SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
1

AGASSIS PAULO BEZERRA
ESTUDANTE DE GRADUAÇÃO - CIÊNCIAS BIOLOGICAS E TEOLOGIA BACHAREL
UIRAÚNA – PB, JUNHO DE 2011

IDADE MÉDIA RESUMO

A Idade Média compreende o período entre o século V (queda de Roma, em
476) até o século XV (queda de Constantinopla, em 1453).
A expressão Idade Média surgiu com uma conotação depreciativa e injusta.
Até hoje, muitas pessoas, quando ouvem a expressão “Idade Média”, logo pensam
em fanatismo religioso, Inquisição, guerras, pestes, e toda a sorte de catástrofes. É
bom lembrar que a maioria das mulheres queimadas como bruxas da Reforma o
foram depois da Contra-Reforma (século XVI), Portanto, Já na Idade Moderna.
Em relação às guerras, podemos dizer que as medievais foram bem menos
mortíferas que as contemporâneas. O mesmo pode dizer das pestes e da fome, que
não foram apanágio da Idade Média.
Durante a Idade Média, tivemos três civilizações: a cristã ocidental, a
bizantina e a mulçumana, sem relacionar é claro, as civilizações do Extremo-Oriente
e da América Pré-Colombiana.
Durante a Alta Idade Média (séculos V a X), a civilização bizantina, de
religião cristã e língua grega, estava econômica e culturalmente muito mais
adiantada do que o Ocidente latino. Pode-se dizer o mesmo da civilização
muçulmana, cuja ciência, filosofia, e matemática eram bastante desenvolvidas. Já na
Baixa Idade Média (séculos X a XV), o Ocidente Cristão teve um grande surto de
desenvolvimento, notadamente durante o século XV o Ocidente Cristão teve um
grande surto de desenvolvimento, notadamente durante o século XI ao XIII, período
em que o mundo feudal chegou ao apogeu.

Alta Idade Média e Baixa Idade Média
2

O império Romano do Ocidente desagregava a partir do governo de
Diocleciano, em 284, iniciando-se a decadência do Império Romano.
A desorganização administrativa aliada à decadência moral e econômica
deu inicio a esse processo. O exército romano enfraquecia-se, o mesmo ocorrendo
com toda Roma.
Em quanto isto, na Ásia, os bárbaros preparavam-se para invadir a Europa
em procura de terras férteis.
Roma costumava denominar de bárbaros todos aqueles que não falavam o
latim e não viviam dentro das fronteiras de seu Império.
Os primeiros povos a invadirem Roma foram os humos, comandado por
Átila, no século V. embora tenham causado a eles grandes prejuízos, não
conseguiram dominá-la.
Nessa mesma época, o mundo romano sofria novas invasões de povos
bárbaros,
Os visigodos, comandados por Alarico, depois de terem saqueado Roma,
foram se fixar na península Ibérica:
Os francos invadiram e tomaram a Gália;
Os anglo-saxões dominaram a Grã-Bretanha;
Os vândalos atacaram o norte da África.
Em 476, os Bárbaros hérulos, comandados por Odoacro vencem os
romanos, comandados por Rômulo Augusto. Era o fim do Império
Romano do Ocidente.
Com a queda de Roma tivemos como conseqüências:
O desaparecimento das cidades;
O fim do comercio;
O aparecimento dos reinos bárbaros;
A miscigenação das culturas dos bárbaros com a cultura Romana;
A cristianização dos invasores.
Durante a invasão dos bárbaros, muitos particípios, sábios e artistas de
Roma procuram asilar-se no Império Romano do Oriente, rumando para
Constantinopla.

A expansão do Império Bizantino
3

Bizâncio era uma antiga colônia grega localizada onde os romanos ergueram
Constantinopla, a capital do Império Romano do Oriente.
A civilização bizantina ocupava a Europa Balcânica e parte da Síria, do Egito
e da Ásia menor, além de outros pequenos territórios.
Assim, é comum denomina-se de império bizantino, o Império Romano do
Oriente. Ele tinha como sua principal atividade econômica o comércio, talvez por sua
localização estratégica, rota obrigatória dos navios que singravam o mar
mediterrâneo e negro.
Bizâncio caracterizou-se como grande exportador de produtos agrícolas,
púrpura, seda e objetos de ourivesaria.
O apogeu do império bizantino ocorreu no período de 525 a 565, durante o
governo de Justiniano. Este Imperador vislumbrou a possibilidade de reunificar e
reconquistar todas as terras anteriormente integrantes do grande Império romano.
Mandou seus exércitos marcharem sobre a Espanha e a Itália, comandados
pelo general Belizário. A reconquista consumou-se com a vitória das tropas
bizantinas. Ordenou, em seguida, a reconquista do norte da África.
Durante o governo de Justiniano os matemáticos, os sábios, os filósofos e os
arquitetos fizeram do Império Bizantino o centro de suas atividades, desenvolvendo
uma intensa atividade cultural. Enquanto isto o Ocidente permanecia envolvido no
marasmo cultural imposto pela presença dos bárbaros. Neste período, ocorrem:
A codificação do antigo Direito Romano, dando Origem ao Código de
Justiniano;
As construções de aquedutos, sistemas de esgotos de uma grande
muralha e da igreja de santa Sofia;
Intenso desenvolvimento da capital, Constantinopla;
Progresso nas artes e na cultura, destacando-se a arquitetura e o largo
emprego de belos e famosos vitrais e mosaicos.
O cristianismo era a religião oficial do Império Bizantino. Porém, problemas
de interpretação levavam a sérias divergências, que determinaram o surgimento, em
1054, do Cisma. Houve então a separação entre as igrejas de Roma e de
Constantinopla, dando origem ao catolicismo e á igreja ortodoxa.
4

Após Justiniano sucederam se reinados anárquicos, até que Constantinopla
cai em poder dos turcos otomanos em 1453, marco considerado divisório, colocando
termino a Idade Média e iniciando a Idade Moderna.

A expansão Árabe

A expansão árabe se deu pelas armas. Perseguidos pelos sacerdotes, a
cuja classe pertencia, Maomé foi obrigado a empreender fuga que o levou de Meca
para Medina. A fuga de Maomé é conhecida como hégira e ocorreu no ano de 622.
Chegando a Medina iniciou grande trabalho, reunindo os clãs, cuja unidade
foi constituída e mantida pela fé. Toda via, este elemento acabou por servir de pólo
aglutinador para elementos da mesma raça, pois a partir daí a expansão do Islã se
deu pelas armas, como já afirmamos inicialmente.
Partiu inicialmente para a conquista de Meca, conseguido esse objetivo no
ano de 622. Embora tenha falecido nesse mesmo ano, através do seu Alcorão,
Maomé uniu a maioria das tribos árabes.
Os árabes eram impiedosos guerreiros e passado um século da hégira, já
dominavam a Índia, a Mesopotâmia, a Ásia menor, o Egito, a África setentrional, de
onde chegaram à Espanha e, por conseguinte, ao território europeu.
No ano de 771 os Mouros derrotam o último rei visigodo da península
Ibérica, Roderico. As Astúrias resistem e tornam-si o único foco da reconquista
cristã. Embora tivessem tomado a Gália os mouros são dali expulsos, em 732, na
batalha de Poitiers, sendo os cristãos comandados por Carlos Martel.
Pouco tempo após o restabelecimento da dinastia dos abásidas, em 750,
Absrrhaman chega à Espanha e funda o Califado de Cordoba. Esse árabe pertencia
a dinastia dos omíadas e acabou criando, com a fundação daquele califado, o
primeiro desmembramento do império árabe.
A morte de Maomé havia também cindido o mundo islâmico, cuja liderança
disputada por três califas: o de Bagdá, o de Córdoba, e o do Cairo. Nos anos de 786
a 809 verificou-se a chamada era de oura de Bagdá, cujo orei (califa) era Harum ao
Rachid. As artes, a cultura e o luxo era a marca de Bagdá durante esse período.
Não tardaram porem, as lutas intensas que enfraqueceram esse califado e
culminaram com a dissolução do califado do oriente. Dessa situação se
5

