SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
ROMA ANTIGA
• Ao longo da sua história política os romanos
conheceram três tipos de governo: a
monarquia, a república e o império.
• No século VIII a. C., a península era ocupada
por diversos povos: italiotas, ao centro,
dividindo-se em vários grupos ou tribos;
gregos, estabelecidos em colônias ao sul, na
região conhecida como Magna Grécia;
etruscos, localizados ao norte, entre os Rios
Tibre e Arno.
A FORMAÇÃO DE ROMA
As origens lendárias
• A fundação de Alba Longa é atribuída aos troianos
segundo o poeta Virgílio, em sua obra Eneida.
• História de Rômulo e Remo que foram amamentados
por uma loba.
• O Rapto das Sabinas: tentativa de Rômulo, o primeiro
governante da cidade, de conseguir esposas para a
jovem população masculina romana.
• A Casta Lucrécia: uma jovem de família aristocrática,
seduzida pelo filho do rei do Tarquínio. Esse episódio
teria causado o fim da monarquia.
• Os irmãos Horácios.
- Origem histórica -
• teria surgido por vota do século X a. C., no centro da
Península Itálica, em uma colina chamada Monte
Palatino, a partir da construção de fortificações dos
latinos, povo que vivia, sobretudo, do pastoreio. No
século VIII a. C., vendo-se ameaçados pelos sabinos,
que também viviam na região, os latinos uniram-se.
Essa união de aldeias habitadas por pastores latinos
está na origem da cidade de Roma.
- Influência etrusca –
• Os etruscos viviam ao norte de Roma, na região
oposta ao rio Tibre. Eles se destacavam no comércio
e no artesanato e se instalaram na cidade de Roma
por meio de casamentos ou prestações de serviços
para os romanos. Após a chegada dos etruscos,
Roma aumentou seu comércio e prosperou bastante.
A MONARQUIA (753 a.C. / 509 a.C.)
A monarquia teve início com a fundação de
Roma:
• Soberano.
• Senado — Conselho dos Anciãos — órgão
formado exclusivamente por patrícios.
• Assembleia Curiata - reunia todos os cidadãos das
famílias aristocráticas, cuja finalidade era votar as
leis e aprovar a guerra.
Na época da realeza a base da economia era a
agricultura e o pastoreio. O comércio era reduzido.
-
Sociedade romana
• Os patrícios: formavam a aristocracia de Roma. Diziam ser
descendentes dos fundadores de Roma. Eram os mais ricos e
possuíam as melhores terras e gado. Tinham grande participação
política na cidade.
• Os plebeus: representados pelos estrangeiros, pequenos
proprietários, artesãos e comerciantes. Geralmente trabalhavam
para os patrícios. Mesmo quando enriqueciam não podiam
participar efetivamente da vida política da cidade.
• Os clientes: um grupo intermediário entre os patrícios e os plebeus.
Viviam sob a proteção das famílias patrícias, as quais deviam
obediência.
• Os escravos: nessa época já havia escravos em Roma, mas em
número reduzido. Geralmente eram prisioneiros de guerra ou
escravos por dívidas.
Em 509 a.C., um choque entre o rei (que era etrusco) e os patrícios
provocou o fim da monarquia. O rei foi deposto pelos patrícios e foi
implantado o regime republicano.
A REPÚBLICA (509 A.C. / 27 A.C.)
Em 509 a.C., um choque entre o rei (que era
etrusco) e os patrícios provocou o fim da
monarquia. O rei foi deposto pelos patrícios e foi
implantado o regime republicano.
Na República romana, os antigos reis foram
substituídos pelo:
Senado. O principal órgão, formado pelos
patrícios mais ilustres, que exerciam cargos
vitalícios.
Magistrados (Poder Executivo). Eleitos pela
Assembleia Centuriata para um mandato de um
ano.
Os principais magistrados eram:
• Cônsul – era a principal magistratura. Dois cônsules, um
civil e um militar.
