 
Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural
carlos freire
 
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
Patricia Farias
 
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptxDiferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
ssuser5f8d30
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
Alfredo Lopes
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Deborah Oliver
 
O Evangelho Segundo o Espiritismo
O Evangelho Segundo o EspiritismoO Evangelho Segundo o Espiritismo
O Evangelho Segundo o Espiritismo
jptozzi
 
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Justiça divina e justiça dos homens 2014
Justiça divina e justiça dos homens   2014Justiça divina e justiça dos homens   2014
Justiça divina e justiça dos homens 2014
grupodepaisceb
 
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
Marta Gomes
 
Apresentação- René Descartes
Apresentação- René DescartesApresentação- René Descartes
Apresentação- René Descartes
Tiago Ferreira de Jesus
 
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
Lucas Leal
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aulaO Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
Luis Carlos Oliveira
 
( Espiritismo) # - altivo ferreira - a etica espirita
( Espiritismo)   # - altivo ferreira - a etica espirita( Espiritismo)   # - altivo ferreira - a etica espirita
( Espiritismo) # - altivo ferreira - a etica espirita
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
FilipeDuartedeBem
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
FilipeDuartedeBem
 
Um pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismoUm pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismo
Helio Cruz
 
Eae 84 - leis universais
Eae   84 - leis universaisEae   84 - leis universais
Eae 84 - leis universais
Norberto Scavone Augusto
 

Semelhante a Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres (20)

Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docxCapitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
 
Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural
 
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
LE Q.614 a 618 e ESE cap.5 item22
 
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptxDiferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
Diferenças entre a lei divina e a lei humana.pptx
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
 
O Evangelho Segundo o Espiritismo
O Evangelho Segundo o EspiritismoO Evangelho Segundo o Espiritismo
O Evangelho Segundo o Espiritismo
 
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
ESDE - Módulo XVI - Roteiro 1.
 
Justiça divina e justiça dos homens 2014
Justiça divina e justiça dos homens   2014Justiça divina e justiça dos homens   2014
Justiça divina e justiça dos homens 2014
 
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
3.1.1 - Caracteres da lei natural.pptx
 
Apresentação- René Descartes
Apresentação- René DescartesApresentação- René Descartes
Apresentação- René Descartes
 
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aulaO Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
O Padrão da Lei Moral | Os dez mandamentos | lição 2 | plano de aula
 
( Espiritismo) # - altivo ferreira - a etica espirita
( Espiritismo)   # - altivo ferreira - a etica espirita( Espiritismo)   # - altivo ferreira - a etica espirita
( Espiritismo) # - altivo ferreira - a etica espirita
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
 
Um pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismoUm pouco sobre o espiritismo
Um pouco sobre o espiritismo
 
Eae 84 - leis universais
Eae   84 - leis universaisEae   84 - leis universais
Eae 84 - leis universais
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 

Último

7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 

Último (20)