prevaleceram

outros

expoentes

políticos

da

época

e

fundaram

califados

independentes na África setentrional.
Segue-se a invasão dos otomanos, na Ásia, retalhando-a em números
califados fracos e política e militarmente. Os otomanos, vindos então da Ásia central,
acabaram por tomar Bagdá em 1058.
Ao lado do período de ascensão e decadência do califado de Bagdá,
firmava-se no sul da Espanha o califado de Córdoba, propiciando uma fase de
grande processo material e intelectual. Durante a administração árabe verificou-se:
Desenvolvimento da agricultura, propiciado pelo emprego de modernos
sistemas de irrigação;
Desenvolvimento científico, invejado por toda Europa;
Uma efetiva contribuição para o vocabulário ibérico;
Criação e modernização de universidades;
Notável progresso no campo da medicina;
Respeito às liberdades, muito maior que na fase anterior e posterior ao
domínio árabe.
Com a tomada de Toledo, pelas tropas de Afonso VI, em 1085, começa a
expulsão dos árabes pelos espanhóis. Com isto os habitantes da Espanha davam
início a preparação de um dos períodos mais tristes de sua história: a Inquisição.

O Feudalismo Medieval Europeu: Fatores do Aparecimento, Estrutura Social e
Política.

Denomina-se de feudalismo ao sistema político e sócio-econômico
desenvolvido na região ocidental do continente europeu, durante os séculos de IX ao
XI.

Causas do Feudalismo:

Invasão do continente europeu pelos Árabes;
Invasões bárbaras, que isolavam as comunidades européias;
Estabelecimento do império de Carlos Magno;
6

Falência do poder central, que se enfraqueceu possibilitando o
surgimento de poderes locais dirigido spelos senhores feudais;
Afirmação da política de lealdade recíproca entre indivíduos, alicerçada
na posse da terra e que tinha como fundamentos as instituições romanas:
beneficium
clientela
comitatos

benefício em terras

proteção dos ricos
lealdade entre os guerreiros

Estrutura Social e Política

A sociedade feudal não permitia a mobilidade social, isto é, filho de nobre
seria sempre nobre, filho de servo seria sempre servo. Ela estava dividida em
estamentos:
A nobreza, que detinham as terras cultivadas pelos camponeses. Estes
eram obrigados a destinar parte da produção aos nobres, que viviam em
atividades de laser.
O clero: bastante rico, era detentor de grandes extensões de terras,
cultivadas

pelos

camponeses,

no

mesmo

esquema

daqueles

pertencentes aos nobres. Estava dividido em alto clero, ligado a nobreza
e baixo clero, vinculado aos servos.
Os vilões, que culminavam por comprar suas liberdades. Muitos deles
chegaram a ser burgomestres, com o surgimento das cidades.
Os servos, totalmente submissos aos interesses e vontade dos senhores
feudais. Eram convocados como soldados durante as guerras. Estavam
obrigados a pagar impostos extorsivos, com consórcios, que incidia sobre
o casamento. A submissão era tão grande que, em algumas regiões da
Europa, afora do pagamento do consórcio, a noiva era obrigada a passar
a noite de núpcias com o senhor feudal.
O rei: sua única “responsabilidade” era usufruir das mordomias e dirigir as
relações de classe entre suseranos e vassalos, os primeiros recebedores
e os segundos prestadores de homenagens.

Estrutura Econômica
7

A economia feudal era voltada para o consumo interno, exclusivamente.
Baseava-senas atividades agrícolas. O lucro pele venda de produtos era proibido,
assim como a cobrança de juros. As moedas circulavam em pequena quantidade.

A Igreja Cristã Medieval

A igreja, através do clero, constituía uma das classes em que estava dividida
a sociedade feudal.
O clero possuía grandes extensões de terra, obrigando os camponeses a
cultivá-las e delas destinarem parte da produção para a igreja. Através de um
sistema de convivência com o poder econômico e político a igreja medieval
amealhou grande fortuna.
Durante este período Jerusalém, que estava em poder dos árabes, cai em
mãos dos turcos. Estes começaram a dificultar as visitas dos cristãos ao Santo
Sepulcro. Usando esse fato como motivo, a igreja busca apoio dos senhores e reis e
consegue organizar um motivo armado, denominado de cruzada, com objetivo de
liberar Jerusalém e reconquistar o direito dos cristãos.
Todavia, na realidade, a igreja busca novas riquezas em ouro e, através de
possíveis vitorias o novo período de glórias. Na realidade pode-se afirmar que os
objetivos das cruzadas eram, alem da libertação de Jerusalém:
Conquistar tesouros no continente asiático:
Atrair e conviver com as riquezas e o luxo orientais;
Conquistar uma abertura para o Mediterrâneo, através da qual pudesse
ser viabilizado o comercio veneziano;
Diminuir a população da Europa.
Valendo-se do poder da igreja, o papa Urbano II convocou o concilio de
Clemont, em 1095. Nele os cristãos foram chamados a luta, como meio de
reconquistas Jerusalém. Através dessa luta era-lhes prometido e céu, pela
purificação. Na realidade, de todos os que propunham e seguiam para os campos de
batalha, poucos conseguiam sobreviver e voltar.
No período compreendido entre os anos de 1095 a 1270 foram organizadas
oito cruzadas. Desse empreendimento militar-religioso adveio:
8

O declínio do poder feudal, em virtude dos inúmeros insucessos e das
grandes somas gastas;
O conseqüente aumentou do poder real;
O aparecimento de novas ordens religiosas: templários, caleiros
Teutônico e Hospitalários, dentre outras:
A transformação de Gênova, Piza, e Veneza em grandes centros
comerciais;
O aumento da cultura oriental em terras do Ocidente.

