SlideShare uma empresa Scribd logo
A Idade Média
Nomenclatura e divisões
-Idade Média: período compreendido entre a queda do Império Romano do Ocidente,
em 476, e a queda do Império Romano do Oriente e o fim da Guerra dos Cem Anos, em
1453
-A caracterização desses dez século de diferença é o fruto de uma visão criada pelo
Renascimento Cultural, o qual considerava a Idade Média a “Idade das trevas”, já que,
segundo os mesmos, o clássico escureceu diante do barbarismo e o obscurantismo.
Porém essa expressão é errada, já que a Idade Média é importante, já que é nela em que
se formam as bases do mundo europeu, os países (delimitação territorial), as línguas, a
nação (característica de um povo) e o próprio domínio do Cristianismo
-Dividido em :
*Alta Idade Média- século V a XI. Na qual uma nova sociedade surgia sobre a queda
do Império Romano, caracterizada pelos reinos bárbaros, pela invasão dos árabes, pelo
avanço e consolidação do poder da Igreja Católica e pela formação do Feudalismo
*Baixa Idade Média- século XI a XV. Na qual o Feudalismo entra em crise e começa a
cair, dando início a um processo que viria a resultar no Capitalismo
O Império Bizantino / Império Romano do Oriente
-Capital: Constantinopla
-Origens: século IC, quando o imperador Constantino, apósreunificar o Império,
transferiu sua capital para Constantinopla. A nova subdivisão do Império Romano, no
governo de Teodósio, foi em Império Romano do Ocidente, com capital em Roma e
depois em Milão, e o Império Romano do Oriente, com capital em Constantinopla
-O processo de invasões germânicas acabou com o Império, o qual durou ainda dez
séculos, até sua conquista pelos turcos, em 1453
*Economia e sociedade
-Mesmo com a ruralização e a feudalização se intensificando nesse período, o Império
Bizantino manteve características comerciais e urbanas, ao lado da vida rural. Além
disso, manteve seu poder centralizado e um forte controle sobre a economia em meio da
fragmentação política do resto da Europa
-Parte das terras era do Estado, as demais ficavam nas mãos da aristocracia. A pequena
propriedade era inexistente e a mão de obra era composta por camponeses livres e um
pouco de escravos. A produtividade rural era muito limitada e gerava pouco excedente,
não sendo a agricultura a base econômica, já que tal riqueza se concentrava no
comércio, o qual se localizava em Constantinopla, a qual era estratégica, além de ser
protegida por uma marinha bizantina
-Sociedade:
*Organização política e religiosa
-Centralização política
-Nesse período, durante seu apogeu, no reinado de Justiniano, havia um Estado forte,
com amplo controle sobre a vida econômica inclusive monopolizando alguns setores, e
um expansionismo militar
-Houve a Reconquista: Justiniano retoma algumas regiões que haviam sido ocupadas
por povos germânicos. Além disso, Justiniano fez uma obra administrativa, criando um
Corpo Jurídico Civil, ou seja, um código civil
-A questão da religião ocupou um lugar fundamental no Estado, já que seu surgimento
já havia incorporado a estrutura cristã. Através do Edito de Milão, Constantino
legalizava o culto. Teodósio, através do Edito de Tessalônica, tornou o Cristianismo a
religião oficial do Império
-Assim, a religião se tornou uma justificação e sustentação do poder imperial. O
imperador era visto como uma manifestação humana de Deus, e realizava o
cesaropapismo (poder executivo, jurídico e religioso)
O Islão
As origens
-A Arábia, berço do islamismo, constituiu-se em um deserto. Assim, as poucas cidades
erguiam-se em oásis isolados (impossibilitando uma unidade política). O restante do
território era formado por beduínos (árabes do deserto), vivendo em tribos e eram
seminômades , sobrevivendo da criação de cabras e da extração de tâmaras,
necessitando do comércio
-Porém, mesmo com a aproximação devido ao comércio, o isolamento tornava
impossível uma unidade política. Assim como suas diferenças religiosas, antes do Islão,
