SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Risco cirúrgico em Pneumologia

                                               Autores
                                                                   1
                                      Eanes Delgado Barros Pereira
                                           Publicação: Abr-2005

1 - Qual a definição de complicações no pós-operatório?
As complicações tanto pulmonares como cardíacas no pós-operatório são definidas como
anormalidades que levam a doença ou disfunção que afeta de maneira adversa o curso clínico do
doente. Essas complicações influenciam no desfecho da cirurgia, contribuindo para o aumento do
tempo de internação, para a morbidade e para a mortalidade.

2 - Qual a prevalência de complicações pulmonares no pós-operatório?
A prevalência dessas complicações varia de 5% a 70%. Essa discrepância ocorre principalmente
devido a falta de padronização do que é uma alteração fisiopatológica esperada e o que pode ser
considerado complicação pulmonar.

3 - Quais são as principais alterações funcionais no aparelho respiratório provocadas pelo
trauma cirúrgico?
As principais alterações são: a) redução na capacidade vital e na capacidade residual funcional de
50% e 30%, respectivamente; b) alteração na relação ventilação-perfusão; c) aumento da
resistência ao fluxo aéreo. Tudo isso ocorre devido a disfunção do diafragma, dor no pós-
operatório, analgesia com opiáceos e contenção dos movimentos, levando a redução na
capacidade de tossir e de suspirar. Essas alterações são mais acentuadas nas cirurgias
abdominais altas e torácicas.

4 - Quais são as principais complicações pulmonares no pós-operatório?

                    Tabela 1. Complicações pulmonares no pós-operatório
Complicação                                           Apresentação
                     Aparecimento de infiltrado pulmonar recente no radiograma do tórax
                     associado a pelo menos dois dos seguintes sinais: secreção
Pneumonia            traqueobrônquica purulenta, elevação da temperatura corporal superior à 38
                     graus e aumento dos leucócitos circulantes (superior a 25% do número
                     basal).
                     Aumento da quantidade, modificação da cor ou aspecto purulento da
Traqueobronquite
                     secreção traqueobrônquica, com radiograma de tórax normal.
Atelectasia com      Evidência de atelectasia pulmonar no radiograma de tórax associada a
repercussão clínica sintomas respiratórios.
Insuficiência        Quadro clínico resultante da troca gasosa pulmonar agudamente deficiente,
respiratória aguda ocorrendo a necessidade de ventilação mecânica para tratamento.
Intubação            Necessidade IOT por mais de 48 horas, devido à manutenção da ventilação
orotraqueal          mecânica para o tratamento de insuficiência respiratória aguda ou aspiração
prolongada           de secreção traqueobrônquica naqueles impossibilitados de eliminá-la
(EOT)                espontaneamente.
Ventilação
                     Necessidade de ventilação mecânica por mais de 48 horas para tratamento
mecânica
                     de insuficiência respiratória aguda.
prolongada
                     Presença de sibilos à ausculta pulmonar associados a sintomas respiratórios
Broncoespasmo
                     agudos e necessidade de terapêutica medicamentosa.


1
    Professora Adjunta de Pneumologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará
                                                                                    www.pneumoatual.com.br
                                                                                           ISSN 1519-521X
5 - Como podem ser classificados os fatores de risco de complicações pulmonares no pós-
operatório?
Eles podem ser classificados em fatores de risco ligados:
    • ao paciente;
    • ao procedimento.

6 - Quais são os fatores de risco ligados ao paciente?
Idade: a idade constitui fator de risco por estar associada a co-morbidades. Portanto, a idade
isoladamente não é contra-indicação para cirurgia.
Obesidade: alguns estudos questionam se há associação importante entre este fator de risco e
complicações pulmonares no pós-operatório.
Desnutrição: a desnutrição acentuada pode levar a diminuição da imunidade, predispondo a
infecção respiratória, e determinar diminuição da força muscular, dificultando o desmame do
respirador.
Tabagismo: é reconhecidamente um fator de risco para procedimentos cirúrgicos e este risco
aumenta ainda mais se o hábito tabágico for suspenso por um período inferior a oito semanas
antes da cirurgia.
Pneumopatia: asma e, principalmente, DPOC constituem dois dos mais importantes fatores de
risco. Um estudo realizado na Universidade Federal de São Paulo revelou que pacientes com
DPOC, com estádio GOLD igual ou superior a 1, apresentavam maior risco para complicações
pulmonares após ressecção pulmonar. No entanto, o benefício da cirurgia deve ser levado em
conta. Uma avaliação pré-operatória cuidadosa e um tratamento pós-operatório intensivo sempre
devem ser oferecidos àqueles pacientes graves. Os pacientes com apnéia obstrutiva do sono
podem apresentar deterioração da doença, com hipoxemia e hipercapnia, no pós-operatório.
Cardiopatia: isquemia do miocárdio é fator de risco considerável. As cardiopatias devem ser
investigadas e, se necessário, tratadas antes de dar prosseguimento aos exames que quantificam
a reserva pulmonar.

7 - Quais são os fatores de risco ligados ao procedimento?
Anestesia: a principal complicação da anestesia geral é a atelectasia. A associação de agentes
anestésicos com miorrelaxantes leva a uma disfunção do diafragma, alterando as forças entre o
tórax e abdome, e, desta forma, aumenta a pressão intra-abdominal que vai comprimir o
parênquima pulmonar. Outra alteração do processo anestésico é a mistura de gases com elevado
teor de oxigênio, levando ao colapso alveolar por absorção do oxigênio (atelectasias de absorção).
Por fim os anestésicos parecem induzir à formação de surfactante não eficaz, com conseqüente
instabilidade alveolar.
Tipo e duração da cirurgia: a prevalência de complicações nas cirurgias tóraco-abdominais é maior
que nas cirurgias periféricas. Particularmente as cirurgias abdominais altas levam a uma
diminuição reflexa da força do diafragma levando a diminuição de volumes e capacidades
pulmonares. As cirurgias laparoscópicas apresentam menor prevalência de complicações em
relação às laparotomias. Os pacientes com cirurgias com duração superior a três ou quatro horas
complicam mais do ponto de vista pulmonar.

8 - Como varia o risco de acordo com o procedimento cirúrgico?
Cirurgias diferentes apresentam, obviamente, diferentes níveis de risco de complicações no pós-
operatório. A lista a seguir mostra o risco cirúrgico em ordem crescente:
     1. cirurgia fora do tórax ou abdome;
     2. cirurgia abdominal inferior;
     3. cirurgia abdominal superior;
     4. cirurgia torácica sem ressecção pulmonar;
     5. cirurgia torácica com ressecção pulmonar.