Crise Feudal

A economia feudal era voltada para o consumo interno. A economia era
voltada para as atividades agrícolas.
As cruzadas, em números de oito, realizadas de 1095 a 1270, contaram
inclusive com a participação dos reis e nobres, e tiveram como resultados:
A conquista do monopólio comercial no Mar Mediterrâneo pelas cidades
italianas: Gênova, Piza, e Veneza:
O estabelecimento de contatos dos europeus com os povos orientais
bizantinos e mulçumanos;
A introdução, na Europa, de novas técnicas agrícola, bem como de novos
produtos;
A transformação da base econômica agrícola, com desenvolvimento de
uma economia que tinha como base a moeda;
O surgimento de um grupo poderoso de comerciantes.
Essas alterações foram repercutir nas relações de produção, no seio do
regime feudal. Assim começou-se a cultivar as terras abandonadas e a emprega-se
a irrigação e novas técnicas agrícolas que acabaram por aumentar em muito a
produtividade do solo.
O trabalho braçal e estafante do auge do período feudal começava a ser
amenizado pelo emprego daquelas técnicas mais modernas: o emprego do arado e
de animais no trabalho agrícola. Isso provocou uma substancial mudança na vida
dos servos, que escutavam tarefas menos pesadas. Nessa época surgiram os
9

jornaleiros, trabalhadores que realizavam serviços temporários e que eram pagos
pela realização de tarefa.
Paralelamente a isso, muito dos senhores feudais,encantados com a vida de
conforto e prazeres, oferecida aos moradores das cidades que surgiram, mudavamse para elas, deixando suas terras aos cuidados de administradores. Estes por sua
vez, querendo poupa-se, acabavam por arrendar partes de suas terras a
camponeses.
O vínculo entre o senhor feudal e servo passou a sofrer uma modificação
muito grande:
Os senhores feudais passaram a aceitar dos servos pagamentos de suas
obrigações em moedas e não mais em dias de trabalho, como ate então;
Aceitavam, esses senhores feudais, libertar os seus servos em troca de
pagamento em moedas
Objetivando conseguir as moedas necessárias a obtenção das regalias
oferecidas e a conquista da liberdade, os camponeses rumavam para as cidades e
as feiras, onde vendiam o excedente de sua produção.
Diante desse quadro, podemos citar como fatores que levaram a decadência
do sistema feudal:
O desligamento de grande número de pessoas das tarefas agrícolas,
motivada pelas cruzadas;
Concentração populacional nos centros urbanos que começavam a surgir;
A mudança nas relações de trabalho entre os servos e senhores feudais;
O crescimento da população da Europa;
O declínio do poder dos senhores feudais e o conseqüente aumento do
poder real.

As Cruzadas
Reportemo-nos ao item “A Igreja Cristã Medieval” e verifiquemos que, ao
tomarem Jerusalém, os turcos começavam opor obstáculos para que os cristãos
visitassem o Santo Sepulcro. Valendo-se desse agrupamento, a Igreja apelou aos
seus aliados de poder: os senhores feudais e reis, e organizou as Cruzadas,
10

movimento religioso-militar que objetivava a retomada de Jerusalém e a reconquista
dos direitos dos Cristãos.
Todavia, esse era o argumento posto, que ocultava os reais objetivos de:
Conquistar os tesouros do continente asiático;
Atrair e conviver com as riquezas e luxos orientais;
Conquistar uma abertura comercial para o mediterrâneo, viabilizando o
comércio das cidades italianas, sobretudo Veneza;
Diminuir a população européia;
Para conduzir as Cruzadas, o papa Urbano II convocou o Concilio de
Clemont, em 1095, prometendo o céu e purificação para os cristãos que pegassem
em armas para conquistar Jerusalém. As Cruzadas apresentaram como resultados,
sucintamente:
O restabelecimento das rotas comerciantes entre o Oriente e o Ocidente;
O surgimento das cidades italianas de Veneza, Gênova e Piza como
grandes centros comerciais;
A chegada ao mercado europeu de novos produtos asiático, que ali eram
negociados em grandes quantidades;
A transformação do sistema feudal: os senhores feudais tiveram o seu
poder político diminuído, enquanto se verificava fortalecimento do poder
real (central);
O aparecimento de novas ordens religiosas, como a dos Templários, a
dos Hospitalários e a dos Cavaleiros Teutônicos;
O aumento da influência da cultura oriental em terras do Ocidente;
O desligamento de muitas pessoas das atividades agrícolas e o
conseqüente desenvolvimento das cidades e da atividade comercial.

Expansão Comercial

O comércio em desenvolvimento motivou o renascimento das cidades
européias. Houve uma polarização e uma troca: desenvolvimento Urbano
desenvolvimento comercial.
11

Todavia, durante a alta Idade Média duas regiões do continente europeu
conseguiram manter suas atividades Urbanas e comerciais: as cidades italianas e o
norte da Europa.
As cidades italianas, principalmente, Veneza, Bari, Gênova, Tarento , Piza e
Almafi, mantiveram intenso comércio, valendo-se para isso dos produtos originários
de Constantinopla e da proteção do Império Bizantino.outros produtos, originários de
Alexandria, China e Índia ali

também eram colocados. Por outro lado, grandes

mercadores encarregavam-se de buscar ali as mercadorias e vende-las em outros
centros europeus, notadamente na Franca (Marselha) e na Espanha (Barcelona).
Já na parte Norte do continente europeu, situado entre os mares Norte e
Báltico, o comércio era representado por maiores vendas lãs e tecidos, produzidos
notadamente na planície de Flandres, quem envolvia os atuais territórios da Franca,
Holanda e Bélgica.os principais centros comerciais e urbanos dessa região era
Bruges, Lille e Ypres.
Visando defender seus interesses os comerciantes constituíram associações
denominadas de guildas. A maior e a mais poderosa delas foram Liga Hanseática, e
era constituída por cidades do Norte da Europa.
A Liga Hanseática controlava todas as operações realizadas nos mares do
Norte e Báltico.
Esse intenso comercia das cidades italianas e do norte europeu, começou a
se interiorizar para as regiões centrais, constituindo grandes rotas de comércio. Não
tardaram a surgir, então, as chamadas feiras.
A partir do final do século XII as feiras passaram a ser vitais para a
economia da Europa medieval. Realizavam-se periodicamente e sempre nos
mesmos locais. Uma delas, da Champanha, extrapolou a sua importância local e
regional e acabavam atraindo comerciantes de toda Europa.
As feiras eram organizadas de tal maneira que certos produtos eram
comercializados nos primeiros dias deixando-se para os últimos dias outros tipos de
mercadorias. Os negócios envolviam moedas diferentes, que eram trocadas pelos
denominados cambistas.
Com o desenvolvimento das feiras intensificaram-se as atividades de trocas
envolvendo excedentes de produção; o artesanato ganhou impulso e vida própria
deixando de ser atividades subsidiárias da agricultura e intensificou-se o uso da
moeda.
12

Evolução das Monarquias

Verifica-se, com a queda do poder feudal, um fortalecimento do poder dos
reis, que se desenvolveu paralelamente ao crescimento das atividades comerciais e
ao surgimento das cidades.
A centralização e o aumento do poder real tiveram como conseqüência
imediata, na Europa, o surgimento das monarquias nacionais. Elas começaram a se
caracterizar:
Pelo surgimento das nações, constituída cada uma delas por um povo
com sua língua própria, religião, costumes e historia.
Pele delimitação territorial de cada uma delas; região geográfica.
Pela implantação e exercício de um poder nacional, representado por um
poder real, válido para toda a nação.
O crescimento do poder real e a conseqüente instalação das monarquias
nacionais não foi um processo calmo, pois constantes choques ocorreram com os
senhores feudais e a Igreja, que se viam perdendo o poder econômico e político.
Para fazer valer o seu poder, os reis acabaram por criar os exércitos reais,
pagos pela Coroa, que substituíam a cavalaria feudal, da nobreza. Por outro lado, os
reis passavam a contar com o apoio da burguesia, que se constituía dos grandes
comerciantes que começavam a surgir.

