SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
COLÉGIO JÚLIO DINIS




                          René Descartes
                                     Racionalismo




Disciplina: Filosofia

Docente: Prof. Maria Luísa Valente

Ano letivo: 2011/12

                                                            Trabalho realizado por:

                                                            Maria Ana Lopes, Nº11

                                                            Marisa Cardoso, Nº14
O que é o racionalismo?

     Teoria que defende que o nosso conhecimento deriva da razão e que a razão é capaz de conhecer
        verdadeiramente as coisas.
     A razão é a faculdade de raciocinar, compreender, ponderar.
     Considera que o único instrumento adequado ao conhecimento verdadeiro é a razão: é ela que fornece
        as ideias normativas (que seguem aquilo que é regra) e os princípios por meio dos quais conhecemos;
     Defende a existência de ideias inatas;
     É baseado nos princípios da busca da certeza e da demonstração, sustentados por um conhecimento a
        priori, ou seja, conhecimentos que não vêm da experiência e são elaborados somente pela razão.


Racionalismo de Descartes:

Descartes considera que desde pequeno lhe foram atribuídos muitos conhecimentos que se transformam em
crenças (opiniões muitas vezes falsas que se julgam como verdadeiras).

Verifica, então, que o conjunto de conhecimentos que lhe foram transmitidos assenta em bases frágeis. O
edifício do conhecimento tem base desorganizada e desordenada.

A sua intenção é começar tudo de novo desde os fundamentos, ou seja, Descartes pretende submeter o saber
da sua época a um exame radical, não aceitando como verdadeiro nada que não reconheça como sendo
verdadeiro.

Apesar de parecer um filósofo completamente desiludido, Descartes manifesta um grande entusiasmo pelo
conhecimento matemático.

Esse conhecimento é puramente racional, claro e distinto, de tipo dedutivo, em que raciocínios se encadeiam de
forma rigorosa; por isso, Descartes pretende aplicar esse modelo de raciocínio à atividade filosófica.


Objetivo de Descartes:

O objetivo fundamental do pensamento de Descartes é uma profunda reforma do conhecimento humano.

Apesar de haver conhecimentos verdadeiros, estes assentam em alicerces frágeis porque as bases do edifício do
saber são conhecimentos duvidosos ou falsos.

Assim, a fundamentação do saber e a sua ordenação são as duas exigências essenciais da crítica cartesiana a
respeito do saber tradicional.
Método
Para mostrar que a razão pode atingir um conhecimento verdadeiro, Descartes vai criar um método.
Este       método      tem     como      objetivo     a     obtenção      de   uma      verdade     indiscutível.
As regras são:

     Evidência – só aceita como verdadeiro o que surge como absolutamente indubitável, sem a menor
          sombra de dúvida;
     Análise – dividir o complexo em simples;
     Síntese – fazer o percurso do simples para o complexo;
     Enumeração – fazer tudo de novo para verificar se não se enganou/esqueceu de nada.

O conhecimento verdadeiro chega com o uso de duas operações:

    1) Intuição racional – ato de apreensão imediata de noções simples, evidentes e indubitáveis;
    2) Dedução – encadeamento de intuições (permite aumentar o conhecimento)


Importância da dúvida:

Recusando tudo que possa suscitar incerteza, a dúvida afirma-se como um modo de evitar o erro. A dúvida é um
instrumento da razão na busca da verdade. A dúvida procura impedir a razão de considerar como verdadeiros
conhecimentos que não o são.


CARACTERÍSTICAS DA DÚVIDA

As principais características da dúvida cartesiana são:

        Metódica – é um caminho para chegar à verdade;

        Provisoria – encontrada a verdade a dúvida desaparece;

        Hiperbólica – é exagerada, coloca mesmo a possibilidade da existência de um génio maligno que se
          diverte a fazer-nos crer que é verdade o que afinal seria mentira;

        Radical – vai à raiz, aos fundamentos; atinge a fonte sensorial e metafisica (coloca a possibilidade de
          não existir absolutamente nada, nem mesmo Deus);

        Voluntária – duvida porque quer.

