SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
RETORNO À VIDA CORPORAL:
O Planejamento da Rematerialização
1804-1869
1. Fundamentos e Finalidade da
Rematerialização
2. Provas da Rematerialização2. Provas da Rematerialização
3. Retorno à Vida Corporal: Planejamento da
Rematerialização
4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma
ao Corpoao Corpo
5. Retorno à Vida Corporal: A Infância
6. Esquecimento do Passado: Justificativas6. Esquecimento do Passado: Justificativas
da Sua Necessidadeda Sua Necessidade
As pessoas que
me dizem que eu vou
para o inferno e elas
vão para o céu...
de certa forma
deixam-me feliz de não
estarmos indo para o
mesmo lugar.
SubsídiosSubsídios
171 – Comentário: Todos os Espíritos também
tendem à perfeição, e Deus lhes proporciona os
meios de consegui-la, com as provas da vida
corpórea.
Mas, na sua justiça, permite-lhes realizar, em
novas existências, aquilo que não puderam fazer
ou concluir numa primeira prova [...] (1).
ESDE - Sendo assim, compreendemos que
não existe improvisação nos procedimentos que
antecedem as experiências da rematerialização.
Existe, na verdade, uma planificação
fundamentada na lógica e na moralidade, visando
o progresso espiritual da criatura humana.
Neste sentido, a escolha das provas no
planejamento da rematerialização merece
cuidados especiais por parte dos Espíritos
planejadores.
Conscientes das implicações desses
esclarecimentos, ocorrem-nos automaticamente
algumas indagações:
Quanto é definido o momento da
rematerialização?
Quais são as condições que determinam que
é chegada a hora do retorno à vida corporal?
Podemos selecionar as provas ou
experiências que vivenciaremos no plano físico?
Que critérios são utilizados, por exemplo,
para a escolha dos nossos pais e demais
familiares, ou da cidade e país em que
nasceremos?
Como são definidas questões relativas ao
casamento, aos filhos, à profissão?
171 – Comentário: O homem que tem a
consciência da sua inferioridade, encontra na
Doutrina da Rematerialização uma consoladora
esperança.
Se crê na justiça de Deus, não pode esperar
que, por toda a eternidade, haja de ser igual aos
que agiram melhor do que ele.
O pensamento de que sua inferioridade não
o deserdará para sempre do bem supremo, e que
ele poderá conquistá-lo através de novos
esforços, o ampara e lhe reanima a coragem.
Qual é aquele que, no fim da sua carreira,
não lamenta ter adquirido tarde uma experiência
que já não pode aproveitar?
Pois esta experiência tardia não estará
perdida:
Ele a aproveitará numa nova existência (2).
ESDE - A rematerialização, porém, não
dispensa planejamento, mesmo em se tratando
das rematerializações mais simples.
Este planejamento pode ser elaborado pelo
próprio Espírito que deseja ou necessita
materializar-se, desde que ele tenha condições
morais e intelectuais para tanto.
No caso de Espíritos menos adiantados, seu
planejamento pode ficar na responsabilidade de
outros Espíritos mais esclarecidos, caso não
ofereça, no momento, condições para planejar a
própria rematerialização, ou opinar sobre a mesma.
258 – No estado errante (é o estado em que o
Espíritos se encontra entre as materializações),
antes de nova existência corpórea, o Espírito tem
consciência do que lhe vai acontecer durante a
vida?
- Ele mesmo escolhe o gênero de provas que
deseja sofrer;
Nisto consiste o seu livre-arbítrio (3).
É bom lembrar que o livre-arbítrio não é
absoluto, mesmo se tratando de Espíritos
Superiores.
Livre-arbítrio/responsabilidade – cada qual é
responsável pelas escolhas que faz – porém, não
pode ultrapassar os limites que a ele estão
estabelecidos, tais como: respeito a
individualidade dos seus irmãos; às suas opiniões,
os seus valores; suas crenças; o direito de ir e de
vir, e principalmente, o livre-arbítrio que a ele
cabe, para que possa ele fazer suas escolhas.
258-a – Não é Deus quem lhe impõem as
tribulações da vida, como castigo?
- Nada acontece sem a permissão de Deus
porque foi Ele que estabeleceu todas as leis que
regem o Universo.
[...] Dando ao Espírito a liberdade de escolha,
deixa-lhe toda a responsabilidade dos seus atos e
das suas consequências; nada lhe estorva o futuro;
O caminho do bem está à sua frente, como o
do mal.
Mas se sucumbir, ainda lhe resta uma
consolação, a de que nem tudo se acabou para ele,
pois Deus, na sua bondade, permite-lhe recomeçar
o que foi mal feito (4).
É bom esclarecer que o Espírito não prevê
os principais acontecimentos que poderão ocorrer
no plano físico.
Tais acontecimentos ficam por conta do
planejamento da rematerialização.
Vejamos a resposta dos Espíritos Superiores
quando questionados à respeito:
259 – Se o Espírito escolhe o gênero de
provas que deve sofrer, todas as tribulações da
vida foram previstas por nós?
- Todas, não, pois não se pode dizer que
escolhestes e previstes tudo o que vos acontece
no mundo, até as menores coisas.
Escolhestes o gênero de provas;
Os detalhes são consequências da posição
escolhida, e frequentemente de vossas próprias
ações.
Se o Espírito quis nascer entre malfeitores,
por exemplo, já sabia a que deslizes se expunha,
mas não conhecia cada um dos atos que praticaria;
Esse atos são produtos e sua vontade ou do
seu livre-arbítrio.
O Espírito sabe que, escolhendo esse
caminho, terá de passar por esse gênero de lutas;
E sabe que natureza são as vicissitudes (os
revezes, os contratempos) que irá encontrar;
Mas não sebe quais os acontecimentos que o
aguardam.
Os detalhes nascem das circunstâncias e da
força das coisas
Só os grandes acontecimentos, que influem
no destino, estão previstos
Se tomas um caminho cheio de desvios,
sabes que deves ter muitas precauções, porque
corres o perigo de cair, mas não sabes quando
cairás, e pode ser que nem caias, se fordes
bastante prudente.
Se ao passar pela rua, uma telha cair na
cabeça, não penses que estava escrito, como
vulgarmente se diz (5 e 6).
261 - O Espírito, nas provas que sofre para
chegar à perfeição, terá de experimentar todos os
gêneros de tentações?
Deverá passar por todas as circunstâncias
que possa provocar-lhe o orgulho, o ciúme, a
avareza, a sensualidade, etc.?
Certamente não, pois sabeis que há os que
tomam desde o princípio, um caminho que os
afasta de muitas provas.
Mas aquele que se deixa levar pelo mau
caminho, corre todos os perigos do mesmo.
Um Espírito pode pedir a riqueza e esta lhe
será dada;
Então, segundo o seu caráter poderá tornar-
se avarento (sovina) ou pródigo (esbanjador),
egoísta ou generoso, ou ainda entregar-se a todos
os prazeres da sensualidade.
Mas isso não quer dizer que ele devia passar
forçosamente por todas essas tendências (7).
ESDE – Percebe-se, pois, que a questão do
PLANEJAMENTO está ligado às consequências
do uso do livre-arbítrio, situação que sempre
reflete o nosso nível de evolução moral e
intelectual.
O livre-arbítrio, repetidamente utilizado de
forma incorreta, restringe a nossa capacidade de
opinar em um novo planejamento.
É por esta razão que os Espíritos dedicados
a esse gênero de tarefa consideram todas as
ações que executamos, antes e depois da
desmaterialização, definindo critérios norteadores
do planejamento que nos cabe.
Efetivamente, logo após a morte física, sofre
a alma culpada minucioso processo de purgação
(purificação), tanto mais produtivo quanto mais se
lhe exteriorize a dor do arrependimento, e, apenas