A Espanha

Nesse período via-se fortalecer na Espanha o poder real. Os reis católicos,
Fernando e Isabel, resolveram empreender a Reconquista, uma guerra com a qual
pretendiam libertar o Reino de Granada do domínio muçulmano.
Para tanto organizarem a infantaria espanhola, constituida de soldados
provenientes das zonas rurais e urbanas. Ao lado dessa infantaria lutou a chamada
Santa Irmandade, uma milícia sustentada pelo povo e que teve grande apoio dos
comerciantes (burguesia), interessados em diminuir o poder da nobreza e fortalecer
o poder real.
13

O exemplo espanhol, vitorioso, servia de incentivo e modelo para outros
regimes monárquicos nacionais europeus. Estes colocaram seus exércitos para
impor leis e cobrar seus impostos.
Os reis começaram a exigir o pagamento de tributos não só da nobreza,
como também dos artesãos, da Igreja, dos camponeses e da burguesia nascente.

A França

Instalou-se a dinastia Capetíngia, que através de seus reis:
Adquiriu o Ducado da Aquitânia (Luiz VI);
Desenvolveu o comercio e as cidades (Luiz VII);
Libertou os centros urbanos dos domínios feudais (Felipe Augusto);
Com o apoio da burguesia e do clero submeteu a nobreza (Felipe
Augusto);
Expandiu os territórios reais (Felipe Augusto);
Anexou ao território francês o Condado de Toulose (Felipe III);
Aumentou as rendas reais, organizando o sistema de impostos, que
recaíam sobre a Igreja (dízimo) (Felipe IV);
Confiscou os bens da Ordem dos Templários, organizacao religiosa
criada durante a primeira Cruzada (Felipe IV);
Convocou

os

Estados

Gerais,

uma

assembléia

composta

de

representantes do clero, da burguesia e da nobreza (Felipe IV).
A morte de Carlos IV, filho de Felipe IV, em 1328, abriu o processo de
sucessão do tono francês. A disputa se polarizou em torno de Felipe de Valois e
Eduardo III. O primeiro era filho de Carlos Valois, sobrinho de Felipe IV, em quanto o
segundo era filho de Henrique II e Isabel, esta filha de Felipe IV. Eduardo III, embora
inglês, era neto do ex-soberano francês.
Não aceitando a possibilidade de serem governados por rei estrangeiro, os
franceses valeram-se da antiga Lei Sálica, que em texto proibia a sucessão por linha
feminina. Com isso o trono francês passava às mãos de Felipe VI, de Valois.
Encerrava-se a dinastia dos Capetíngios e trono francês passava a ser ocupado pele
dinastia dos Valois.
14

A Inglaterra

A formação do poder real, na Inglaterra, iniciou-se no ano de 1066, quando o
Duque Guilherme, da Normandia, invadiu e conquistou o território inglês. Instalou ali
um regime de feudos, embora menores que os franceses. A nobreza da Inglaterra
não gozava dos mesmos privilégios da francesa, e devia obediência e fidelidade ao
rei.
Com a morte de Guilherme na Normandia, assumiu o trono inglês Henrique
II que organizou a justiça e o exército real e impôs a cobrança de tributos aos
nobres. Todavia, Henrique II não conseguiu impor sua política ao clero, chegando a
profundas divergências com o bispo Thomas Becket, que mais tarde foi assassinado
por um grupo de cavaleiros do rei. Sucederam a Henrique II:
Ricardo Coração de Leão: Após ter participado da Cruzada dos reis, foi
assassinado quando tentava combater as rebeldias dos nobres.
João Sem Terra: Durante seu governo uniram-se os nobres, o clero e a
burguesia, que por pressão, obrigaram o rei assinar a Carta Magna, que
estabelecia:
Que a criação de novos impostos somente poderia ser feita desde que
ouvido o Grande Conselho, constituído de bispos, condes e barões;
Que os cidadãos ingleses passavam a contar com instrumentos de
proteção contra o arbítrio do poder real;
A prisão de qualquer homem somente poderia ocorrer após seu
julgamento.
Henrique III: O grande conselho, criado durante o governo de Joao Sem
Terra, passou ao controle da nobreza. Simon de Mont Fort, que era o
dirigente maior desse grande Conselho, acabou por efetivar uma unidade
entre a nobreza, o clero e a burguesia, que se colocaram em confronto
direto com o poder real. Daí originou-se o Grande Parlamento, que tinha
amplitude nacional. O governo de Henrique III caracterizou-se pele
impopularidade.
Eduardo I: Durante o seu governo, o parlamento inglês foi transformado
em uma assembléia constituída de nobres, do clero e da burguesia. Ele
tinha caráter permanente.
15

Durante os reinados seguintes, Eduardo II e Eduardo III, houve um continuo
aumento do poder parlamentar. O parlamento foi 1350, dividido em duas câmaras:
A câmara dos Lordes: formada pela nobreza e pelo clero.
A Câmara dos Comuns: constituída pela burguesia e pelos cavaleiros.
Assim, entre as duas monarquias constitucionais, a da França e a da
Inglaterra verificaram-se uma diferencia substancial: na França houve um
progressivo aumento do poder real, que chegou a predominar sobre a nobreza e a
Igreja; na Inglaterra, houve, paulatinamente, uma limitação do poder real e um
aumento do poder do Parlamento.

A Guerra dos Cem Anos

Conflito entre a Inglaterra e a França, que se prolongou entre 1337 e 1453.
Teve como causas:
As pretensões do rei Eduardo III, da Inglaterra, de ocupar o trono francês,
após a morte de Carlos IV, da França, em 1328.
O interesse de ambos os países de dominar a região de Frandes, que na
época era ricas produtoras de tecidos, produto em constante elevação no
mercado internacional.
Após inúmeros combates, muitas mortes e um conflito prolongado,
verificaram-se como resultado principal da Guerra dos Cem Anos, o
fortalecimento do poder real, em ambos os países.
16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e culturaFatima Freitas
 
A sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-anoA sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-anoLucas Degiovani
 
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegaçõesDarlan Campos
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoZé Knust
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaEdenilson Morais
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romanocattonia
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanosIsabel Aguiar
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidadeseixasmarianas
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVseixasmarianas
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioDalton Lopes Reis Jr.
 

Mais procurados (20)

17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
A sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-anoA sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-ano
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Europa medieval
Europa medievalEuropa medieval
Europa medieval
 
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Império islamico
Império islamicoImpério islamico
Império islamico
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Destaque

1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade modernaDaniel Alves Bronstrup
 
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e ChinaRafael Noronha
 
Transição idade média - idade moderna
Transição   idade média - idade modernaTransição   idade média - idade moderna
Transição idade média - idade modernaMax22Rodrigues
 
China e Índia na Antiguidade
China e Índia na AntiguidadeChina e Índia na Antiguidade
China e Índia na AntiguidadePaulo Alexandre
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slidefernando1011
 
Slides palestra família
Slides palestra famíliaSlides palestra família
Slides palestra famíliaClarice-Borges
 
Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família Cordeiro_
 

Destaque (14)

1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
 
Transição idade média - idade moderna
Transição   idade média - idade modernaTransição   idade média - idade moderna
Transição idade média - idade moderna
 
Esquema resumo grécia antiga
Esquema resumo grécia antigaEsquema resumo grécia antiga
Esquema resumo grécia antiga
 
China e Índia na Antiguidade
China e Índia na AntiguidadeChina e Índia na Antiguidade
China e Índia na Antiguidade
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slide
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
Slides palestra família
Slides palestra famíliaSlides palestra família
Slides palestra família
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
 
Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Geografia continente africano
Geografia   continente africanoGeografia   continente africano
Geografia continente africano
 

Semelhante a RESUMO Completo da Idade média

Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade médiaJonatas Carlos
 
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDiaC:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDiaAEDFL
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média okhillary2011
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade médiaKerol Brombal
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao impériohistoriando
 