Podemos ainda, atribuir à dúvida as seguintes características:

        Racional – instrumento da razão;
 Sistemática – examina cuidadosamente cada saber;

     Construtiva e positiva – a partir dela podemos encontrar a verdade de construir um conhecimento
        seguro.


NÍVEIS DE APLICAÇÃO DA DÚVIDA

1º Nível – sentidos (visto como primeira base do conhecimento tradicional)

Descartes constata que todo o conhecimento que havia recebido até aquela data vinha dos sentidos – era visto
como verdadeiro e seguro. Mas, afinal, não eram seguros (experimentou alguns enganosos – impressão que é
redondo o que é quadrado, o partido inteiro…). Então, resolve nunca acreditar em quem já nos enganou.

2º Nível – mundo físico existe e é objeto de conhecimento

Inicialmente, Descartes coloca a questão: Como negar a evidencia de que estas mãos e este corpo são meus?.
Não nega que as mãos e o corpo sejam dele, não seria sensato, mas encontra um objeção ao raciocínio: eu só
Homem e durmo e se durmo, sonho e quando sonho tudo parece real, então não há forma clara de distinguir a
vigília (realidade) do sonho.

3º Nível – razões para duvidar que o nosso entendimento/razão confunde verdadeiro e falso

Neste nível Descartes querendo estender ao máximo a dúvida, ele constata que também nos princípios e
demonstrações matemáticas pode haver enganos, pois há homens que já se enganaram nessas matérias e não
sabemos, diz-nos, se Deus, que nos criou e pode fazer tudo o que quiser, nos criou de forma a que
consideremos o falso como verdadeiro (“às avessas”), já que permitiu que nos enganássemos algumas vezes,
como podemos ter a certeza de que não nos enganamos sempre? Por outro lado, podemos considerar a
existência de um génio maligno, diz Descartes, que se divertiria a fazer-nos crer que a mentira era verdade.


1ª Certeza – penso, logo existo (cogito)

A dúvida irá conduzir a razão a uma primeira verdade incontestável.

Mesmo que se duvide ao máximo, não se pode duvidar da existência daquele que duvida. A dúvida é um ato do
pensamento             e         não          pode           acontecer          sem           um           autor.
Chegamos então à primeira verdade: penso, logo existo. Toda a mente humana sabe de forma clara e distinta
que, para duvidar, tem que existir.

A verdade, para Descartes, deve obedecer aos critérios da clareza e distinção. A verdade eu penso, logo existo é
uma evidência. Trata-se de um conhecimento claro e distinto que irá servir de modelo para todas as verdades
que a razão possa alcançar. Este tipo de conhecimento deve-se exclusivamente ao exercício da razão e não dos
sentidos. Descartes mostrou que a razão, só por si, é capaz de produzir conhecimentos verdadeiros, pois ela
alcançou uma verdade inquestionável. Mas apesar da razão ter chegado ao conhecimento verdadeiro, ainda não
está excluída a hipótese do Deus enganador. Descartes considera fundamental demonstrar a existência de Deus,
um Deus que traga segurança e seja garantia das verdades.


A existência de Deus

Descartes considera que termos a perceção que existimos não chega para a fundamentação do conhecimento.

Para Descartes, é essencial descobrir a causa de o nosso pensamento funcionar como funciona e explicar a
causa da existência do sujeito pensante.

Parte das ideias que estão presentes no sujeito para provar a existência de Deus.

As ideias que qualquer indivíduo possui são de três tipos: adventícias (provenientes a partir dos sentidos),
factícias (provenientes da imaginação) e inatas (claras e distintas).

Uma das ideias inatas que todos nós temos na mente é a ideia de perfeição. É esta ideia que Descartes vai usar
como ponto de partida para as provas da existência de Deus.

Para comprovar a existência de Deus apresenta três provas:

1ª Prova (argumento ontológico): parte da ideia de que na ideia de ser perfeito estão contidas todas as
perfeições, ora a existência é uma dessas perfeições (é “mais perfeito” existir do que não existir) então, Deus
existe, existir é inerente à existência de Deus.