• Pretor – estava apenas abaixo dos cônsules, tendo como
função administrar a Justiça.
• Questor – cuidava das finanças públicas.
• Censor – magistrado responsável pelo recenseamento da
população, pela moral dos cidadãos e pela indicação dos
futuros senadores.
• Edil – era responsável pela administração da cidade, sendo
encarregado da supervisão dos mercados, abastecimento
de gêneros alimentícios e policiamento.
• Tribuno da Plebe – representava a plebe perante o Senado
Assembleias (Poder Legislativo) - exercido pelas
assembleias populares. As mulheres e escravos não faziam
parte de nenhuma assembleia, pois não tinham direito de
participar das decisões políticas de Roma.
AS LUTAS SOCIAIS
Os patrícios elegiam os magistrados e senadores e podiam ser
eleitos para esses cargos. Já os plebeus não podiam ser candidatos.
Dessa forma somente os patrícios se revezavam no poder.
Na época da República, a plebe passou a exigir direitos
políticos, o que provocou uma série de conflitos. Eles tiveram início
quando os plebeus formaram um exército próprio, retirando-se de
Roma. Com isso, forçaram os patrícios às concessões, conquistando
vários direitos:
• 494 a. C. - Os Tribunos da Plebe:
• 450 a. C. - Lei das Doze Tábuas, primeiras leis escritas;
• 445 a. C. - Lei Canuleia - autorizava o casamento entre classes, até
então proibido.
• 367 a. C. – Lei Séxtias- os plebeus obtiveram o direito de ocupar as
magistraturas inferiores, até chegar ao consulado e à ditadura.
• 366 a. C., - Lei Licínia – abolia a escravidão por dívidas.
• 287 a. C., - todas as decisões aprovadas pela Assembleia da Plebe
seriam aceitas como lei, independentemente da aprovação do
Senado (maior vitória da plebe). Esse direito ficou conhecido como
plebiscito.
A EXPANSÃO REPUBLICANA
Península Itálica.
Conquista do Mediterrâneo (mare nostrum). Início
das Guerras Púnicas (Cartago X Roma):
• Primeira Guerra Púnica (264-241 a. C.), os romanos
investiram contra Cartago na disputa pelo controle
sobre a Sicília.
• Segunda Guerra Púnica (218-202 a. C.), deu aos
romanos o controle sobre o norte da África e o sul da
Espanha.
• Entre 150 e 146 a. C., Roma e Cartago enfrentaram-se
na Terceira Guerra Púnica, e Cartago sucumbiu diante
de Roma.
Domínio sobre a Macedônia e a Grécia. Anexação
da Síria, da Gália, de Israel, da Bitínia e do Egito.
AS CONSEQUÊNCIAS DAS CONQUISTAS
• O comércio interligava Roma e suas províncias em toda a orla do
Mediterrâneo, permitindo o desenvolvimento das atividades
agrícolas. Na própria Itália, contudo, a agricultura praticamente
desapareceu.
• Surgimento de uma nova classe social: homens novos ou cavaleiros
(comerciantes, banqueiros, arrendatários, cobradores de impostos
– publicanos).
• Empobrecimento dos patrícios (dependentes da exploração
fundiária). Passaram a depender dos cargos públicos para manter
seu nível social.
• A plebe, marginalizada pelo aumento do número de escravos,
passou a ser sustentada pelos homens novos ou pelo Estado, que
distribuía trigo e proporcionava espetáculos circenses
gratuitamente: a política de pão e circo, que tinha como meta
principal a alienação política da plebe romana.
• Assimilação da cultura helenística (contato com o Oriente e com a
Macedônia).
• Profissionalização do exército. Os soldados passaram a receber
salários.