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...7F
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade MédiaBriefCase
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antigahistoriando
 
Idade média objetivo- rafa noronha
Idade média   objetivo- rafa noronhaIdade média   objetivo- rafa noronha
Idade média objetivo- rafa noronhaRafael Noronha
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
Idade média 1 2015
Idade média 1 2015Idade média 1 2015
Idade média 1 2015eduflopes
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualizaçãocattonia
 
Idade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completoIdade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completoPrivada
 

Semelhante a RESUMO Completo da Idade média (20)

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
 IDADE MÉDIA OCIDENTAL IDADE MÉDIA OCIDENTAL
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
 
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDiaC:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
 
Aula 4 BáRbaros
Aula 4 BáRbarosAula 4 BáRbaros
Aula 4 BáRbaros
 
Alta idade média
Alta idade médiaAlta idade média
Alta idade média
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média ok
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
 
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antiga
 
Ficha história
Ficha históriaFicha história
Ficha história
 
Idade média objetivo- rafa noronha
Idade média   objetivo- rafa noronhaIdade média   objetivo- rafa noronha
Idade média objetivo- rafa noronha
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
Idade média 1 2015
Idade média 1 2015Idade média 1 2015
Idade média 1 2015
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
A alta idade média
A alta idade médiaA alta idade média
A alta idade média
 
Idade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completoIdade Média - Curso completo
Idade Média - Curso completo
 

Mais de Agassis Paulo Bezerra

Mais de Agassis Paulo Bezerra (8)

A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO CRISTÃ NA SOCIEDADE
A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO CRISTÃ NA SOCIEDADEA INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO CRISTÃ NA SOCIEDADE
A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO CRISTÃ NA SOCIEDADE
 
A APLICAÇAO DA HERMENÊUTICA E DA EXEGESE NA COMPREENSÃO DE UM TEXTO BÍBLICO.
A APLICAÇAO DA HERMENÊUTICA E DA EXEGESE NA COMPREENSÃO DE UM TEXTO BÍBLICO.A APLICAÇAO DA HERMENÊUTICA E DA EXEGESE NA COMPREENSÃO DE UM TEXTO BÍBLICO.
A APLICAÇAO DA HERMENÊUTICA E DA EXEGESE NA COMPREENSÃO DE UM TEXTO BÍBLICO.
 
Educação cristã 19
Educação cristã 19Educação cristã 19
Educação cristã 19
 
Homossexualismo e pregação
Homossexualismo e pregaçãoHomossexualismo e pregação
Homossexualismo e pregação
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Um estudo teorico sobre a morte
Um estudo teorico sobre a morteUm estudo teorico sobre a morte
Um estudo teorico sobre a morte
 
Recursos hidricos
Recursos hidricosRecursos hidricos
Recursos hidricos
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 

