SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
DROGAS Lícitas Ilícitas Fernanda Iris Garcia - Enfermeira
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
DROGAS LÍCITAS ,[object Object]
Drogas   Ilícitas “ São aquelas que tem a sua produção, comercialização e uso proibidos por lei.” O uso de drogas ilícitas é considerado crime previsto no Código Penal Brasileiro cujas  penalidades variam de seis meses a dois anos de prisão.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Drogas Lícitas
[object Object]
Cerveja: A droga lícita mais consumida no Brasil
 
Anfetaminas As anfetaminas são drogas estimulantes, ou seja, estimulam o sistema nervoso central, provocando aumento das capacidades físicas e psíquicas.
Codeína A codeína é um alcalóide natural que compõe o ópio. É utilizado no tratamento da dor e para tosses secas sem expectoração.
Ansiolíticos Ansiolítico é uma droga sintética utilizada para  diminuir a  ansiedade e a  tensão.  Atingem áreas  do  cérebro que  controlam  a  ansiedade.
Barbitúricos ,[object Object]
Rebite É uma droga derivada de anfetaminas que estimula o sistema nervoso central fazendo com que ele tenha um ritmo mais acelerado de trabalho.
Benflogin Usado como alucinante pelos jovens, na superdosagem, há o aumento da produção e da liberação de dopamina no cérebro, acelerando a atividade no sistema límbico que controla as funções, como memória e emoções. As experiências armazenadas sofrem deformações, causando alteração da percepção da realidade e conseqüentemente alucinações visuais. Entre os efeitos alucinógenos descritos, os principais são raios e luzes coloridas, após a movimentação do globo ocular e o chamado pelos usuários de "Efeito Bruce Lee”, no qual são visualizadas cenas em câmera lenta.
Papoula ,[object Object]
[object Object],Morfina
[object Object],Doping Marion Jones - "Uma das maiores fraudes do esporte“
[object Object],Boa noite cinderela
 