2ª Prova (base no princípio da causalidade): a ideia de ser perfeito não pode ter sido produzida por alguém
imperfeito, seria contraditório, além disso a ideia de perfeição representa uma substância infinita e o sujeito
pensante é finito e não pode produzir o infinito (contraditório) e não pode vir do nada, então só pode vir de
Deus (causa de ideia de perfeição);

3ª Prova (base no princípio da causalidade): qual a causa da existência do ser pensante (finito, contingente = é
mas podia não ser e imperfeito), se fosse daria a si mesmo as perfeições das quais apenas possui uma ideia,
além disso, ele permanece, conserva-se o seu ser mas sendo imperfeito e finito não teria a capacidade de o
fazer, daí que o criador e conservador do ser imperfeito e finito seja alguém perfeito e infinito - Deus.


A importância de Deus no sistema Cartesiano e a questão dos erros do ser Humano

Deus, sendo perfeito, não pode ser enganador. Enquanto perfeição, Deus é garantia da verdade das nossas
ideias claras e distintas (por exemplo: 2+2=4 ou penso, logo existo).
Se Deus é perfeito e criador do homem e da realidade, então é também o criador das verdades incontestáveis e
o fundamento da certeza.

Segundo Descartes, é Deus que garante a adequação entre o pensamento evidente (verdadeiro) e a realidade,
conferindo assim validade ao conhecimento.

Deus é a perfeição, ou seja, é o bem, a virtude, a eternidade, logo, não poderá ser o autor do mal nem
responsável pelos nossos erros.

Se Deus não existisse e não fosse perfeito, não teríamos a garantia da verdade dos conhecimentos produzidos
pela razão, nem teríamos a garantia de que um pensamento claro e distinto corresponde a uma evidência, isto
é, a uma verdade incontestável. Se Deus não é enganador, então as nossas evidências racionais são
absolutamente verdadeiras.

Os erros do ser humano resultam de um uso descontrolado da vontade, quando esta se sobrepõe à razão.

Erramos quando usamos mal a nossa liberdade e quando aceitamos como evidentes afirmações que o não são,
logo, Deus não é responsável pelos nossos erros mas é garantia das verdades alcançadas pela razão humana.


As substâncias:

Descartes considera a existência de três substâncias:

       Res-cogitans – substância pensante, cujo atributo essencial é o pensamento;

       Res-divina – substância divina, cujo atributo essencial é a perfeição, que se identifica com os vários
       atributos de Deus: Omnipotência, Omnisciência, suma bondade, etc.

       Res-extensa – substância extensa, cujo atributo essencial é a extensão.

Daqui decorrem os princípios ou fundamentos do conhecimento:

     A existência do pensamento (alma);
     A existência de Deus e a consideração dos seus atributos;
     A existência de corpos extensos em comprimento, largura e altura.

Descartes começa por ser um cético (atitude antidogmática): considera falso tudo o que for, no mínimo,
duvidoso (e obviamente o que for falso) e considera enganador aquilo que alguma vez nos enganou -
Características da dúvida cartesiana. Porém, ao considerar que a razão é capaz de alcançar a certeza e a
verdade a sua filosofia acaba por conduzir ao Dogmatismo (é possível conhecer)
Resumindo...




Itinerário intelectual de Descartes: DÚVIDA   CÓGITO   DEUS   MUNDO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Hume
HumeHume
Hume
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Resumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11ºResumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11º
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 

Destaque

Descartes - Trab Grupo V
Descartes - Trab Grupo VDescartes - Trab Grupo V
Descartes - Trab Grupo Vmluisavalente
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesianoLídia Neves
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVmluisavalente
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaCarson Souza
 
Descartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo IIDescartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo IImluisavalente
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoJoaquim Melro
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesJorge Barbosa
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartesmartinho_nuno
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoJoaquim Melro
 

Destaque (20)

Descartes - Trab Grupo V
Descartes - Trab Grupo VDescartes - Trab Grupo V
Descartes - Trab Grupo V
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Descartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo IIDescartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo II
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
A função da dúvida
A função da dúvidaA função da dúvida
A função da dúvida
 
RENÉ DESCARTES
RENÉ DESCARTESRENÉ DESCARTES
RENÉ DESCARTES
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
Contribuições de René Descartes
Contribuições de René DescartesContribuições de René Descartes
Contribuições de René Descartes
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
O projeto de descartes – versão 1
O projeto de descartes – versão 1O projeto de descartes – versão 1
O projeto de descartes – versão 1
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 