Último

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 

RESUMO Completo da Idade média

  • 1. 1 AGASSIS PAULO BEZERRA ESTUDANTE DE GRADUAÇÃO - CIÊNCIAS BIOLOGICAS E TEOLOGIA BACHAREL UIRAÚNA – PB, JUNHO DE 2011 IDADE MÉDIA RESUMO A Idade Média compreende o período entre o século V (queda de Roma, em 476) até o século XV (queda de Constantinopla, em 1453). A expressão Idade Média surgiu com uma conotação depreciativa e injusta. Até hoje, muitas pessoas, quando ouvem a expressão “Idade Média”, logo pensam em fanatismo religioso, Inquisição, guerras, pestes, e toda a sorte de catástrofes. É bom lembrar que a maioria das mulheres queimadas como bruxas da Reforma o foram depois da Contra-Reforma (século XVI), Portanto, Já na Idade Moderna. Em relação às guerras, podemos dizer que as medievais foram bem menos mortíferas que as contemporâneas. O mesmo pode dizer das pestes e da fome, que não foram apanágio da Idade Média. Durante a Idade Média, tivemos três civilizações: a cristã ocidental, a bizantina e a mulçumana, sem relacionar é claro, as civilizações do Extremo-Oriente e da América Pré-Colombiana. Durante a Alta Idade Média (séculos V a X), a civilização bizantina, de religião cristã e língua grega, estava econômica e culturalmente muito mais adiantada do que o Ocidente latino. Pode-se dizer o mesmo da civilização muçulmana, cuja ciência, filosofia, e matemática eram bastante desenvolvidas. Já na Baixa Idade Média (séculos X a XV), o Ocidente Cristão teve um grande surto de desenvolvimento, notadamente durante o século XV o Ocidente Cristão teve um grande surto de desenvolvimento, notadamente durante o século XI ao XIII, período em que o mundo feudal chegou ao apogeu. Alta Idade Média e Baixa Idade Média
  • 2. 2 O império Romano do Ocidente desagregava a partir do governo de Diocleciano, em 284, iniciando-se a decadência do Império Romano. A desorganização administrativa aliada à decadência moral e econômica deu inicio a esse processo. O exército romano enfraquecia-se, o mesmo ocorrendo com toda Roma. Em quanto isto, na Ásia, os bárbaros preparavam-se para invadir a Europa em procura de terras férteis. Roma costumava denominar de bárbaros todos aqueles que não falavam o latim e não viviam dentro das fronteiras de seu Império. Os primeiros povos a invadirem Roma foram os humos, comandado por Átila, no século V. embora tenham causado a eles grandes prejuízos, não conseguiram dominá-la. Nessa mesma época, o mundo romano sofria novas invasões de povos bárbaros, Os visigodos, comandados por Alarico, depois de terem saqueado Roma, foram se fixar na península Ibérica: Os francos invadiram e tomaram a Gália; Os anglo-saxões dominaram a Grã-Bretanha; Os vândalos atacaram o norte da África. Em 476, os Bárbaros hérulos, comandados por Odoacro vencem os romanos, comandados por Rômulo Augusto. Era o fim do Império Romano do Ocidente. Com a queda de Roma tivemos como conseqüências: O desaparecimento das cidades; O fim do comercio; O aparecimento dos reinos bárbaros; A miscigenação das culturas dos bárbaros com a cultura Romana; A cristianização dos invasores. Durante a invasão dos bárbaros, muitos particípios, sábios e artistas de Roma procuram asilar-se no Império Romano do Oriente, rumando para Constantinopla. A expansão do Império Bizantino
  • 3. 3 Bizâncio era uma antiga colônia grega localizada onde os romanos ergueram Constantinopla, a capital do Império Romano do Oriente. A civilização bizantina ocupava a Europa Balcânica e parte da Síria, do Egito e da Ásia menor, além de outros pequenos territórios. Assim, é comum denomina-se de império bizantino, o Império Romano do Oriente. Ele tinha como sua principal atividade econômica o comércio, talvez por sua localização estratégica, rota obrigatória dos navios que singravam o mar mediterrâneo e negro. Bizâncio caracterizou-se como grande exportador de produtos agrícolas, púrpura, seda e objetos de ourivesaria. O apogeu do império bizantino ocorreu no período de 525 a 565, durante o governo de Justiniano. Este Imperador vislumbrou a possibilidade de reunificar e reconquistar todas as terras anteriormente integrantes do grande Império romano. Mandou seus exércitos marcharem sobre a Espanha e a Itália, comandados pelo general Belizário. A reconquista consumou-se com a vitória das tropas bizantinas. Ordenou, em seguida, a reconquista do norte da África. Durante o governo de Justiniano os matemáticos, os sábios, os filósofos e os arquitetos fizeram do Império Bizantino o centro de suas atividades, desenvolvendo uma intensa atividade cultural. Enquanto isto o Ocidente permanecia envolvido no marasmo cultural imposto pela presença dos bárbaros. Neste período, ocorrem: A codificação do antigo Direito Romano, dando Origem ao Código de Justiniano; As construções de aquedutos, sistemas de esgotos de uma grande muralha e da igreja de santa Sofia; Intenso desenvolvimento da capital, Constantinopla; Progresso nas artes e na cultura, destacando-se a arquitetura e o largo emprego de belos e famosos vitrais e mosaicos. O cristianismo era a religião oficial do Império Bizantino. Porém, problemas de interpretação levavam a sérias divergências, que determinaram o surgimento, em 1054, do Cisma. Houve então a separação entre as igrejas de Roma e de Constantinopla, dando origem ao catolicismo e á igreja ortodoxa.
  • 4. 4 Após Justiniano sucederam se reinados anárquicos, até que Constantinopla cai em poder dos turcos otomanos em 1453, marco considerado divisório, colocando termino a Idade Média e iniciando a Idade Moderna. A expansão Árabe A expansão árabe se deu pelas armas. Perseguidos pelos sacerdotes, a cuja classe pertencia, Maomé foi obrigado a empreender fuga que o levou de Meca para Medina. A fuga de Maomé é conhecida como hégira e ocorreu no ano de 622. Chegando a Medina iniciou grande trabalho, reunindo os clãs, cuja unidade foi constituída e mantida pela fé. Toda via, este elemento acabou por servir de pólo aglutinador para elementos da mesma raça, pois a partir daí a expansão do Islã se deu pelas armas, como já afirmamos inicialmente. Partiu inicialmente para a conquista de Meca, conseguido esse objetivo no ano de 622. Embora tenha falecido nesse mesmo ano, através do seu Alcorão, Maomé uniu a maioria das tribos árabes. Os árabes eram impiedosos guerreiros e passado um século da hégira, já dominavam a Índia, a Mesopotâmia, a Ásia menor, o Egito, a África setentrional, de onde chegaram à Espanha e, por conseguinte, ao território europeu. No ano de 771 os Mouros derrotam o último rei visigodo da península Ibérica, Roderico. As Astúrias resistem e tornam-si o único foco da reconquista cristã. Embora tivessem tomado a Gália os mouros são dali expulsos, em 732, na batalha de Poitiers, sendo os cristãos comandados por Carlos Martel. Pouco tempo após o restabelecimento da dinastia dos abásidas, em 750, Absrrhaman chega à Espanha e funda o Califado de Cordoba. Esse árabe pertencia a dinastia dos omíadas e acabou criando, com a fundação daquele califado, o primeiro desmembramento do império árabe. A morte de Maomé havia também cindido o mundo islâmico, cuja liderança disputada por três califas: o de Bagdá, o de Córdoba, e o do Cairo. Nos anos de 786 a 809 verificou-se a chamada era de oura de Bagdá, cujo orei (califa) era Harum ao Rachid. As artes, a cultura e o luxo era a marca de Bagdá durante esse período. Não tardaram porem, as lutas intensas que enfraqueceram esse califado e culminaram com a dissolução do califado do oriente. Dessa situação se
  • 5. 5 prevaleceram outros expoentes políticos da época e fundaram califados independentes na África setentrional. Segue-se a invasão dos otomanos, na Ásia, retalhando-a em números califados fracos e política e militarmente. Os otomanos, vindos então da Ásia central, acabaram por tomar Bagdá em 1058. Ao lado do período de ascensão e decadência do califado de Bagdá, firmava-se no sul da Espanha o califado de Córdoba, propiciando uma fase de grande processo material e intelectual. Durante a administração árabe verificou-se: Desenvolvimento da agricultura, propiciado pelo emprego de modernos sistemas de irrigação; Desenvolvimento científico, invejado por toda Europa; Uma efetiva contribuição para o vocabulário ibérico; Criação e modernização de universidades; Notável progresso no campo da medicina; Respeito às liberdades, muito maior que na fase anterior e posterior ao domínio árabe. Com a tomada de Toledo, pelas tropas de Afonso VI, em 1085, começa a expulsão dos árabes pelos espanhóis. Com isto os habitantes da Espanha davam início a preparação de um dos períodos mais tristes de sua história: a Inquisição. O Feudalismo Medieval Europeu: Fatores do Aparecimento, Estrutura Social e Política. Denomina-se de feudalismo ao sistema político e sócio-econômico desenvolvido na região ocidental do continente europeu, durante os séculos de IX ao XI. Causas do Feudalismo: Invasão do continente europeu pelos Árabes; Invasões bárbaras, que isolavam as comunidades européias; Estabelecimento do império de Carlos Magno;