                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
9 - Qual a freqüência das principais complicações pulmonares em decorrência de uma
cirurgia abdominal alta quando comparada a uma cirurgia abdominal baixa?
A incidência de complicações é inversamente proporcional à distancia da incisão cirúrgica em
relação ao diafragma. A taxa de morbidade respiratória para cirurgia abdominal alta é 17% a 76% e
para cirurgia abdominal baixa, de 0% a 5%.

10 - Quais as principais complicações pulmonares de uma cirurgia abdominal alta?
As principais complicações são: atelectasias, infecção respiratória, broncoconstrição e insuficiência
respiratória. Em especial, deve-se enfatizar as complicações pulmonares após esofagectomias,
porque elas ocorrem entre 25% a 50% dos pacientes. As razões para esse alto risco incluem a
cirurgia em duas cavidades (tórax e abdome), a interrupção da inervação brônquica e da circulação
linfática, a disfunção dos músculos respiratórios, (incluindo o músculo diafragma), a proteção
inadequada da via aérea resultante da lesão do nervo laringo-recorrente, a desordem na
deglutição, a reconstrução de órgãos no espaço subesternal e o derrame pleural, que podem
prejudicar a ventilação no pós-operatório imediato.

11 - Quais os principais passos na avaliação pré-operatória de uma cirurgia abdominal alta?
Inicialmente deve haver uma história e exame físico bem feitos. Os pacientes cuja história sugira
doença cardiopulmonar devem realizar radiograma de tórax e eletrocardiograma. A espirometria
está indicada principalmente para os pacientes com história de pneumopatia prévia, sintomas
respiratórios ou tabagistas. Um estudo realizado na Universidade Federal de São Paulo com
pacientes submetidos a cirurgia abdominal alta revelou que a relação VEF1/CVF<70% foi um
preditor para morbidade respiratória no pós-operatório.

12 - Quais as principais alterações pulmonares em decorrência de uma laparoscopia?
A laparoscopia causa pneumoperitônio e conseqüente aumento da pressão intra-abdominal,
elevando o diafragma e diminuindo capacidades e volumes pulmonares. Durante o procedimento,
ocorre absorção de gás carbônico pelo peritônio, que pode determinar hipercapnia. No entanto, um
pequeno aumento no volume minuto é suficiente para corrigir essa hipercapnia. O uso de
relaxantes musculares diminui a tensão na parede abdominal e, assim, a necessidade de gás
insuflado é menor, reduzindo-se a absorção sistêmica de gás carbônico. Estudos experimentais e
clínicos mostram que as alterações respiratórias, desde que prontamente monitoradas e corrigidas,
não acarretam maiores conseqüências intra-operatórias.

13 - Como deve ser o procedimento para avaliação do risco cirúrgico pulmonar?
História e exame físico
São importantes história e exame físico completos para identificar principalmente os sintomáticos
respiratórios.
Gasometria arterial
Valores de PaO2 inferior a 55 mmHg em repouso ou a 50 mmHg durante o exercício indicam alto
risco cirúrgico. Alguns estudos mostram que PaCO2 superior a 45 mmHg não representa um fator
de risco independente para ressecção pulmonar, no entanto, uma avaliação fisiológica mais
profunda é recomendada. Uma saturação de O2 menor que 90% indica risco cirúrgico elevado para
ressecção pulmonar.
Radiograma de tórax
Todos os pacientes cuja história sugira doença cardiopulmonar devem realizar radiograma de
tórax, assim como eletrocardiograma.
Espirometria
Pela sua importância, será discutida separadamente.

14 - Qual a importância da espirometria na avaliação pré-operatória?
A espirometria é importante para identificar os pacientes de risco para complicações respiratórias e
que necessitam de intervenção agressiva no período perioperatório. Portanto a espirometria pode


                                                                               www.pneumoatual.com.br
                                                                                      ISSN 1519-521X
identificar uma pneumopatia não reconhecida anteriormente, estimar o risco/benefício do
tratamento cirúrgico,planejar o perioperatório e estimar a função pulmonar pós-operatória.

15 - Quais as indicações de espirometria no pré-operatório?
Condições relacionadas ao paciente ou à cirurgia podem indicar a realização de espirometria no
pré-operatório. São elas:
Condições do paciente:
pneumopatia prévia (DPOC, asma), fumante, tosse crônica, infecção respiratória recente, idade
avançada, obesidade, deformidade da parede torácica, doença neuromuscular.
Condições do procedimento:
cirurgia torácica ou abdominal, ressecção pulmonar, anestesia prolongada.

16 - Para que servem as escalas de risco cirúrgico?
Essas escalas são utilizadas para estratificar o risco do paciente complicar no pós-operatório, com
base em parâmetros clínicos e laboratoriais.

17 - Quais são algumas destas escalas de risco?
Índice cardiopulmonar
Associa o índice cardíaco de Goldman a fatores de risco pulmonares, como fumo, sintomas
respiratórios, obesidade, presença de sibilos, relação VEF1/CVF<70% e PaCO2>45 mmHg . Os
pacientes com escore maior que 4 pontos apresentam maior probabilidade de complicações no
pós-operatório.
Escala ASA (American Society of Anesthesiology)
É baseada em critérios clínicos. Embora subjetiva, é bastante utilizada e um escore de 2 a 5 indica
elevada morbidade no pós-operatório.
Escala de Torrington & Hederson
Esta escala baseia-se em sintomas respiratórios, tipo de cirurgia e medidas da espirometria, como
CVF e VEF1/CVF. Pacientes com pontuação maior que 4 constituem risco moderado a grave.
Escala de Pereira e colaboradores
Esta é uma escala criada e validada na Universidade Federal de São Paulo. Ela é utilizada para
cirurgias abdominais altas, em que é levado em conta a presença de pneumopatia, comorbidade,
tempo cirúrgico maior que 210 minutos e relação VEF1/CVF.

18 - Qual o risco de complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção pulmonar?
O risco de complicação após ressecção do parênquima pulmonar pode variar de 30% a 50%,
dependendo da quantidade de parênquima a ser ressecado.

19 - Quais são as principais complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção
pulmonar?
As complicações mais freqüentes são: arritmia cardíaca, em particular a fibrilação atrial, infecções
respiratórias, insuficiência respiratória aguda levando a um prolongamento do tempo de ventilação
mecânica, fístula broncopleural e escape aéreo prolongado (superior a quatro dias).

20 - Qual a taxa de mortalidade após a ressecção pulmonar?
Nas pneumonectomias essa taxa vai de 2,9% a 12% e nas lobectomias, de 4% a 7%.

21 - Quais os parâmetros a serem avaliados no pré-operatório de uma ressecção pulmonar?
Idade, função cardíaca, espirometria, capacidade de difusão, gasometria arterial, extensão da
ressecção, cintilografia de ventilação-perfusão e teste do exercício.