depois disso, consegue elevar-se a esferas de
reconforto e reeducação.
Se a moléstia experimentada na veste
somática (corpo físico) foi longa e difícil,
abençoadas depurações terão sido feitas, pelo
ensejo de autoexame [...].
Todavia, se essa operação natural não foi
possível no círculo carnal, mais se lhe agravam os
remorsos, depois do túmulo, por recalcados na
consciência, a aflorarem, todos eles, através de
reflexão [...].
Criminosos que mal ressarciram os débitos
contraídos, instados pelo próprio arrependimento,
plasmam (formam, criam), em torno de si
mesmos, as cenas degradantes em que
arruinaram a vida íntima [...].
Caluniadores que aniquilaram a felicidade
alheia vivem pesadelos espantosos, regravando
nas telas da memória os padecimentos das
vítimas [...].
Tiranetes (Pessoa que abusa de sua
autoridade ou posição para oprimir as que dela
dependem) diversos volvem (voltam) a sentir nos
tecidos da própria alma os golpes que desferiram
nos outros, e os viciados de toda sorte [...]
experimentam agoniada insatisfação, qual ocorre
também aos desequilibrados do sexo [...].
As vítimas do remorso padecem, assim, por
tempo correspondente às necessidades de
reajuste, larga internação em zonas compatíveis
com o estado espiritual que demonstram (13).
Passado esse período de perturbação
espiritual, ocorrido após a desmaterialização, e [...]
Tão logo revele os primeiros sinais de
positiva renovação para o bem, registra [o
Espírito] o auxílio das Esferas Superiores, que,
por agentes inúmeros, apoiam os serviços da
Luz Divina onde a ignorância e a crueldade se
transviam na sombra.
Qual doente, agora acolhido em outros
setores pela encorajadora convalescença de
que dá testemunho, o devedor desfruta
suficiente serenidade para rever os
compromissos assumidos na vida corpórea
recentemente deixada, sopeando (trazendo à
tona - recordando) os males e sofrimentos de
que se fez responsável [...].
Muita vez, acendem a escolas beneméritas
(escolas retificadoras), nas quais recolhem mais
altas noções de vida, aprimoram-se na instrução,
aperfeiçoam impulsos e exercem preciosas
atividades, melhorando os próprios créditos;
Todavia, as lembranças dos erros
voluntários, ainda mesmo quando as suas
vítimas tenham superado todas as sequelas dos
golpes sofridos, entranham-se-lhes no espírito
por “sementes do destino”, de vez que eles
mesmos, em se reconhecendo necessitados de
promoção com as provas de que carecem para
se quitarem consciencialmente consigo próprios.
Nesses casos, a escolha da experiência é
mais que legítima, porquanto, através da limpeza de
limiar (limpeza inicial), efetuada nas regiões
retificadores, e pelos títulos (bônus) adquiridos nos
trabalhos que abraça, no plano extrafísico, merece a
criatura os cuidados preparatórios da nova tarefa em
vista, a fim de que haja a conjugação (união -
ligação) de todos os fatores para que reencontre os
credores ou as circunstâncias imprescindíveis, junto
aos quais se redima perante a Lei (14).
ESDE - Os Espíritos no início do processo
evolutivo, ou portadores de marcante perturbação
espiritual, ou ainda que demonstram persistente
estado de rebeldia perante a Lei de Deus,
temporariamente estão impedidos de opinar o
próprio planejamento.
Nesta situação, a experiência do
planejamento é tutelada (amparada) por um
Espírito esclarecido, apresentando características
de compulsoriedade (obrigatoriedade).
Vejamos:
262 - Como pode o Espírito, que em sua
origem é simples e ignorante e sem
experiência, escolher uma existência com
conhecimento de causa e ser responsável pela
sua escolha?
– Deus supre a sua inexperiência [no caso do
Espírito simples e ignorante], traçando-lhe o
caminho que deve seguir, como fazes com uma
criança desde o berço.
Mas deixa-lhe pouco a pouco a liberdade de
escolher, à medida que o seu livre-arbítrio se
desenvolve.
Senhor de proceder suas escolhas, ele
muitas vezes se extravia, tomando o mau caminho,
por não ouvir (não atender) os conselhos dos bons
Espíritos.
É a isso que podemos chamar a queda do
homem.
Deus impõe ainda a tutela de um Espírito
esclarecido sobre o outro.
Vejamos os esclarecimentos a seguir:
262-a – Quando o Espírito goza do seu livre-
arbítrio, a escolha da existência corpórea depende
sempre exclusivamente da sua vontade, ou essa
existência pode lhe ser imposta pela vontade de
Deus, como Expiação?
Deus sabe esperar: não precipita a
expiação.
Entretanto, pode impor certa existência a
um Espírito, quando este, por sua inferioridade ou
má vontade, não está apto a compreender o que
lhe seria mais proveitoso, e quando vê que essa
existência pode servir para a sua purificação, para
o seu adiantamento, e ao mesmo tempo servi-lhe
de expiação (9).
Entretanto muitas vezes se processam, sem
qualquer consulta aos que necessitam segregação
(separação - isolamento) em certas lutas no plano
físico, providências essas comparáveis às que
assumimos no mundo com enfermos e criminosos
que, pela própria condição ou conduta, perderam
temporariamente a faculdade de resolver quanto à
sorte que lhes convém no espaço de tempo em
que lhes perdura a enfermidade ou em que se
mantenham sob as determinações da justiça.
São os problemas especiais, em que e
individualidade renasce de cérebro parcialmente
inibido ou padecendo mutilações congênitas
(nascença), ao lado daqueles que lhe devem
abnegação (dedicação) e carinho (9).
COMENTÁRIO: Esses doentes espirituais estarão,
na existência terrena, isolados em corpos que lhes
negarão a vida física normal.
Espiritualmente, contudo, terão assistência precisa.
Tais rematerializações, por vezes apresentam
determinados caracteres contrários até mesmo às leis da
hereditariedade.
E, os que assim nascem, podem nascer ricos ou
pobres, mas sempre ao lado daqueles que em vidas
passadas foram de alguma forma responsáveis pelos
desatinos cometidos e que, agora, voltam coparticipando
do aflitivo drama, para dispensar-lhes atenção e carinho.
Abençoadas imposições, quase sempre familiares,
redentoras para uns e outros!
O momento preciso para iniciar um
planejamento de rematerialização é infinitamente
variável de Espírito para Espírito.
Depende do grau de entendimento de cada um.
Sabe-se por exemplo que o Espírito, leva mais
tempo para fazer a escolha das suas provas
quando acredita na eternidade das penas após a
desmaterialização (10).
264 – O que orienta o Espírito na escolha das
provas?
- Ele escolhe as que podem servir de expiação,
segundo a natureza de suas faltas, e fazê-lo
adiantar mais rapidamente.
Uns podem impor-se uma vida de miséria e
provações para tentar suportá-la com coragem;
Outros, querem experimentar as tentações a
fortuna e do poder, bem mais perigosas, pelo
abuso e o mau emprego que se lhes pode dar e
pelas más paixões que desenvolvem;
Outros, enfim, querem ser provados nas
lutas que terão de sustentar no contato com o
vício (11).
O certo é que se [...] Soubermos, porém,
suar no trabalho honesto, não precisaremos suar
e chorar no resgate justo.
E não se diga que todos os infortúnios da
marcha de hoje estejam debitados a
compromissos de ontem, porque, com a
prudência e a imprudência, com a preguiça e o
trabalho, com o bem e o mal, melhoramos ou
agravamos a nossa situação, reconhecendo-se
que todo dia, no exercício de nossa vontade,
formamos novas causas, refazendo o destino
(16).