  • 6. 6 Falência do poder central, que se enfraqueceu possibilitando o surgimento de poderes locais dirigido spelos senhores feudais; Afirmação da política de lealdade recíproca entre indivíduos, alicerçada na posse da terra e que tinha como fundamentos as instituições romanas: beneficium clientela comitatos benefício em terras proteção dos ricos lealdade entre os guerreiros Estrutura Social e Política A sociedade feudal não permitia a mobilidade social, isto é, filho de nobre seria sempre nobre, filho de servo seria sempre servo. Ela estava dividida em estamentos: A nobreza, que detinham as terras cultivadas pelos camponeses. Estes eram obrigados a destinar parte da produção aos nobres, que viviam em atividades de laser. O clero: bastante rico, era detentor de grandes extensões de terras, cultivadas pelos camponeses, no mesmo esquema daqueles pertencentes aos nobres. Estava dividido em alto clero, ligado a nobreza e baixo clero, vinculado aos servos. Os vilões, que culminavam por comprar suas liberdades. Muitos deles chegaram a ser burgomestres, com o surgimento das cidades. Os servos, totalmente submissos aos interesses e vontade dos senhores feudais. Eram convocados como soldados durante as guerras. Estavam obrigados a pagar impostos extorsivos, com consórcios, que incidia sobre o casamento. A submissão era tão grande que, em algumas regiões da Europa, afora do pagamento do consórcio, a noiva era obrigada a passar a noite de núpcias com o senhor feudal. O rei: sua única “responsabilidade” era usufruir das mordomias e dirigir as relações de classe entre suseranos e vassalos, os primeiros recebedores e os segundos prestadores de homenagens. Estrutura Econômica
  • 7. 7 A economia feudal era voltada para o consumo interno, exclusivamente. Baseava-senas atividades agrícolas. O lucro pele venda de produtos era proibido, assim como a cobrança de juros. As moedas circulavam em pequena quantidade. A Igreja Cristã Medieval A igreja, através do clero, constituía uma das classes em que estava dividida a sociedade feudal. O clero possuía grandes extensões de terra, obrigando os camponeses a cultivá-las e delas destinarem parte da produção para a igreja. Através de um sistema de convivência com o poder econômico e político a igreja medieval amealhou grande fortuna. Durante este período Jerusalém, que estava em poder dos árabes, cai em mãos dos turcos. Estes começaram a dificultar as visitas dos cristãos ao Santo Sepulcro. Usando esse fato como motivo, a igreja busca apoio dos senhores e reis e consegue organizar um motivo armado, denominado de cruzada, com objetivo de liberar Jerusalém e reconquistar o direito dos cristãos. Todavia, na realidade, a igreja busca novas riquezas em ouro e, através de possíveis vitorias o novo período de glórias. Na realidade pode-se afirmar que os objetivos das cruzadas eram, alem da libertação de Jerusalém: Conquistar tesouros no continente asiático: Atrair e conviver com as riquezas e o luxo orientais; Conquistar uma abertura para o Mediterrâneo, através da qual pudesse ser viabilizado o comercio veneziano; Diminuir a população da Europa. Valendo-se do poder da igreja, o papa Urbano II convocou o concilio de Clemont, em 1095. Nele os cristãos foram chamados a luta, como meio de reconquistas Jerusalém. Através dessa luta era-lhes prometido e céu, pela purificação. Na realidade, de todos os que propunham e seguiam para os campos de batalha, poucos conseguiam sobreviver e voltar. No período compreendido entre os anos de 1095 a 1270 foram organizadas oito cruzadas. Desse empreendimento militar-religioso adveio:
  • 8. 8 O declínio do poder feudal, em virtude dos inúmeros insucessos e das grandes somas gastas; O conseqüente aumentou do poder real; O aparecimento de novas ordens religiosas: templários, caleiros Teutônico e Hospitalários, dentre outras: A transformação de Gênova, Piza, e Veneza em grandes centros comerciais; O aumento da cultura oriental em terras do Ocidente. Crise Feudal A economia feudal era voltada para o consumo interno. A economia era voltada para as atividades agrícolas. As cruzadas, em números de oito, realizadas de 1095 a 1270, contaram inclusive com a participação dos reis e nobres, e tiveram como resultados: A conquista do monopólio comercial no Mar Mediterrâneo pelas cidades italianas: Gênova, Piza, e Veneza: O estabelecimento de contatos dos europeus com os povos orientais bizantinos e mulçumanos; A introdução, na Europa, de novas técnicas agrícola, bem como de novos produtos; A transformação da base econômica agrícola, com desenvolvimento de uma economia que tinha como base a moeda; O surgimento de um grupo poderoso de comerciantes. Essas alterações foram repercutir nas relações de produção, no seio do regime feudal. Assim começou-se a cultivar as terras abandonadas e a emprega-se a irrigação e novas técnicas agrícolas que acabaram por aumentar em muito a produtividade do solo. O trabalho braçal e estafante do auge do período feudal começava a ser amenizado pelo emprego daquelas técnicas mais modernas: o emprego do arado e de animais no trabalho agrícola. Isso provocou uma substancial mudança na vida dos servos, que escutavam tarefas menos pesadas. Nessa época surgiram os
  • 9. 9 jornaleiros, trabalhadores que realizavam serviços temporários e que eram pagos pela realização de tarefa. Paralelamente a isso, muito dos senhores feudais,encantados com a vida de conforto e prazeres, oferecida aos moradores das cidades que surgiram, mudavamse para elas, deixando suas terras aos cuidados de administradores. Estes por sua vez, querendo poupa-se, acabavam por arrendar partes de suas terras a camponeses. O vínculo entre o senhor feudal e servo passou a sofrer uma modificação muito grande: Os senhores feudais passaram a aceitar dos servos pagamentos de suas obrigações em moedas e não mais em dias de trabalho, como ate então; Aceitavam, esses senhores feudais, libertar os seus servos em troca de pagamento em moedas Objetivando conseguir as moedas necessárias a obtenção das regalias oferecidas e a conquista da liberdade, os camponeses rumavam para as cidades e as feiras, onde vendiam o excedente de sua produção. Diante desse quadro, podemos citar como fatores que levaram a decadência do sistema feudal: O desligamento de grande número de pessoas das tarefas agrícolas, motivada pelas cruzadas; Concentração populacional nos centros urbanos que começavam a surgir; A mudança nas relações de trabalho entre os servos e senhores feudais; O crescimento da população da Europa; O declínio do poder dos senhores feudais e o conseqüente aumento do poder real. As Cruzadas Reportemo-nos ao item “A Igreja Cristã Medieval” e verifiquemos que, ao tomarem Jerusalém, os turcos começavam opor obstáculos para que os cristãos visitassem o Santo Sepulcro. Valendo-se desse agrupamento, a Igreja apelou aos seus aliados de poder: os senhores feudais e reis, e organizou as Cruzadas,
  • 10. 10 movimento religioso-militar que objetivava a retomada de Jerusalém e a reconquista dos direitos dos Cristãos. Todavia, esse era o argumento posto, que ocultava os reais objetivos de: Conquistar os tesouros do continente asiático; Atrair e conviver com as riquezas e luxos orientais; Conquistar uma abertura comercial para o mediterrâneo, viabilizando o comércio das cidades italianas, sobretudo Veneza; Diminuir a população européia; Para conduzir as Cruzadas, o papa Urbano II convocou o Concilio de Clemont, em 1095, prometendo o céu e purificação para os cristãos que pegassem em armas para conquistar Jerusalém. As Cruzadas apresentaram como resultados, sucintamente: O restabelecimento das rotas comerciantes entre o Oriente e o Ocidente; O surgimento das cidades italianas de Veneza, Gênova e Piza como grandes centros comerciais; A chegada ao mercado europeu de novos produtos asiático, que ali eram negociados em grandes quantidades; A transformação do sistema feudal: os senhores feudais tiveram o seu poder político diminuído, enquanto se verificava fortalecimento do poder real (central); O aparecimento de novas ordens religiosas, como a dos Templários, a dos Hospitalários e a dos Cavaleiros Teutônicos; O aumento da influência da cultura oriental em terras do Ocidente; O desligamento de muitas pessoas das atividades agrícolas e o conseqüente desenvolvimento das cidades e da atividade comercial. Expansão Comercial O comércio em desenvolvimento motivou o renascimento das cidades européias. Houve uma polarização e uma troca: desenvolvimento Urbano desenvolvimento comercial.