[object Object]
Guaraná
I-Doser ,[object Object]
Drogas Ilícitas
Maconha ,[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object]
MERLA ,[object Object],[object Object]
As drogas circulam pelo corpo e entram na corrente sanguínea causando dependência, problemas circulatórios, cerebrais e respiratórios, compulsão e vários outros fatores que, iguais a estes citados, podem levar à morte.
[object Object],[object Object]
aracterização das drogas segundo o perigo de provocar dependência física, psíquica e tolerância Caracterização das drogas segundo o perigo de causar dependência física, psíquica e torerância Legenda: inexistente (-), Ligeira (+), Média (++), Forte (+++), Muito Forte (++++) Nota: algumas drogas, quando consumidas de forma abusiva, embora levem o utilizador a fazer crescer os seus consumos, deixam progressivamente de fazer efeito mesmo com o aumento da dose: é o caso da cocaína, do ecstasy e, sobretudo, do LSD. No caso específico da cocaína é comum os seus utilizadores lembrarem-se saudosamente dos efeitos sentidos nas primeiras tomas, convertendo-se a sua dependência, de alguma forma, numa procura inglória da mesma "euforia" sentida no início.   +++ +++ +++ Metadona + ++ + Cafeina ++++ ++++ ++++ Heroína _ ++++ _ Cocaína _ + _ Ecstasy ++++ +++ ++ Anfetaminas + ++ + Benzodiazepinas ++ +++ ++++ Álcool +++ ++ + Inalantes _ + - LSD + ++ - Canabinóides + ++ + Tabaco Tolerância Dependência Psíquica Dependência Física Droga
Caracterização das drogas segundo a sintomatologia do síndrome de abstinência   Nota: os canabinóides, o LSD e o ecstasy têm sintomas de abstinência muitíssimo ligeiros, e apenas em casos raros e extremos.        Irritabilidade e ansiedade, cefaleias (dor de cabeça), secura da boca, obstipação. Nicotina Irritabilidade, nervosismo, entorpecimento intelectual. Cafeína Depressão (por vezes grave, com risco de suicídio), apatia, sonolência, dores musculares. Anfetaminas Cocaína Nos  casos ligeiros : tremores. Nos  casos graves : delirium tremens (delírios e alucinações, geralmente "visualização" de insectos nas paredes, tecto, etc.). Álcool Insónia, desmaios, tremores e, em casos raros e extremos, febre, convulsões, delírios e coma. Benzodiazepinas Ansiedade e dispneia, mídriase (dilatação das pupilas), lacrimejo, rinorreia, calafrios, "pele de galinha", tremores e convulsões, hipertensão, diarreia e vómitos com consequente desidratação que em casos raros e extremos poderá levar à morte. Opiáceos (ex.: heroína) Sintomas de abstinência Droga
Caracterização das drogas segundo os efeitos imediatos (positivos e negativos) e efeitos tardios do consumo contínuo  Emagrecimento, ansiedade, irritabilidade e agressividade, grande labilidade emocional, depressão com risco de suicídio Diminuição da coordenação motora, do equilíbrio, hipotensão, bradicárdia, paragem respiratória e morte Elimina a ansiedade e a tensão muscular. Promove a desinibição psicológica e o sono "para dormir e esquecer" Benzodiazepinas Anorexia, emagrecimento e desnutrição, obstipação, impotência ou frigidez sexual, esterilidade, demência, confusão e infecções várias (hepatites, Sida, endocardites quando a administração é endovenosa) Cólicas abdominais, confusão mental, convulsões, paragem respiratória por inibição dos Centros Respiratórios e, se não houver assistência terapêutica rápida, a morte Elimina a ansiedade e depressão, promove a confiança, euforia e extremo bem-estar Opiáceos (ex.: heroína) Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga
Doenças graves do fígado, rim e sangue (leucemias), e demência irreversível Embriaguez, alucinações, diplopia (visão dupla), paragem respiratória, coma e morte Igual às benzodiazepinas Inalantes (tintas, lacas, colas, gasolina, solventes, aerossóis, etc.) Polineurite, impotência ou frigidez sexual, amnésia, diplopia (visão dupla), cirrose hepática, labilidade emocional, agressividade extrema e demência irreversível (devido à destruição irreversível de células cerebrais) Igual às benzodiazepinas Igual às benzodiazepinas Álcool Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga
Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga Pode desencadear uma doença mental (psicose) nos raros indivíduos predispostos Síndrome "amotivacional" (provavelmente apenas em grandes consumidores predispostos) Secura da boca, reacções de ansiedade e pânico (paradoxalmente mais comuns em fumadores experientes), agressividade e, excepcionalmente, alucinações Elimina a ansiedade e promove sensação de bem-estar, desinibição, maior capacidade de fantasiação, visualização da realidade com mais intensidade (cores e sons mais distintos) Canabinóides Emagrecimento, irritabilidade, delírios paranóides (sensação de ser perseguido por organizações secretas, etc.) A perfuração do septo nasal é uma complicação típica do consumo inalado de cocaína O ecstasy está raramente associado a crises de flashback Secura da boca, suores, febre, hipertensão e arritmias cardíacas, irritabilidade, agressividade, tremores e convulsões, delírios paranóides A exaustão contínua pode provocar desidratação, problemas cardíacos, renais e morte A cocaína está frequentemente associada à perfuração do septo nasal Estado de grande auto-confiança, euforia e energia. Aumento efémero da capacidade de concentração, memorização, rapidez de associação de ideias, maior força muscular e diminuição da fadiga, sono, fome, sede ou frio Anfetaminas Ecstasy Cocaína
Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga Doenças pulmonares e cancros Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, gangrena dos membros e impotência sexual Aumento do ritmo cardíaco e hipertensão, tosse e problemas cardíacos e vasculares graves em indivíduos predispostos Relaxamento psicológico, facilitador da concentração Tabaco Crises psicóticas com delírios e alucinações Flash-backs ou períodos efémeros nos quais o ex-consumidor volta a sentir os efeitos do consumo até um ano depois de deixar de consumir Má viagem ou "bad trip" em que o consumidor tem sensação intensa de pânico e delírios paranóides que podem durar até cerca de 2 dias Estas reacções descontrolados provocam ocasionalmente acidentes mortais Forte exaltação das percepções sensoriais (cores e sons mais intensos), sinestesias (transferências das impressões de um sentido para outro: ouve-se cores e vê-se sons). Sensação de levitação, despersonalização mística em que o indivíduo se sente unido ao Universo deixando de ser uma unidade individualizada Alucinogénios (ex.: LSD)
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Bibliografia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Música: Drogas Autoria: Banda Catedral Disco: Catedral III - 1990

