SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Pneumonia com Derrame Pleural na Infância

                                                    Autores
                                                                 1
                                                Gilberto Fischer
                                              Publicação: Set-2003

1 - Como se define derrame pleural?
Derrame pleural é o acúmulo anormal de líquido no espaço pleural. Normalmente existe em torno
de 0,1 a 0,2 ml/kg de peso de líquido no espaço pleural. Esse líquido tem como função permitir o
deslizamento de uma superfície pleural sobre a outra.

2 - Quais os tipos de derrame pleural?
Os derrames pleurais podem ser classificados de acordo com as características de seu conteúdo
em exsudato e transudato. O transudato é o derrame que acompanha situações como insuficiência
cardíaca, insuficiência renal, cirrose, tendo como característica um conteúdo proteico baixo (abaixo
de 3,0 g/%). O exsudato ocorre nas condições inflamatórias, infecciosas e neoplásicas e apresenta
elevado conteúdo protéico (acima de 3,0 g/%). A classificação do derrame pleural em transudato
ou exsudato obedece aos critérios de Light, conforme ilustrado no quadro abaixo.

              Critérios de Light para diferenciação de transudatos e exsudatos
                   Parâmetros                          Transudatos           Exsudatos
Relação entre proteína do líquido pleural e sérica         < 0,5               > 0,5
Relação entre DHL do líquido pleural e sérica              < 0,6               > 0,6
DHL no líquido pleural >2/3 do limite superior no           não                 sim
soro

O derrame pleural associado à pneumonia é chamado de parapneumônico. Este, segundo critérios
clássicos de Light, pode ser classificado como complicado e não complicado, dependendo da fase
inflamatória que ele se encontra. Nas primeiras horas, o derrame pleural apresenta-se como um
exsudato simples, sem formação de fibrina, estando, portanto, livre no espaço pleural. Após
algumas horas, o líquido vai se tornando mais espesso e com maior conteúdo inflamatório, o que
caracteriza a fase fibrino-purulenta. Se o processo evoluir, o derrame entrará na fase de
organização fibrinosa, que pode determinar o encarceramento pulmonar. Se o pulmão persistir por
período prolongado sem poder se expandir, a atelectasia então causada pode levar à formação de
bronquiectasias, que poderão ser irreversíveis e determinar a necessidade de lobectomia.

3 - Qual a freqüência de derrame pleural em pneumonias na criança?
O derrame pleural é uma complicação freqüente de pneumonia em crianças. Estima-se que em
torno de 5 a 10% das pneumonias comunitárias em crianças evoluam com derrame pleural.
Entretanto, a maioria deles não apresenta volume nem características que justifiquem qualquer
preocupação de puncioná-los ou drená-los. O tratamento com antibióticos é suficiente para seu
controle. A faixa etária que mais apresenta essa complicação é a de crianças menores que dois
anos de idade.

4 - Quais os agentes etiológicos mais freqüentes em derrame pleural parapneumônico?
Os agentes que mais causam pneumonia com derrame pleural são os mesmo que causam com
maior freqüência pneumonias em criança: pneumococo, hemófilo e estafilococo. O micoplasma
também pode causar derrame pleural. Em geral, todas as pneumonias, inclusive as por vírus,
podem apresentar como complicação o derrame pleural, especialmente aquelas de maior
gravidade. O pneumococo é o agente mais encontrado nos derrames pleurais devido a sua maior


1
    Professor Titular de Pediatria da Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre.
                                                                                        www.pneumoatual.com.br
                                                                                               ISSN 1519-521X
freqüência; porém o estafilococo pode ser considerado o agente que, quando presente na
pneumonia, mais tem capacidade de evoluir com derrame pleural

5 - Como se faz o diagnóstico clínico de derrame pleural em crianças?
O diagnóstico clínico de derrame pleural é muito difícil. Em geral, suspeita-se dessa complicação
em crianças já com diagnóstico de pneumonia com evolução desfavorável, caracterizada por febre
persistente, dor torácica e aumento da dificuldade ventilatória. Na ausculta pulmonar, evidencia-se
redução do murmúrio vesicular no lado afetado. Em lactentes, a presença de batimento de asas do
nariz também pode sugerir piora da pneumonia, o que deve levantar a suspeita da presença de
derrame pleural.

6 - Como se faz o diagnóstico de derrame pleural com o radiograma de tórax?
O derrame pleural de pequeno volume pode não ser percebido num radiograma realizado em
decúbito dorsal, que é a técnica mais utilizada em crianças. Derrames de moderado volume podem
ser melhor vistos com radiograma obtido em decúbito lateral. Embora seja prática freqüente, o
exame obtido em decúbito lateral em derrame pleural volumoso (hemitórax opaco) não tem
indicação, pois nessa situação não haverá contraste entre parênquima e líquido devido ao volume
deste. Uma limitação do radiograma de tórax é distinguir entre derrame e espessamento pleural.
Nesta última condição não há mais líquido no espaço pleural, pois ele foi substituído por material
inflamatório fibrinoso.

7 - Qual o papel da ultrassonografia?
A ultrassonografia é um exame auxiliar muito valioso em derrame pleural da criança. Ela pode
definir a sua presença, estimar seu volume e localização, assim como detectar a presença de
loculações, o que pode definir a estratégia terapêutica. É um exame que pode ser realizado com a
presença do médico que vai puncionar o derrame, determinando o melhor local de punção. Nos
casos em que existem evidências de septações à ecografia, a toracocentese pode ser substituída
pela pleuroscopia, que permite melhor acesso aos locais septados.