Semelhante a Descartes - Trab grupo III

Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoAna Catarina
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfTamraSilva
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxIaraCaldeira2
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalj_sdias
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesAnaKlein1
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01gildapirescosta
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Mateus Ferraz
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeJorge Barbosa
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Erica Frau
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Helena Serrão
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartesmluisavalente
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseAna Felizardo
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1Lair Melo
 

Semelhante a Descartes - Trab grupo III (20)

Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 

Mais de mluisavalente

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdfmluisavalente
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zémluisavalente
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposmluisavalente
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºbmluisavalente
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiamluisavalente
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarmluisavalente
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertidomluisavalente
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidomluisavalente
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacionalmluisavalente
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanomluisavalente
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forensemluisavalente
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência mluisavalente
 

Mais de mluisavalente (20)

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdf
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zé
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat campos
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºb
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreia
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertido
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
 
Filosofia 11
Filosofia 11Filosofia 11
Filosofia 11
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
 
Filosofia jessica
Filosofia jessicaFilosofia jessica
Filosofia jessica
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
 
O arauto de salazar
O arauto de salazarO arauto de salazar
O arauto de salazar
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 

Descartes - Trab grupo III

  • 1. COLÉGIO JÚLIO DINIS René Descartes Racionalismo Disciplina: Filosofia Docente: Prof. Maria Luísa Valente Ano letivo: 2011/12 Trabalho realizado por: Maria Ana Lopes, Nº11 Marisa Cardoso, Nº14
  • 2. O que é o racionalismo?  Teoria que defende que o nosso conhecimento deriva da razão e que a razão é capaz de conhecer verdadeiramente as coisas.  A razão é a faculdade de raciocinar, compreender, ponderar.  Considera que o único instrumento adequado ao conhecimento verdadeiro é a razão: é ela que fornece as ideias normativas (que seguem aquilo que é regra) e os princípios por meio dos quais conhecemos;  Defende a existência de ideias inatas;  É baseado nos princípios da busca da certeza e da demonstração, sustentados por um conhecimento a priori, ou seja, conhecimentos que não vêm da experiência e são elaborados somente pela razão. Racionalismo de Descartes: Descartes considera que desde pequeno lhe foram atribuídos muitos conhecimentos que se transformam em crenças (opiniões muitas vezes falsas que se julgam como verdadeiras). Verifica, então, que o conjunto de conhecimentos que lhe foram transmitidos assenta em bases frágeis. O edifício do conhecimento tem base desorganizada e desordenada. A sua intenção é começar tudo de novo desde os fundamentos, ou seja, Descartes pretende submeter o saber da sua época a um exame radical, não aceitando como verdadeiro nada que não reconheça como sendo verdadeiro. Apesar de parecer um filósofo completamente desiludido, Descartes manifesta um grande entusiasmo pelo conhecimento matemático. Esse conhecimento é puramente racional, claro e distinto, de tipo dedutivo, em que raciocínios se encadeiam de forma rigorosa; por isso, Descartes pretende aplicar esse modelo de raciocínio à atividade filosófica. Objetivo de Descartes: O objetivo fundamental do pensamento de Descartes é uma profunda reforma do conhecimento humano. Apesar de haver conhecimentos verdadeiros, estes assentam em alicerces frágeis porque as bases do edifício do saber são conhecimentos duvidosos ou falsos. Assim, a fundamentação do saber e a sua ordenação são as duas exigências essenciais da crítica cartesiana a respeito do saber tradicional.
