SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
Materializações nos Diferentes Mundos
1804-1869
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos
1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal
2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo:
Matéria e EspíritoMatéria e Espírito
3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra
4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza:
Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal
5. Diferentes Categorias de Mundos
Habitados
6. Materialização nos Diferentes Mundos
77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos
1. Busca incessante pela felicidade;
2. Negação do sofrimento;
3. A importância de sabermos de onde viemos,
e para onde vamos;
4. O que fazemos alocados na Terra, e qual
será a nossa destinação espiritual.
O estudo da Doutrina Espírita nos conduz,
certamente, a essa compreensão.
Quando tomamos conhecimento das
orientações básicas que os Espíritos Superiores
transmitiram a Allan Kardec, tais como:
Deus, Espírito, matéria, comunicabilidade com
os Espíritos, materialização, desmaterialização e
rematerialização, pluralidade das existências e dos
mundos, o bem e o mal, as leis Morais etc.
Subsídios
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos
De acordo com o ensinamento da Doutrina
Espírita:
Devendo o Espírito que passar por muitas
materializações, conclui-se que todos nós tivemos
muitas existências e que teremos outras, mais ou
menos aperfeiçoadas, seja na Terra ou em outros
mundos (4).
177 - Para chegar à perfeição e à felicidade
suprema, que é o objetivo final de todos os homens,
o Espírito deve passar pela série de todos os
mundos que existem no Universo?
- Não, porque à muitos mundos que se
encontram no mesmo grau (na escala evolutiva) e
onde os Espíritos nada aprenderiam de novo (5).
178 - O Espírito pode renascer corporalmente
num mundo relativamente inferior àquele em que
já viveu?
- Sim, quando têm uma missão a cumprir,
para ajudar o progresso; e então aceita com
alegria as tribulações dessa existência, porque
lhes fornece um meio de se adiantarem (7).
177-a - Como então explicar a pluralidade de
suas existências num mesmo globo?
- Eles podem ali se encontrar de cada vez,
em posição bastante diferentes (das anteriores),
que serão outras tantas ocasiões de adquirir
experiência (6).
180 - Ao passar deste mundo para outro, o
Espírito conserva a inteligência que tinha aqui?
- Sem dúvida, pois a inteligência nunca se perde.
Mas ele pode não dispor dos mesmos meios
para manifestá-la.
Isso depende da sua superioridade e do estado
do corpo que adquirir (9). (ver Item IV influência do
organismo, questão 367).
367 - O Espírito, ao unir-se ao corpo, identifica-se
com a matéria?
- A matéria não é mais que o envoltório do
Espírito, como a roupa é o envoltório do corpo.
O Espírito, ao se unir ao corpo, conserva os
atributos da natureza espiritual.
178-a: Isso não pode também acontecer
como expiação, e Deus não pode enviar os
Espíritos rebeldes a mundos inferiores?
- Os Espíritos podem permanecer
estacionários, mas nunca retroagem (8).
Dessa forma, os [...] Espíritos materializados
num mundo não estão ligados a ele indefinidamente,
e não passam nesse mundo por todas as fases do
progresso que devem realizar, para chegar à
perfeição
Quando atingem o grau de adiantamento
necessário, passam para outro mundo mais
adiantado, e assim sucessivamente, até chegarem
ao estado de Espíritos puros.
Os mundos são as estações em que eles
encontram os elementos de progresso
proporcionais ao seu adiantamento.
É para eles uma recompensa passarem a um
mundo de ordem mais elevada, como é um castigo
prolongarem sua permanência num mundo infeliz,
ou serem relegados a um mundo ainda mais
infeliz, por se haverem obstinado (persistido) no
mal (1).
Essa passagem dos Espíritos para um outro
planeta mais ou menos adiantados, em relação ao
mundo em que estavam materializados, pode ser
individual ou coletiva.
Para melhor compreensão desse processo,
comparemos essa transmigração de um mundo a
outro à que se dá com as desmaterializações e
rematerializações na Terra.
Assim é que no [...] intervalo de suas
existências corpóreas, os Espíritos se encontram no
estado de erraticidade e compõem população
espiritual ambiente do globo (Terra).
Pelas mortes e nascimentos, essas duas
populações, se permutam incessantemente;
Operam-se, pois, incessantemente,
emigrações do mundo corpóreo para o mundo
espiritual e imigrações do mundo espiritual para o
mundo corpóreo: é o estado normal (2).
Essa transfusão, que se opera entre a
população materializada e desmaterializada de
um planeta, igualmente se efetua entre os
mundos, seja individualmente nas condições
normais, seja por massas em circunstâncias
especiais.
Há pois, emigrações e imigrações coletivas,
de um mundo para outro.
Delas resulta a introdução, na população de
um globo, de elementos inteiramente novos;
Novas raças de Espíritos, que vêm se
misturar às raças existentes, constituem novas
raças de homens.
Ora, como os Espíritos nunca mais perdem
o que adquiriram, trazem com eles a inteligência
e a intuição dos conhecimentos que possuem;