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
As drogas na adolescência
As drogas na adolescênciaAs drogas na adolescência
As drogas na adolescência
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
 
Seminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e DrogasSeminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e Drogas
 
Palestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogasPalestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogas
 
Drogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitasDrogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitas
 
Drogas na Adolescência
Drogas na AdolescênciaDrogas na Adolescência
Drogas na Adolescência
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Palestra drogas setembro 2011
Palestra drogas setembro 2011Palestra drogas setembro 2011
Palestra drogas setembro 2011
 
Drogas na Adolescência
Drogas na AdolescênciaDrogas na Adolescência
Drogas na Adolescência
 
Alcool e outras drogas
Alcool e outras drogasAlcool e outras drogas
Alcool e outras drogas
 
Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
Slides drogas-2
Slides   drogas-2Slides   drogas-2
Slides drogas-2
 
Apresentação drogas escola
Apresentação drogas escolaApresentação drogas escola
Apresentação drogas escola
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
Alcoolismo trabalho de português
Alcoolismo   trabalho de portuguêsAlcoolismo   trabalho de português
Alcoolismo trabalho de português
 

Destaque

Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de CrânioAlex Eduardo Ribeiro
 
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância MagnéticaArtefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Fabiano Ladislau
 
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTicaMeios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTicaAlex Eduardo Ribeiro
 
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia Computadorizada
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia ComputadorizadaAnatomia Seccional do Crâneo em Tomografia Computadorizada
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia ComputadorizadaAlex Eduardo Ribeiro
 
Artefatos de movimento
Artefatos de movimentoArtefatos de movimento
Artefatos de movimentoIsa Fernandes
 
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.Barreiro
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.BarreiroCap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.Barreiro
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.BarreiroMaria Luiza
 

Destaque (20)

Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
 
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância MagnéticaArtefatos Na Imagem Ressonância Magnética
Artefatos Na Imagem Ressonância Magnética
 
Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM Utilização do gadolínio em RM
Utilização do gadolínio em RM
 
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTicaMeios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
 
Meios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RMMeios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RM
 
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia Computadorizada
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia ComputadorizadaAnatomia Seccional do Crâneo em Tomografia Computadorizada
Anatomia Seccional do Crâneo em Tomografia Computadorizada
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
 
Aula de rm prof. luis aguiar
Aula de rm   prof. luis aguiarAula de rm   prof. luis aguiar
Aula de rm prof. luis aguiar
 
Telas Intensificadoras
Telas IntensificadorasTelas Intensificadoras
Telas Intensificadoras
 
PRINCÍPIO FÍSICO DE RM
PRINCÍPIO FÍSICO DE RMPRINCÍPIO FÍSICO DE RM
PRINCÍPIO FÍSICO DE RM
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.
 
RM JOELHO
RM JOELHORM JOELHO
RM JOELHO
 
RM COLUNA VERTEBRAL
RM COLUNA VERTEBRALRM COLUNA VERTEBRAL
RM COLUNA VERTEBRAL
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: INTRODUÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: INTRODUÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA: INTRODUÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: INTRODUÇÃO
 
Artefatos de movimento
Artefatos de movimentoArtefatos de movimento
Artefatos de movimento
 
Aula de física ressônancia magnética
Aula de física ressônancia magnéticaAula de física ressônancia magnética
Aula de física ressônancia magnética
 