Em suma, podemos afirmar que osEm suma, podemos afirmar que os
planejamentos da rematerialização são muitoplanejamentos da rematerialização são muito
diversificados, porque diversas são asdiversificados, porque diversas são as
necessidades humanas.necessidades humanas.
Cada entidade no processo de
rematerialização apresenta particularidades
essenciais na recorporificação a que se entrega
na esfera física, quando cada pessoa expõe
características diferentes quando se rende ao
processo liberatório, não obstante o nascimento e
a morte parecerem iguais.
Os Espíritos categoricamente superiores,Os Espíritos categoricamente superiores,
quase sempre, em ligação sutil com a mentequase sempre, em ligação sutil com a mente
materna que lhes oferta guarida, podem plasmarmaterna que lhes oferta guarida, podem plasmar
(modelar(modelar) por si mesmos, e, não raro, com a) por si mesmos, e, não raro, com a
colaboração de instrutores da Vida Maior, o corpocolaboração de instrutores da Vida Maior, o corpo
em que continuarão as futuras experiências,em que continuarão as futuras experiências,
interferindo nas essências cromossômicas, cominterferindo nas essências cromossômicas, com
vistas às tarefas que lhes cabem desempenhar.vistas às tarefas que lhes cabem desempenhar.
Os Espíritos categoricamente inferiores, na
maioria das ocasiões, padecendo ¹monoideísmo
²tiranizante, entram em simbiose fluídica (Ligação
muito íntima e interativa de duas pessoas) com as
organizações femininas a que se agregam,
experimentando o definhamento do corpo espiritual
[...], sendo inelutavelmente (algo pelo qual não se
pode lutar) atraídos ao vaso uterino, em
circunstâncias adequadas, para a rematerialização
que lhes toca, em moldes inteiramente dependentes
da hereditariedade [...].
¹Monoideísmo: (onde a ideia central mina todo o
organismo psíquico, exercendo influência doentia direta).
²Tiranizante: (atração inexorável [rigorosa], ligação que
há dois seres em benefício mutuo);
Entre ambas as classes, porém, contamosEntre ambas as classes, porém, contamos
com milhões de Espíritos medianos na evolução,com milhões de Espíritos medianos na evolução,
portadores de créditos apreciáveis e dívidasportadores de créditos apreciáveis e dívidas
numerosas, cuja rematerialização exige cautelanumerosas, cuja rematerialização exige cautela
de preparo e esmero (cuidado excepcional emde preparo e esmero (cuidado excepcional em
qualquer serviço - cautela extrema - prudência)qualquer serviço - cautela extrema - prudência)
de previsãode previsão (17).
No Livro de André Luiz E a vida continua...,
psicografia de Francisco Cândido Xavier, há o relato,
no início do capítulo vinte e seis, sobre a existência de
um Instituto de Serviço para Rematerialização no plano
espiritual (18).
Na colônia Nosso Lar (livro Nosso lar, do mesmo
autor espiritual), o planejamento da rematerialização está
afeto ao Ministério do Auxílio (20).
Na Colônia Correcional Maria de Nazaré, voltada
para atendimento aos suicidas, existe o Departamento de
Rematerialização localizado no extremo da Colônia,
segundo as informações que fazem parte do livro Memórias
de um Suicida, segunda parte, obra mediúnica de Yvonne
do Amaral Pereira, edição FEB (12).
Os livros Missionários da luz, capítulos 12 e 13, e no
livro E a vida continua, capítulos 16 a 26, trazem relatos
elucidativos sobre o planejamento reencarnatório e as
condições de execução das rematerializações (18 e 19).
Há, no Plano Espiritual, Instituto de escultura
anatômica, no qual laboram Espíritos
organizadores de corpos físicos adequados aos
futuros rematerializados!
Assim, conforme a programação de cada
Espírito que vá ser rematerializado, o organismo o
físico é detalhadamente delineado.
Instituto de escultura anatômica e o Pavilhão
de Desenhos funcionam, por isso, no Plano
Espiritual, brunindo (tornar perfeito, aprimorar)
formas diversas, de modo a orientar os mapas ou
prefigurações do serviço que aos rematerializados
competirá, mais tarde atender.
André Luiz
Espíritos sem condições de se manterem
conscientes durante a gestação são
bondosamente submetidos ao Processo de
Miniaturização ou Restringimento do Corpo
Perispiritual do Espírito – também conhecido
como Redução Psicossômica ou Ovoidização,
são adormecimento e ao devido restringimento,
necessários ao início do processo de
rematerialização.
Miniaturização ou Restringimento – Redução
Psicossômica ou Ovoidização - no Plano
Espiritual, significa estágio preparatório para nova
rematerialização.
No ato do mergulho na carne, as faculdades do
Espírito não ficam apenas entorpecidas por uma espécie
de sono momentâneo, todas, sem exceção, passam
ao estado de latência. Período de inatividade (de
incubação).
Presença de elementos psíquicos esquecidos na
esfera subliminar (inferior) da consciência, donde esteve
esquecido e que podem ressurgir.
Isso é feito por competentes magnetizadores
desmaterializados, que proporcionam sonoterapia ao que
vai ser rematerializado, durável por períodos variáveis,
nos quais seu corpo irá se desenvolvendo.
Aquele que renasce, assim, tem organismo físico
consentâneo (adequado; apropriado) à razão do seu
acervo moral e do programa da nova existência terrena.
Sob o influxo magnético dos Construtores
Espirituais, a forma reduzida (ovoidização) do
Perispírito é ajustada ao útero materno,
terminando, assim, a operação inicial de ligação do
processo da rematerialização.
Pai e mãe, raça e pátria, lar e
hereditariedade do rematerializado são-lhe
previdentemente atribuídos para que
tenha todas as possibilidades de cumprir o
roteiro terreno traçado.
Por bênção, renasce o Espírito com
esquecimento (não absoluto) do passado!
Experiências, impulsos e tendências,
contudo, emergirão no novo corpo, sempre em
confronto nos momentos de provar ou
comprovar o empenho em se regenerar.
Nessas diretrizes, casos haverá deNessas diretrizes, casos haverá de
incompatibilidade entre cérebro e corpo;incompatibilidade entre cérebro e corpo;
Mutilações, deformidades, inibiçõesMutilações, deformidades, inibições
graves e outras dificuldades físicas, doençasgraves e outras dificuldades físicas, doenças
etc., para que novos aprendizados sejametc., para que novos aprendizados sejam
conquistados.conquistados.
Então, nada objeta entender eEntão, nada objeta entender e
compreender que os problemas de hoje, sãocompreender que os problemas de hoje, são
benefícios solventes de pesadas dívidas debenefícios solventes de pesadas dívidas de
ontem, anunciando a vitoriosa felicidade noontem, anunciando a vitoriosa felicidade no
amanhã!amanhã!
ÚlceraÚlcera planejadaplanejada André LuizAndré Luiz aindaainda
analisa a situação de umanalisa a situação de um
espírito que deve serespírito que deve ser
rematerializado com arematerializado com a
possibilidade depossibilidade de
surgimento de umasurgimento de uma
úlcera logo que chegue aúlcera logo que chegue a
maioridade.maioridade.
Através deste processo, poderá resgatarAtravés deste processo, poderá resgatar
um crime cometido há mais de cem anosum crime cometido há mais de cem anos
antes, quando assassinou um homem aantes, quando assassinou um homem a
facadas.facadas.
A vítima tornou-se seu obsessor eA vítima tornou-se seu obsessor e
provocou gradativamente suaprovocou gradativamente sua
desmaterialização.desmaterialização.
Após sofrer no plano espiritual,Após sofrer no plano espiritual,
