SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
CENTRO DE
TRABALHOS ESPÍRITA
ANA LUZ
Provas da Existência de Deus
1804-1869
1. Existência de DEUS
2. Provas da Existência de
DEUS
3. Atributos da Divindade
4. A Providência Divina
Provas da Existência de
DEUS
Objetivo Específico
Citar e analisar provas da
Existência de DEUS
SubsídiosSubsídios
Cada religião [...] explica Deus à sua
maneira;
Cada teoria o descreve a seu modo.
E de tudo isso resulta uma confusão, um
caos inextricável (que não se desembaraça).
[...] Dessa confusão, os ateus têm tirado
argumentos para negar a existência de Deus;
Os positivistas, para o declarar
«incognoscível» (que não se pode conhecer, ou
ser explicado).
Como remediar tal desordem?
Como escapar a essas contradições?
Da mais simples maneira.
Basta elevarmo-nos acima das teorias e
dos sistemas, bastante alto para as ligar em seu
conjunto e pelo que têm de comum.
Basta elevarmo-nos até à grande Causa, na qual
tudo se resume e tudo se explica (10).
Duvidar da existência de Deus é negar que
todo efeito tem uma causa e declarar que o nada
pode fazer alguma coisa.
A prova da existência de Deus, como dizem
os Espíritos Superiores, pode ser encontrada em
um [...] axioma que aplicais às vossas ciências.
Não há efeito sem causa.
Procurai a causa de tudo o que não é obra
do homem e a vossa razão responderá (6).
Vemos constantemente uma imensidade
de efeitos, cuja causa não está na
Humanidade, pois que a Humanidade é
impotente para produzi-los, ou, sequer, para
os explicar.
[...] Tais efeitos absolutamente não se
produzem ao acaso, fortuitamente e em
desordem.
Desde a organização do mais pequenino
inseto e da mais insignificante semente, até a lei
que rege os mundos que circulam, no Espaço,
tudo atesta uma ideia diretora, uma
combinação, uma previdência, uma solicitude,
que ultrapassam todas as combinações
humanas.
A causa é, pois, soberanamente inteligente (9).
Constitui princípio elementar que se julgue uma
causa pelos seus efeitos, mesmo quando não se
seja a causa (ou seja, mesmo quando ela se
conserve oculta).
Se um pássaro é atingido por um projétil
mortal, deduz-se que um hábil atirador o atingiu,
mesmo que não se veja o atirador.
Portanto, nem sempre é necessário ter
visto uma coisa para saber que ela existe.
Em tudo, observando os efeitos que se
chega ao conhecimento das causas (1).
Outro princípio igualmente elementar, tão
verdadeiro que é admitido como axioma
(verdade incontestável), é que todo efeito
inteligente tem que ter (decorrer) de uma causa
inteligente.
Se perguntassem qual é o construtor de
certo mecanismo engenhoso, que pensaríamos
daquele que respondesse que ele se fez a si
mesmo?
Quando se contempla uma obra-prima da
arte ou da indústria, diz-se que ela deve ter sido
produzida por um homem de gênio, porque só
uma alta inteligência poderia concebê-la.
Reconhece-se, no entanto, que terá sido
obra de um homem, porque se sabe que a coisa
não está acima da capacidade humana;
Mas, a ninguém dirá que ela do cérebro de
um idiota ou de um ignorante, nem, e menos
ainda que ela seja o trabalho de um animal, ou
produto do acaso (2).
Como nenhum ser humano pode criar o que
a Natureza produz, a causa primária (primeira) há
de estar numa inteligência superior à
Humanidade.
Sejam quais forem os prodígios realizados
pela inteligência humana, esta inteligência tem
também uma causa, e quanto maior for a sua
realização, maior deve ser a causa primária.
Esta inteligência superior é a causa primária
(primeira) de todas as coisas, qualquer que seja o
nome pelo qual o homem a designe (8).
Pois bem! Lançando o olhar em torno de si,
sobre as obras da Natureza, e observando a
previdência, a sabedoria, a harmonia que
presidem a todas as coisas, reconhecemos que
nenhuma há que não ultrapasse o mais alto
alcance da inteligência humana.
Ora, desde que o homem não a pode
produzir, é que elas são produto de uma