A CRISE DA REPÚBLICA
• AS GUERRAS CIVIS - Diversas forças se
defrontaram: os patrícios, que procuravam
manter a República e os seus privilégios; os
cavaleiros, que almejavam o controle do
poder; os clientes, que serviam de
instrumento na luta política; o Exército, que se
tornou profissional, a partir da reforma
realizada em 105 a. C., constituindo-se,
igualmente, em um instrumento político nas
mãos dos generais.
OS IRMÃOS GRACOS
Pretendiam realizar reformas a fim de libertar
a plebe de seu estado de submissão.
• Tibério Graco - Propôs realizar uma reforma
agrária, que tinha por finalidade redistribuir
entre os pobres as terras do Estado. Seu plano
sofreu forte oposição, e o tribuno foi assassinado.
• Caio Graco - Além de dar início à reforma agrária,
contando com o apoio dos cavaleiros, instituiu a
Lei Frumentária, que barateava o preço do trigo,
facilitando o seu consumo pela plebe romana.
Caio Graco, ferozmente perseguido, ordenou a
um escravo que o matasse.
AS DITADURAS
AS DITADURAS - Aos poucos, o Exército
distanciou-se dos ideais republicanos. Os soldados
deviam lealdade apenas aos seus chefes.
• General Caio Mário. A sua popularidade, em
Roma, tornou-se tão grande que acabou sendo
eleito cônsul seis vezes consecutivamente, o que
era ilegal.
• General Sila. Assumiu o poder em Roma,
proclamando-se ditador com poderes ilimitados.
A partir daí, procurando restabelecer os
privilégios da aristocracia e do Senado, reduzidos
na época de Mário. Moveu uma violenta
repressão contra os cavaleiros e as camadas
populares.
OS TRIUNVIRATOS
Primeiro Triunvirato (60 a. C.) - Júlio César,
Pompeu e Crasso. Vitoriosos em diversas
campanhas militares, e com o apoio do Exército,
assumiram o poder em Roma, reduzindo a
autoridade do Senado. Em 53 a. C., Crasso morreu
na Síria. Pompeu, foi assassinado.
Após aliar-se à rainha Cleópatra, César voltou
para Roma com o intuito de legalizar o seu poder,
instaurando a ditadura. Apesar dos poderes
concedidos pelo Senado, César queria a
hereditariedade, obtida somente com o título de
“rei”. Por isso, em 15 de março de 44 a. C., foi
assassinado por um grupo de senadores, liderados
por Brutus e Cássio.
Segundo Triunvirato (43 a. C.) - Marco Antônio,
Caio Otávio e, Lépido.
Em 40 a. C., os triúnviros dividiram as províncias
romanas entre si: Otávio ficou com o Ocidente; Marco
Antônio, com o Oriente; Lépido, com a África. Em razão
da enorme rivalidade entre os triúnviros, seguiu-se um
período de luta.
Caio Otávio afastou Lépido, venceu Marco Antônio
e Cleópatra, apoderou do Egito. Os tesouros pilhados
propiciaram-lhe um exército poderoso e os celeiros
abarrotados de trigo serviram para alimentar a plebe
romana em seu nome.
Ao regressar a Roma, Caio Otávio foi recebido
como salvador da República; na verdade, seria o
fundador do Império.
ALTO IMPÉRIO
FORMAÇÃO E APOGEU SÉCULO I a.C. – III d.C.
O Senado concedeu a Otávio vários títulos
que legalizaram seu poder absoluto:
• Pontífice Máximo, em que se tornou o chefe
da religião romana.
• Princeps Senatus, recebendo o direito de
governar o Senado.
• Imperator, reservado aos generais vencedores.
• Augusto, que permitia a Otávio escolher seu
sucessor.
REFORMAS DE OTÁVIO AUGUSTO
• Centralização do poder: apesar das aparências republicanas,
ocorreu o esvaziamento do poder do Senado.
• reorganizou as províncias, dividindo-as em imperiais (militares) e
senatoriais (civis).
• Indicava e controlava os governadores.