8 - Quando está indicado fazer toracocentese em derrame pleural?
Indica-se a toracocentese em todo derrame pleural associado à pneumonia em crianças, uma vez
que ele apresentará características físicas importantes (devido à fase inflamatória em que se
encontra) além de poder conter a bactéria causadora da infecção, orientando melhor a terapêutica.
Derrame pleural de volume mínimo (mal definido ao radiograma de tórax) não necessita de
toracocentese imediata, mas sua evolução deve ser acompanhada. Em geral, em 48 horas se
define a evolução para reabsorção, estabilidade ou para aumento do derrame, que determina a
necessidade de drenagem.

9 - Qual a utilidade dos exames laboratoriais do líquido pleural?
Vários são os aspectos da análise do líquido pleural que podem contribuir no diagnóstico e no
tratamento desta condição. Se o aspecto do líquido for purulento, há indicação de sua drenagem.
Se for identificado no exame direto ou na cultura do mesmo a presença de bactéria, a
antibioticoterapia será então a ela orientada e, na maioria das vezes, esse achado também irá
constituir indicação de drenagem do líquido pleural. A análise bioquímica do líquido pleural tem
muita utilidade nos casos indefinidos quanto à necessidade de drenagem, ou seja, aqueles com
volumes moderados ou grandes, aqueles não-purulentos e com evolução clínica insatisfatória
apesar da antibioticoterapia. Os exames de maior sensibilidade e especificidade para indicar
drenagem são a análise do pH e da glicose pleural. Em contraste ao que ocorre no adulto, na
quase totalidade dos casos de derrame pleural em crianças com pneumonia, não há necessidade
de diagnóstico diferencial entre exsudato e transudato, assim como não é necessário excluir outras
causas como doenças reumáticas, autoimunes ou neoplasias. Tornam-se desnecessários,
portanto, exames como a dosagem de proteínas, desidrogenase lática e estudo da celularidade.



                                                                             www.pneumoatual.com.br
                                                                                    ISSN 1519-521X
10 - Quando se indica a biópsia pleural?
A biópsia pleural, em pediatria, está indicada principalmente na suspeita de derrame pleural de
etiologia tuberculosa. Raramente, na suspeita de colagenoses ou neoplasias, a biópsia também
deve ser realizada.

11 - Quando se indica a realização de tomografia computadorizada (TC) em derrame pleural?
Poucas vezes é necessária realização de TC em derrame pleural na criança. Algumas vezes, em
derrames pleurais complicados com a presença de cavidades hidroaéreas na evolução de
pneumonias, pode estar indicada a TC. Nessas situações, o exame com contraste pode facilitar o
diagnóstico diferencial entre derrame pleural com pneumotórax loculado e abscesso pulmonar.

12 - Quando se indica a drenagem do derrame pleural?
Existem indicações aceitas na maioria das publicações que são: presença de pus, derrame
volumoso com desvio de estruturas mediastinais para o lado oposto ao afetado e
comprometimento da ventilação. Embora não constituam indicações indiscutíveis, a presença de
glicose pleural abaixo de 40 mg/dl ou de pH pleural inferior a 7,2 sugerem fortemente esse
procedimento. Estudo realizado no Hospital da Criança Santo Antônio com 85 crianças demonstrou
que em derrames não purulentos esses dois achados apresentavam alta sensibilidade e
especificidade para a evolução de necessidade de drenagem. A DHL não contribuiu para esse
desfecho quando comparada aos valores de pH e glicose.

13 - Qual o papel da drenagem simples em derrame pleural parapneumônico em crianças?
Atualmente, tem se utilizado muitas vezes recursos, como a toracoscopia, para uma drenagem
torácica eficiente. Contudo, a drenagem simples continua tendo um papel importante em derrames
pleurais parapneumônicos em pediatria. Não há necessidade de equipamentos sofisticados e pode
ser realizada em qualquer hospital. Está principalmente indicada naqueles derrames em fase
inicial, que estão livres no espaço pleural, ainda sem loculações.

14 - Quando está indicada a drenagem sob pleuroscopia? Qual o equipamento mais
adequado?
A drenagem com visualização direta com toracoscópio ou pleuroscópio tem como principal
indicação a remoção de porções de fibrina que constituem lojas de derrame pleural que impedem
sua drenagem completa. O processo de organização do derrame pleural ocorre, geralmente, em
torno de 48 horas de evolução do processo inflamatório e se expressa clinicamente pela
manutenção da febre e das alterações ao radiograma de tórax. Essa situação leva, muitas vezes, à
troca inadequada de antibióticos, o que aumenta o tempo de internação e seus custos.

15 - Qual o papel das enzimas proteolíticas no tratamento de derrame pleural?
Recentemente tem sido proposto o uso de enzimas proteolíticas no tratamento de derrame pleural.
Até o momento, os estudos com esses agentes em pediatria são muito restritos. O custo dessas
drogas e o fato de ser necessário manter-se um acesso ao espaço pleural são limitações que
ainda dificultam sua aplicação.