  • 11. 11 Todavia, durante a alta Idade Média duas regiões do continente europeu conseguiram manter suas atividades Urbanas e comerciais: as cidades italianas e o norte da Europa. As cidades italianas, principalmente, Veneza, Bari, Gênova, Tarento , Piza e Almafi, mantiveram intenso comércio, valendo-se para isso dos produtos originários de Constantinopla e da proteção do Império Bizantino.outros produtos, originários de Alexandria, China e Índia ali também eram colocados. Por outro lado, grandes mercadores encarregavam-se de buscar ali as mercadorias e vende-las em outros centros europeus, notadamente na Franca (Marselha) e na Espanha (Barcelona). Já na parte Norte do continente europeu, situado entre os mares Norte e Báltico, o comércio era representado por maiores vendas lãs e tecidos, produzidos notadamente na planície de Flandres, quem envolvia os atuais territórios da Franca, Holanda e Bélgica.os principais centros comerciais e urbanos dessa região era Bruges, Lille e Ypres. Visando defender seus interesses os comerciantes constituíram associações denominadas de guildas. A maior e a mais poderosa delas foram Liga Hanseática, e era constituída por cidades do Norte da Europa. A Liga Hanseática controlava todas as operações realizadas nos mares do Norte e Báltico. Esse intenso comercia das cidades italianas e do norte europeu, começou a se interiorizar para as regiões centrais, constituindo grandes rotas de comércio. Não tardaram a surgir, então, as chamadas feiras. A partir do final do século XII as feiras passaram a ser vitais para a economia da Europa medieval. Realizavam-se periodicamente e sempre nos mesmos locais. Uma delas, da Champanha, extrapolou a sua importância local e regional e acabavam atraindo comerciantes de toda Europa. As feiras eram organizadas de tal maneira que certos produtos eram comercializados nos primeiros dias deixando-se para os últimos dias outros tipos de mercadorias. Os negócios envolviam moedas diferentes, que eram trocadas pelos denominados cambistas. Com o desenvolvimento das feiras intensificaram-se as atividades de trocas envolvendo excedentes de produção; o artesanato ganhou impulso e vida própria deixando de ser atividades subsidiárias da agricultura e intensificou-se o uso da moeda.
  • 12. 12 Evolução das Monarquias Verifica-se, com a queda do poder feudal, um fortalecimento do poder dos reis, que se desenvolveu paralelamente ao crescimento das atividades comerciais e ao surgimento das cidades. A centralização e o aumento do poder real tiveram como conseqüência imediata, na Europa, o surgimento das monarquias nacionais. Elas começaram a se caracterizar: Pelo surgimento das nações, constituída cada uma delas por um povo com sua língua própria, religião, costumes e historia. Pele delimitação territorial de cada uma delas; região geográfica. Pela implantação e exercício de um poder nacional, representado por um poder real, válido para toda a nação. O crescimento do poder real e a conseqüente instalação das monarquias nacionais não foi um processo calmo, pois constantes choques ocorreram com os senhores feudais e a Igreja, que se viam perdendo o poder econômico e político. Para fazer valer o seu poder, os reis acabaram por criar os exércitos reais, pagos pela Coroa, que substituíam a cavalaria feudal, da nobreza. Por outro lado, os reis passavam a contar com o apoio da burguesia, que se constituía dos grandes comerciantes que começavam a surgir. A Espanha Nesse período via-se fortalecer na Espanha o poder real. Os reis católicos, Fernando e Isabel, resolveram empreender a Reconquista, uma guerra com a qual pretendiam libertar o Reino de Granada do domínio muçulmano. Para tanto organizarem a infantaria espanhola, constituida de soldados provenientes das zonas rurais e urbanas. Ao lado dessa infantaria lutou a chamada Santa Irmandade, uma milícia sustentada pelo povo e que teve grande apoio dos comerciantes (burguesia), interessados em diminuir o poder da nobreza e fortalecer o poder real.
  • 13. 13 O exemplo espanhol, vitorioso, servia de incentivo e modelo para outros regimes monárquicos nacionais europeus. Estes colocaram seus exércitos para impor leis e cobrar seus impostos. Os reis começaram a exigir o pagamento de tributos não só da nobreza, como também dos artesãos, da Igreja, dos camponeses e da burguesia nascente. A França Instalou-se a dinastia Capetíngia, que através de seus reis: Adquiriu o Ducado da Aquitânia (Luiz VI); Desenvolveu o comercio e as cidades (Luiz VII); Libertou os centros urbanos dos domínios feudais (Felipe Augusto); Com o apoio da burguesia e do clero submeteu a nobreza (Felipe Augusto); Expandiu os territórios reais (Felipe Augusto); Anexou ao território francês o Condado de Toulose (Felipe III); Aumentou as rendas reais, organizando o sistema de impostos, que recaíam sobre a Igreja (dízimo) (Felipe IV); Confiscou os bens da Ordem dos Templários, organizacao religiosa criada durante a primeira Cruzada (Felipe IV); Convocou os Estados Gerais, uma assembléia composta de representantes do clero, da burguesia e da nobreza (Felipe IV). A morte de Carlos IV, filho de Felipe IV, em 1328, abriu o processo de sucessão do tono francês. A disputa se polarizou em torno de Felipe de Valois e Eduardo III. O primeiro era filho de Carlos Valois, sobrinho de Felipe IV, em quanto o segundo era filho de Henrique II e Isabel, esta filha de Felipe IV. Eduardo III, embora inglês, era neto do ex-soberano francês. Não aceitando a possibilidade de serem governados por rei estrangeiro, os franceses valeram-se da antiga Lei Sálica, que em texto proibia a sucessão por linha feminina. Com isso o trono francês passava às mãos de Felipe VI, de Valois. Encerrava-se a dinastia dos Capetíngios e trono francês passava a ser ocupado pele dinastia dos Valois.
  • 14. 14 A Inglaterra A formação do poder real, na Inglaterra, iniciou-se no ano de 1066, quando o Duque Guilherme, da Normandia, invadiu e conquistou o território inglês. Instalou ali um regime de feudos, embora menores que os franceses. A nobreza da Inglaterra não gozava dos mesmos privilégios da francesa, e devia obediência e fidelidade ao rei. Com a morte de Guilherme na Normandia, assumiu o trono inglês Henrique II que organizou a justiça e o exército real e impôs a cobrança de tributos aos nobres. Todavia, Henrique II não conseguiu impor sua política ao clero, chegando a profundas divergências com o bispo Thomas Becket, que mais tarde foi assassinado por um grupo de cavaleiros do rei. Sucederam a Henrique II: Ricardo Coração de Leão: Após ter participado da Cruzada dos reis, foi assassinado quando tentava combater as rebeldias dos nobres. João Sem Terra: Durante seu governo uniram-se os nobres, o clero e a burguesia, que por pressão, obrigaram o rei assinar a Carta Magna, que estabelecia: Que a criação de novos impostos somente poderia ser feita desde que ouvido o Grande Conselho, constituído de bispos, condes e barões; Que os cidadãos ingleses passavam a contar com instrumentos de proteção contra o arbítrio do poder real; A prisão de qualquer homem somente poderia ocorrer após seu julgamento. Henrique III: O grande conselho, criado durante o governo de Joao Sem Terra, passou ao controle da nobreza. Simon de Mont Fort, que era o dirigente maior desse grande Conselho, acabou por efetivar uma unidade entre a nobreza, o clero e a burguesia, que se colocaram em confronto direto com o poder real. Daí originou-se o Grande Parlamento, que tinha amplitude nacional. O governo de Henrique III caracterizou-se pele impopularidade. Eduardo I: Durante o seu governo, o parlamento inglês foi transformado em uma assembléia constituída de nobres, do clero e da burguesia. Ele tinha caráter permanente.
  • 15. 15 Durante os reinados seguintes, Eduardo II e Eduardo III, houve um continuo aumento do poder parlamentar. O parlamento foi 1350, dividido em duas câmaras: A câmara dos Lordes: formada pela nobreza e pelo clero. A Câmara dos Comuns: constituída pela burguesia e pelos cavaleiros. Assim, entre as duas monarquias constitucionais, a da França e a da Inglaterra verificaram-se uma diferencia substancial: na França houve um progressivo aumento do poder real, que chegou a predominar sobre a nobreza e a Igreja; na Inglaterra, houve, paulatinamente, uma limitação do poder real e um aumento do poder do Parlamento. A Guerra dos Cem Anos Conflito entre a Inglaterra e a França, que se prolongou entre 1337 e 1453. Teve como causas: As pretensões do rei Eduardo III, da Inglaterra, de ocupar o trono francês, após a morte de Carlos IV, da França, em 1328. O interesse de ambos os países de dominar a região de Frandes, que na época era ricas produtoras de tecidos, produto em constante elevação no mercado internacional. Após inúmeros combates, muitas mortes e um conflito prolongado, verificaram-se como resultado principal da Guerra dos Cem Anos, o fortalecimento do poder real, em ambos os países.
  • 16. 16