22 - Qual a importância da idade na avaliação de uma ressecção pulmonar?
Pessoas com idade acima de 70 anos entram no grupo de maior risco cirúrgico principalmente
pelas co-morbidades associadas. No entanto, não se deve contra-indicar uma cirurgia a uma
pessoa com idade avançada, mas com bom estado geral, somente pelo fato dela ser idosa.
                                                                              www.pneumoatual.com.br
                                                                                     ISSN 1519-521X
23 - Qual a importância do risco cardíaco na avaliação de uma ressecção pulmonar?
Uma alteração ao ECG no pré-operatório está associada a complicações no intra ou no pós-
operatório, como insuficiência cardíaca, arritmias ou síndromes coronarianas agudas. A presença
de infarto do miocárdio, principalmente nos três meses do pré-operatório, apresenta elevado risco
cirúrgico. Em pacientes coronariopatas, pode ser necessária a revascularização coronariana antes
da cirurgia eletiva.

24 - A espirometria é importante na avaliação pré-operatória de ressecção pulmonar?
Sim. Dentre os parâmetros da espirometria, o mais importante a ser avaliado é o VEF1. No
passado, era recomendável para se realizar uma pneumonectomia que o VEF1 fosse de pelo
menos 2 L e, para uma lobectomia, que o VEF1 fosse de pelo menos 1,5 L. No entanto, esses
valores não levam em conta sexo, altura, idade e peso. Atualmente, é mais importante calcular o
VEF1 em relação ao percentual do predito.
Para os pacientes com função pulmonar comprometida, podemos calcular o VEF1 predito no pós-
operatório (VEF1-ppo) por meio da cintilografia pulmonar. Também podemos calcular a capacidade
de difusão do monóxido de carbono e o consumo máximo de oxigênio preditos no pós-operatório
com o teste de exercício.

25 - Qual a importância da medida da capacidade de difusão do monóxido de carbono
(DLCO)?
A medida de difusão do monóxido de carbono, quando inferior a 60%, no pré-operatório, está
associada a uma maior morbimortalidade. No entanto, à semelhança do VEF1-ppo, é importante,
do ponto de vista de avaliação funcional, calcularmos o DLCO-ppo. Portanto, pacientes candidatos
a ressecção pulmonar por neoplasia de pulmão e que apresentam um VEF1 ou DLCO no pré-
operatório menor que 80% do predito devem ser avaliados com cintilografia para calcular a função
pulmonar no pós-operatório.

26 - É importante estimar a quantidade de tecido pulmonar a ser ressecado?
Sim. Existe uma clara correlação entre a extensão do pulmão a ser ressecado e a
morbimortalidade no pós-operatório. Ressecção em cunha e segmentectomia são procedimentos
com menores riscos, enquanto pneumonectomia, de maior risco. A mortalidade após
pneumonectomia é o dobro em relação a uma lobectomia. De um modo geral, uma taxa de
mortalidade de 30 dias de 5% é considerada boa e de 2%, excelente.

27 - Quais as maneiras de se avaliar a função pulmonar no pós-operatório?
Entre as maneiras mais práticas destacam-se a cintilografia de ventilação e de perfusão, a
tomografia computadorizada quantitativa, ou simplesmente a contagem do número de segmentos a
serem removidos.

28 - Como utilizar a cintilografia pulmonar de perfusão?
A cintilografia pulmonar de perfusão quantitativa é útil para calcular a função do pulmão a ser
ressecado em relação a função pulmonar total e, portanto, predizer o comprometimento pulmonar
no pós-operatório. Essa medida é importante para os pacientes com alteração pulmonar. Utiliza-se
o Tc-99m intravenoso para medir a função relativa de cada pulmão e então estimar o VEF1 e a
DLCO preditos no pós-operatório, após uma pneumonectomia ou uma lobectomia.

29 - Qual a fórmula utilizada para calcular o VEF1-ppo para uma pneumonectomia por meio
da cintilografia de perfusão?
VEF1ppo = VEF1* pré-operatório x (1- percentual de pulmão ressecado)
(* VEF1 pós-broncodilatador da espirometria)




                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
30 - Como contar o número de segmentos a serem removidos?
O número de segmentos a serem removidos pode ser contado utilizando uma fórmula que leva em
conta o VEF1 do pré-operatório, e o número de segmentos residuais após ressecção dividido pelo
número total de segmentos. Essa fórmula também pode ser utilizada para calcular o DLCO-ppo.
                                              número de segmentos residuais após ressecção
               VEF1 = VEF1 pré − operatório x
                                                      número total de segmentos
Número total de segmentos = 19
Se esse valor for menor que 40%, então a cintilografia de ventilação-perfusão está indicada. Este
exame informa sobre a função pulmonar regional levando-se em conta que áreas não perfundidas
provavelmente não são ventiladas. Com o valor de corte de 40%, o médico decide se indica ou não
o teste do exercício cardiopulmonar.

31 - Para que serve o teste de exercício na avaliação pré-operatória?
O teste de exercício é o parâmetro ideal porque ele avalia a reserva cardiopulmonar do paciente.
Durante o exercício a ênfase principal é dada para o cálculo da VO2máx. Quando este valor é
maior que 20 mL/kg/min ou maior que 75% do predito, qualifica o paciente para pneumonectomia.
Um valor menor que 10 mL/kg/min ou menor que 40% predito é considerado proibitivo para
qualquer ressecção. Valores intermediários, entre 15-10 mL/kg/min, levam a discussão do risco
com a equipe multidisciplinar e com os familiares.

32 - O que fazer na ausência de aparelhos sofisticados para realização do teste de
exercício?
Um teste que pode ser utilizado é o teste da escada. A habilidade de subir 4,6 lances de escada ou
83 degraus, totalizando 15,35 metros, corresponde a uma VO2máx de 20 mL/kg/min, o que
qualifica o paciente para uma pneumonectomia. Subir mais de 14 metros qualifica o paciente para
grandes ressecções. No entanto, é importante que o paciente siga um protocolo.
O teste da caminhada dos seis minutos também é um teste simples e que tem sido utilizado para o
risco cirúrgico. Alguns estudos mostram que uma distância caminhada inferior a 400 metros indica
risco aumentado para complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção pulmonar.

33 - Quais os passos a serem tomados para avaliação de um paciente candidato à ressecção
pulmonar?
Bolliger e colaboradores elaboraram em algoritmo para avaliação da reserva cardiopulmonar para
candidatos à ressecção pulmonar (figura a seguir). È importante lembrar que este algoritmo não é
uma regra matemática, que deve ser seguido rigorosamente, mas ele serve para orientar o médico
na avaliação pré-operatória.




                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
Linha tracejada – avaliação cardiológica caso surjam sinais de isquemia coronariana durante o
                      teste de exercício. PPO – previsto no pós-operatório.