reergueu-se moralmente e obteve váriasreergueu-se moralmente e obteve várias
intercessões (intromissão ou interferênciaintercessões (intromissão ou interferência
de...:).de...:).
No entanto, pela lei de ação e reação, oNo entanto, pela lei de ação e reação, o
crime ainda permanece em aberto, e acrime ainda permanece em aberto, e a
rematerialização dolorosa servirá de pena erematerialização dolorosa servirá de pena e
reparação.reparação.
Obs.Obs. O Espírito não entra no óvulo: apenas seO Espírito não entra no óvulo: apenas se
liga, permanecendo como de diz “circunscrito”, presoliga, permanecendo como de diz “circunscrito”, preso
apenas pelo “Cordão de Prata”.apenas pelo “Cordão de Prata”.
A Gênese nos diz que nossa primeira etapaA Gênese nos diz que nossa primeira etapa
evolutiva foi aquática, por isso revivemos toda elaevolutiva foi aquática, por isso revivemos toda ela
mergulhados no líquido amniótico.mergulhados no líquido amniótico.
O Espírito revive a cada segundo de vidaO Espírito revive a cada segundo de vida
intrauterina, milênios de vidas remotas,intrauterina, milênios de vidas remotas,
enquanto atravessava as fases animais, semenquanto atravessava as fases animais, sem
fixar, no entanto, exatamente as diversasfixar, no entanto, exatamente as diversas
formas da espécie.formas da espécie.
Terminada a “revisão” de toda a suaTerminada a “revisão” de toda a sua
evolução animal, a criança rompe as barreirasevolução animal, a criança rompe as barreiras
da animalidade pura e passa ao estadoda animalidade pura e passa ao estado
hominal:hominal:
Nesse ponto preciso ocorre o nascimento.Nesse ponto preciso ocorre o nascimento.
À título de ilustração, mostraremos nosÀ título de ilustração, mostraremos nos
slides 58 ao 61 cenas no filme “Nosso Lar”slides 58 ao 61 cenas no filme “Nosso Lar”
André Luiz no Umbral...
A cena filmadaA cena filmada
neste espaço é doneste espaço é do
momento em quemomento em que
André Luiz chegaAndré Luiz chega
ao hospital daao hospital da
colônia NOSSOcolônia NOSSO
LAR, depois deLAR, depois de
um longo períodoum longo período
no Umbral.no Umbral.
Momento de Lísias
com André Luiz.
Tratamento de André
Luiz no hospital
Colônia
Uma das equipes
socorristas do
Nosso Lar.
Sala de Palestras
e Doutrinação
Nosso Lar.
Os líderes Umbralinos podem planejar as
materializações?
As materializações dos Espíritos obedecem, como tudo, a
uma lei.
É evidente que tudo se fundamenta em uma ordem
universal e seria acreditar no caos e na desordem pensar que
coisas tão importantes como a programação da vida de um
ser imortal pudesse ser feito por entidades sem nenhum
compromisso com o BEM, com a lei de Deus.
As materializações obedecem a um projeto divino, mesmo
que aparentemente possa parecer o contrário, em algumas
situações.
Os Espíritos superiores trabalham em Seu nome e
realizam todas as suas obras, desde os planos mais
 Não há improvisações nos procedimentos que
antecedem as experiências da rematerialização;
 Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na
lógica e na moralidade;
 A escolha das provas merece cuidados especiais por
parte dos Espíritos planejadores;
 O planejamento pode ser feito pelo próprio Espírito ou
por outros mais adiantados, dependendo das condições
do Espírito;
 O planejamento da rematerialização prevê, em geral,
apenas os principais acontecimentos que poderão
ocorrer no mundo físico;
Independentemente de quem fez o planejamento, não há
garantias de que ele será cumprido, total ou parcialmente;
 O planejamento da rematerialização está ligado às
consequências do uso do livre-arbítrio e do nível de evolução
moral e intelectual do Espírito que irá mergulhar na carne;
Enfim, os planejamentos da rematerialização são muito
diversificados, pois diversas são as necessidades humanas.
[...] a existência humana não é um ato
acidental [...], a justiça exerce seu ministério, todos
os dias, obedecendo ao alto desígnio que manda
ministrar os dons da vida “a cada um segundo suas
obras”
Pelas provações de nosso cotidiano,
buscamos sempre entender as causas dessas
aflitivas atribulações, demonstramos nosso
descontrole e nossa fé ainda tênue e frágil
sempre que nos encontramos em situações
contrarias aos nossos anseios materiais.
Tornamo-nos deflagradores de varias
mazelas e angustias, pelo fato de não
compreendermos a benemérita conquista em
desvencilhar das tentações da carne e nos
afinamos as escabrosidades (falta de pudor, de
moral) de nossa existência, onde optamos em
mantermo-nos na infeliz condição de filhos
rejeitados pela providencia divina.
Podemos tentarPodemos tentar
enganar, porém, acabaremosenganar, porém, acabaremos
igual aoigual ao lendáriolendário Rei Sísifo daRei Sísifo da
Tessália que, por tentarTessália que, por tentar
enganar os deuses e fugir daenganar os deuses e fugir da
morte, foi condenado, amorte, foi condenado, a
empurrar uma enorme rochaempurrar uma enorme rocha
montanha acima.montanha acima.
Cada vez que ai atingirCada vez que ai atingir
o cume, a rocha caia,o cume, a rocha caia,
forçando-o a recomeçar.forçando-o a recomeçar.
Vejamos a seguir, uma bela figuração paraVejamos a seguir, uma bela figuração para
as rematerializações expiatórias causadas poras rematerializações expiatórias causadas por
ausência do bem.ausência do bem.
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
1. KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos. Tradução de J.
Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, 2009. Livro
Segundo - Cap. I – Dos Espíritos – Item IV – Pluralidade das
Existências - Questão 171 – Comentário - Pág. 106.
2. _______. Questão 171 – Comentário - Pág. 106
3. _______.Cap. VI – Vida Espírita – Item V – Escolha
das Provas - Questão 258 - Pág. 137.
4. _______. Questão 258-a - Pág. 137.
5. _______. Questão 259 - Pág. 137.
6. _______. Questão 259 - Págs. 137-138.
7. _______. Questão 261 - Pág. 138.
8. _______. Questão 262 - Pág. 138.
9. _______. Questão 262-a - Pág. 138.
10. ______. ESDE – Tomo I – Pág. 206.
11. _______. Questão 264 - Pág. 139.
12. PEREIRA. Yvonne do Amaral. Memórias de um
Suicida. 25ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2003 - 2ª Parte – Item:
Prelúdios da Rematerialização - Pág. 377.
13. XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA. Waldo.
Evolução em Dois Mundos. Pelo Espírito André Luiz – 23ª ed.
Rio de Janeiro: FEB 2005 – 1ª Parte – Cap. 19 (Almas e
Rematerialização) - Item: Depois da Morte - Págs. 187-188.
14. _______, Item: Sementes do Destino – Págs. 189-190.
15. _______, Item: Rematerializações Especiais – Págs.
190-191.
16. _______, Item: Rematerialização e Evolução – Pág.
193.
17. _______, Item: Particularidades da Rematerialização –
Pág. 194.
13. XAVIER, Francisco Cândido. E a Vida Continua... Pelo
Espírito André Luiz – 31ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 –
Capítulos 16 a 26 – Págs. 155-296.
14. ________, Missionários da Luz. Pelo Espírito André
Luiz – 40ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Cap. 12
(Preparação de Experiências) – Pág. 195-226 – Cap. 13
(Rematerialização) – Págs. 227-296.
14. ________, Nosso Lar. Pelo Espírito André Luiz – 55ª
ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Cap. 8 - Págs. 55-56.
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
Ronaldo Pereira Rodrigues
 