• Criou o sistema estatal de cobrança de impostos, acabando com a
concessão da arrecadação a particulares.
• criou um sistema censitário baseado na renda anual de cada um:
- Os mais ricos, acima de 1 milhão de sestércios, pertenciam à Ordem
Senatorial, que tinha os privilégios políticos e se distinguia pelo uso da
cor púrpura.
- A renda acima de 400 mil sestércios indicava o homem da Ordem
Equestre, com menos direitos e a cor distinta azul.
- Abaixo desse índice monetário, ninguém tinha direitos políticos.
Augusto procurou conter a influência da cultura oriental e da
grega (helenística), que dominava Roma.
Período conhecido como Pax de Augusto.
BAIXO IMPÉRIO
CRISE E DESTRUIÇÃO SÉCULOS III - V
No século III, teve início a crise do Império Romano,
abalado por profundos problemas econômicos,
políticos, militares e religiosos.
Retração das guerras = crise da mão de obra
escrava = crise agrícola = deficit orçamentário =
aumento de impostos = alta do custo de vida.
O êxodo urbano. A população começou a se
concentrar nos campos, em propriedades
autossuficientes, denominadas villas, (feudos
medievais). Essas construções caracterizavam-se
pela economia agrária de consumo, sendo o
trabalho exercido em termos de meação (colonato).
A EXPANSÃO DO cristianismo.
• O cristianismo começou a se difundir pelo Império, logo
após o martírio de Cristo, ocorrido no reinado de Tibério. A
difusão era feita pelos apóstolos, que percorriam as regiões
da época, pregando a mensagem do Messias (São Pedro e
São Paulo foram martirizados).
• Primeira perseguição aos cristãos (Nero), acusados de não
cultuar os deuses pagãos, nem o imperador – também
considerado uma divindade. As perseguições causaram um
efeito contrario: difusão do cristianismo (pobres, mulheres
e escravos).
• Em 313, Constantino baixou o Edito de Milão, proibindo as
perseguições e dando aos cristãos liberdade de culto.
• Em 380, o imperador Teodósio, com a Lei da Tessalônica,
proibiu o culto pagão e oficializou o cristianismo como
religião do Império Romano.
Organização das bases da Igreja
• Presbíteros obedeciam aos bispos;
• Os bispos de cidades menores, aos das capitais;
• E estes aos bispos das grandes cidades
(Constantinopla, Antioquia e Alexandria), os
patriarcas;
• E estes ao papa (bispo de Roma).
• Surge o clero secular: contato com o mundo e o
clero regular: que pregavam a pobreza, a
castidade e a renúncia aos bens.
Portanto, ao mesmo tempo que enfraquecia o
poder imperial, o cristianismo tornava-se a própria
base legal no fim do Império Romano.
CRISE ADMINISTRATIVA
• Divisão do Império por Dioclesiano: Tetrarquia
• Unificação com Constantino: nova capital
• Divisão com Teodósio:
• O Império Romano do Ocidente, com capital
em Roma;
• O Império Romano do Oriente, com capital em
Constantinopla.
INVASÕES BÁRBARAS
O golpe final no Império Romano do Ocidente
foi desfechado pelos bárbaros germânicos, que
começaram a se infiltrar militarmente no início do
século V.
• Visigodos (península Itálica e sul da Gália).
Vândalos: norte da África.
• Francos: Gália
• Anglos e Saxões: Bretanha.
• 476 dC.: Fim do Império Romano do Ocidente
com a deposição de Romulus Augustolos por
Odoacro (rei dos Hérulos).
• 1453 d.C.: fim do Império Romano do Oriente.
O GRANDE LEGADO
• A estrutura do Direito Romano influenciou
toda a sociedade ocidental. Seu código de
justiça é até hoje a base de todos os códigos
de justiça do Ocidente e, por isso, disciplina
obrigatória na formação dos juristas atuais.