Por conseguinte, imprimem seu caráter à
raça corporal que vieram animar.
Para isso, não têm necessidade de que
novos corpos sejam especialmente para seu uso;
Desde que a espécie corporal existe,
encontram-nos prontos a recebe-los.
São, pois, simplesmente, novos habitantes;
Chegando sobre a Terra, a princípio fazem
parte de sua população espiritual, e depois
materializam-se como os outros (3).
182 Comentário - À medida que o Espírito
se purifica, o corpo que o reveste aproxima-se
igualmente da natureza espírita.
A matéria se torna menos densa, ele já não
se arrasta penosamente pelo solo, suas
necessidades físicas são menos grosseiras, os
seres vivos não têm necessidade de se
destruírem para se alimentar.
O Espírito é mais livre, e tem, para as
coisas distanciadas, percepções que
desconhecemos:
Vê pelos olhos do corpo aquilo que só
vemos pelo pensamento.
[...] A duração da vida, nos diferentes
mundos, parece proporcional ao seu grau de
superioridade física e moral, e isso é perfeitamente
racional.
Quanto menos material, menos sujeito às
vicissitudes que o desorganizam.
Quanto mais puro é o Espírito, menos sujeito
às paixões que o enfraquecem (11).
Sendo assim, nas [...] esferas superiores à
Terra o império (predomínio) da matéria é menor.
Os males por esta originados atenuam-se à
medida que o ser se eleva e acabam por
desaparecer.
Lá, o ser humano não mais se arrasta
penosamente sob a ação de pesada atmosfera;
desloca-se de um lugar para outro com muita
facilidade.
As necessidades corpóreas são quase nulas e
os trabalhos rudes, desconhecidos.
Mais longa que a nossa, a existência aí se
passa no estudo, na participação das obras de uma
civilização aperfeiçoada, tendo por base a mais pura
moral, o respeito aos direitos de todos, a amizade e
a fraternidade (15).
Isso Posto, podemos dizer que os mundos,
como tudo o que existe no Universo, estão sujeitos à
LEI DO PROGRESSO.
185 - O estado físico e moral dos seres vivos
é perpetuamente o mesmo em cada globo?
- Não; Os mundos também estão submetidos
à lei do progresso.
Todos começam como o vosso em um
estado inferior, e a Terra mesma sofrerá uma
transformação semelhante, tornando-se um
paraíso terrestre, quando os homens se fizerem
bons (12).
181 - Os seres que habitam os diferentes
mundos têm corpos semelhantes aos nossos?
- Sem dúvida que têm corpos, porque é
necessário que o Espírito se revista de matéria
para agir sobra ela;
Mas esse envoltório é mais ou menos
material, segundo o grau de pureza a que
chegaram os Espíritos, e é isso que determina as
diferenças entre os mundos que temos de
percorrer.
Porque há muitas moradas na casa de nosso
Pai, e muitos graus, portanto.
Alguns o sabem, e têm consciência disso
aqui na Terra, mas outros nada sabem (10).
187 - A substância do perispírito é a mesma
em todos os globos?
- Não; é mais eterizada em uns do que em
outros.
Ao passar de um para outro mundo, o Espírito
se reveste da matéria própria de cada um com mais
rapidez que o relâmpago (14).
186 - Há mundos em que o Espírito, deixando
de viver num corpo material, só tem por envoltório o
perispírito?
- Sim; é esse envoltório torna-se de tal maneira
etéreo, que para vós é como se não existisse; eis
então o estado de Espíritos puros (13).
Os Instrutores Espirituais nos dizem que: Não
existe uma demarcação precisa entre o estado das
últimas materializações e do Espírito Puro.
A diferença se dilui pouco a pouco e se torna
insensível, como a noite se dilui ante as primeiras
claridades do dia.
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª
ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 -
Cap. III – Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai
– Item: Diversas Categorias de Mundos Habitados
- Qst. 5 – Pág. 53-54.
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
2.________,A Gênese. Tradução de J.
Herculano Pires. 23ª ed. Brás - São Paulo: LAKE,
Março 2010 - Cap. XI – GÊNESE ESPIRITUAL – Item:
Emigração e Imigração dos Espíritos – Questão. 35 -
Pág. 190.
3.________,Questão 37 - Pág. 191.
4.________,O livro dos Espíritos. Tradução de J.
Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE,
Janeiro 2009 – INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA
DOUTRINA ESPÍRITA - Item VI – Resumo da Doutrina
dos Espíritos – Págs. 32-33.
5.________,Cap. IV – PLURAIDADE DAS
EXISTÊNCIAS - Item III – Materialização nos
Diferentes Mundos – Qst. 177 – Pág. 107.
6.________,Questão 177-a - Pág. 107.
7._______,Questão 178 - Pág. 107.
8._______,Questão 178-a - Pág. 107.
9._______,Questão 180 - Pág. 108.
10.______,Questão 181 - Pág. 108.
11.______,Questão 182 – Comentário - Pág. 108.
12._______,Questão 185 - Pág. 109.
13._______,Questão 186 - Pág. 109.
14._______,Questão 187 - Pág. 109.
15.DENIS, Léon, Depois da Morte - Tradução de
João Lourenço de Souza - 25ª edição – Rio de
Janeiro: FEB 2005 – Quarta Parte – O ALÉM -
Capítulo 35 - A vida Superior – Página 221.
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Moradas na casa do pai
Moradas na casa do paiMoradas na casa do pai
Moradas na casa do pai
Fatoze
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Marcelo Bomfim de Aguiar
 
Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
Existe vida em outros Planetas? O que diz o EspiritismoExiste vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
geenl_usp_sp
 
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Vilmar Vilaça
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
Márcia Albuquerque
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentosEae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Norberto Scavone Augusto
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
Gianete Rocha
 
Moradas
MoradasMoradas
Moradas
ield
 
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos HabitadosPalestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
cab3032
 
Muitas Moradas
Muitas MoradasMuitas Moradas
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
Marta Gomes
 
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMASAULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
Daniel de Melo
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exerciciosPluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Oribes Teixeira
 
Transição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capelaTransição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capela
fmc83
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração

Mais procurados (19)

Moradas na casa do pai
Moradas na casa do paiMoradas na casa do pai
Moradas na casa do pai
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
 
Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
Existe vida em outros Planetas? O que diz o EspiritismoExiste vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo
 
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15Há muitas moradas na casa de meu pai   moc. casimiro cunha - 27-06-15
Há muitas moradas na casa de meu pai moc. casimiro cunha - 27-06-15
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentosEae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
 
Moradas
MoradasMoradas
Moradas
 
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos HabitadosPalestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
 
Muitas Moradas
Muitas MoradasMuitas Moradas
Muitas Moradas
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
 
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMASAULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
AULA 082 EAE DM - ESTUDO DOS SERES E DAS FORMAS
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exerciciosPluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
Pluralidade mundos habitados,aula completa exercicios
 
Transição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capelaTransição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capela
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 

Semelhante a Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos

# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
RobsonTeles6
 
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 1 a 11)
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 1 a 11)Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 1 a 11)
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 1 a 11)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
KEURE SANTOS SILVA
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
home
 
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
Dalila Melo
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
home
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual
Levi Antonio Amancio
 
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
Tiburcio Santos
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
Fatoze
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
Fernando Pinto
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
Lar Irmã Zarabatana
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
Marta Gomes
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Fernando Pinto
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
Carlos Alberto Freire De Souza
 

Semelhante a Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos (20)

# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
 
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 1 a 11)
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 1 a 11)Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 1 a 11)
Ceuinferno 005 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 1 a 11)
 
458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
 
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual
 
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 

Último

Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 

Último (14)

Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 

Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ Materializações nos Diferentes Mundos
  • 4. 1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal 2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo: Matéria e EspíritoMatéria e Espírito 3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra 4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza: Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal 5. Diferentes Categorias de Mundos Habitados 6. Materialização nos Diferentes Mundos 77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
  • 7. 1. Busca incessante pela felicidade; 2. Negação do sofrimento; 3. A importância de sabermos de onde viemos, e para onde vamos; 4. O que fazemos alocados na Terra, e qual será a nossa destinação espiritual. O estudo da Doutrina Espírita nos conduz, certamente, a essa compreensão. Quando tomamos conhecimento das orientações básicas que os Espíritos Superiores transmitiram a Allan Kardec, tais como: Deus, Espírito, matéria, comunicabilidade com os Espíritos, materialização, desmaterialização e rematerialização, pluralidade das existências e dos mundos, o bem e o mal, as leis Morais etc.
  • 10. De acordo com o ensinamento da Doutrina Espírita: Devendo o Espírito que passar por muitas materializações, conclui-se que todos nós tivemos muitas existências e que teremos outras, mais ou menos aperfeiçoadas, seja na Terra ou em outros mundos (4). 177 - Para chegar à perfeição e à felicidade suprema, que é o objetivo final de todos os homens, o Espírito deve passar pela série de todos os mundos que existem no Universo? - Não, porque à muitos mundos que se encontram no mesmo grau (na escala evolutiva) e onde os Espíritos nada aprenderiam de novo (5).
  • 11. 178 - O Espírito pode renascer corporalmente num mundo relativamente inferior àquele em que já viveu? - Sim, quando têm uma missão a cumprir, para ajudar o progresso; e então aceita com alegria as tribulações dessa existência, porque lhes fornece um meio de se adiantarem (7). 177-a - Como então explicar a pluralidade de suas existências num mesmo globo? - Eles podem ali se encontrar de cada vez, em posição bastante diferentes (das anteriores), que serão outras tantas ocasiões de adquirir experiência (6).
  • 12. 180 - Ao passar deste mundo para outro, o Espírito conserva a inteligência que tinha aqui? - Sem dúvida, pois a inteligência nunca se perde. Mas ele pode não dispor dos mesmos meios para manifestá-la. Isso depende da sua superioridade e do estado do corpo que adquirir (9). (ver Item IV influência do organismo, questão 367). 367 - O Espírito, ao unir-se ao corpo, identifica-se com a matéria? - A matéria não é mais que o envoltório do Espírito, como a roupa é o envoltório do corpo. O Espírito, ao se unir ao corpo, conserva os atributos da natureza espiritual.
  • 13. 178-a: Isso não pode também acontecer como expiação, e Deus não pode enviar os Espíritos rebeldes a mundos inferiores? - Os Espíritos podem permanecer estacionários, mas nunca retroagem (8). Dessa forma, os [...] Espíritos materializados num mundo não estão ligados a ele indefinidamente, e não passam nesse mundo por todas as fases do progresso que devem realizar, para chegar à perfeição Quando atingem o grau de adiantamento necessário, passam para outro mundo mais adiantado, e assim sucessivamente, até chegarem ao estado de Espíritos puros.
  • 14. Os mundos são as estações em que eles encontram os elementos de progresso proporcionais ao seu adiantamento. É para eles uma recompensa passarem a um mundo de ordem mais elevada, como é um castigo prolongarem sua permanência num mundo infeliz, ou serem relegados a um mundo ainda mais infeliz, por se haverem obstinado (persistido) no mal (1). Essa passagem dos Espíritos para um outro planeta mais ou menos adiantados, em relação ao mundo em que estavam materializados, pode ser individual ou coletiva.
  • 15. Para melhor compreensão desse processo, comparemos essa transmigração de um mundo a outro à que se dá com as desmaterializações e rematerializações na Terra. Assim é que no [...] intervalo de suas existências corpóreas, os Espíritos se encontram no estado de erraticidade e compõem população espiritual ambiente do globo (Terra). Pelas mortes e nascimentos, essas duas populações, se permutam incessantemente; Operam-se, pois, incessantemente, emigrações do mundo corpóreo para o mundo espiritual e imigrações do mundo espiritual para o mundo corpóreo: é o estado normal (2).
  • 16. Essa transfusão, que se opera entre a população materializada e desmaterializada de um planeta, igualmente se efetua entre os mundos, seja individualmente nas condições normais, seja por massas em circunstâncias especiais. Há pois, emigrações e imigrações coletivas, de um mundo para outro. Delas resulta a introdução, na população de um globo, de elementos inteiramente novos; Novas raças de Espíritos, que vêm se misturar às raças existentes, constituem novas raças de homens.