34 - Existe papel para a cirurgia redutora de volume pulmonar em combinação com cirurgia
para neoplasia de pulmão?
Existem estudos mostrando que pacientes com VEF1-ppo menor que 40% tiveram sucesso quando
foram submetidos a lobectomia do lobo onde era localizado o tumor em conjunto com a cirurgia
redutora de volume pulmonar de um ou mais lobos. Portanto, em certas situações esse tipo de
cirurgia pode tornar um paciente inoperável do ponto de vista de função cardiopulmonar em um
paciente qualificado para ressecção pulmonar. No entanto este é um assunto a ser estudado.

35 - Quais as principais complicações pulmonares em decorrência da videotoracoscopia?
Com a tecnologia, os procedimentos cirúrgicos vídeo-assistidos têm se expandido no campo da
cirurgia torácica, incluindo as ressecções pulmonares para neoplasia de pulmão. As principais
complicações em decorrência da cirurgia torácica vídeo-assistida são o escape aéreo prolongado e
o derrame pleural. No entanto, com o aprimoramento da técnica e com indicações precisas, este
tipo de procedimento vai se tornado cada vez mais freqüente.



                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
36 - Quais as medidas gerais pré-operatórias a serem tomadas para minimizar as
complicações pulmonares nos pacientes de risco?
Cessar o tabagismo pelo menos oito semanas antes da cirurgia. Se o paciente apresentar
obstrução na espirometria ou tiver sintomas respiratórios, iniciar broncodilatador com corticóide, ou
caso tenha sinais de infecção respiratória iniciar antibioticoterapia. Iniciar fisioterapia respiratória já
no pré-operatório, mantendo-a pós-operatório, principalmente com manobras de expansão
pulmonar. Quanto à profilaxia para tromboembolismo é importante que esta medida seja adotada
para as grandes cirurgias, com destaque especial para as ortopédicas e as para doenças
malignas.

37 - Qual a importância da fisioterapia na preparação para o paciente cirúrgico?
A fisioterapia deve ser feita no pré e no pós-operatório principalmente para as cirurgias torácicas e
abdominais. As manobras de inspiração profunda e com incentivador respiratório são igualmente
eficazes principalmente, se assistidas por um fisioterapeuta. O uso do PEEP no período
perioperatório elimina as atelectasias, mas o efeito na oxigenação é controverso. Além do mais ele
pode levar a distensão abdominal. A terapia com CPAP pode beneficiar um grupo de pacientes
com atelectasia refratária. Quando administrada por máscara facial é necessária uma observação
rigorosa para evitar vômitos e aspiração de secreção.
Em suma, muitas técnicas de fisioterapia respiratória são recomendadas para profilaxia ou
tratamento das complicações pulmonares. Dentre elas estão a respiração profunda, o incentivador
respiratório, a respiração por pressão positiva intermitente (RPPI) e a pressão positiva contínua em
vias aéreas. Cada uma delas é mais eficiente do que a não realização de qualquer terapia, o que
ressalta a importância da fisioterapia na prevenção de complicações respiratórias.

38 - Leitura recomendada
Smetana GW. Preoperative pulmonary evaluation. N. Engl. J. Med. 1999;340:937-87.
Smetana GW at al. Update in perioperative medicine. Ann. Intern. Med. 2004;140:452-61.
Bolliger CT, Perruchoud AP. Functional evaluation of the lung resection candidate. Eur. Respir. J.
1998;11:198-212.
Bolliger CT. Evaluation of operability before lung resection. Curr. Opin. Pulm. Med. 2003;9:321-326.
Beckles MA, Spiro SG, Colice GL, Rudd RM. The physiologic evaluation of patients with lung
cancer being considered for resectional surgery. Chest 2003;123:105S-114S.
British Thoracic Society and Society of Cardiothoracic Surgeons of Great Britain and Ireland
Working Party. Guidelines on the selection of patients with lung cancer for surgery. Thorax
2001;56:89-108.
Sharma S. Perioperative pulmonary management. Topic last updated 2004 .Disponível em
http://www.emedicine.com/MED/topic3169.htm.
Stanzani F, Oliveira MA, Forti V, SM Farensin. Incidência de complicações pulmonares no pós-
operatório de ressecção pulmonar por câncer de pulmão (Abstract). J. Bras. Pneumol 2004;30:AO-
034.
Pereira EDB, Fernandes ALG, Anção MS, Peres CA, Atallah AN , Farensin SM. Prospective
assessment of the risk of postoperative pulmonary complications in patients submitted to upper
abdominal surgery. São Paulo Méd. J./Ver Paul. Med 1999;117:151-60.
Farensin SM. Avaliação do risco operatório. Manual de pneumologia. Sociedade Brasileira de
Pneumologia - Porto Alegre: Ed. dos Autores, 2002;27-32.




                                                                                    www.pneumoatual.com.br
                                                                                           ISSN 1519-521X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico Luciane Santana
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos dapab
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013resenfe2013
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva Gilmar Roberto Batista
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Jaqueline Almeida
 
Doenças+exantemática
Doenças+exantemáticaDoenças+exantemática
Doenças+exantemáticablogped1
 

Mais procurados (20)

Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
 
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Aula: Asma
Aula: AsmaAula: Asma
Aula: Asma
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia PulmonarAula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Doenças+exantemática
Doenças+exantemáticaDoenças+exantemática
Doenças+exantemática
 

Destaque

Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasFrancisco Doria
 
Medidas de superfície, massa e capacidade
Medidas de superfície, massa e capacidadeMedidas de superfície, massa e capacidade
Medidas de superfície, massa e capacidadeclaudia2chaves
 
Unidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformaçõesUnidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformaçõesEquipe_FAETEC
 
Unidades de medida de peso
Unidades de medida de pesoUnidades de medida de peso
Unidades de medida de pesoAnnaiiz Gf'
 
Unidades de medida de massa
Unidades de medida de massaUnidades de medida de massa
Unidades de medida de massaJoao Ferreira
 
Unidades de medida de capacidade
Unidades de medida de capacidadeUnidades de medida de capacidade
Unidades de medida de capacidadeJoao Ferreira
 
Medidas de capacidade
Medidas de capacidadeMedidas de capacidade
Medidas de capacidadeJoao Ferreira
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 

Destaque (17)

Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Gincamática 8 ano
Gincamática 8 anoGincamática 8 ano
Gincamática 8 ano
 
Pneumonectomia
PneumonectomiaPneumonectomia
Pneumonectomia
 
Medidas de superfície, massa e capacidade
Medidas de superfície, massa e capacidadeMedidas de superfície, massa e capacidade
Medidas de superfície, massa e capacidade
 
Unidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformaçõesUnidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformações
 
Peso e massa
Peso e massaPeso e massa
Peso e massa
 
Medidas de massa
Medidas de massaMedidas de massa
Medidas de massa
 
Medidas de peso
Medidas de pesoMedidas de peso
Medidas de peso
 
Unidades de medida de peso
Unidades de medida de pesoUnidades de medida de peso
Unidades de medida de peso
 