os árabes eram politeístas
-Origem do Islamismo acontece com as pregações de Maomé, influenciado pelo
Judaísmo e pelo Cristianismo, começava a pensar na ideia de crer em um só Deus,
porém essas ideias foram mal recebidas pelos Coraixitas, já que eram politeístas. A
oposição foi violenta, levando Maomé e seus seguidores a fugir para a cidade de
Medina
A conversão da Arábia
-Ao fixar-se em Medina, Maomé contava com o apoio da elite local, já que a mesma
queria a queda de Meca, assim, começou a realizar ataques a caravanas que se dirigiam
a Meca, reprimindo o comércio dessa cidade
-Com isso, houve uma expansão de sua crença, já que a doutrina de Maomé estava
diretamente ligada às condições de vida do árabe e suas necessidades, além disso, o
islamismo representava uma justificativa religiosa à vida material do árabe
A expansão islâmica
-A decadência dos Impérios Romano e Persa, assim como a descentralização política e
militar, que caracterização os povos bárbaros do norte da África e da Península Ibérica
favoreceram a expansão islâmica. Os árabes conquistaram vastas regiões do Oriente,
incorporando os atuais Irã, Iraque e norte da Índia e o território africano
-São derrotados no território franco, na Batalha de Pointiers, em 732. Porém, mesmo
detidos em sua expansão, a consolidação estava feita, pois mantiveram os domínios
anteriores
Efeitos da expansão islâmica
-A penetração árabe na Europa deixou feitos importantes para a organização europeia.
O processo de ruralização e o declínio do comércio passaram a ser definitivos, visto que
as invasões germânicas ficaram mais frequentes
-Com o domínio árabe sobre o Mediterrâneo, o comércio europeu declinou, além disso,
estava com sua produção agrícola sem perspectivas de mercados
-A presença árabe na Península Ibérica motivou a luta dos povos cristãos para expulsá-
los na Guerra da Reconquista, originando os reinos de Portugal e Espanha
-Os árabes influenciaram na Matemática, Astronomia e Filosofia
Os reinos bárbaros
-O Império Romano declinou devido às invasões germânicas, os quais deram origem
aos reinos bárbaros
-Os novos dominantes eram povos bárbaros, de origem germânica. Suas estruturas,
baseadas em tribos, para uma nova realidade que possuía vastos domínios, acabou
misturando as realidades, na qual elementos do poder local se fundem à necessidade de
garantir posse da terra e à defesa contra inimigos, com a criação de uma estrutura militar
e com a existência de reinos
-As sociedades germânicas passaram de tribos para agrupamentos guerreiros, centrado
na figura de um chefe (que era reconhecido, ou seja, legitimado pelo povo),
comandando guerreiros, os quais se submetem por vontade própria e possuíam
vínculos somente militares, mas de caráter pessoal, com juramentos de fidelidade e
obediência, em troca de proteção pelo chefe. Essa organização se chamava “grupo de
guerra” e teve importante influência na formação do Feudalismo
-A necessidade militar levou a um processo de organização desses agrupamentos
guerreiros, formando uma autoridade central militar, caracterizando um poder
monárquico
-Os chefes guerreiros faziam juramentos ao rei, assim como os guerreiros aos chefes,
porém os guerreiros não faziam esse juramento diretamente ao rei
-Assim, sem comércio e com a agricultura a atividade principal do império, a questão
militar assumiu um papel de sobrevivência ligada à defesa da terra, a qual
proporcionava o alimento, ou seja, a vida
-O rei era a autoridade militar que detinha todas as terras, então, para a defesa das
mesmas, o mesmo concedia o comando de parte das terras e proteção aos chefes
guerreiros, em troca de fidelidade, obediência e serviço militar. Essa organização é
chamada de suserania e vassalagem
-Suserano é aquele que concede a terra em troca de obediência e fidelidade do vassalo
-A base que os povos germânicos tinham na agricultura acelerou a ruralização europeia
e estabeleceu as bases de produção feudal. As cidades romanas já decadentes perderam