A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
Henrique Vieira
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
Mundos de Regeneração
Mundos de RegeneraçãoMundos de Regeneração
Mundos de Regeneração
Leonardo Araújo
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
Marta Gomes
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
Divulgador do Espiritismo
 
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Simpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenasSimpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
Graça Maciel
 
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
Marta Gomes
 
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de EspiritismoAula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
liliancostadias
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o EspiritismoAs Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
Antonino Silva
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
 
A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
Mundos de Regeneração
Mundos de RegeneraçãoMundos de Regeneração
Mundos de Regeneração
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
 
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
090812 da lei de justiça, amor e caridade–livro iii, cap. xi
 
Simpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenasSimpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenas
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
 
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
 
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de EspiritismoAula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
Aula 15_Lei de Causa e Efeito_Curso Básico de Espiritismo
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o EspiritismoAs Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 

Semelhante a Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório

Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Marta Gomes
 
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
home
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
Rosângela Elias
 
2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas
Marta Gomes
 
Trecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o InfernoTrecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o Inferno
Darlene Cesar
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
Ponte de Luz ASEC
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitosBem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
CEENA_SS
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
LuizHenriqueTDias
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Patricia Farias
 
Codigo penal da vida futura
Codigo penal da vida futuraCodigo penal da vida futura
Codigo penal da vida futura
Marcelo Bomfim de Aguiar
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Leonardo Pereira
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
M.R.L
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
Eduardo Manoel Araujo
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
Marta Gomes
 

Semelhante a Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório (20)

Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
 
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
 
2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas2.6.5 Escolha das provas
2.6.5 Escolha das provas
 
Trecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o InfernoTrecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o Inferno
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitosBem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
 
Codigo penal da vida futura
Codigo penal da vida futuraCodigo penal da vida futura
Codigo penal da vida futura
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
codigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptxcodigo penal da vida futura.pptx
codigo penal da vida futura.pptx
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 