RM PESCOÇO E ANGIO-CARÓTIDAS
RM PESCOÇO E ANGIO-CARÓTIDASRM PESCOÇO E ANGIO-CARÓTIDAS
RM PESCOÇO E ANGIO-CARÓTIDAS
 
Biossegurança em RM
Biossegurança em RMBiossegurança em RM
Biossegurança em RM
 
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.Barreiro
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.BarreiroCap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.Barreiro
Cap01 Quimica Medicinal-Eliezer J.Barreiro
 
Reações adversas na RM
Reações adversas na RMReações adversas na RM
Reações adversas na RM
 

Semelhante a Drogas Lícitas e Ilícitas: Efeitos e Classificação

Semelhante a Drogas Lícitas e Ilícitas: Efeitos e Classificação (20)

Apresentaaofe 100914175033-phpapp01 (1)
Apresentaaofe 100914175033-phpapp01 (1)Apresentaaofe 100914175033-phpapp01 (1)
Apresentaaofe 100914175033-phpapp01 (1)
 
Drogas 2
Drogas 2Drogas 2
Drogas 2
 
Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009
 
Drogas e seus efeitos
Drogas e seus efeitosDrogas e seus efeitos
Drogas e seus efeitos
 
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticasAs drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
 
Alcooleoutrasdrogas 120329155650-phpapp02
Alcooleoutrasdrogas 120329155650-phpapp02Alcooleoutrasdrogas 120329155650-phpapp02
Alcooleoutrasdrogas 120329155650-phpapp02
 
Diga não às Drogas - Prof. Altair Aguilar.
Diga não às Drogas - Prof. Altair Aguilar.Diga não às Drogas - Prof. Altair Aguilar.
Diga não às Drogas - Prof. Altair Aguilar.
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Drogas e Álcool - Tipos de Drogas e Efeitos no Adolescente - Manuela Pessoa A...
Drogas e Álcool - Tipos de Drogas e Efeitos no Adolescente - Manuela Pessoa A...Drogas e Álcool - Tipos de Drogas e Efeitos no Adolescente - Manuela Pessoa A...
Drogas e Álcool - Tipos de Drogas e Efeitos no Adolescente - Manuela Pessoa A...
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Isa
IsaIsa
Isa
 
Drogas Naturais
Drogas NaturaisDrogas Naturais
Drogas Naturais
 
Drogas blog da turma 2003
Drogas   blog da turma 2003Drogas   blog da turma 2003
Drogas blog da turma 2003
 
Drogas Naturais
Drogas NaturaisDrogas Naturais
Drogas Naturais
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro

Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Alex Eduardo Ribeiro
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Alex Eduardo Ribeiro
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro (20)

Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em PneumoniaRisco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Pneumonia Intersticial
Pneumonia IntersticialPneumonia Intersticial
Pneumonia Intersticial
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Pneumonia Com Derrame Pleural
Pneumonia Com Derrame PleuralPneumonia Com Derrame Pleural
Pneumonia Com Derrame Pleural
 
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na ComunidadePneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
 
Nódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar SolitárioNódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar Solitário
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
 
Coração Artificial
Coração ArtificialCoração Artificial
Coração Artificial
 
Radiação e a Vida
Radiação e a VidaRadiação e a Vida
Radiação e a Vida
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 