Medidas
Medidas Medidas
Medidas
 
Unidades de medida de massa
Unidades de medida de massaUnidades de medida de massa
Unidades de medida de massa
 
Sistemas De Medidas
Sistemas De MedidasSistemas De Medidas
Sistemas De Medidas
 
Unidades de medida de capacidade
Unidades de medida de capacidadeUnidades de medida de capacidade
Unidades de medida de capacidade
 
Medidas de capacidade
Medidas de capacidadeMedidas de capacidade
Medidas de capacidade
 
Terminologias cirurgicas
Terminologias cirurgicasTerminologias cirurgicas
Terminologias cirurgicas
 
Grandezas e medidas
Grandezas e medidasGrandezas e medidas
Grandezas e medidas
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 

Semelhante a Risco Cirúrgico Em Pneumonia

Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxAnestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxLuisFernando375345
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasMayara Rodrigues
 
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007Flávia Salame
 
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e Dermatomiosite
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e DermatomiositeEsclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e Dermatomiosite
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e DermatomiositeFlávia Salame
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoFabricio Mendonca
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008Urovideo.org
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Urovideo.org
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdfmarcioafonsopolizell
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiaisctisaolucascopacabana
 
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02Tiago Manhezzo
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriewlukeni2015
 
Disturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoDisturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoEdirceu Luiz
 

Semelhante a Risco Cirúrgico Em Pneumonia (20)

Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxAnestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Complicacoes
ComplicacoesComplicacoes
Complicacoes
 
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
 
Sdra consenso vm
Sdra consenso vmSdra consenso vm
Sdra consenso vm
 
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e Dermatomiosite
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e DermatomiositeEsclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e Dermatomiosite
Esclerose Sistêmica Progressiva e Polimiosite e Dermatomiosite
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
 
Aspiração e pav 2009
Aspiração e pav 2009Aspiração e pav 2009
Aspiração e pav 2009
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
 
Artigo atelectasias
Artigo atelectasiasArtigo atelectasias
Artigo atelectasias
 
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonarCorrelação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
Sdra unifesp
Sdra unifespSdra unifesp
Sdra unifesp
 
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02
Cirurgiatoracica 120606123054-phpapp02
 
Supl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes funçãoSupl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes função
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
 
2º consenso bra vm
2º consenso bra vm2º consenso bra vm
2º consenso bra vm
 
Disturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoDisturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilação
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro

Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Alex Eduardo Ribeiro
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Alex Eduardo Ribeiro
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro (20)

Apresentaçao fe
Apresentaçao feApresentaçao fe
Apresentaçao fe
 
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Pneumonia Intersticial
Pneumonia IntersticialPneumonia Intersticial
Pneumonia Intersticial
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Pneumonia Com Derrame Pleural
Pneumonia Com Derrame PleuralPneumonia Com Derrame Pleural
Pneumonia Com Derrame Pleural
 
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na ComunidadePneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
 
Nódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar SolitárioNódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar Solitário
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
 
Coração Artificial
Coração ArtificialCoração Artificial
Coração Artificial
 
Radiação e a Vida
Radiação e a VidaRadiação e a Vida
Radiação e a Vida
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
 