16 - Quando se indica o uso de vídeo para toracoscopia em derrame pleural?
As indicações são praticamente as mesmas para a pleuroscopia ou toracoscopia sem uso de
vídeo. Essa técnica exige equipamento de vídeo, o que limita sua aplicação em muitos locais. Não
há estudos em pediatria suficientes para definir as vantagens da videotoracoscopia sobre a técnica
sem vídeo. Os que defendem a técnica por vídeo argumentam que nela a incisão é menor e
tecnicamente menos cruenta. Por outro lado, o equipamento necessário é muito mais caro e o
treinamento de quem a realiza, mais sofisticado. A pleuroscopia pode ser realizada com
toracoscópio e material para aspiração. A incisão necessária não é grande e o procedimento
apresenta poucas complicações.



                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
17 - Quais os antibióticos recomendados para o tratamento de pneumonias com derrame
pleural?
Embora seja desejável que se identifique os agentes etiológicos para a escolha da
antibioticoterapia, sabe-se que, na imensa maioria das vezes, a decisão é empírica, baseada na
freqüência dos agentes etiológicos e na apresentação clínica e radiológica. Assim utiliza-se como
primeira opção a Penicilina cristalina por via intravenosa por período variável, que depende da
evolução clínica. Em geral usa-se um período mínimo de sete dias para os casos pouco
complicados (rápida melhora da febre, melhora do estado geral) e 14 a 28 dias para os casos
complicados. Pode-se optar por antibióticos que proporcionem maior cobertura visando outros
agentes, como o estafilococo e o hemófilo, como a cefuroxima, ou associar outros de antibióticos,
como o cloranfenicol. Em casos em que o risco de infecção por estafilococo é alto, recomenda-se o
uso de drogas específicas para esse agente como a oxacilina. A prática freqüente de se usar
vancomicina associada com aminoglicosídeo não está justificada na maioria dos casos. Essa seria
uma opção para infecções em que se tenha identificado um estafilococo com resistência a
antibióticos de primeira linha ou, empiricamente, em infecções adquiridas em hospital. Deve-se ter
muita atenção em somente considerar a troca antibiótica em situações onde outras causas para a
não melhora tenham sido bem investigadas.É muito freqüente que se considere ausência de
resposta antibiótica situações onde a drenagem do processo tenha sido inadequada.

18 - Qual a indicação de exames radiológicos de controle?
Não há dados bem estudados que possam definir a indicação de exames radiológicos no controle
da pneumonia com derrame pleural. Quando o derrame pleural é pequeno e não foi drenado, um
radiograma de controle após a criança não apresentar hipertermia por três a cinco dias é
recomendado como critério de alta hospitalar. Entretanto, o ressurgimento de hipertermia após um
período afebril determina a realização imediata do radiograma. Por outro lado, pacientes
submetidos a drenagem necessitam maior número de exames de controle. Um exame após a
drenagem, um após a retirada do dreno e um no momento da alta são bem indicados. Nos casos
em que existe dúvida sobre coleções pleurais ou parenquimatosas pode ser indicado o radiograma
com a criança sentada e com raios horizontais para identificar eventuais coleções líquidas
(abscesso pulmonar ou piopneumotórax). Após a alta, a necessidade de exames de controle
depende da situação inicial. Casos complicados, com necessidade de pleuroscopia ou com
encarceramento pulmonar, vão necessitar de maior número de exames de controle. Em geral,
sinais de espessamento pleural residual podem ser detectados em até seis meses após o
processo inicial.

19 - Quais as complicações de derrame pleural parapneumônico em crianças?
Em geral, os derrames pleurais em crianças apresentam complicações relacionadas diretamente
com a qualidade da abordagem inicial. Derrames com indicação de drenagem que não foi feita nos
primeiros dias tendem a apresentar evolução mais complexa. Se a drenagem não foi feita
adequadamente, com drenos pouco calibrosos ou mal posicionados, a evolução tende a ser mais
complicada. Podem ocorrer complicações relacionadas à progressão do processo inflamatório, tais
como empiema franco, piopneumotórax, fístula pulmonar e encarceramento pulmonar.
Infelizmente, muitas vezes essas complicações não são percebidas precocemente e, ao invés da
abordagem direta às complicações, prefere-se realizar trocas de antibióticos. Essas complicações
podem manter o quadro de hipertermia, que não será controlado enquanto elas não forem
abordadas corretamente.
Atualmente, poucas vezes se observa o encarceramento pulmonar grave, com presença de
escoliose secundária. Era um evento freqüente no passado, presente em pacientes encaminhados
tardiamente para drenagem. É uma complicação grave que pode determinar seqüelas funcionais
no hemitórax afetado. Apesar disto, crianças podem apresentar uma recuperação lenta, mas
completa, após a liberação cirúrgica do pulmão afetado.




                                                                            www.pneumoatual.com.br
                                                                                   ISSN 1519-521X
20 - Quando se indica a drenagem aberta em derrame pleural?
A drenagem aberta com pleurostomia é, atualmente, um procedimento de indicação rara. Está
indicada nos pacientes com pulmão encarcerado por período prolongado e que não expande ao se
realizar a pleuroscopia. A técnica cirúrgica é simples e os cuidados são simples no período pós-
operatório. A pleura é exposta na pele por um estoma criado por ressecção de um arco costal.
Após um período de aproximadamente um ano, essa cavidade criada pode ser totalmente
reconstituída com mínima cicatriz local.

21 - Qual o tempo de tratamento hospitalar de derrame pleural?
O tempo de hospitalização depende das características da pneumonia e do derrame pleural.
Quando não há necessidade de drenagem, o período de internação é semelhante ao de uma
pneumonia sem essa complicação, em torno de cinco a sete dias. Quando há necessidade de
drenagem e essa for feita precocemente e com a técnica adequada, o período fica em torno de
sete a dez dias. Casos com drenagem retardada ou sem a técnica apropriada podem determinar
internação de três a quatro semanas.