Último (18)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 

Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ RETORNO À VIDA CORPORAL: O Planejamento da Rematerialização
  • 3.
  • 4. 1. Fundamentos e Finalidade da Rematerialização 2. Provas da Rematerialização2. Provas da Rematerialização 3. Retorno à Vida Corporal: Planejamento da Rematerialização 4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma ao Corpoao Corpo 5. Retorno à Vida Corporal: A Infância 6. Esquecimento do Passado: Justificativas6. Esquecimento do Passado: Justificativas da Sua Necessidadeda Sua Necessidade
  • 5.
  • 6. As pessoas que me dizem que eu vou para o inferno e elas vão para o céu... de certa forma deixam-me feliz de não estarmos indo para o mesmo lugar.
  • 8.
  • 9. 171 – Comentário: Todos os Espíritos também tendem à perfeição, e Deus lhes proporciona os meios de consegui-la, com as provas da vida corpórea. Mas, na sua justiça, permite-lhes realizar, em novas existências, aquilo que não puderam fazer ou concluir numa primeira prova [...] (1). ESDE - Sendo assim, compreendemos que não existe improvisação nos procedimentos que antecedem as experiências da rematerialização. Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade, visando o progresso espiritual da criatura humana.
  • 10. Neste sentido, a escolha das provas no planejamento da rematerialização merece cuidados especiais por parte dos Espíritos planejadores. Conscientes das implicações desses esclarecimentos, ocorrem-nos automaticamente algumas indagações: Quanto é definido o momento da rematerialização? Quais são as condições que determinam que é chegada a hora do retorno à vida corporal? Podemos selecionar as provas ou experiências que vivenciaremos no plano físico?
  • 11. Que critérios são utilizados, por exemplo, para a escolha dos nossos pais e demais familiares, ou da cidade e país em que nasceremos? Como são definidas questões relativas ao casamento, aos filhos, à profissão? 171 – Comentário: O homem que tem a consciência da sua inferioridade, encontra na Doutrina da Rematerialização uma consoladora esperança. Se crê na justiça de Deus, não pode esperar que, por toda a eternidade, haja de ser igual aos que agiram melhor do que ele.
  • 12. O pensamento de que sua inferioridade não o deserdará para sempre do bem supremo, e que ele poderá conquistá-lo através de novos esforços, o ampara e lhe reanima a coragem. Qual é aquele que, no fim da sua carreira, não lamenta ter adquirido tarde uma experiência que já não pode aproveitar? Pois esta experiência tardia não estará perdida: Ele a aproveitará numa nova existência (2). ESDE - A rematerialização, porém, não dispensa planejamento, mesmo em se tratando das rematerializações mais simples.
  • 13. Este planejamento pode ser elaborado pelo próprio Espírito que deseja ou necessita materializar-se, desde que ele tenha condições morais e intelectuais para tanto. No caso de Espíritos menos adiantados, seu planejamento pode ficar na responsabilidade de outros Espíritos mais esclarecidos, caso não ofereça, no momento, condições para planejar a própria rematerialização, ou opinar sobre a mesma. 258 – No estado errante (é o estado em que o Espíritos se encontra entre as materializações), antes de nova existência corpórea, o Espírito tem consciência do que lhe vai acontecer durante a vida?
  • 14. - Ele mesmo escolhe o gênero de provas que deseja sofrer; Nisto consiste o seu livre-arbítrio (3). É bom lembrar que o livre-arbítrio não é absoluto, mesmo se tratando de Espíritos Superiores. Livre-arbítrio/responsabilidade – cada qual é responsável pelas escolhas que faz – porém, não pode ultrapassar os limites que a ele estão estabelecidos, tais como: respeito a individualidade dos seus irmãos; às suas opiniões, os seus valores; suas crenças; o direito de ir e de vir, e principalmente, o livre-arbítrio que a ele cabe, para que possa ele fazer suas escolhas.
  • 15. 258-a – Não é Deus quem lhe impõem as tribulações da vida, como castigo? - Nada acontece sem a permissão de Deus porque foi Ele que estabeleceu todas as leis que regem o Universo. [...] Dando ao Espírito a liberdade de escolha, deixa-lhe toda a responsabilidade dos seus atos e das suas consequências; nada lhe estorva o futuro; O caminho do bem está à sua frente, como o do mal. Mas se sucumbir, ainda lhe resta uma consolação, a de que nem tudo se acabou para ele, pois Deus, na sua bondade, permite-lhe recomeçar o que foi mal feito (4).
  • 16. É bom esclarecer que o Espírito não prevê os principais acontecimentos que poderão ocorrer no plano físico. Tais acontecimentos ficam por conta do planejamento da rematerialização. Vejamos a resposta dos Espíritos Superiores quando questionados à respeito: 259 – Se o Espírito escolhe o gênero de provas que deve sofrer, todas as tribulações da vida foram previstas por nós? - Todas, não, pois não se pode dizer que escolhestes e previstes tudo o que vos acontece no mundo, até as menores coisas. Escolhestes o gênero de provas;
  • 17. Os detalhes são consequências da posição escolhida, e frequentemente de vossas próprias ações. Se o Espírito quis nascer entre malfeitores, por exemplo, já sabia a que deslizes se expunha, mas não conhecia cada um dos atos que praticaria; Esse atos são produtos e sua vontade ou do seu livre-arbítrio. O Espírito sabe que, escolhendo esse caminho, terá de passar por esse gênero de lutas; E sabe que natureza são as vicissitudes (os revezes, os contratempos) que irá encontrar; Mas não sebe quais os acontecimentos que o aguardam.
  • 18. Os detalhes nascem das circunstâncias e da força das coisas Só os grandes acontecimentos, que influem no destino, estão previstos Se tomas um caminho cheio de desvios, sabes que deves ter muitas precauções, porque corres o perigo de cair, mas não sabes quando cairás, e pode ser que nem caias, se fordes bastante prudente. Se ao passar pela rua, uma telha cair na cabeça, não penses que estava escrito, como vulgarmente se diz (5 e 6).
  • 19. 261 - O Espírito, nas provas que sofre para chegar à perfeição, terá de experimentar todos os gêneros de tentações? Deverá passar por todas as circunstâncias que possa provocar-lhe o orgulho, o ciúme, a avareza, a sensualidade, etc.? Certamente não, pois sabeis que há os que tomam desde o princípio, um caminho que os afasta de muitas provas. Mas aquele que se deixa levar pelo mau caminho, corre todos os perigos do mesmo. Um Espírito pode pedir a riqueza e esta lhe será dada;
  • 20. Então, segundo o seu caráter poderá tornar- se avarento (sovina) ou pródigo (esbanjador), egoísta ou generoso, ou ainda entregar-se a todos os prazeres da sensualidade. Mas isso não quer dizer que ele devia passar forçosamente por todas essas tendências (7). ESDE – Percebe-se, pois, que a questão do PLANEJAMENTO está ligado às consequências do uso do livre-arbítrio, situação que sempre reflete o nosso nível de evolução moral e intelectual. O livre-arbítrio, repetidamente utilizado de forma incorreta, restringe a nossa capacidade de opinar em um novo planejamento.
  • 21. É por esta razão que os Espíritos dedicados a esse gênero de tarefa consideram todas as ações que executamos, antes e depois da desmaterialização, definindo critérios norteadores do planejamento que nos cabe. Efetivamente, logo após a morte física, sofre a alma culpada minucioso processo de purgação (purificação), tanto mais produtivo quanto mais se lhe exteriorize a dor do arrependimento, e, apenas depois disso, consegue elevar-se a esferas de reconforto e reeducação. Se a moléstia experimentada na veste somática (corpo físico) foi longa e difícil, abençoadas depurações terão sido feitas, pelo ensejo de autoexame [...].
  • 22. Todavia, se essa operação natural não foi possível no círculo carnal, mais se lhe agravam os remorsos, depois do túmulo, por recalcados na consciência, a aflorarem, todos eles, através de reflexão [...]. Criminosos que mal ressarciram os débitos contraídos, instados pelo próprio arrependimento, plasmam (formam, criam), em torno de si mesmos, as cenas degradantes em que arruinaram a vida íntima [...]. Caluniadores que aniquilaram a felicidade alheia vivem pesadelos espantosos, regravando nas telas da memória os padecimentos das vítimas [...].
  • 23. Tiranetes (Pessoa que abusa de sua autoridade ou posição para oprimir as que dela dependem) diversos volvem (voltam) a sentir nos tecidos da própria alma os golpes que desferiram nos outros, e os viciados de toda sorte [...] experimentam agoniada insatisfação, qual ocorre também aos desequilibrados do sexo [...]. As vítimas do remorso padecem, assim, por tempo correspondente às necessidades de reajuste, larga internação em zonas compatíveis com o estado espiritual que demonstram (13). Passado esse período de perturbação espiritual, ocorrido após a desmaterialização, e [...]
  • 24. Tão logo revele os primeiros sinais de positiva renovação para o bem, registra [o Espírito] o auxílio das Esferas Superiores, que, por agentes inúmeros, apoiam os serviços da Luz Divina onde a ignorância e a crueldade se transviam na sombra. Qual doente, agora acolhido em outros setores pela encorajadora convalescença de que dá testemunho, o devedor desfruta suficiente serenidade para rever os compromissos assumidos na vida corpórea recentemente deixada, sopeando (trazendo à tona - recordando) os males e sofrimentos de que se fez responsável [...].
  • 25. Muita vez, acendem a escolas beneméritas (escolas retificadoras), nas quais recolhem mais altas noções de vida, aprimoram-se na instrução, aperfeiçoam impulsos e exercem preciosas atividades, melhorando os próprios créditos; Todavia, as lembranças dos erros voluntários, ainda mesmo quando as suas vítimas tenham superado todas as sequelas dos golpes sofridos, entranham-se-lhes no espírito por “sementes do destino”, de vez que eles mesmos, em se reconhecendo necessitados de promoção com as provas de que carecem para se quitarem consciencialmente consigo próprios.