7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 

Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ LEI DIVINA OU NATURAL
  • 8. 614 – O que se deve entender por lei natural? A lei natural é a lei de Deus. É a única necessária à felicidade do homem. Ela lhe Indica o que ele deve ou não fazer, e ele só se torna infeliz porque dela se afasta (3). 615 – A lei de Deus é eterna? - É eterna e imutável, como o próprio Deus (4)* A lei de Deus instrui o homem como proceder, levando-o ao caminho da Plenitude Angelical, pois, mostra a verdadeira justiça com o estabelecimento da verdade.
  • 9. *Por este princípio: “a lei natural é a lei de Deus, eterna e imutável como Ele mesmo”, certos teólogos e protestantes acusam o Espiritismo de doutrina panteísta (Crença de que Deus e todo o universo são uma única e mesma coisas e que Deus não existe como um espírito separado – Dicionário Informal). O mesmo fizeram com Espinosa, para quem Deus, a substância única é a própria Natureza, mas não no seu aspecto material, e sim nas suas leis. Espinosa respondeu: “Afirmo-o com Paulo, e talvez com todos os filósofos em Deus; ouso mesmo acrescentar que esse foi o pensamento de todos os antigos hebreus”. (Carta LXXIII, explicando a proposição XV da “Ética”. “Tudo o que existe em Deus, e nada pode existir nem ser concebido sem Deus”).
  • 10. Embora exista funda divergência entre a concepção espinosiana e a espírita de Deus, ambas concordam ao negar o antropomorfismo católico e protestante, ao reafirmar o princípio paulino acima citado e ao estabelecer identidade de origem e natureza divina para todas as lei do Universo. Por outro lado, assim como Espinosa não confundia a natureza material (natura naturata) com Deus, mas apenas a natureza inteligente (natura naturans), assim também o Espiritismo não faz semelhante confusão, estabelecendo ainda que as lei de Deus são uma coisa e Deus mesmo é outra. Veja-se o capítulo primeiro do Livro Primeiro, sobre Deus.
  • 11. Não há possibilidade de confusão entre Espiritismo e Panteísmo, a menos que se admita como panteísta a doutrina da imanência (Qualidade do que está em si mesmo, não transita a outrem, Atributos da imanência de Deus: Onipresença, onisciência e onipotência, e por intermédio de seus atributos morais) de Deus, por força mesmo de sua transcendência; E, nesse caso, católicos e protestantes também seriam panteístas. As revoluções atuais no campo da Teologia, particularmente o movimento da Teologia Radical, mostram mais uma vez o acerto da concepção espírita de Deus. (Nota do Tradutor: J. Herculano Pires).
  • 12. “A eternidadeeimutabilidade, são característicasfundamentaisdalei deDeus; por serem atributosdo próprio Deus, queascriou”. 617 – O que as leis divinas abrangem? Referem-se a algo mais do que à conduta moral? - Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois Deus é o autor de todas as coisas. O sábio estuda as leis da Matéria, o homem de bem as da alma, e as segue (5). 617-a - É dado ao homem aprofundar umas e outras? - Sim, mas uma só existência não lhe é suficiente para isso (6).
  • 13. Comentário: Entre as leis divinas, umas regulam o movimento e as relações da matéria bruta: são as leis físicas; seus estudos pertence ao domínio da Ciência. As outras concernem especialmente aos homem e às suas relações com Deus e com seus semelhantes. Compreendem as regras da vida do corpo e da vida da alma: são as leis morais (6). 621 - Onde está escrita a lei de Deus? - Na consciência* (8).  *Descartes, na terceira de suas Meditações Metafísicas declara que a ideia de Deus está impressa no homem “como a marca do obreiro impressa em sua obra”.
  • 14. Essa ideia de Deus é inata no homem e o impele à perfeição. Embora as escolas modernas de psicologia neguem a existência das ideias inatas, o Espiritismo sustenta essa existência, através do princípio da rematerialização. Por outro lado, as ideias de Deus, da sobrevivência, do bem e do mal existiram sempre entre todos os povos. A lei de Deus está escrita na consciência do homem como a assinatura do artista na sua obra. (Nota do Tradutor: J. Herculano Pires). Deus proporcionou a todos os homens os meios de conhecerem a sua lei? - Todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem;
  • 15. Os que melhor a compreendem são os homens de bem e os que desejam pesquisá-la. Todos entretanto, um dia a compreenderão, porque é necessário que o progresso se realize (7). 621-a - Desde que o homem traz na consciência a lei de Deus, que necessidade tem de que lha revelem?? - Ele a tinha esquecido e desprezado: Deus quis que ela ( a lei) lhe fosse lembrada (9). A lei de Deus é constantemente revelada aos homens, apesar de estar ela escrita na consciência, porque é passível de ser esquecida e desprezada pelo ser humano.