Último

AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

Risco Cirúrgico Em Pneumonia

  • 1. Risco cirúrgico em Pneumologia Autores 1 Eanes Delgado Barros Pereira Publicação: Abr-2005 1 - Qual a definição de complicações no pós-operatório? As complicações tanto pulmonares como cardíacas no pós-operatório são definidas como anormalidades que levam a doença ou disfunção que afeta de maneira adversa o curso clínico do doente. Essas complicações influenciam no desfecho da cirurgia, contribuindo para o aumento do tempo de internação, para a morbidade e para a mortalidade. 2 - Qual a prevalência de complicações pulmonares no pós-operatório? A prevalência dessas complicações varia de 5% a 70%. Essa discrepância ocorre principalmente devido a falta de padronização do que é uma alteração fisiopatológica esperada e o que pode ser considerado complicação pulmonar. 3 - Quais são as principais alterações funcionais no aparelho respiratório provocadas pelo trauma cirúrgico? As principais alterações são: a) redução na capacidade vital e na capacidade residual funcional de 50% e 30%, respectivamente; b) alteração na relação ventilação-perfusão; c) aumento da resistência ao fluxo aéreo. Tudo isso ocorre devido a disfunção do diafragma, dor no pós- operatório, analgesia com opiáceos e contenção dos movimentos, levando a redução na capacidade de tossir e de suspirar. Essas alterações são mais acentuadas nas cirurgias abdominais altas e torácicas. 4 - Quais são as principais complicações pulmonares no pós-operatório? Tabela 1. Complicações pulmonares no pós-operatório Complicação Apresentação Aparecimento de infiltrado pulmonar recente no radiograma do tórax associado a pelo menos dois dos seguintes sinais: secreção Pneumonia traqueobrônquica purulenta, elevação da temperatura corporal superior à 38 graus e aumento dos leucócitos circulantes (superior a 25% do número basal). Aumento da quantidade, modificação da cor ou aspecto purulento da Traqueobronquite secreção traqueobrônquica, com radiograma de tórax normal. Atelectasia com Evidência de atelectasia pulmonar no radiograma de tórax associada a repercussão clínica sintomas respiratórios. Insuficiência Quadro clínico resultante da troca gasosa pulmonar agudamente deficiente, respiratória aguda ocorrendo a necessidade de ventilação mecânica para tratamento. Intubação Necessidade IOT por mais de 48 horas, devido à manutenção da ventilação orotraqueal mecânica para o tratamento de insuficiência respiratória aguda ou aspiração prolongada de secreção traqueobrônquica naqueles impossibilitados de eliminá-la (EOT) espontaneamente. Ventilação Necessidade de ventilação mecânica por mais de 48 horas para tratamento mecânica de insuficiência respiratória aguda. prolongada Presença de sibilos à ausculta pulmonar associados a sintomas respiratórios Broncoespasmo agudos e necessidade de terapêutica medicamentosa. 1 Professora Adjunta de Pneumologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 2. 5 - Como podem ser classificados os fatores de risco de complicações pulmonares no pós- operatório? Eles podem ser classificados em fatores de risco ligados: • ao paciente; • ao procedimento. 6 - Quais são os fatores de risco ligados ao paciente? Idade: a idade constitui fator de risco por estar associada a co-morbidades. Portanto, a idade isoladamente não é contra-indicação para cirurgia. Obesidade: alguns estudos questionam se há associação importante entre este fator de risco e complicações pulmonares no pós-operatório. Desnutrição: a desnutrição acentuada pode levar a diminuição da imunidade, predispondo a infecção respiratória, e determinar diminuição da força muscular, dificultando o desmame do respirador. Tabagismo: é reconhecidamente um fator de risco para procedimentos cirúrgicos e este risco aumenta ainda mais se o hábito tabágico for suspenso por um período inferior a oito semanas antes da cirurgia. Pneumopatia: asma e, principalmente, DPOC constituem dois dos mais importantes fatores de risco. Um estudo realizado na Universidade Federal de São Paulo revelou que pacientes com DPOC, com estádio GOLD igual ou superior a 1, apresentavam maior risco para complicações pulmonares após ressecção pulmonar. No entanto, o benefício da cirurgia deve ser levado em conta. Uma avaliação pré-operatória cuidadosa e um tratamento pós-operatório intensivo sempre devem ser oferecidos àqueles pacientes graves. Os pacientes com apnéia obstrutiva do sono podem apresentar deterioração da doença, com hipoxemia e hipercapnia, no pós-operatório. Cardiopatia: isquemia do miocárdio é fator de risco considerável. As cardiopatias devem ser investigadas e, se necessário, tratadas antes de dar prosseguimento aos exames que quantificam a reserva pulmonar. 7 - Quais são os fatores de risco ligados ao procedimento? Anestesia: a principal complicação da anestesia geral é a atelectasia. A associação de agentes anestésicos com miorrelaxantes leva a uma disfunção do diafragma, alterando as forças entre o tórax e abdome, e, desta forma, aumenta a pressão intra-abdominal que vai comprimir o parênquima pulmonar. Outra alteração do processo anestésico é a mistura de gases com elevado teor de oxigênio, levando ao colapso alveolar por absorção do oxigênio (atelectasias de absorção). Por fim os anestésicos parecem induzir à formação de surfactante não eficaz, com conseqüente instabilidade alveolar. Tipo e duração da cirurgia: a prevalência de complicações nas cirurgias tóraco-abdominais é maior que nas cirurgias periféricas. Particularmente as cirurgias abdominais altas levam a uma diminuição reflexa da força do diafragma levando a diminuição de volumes e capacidades pulmonares. As cirurgias laparoscópicas apresentam menor prevalência de complicações em relação às laparotomias. Os pacientes com cirurgias com duração superior a três ou quatro horas complicam mais do ponto de vista pulmonar. 8 - Como varia o risco de acordo com o procedimento cirúrgico? Cirurgias diferentes apresentam, obviamente, diferentes níveis de risco de complicações no pós- operatório. A lista a seguir mostra o risco cirúrgico em ordem crescente: 1. cirurgia fora do tórax ou abdome; 2. cirurgia abdominal inferior; 3. cirurgia abdominal superior; 4. cirurgia torácica sem ressecção pulmonar; 5. cirurgia torácica com ressecção pulmonar. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 3. 9 - Qual a freqüência das principais complicações pulmonares em decorrência de uma cirurgia abdominal alta quando comparada a uma cirurgia abdominal baixa? A incidência de complicações é inversamente proporcional à distancia da incisão cirúrgica em relação ao diafragma. A taxa de morbidade respiratória para cirurgia abdominal alta é 17% a 76% e para cirurgia abdominal baixa, de 0% a 5%. 10 - Quais as principais complicações pulmonares de uma cirurgia abdominal alta? As principais complicações são: atelectasias, infecção respiratória, broncoconstrição e insuficiência respiratória. Em especial, deve-se enfatizar as complicações pulmonares após esofagectomias, porque elas ocorrem entre 25% a 50% dos pacientes. As razões para esse alto risco incluem a cirurgia em duas cavidades (tórax e abdome), a interrupção da inervação brônquica e da circulação linfática, a disfunção dos músculos respiratórios, (incluindo o músculo diafragma), a proteção inadequada da via aérea resultante da lesão do nervo laringo-recorrente, a desordem na deglutição, a reconstrução de órgãos no espaço subesternal e o derrame pleural, que podem prejudicar a ventilação no pós-operatório imediato. 11 - Quais os principais passos na avaliação pré-operatória de uma cirurgia abdominal alta? Inicialmente deve haver uma história e exame físico bem feitos. Os pacientes cuja história sugira doença cardiopulmonar devem realizar radiograma de tórax e eletrocardiograma. A espirometria está indicada principalmente para os pacientes com história de pneumopatia prévia, sintomas respiratórios ou tabagistas. Um estudo realizado na Universidade Federal de São Paulo com pacientes submetidos a cirurgia abdominal alta revelou que a relação VEF1/CVF<70% foi um preditor para morbidade respiratória no pós-operatório. 