  • 26. Nesses casos, a escolha da experiência é mais que legítima, porquanto, através da limpeza de limiar (limpeza inicial), efetuada nas regiões retificadores, e pelos títulos (bônus) adquiridos nos trabalhos que abraça, no plano extrafísico, merece a criatura os cuidados preparatórios da nova tarefa em vista, a fim de que haja a conjugação (união - ligação) de todos os fatores para que reencontre os credores ou as circunstâncias imprescindíveis, junto aos quais se redima perante a Lei (14). ESDE - Os Espíritos no início do processo evolutivo, ou portadores de marcante perturbação espiritual, ou ainda que demonstram persistente estado de rebeldia perante a Lei de Deus, temporariamente estão impedidos de opinar o próprio planejamento.
  • 27. Nesta situação, a experiência do planejamento é tutelada (amparada) por um Espírito esclarecido, apresentando características de compulsoriedade (obrigatoriedade). Vejamos: 262 - Como pode o Espírito, que em sua origem é simples e ignorante e sem experiência, escolher uma existência com conhecimento de causa e ser responsável pela sua escolha? – Deus supre a sua inexperiência [no caso do Espírito simples e ignorante], traçando-lhe o caminho que deve seguir, como fazes com uma criança desde o berço.
  • 28. Mas deixa-lhe pouco a pouco a liberdade de escolher, à medida que o seu livre-arbítrio se desenvolve. Senhor de proceder suas escolhas, ele muitas vezes se extravia, tomando o mau caminho, por não ouvir (não atender) os conselhos dos bons Espíritos. É a isso que podemos chamar a queda do homem. Deus impõe ainda a tutela de um Espírito esclarecido sobre o outro. Vejamos os esclarecimentos a seguir:
  • 29. 262-a – Quando o Espírito goza do seu livre- arbítrio, a escolha da existência corpórea depende sempre exclusivamente da sua vontade, ou essa existência pode lhe ser imposta pela vontade de Deus, como Expiação? Deus sabe esperar: não precipita a expiação. Entretanto, pode impor certa existência a um Espírito, quando este, por sua inferioridade ou má vontade, não está apto a compreender o que lhe seria mais proveitoso, e quando vê que essa existência pode servir para a sua purificação, para o seu adiantamento, e ao mesmo tempo servi-lhe de expiação (9).
  • 30. Entretanto muitas vezes se processam, sem qualquer consulta aos que necessitam segregação (separação - isolamento) em certas lutas no plano físico, providências essas comparáveis às que assumimos no mundo com enfermos e criminosos que, pela própria condição ou conduta, perderam temporariamente a faculdade de resolver quanto à sorte que lhes convém no espaço de tempo em que lhes perdura a enfermidade ou em que se mantenham sob as determinações da justiça. São os problemas especiais, em que e individualidade renasce de cérebro parcialmente inibido ou padecendo mutilações congênitas (nascença), ao lado daqueles que lhe devem abnegação (dedicação) e carinho (9).
  • 31. COMENTÁRIO: Esses doentes espirituais estarão, na existência terrena, isolados em corpos que lhes negarão a vida física normal. Espiritualmente, contudo, terão assistência precisa. Tais rematerializações, por vezes apresentam determinados caracteres contrários até mesmo às leis da hereditariedade. E, os que assim nascem, podem nascer ricos ou pobres, mas sempre ao lado daqueles que em vidas passadas foram de alguma forma responsáveis pelos desatinos cometidos e que, agora, voltam coparticipando do aflitivo drama, para dispensar-lhes atenção e carinho. Abençoadas imposições, quase sempre familiares, redentoras para uns e outros!
  • 32. O momento preciso para iniciar um planejamento de rematerialização é infinitamente variável de Espírito para Espírito. Depende do grau de entendimento de cada um. Sabe-se por exemplo que o Espírito, leva mais tempo para fazer a escolha das suas provas quando acredita na eternidade das penas após a desmaterialização (10). 264 – O que orienta o Espírito na escolha das provas? - Ele escolhe as que podem servir de expiação, segundo a natureza de suas faltas, e fazê-lo adiantar mais rapidamente.
  • 33. Uns podem impor-se uma vida de miséria e provações para tentar suportá-la com coragem; Outros, querem experimentar as tentações a fortuna e do poder, bem mais perigosas, pelo abuso e o mau emprego que se lhes pode dar e pelas más paixões que desenvolvem; Outros, enfim, querem ser provados nas lutas que terão de sustentar no contato com o vício (11). O certo é que se [...] Soubermos, porém, suar no trabalho honesto, não precisaremos suar e chorar no resgate justo.
  • 34. E não se diga que todos os infortúnios da marcha de hoje estejam debitados a compromissos de ontem, porque, com a prudência e a imprudência, com a preguiça e o trabalho, com o bem e o mal, melhoramos ou agravamos a nossa situação, reconhecendo-se que todo dia, no exercício de nossa vontade, formamos novas causas, refazendo o destino (16). Em suma, podemos afirmar que osEm suma, podemos afirmar que os planejamentos da rematerialização são muitoplanejamentos da rematerialização são muito diversificados, porque diversas são asdiversificados, porque diversas são as necessidades humanas.necessidades humanas.
  • 35. Cada entidade no processo de rematerialização apresenta particularidades essenciais na recorporificação a que se entrega na esfera física, quando cada pessoa expõe características diferentes quando se rende ao processo liberatório, não obstante o nascimento e a morte parecerem iguais. Os Espíritos categoricamente superiores,Os Espíritos categoricamente superiores, quase sempre, em ligação sutil com a mentequase sempre, em ligação sutil com a mente materna que lhes oferta guarida, podem plasmarmaterna que lhes oferta guarida, podem plasmar (modelar(modelar) por si mesmos, e, não raro, com a) por si mesmos, e, não raro, com a colaboração de instrutores da Vida Maior, o corpocolaboração de instrutores da Vida Maior, o corpo em que continuarão as futuras experiências,em que continuarão as futuras experiências, interferindo nas essências cromossômicas, cominterferindo nas essências cromossômicas, com vistas às tarefas que lhes cabem desempenhar.vistas às tarefas que lhes cabem desempenhar.
  • 36. Os Espíritos categoricamente inferiores, na maioria das ocasiões, padecendo ¹monoideísmo ²tiranizante, entram em simbiose fluídica (Ligação muito íntima e interativa de duas pessoas) com as organizações femininas a que se agregam, experimentando o definhamento do corpo espiritual [...], sendo inelutavelmente (algo pelo qual não se pode lutar) atraídos ao vaso uterino, em circunstâncias adequadas, para a rematerialização que lhes toca, em moldes inteiramente dependentes da hereditariedade [...]. ¹Monoideísmo: (onde a ideia central mina todo o organismo psíquico, exercendo influência doentia direta). ²Tiranizante: (atração inexorável [rigorosa], ligação que há dois seres em benefício mutuo);
  • 37. Entre ambas as classes, porém, contamosEntre ambas as classes, porém, contamos com milhões de Espíritos medianos na evolução,com milhões de Espíritos medianos na evolução, portadores de créditos apreciáveis e dívidasportadores de créditos apreciáveis e dívidas numerosas, cuja rematerialização exige cautelanumerosas, cuja rematerialização exige cautela de preparo e esmero (cuidado excepcional emde preparo e esmero (cuidado excepcional em qualquer serviço - cautela extrema - prudência)qualquer serviço - cautela extrema - prudência) de previsãode previsão (17). No Livro de André Luiz E a vida continua..., psicografia de Francisco Cândido Xavier, há o relato, no início do capítulo vinte e seis, sobre a existência de um Instituto de Serviço para Rematerialização no plano espiritual (18).
  • 38. Na colônia Nosso Lar (livro Nosso lar, do mesmo autor espiritual), o planejamento da rematerialização está afeto ao Ministério do Auxílio (20). Na Colônia Correcional Maria de Nazaré, voltada para atendimento aos suicidas, existe o Departamento de Rematerialização localizado no extremo da Colônia, segundo as informações que fazem parte do livro Memórias de um Suicida, segunda parte, obra mediúnica de Yvonne do Amaral Pereira, edição FEB (12). Os livros Missionários da luz, capítulos 12 e 13, e no livro E a vida continua, capítulos 16 a 26, trazem relatos elucidativos sobre o planejamento reencarnatório e as condições de execução das rematerializações (18 e 19).
  • 39.
  • 40. Há, no Plano Espiritual, Instituto de escultura anatômica, no qual laboram Espíritos organizadores de corpos físicos adequados aos futuros rematerializados! Assim, conforme a programação de cada Espírito que vá ser rematerializado, o organismo o físico é detalhadamente delineado. Instituto de escultura anatômica e o Pavilhão de Desenhos funcionam, por isso, no Plano Espiritual, brunindo (tornar perfeito, aprimorar) formas diversas, de modo a orientar os mapas ou prefigurações do serviço que aos rematerializados competirá, mais tarde atender.
  • 42.
  • 43. Espíritos sem condições de se manterem conscientes durante a gestação são bondosamente submetidos ao Processo de Miniaturização ou Restringimento do Corpo Perispiritual do Espírito – também conhecido como Redução Psicossômica ou Ovoidização, são adormecimento e ao devido restringimento, necessários ao início do processo de rematerialização. Miniaturização ou Restringimento – Redução Psicossômica ou Ovoidização - no Plano Espiritual, significa estágio preparatório para nova rematerialização.
  • 44.
  • 45. No ato do mergulho na carne, as faculdades do Espírito não ficam apenas entorpecidas por uma espécie de sono momentâneo, todas, sem exceção, passam ao estado de latência. Período de inatividade (de incubação). Presença de elementos psíquicos esquecidos na esfera subliminar (inferior) da consciência, donde esteve esquecido e que podem ressurgir. Isso é feito por competentes magnetizadores desmaterializados, que proporcionam sonoterapia ao que vai ser rematerializado, durável por períodos variáveis, nos quais seu corpo irá se desenvolvendo. Aquele que renasce, assim, tem organismo físico consentâneo (adequado; apropriado) à razão do seu acervo moral e do programa da nova existência terrena.