• A visão que os romanos tinham da sociedade
constitui a nossa mola mestra no mundo
atual. Afinal, é deles que herdamos a ideia de
família como a célula-mater de toda a
organização social.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ROMA ANTIGA.pdf (20)

Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
 
Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
 
Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.
 
R O M A
R O M AR O M A
R O M A
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica IIRoma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 

ROMA ANTIGA.pdf

  • 2. • Ao longo da sua história política os romanos conheceram três tipos de governo: a monarquia, a república e o império. • No século VIII a. C., a península era ocupada por diversos povos: italiotas, ao centro, dividindo-se em vários grupos ou tribos; gregos, estabelecidos em colônias ao sul, na região conhecida como Magna Grécia; etruscos, localizados ao norte, entre os Rios Tibre e Arno.
  • 3. A FORMAÇÃO DE ROMA As origens lendárias • A fundação de Alba Longa é atribuída aos troianos segundo o poeta Virgílio, em sua obra Eneida. • História de Rômulo e Remo que foram amamentados por uma loba. • O Rapto das Sabinas: tentativa de Rômulo, o primeiro governante da cidade, de conseguir esposas para a jovem população masculina romana. • A Casta Lucrécia: uma jovem de família aristocrática, seduzida pelo filho do rei do Tarquínio. Esse episódio teria causado o fim da monarquia. • Os irmãos Horácios.
  • 4.
  • 5. - Origem histórica - • teria surgido por vota do século X a. C., no centro da Península Itálica, em uma colina chamada Monte Palatino, a partir da construção de fortificações dos latinos, povo que vivia, sobretudo, do pastoreio. No século VIII a. C., vendo-se ameaçados pelos sabinos, que também viviam na região, os latinos uniram-se. Essa união de aldeias habitadas por pastores latinos está na origem da cidade de Roma. - Influência etrusca – • Os etruscos viviam ao norte de Roma, na região oposta ao rio Tibre. Eles se destacavam no comércio e no artesanato e se instalaram na cidade de Roma por meio de casamentos ou prestações de serviços para os romanos. Após a chegada dos etruscos, Roma aumentou seu comércio e prosperou bastante.
  • 6.
  • 7. A MONARQUIA (753 a.C. / 509 a.C.) A monarquia teve início com a fundação de Roma: • Soberano. • Senado — Conselho dos Anciãos — órgão formado exclusivamente por patrícios. • Assembleia Curiata - reunia todos os cidadãos das famílias aristocráticas, cuja finalidade era votar as leis e aprovar a guerra. Na época da realeza a base da economia era a agricultura e o pastoreio. O comércio era reduzido.
  • 8. - Sociedade romana • Os patrícios: formavam a aristocracia de Roma. Diziam ser descendentes dos fundadores de Roma. Eram os mais ricos e possuíam as melhores terras e gado. Tinham grande participação política na cidade. • Os plebeus: representados pelos estrangeiros, pequenos proprietários, artesãos e comerciantes. Geralmente trabalhavam para os patrícios. Mesmo quando enriqueciam não podiam participar efetivamente da vida política da cidade. • Os clientes: um grupo intermediário entre os patrícios e os plebeus. Viviam sob a proteção das famílias patrícias, as quais deviam obediência. • Os escravos: nessa época já havia escravos em Roma, mas em número reduzido. Geralmente eram prisioneiros de guerra ou escravos por dívidas. Em 509 a.C., um choque entre o rei (que era etrusco) e os patrícios provocou o fim da monarquia. O rei foi deposto pelos patrícios e foi implantado o regime republicano.
  • 9. A REPÚBLICA (509 A.C. / 27 A.C.) Em 509 a.C., um choque entre o rei (que era etrusco) e os patrícios provocou o fim da monarquia. O rei foi deposto pelos patrícios e foi implantado o regime republicano. Na República romana, os antigos reis foram substituídos pelo: Senado. O principal órgão, formado pelos patrícios mais ilustres, que exerciam cargos vitalícios. Magistrados (Poder Executivo). Eleitos pela Assembleia Centuriata para um mandato de um ano.