22 - Qual o papel da fisioterapia em derrame pleural?
Embora a fisioterapia seja freqüentemente realizada, não há estudos que possam definir sua
indicação com clareza. A maior indicação parece ser nos pacientes com pulmão parcialmente
encarcerado. É também indicada nos pacientes com processos purulentos (abscessos,
bronquiectasias, pneumonias extensas com necrose). Os casos com escoliose relacionada com
encarceramento pulmonar são os que parecem ter melhor indicação de fisioterapia.

23 - Leitura recomendada
1. Cameron R, Davies H. Intra-pleural fibrinolytic therapy for parapneumonic effsuion and
    empyema. Cochrane Review. Cochrane Library, Issue 2; 2002.Oxford: update software Ltd.
2. Heigen H, Gnar DC. Disease of the pleura: common pleural effusion in children. Clin. Chest
    Med.; 1998,19:363-71.
3. Light RW. Pleural effusion. A new classification of pleural effusion and empyema [editorial}.
    Chest 1995;108:299-301.
4. Mocelin HT, Fischer GB. Epidemiology, presentation and treatment of pleural effusion in
    children. Ped. Resp. Rev. 2002.
5. Montgomery M. Air and liquid in the pleural space. In: Chernick and Boat. Disorders of the
    respiratory tract in children. 6th ed WB Sauders; 1998 pp 389-414.
6. Rodrigues JC. Derrames pleurais. In: RozovT. Doenças pulmonares em pediatria. Ed Atheneu;
    1999. pp 233-244.




                                                                           www.pneumoatual.com.br
                                                                                  ISSN 1519-521X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Pneumotorax
PneumotoraxPneumotorax
Pneumotorax
 
Cistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonaresCistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonares
 
Atelectasia
AtelectasiaAtelectasia
Atelectasia
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Pneumonias - Aula de Microbiologia
Pneumonias - Aula de MicrobiologiaPneumonias - Aula de Microbiologia
Pneumonias - Aula de Microbiologia
 
Pneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidadePneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidade
 
Aula: DPOC
Aula: DPOCAula: DPOC
Aula: DPOC
 
Radiologia Tórax - Dças vasculares pulmonares
Radiologia Tórax - Dças vasculares pulmonaresRadiologia Tórax - Dças vasculares pulmonares
Radiologia Tórax - Dças vasculares pulmonares
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Derrame pleural parapneumônico
Derrame pleural parapneumônicoDerrame pleural parapneumônico
Derrame pleural parapneumônico
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 

Destaque

MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoMICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de MicrocefaliaAssistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de MicrocefaliaThaynara Manhães
 
1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)Mônica Firmida
 
Microcefalia
MicrocefaliaMicrocefalia
MicrocefaliaYaz Moro
 
Boletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefaliaBoletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefaliaAndré Luis Bento
 
Microcefalia vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus
Microcefalia   vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus Microcefalia   vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus
Microcefalia vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce: Ministério da Saúde
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce:  Ministério da SaúdeMICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce:  Ministério da Saúde
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce: Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Fisiologia da Microcirculação
Fisiologia da MicrocirculaçãoFisiologia da Microcirculação
Fisiologia da Microcirculaçãodelanievov
 
Embriologia do Sistema Respiratorio
Embriologia do Sistema RespiratorioEmbriologia do Sistema Respiratorio
Embriologia do Sistema RespiratorioBabinha Andrade
 
Atualidade fevereiro microcefalia
Atualidade fevereiro microcefaliaAtualidade fevereiro microcefalia
Atualidade fevereiro microcefaliaCandice Gunther
 
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a Resumo
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a ResumoTipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a Resumo
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a ResumoAlex Eduardo Ribeiro
 
Atualidades 04 a fevereiro
Atualidades   04 a   fevereiroAtualidades   04 a   fevereiro
Atualidades 04 a fevereiroPriscila Assi
 
Derrame pleural en Pediatría
Derrame pleural en PediatríaDerrame pleural en Pediatría
Derrame pleural en PediatríaTali Dp
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxFlávia Salame
 
Roteiro para exame clínico em pediatria
Roteiro para exame clínico em pediatriaRoteiro para exame clínico em pediatria
Roteiro para exame clínico em pediatriaPhilipp W Graichen
 
Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatriagiolamarao
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxNay Ribeiro
 

Destaque (20)

Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoMICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
 
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de MicrocefaliaAssistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
 
1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)
 
Microcefalia
MicrocefaliaMicrocefalia
Microcefalia
 
Boletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefaliaBoletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefalia
 
Microcefalia vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus
Microcefalia   vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus Microcefalia   vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus
Microcefalia vigilância e resposta à infecção causada pelo zika vírus
 
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce: Ministério da Saúde
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce:  Ministério da SaúdeMICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce:  Ministério da Saúde
MICROCEFALIA - Diretrizes de estimulacao precoce: Ministério da Saúde
 
Fisiologia da Microcirculação
Fisiologia da MicrocirculaçãoFisiologia da Microcirculação
Fisiologia da Microcirculação
 
Embriologia do Sistema Respiratorio
Embriologia do Sistema RespiratorioEmbriologia do Sistema Respiratorio
Embriologia do Sistema Respiratorio
 
Atualidade fevereiro microcefalia
Atualidade fevereiro microcefaliaAtualidade fevereiro microcefalia
Atualidade fevereiro microcefalia
 