  • 46. Sob o influxo magnético dos Construtores Espirituais, a forma reduzida (ovoidização) do Perispírito é ajustada ao útero materno, terminando, assim, a operação inicial de ligação do processo da rematerialização.
  • 47. Pai e mãe, raça e pátria, lar e hereditariedade do rematerializado são-lhe previdentemente atribuídos para que tenha todas as possibilidades de cumprir o roteiro terreno traçado. Por bênção, renasce o Espírito com esquecimento (não absoluto) do passado! Experiências, impulsos e tendências, contudo, emergirão no novo corpo, sempre em confronto nos momentos de provar ou comprovar o empenho em se regenerar.
  • 48. Nessas diretrizes, casos haverá deNessas diretrizes, casos haverá de incompatibilidade entre cérebro e corpo;incompatibilidade entre cérebro e corpo; Mutilações, deformidades, inibiçõesMutilações, deformidades, inibições graves e outras dificuldades físicas, doençasgraves e outras dificuldades físicas, doenças etc., para que novos aprendizados sejametc., para que novos aprendizados sejam conquistados.conquistados. Então, nada objeta entender eEntão, nada objeta entender e compreender que os problemas de hoje, sãocompreender que os problemas de hoje, são benefícios solventes de pesadas dívidas debenefícios solventes de pesadas dívidas de ontem, anunciando a vitoriosa felicidade noontem, anunciando a vitoriosa felicidade no amanhã!amanhã!
  • 49. ÚlceraÚlcera planejadaplanejada André LuizAndré Luiz aindaainda analisa a situação de umanalisa a situação de um espírito que deve serespírito que deve ser rematerializado com arematerializado com a possibilidade depossibilidade de surgimento de umasurgimento de uma úlcera logo que chegue aúlcera logo que chegue a maioridade.maioridade. Através deste processo, poderá resgatarAtravés deste processo, poderá resgatar um crime cometido há mais de cem anosum crime cometido há mais de cem anos antes, quando assassinou um homem aantes, quando assassinou um homem a facadas.facadas.
  • 50. A vítima tornou-se seu obsessor eA vítima tornou-se seu obsessor e provocou gradativamente suaprovocou gradativamente sua desmaterialização.desmaterialização. Após sofrer no plano espiritual,Após sofrer no plano espiritual, reergueu-se moralmente e obteve váriasreergueu-se moralmente e obteve várias intercessões (intromissão ou interferênciaintercessões (intromissão ou interferência de...:).de...:). No entanto, pela lei de ação e reação, oNo entanto, pela lei de ação e reação, o crime ainda permanece em aberto, e acrime ainda permanece em aberto, e a rematerialização dolorosa servirá de pena erematerialização dolorosa servirá de pena e reparação.reparação.
  • 51. Obs.Obs. O Espírito não entra no óvulo: apenas seO Espírito não entra no óvulo: apenas se liga, permanecendo como de diz “circunscrito”, presoliga, permanecendo como de diz “circunscrito”, preso apenas pelo “Cordão de Prata”.apenas pelo “Cordão de Prata”.
  • 52. A Gênese nos diz que nossa primeira etapaA Gênese nos diz que nossa primeira etapa evolutiva foi aquática, por isso revivemos toda elaevolutiva foi aquática, por isso revivemos toda ela mergulhados no líquido amniótico.mergulhados no líquido amniótico.
  • 53. O Espírito revive a cada segundo de vidaO Espírito revive a cada segundo de vida intrauterina, milênios de vidas remotas,intrauterina, milênios de vidas remotas, enquanto atravessava as fases animais, semenquanto atravessava as fases animais, sem fixar, no entanto, exatamente as diversasfixar, no entanto, exatamente as diversas formas da espécie.formas da espécie. Terminada a “revisão” de toda a suaTerminada a “revisão” de toda a sua evolução animal, a criança rompe as barreirasevolução animal, a criança rompe as barreiras da animalidade pura e passa ao estadoda animalidade pura e passa ao estado hominal:hominal: Nesse ponto preciso ocorre o nascimento.Nesse ponto preciso ocorre o nascimento. À título de ilustração, mostraremos nosÀ título de ilustração, mostraremos nos slides 58 ao 61 cenas no filme “Nosso Lar”slides 58 ao 61 cenas no filme “Nosso Lar”
  • 54. André Luiz no Umbral...
  • 55. A cena filmadaA cena filmada neste espaço é doneste espaço é do momento em quemomento em que André Luiz chegaAndré Luiz chega ao hospital daao hospital da colônia NOSSOcolônia NOSSO LAR, depois deLAR, depois de um longo períodoum longo período no Umbral.no Umbral.
  • 56. Momento de Lísias com André Luiz. Tratamento de André Luiz no hospital Colônia
  • 57. Uma das equipes socorristas do Nosso Lar. Sala de Palestras e Doutrinação Nosso Lar.
  • 58.
  • 59. Os líderes Umbralinos podem planejar as materializações? As materializações dos Espíritos obedecem, como tudo, a uma lei. É evidente que tudo se fundamenta em uma ordem universal e seria acreditar no caos e na desordem pensar que coisas tão importantes como a programação da vida de um ser imortal pudesse ser feito por entidades sem nenhum compromisso com o BEM, com a lei de Deus. As materializações obedecem a um projeto divino, mesmo que aparentemente possa parecer o contrário, em algumas situações. Os Espíritos superiores trabalham em Seu nome e realizam todas as suas obras, desde os planos mais
  • 60.
  • 61.  Não há improvisações nos procedimentos que antecedem as experiências da rematerialização;  Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade;  A escolha das provas merece cuidados especiais por parte dos Espíritos planejadores;  O planejamento pode ser feito pelo próprio Espírito ou por outros mais adiantados, dependendo das condições do Espírito;  O planejamento da rematerialização prevê, em geral, apenas os principais acontecimentos que poderão ocorrer no mundo físico;
  • 62. Independentemente de quem fez o planejamento, não há garantias de que ele será cumprido, total ou parcialmente;  O planejamento da rematerialização está ligado às consequências do uso do livre-arbítrio e do nível de evolução moral e intelectual do Espírito que irá mergulhar na carne; Enfim, os planejamentos da rematerialização são muito diversificados, pois diversas são as necessidades humanas. [...] a existência humana não é um ato acidental [...], a justiça exerce seu ministério, todos os dias, obedecendo ao alto desígnio que manda ministrar os dons da vida “a cada um segundo suas obras”
  • 63.
  • 64. Pelas provações de nosso cotidiano, buscamos sempre entender as causas dessas aflitivas atribulações, demonstramos nosso descontrole e nossa fé ainda tênue e frágil sempre que nos encontramos em situações contrarias aos nossos anseios materiais. Tornamo-nos deflagradores de varias mazelas e angustias, pelo fato de não compreendermos a benemérita conquista em desvencilhar das tentações da carne e nos afinamos as escabrosidades (falta de pudor, de moral) de nossa existência, onde optamos em mantermo-nos na infeliz condição de filhos rejeitados pela providencia divina.
  • 65. Podemos tentarPodemos tentar enganar, porém, acabaremosenganar, porém, acabaremos igual aoigual ao lendáriolendário Rei Sísifo daRei Sísifo da Tessália que, por tentarTessália que, por tentar enganar os deuses e fugir daenganar os deuses e fugir da morte, foi condenado, amorte, foi condenado, a empurrar uma enorme rochaempurrar uma enorme rocha montanha acima.montanha acima. Cada vez que ai atingirCada vez que ai atingir o cume, a rocha caia,o cume, a rocha caia, forçando-o a recomeçar.forçando-o a recomeçar. Vejamos a seguir, uma bela figuração paraVejamos a seguir, uma bela figuração para as rematerializações expiatórias causadas poras rematerializações expiatórias causadas por ausência do bem.ausência do bem.
  • 67. 1. KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, 2009. Livro Segundo - Cap. I – Dos Espíritos – Item IV – Pluralidade das Existências - Questão 171 – Comentário - Pág. 106. 2. _______. Questão 171 – Comentário - Pág. 106 3. _______.Cap. VI – Vida Espírita – Item V – Escolha das Provas - Questão 258 - Pág. 137. 4. _______. Questão 258-a - Pág. 137. 5. _______. Questão 259 - Pág. 137. 6. _______. Questão 259 - Págs. 137-138. 7. _______. Questão 261 - Pág. 138. 8. _______. Questão 262 - Pág. 138.
  • 68. 9. _______. Questão 262-a - Pág. 138. 10. ______. ESDE – Tomo I – Pág. 206. 11. _______. Questão 264 - Pág. 139. 12. PEREIRA. Yvonne do Amaral. Memórias de um Suicida. 25ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2003 - 2ª Parte – Item: Prelúdios da Rematerialização - Pág. 377. 13. XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA. Waldo. Evolução em Dois Mundos. Pelo Espírito André Luiz – 23ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – 1ª Parte – Cap. 19 (Almas e Rematerialização) - Item: Depois da Morte - Págs. 187-188. 14. _______, Item: Sementes do Destino – Págs. 189-190. 15. _______, Item: Rematerializações Especiais – Págs. 190-191.
  • 69. 16. _______, Item: Rematerialização e Evolução – Pág. 193. 17. _______, Item: Particularidades da Rematerialização – Pág. 194. 13. XAVIER, Francisco Cândido. E a Vida Continua... Pelo Espírito André Luiz – 31ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Capítulos 16 a 26 – Págs. 155-296. 14. ________, Missionários da Luz. Pelo Espírito André Luiz – 40ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Cap. 12 (Preparação de Experiências) – Pág. 195-226 – Cap. 13 (Rematerialização) – Págs. 227-296. 14. ________, Nosso Lar. Pelo Espírito André Luiz – 55ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Cap. 8 - Págs. 55-56.

Notas do Editor

  1. André Luiz observando em especial o modelo cérebro, cerebelo, medula espinhal etc.
  2. Nos pavilhões de desenho, onde numerosos cooperadores traçavam planos para reencarnações incomuns