  • 16. 622 - Deus outorgou (concedeu) a alguns homens a missão de revelar a sua lei? - Sim, certamente; em todos os tempos houve homens que receberam essa missão. São Espíritos Superiores (são os chamados Teguéias), materializados com o fim de fazer progredir a Humanidade (10). 623 - Esses que pretenderam instruir os homens na lei de Deus não se enganaram algumas vezes e não os fizeram transviar-se muitas vezes através de falsos princípios? - Certamente, com os que não eram inspirados por Deus e que atribuíram a si mesmos, por ambição, uma missão, que não tinham.
  • 17. Todavia, como eram homens de gênio, em meio aos seus próprios erros, acabavam ensinando às vezes grandes verdades (11). 647 - Toda a lei e Deus está encerrada (traz em si – está contida) na máxima do amor ao próximo ensinada por Jesus? - Certamente essa máxima encerra (contém) todos os deveres dos homens entre si; Mas é necessário mostrar-lhes a aplicação, pois do contrário podem deixar de cumpri-la, como já o fazem hoje. Aliás, a lei natural compreende todas as circunstâncias da vida e essa máxima se refere apenas a um dos seus aspectos.
  • 18. Os homens necessitam de regras precisas. Os preceitos (obrigação relacionada com a conduta) gerais e muito vagos deixam muitas portas abertas à interpretação (12). 648 – Que pensais da divisão da lei natura em dez partes, compreendendo as leis sobre a adoração, o trabalho, a reprodução, a conservação, a destruição, a sociedade, o progresso, a igualdade, a liberdade e, por fim, a da justiça, amor e caridade? - Essa divisão em dez partes é a de Moisés e pode abranger todas as circunstâncias da vida, o que é essencial.
  • 19. Podes segui-la, sem que ela tenha entretanto nada de absoluto, como não o têm os demais sistemas de classificação, que sempre dependem do ponto de vista sob o qual se considera um assunto. A última lei é a mais importante; É por ele que o homem pode avançar mais na vida espiritual, porque ela resume todas as outras (13). A vivência da lei de Deus conduz o homem ao bem. E o [...] o verdadeiro homem de bem é aquele que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua
  • 20. Por extensão, reconhece-se [...] o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más (2). Dessa forma, tanto [...] quanto podemos perceber o Pensamento Divino, imanente (Que está contido de maneira inseparável) em todos os seres e em todas as coisas, o Criador se manifesta a nós outros – criaturas conscientes, mas imperfeitas – através de leis que Lhe expressam os objetivos no rumo do Bem Supremo (14).
  • 21. Lembremo-nos, pois, de que no concerto admirável da Criação, somente será possível regenerar e burilar a nós mesmos para que a vida imperecível em nós se retrate vitoriosa, mas não nos esqueçamos de que, apesar da grandeza cósmica, nosso desequilíbrio no mal pode comprometer todo o sistema em que as Leis Divinas se expressam, através do trono sublime da natureza [...] (15). Obs: As Leis de: Adoração, Trabalho, Reprodução, Conservação, Destruição, Sociedade, Progresso, Igualdade, Liberdade e a de Justiça, Amor e Caridade, serão estudadas nos módulos subsequentes.
  • 22. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. XVII – SEDE PERFEITOS – Item: O Homem de Bem – Questão 3 - Pág. 221. 2.________,Item: Os Bons Espíritas – Qst.4–Pág. 223. ReferênciaReferência BibliográficaBibliográfica
  • 23. 3. ________, O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Janeiro 2009 - Livro Terceiro - AS LEIS MORAIS – Cap. I – A Lei Divina ou Natural - Item I Caracteres da Lei Natural – Questão 614 - Pág. 223. 4.________,Questão 615 – Pág. 223. 5.________,Questão 617 – Pág. 224. 6.________,Questão 617-a e Comentário – Pág. 224. 7.________,Item II - Conhecimento da Lei Natural – Questão 619 – Pág. 224. 8.________,Questão 621 – Pág. 225.
  • 24. 10._______,Questão 622 – Pág. 225. 11._______,Questão 623 – Pág. 225. 12._______,Item IV - Divisão da Lei Natural – Questão 647 – Pág. 230. 13._______,Questão 648 – Pág. 230. 14. Xavier, Francisco Cândido. Justiça Divina – Pelo Espírito Emmanuel – 11ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2006 - (Nas Leis do Destino) Pág. 119. 15. Xavier, Francisco Cândido. Inspiração. Pelo Espírito Emmanuel – 1ª Ed. São Bernardo do Campo: Grupo Espírita Emmanuel – 1978 – (Diante do Universo) – Págs. 72-73.