12 - Quais as principais alterações pulmonares em decorrência de uma laparoscopia? A laparoscopia causa pneumoperitônio e conseqüente aumento da pressão intra-abdominal, elevando o diafragma e diminuindo capacidades e volumes pulmonares. Durante o procedimento, ocorre absorção de gás carbônico pelo peritônio, que pode determinar hipercapnia. No entanto, um pequeno aumento no volume minuto é suficiente para corrigir essa hipercapnia. O uso de relaxantes musculares diminui a tensão na parede abdominal e, assim, a necessidade de gás insuflado é menor, reduzindo-se a absorção sistêmica de gás carbônico. Estudos experimentais e clínicos mostram que as alterações respiratórias, desde que prontamente monitoradas e corrigidas, não acarretam maiores conseqüências intra-operatórias. 13 - Como deve ser o procedimento para avaliação do risco cirúrgico pulmonar? História e exame físico São importantes história e exame físico completos para identificar principalmente os sintomáticos respiratórios. Gasometria arterial Valores de PaO2 inferior a 55 mmHg em repouso ou a 50 mmHg durante o exercício indicam alto risco cirúrgico. Alguns estudos mostram que PaCO2 superior a 45 mmHg não representa um fator de risco independente para ressecção pulmonar, no entanto, uma avaliação fisiológica mais profunda é recomendada. Uma saturação de O2 menor que 90% indica risco cirúrgico elevado para ressecção pulmonar. Radiograma de tórax Todos os pacientes cuja história sugira doença cardiopulmonar devem realizar radiograma de tórax, assim como eletrocardiograma. Espirometria Pela sua importância, será discutida separadamente. 14 - Qual a importância da espirometria na avaliação pré-operatória? A espirometria é importante para identificar os pacientes de risco para complicações respiratórias e que necessitam de intervenção agressiva no período perioperatório. Portanto a espirometria pode www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 4. identificar uma pneumopatia não reconhecida anteriormente, estimar o risco/benefício do tratamento cirúrgico,planejar o perioperatório e estimar a função pulmonar pós-operatória. 15 - Quais as indicações de espirometria no pré-operatório? Condições relacionadas ao paciente ou à cirurgia podem indicar a realização de espirometria no pré-operatório. São elas: Condições do paciente: pneumopatia prévia (DPOC, asma), fumante, tosse crônica, infecção respiratória recente, idade avançada, obesidade, deformidade da parede torácica, doença neuromuscular. Condições do procedimento: cirurgia torácica ou abdominal, ressecção pulmonar, anestesia prolongada. 16 - Para que servem as escalas de risco cirúrgico? Essas escalas são utilizadas para estratificar o risco do paciente complicar no pós-operatório, com base em parâmetros clínicos e laboratoriais. 17 - Quais são algumas destas escalas de risco? Índice cardiopulmonar Associa o índice cardíaco de Goldman a fatores de risco pulmonares, como fumo, sintomas respiratórios, obesidade, presença de sibilos, relação VEF1/CVF<70% e PaCO2>45 mmHg . Os pacientes com escore maior que 4 pontos apresentam maior probabilidade de complicações no pós-operatório. Escala ASA (American Society of Anesthesiology) É baseada em critérios clínicos. Embora subjetiva, é bastante utilizada e um escore de 2 a 5 indica elevada morbidade no pós-operatório. Escala de Torrington & Hederson Esta escala baseia-se em sintomas respiratórios, tipo de cirurgia e medidas da espirometria, como CVF e VEF1/CVF. Pacientes com pontuação maior que 4 constituem risco moderado a grave. Escala de Pereira e colaboradores Esta é uma escala criada e validada na Universidade Federal de São Paulo. Ela é utilizada para cirurgias abdominais altas, em que é levado em conta a presença de pneumopatia, comorbidade, tempo cirúrgico maior que 210 minutos e relação VEF1/CVF. 18 - Qual o risco de complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção pulmonar? O risco de complicação após ressecção do parênquima pulmonar pode variar de 30% a 50%, dependendo da quantidade de parênquima a ser ressecado. 19 - Quais são as principais complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção pulmonar? As complicações mais freqüentes são: arritmia cardíaca, em particular a fibrilação atrial, infecções respiratórias, insuficiência respiratória aguda levando a um prolongamento do tempo de ventilação mecânica, fístula broncopleural e escape aéreo prolongado (superior a quatro dias). 20 - Qual a taxa de mortalidade após a ressecção pulmonar? Nas pneumonectomias essa taxa vai de 2,9% a 12% e nas lobectomias, de 4% a 7%. 21 - Quais os parâmetros a serem avaliados no pré-operatório de uma ressecção pulmonar? Idade, função cardíaca, espirometria, capacidade de difusão, gasometria arterial, extensão da ressecção, cintilografia de ventilação-perfusão e teste do exercício. 22 - Qual a importância da idade na avaliação de uma ressecção pulmonar? Pessoas com idade acima de 70 anos entram no grupo de maior risco cirúrgico principalmente pelas co-morbidades associadas. No entanto, não se deve contra-indicar uma cirurgia a uma pessoa com idade avançada, mas com bom estado geral, somente pelo fato dela ser idosa. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 5. 23 - Qual a importância do risco cardíaco na avaliação de uma ressecção pulmonar? Uma alteração ao ECG no pré-operatório está associada a complicações no intra ou no pós- operatório, como insuficiência cardíaca, arritmias ou síndromes coronarianas agudas. A presença de infarto do miocárdio, principalmente nos três meses do pré-operatório, apresenta elevado risco cirúrgico. Em pacientes coronariopatas, pode ser necessária a revascularização coronariana antes da cirurgia eletiva. 24 - A espirometria é importante na avaliação pré-operatória de ressecção pulmonar? Sim. Dentre os parâmetros da espirometria, o mais importante a ser avaliado é o VEF1. No passado, era recomendável para se realizar uma pneumonectomia que o VEF1 fosse de pelo menos 2 L e, para uma lobectomia, que o VEF1 fosse de pelo menos 1,5 L. No entanto, esses valores não levam em conta sexo, altura, idade e peso. Atualmente, é mais importante calcular o VEF1 em relação ao percentual do predito. Para os pacientes com função pulmonar comprometida, podemos calcular o VEF1 predito no pós- operatório (VEF1-ppo) por meio da cintilografia pulmonar. Também podemos calcular a capacidade de difusão do monóxido de carbono e o consumo máximo de oxigênio preditos no pós-operatório com o teste de exercício. 25 - Qual a importância da medida da capacidade de difusão do monóxido de carbono (DLCO)? A medida de difusão do monóxido de carbono, quando inferior a 60%, no pré-operatório, está associada a uma maior morbimortalidade. No entanto, à semelhança do VEF1-ppo, é importante, do ponto de vista de avaliação funcional, calcularmos o DLCO-ppo. Portanto, pacientes candidatos a ressecção pulmonar por neoplasia de pulmão e que apresentam um VEF1 ou DLCO no pré- operatório menor que 80% do predito devem ser avaliados com cintilografia para calcular a função pulmonar no pós-operatório. 26 - É importante estimar a quantidade de tecido pulmonar a ser ressecado? Sim. Existe uma clara correlação entre a extensão do pulmão a ser ressecado e a morbimortalidade no pós-operatório. Ressecção em cunha e segmentectomia são procedimentos com menores riscos, enquanto pneumonectomia, de maior risco. A mortalidade após pneumonectomia é o dobro em relação a uma lobectomia. De um modo geral, uma taxa de mortalidade de 30 dias de 5% é considerada boa e de 2%, excelente. 27 - Quais as maneiras de se avaliar a função pulmonar no pós-operatório? Entre as maneiras mais práticas destacam-se a cintilografia de ventilação e de perfusão, a tomografia computadorizada quantitativa, ou simplesmente a contagem do número de segmentos a serem removidos. 