  • 10. Os principais magistrados eram: • Cônsul – era a principal magistratura. Dois cônsules, um civil e um militar. • Pretor – estava apenas abaixo dos cônsules, tendo como função administrar a Justiça. • Questor – cuidava das finanças públicas. • Censor – magistrado responsável pelo recenseamento da população, pela moral dos cidadãos e pela indicação dos futuros senadores. • Edil – era responsável pela administração da cidade, sendo encarregado da supervisão dos mercados, abastecimento de gêneros alimentícios e policiamento. • Tribuno da Plebe – representava a plebe perante o Senado Assembleias (Poder Legislativo) - exercido pelas assembleias populares. As mulheres e escravos não faziam parte de nenhuma assembleia, pois não tinham direito de participar das decisões políticas de Roma.
  • 11. AS LUTAS SOCIAIS Os patrícios elegiam os magistrados e senadores e podiam ser eleitos para esses cargos. Já os plebeus não podiam ser candidatos. Dessa forma somente os patrícios se revezavam no poder. Na época da República, a plebe passou a exigir direitos políticos, o que provocou uma série de conflitos. Eles tiveram início quando os plebeus formaram um exército próprio, retirando-se de Roma. Com isso, forçaram os patrícios às concessões, conquistando vários direitos: • 494 a. C. - Os Tribunos da Plebe: • 450 a. C. - Lei das Doze Tábuas, primeiras leis escritas; • 445 a. C. - Lei Canuleia - autorizava o casamento entre classes, até então proibido. • 367 a. C. – Lei Séxtias- os plebeus obtiveram o direito de ocupar as magistraturas inferiores, até chegar ao consulado e à ditadura. • 366 a. C., - Lei Licínia – abolia a escravidão por dívidas. • 287 a. C., - todas as decisões aprovadas pela Assembleia da Plebe seriam aceitas como lei, independentemente da aprovação do Senado (maior vitória da plebe). Esse direito ficou conhecido como plebiscito.
  • 12. A EXPANSÃO REPUBLICANA Península Itálica. Conquista do Mediterrâneo (mare nostrum). Início das Guerras Púnicas (Cartago X Roma): • Primeira Guerra Púnica (264-241 a. C.), os romanos investiram contra Cartago na disputa pelo controle sobre a Sicília. • Segunda Guerra Púnica (218-202 a. C.), deu aos romanos o controle sobre o norte da África e o sul da Espanha. • Entre 150 e 146 a. C., Roma e Cartago enfrentaram-se na Terceira Guerra Púnica, e Cartago sucumbiu diante de Roma. Domínio sobre a Macedônia e a Grécia. Anexação da Síria, da Gália, de Israel, da Bitínia e do Egito.
  • 13. AS CONSEQUÊNCIAS DAS CONQUISTAS • O comércio interligava Roma e suas províncias em toda a orla do Mediterrâneo, permitindo o desenvolvimento das atividades agrícolas. Na própria Itália, contudo, a agricultura praticamente desapareceu. • Surgimento de uma nova classe social: homens novos ou cavaleiros (comerciantes, banqueiros, arrendatários, cobradores de impostos – publicanos). • Empobrecimento dos patrícios (dependentes da exploração fundiária). Passaram a depender dos cargos públicos para manter seu nível social. • A plebe, marginalizada pelo aumento do número de escravos, passou a ser sustentada pelos homens novos ou pelo Estado, que distribuía trigo e proporcionava espetáculos circenses gratuitamente: a política de pão e circo, que tinha como meta principal a alienação política da plebe romana. • Assimilação da cultura helenística (contato com o Oriente e com a Macedônia). • Profissionalização do exército. Os soldados passaram a receber salários.