inteligência superior à Humanidade, a não ser que
admitamos haver efeitos sem causa (3).
A harmonia que regula as forças do
Universo revela combinações e fins determinados,
e por isso mesmo um poder inteligente.
Atribuir a formação primária ao acaso, seria
uma falta de senso, porque o acaso é cego e não
pode produzir efeitos inteligentes.
Um acaso inteligente já não seria um acaso. (7).
Deus não se mostra, mas afirma-se (revela-se)
mediante suas obras (4).
A existência de Deus é pois, uma fato
assente (uma realidade comprovada), não só pela
revelação, mas também pela evidência material
dos fatos.
Os povos selvagens não tiveram
(nenhuma) revelação;
No entretanto, creem instintivamente na
existência de um poder sobre-humano.
Eles veem coisas que estão acima do
poder Humano;
Por isso concluem que elas são
provenientes de um ente superior .
Provêm de um ente superior à
Humanidade.
Não são eles mais lógicos do que os que
pretendem (que acreditam) que tais coisas se
fizeram a si mesmas? (5).
AnexoAnexo
Existência deExistência de
DeusDeus
Conta-se que um velho árabe analfabeto
orava com tanto fervor e com tanto carinho,
cada noite, que, certa vez, o rico chefe de
grande caravana chamou-o à sua presença e
lhe perguntou:
— Por que oras com tanta fé? Como
sabes que Deus existe, quando nem ao menos
sabes ler?
O crente fiel respondeu:
— Grande senhor, conheço a existência
de Nosso Pai Celeste pelos sinais dele.
— Como assim? — indagou o chefe,
admirado.
O servo humilde explicou-se:
— Quando o senhor recebe uma carta
de pessoa ausente, como reconhece quem a
escreveu?
— Pela letra.
— Quando o senhor recebe uma joia,
como é que se informa quanto ao autor dela?
— Pela marca do ourives.
O empregado sorriu e acrescentou:
— Quando ouve passos de animais, ao
redor da tenda, como sabe, depois, se foi um
carneiro, um cavalo ou um boi?
— Pelos rastros – responde o chefe,
surpreendido.
Então, o velho crente convidou-o para
fora da barraca e, mostrando-lhe o céu onde a
lua brilhava, cercada por multidões de estrelas,
exclamou, respeitoso:
— Senhor, aqueles sinais, lá em cima,
não podem ser dos homens!
Nesse momento, o orgulhoso
caravaneiro, de olhos lacrimosos, ajoelhou-se
na areia e começou a orar também.
XAVIER, Francisco Cândido. Pai Nosso. Pelo Espírito
Meimei. 27ª edição – Rio de Janeiro: FEB, 2006 – Cap. I.
Nenhum homem que tenha vivido conhece
mais sobre a vida depois da morte que eu ou
você.
Toda religião simplesmente desenvolveu-
se com base no medo, ganância, imaginação e
poesia.
A percepção do
desconhecido é a mais
fascinante das
experiências.
Albert
Einstein
1879-1955
O homem que não
tem os olhos abertos
para o misterioso
passará pela vida sem
ver nada.
ReferênciaReferência
BibliográficBibliográfic
aa
1. KARDEC, Allan. O Gênese. Tradução de
J. Herculano Pires. 23ª ed. São Paulo: LAKE,
2010. Capítulo II DEUS - Item: Existência de Deus
– Questão 2 - Pág. 53.
2. ______. Questão 3 - Pág. 53.
3. ______. Questão 5 - Pág. 54.
4. ______. Questão 6 - Pág. 55.
5. ______. Questão 7 - Pág. 55.
6._____. O livro dos Espíritos. Tradução de
J. Herculano Pires. 68ª ed. São Paulo: LAKE,
2009. Livro Primeiro – As Causas Primárias –
Capítulo I DEUS – Item II – Provas da Existência
de Deus – Questão 4 - Pág. 57
7. ______. Questão 8 – Comentário - Pág.
58.
8. ______. Questão 9 – Comentário - Págs.
58-59.
9._____. Obras Póstumas. Tradução de
Guillon Ribeiro - 38ª ed. Rio de Janeiro: FEB
2005 – Profissão e Fé Espírita Raciocinada
Primeira Parte – Capítulo I DEUS – Item I – Pág.
31
4. DENIS, Léon. O Grande Enigma. 14ª ed.
Rio de Janeiro: FEB 2005 – 1ª Parte – Cap. 9 –
(Objeções e Contradições) - Págs. 110-111.
Roteiro 2   provas da existência de deus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
guest165a7dc
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
Joaquim Melro
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
mluisavalente
 