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a Resumo
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a ResumoTipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a Resumo
Tipos De Bobinas Ressonância Magnétic- a Resumo
 
Atualidades 04 a fevereiro
Atualidades   04 a   fevereiroAtualidades   04 a   fevereiro
Atualidades 04 a fevereiro
 
Derrame pleural en Pediatría
Derrame pleural en PediatríaDerrame pleural en Pediatría
Derrame pleural en Pediatría
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 
Roteiro para exame clínico em pediatria
Roteiro para exame clínico em pediatriaRoteiro para exame clínico em pediatria
Roteiro para exame clínico em pediatria
 
Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatria
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
 

Semelhante a Pneumonia com Derrame Pleural na Infância

PNEUMOTÓRAX,23.pptx
PNEUMOTÓRAX,23.pptxPNEUMOTÓRAX,23.pptx
PNEUMOTÓRAX,23.pptxDaniel37211
 
Pneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidadePneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidadeThiago Hubner
 
Disturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoDisturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoEdirceu Luiz
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emArquivo-FClinico
 
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEPABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEPvictorinocachipa
 
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primáriaO exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primáriaLaped Ufrn
 
O exame cardiológico inicial em pediatria seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria   seu papel na atenção primáriaO exame cardiológico inicial em pediatria   seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria seu papel na atenção primáriagisa_legal
 
Aspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 finalAspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 finalupload718
 
Apresentação sessao magna
Apresentação sessao magnaApresentação sessao magna
Apresentação sessao magnajaninemagalhaes
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrónicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrónicaFrederico Brandão
 
Granulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerGranulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerFlávia Salame
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptcarlasuzane2
 

Semelhante a Pneumonia com Derrame Pleural na Infância (20)

6847360 pleura4
6847360 pleura46847360 pleura4
6847360 pleura4
 
PNEUMOTÓRAX,23.pptx
PNEUMOTÓRAX,23.pptxPNEUMOTÓRAX,23.pptx
PNEUMOTÓRAX,23.pptx
 
Pneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidadePneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidade
 
Empiema pleural.pptx
Empiema pleural.pptxEmpiema pleural.pptx
Empiema pleural.pptx
 
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na ComunidadePneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
 
Disturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoDisturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilação
 
Liquido pleural
Liquido pleuralLiquido pleural
Liquido pleural
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
 
Abscesso pulmonar
Abscesso pulmonarAbscesso pulmonar
Abscesso pulmonar
 
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEPABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
 
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primáriaO exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria: seu papel na atenção primária
 
O exame cardiológico inicial em pediatria seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria   seu papel na atenção primáriaO exame cardiológico inicial em pediatria   seu papel na atenção primária
O exame cardiológico inicial em pediatria seu papel na atenção primária
 
Cito
CitoCito
Cito
 
Derrame PLEURAL
Derrame PLEURALDerrame PLEURAL
Derrame PLEURAL
 
Aspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 finalAspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 final
 
Apresentação sessao magna
Apresentação sessao magnaApresentação sessao magna
Apresentação sessao magna
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrónicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
 
Granulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerGranulomatose de wegener
Granulomatose de wegener
 
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro

Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Alex Eduardo Ribeiro
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJAlex Eduardo Ribeiro
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Alex Eduardo Ribeiro
 
Artefatos em Rassonância Magnética
Artefatos em Rassonância MagnéticaArtefatos em Rassonância Magnética
Artefatos em Rassonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 

Mais de Alex Eduardo Ribeiro (20)

Apresentaçao fe
Apresentaçao feApresentaçao fe
Apresentaçao fe
 
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em PneumoniaRisco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
 
Pneumonia Intersticial
Pneumonia IntersticialPneumonia Intersticial
Pneumonia Intersticial
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Nódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar SolitárioNódulo Pulmonar Solitário
Nódulo Pulmonar Solitário
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 4 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 3 - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia parte 2 - INCA/RJ
 
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJProgrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
Progrma de Qualidade em Radioterapia - INCA/RJ
 
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJManual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
Manual de Radioterapia para Técnicos em Radiologia - INCA/RJ
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
 
Coração Artificial
Coração ArtificialCoração Artificial
Coração Artificial
 
Radiação e a Vida
Radiação e a VidaRadiação e a Vida
Radiação e a Vida
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
 
Artefatos em Rassonância Magnética
Artefatos em Rassonância MagnéticaArtefatos em Rassonância Magnética
Artefatos em Rassonância Magnética
 