Drogas Lícitas e Ilícitas: Efeitos e Classificação

  • 1. DROGAS Lícitas Ilícitas Fernanda Iris Garcia - Enfermeira
  • 2.
  • 3.
  • 4. Drogas Ilícitas “ São aquelas que tem a sua produção, comercialização e uso proibidos por lei.” O uso de drogas ilícitas é considerado crime previsto no Código Penal Brasileiro cujas penalidades variam de seis meses a dois anos de prisão.
  • 5.
  • 7.
  • 8. Cerveja: A droga lícita mais consumida no Brasil
  • 9.  
  • 10. Anfetaminas As anfetaminas são drogas estimulantes, ou seja, estimulam o sistema nervoso central, provocando aumento das capacidades físicas e psíquicas.
  • 11. Codeína A codeína é um alcalóide natural que compõe o ópio. É utilizado no tratamento da dor e para tosses secas sem expectoração.
  • 12. Ansiolíticos Ansiolítico é uma droga sintética utilizada para diminuir a ansiedade e a tensão. Atingem áreas do cérebro que controlam a ansiedade.
  • 13.
  • 14. Rebite É uma droga derivada de anfetaminas que estimula o sistema nervoso central fazendo com que ele tenha um ritmo mais acelerado de trabalho.
  • 15. Benflogin Usado como alucinante pelos jovens, na superdosagem, há o aumento da produção e da liberação de dopamina no cérebro, acelerando a atividade no sistema límbico que controla as funções, como memória e emoções. As experiências armazenadas sofrem deformações, causando alteração da percepção da realidade e conseqüentemente alucinações visuais. Entre os efeitos alucinógenos descritos, os principais são raios e luzes coloridas, após a movimentação do globo ocular e o chamado pelos usuários de "Efeito Bruce Lee”, no qual são visualizadas cenas em câmera lenta.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.  
  • 21.
  • 23.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. As drogas circulam pelo corpo e entram na corrente sanguínea causando dependência, problemas circulatórios, cerebrais e respiratórios, compulsão e vários outros fatores que, iguais a estes citados, podem levar à morte.
  • 38.
  • 39. aracterização das drogas segundo o perigo de provocar dependência física, psíquica e tolerância Caracterização das drogas segundo o perigo de causar dependência física, psíquica e torerância Legenda: inexistente (-), Ligeira (+), Média (++), Forte (+++), Muito Forte (++++) Nota: algumas drogas, quando consumidas de forma abusiva, embora levem o utilizador a fazer crescer os seus consumos, deixam progressivamente de fazer efeito mesmo com o aumento da dose: é o caso da cocaína, do ecstasy e, sobretudo, do LSD. No caso específico da cocaína é comum os seus utilizadores lembrarem-se saudosamente dos efeitos sentidos nas primeiras tomas, convertendo-se a sua dependência, de alguma forma, numa procura inglória da mesma "euforia" sentida no início. +++ +++ +++ Metadona + ++ + Cafeina ++++ ++++ ++++ Heroína _ ++++ _ Cocaína _ + _ Ecstasy ++++ +++ ++ Anfetaminas + ++ + Benzodiazepinas ++ +++ ++++ Álcool +++ ++ + Inalantes _ + - LSD + ++ - Canabinóides + ++ + Tabaco Tolerância Dependência Psíquica Dependência Física Droga
  • 40. Caracterização das drogas segundo a sintomatologia do síndrome de abstinência Nota: os canabinóides, o LSD e o ecstasy têm sintomas de abstinência muitíssimo ligeiros, e apenas em casos raros e extremos.     Irritabilidade e ansiedade, cefaleias (dor de cabeça), secura da boca, obstipação. Nicotina Irritabilidade, nervosismo, entorpecimento intelectual. Cafeína Depressão (por vezes grave, com risco de suicídio), apatia, sonolência, dores musculares. Anfetaminas Cocaína Nos  casos ligeiros : tremores. Nos  casos graves : delirium tremens (delírios e alucinações, geralmente "visualização" de insectos nas paredes, tecto, etc.). Álcool Insónia, desmaios, tremores e, em casos raros e extremos, febre, convulsões, delírios e coma. Benzodiazepinas Ansiedade e dispneia, mídriase (dilatação das pupilas), lacrimejo, rinorreia, calafrios, "pele de galinha", tremores e convulsões, hipertensão, diarreia e vómitos com consequente desidratação que em casos raros e extremos poderá levar à morte. Opiáceos (ex.: heroína) Sintomas de abstinência Droga