28 - Como utilizar a cintilografia pulmonar de perfusão? A cintilografia pulmonar de perfusão quantitativa é útil para calcular a função do pulmão a ser ressecado em relação a função pulmonar total e, portanto, predizer o comprometimento pulmonar no pós-operatório. Essa medida é importante para os pacientes com alteração pulmonar. Utiliza-se o Tc-99m intravenoso para medir a função relativa de cada pulmão e então estimar o VEF1 e a DLCO preditos no pós-operatório, após uma pneumonectomia ou uma lobectomia. 29 - Qual a fórmula utilizada para calcular o VEF1-ppo para uma pneumonectomia por meio da cintilografia de perfusão? VEF1ppo = VEF1* pré-operatório x (1- percentual de pulmão ressecado) (* VEF1 pós-broncodilatador da espirometria) www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 6. 30 - Como contar o número de segmentos a serem removidos? O número de segmentos a serem removidos pode ser contado utilizando uma fórmula que leva em conta o VEF1 do pré-operatório, e o número de segmentos residuais após ressecção dividido pelo número total de segmentos. Essa fórmula também pode ser utilizada para calcular o DLCO-ppo. número de segmentos residuais após ressecção VEF1 = VEF1 pré − operatório x número total de segmentos Número total de segmentos = 19 Se esse valor for menor que 40%, então a cintilografia de ventilação-perfusão está indicada. Este exame informa sobre a função pulmonar regional levando-se em conta que áreas não perfundidas provavelmente não são ventiladas. Com o valor de corte de 40%, o médico decide se indica ou não o teste do exercício cardiopulmonar. 31 - Para que serve o teste de exercício na avaliação pré-operatória? O teste de exercício é o parâmetro ideal porque ele avalia a reserva cardiopulmonar do paciente. Durante o exercício a ênfase principal é dada para o cálculo da VO2máx. Quando este valor é maior que 20 mL/kg/min ou maior que 75% do predito, qualifica o paciente para pneumonectomia. Um valor menor que 10 mL/kg/min ou menor que 40% predito é considerado proibitivo para qualquer ressecção. Valores intermediários, entre 15-10 mL/kg/min, levam a discussão do risco com a equipe multidisciplinar e com os familiares. 32 - O que fazer na ausência de aparelhos sofisticados para realização do teste de exercício? Um teste que pode ser utilizado é o teste da escada. A habilidade de subir 4,6 lances de escada ou 83 degraus, totalizando 15,35 metros, corresponde a uma VO2máx de 20 mL/kg/min, o que qualifica o paciente para uma pneumonectomia. Subir mais de 14 metros qualifica o paciente para grandes ressecções. No entanto, é importante que o paciente siga um protocolo. O teste da caminhada dos seis minutos também é um teste simples e que tem sido utilizado para o risco cirúrgico. Alguns estudos mostram que uma distância caminhada inferior a 400 metros indica risco aumentado para complicações pulmonares no pós-operatório de ressecção pulmonar. 33 - Quais os passos a serem tomados para avaliação de um paciente candidato à ressecção pulmonar? Bolliger e colaboradores elaboraram em algoritmo para avaliação da reserva cardiopulmonar para candidatos à ressecção pulmonar (figura a seguir). È importante lembrar que este algoritmo não é uma regra matemática, que deve ser seguido rigorosamente, mas ele serve para orientar o médico na avaliação pré-operatória. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 7. Linha tracejada – avaliação cardiológica caso surjam sinais de isquemia coronariana durante o teste de exercício. PPO – previsto no pós-operatório. 34 - Existe papel para a cirurgia redutora de volume pulmonar em combinação com cirurgia para neoplasia de pulmão? Existem estudos mostrando que pacientes com VEF1-ppo menor que 40% tiveram sucesso quando foram submetidos a lobectomia do lobo onde era localizado o tumor em conjunto com a cirurgia redutora de volume pulmonar de um ou mais lobos. Portanto, em certas situações esse tipo de cirurgia pode tornar um paciente inoperável do ponto de vista de função cardiopulmonar em um paciente qualificado para ressecção pulmonar. No entanto este é um assunto a ser estudado. 35 - Quais as principais complicações pulmonares em decorrência da videotoracoscopia? Com a tecnologia, os procedimentos cirúrgicos vídeo-assistidos têm se expandido no campo da cirurgia torácica, incluindo as ressecções pulmonares para neoplasia de pulmão. As principais complicações em decorrência da cirurgia torácica vídeo-assistida são o escape aéreo prolongado e o derrame pleural. No entanto, com o aprimoramento da técnica e com indicações precisas, este tipo de procedimento vai se tornado cada vez mais freqüente. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 8. 36 - Quais as medidas gerais pré-operatórias a serem tomadas para minimizar as complicações pulmonares nos pacientes de risco? Cessar o tabagismo pelo menos oito semanas antes da cirurgia. Se o paciente apresentar obstrução na espirometria ou tiver sintomas respiratórios, iniciar broncodilatador com corticóide, ou caso tenha sinais de infecção respiratória iniciar antibioticoterapia. Iniciar fisioterapia respiratória já no pré-operatório, mantendo-a pós-operatório, principalmente com manobras de expansão pulmonar. Quanto à profilaxia para tromboembolismo é importante que esta medida seja adotada para as grandes cirurgias, com destaque especial para as ortopédicas e as para doenças malignas. 37 - Qual a importância da fisioterapia na preparação para o paciente cirúrgico? A fisioterapia deve ser feita no pré e no pós-operatório principalmente para as cirurgias torácicas e abdominais. As manobras de inspiração profunda e com incentivador respiratório são igualmente eficazes principalmente, se assistidas por um fisioterapeuta. O uso do PEEP no período perioperatório elimina as atelectasias, mas o efeito na oxigenação é controverso. Além do mais ele pode levar a distensão abdominal. A terapia com CPAP pode beneficiar um grupo de pacientes com atelectasia refratária. Quando administrada por máscara facial é necessária uma observação rigorosa para evitar vômitos e aspiração de secreção. Em suma, muitas técnicas de fisioterapia respiratória são recomendadas para profilaxia ou tratamento das complicações pulmonares. Dentre elas estão a respiração profunda, o incentivador respiratório, a respiração por pressão positiva intermitente (RPPI) e a pressão positiva contínua em vias aéreas. Cada uma delas é mais eficiente do que a não realização de qualquer terapia, o que ressalta a importância da fisioterapia na prevenção de complicações respiratórias. 38 - Leitura recomendada Smetana GW. Preoperative pulmonary evaluation. N. Engl. J. Med. 1999;340:937-87. Smetana GW at al. Update in perioperative medicine. Ann. Intern. Med. 2004;140:452-61. Bolliger CT, Perruchoud AP. Functional evaluation of the lung resection candidate. Eur. Respir. J. 1998;11:198-212. Bolliger CT. Evaluation of operability before lung resection. Curr. Opin. Pulm. Med. 2003;9:321-326. Beckles MA, Spiro SG, Colice GL, Rudd RM. The physiologic evaluation of patients with lung cancer being considered for resectional surgery. Chest 2003;123:105S-114S. British Thoracic Society and Society of Cardiothoracic Surgeons of Great Britain and Ireland Working Party. Guidelines on the selection of patients with lung cancer for surgery. Thorax 2001;56:89-108. Sharma S. Perioperative pulmonary management. Topic last updated 2004 .Disponível em http://www.emedicine.com/MED/topic3169.htm. Stanzani F, Oliveira MA, Forti V, SM Farensin. Incidência de complicações pulmonares no pós- operatório de ressecção pulmonar por câncer de pulmão (Abstract). J. Bras. Pneumol 2004;30:AO- 034. Pereira EDB, Fernandes ALG, Anção MS, Peres CA, Atallah AN , Farensin SM. Prospective assessment of the risk of postoperative pulmonary complications in patients submitted to upper abdominal surgery. São Paulo Méd. J./Ver Paul. Med 1999;117:151-60. Farensin SM. Avaliação do risco operatório. Manual de pneumologia. Sociedade Brasileira de Pneumologia - Porto Alegre: Ed. dos Autores, 2002;27-32. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X