Pneumonia com Derrame Pleural na Infância

  • 1. Pneumonia com Derrame Pleural na Infância Autores 1 Gilberto Fischer Publicação: Set-2003 1 - Como se define derrame pleural? Derrame pleural é o acúmulo anormal de líquido no espaço pleural. Normalmente existe em torno de 0,1 a 0,2 ml/kg de peso de líquido no espaço pleural. Esse líquido tem como função permitir o deslizamento de uma superfície pleural sobre a outra. 2 - Quais os tipos de derrame pleural? Os derrames pleurais podem ser classificados de acordo com as características de seu conteúdo em exsudato e transudato. O transudato é o derrame que acompanha situações como insuficiência cardíaca, insuficiência renal, cirrose, tendo como característica um conteúdo proteico baixo (abaixo de 3,0 g/%). O exsudato ocorre nas condições inflamatórias, infecciosas e neoplásicas e apresenta elevado conteúdo protéico (acima de 3,0 g/%). A classificação do derrame pleural em transudato ou exsudato obedece aos critérios de Light, conforme ilustrado no quadro abaixo. Critérios de Light para diferenciação de transudatos e exsudatos Parâmetros Transudatos Exsudatos Relação entre proteína do líquido pleural e sérica < 0,5 > 0,5 Relação entre DHL do líquido pleural e sérica < 0,6 > 0,6 DHL no líquido pleural >2/3 do limite superior no não sim soro O derrame pleural associado à pneumonia é chamado de parapneumônico. Este, segundo critérios clássicos de Light, pode ser classificado como complicado e não complicado, dependendo da fase inflamatória que ele se encontra. Nas primeiras horas, o derrame pleural apresenta-se como um exsudato simples, sem formação de fibrina, estando, portanto, livre no espaço pleural. Após algumas horas, o líquido vai se tornando mais espesso e com maior conteúdo inflamatório, o que caracteriza a fase fibrino-purulenta. Se o processo evoluir, o derrame entrará na fase de organização fibrinosa, que pode determinar o encarceramento pulmonar. Se o pulmão persistir por período prolongado sem poder se expandir, a atelectasia então causada pode levar à formação de bronquiectasias, que poderão ser irreversíveis e determinar a necessidade de lobectomia. 3 - Qual a freqüência de derrame pleural em pneumonias na criança? O derrame pleural é uma complicação freqüente de pneumonia em crianças. Estima-se que em torno de 5 a 10% das pneumonias comunitárias em crianças evoluam com derrame pleural. Entretanto, a maioria deles não apresenta volume nem características que justifiquem qualquer preocupação de puncioná-los ou drená-los. O tratamento com antibióticos é suficiente para seu controle. A faixa etária que mais apresenta essa complicação é a de crianças menores que dois anos de idade. 4 - Quais os agentes etiológicos mais freqüentes em derrame pleural parapneumônico? Os agentes que mais causam pneumonia com derrame pleural são os mesmo que causam com maior freqüência pneumonias em criança: pneumococo, hemófilo e estafilococo. O micoplasma também pode causar derrame pleural. Em geral, todas as pneumonias, inclusive as por vírus, podem apresentar como complicação o derrame pleural, especialmente aquelas de maior gravidade. O pneumococo é o agente mais encontrado nos derrames pleurais devido a sua maior 1 Professor Titular de Pediatria da Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 2. freqüência; porém o estafilococo pode ser considerado o agente que, quando presente na pneumonia, mais tem capacidade de evoluir com derrame pleural 5 - Como se faz o diagnóstico clínico de derrame pleural em crianças? O diagnóstico clínico de derrame pleural é muito difícil. Em geral, suspeita-se dessa complicação em crianças já com diagnóstico de pneumonia com evolução desfavorável, caracterizada por febre persistente, dor torácica e aumento da dificuldade ventilatória. Na ausculta pulmonar, evidencia-se redução do murmúrio vesicular no lado afetado. Em lactentes, a presença de batimento de asas do nariz também pode sugerir piora da pneumonia, o que deve levantar a suspeita da presença de derrame pleural. 6 - Como se faz o diagnóstico de derrame pleural com o radiograma de tórax? O derrame pleural de pequeno volume pode não ser percebido num radiograma realizado em decúbito dorsal, que é a técnica mais utilizada em crianças. Derrames de moderado volume podem ser melhor vistos com radiograma obtido em decúbito lateral. Embora seja prática freqüente, o exame obtido em decúbito lateral em derrame pleural volumoso (hemitórax opaco) não tem indicação, pois nessa situação não haverá contraste entre parênquima e líquido devido ao volume deste. Uma limitação do radiograma de tórax é distinguir entre derrame e espessamento pleural. Nesta última condição não há mais líquido no espaço pleural, pois ele foi substituído por material inflamatório fibrinoso. 7 - Qual o papel da ultrassonografia? A ultrassonografia é um exame auxiliar muito valioso em derrame pleural da criança. Ela pode definir a sua presença, estimar seu volume e localização, assim como detectar a presença de loculações, o que pode definir a estratégia terapêutica. É um exame que pode ser realizado com a presença do médico que vai puncionar o derrame, determinando o melhor local de punção. Nos casos em que existem evidências de septações à ecografia, a toracocentese pode ser substituída pela pleuroscopia, que permite melhor acesso aos locais septados. 8 - Quando está indicado fazer toracocentese em derrame pleural? Indica-se a toracocentese em todo derrame pleural associado à pneumonia em crianças, uma vez que ele apresentará características físicas importantes (devido à fase inflamatória em que se encontra) além de poder conter a bactéria causadora da infecção, orientando melhor a terapêutica. Derrame pleural de volume mínimo (mal definido ao radiograma de tórax) não necessita de toracocentese imediata, mas sua evolução deve ser acompanhada. Em geral, em 48 horas se define a evolução para reabsorção, estabilidade ou para aumento do derrame, que determina a necessidade de drenagem. 