Protocolo Intubação Sequência Rápida HCPA

37.147 visualizações

Publicada em

Rapid sequence intubation; incubação de sequência rápida

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
24 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
37.147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
355
Comentários
0
Gostaram
24
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Protocolo Intubação Sequência Rápida HCPA

  1. 1. Apresentação de protocolo: INTUBAÇÃO DE SEQÜÊNCIA RÁPIDA Fabiano Nagel Médico Intensivista - SMI/HCPA Serviço de Medicina IntensivaServiço de Medicina Intensiva
  2. 2. Implementação de Protocolos • A produção de conhecimentos é custosa.
  3. 3. • Diversas intervenções benéficas não são oferecidas a pacientes, que potencialmente seriam beneficiados por elas JAMA 2001, 286:2578-2585 • Pior: Muitos pacientes recebem intervenções desnecessárias ou mesmo potencialmente maléficas.
  4. 4. Segurança do Paciente
  5. 5. www.patientsafetyfirst.nhs.uk Segurança do Paciente
  6. 6. www.amib.com.br G U T I S Segurança do Paciente
  7. 7. Segurança do Paciente
  8. 8. Na avaliação inicial do paciente crítico, na Emergência ou na UTI, o manejo da via aérea para garantir uma ventilação e oxigenação adequada é essencial ISR - ContextoISR - Contexto
  9. 9. Apesar dos esforços iniciais serem direcionados a garantir ventilação/oxigenação do paciente sem a necessidade de intubação, essas intervenções podem não ser suficientes ISR - ContextoISR - Contexto
  10. 10. É um processo no qual agentes farmacológicos, a saber um sedativo e um BNM, são administrados de forma rápida e sequencial para facilitar a intubação Intubação por Sequência RápidaIntubação por Sequência Rápida Originalmente descrita para as intubações eletivas realizadas para cirurgias RSI no contexto do paciente anestesiado é utilizada com o objetivo de reduzir o risco de aspiração por ser um procedimento mais rápido RSI no contexto do pcte crítico é utilizada para facilitar a intubação ( agitação, instabilidade, jejum) com o beneficio adicional de reduzir o risco de aspiração
  11. 11. • Cerca de 60-70% dos pacientes não recebem avaliação adequada das condições para intubação • O ato de intubar pode causar alterações fisiológicas deletérias e inclusive fatais • Hipoxemia grave durante intubação de pacientes críticos ocorre em até 1/3 dos casos • ISR aumenta a chance de sucesso na intubação para 98% Intubação por Sequência RápidaIntubação por Sequência Rápida CHEST 2005; 127:1397–1412 Anesthesiology 1995; 82:367–376 Air Med J 1994;13:475–478 Anesth Analg. 2004;99:607-613
  12. 12. Intensive Care Med (2010) 36:248–255
  13. 13. VantagensVantagens ⇒Prevenir aspiração e suas consequencias ⇒Evitar picos hipertensivos ( ↑FC ↑PIC ↑PIO) ⇒Reduz reflexo de tosse ⇒Maior mobilização cervical ⇒Reduz traumatismo de via aérea DesvantagensDesvantagens ⇒Efeitos colaterais dos medicamentos ⇒Intubação prolongada com necessidade de via aérea cirurgica ISRISR
  14. 14. ⇒PreparaçãoPreparação ⇒ Pré-oxigenação ⇒Pré-tratamento ⇒Indução com paralisia ⇒ Proteção e posicionamento ⇒Posicionamento do TOT ⇒Cuidados pós intubação ISRISR
  15. 15. ISRISR
  16. 16. • PreparaçãoPreparação ⇒Material disponível ⇒ O2, ambu com máscara, laringoscópio e lâminas,TOT, guia, equipamento de PCR e de resgate ( máscara laringea, via aérea cirurgica) ⇒ Acesso venoso, monitorização, aspiração ⇒ SOAP MESOAP ME (suction, oxygen, airway, pharmacology,(suction, oxygen, airway, pharmacology, monitoring, equipment)monitoring, equipment) ISRISR
  17. 17. Eixos cilíndricos "oro-faríngeo" e "faringo-traqueal", por onde um tubo endotraqueal deverá passar para atingir seu destino, ou seja, a laringe e traquéia, se encontram praticamente em ângulo reto, uma posição claramente desfavorável à intubação por laringoscopia direta ● Proteção e posicionamento
  18. 18. A coluna cervical é fletida em direção anterior (ventral), com a elevação da cabeça em aproximadamente 8-10 cm com auxílio de um suporte firme; ao mesmo tempo em que a cabeça é estendida (dorso-flexão), a nível da articulação atlanto-occipital, torna a visualização das estruturas laríngeas mais fácil, uma vez que os eixos oro-faríngeo e faringo-traqueal estarão melhor alinhados.
  19. 19. MallampatiMallampati
  20. 20. • Pré-oxigenaçãoPré-oxigenação ⇒O propósito é substituir o nitrogênio da CRF do paciente e substituir por oxigênio ⇒ 3 a 5 minutos ventilando com O2 a 100% ⇒ Permite um período de 3 a 5 minutos em apnéia sem hipoxia significativa no paciente normoxêmico ISRISR
  21. 21. •Pré-tratamentoPré-tratamento ⇒Deveria ser iniciado 3 minutos antes da intubação ⇒Lidocaina 1,5mg/kg, Fentanil 2 a 3mcg/kg e Atropina 0,02mg/kg ⇒Indicações: ↑PIC e perda da autoregulação ( L + F) Cardiopatia isquêmica ( F ) Hiper reatividade brônquica ( L + F) Crianças ( A ) ISRISR
  22. 22. ●● Indução e paralisiaIndução e paralisia ⇒Agente indutor seguido do bloqueador neuromuscular ⇒Indutores: barbitúricos , opióides, agentes dissociativos, não barbitúricos ⇒BNM: succinilcolina ISRISR
  23. 23. ISRISR
  24. 24. ISRISR
  25. 25. ⇒Posicionamento do TOT ⇒Cuidados pós intubação ISRISR
  26. 26. ISRISR
  27. 27. Airway Management of the Critically Ill Patient * : Rapid-Sequence Intubation

×