  • 14. A CRISE DA REPÚBLICA • AS GUERRAS CIVIS - Diversas forças se defrontaram: os patrícios, que procuravam manter a República e os seus privilégios; os cavaleiros, que almejavam o controle do poder; os clientes, que serviam de instrumento na luta política; o Exército, que se tornou profissional, a partir da reforma realizada em 105 a. C., constituindo-se, igualmente, em um instrumento político nas mãos dos generais.
  • 15. OS IRMÃOS GRACOS Pretendiam realizar reformas a fim de libertar a plebe de seu estado de submissão. • Tibério Graco - Propôs realizar uma reforma agrária, que tinha por finalidade redistribuir entre os pobres as terras do Estado. Seu plano sofreu forte oposição, e o tribuno foi assassinado. • Caio Graco - Além de dar início à reforma agrária, contando com o apoio dos cavaleiros, instituiu a Lei Frumentária, que barateava o preço do trigo, facilitando o seu consumo pela plebe romana. Caio Graco, ferozmente perseguido, ordenou a um escravo que o matasse.
  • 16. AS DITADURAS AS DITADURAS - Aos poucos, o Exército distanciou-se dos ideais republicanos. Os soldados deviam lealdade apenas aos seus chefes. • General Caio Mário. A sua popularidade, em Roma, tornou-se tão grande que acabou sendo eleito cônsul seis vezes consecutivamente, o que era ilegal. • General Sila. Assumiu o poder em Roma, proclamando-se ditador com poderes ilimitados. A partir daí, procurando restabelecer os privilégios da aristocracia e do Senado, reduzidos na época de Mário. Moveu uma violenta repressão contra os cavaleiros e as camadas populares.
  • 17. OS TRIUNVIRATOS Primeiro Triunvirato (60 a. C.) - Júlio César, Pompeu e Crasso. Vitoriosos em diversas campanhas militares, e com o apoio do Exército, assumiram o poder em Roma, reduzindo a autoridade do Senado. Em 53 a. C., Crasso morreu na Síria. Pompeu, foi assassinado. Após aliar-se à rainha Cleópatra, César voltou para Roma com o intuito de legalizar o seu poder, instaurando a ditadura. Apesar dos poderes concedidos pelo Senado, César queria a hereditariedade, obtida somente com o título de “rei”. Por isso, em 15 de março de 44 a. C., foi assassinado por um grupo de senadores, liderados por Brutus e Cássio.
  • 18. Segundo Triunvirato (43 a. C.) - Marco Antônio, Caio Otávio e, Lépido. Em 40 a. C., os triúnviros dividiram as províncias romanas entre si: Otávio ficou com o Ocidente; Marco Antônio, com o Oriente; Lépido, com a África. Em razão da enorme rivalidade entre os triúnviros, seguiu-se um período de luta. Caio Otávio afastou Lépido, venceu Marco Antônio e Cleópatra, apoderou do Egito. Os tesouros pilhados propiciaram-lhe um exército poderoso e os celeiros abarrotados de trigo serviram para alimentar a plebe romana em seu nome. Ao regressar a Roma, Caio Otávio foi recebido como salvador da República; na verdade, seria o fundador do Império.
  • 19. ALTO IMPÉRIO FORMAÇÃO E APOGEU SÉCULO I a.C. – III d.C. O Senado concedeu a Otávio vários títulos que legalizaram seu poder absoluto: • Pontífice Máximo, em que se tornou o chefe da religião romana. • Princeps Senatus, recebendo o direito de governar o Senado. • Imperator, reservado aos generais vencedores. • Augusto, que permitia a Otávio escolher seu sucessor.