9 - Qual a utilidade dos exames laboratoriais do líquido pleural? Vários são os aspectos da análise do líquido pleural que podem contribuir no diagnóstico e no tratamento desta condição. Se o aspecto do líquido for purulento, há indicação de sua drenagem. Se for identificado no exame direto ou na cultura do mesmo a presença de bactéria, a antibioticoterapia será então a ela orientada e, na maioria das vezes, esse achado também irá constituir indicação de drenagem do líquido pleural. A análise bioquímica do líquido pleural tem muita utilidade nos casos indefinidos quanto à necessidade de drenagem, ou seja, aqueles com volumes moderados ou grandes, aqueles não-purulentos e com evolução clínica insatisfatória apesar da antibioticoterapia. Os exames de maior sensibilidade e especificidade para indicar drenagem são a análise do pH e da glicose pleural. Em contraste ao que ocorre no adulto, na quase totalidade dos casos de derrame pleural em crianças com pneumonia, não há necessidade de diagnóstico diferencial entre exsudato e transudato, assim como não é necessário excluir outras causas como doenças reumáticas, autoimunes ou neoplasias. Tornam-se desnecessários, portanto, exames como a dosagem de proteínas, desidrogenase lática e estudo da celularidade. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 3. 10 - Quando se indica a biópsia pleural? A biópsia pleural, em pediatria, está indicada principalmente na suspeita de derrame pleural de etiologia tuberculosa. Raramente, na suspeita de colagenoses ou neoplasias, a biópsia também deve ser realizada. 11 - Quando se indica a realização de tomografia computadorizada (TC) em derrame pleural? Poucas vezes é necessária realização de TC em derrame pleural na criança. Algumas vezes, em derrames pleurais complicados com a presença de cavidades hidroaéreas na evolução de pneumonias, pode estar indicada a TC. Nessas situações, o exame com contraste pode facilitar o diagnóstico diferencial entre derrame pleural com pneumotórax loculado e abscesso pulmonar. 12 - Quando se indica a drenagem do derrame pleural? Existem indicações aceitas na maioria das publicações que são: presença de pus, derrame volumoso com desvio de estruturas mediastinais para o lado oposto ao afetado e comprometimento da ventilação. Embora não constituam indicações indiscutíveis, a presença de glicose pleural abaixo de 40 mg/dl ou de pH pleural inferior a 7,2 sugerem fortemente esse procedimento. Estudo realizado no Hospital da Criança Santo Antônio com 85 crianças demonstrou que em derrames não purulentos esses dois achados apresentavam alta sensibilidade e especificidade para a evolução de necessidade de drenagem. A DHL não contribuiu para esse desfecho quando comparada aos valores de pH e glicose. 13 - Qual o papel da drenagem simples em derrame pleural parapneumônico em crianças? Atualmente, tem se utilizado muitas vezes recursos, como a toracoscopia, para uma drenagem torácica eficiente. Contudo, a drenagem simples continua tendo um papel importante em derrames pleurais parapneumônicos em pediatria. Não há necessidade de equipamentos sofisticados e pode ser realizada em qualquer hospital. Está principalmente indicada naqueles derrames em fase inicial, que estão livres no espaço pleural, ainda sem loculações. 14 - Quando está indicada a drenagem sob pleuroscopia? Qual o equipamento mais adequado? A drenagem com visualização direta com toracoscópio ou pleuroscópio tem como principal indicação a remoção de porções de fibrina que constituem lojas de derrame pleural que impedem sua drenagem completa. O processo de organização do derrame pleural ocorre, geralmente, em torno de 48 horas de evolução do processo inflamatório e se expressa clinicamente pela manutenção da febre e das alterações ao radiograma de tórax. Essa situação leva, muitas vezes, à troca inadequada de antibióticos, o que aumenta o tempo de internação e seus custos. 15 - Qual o papel das enzimas proteolíticas no tratamento de derrame pleural? Recentemente tem sido proposto o uso de enzimas proteolíticas no tratamento de derrame pleural. Até o momento, os estudos com esses agentes em pediatria são muito restritos. O custo dessas drogas e o fato de ser necessário manter-se um acesso ao espaço pleural são limitações que ainda dificultam sua aplicação. 16 - Quando se indica o uso de vídeo para toracoscopia em derrame pleural? As indicações são praticamente as mesmas para a pleuroscopia ou toracoscopia sem uso de vídeo. Essa técnica exige equipamento de vídeo, o que limita sua aplicação em muitos locais. Não há estudos em pediatria suficientes para definir as vantagens da videotoracoscopia sobre a técnica sem vídeo. Os que defendem a técnica por vídeo argumentam que nela a incisão é menor e tecnicamente menos cruenta. Por outro lado, o equipamento necessário é muito mais caro e o treinamento de quem a realiza, mais sofisticado. A pleuroscopia pode ser realizada com toracoscópio e material para aspiração. A incisão necessária não é grande e o procedimento apresenta poucas complicações. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 4. 17 - Quais os antibióticos recomendados para o tratamento de pneumonias com derrame pleural? Embora seja desejável que se identifique os agentes etiológicos para a escolha da antibioticoterapia, sabe-se que, na imensa maioria das vezes, a decisão é empírica, baseada na freqüência dos agentes etiológicos e na apresentação clínica e radiológica. Assim utiliza-se como primeira opção a Penicilina cristalina por via intravenosa por período variável, que depende da evolução clínica. Em geral usa-se um período mínimo de sete dias para os casos pouco complicados (rápida melhora da febre, melhora do estado geral) e 14 a 28 dias para os casos complicados. Pode-se optar por antibióticos que proporcionem maior cobertura visando outros agentes, como o estafilococo e o hemófilo, como a cefuroxima, ou associar outros de antibióticos, como o cloranfenicol. Em casos em que o risco de infecção por estafilococo é alto, recomenda-se o uso de drogas específicas para esse agente como a oxacilina. A prática freqüente de se usar vancomicina associada com aminoglicosídeo não está justificada na maioria dos casos. Essa seria uma opção para infecções em que se tenha identificado um estafilococo com resistência a antibióticos de primeira linha ou, empiricamente, em infecções adquiridas em hospital. Deve-se ter muita atenção em somente considerar a troca antibiótica em situações onde outras causas para a não melhora tenham sido bem investigadas.