  • 3. Método Para mostrar que a razão pode atingir um conhecimento verdadeiro, Descartes vai criar um método. Este método tem como objetivo a obtenção de uma verdade indiscutível. As regras são:  Evidência – só aceita como verdadeiro o que surge como absolutamente indubitável, sem a menor sombra de dúvida;  Análise – dividir o complexo em simples;  Síntese – fazer o percurso do simples para o complexo;  Enumeração – fazer tudo de novo para verificar se não se enganou/esqueceu de nada. O conhecimento verdadeiro chega com o uso de duas operações: 1) Intuição racional – ato de apreensão imediata de noções simples, evidentes e indubitáveis; 2) Dedução – encadeamento de intuições (permite aumentar o conhecimento) Importância da dúvida: Recusando tudo que possa suscitar incerteza, a dúvida afirma-se como um modo de evitar o erro. A dúvida é um instrumento da razão na busca da verdade. A dúvida procura impedir a razão de considerar como verdadeiros conhecimentos que não o são. CARACTERÍSTICAS DA DÚVIDA As principais características da dúvida cartesiana são:  Metódica – é um caminho para chegar à verdade;  Provisoria – encontrada a verdade a dúvida desaparece;  Hiperbólica – é exagerada, coloca mesmo a possibilidade da existência de um génio maligno que se diverte a fazer-nos crer que é verdade o que afinal seria mentira;  Radical – vai à raiz, aos fundamentos; atinge a fonte sensorial e metafisica (coloca a possibilidade de não existir absolutamente nada, nem mesmo Deus);  Voluntária – duvida porque quer. Podemos ainda, atribuir à dúvida as seguintes características:  Racional – instrumento da razão;
  • 4.  Sistemática – examina cuidadosamente cada saber;  Construtiva e positiva – a partir dela podemos encontrar a verdade de construir um conhecimento seguro. NÍVEIS DE APLICAÇÃO DA DÚVIDA 1º Nível – sentidos (visto como primeira base do conhecimento tradicional) Descartes constata que todo o conhecimento que havia recebido até aquela data vinha dos sentidos – era visto como verdadeiro e seguro. Mas, afinal, não eram seguros (experimentou alguns enganosos – impressão que é redondo o que é quadrado, o partido inteiro…). Então, resolve nunca acreditar em quem já nos enganou. 2º Nível – mundo físico existe e é objeto de conhecimento Inicialmente, Descartes coloca a questão: Como negar a evidencia de que estas mãos e este corpo são meus?. Não nega que as mãos e o corpo sejam dele, não seria sensato, mas encontra um objeção ao raciocínio: eu só Homem e durmo e se durmo, sonho e quando sonho tudo parece real, então não há forma clara de distinguir a vigília (realidade) do sonho. 3º Nível – razões para duvidar que o nosso entendimento/razão confunde verdadeiro e falso Neste nível Descartes querendo estender ao máximo a dúvida, ele constata que também nos princípios e demonstrações matemáticas pode haver enganos, pois há homens que já se enganaram nessas matérias e não sabemos, diz-nos, se Deus, que nos criou e pode fazer tudo o que quiser, nos criou de forma a que consideremos o falso como verdadeiro (“às avessas”), já que permitiu que nos enganássemos algumas vezes, como podemos ter a certeza de que não nos enganamos sempre? Por outro lado, podemos considerar a existência de um génio maligno, diz Descartes, que se divertiria a fazer-nos crer que a mentira era verdade. 1ª Certeza – penso, logo existo (cogito) A dúvida irá conduzir a razão a uma primeira verdade incontestável. Mesmo que se duvide ao máximo, não se pode duvidar da existência daquele que duvida. A dúvida é um ato do pensamento e não pode acontecer sem um autor. Chegamos então à primeira verdade: penso, logo existo. Toda a mente humana sabe de forma clara e distinta que, para duvidar, tem que existir. A verdade, para Descartes, deve obedecer aos critérios da clareza e distinção. A verdade eu penso, logo existo é uma evidência. Trata-se de um conhecimento claro e distinto que irá servir de modelo para todas as verdades que a razão possa alcançar. Este tipo de conhecimento deve-se exclusivamente ao exercício da razão e não dos