Introdução à dúvida cartesiana
Introdução à dúvida cartesianaIntrodução à dúvida cartesiana
Introdução à dúvida cartesiana
Wilson Rodrigues
 
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascal
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascalExpoentes da filosofia moderna descartes x pascal
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascal
Rafael Tomazini
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
Roteiro 1 existência de deus
Roteiro 1   existência de deusRoteiro 1   existência de deus
Roteiro 1 existência de deus
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Cogito_Descartes
Cogito_DescartesCogito_Descartes
Cogito_Descartes
 
Introdução à dúvida cartesiana
Introdução à dúvida cartesianaIntrodução à dúvida cartesiana
Introdução à dúvida cartesiana
 
A dedução de verdades
A dedução de verdadesA dedução de verdades
A dedução de verdades
 
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascal
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascalExpoentes da filosofia moderna descartes x pascal
Expoentes da filosofia moderna descartes x pascal
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Power point 1 o projeto de descartes
Power point  1   o projeto de descartesPower point  1   o projeto de descartes
Power point 1 o projeto de descartes
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 

Semelhante a Roteiro 2 provas da existência de deus

1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)
Alice Lirio
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
divinaluztk
 

Semelhante a Roteiro 2 provas da existência de deus (20)

Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
 
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espíritoRoteiro  3   provas da existência e da sobrevivência do espírito
Roteiro 3 provas da existência e da sobrevivência do espírito
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardecDeus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do Universo
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)
 
Livro dos Espiritos 221 - Evangelho Cap XVI - item 7
Livro dos Espiritos 221 - Evangelho Cap XVI - item 7Livro dos Espiritos 221 - Evangelho Cap XVI - item 7
Livro dos Espiritos 221 - Evangelho Cap XVI - item 7
 
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
 
Visão espírita sobre a Superstição
Visão espírita sobre a SuperstiçãoVisão espírita sobre a Superstição
Visão espírita sobre a Superstição
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
 
080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1
 
080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 

Último

Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
StelaWilbert
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 

Último (13)

Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 

Roteiro 2 provas da existência de deus

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ Provas da Existência de Deus
  • 3.
  • 4. 1. Existência de DEUS 2. Provas da Existência de DEUS 3. Atributos da Divindade 4. A Providência Divina
  • 5. Provas da Existência de DEUS Objetivo Específico Citar e analisar provas da Existência de DEUS
  • 6.
  • 8. Cada religião [...] explica Deus à sua maneira; Cada teoria o descreve a seu modo. E de tudo isso resulta uma confusão, um caos inextricável (que não se desembaraça). [...] Dessa confusão, os ateus têm tirado argumentos para negar a existência de Deus; Os positivistas, para o declarar «incognoscível» (que não se pode conhecer, ou ser explicado). Como remediar tal desordem? Como escapar a essas contradições?
  • 9. Da mais simples maneira. Basta elevarmo-nos acima das teorias e dos sistemas, bastante alto para as ligar em seu conjunto e pelo que têm de comum. Basta elevarmo-nos até à grande Causa, na qual tudo se resume e tudo se explica (10). Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e declarar que o nada pode fazer alguma coisa. A prova da existência de Deus, como dizem os Espíritos Superiores, pode ser encontrada em um [...] axioma que aplicais às vossas ciências.
  • 10. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá (6). Vemos constantemente uma imensidade de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, pois que a Humanidade é impotente para produzi-los, ou, sequer, para os explicar. [...] Tais efeitos absolutamente não se produzem ao acaso, fortuitamente e em desordem.
  • 11. Desde a organização do mais pequenino inseto e da mais insignificante semente, até a lei que rege os mundos que circulam, no Espaço, tudo atesta uma ideia diretora, uma combinação, uma previdência, uma solicitude, que ultrapassam todas as combinações humanas. A causa é, pois, soberanamente inteligente (9). Constitui princípio elementar que se julgue uma causa pelos seus efeitos, mesmo quando não se seja a causa (ou seja, mesmo quando ela se conserve oculta).
  • 12. Se um pássaro é atingido por um projétil mortal, deduz-se que um hábil atirador o atingiu, mesmo que não se veja o atirador. Portanto, nem sempre é necessário ter visto uma coisa para saber que ela existe. Em tudo, observando os efeitos que se chega ao conhecimento das causas (1). Outro princípio igualmente elementar, tão verdadeiro que é admitido como axioma (verdade incontestável), é que todo efeito inteligente tem que ter (decorrer) de uma causa inteligente.
  • 13. Se perguntassem qual é o construtor de certo mecanismo engenhoso, que pensaríamos daquele que respondesse que ele se fez a si mesmo? Quando se contempla uma obra-prima da arte ou da indústria, diz-se que ela deve ter sido produzida por um homem de gênio, porque só uma alta inteligência poderia concebê-la. Reconhece-se, no entanto, que terá sido obra de um homem, porque se sabe que a coisa não está acima da capacidade humana;
  • 14. Mas, a ninguém dirá que ela do cérebro de um idiota ou de um ignorante, nem, e menos ainda que ela seja o trabalho de um animal, ou produto do acaso (2). Como nenhum ser humano pode criar o que a Natureza produz, a causa primária (primeira) há de estar numa inteligência superior à Humanidade. Sejam quais forem os prodígios realizados pela inteligência humana, esta inteligência tem também uma causa, e quanto maior for a sua realização, maior deve ser a causa primária.
  • 15. Esta inteligência superior é a causa primária (primeira) de todas as coisas, qualquer que seja o nome pelo qual o homem a designe (8). Pois bem! Lançando o olhar em torno de si, sobre as obras da Natureza, e observando a previdência, a sabedoria, a harmonia que presidem a todas as coisas, reconhecemos que nenhuma há que não ultrapasse o mais alto alcance da inteligência humana. Ora, desde que o homem não a pode produzir, é que elas são produto de uma inteligência superior à Humanidade, a não ser que admitamos haver efeitos sem causa (3).
  • 16. A harmonia que regula as forças do Universo revela combinações e fins determinados, e por isso mesmo um poder inteligente. Atribuir a formação primária ao acaso, seria uma falta de senso, porque o acaso é cego e não pode produzir efeitos inteligentes. Um acaso inteligente já não seria um acaso. (7). Deus não se mostra, mas afirma-se (revela-se) mediante suas obras (4). A existência de Deus é pois, uma fato assente (uma realidade comprovada), não só pela revelação, mas também pela evidência material dos fatos.
  • 17. Os povos selvagens não tiveram (nenhuma) revelação; No entretanto, creem instintivamente na existência de um poder sobre-humano. Eles veem coisas que estão acima do poder Humano; Por isso concluem que elas são provenientes de um ente superior . Provêm de um ente superior à Humanidade. Não são eles mais lógicos do que os que pretendem (que acreditam) que tais coisas se fizeram a si mesmas? (5).
  • 19. Conta-se que um velho árabe analfabeto orava com tanto fervor e com tanto carinho, cada noite, que, certa vez, o rico chefe de grande caravana chamou-o à sua presença e lhe perguntou: — Por que oras com tanta fé? Como sabes que Deus existe, quando nem ao menos sabes ler? O crente fiel respondeu: — Grande senhor, conheço a existência de Nosso Pai Celeste pelos sinais dele. — Como assim? — indagou o chefe, admirado.
  • 20. O servo humilde explicou-se: — Quando o senhor recebe uma carta de pessoa ausente, como reconhece quem a escreveu? — Pela letra. — Quando o senhor recebe uma joia, como é que se informa quanto ao autor dela? — Pela marca do ourives. O empregado sorriu e acrescentou: — Quando ouve passos de animais, ao redor da tenda, como sabe, depois, se foi um carneiro, um cavalo ou um boi?
  • 21. — Pelos rastros – responde o chefe, surpreendido. Então, o velho crente convidou-o para fora da barraca e, mostrando-lhe o céu onde a lua brilhava, cercada por multidões de estrelas, exclamou, respeitoso: — Senhor, aqueles sinais, lá em cima, não podem ser dos homens! Nesse momento, o orgulhoso caravaneiro, de olhos lacrimosos, ajoelhou-se na areia e começou a orar também. XAVIER, Francisco Cândido. Pai Nosso. Pelo Espírito Meimei. 27ª edição – Rio de Janeiro: FEB, 2006 – Cap. I.
  • 22.
  • 23. Nenhum homem que tenha vivido conhece mais sobre a vida depois da morte que eu ou você. Toda religião simplesmente desenvolveu- se com base no medo, ganância, imaginação e poesia.
  • 24.
  • 25. A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. Albert Einstein 1879-1955 O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada.
  • 27. 1. KARDEC, Allan. O Gênese. Tradução de J. Herculano Pires. 23ª ed. São Paulo: LAKE, 2010. Capítulo II DEUS - Item: Existência de Deus – Questão 2 - Pág. 53. 2. ______. Questão 3 - Pág. 53. 3. ______. Questão 5 - Pág. 54. 4. ______. Questão 6 - Pág. 55. 5. ______. Questão 7 - Pág. 55. 6._____. O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. São Paulo: LAKE, 2009. Livro Primeiro – As Causas Primárias – Capítulo I DEUS – Item II – Provas da Existência de Deus – Questão 4 - Pág. 57
  • 28. 7. ______. Questão 8 – Comentário - Pág. 58. 8. ______. Questão 9 – Comentário - Págs. 58-59. 9._____. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro - 38ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Profissão e Fé Espírita Raciocinada Primeira Parte – Capítulo I DEUS – Item I – Pág. 31 4. DENIS, Léon. O Grande Enigma. 14ª ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – 1ª Parte – Cap. 9 – (Objeções e Contradições) - Págs. 110-111.