  • 17. Ora, como os Espíritos nunca mais perdem o que adquiriram, trazem com eles a inteligência e a intuição dos conhecimentos que possuem; Por conseguinte, imprimem seu caráter à raça corporal que vieram animar. Para isso, não têm necessidade de que novos corpos sejam especialmente para seu uso; Desde que a espécie corporal existe, encontram-nos prontos a recebe-los. São, pois, simplesmente, novos habitantes; Chegando sobre a Terra, a princípio fazem parte de sua população espiritual, e depois materializam-se como os outros (3).
  • 18. 182 Comentário - À medida que o Espírito se purifica, o corpo que o reveste aproxima-se igualmente da natureza espírita. A matéria se torna menos densa, ele já não se arrasta penosamente pelo solo, suas necessidades físicas são menos grosseiras, os seres vivos não têm necessidade de se destruírem para se alimentar. O Espírito é mais livre, e tem, para as coisas distanciadas, percepções que desconhecemos: Vê pelos olhos do corpo aquilo que só vemos pelo pensamento.
  • 19. [...] A duração da vida, nos diferentes mundos, parece proporcional ao seu grau de superioridade física e moral, e isso é perfeitamente racional. Quanto menos material, menos sujeito às vicissitudes que o desorganizam. Quanto mais puro é o Espírito, menos sujeito às paixões que o enfraquecem (11). Sendo assim, nas [...] esferas superiores à Terra o império (predomínio) da matéria é menor. Os males por esta originados atenuam-se à medida que o ser se eleva e acabam por desaparecer.
  • 20. Lá, o ser humano não mais se arrasta penosamente sob a ação de pesada atmosfera; desloca-se de um lugar para outro com muita facilidade. As necessidades corpóreas são quase nulas e os trabalhos rudes, desconhecidos. Mais longa que a nossa, a existência aí se passa no estudo, na participação das obras de uma civilização aperfeiçoada, tendo por base a mais pura moral, o respeito aos direitos de todos, a amizade e a fraternidade (15). Isso Posto, podemos dizer que os mundos, como tudo o que existe no Universo, estão sujeitos à LEI DO PROGRESSO.
  • 21. 185 - O estado físico e moral dos seres vivos é perpetuamente o mesmo em cada globo? - Não; Os mundos também estão submetidos à lei do progresso. Todos começam como o vosso em um estado inferior, e a Terra mesma sofrerá uma transformação semelhante, tornando-se um paraíso terrestre, quando os homens se fizerem bons (12). 181 - Os seres que habitam os diferentes mundos têm corpos semelhantes aos nossos? - Sem dúvida que têm corpos, porque é necessário que o Espírito se revista de matéria para agir sobra ela;
  • 22. Mas esse envoltório é mais ou menos material, segundo o grau de pureza a que chegaram os Espíritos, e é isso que determina as diferenças entre os mundos que temos de percorrer. Porque há muitas moradas na casa de nosso Pai, e muitos graus, portanto. Alguns o sabem, e têm consciência disso aqui na Terra, mas outros nada sabem (10). 187 - A substância do perispírito é a mesma em todos os globos? - Não; é mais eterizada em uns do que em outros.
  • 23. Ao passar de um para outro mundo, o Espírito se reveste da matéria própria de cada um com mais rapidez que o relâmpago (14). 186 - Há mundos em que o Espírito, deixando de viver num corpo material, só tem por envoltório o perispírito? - Sim; é esse envoltório torna-se de tal maneira etéreo, que para vós é como se não existisse; eis então o estado de Espíritos puros (13). Os Instrutores Espirituais nos dizem que: Não existe uma demarcação precisa entre o estado das últimas materializações e do Espírito Puro. A diferença se dilui pouco a pouco e se torna insensível, como a noite se dilui ante as primeiras claridades do dia.
  • 25. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. III – Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai – Item: Diversas Categorias de Mundos Habitados - Qst. 5 – Pág. 53-54. ReferênciaReferência BibliográficaBibliográfica
  • 26. 2.________,A Gênese. Tradução de J. Herculano Pires. 23ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Março 2010 - Cap. XI – GÊNESE ESPIRITUAL – Item: Emigração e Imigração dos Espíritos – Questão. 35 - Pág. 190. 3.________,Questão 37 - Pág. 191. 4.________,O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Janeiro 2009 – INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA - Item VI – Resumo da Doutrina dos Espíritos – Págs. 32-33. 5.________,Cap. IV – PLURAIDADE DAS EXISTÊNCIAS - Item III – Materialização nos Diferentes Mundos – Qst. 177 – Pág. 107.
  • 27. 6.________,Questão 177-a - Pág. 107. 7._______,Questão 178 - Pág. 107. 8._______,Questão 178-a - Pág. 107. 9._______,Questão 180 - Pág. 108. 10.______,Questão 181 - Pág. 108. 11.______,Questão 182 – Comentário - Pág. 108. 12._______,Questão 185 - Pág. 109. 13._______,Questão 186 - Pág. 109. 14._______,Questão 187 - Pág. 109. 15.DENIS, Léon, Depois da Morte - Tradução de João Lourenço de Souza - 25ª edição – Rio de Janeiro: FEB 2005 – Quarta Parte – O ALÉM - Capítulo 35 - A vida Superior – Página 221.