É muito freqüente que se considere ausência de resposta antibiótica situações onde a drenagem do processo tenha sido inadequada. 18 - Qual a indicação de exames radiológicos de controle? Não há dados bem estudados que possam definir a indicação de exames radiológicos no controle da pneumonia com derrame pleural. Quando o derrame pleural é pequeno e não foi drenado, um radiograma de controle após a criança não apresentar hipertermia por três a cinco dias é recomendado como critério de alta hospitalar. Entretanto, o ressurgimento de hipertermia após um período afebril determina a realização imediata do radiograma. Por outro lado, pacientes submetidos a drenagem necessitam maior número de exames de controle. Um exame após a drenagem, um após a retirada do dreno e um no momento da alta são bem indicados. Nos casos em que existe dúvida sobre coleções pleurais ou parenquimatosas pode ser indicado o radiograma com a criança sentada e com raios horizontais para identificar eventuais coleções líquidas (abscesso pulmonar ou piopneumotórax). Após a alta, a necessidade de exames de controle depende da situação inicial. Casos complicados, com necessidade de pleuroscopia ou com encarceramento pulmonar, vão necessitar de maior número de exames de controle. Em geral, sinais de espessamento pleural residual podem ser detectados em até seis meses após o processo inicial. 19 - Quais as complicações de derrame pleural parapneumônico em crianças? Em geral, os derrames pleurais em crianças apresentam complicações relacionadas diretamente com a qualidade da abordagem inicial. Derrames com indicação de drenagem que não foi feita nos primeiros dias tendem a apresentar evolução mais complexa. Se a drenagem não foi feita adequadamente, com drenos pouco calibrosos ou mal posicionados, a evolução tende a ser mais complicada. Podem ocorrer complicações relacionadas à progressão do processo inflamatório, tais como empiema franco, piopneumotórax, fístula pulmonar e encarceramento pulmonar. Infelizmente, muitas vezes essas complicações não são percebidas precocemente e, ao invés da abordagem direta às complicações, prefere-se realizar trocas de antibióticos. Essas complicações podem manter o quadro de hipertermia, que não será controlado enquanto elas não forem abordadas corretamente. Atualmente, poucas vezes se observa o encarceramento pulmonar grave, com presença de escoliose secundária. Era um evento freqüente no passado, presente em pacientes encaminhados tardiamente para drenagem. É uma complicação grave que pode determinar seqüelas funcionais no hemitórax afetado. Apesar disto, crianças podem apresentar uma recuperação lenta, mas completa, após a liberação cirúrgica do pulmão afetado. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X
  • 5. 20 - Quando se indica a drenagem aberta em derrame pleural? A drenagem aberta com pleurostomia é, atualmente, um procedimento de indicação rara. Está indicada nos pacientes com pulmão encarcerado por período prolongado e que não expande ao se realizar a pleuroscopia. A técnica cirúrgica é simples e os cuidados são simples no período pós- operatório. A pleura é exposta na pele por um estoma criado por ressecção de um arco costal. Após um período de aproximadamente um ano, essa cavidade criada pode ser totalmente reconstituída com mínima cicatriz local. 21 - Qual o tempo de tratamento hospitalar de derrame pleural? O tempo de hospitalização depende das características da pneumonia e do derrame pleural. Quando não há necessidade de drenagem, o período de internação é semelhante ao de uma pneumonia sem essa complicação, em torno de cinco a sete dias. Quando há necessidade de drenagem e essa for feita precocemente e com a técnica adequada, o período fica em torno de sete a dez dias. Casos com drenagem retardada ou sem a técnica apropriada podem determinar internação de três a quatro semanas. 22 - Qual o papel da fisioterapia em derrame pleural? Embora a fisioterapia seja freqüentemente realizada, não há estudos que possam definir sua indicação com clareza. A maior indicação parece ser nos pacientes com pulmão parcialmente encarcerado. É também indicada nos pacientes com processos purulentos (abscessos, bronquiectasias, pneumonias extensas com necrose). Os casos com escoliose relacionada com encarceramento pulmonar são os que parecem ter melhor indicação de fisioterapia. 23 - Leitura recomendada 1. Cameron R, Davies H. Intra-pleural fibrinolytic therapy for parapneumonic effsuion and empyema. Cochrane Review. Cochrane Library, Issue 2; 2002.Oxford: update software Ltd. 2. Heigen H, Gnar DC. Disease of the pleura: common pleural effusion in children. Clin. Chest Med.; 1998,19:363-71. 3. Light RW. Pleural effusion. A new classification of pleural effusion and empyema [editorial}. Chest 1995;108:299-301. 4. Mocelin HT, Fischer GB. Epidemiology, presentation and treatment of pleural effusion in children. Ped. Resp. Rev. 2002. 5. Montgomery M. Air and liquid in the pleural space. In: Chernick and Boat. Disorders of the respiratory tract in children. 6th ed WB Sauders; 1998 pp 389-414. 6. Rodrigues JC. Derrames pleurais. In: RozovT. Doenças pulmonares em pediatria. Ed Atheneu; 1999. pp 233-244. www.pneumoatual.com.br ISSN 1519-521X