  • 41. Caracterização das drogas segundo os efeitos imediatos (positivos e negativos) e efeitos tardios do consumo contínuo Emagrecimento, ansiedade, irritabilidade e agressividade, grande labilidade emocional, depressão com risco de suicídio Diminuição da coordenação motora, do equilíbrio, hipotensão, bradicárdia, paragem respiratória e morte Elimina a ansiedade e a tensão muscular. Promove a desinibição psicológica e o sono "para dormir e esquecer" Benzodiazepinas Anorexia, emagrecimento e desnutrição, obstipação, impotência ou frigidez sexual, esterilidade, demência, confusão e infecções várias (hepatites, Sida, endocardites quando a administração é endovenosa) Cólicas abdominais, confusão mental, convulsões, paragem respiratória por inibição dos Centros Respiratórios e, se não houver assistência terapêutica rápida, a morte Elimina a ansiedade e depressão, promove a confiança, euforia e extremo bem-estar Opiáceos (ex.: heroína) Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga
  • 42. Doenças graves do fígado, rim e sangue (leucemias), e demência irreversível Embriaguez, alucinações, diplopia (visão dupla), paragem respiratória, coma e morte Igual às benzodiazepinas Inalantes (tintas, lacas, colas, gasolina, solventes, aerossóis, etc.) Polineurite, impotência ou frigidez sexual, amnésia, diplopia (visão dupla), cirrose hepática, labilidade emocional, agressividade extrema e demência irreversível (devido à destruição irreversível de células cerebrais) Igual às benzodiazepinas Igual às benzodiazepinas Álcool Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga
  • 43. Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga Pode desencadear uma doença mental (psicose) nos raros indivíduos predispostos Síndrome "amotivacional" (provavelmente apenas em grandes consumidores predispostos) Secura da boca, reacções de ansiedade e pânico (paradoxalmente mais comuns em fumadores experientes), agressividade e, excepcionalmente, alucinações Elimina a ansiedade e promove sensação de bem-estar, desinibição, maior capacidade de fantasiação, visualização da realidade com mais intensidade (cores e sons mais distintos) Canabinóides Emagrecimento, irritabilidade, delírios paranóides (sensação de ser perseguido por organizações secretas, etc.) A perfuração do septo nasal é uma complicação típica do consumo inalado de cocaína O ecstasy está raramente associado a crises de flashback Secura da boca, suores, febre, hipertensão e arritmias cardíacas, irritabilidade, agressividade, tremores e convulsões, delírios paranóides A exaustão contínua pode provocar desidratação, problemas cardíacos, renais e morte A cocaína está frequentemente associada à perfuração do septo nasal Estado de grande auto-confiança, euforia e energia. Aumento efémero da capacidade de concentração, memorização, rapidez de associação de ideias, maior força muscular e diminuição da fadiga, sono, fome, sede ou frio Anfetaminas Ecstasy Cocaína
  • 44. Negativos mais frequentes na sobredosagem e em fases tardias do consumo continuado Positivos são os que o toxicodependente procura Efeitos tardios do consumo contínuo Efeitos imediatos   Droga Doenças pulmonares e cancros Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, gangrena dos membros e impotência sexual Aumento do ritmo cardíaco e hipertensão, tosse e problemas cardíacos e vasculares graves em indivíduos predispostos Relaxamento psicológico, facilitador da concentração Tabaco Crises psicóticas com delírios e alucinações Flash-backs ou períodos efémeros nos quais o ex-consumidor volta a sentir os efeitos do consumo até um ano depois de deixar de consumir Má viagem ou "bad trip" em que o consumidor tem sensação intensa de pânico e delírios paranóides que podem durar até cerca de 2 dias Estas reacções descontrolados provocam ocasionalmente acidentes mortais Forte exaltação das percepções sensoriais (cores e sons mais intensos), sinestesias (transferências das impressões de um sentido para outro: ouve-se cores e vê-se sons). Sensação de levitação, despersonalização mística em que o indivíduo se sente unido ao Universo deixando de ser uma unidade individualizada Alucinogénios (ex.: LSD)
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.  
  • 57.  
  • 58.  
  • 59.  
  • 60.  
  • 61.  
  • 62.  
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70.  
  • 71.  
  • 72.  
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77.  
  • 78.  
  • 79.  
  • 80. Música: Drogas Autoria: Banda Catedral Disco: Catedral III - 1990