  • 20. REFORMAS DE OTÁVIO AUGUSTO • Centralização do poder: apesar das aparências republicanas, ocorreu o esvaziamento do poder do Senado. • reorganizou as províncias, dividindo-as em imperiais (militares) e senatoriais (civis). • Indicava e controlava os governadores. • Criou o sistema estatal de cobrança de impostos, acabando com a concessão da arrecadação a particulares. • criou um sistema censitário baseado na renda anual de cada um: - Os mais ricos, acima de 1 milhão de sestércios, pertenciam à Ordem Senatorial, que tinha os privilégios políticos e se distinguia pelo uso da cor púrpura. - A renda acima de 400 mil sestércios indicava o homem da Ordem Equestre, com menos direitos e a cor distinta azul. - Abaixo desse índice monetário, ninguém tinha direitos políticos. Augusto procurou conter a influência da cultura oriental e da grega (helenística), que dominava Roma. Período conhecido como Pax de Augusto.
  • 21. BAIXO IMPÉRIO CRISE E DESTRUIÇÃO SÉCULOS III - V No século III, teve início a crise do Império Romano, abalado por profundos problemas econômicos, políticos, militares e religiosos. Retração das guerras = crise da mão de obra escrava = crise agrícola = deficit orçamentário = aumento de impostos = alta do custo de vida. O êxodo urbano. A população começou a se concentrar nos campos, em propriedades autossuficientes, denominadas villas, (feudos medievais). Essas construções caracterizavam-se pela economia agrária de consumo, sendo o trabalho exercido em termos de meação (colonato).
  • 22. A EXPANSÃO DO cristianismo. • O cristianismo começou a se difundir pelo Império, logo após o martírio de Cristo, ocorrido no reinado de Tibério. A difusão era feita pelos apóstolos, que percorriam as regiões da época, pregando a mensagem do Messias (São Pedro e São Paulo foram martirizados). • Primeira perseguição aos cristãos (Nero), acusados de não cultuar os deuses pagãos, nem o imperador – também considerado uma divindade. As perseguições causaram um efeito contrario: difusão do cristianismo (pobres, mulheres e escravos). • Em 313, Constantino baixou o Edito de Milão, proibindo as perseguições e dando aos cristãos liberdade de culto. • Em 380, o imperador Teodósio, com a Lei da Tessalônica, proibiu o culto pagão e oficializou o cristianismo como religião do Império Romano.
  • 23. Organização das bases da Igreja • Presbíteros obedeciam aos bispos; • Os bispos de cidades menores, aos das capitais; • E estes aos bispos das grandes cidades (Constantinopla, Antioquia e Alexandria), os patriarcas; • E estes ao papa (bispo de Roma). • Surge o clero secular: contato com o mundo e o clero regular: que pregavam a pobreza, a castidade e a renúncia aos bens. Portanto, ao mesmo tempo que enfraquecia o poder imperial, o cristianismo tornava-se a própria base legal no fim do Império Romano.
  • 24. CRISE ADMINISTRATIVA • Divisão do Império por Dioclesiano: Tetrarquia • Unificação com Constantino: nova capital • Divisão com Teodósio: • O Império Romano do Ocidente, com capital em Roma; • O Império Romano do Oriente, com capital em Constantinopla.
  • 25. INVASÕES BÁRBARAS O golpe final no Império Romano do Ocidente foi desfechado pelos bárbaros germânicos, que começaram a se infiltrar militarmente no início do século V. • Visigodos (península Itálica e sul da Gália). Vândalos: norte da África. • Francos: Gália • Anglos e Saxões: Bretanha. • 476 dC.: Fim do Império Romano do Ocidente com a deposição de Romulus Augustolos por Odoacro (rei dos Hérulos). • 1453 d.C.: fim do Império Romano do Oriente.
  • 26. O GRANDE LEGADO • A estrutura do Direito Romano influenciou toda a sociedade ocidental. Seu código de justiça é até hoje a base de todos os códigos de justiça do Ocidente e, por isso, disciplina obrigatória na formação dos juristas atuais. • A visão que os romanos tinham da sociedade constitui a nossa mola mestra no mundo atual. Afinal, é deles que herdamos a ideia de família como a célula-mater de toda a organização social.