  • 5. sentidos. Descartes mostrou que a razão, só por si, é capaz de produzir conhecimentos verdadeiros, pois ela alcançou uma verdade inquestionável. Mas apesar da razão ter chegado ao conhecimento verdadeiro, ainda não está excluída a hipótese do Deus enganador. Descartes considera fundamental demonstrar a existência de Deus, um Deus que traga segurança e seja garantia das verdades. A existência de Deus Descartes considera que termos a perceção que existimos não chega para a fundamentação do conhecimento. Para Descartes, é essencial descobrir a causa de o nosso pensamento funcionar como funciona e explicar a causa da existência do sujeito pensante. Parte das ideias que estão presentes no sujeito para provar a existência de Deus. As ideias que qualquer indivíduo possui são de três tipos: adventícias (provenientes a partir dos sentidos), factícias (provenientes da imaginação) e inatas (claras e distintas). Uma das ideias inatas que todos nós temos na mente é a ideia de perfeição. É esta ideia que Descartes vai usar como ponto de partida para as provas da existência de Deus. Para comprovar a existência de Deus apresenta três provas: 1ª Prova (argumento ontológico): parte da ideia de que na ideia de ser perfeito estão contidas todas as perfeições, ora a existência é uma dessas perfeições (é “mais perfeito” existir do que não existir) então, Deus existe, existir é inerente à existência de Deus. 2ª Prova (base no princípio da causalidade): a ideia de ser perfeito não pode ter sido produzida por alguém imperfeito, seria contraditório, além disso a ideia de perfeição representa uma substância infinita e o sujeito pensante é finito e não pode produzir o infinito (contraditório) e não pode vir do nada, então só pode vir de Deus (causa de ideia de perfeição); 3ª Prova (base no princípio da causalidade): qual a causa da existência do ser pensante (finito, contingente = é mas podia não ser e imperfeito), se fosse daria a si mesmo as perfeições das quais apenas possui uma ideia, além disso, ele permanece, conserva-se o seu ser mas sendo imperfeito e finito não teria a capacidade de o fazer, daí que o criador e conservador do ser imperfeito e finito seja alguém perfeito e infinito - Deus. A importância de Deus no sistema Cartesiano e a questão dos erros do ser Humano Deus, sendo perfeito, não pode ser enganador. Enquanto perfeição, Deus é garantia da verdade das nossas ideias claras e distintas (por exemplo: 2+2=4 ou penso, logo existo).
  • 6. Se Deus é perfeito e criador do homem e da realidade, então é também o criador das verdades incontestáveis e o fundamento da certeza. Segundo Descartes, é Deus que garante a adequação entre o pensamento evidente (verdadeiro) e a realidade, conferindo assim validade ao conhecimento. Deus é a perfeição, ou seja, é o bem, a virtude, a eternidade, logo, não poderá ser o autor do mal nem responsável pelos nossos erros. Se Deus não existisse e não fosse perfeito, não teríamos a garantia da verdade dos conhecimentos produzidos pela razão, nem teríamos a garantia de que um pensamento claro e distinto corresponde a uma evidência, isto é, a uma verdade incontestável. Se Deus não é enganador, então as nossas evidências racionais são absolutamente verdadeiras. Os erros do ser humano resultam de um uso descontrolado da vontade, quando esta se sobrepõe à razão. Erramos quando usamos mal a nossa liberdade e quando aceitamos como evidentes afirmações que o não são, logo, Deus não é responsável pelos nossos erros mas é garantia das verdades alcançadas pela razão humana. As substâncias: Descartes considera a existência de três substâncias: Res-cogitans – substância pensante, cujo atributo essencial é o pensamento; Res-divina – substância divina, cujo atributo essencial é a perfeição, que se identifica com os vários atributos de Deus: Omnipotência, Omnisciência, suma bondade, etc. Res-extensa – substância extensa, cujo atributo essencial é a extensão. Daqui decorrem os princípios ou fundamentos do conhecimento:  A existência do pensamento (alma);  A existência de Deus e a consideração dos seus atributos;  A existência de corpos extensos em comprimento, largura e altura. Descartes começa por ser um cético (atitude antidogmática): considera falso tudo o que for, no mínimo, duvidoso (e obviamente o que for falso) e considera enganador aquilo que alguma vez nos enganou - Características da dúvida cartesiana. Porém, ao considerar que a razão é capaz de alcançar a certeza e a verdade a sua filosofia acaba por conduzir ao Dogmatismo (é possível conhecer)
  • 7. Resumindo... Itinerário intelectual de Descartes: DÚVIDA CÓGITO DEUS MUNDO