sua função economia, transformando-se em centros administrativos, centros de defesa,
em função das muralhas, ou em centros religiosos
*Reino Franco
-Francos: são os povos germânicos que invadiram as terras de Gália dos romanos,
ocupando as terras da atual França
-Diferenciação dos outros povos bárbaros: precoce centralização política e a aliança que
estabeleceram com a Igreja Católica
-Ocupação da Gália: fez-se a partir de um intenso processo de lutas contra habitantes e
entre os principais chefes guerreiros francos, destacou-se o chefe Meroveu, o qual
derrotou uma série de adversários e estendeu seu domínio. A conclusão desse
expansionismo deu-se por Clóvis, neto de Meroveu, o qual foi o primeiro a
compreender a necessidade do apoio das populações nativas para consolidar seu poder e
a vitória, assim, voltou-se à Igreja Católica, a qual era adorada pela população
-A conversão de Clóvis e a consequente aliança com a Igreja foram decisivas para seu
processo de conquista, conseguindo derrotar os demais guerreiros francos, impondo-se
como rei, formando a origem Merovíngia
-Clóvis dividiu o reino em condados, nomeando os nobres guerreiros, condes, para
administrá-las (suserania e vassalagem), iniciando o processo de descentralização
política. Os últimos reis merovíngios ficaram conhecidos pela designação de reis
indolentes
-Seu poder era formal, não tendo nenhuma autoridade, já que a administração dos
domínios reais ficou para os majordomus (nobres)
-Século VII: major domus se fortalece. Em 679, Pepino de Heristal transformou o
cargo de major domus em vitalício e hereditário, independente da nomeação do rei
-Notou-se esse novo poder quando os árabes invadiram a França, na qual coube ao
major domusCarlos Martel, filho de Pepino de Heristal, e não ao rei, o comando dos
exércitos francos que derrotaram os árabes na Batalha de Pointiers
-A vitória consolidou a aliança entre os francos e a Igreja Católica e fortaleceu a
autoridade central
-Pepino, o Breve, filho de Carlos Martel, finalizou esse processo. Alegando ter sangue
real e contando com o apoio dos nobre e da Igreja, ele depôs o último rei morovíngio e
fez-se coroar rei da França no ano de 751. Surgiu a dinastia Carolíngia
-Pepino refez a aliança com a Igreja, o que lhe permitiu distribuir as vastas propriedades
da Igreja entre seus seguidores que, em troca, oferecia serviço militar. A propriedade
recebida chamava-se benefício. Sua posse era condicionada à prestação do serviço
militar na forma de cavaleiro. A Igreja, por conceder as propriedades, passou a cobrar o
dízimo
-Pepino também interveio na Itália contra os Iombardos que ameaçavam o papa, em
756, conseguindo territórios que foram doados ao papa Estevão II, originando o
Patrimônio de São Pedro
-Essa ação foi decisiva para a ampliação dos domínios francos. A aliança com a Igreja
foi fator decisivo para que os fiéis aceitassem a dominação franca
Império Carolíngio
-768- Carlos Magno, filho de Pepino, o Breve, empenhou-se em expandir o território,
anexando o norte da Itália, derrotando os ávaros e obtendo a submissão de boêmios,
morávios e croatas. Fazendo do Reino Franco o mais extenso
-Todas essas conquistas foram com a ajuda da Igreja. Essa condição consolidou-se na
missa de natal de 800, o papa Leão III coroou Carlos o Imperador dos Romanos (não
de Roma, e sim dos cristãos, ou seja, conotação religiosa)
-A administração do império seguiu o modelo franco de divisão em condados, passando
os bispos também a exercerem poderes condais. Nas fronteiras, criaram-se as Marcas,
que ficavam sob controle do marquês. Essas medidas favoreceram os poderes jurídico-
militares
-Carlos tentou ter um controle central criando os missidominici, funcionários que
percorriam o Império fiscalizando a administração de condes e bispos. Mas a guerra foi
o fator determinante para a centralização
-Renascimento Carolíngio: escolas foram fundadas, sendo os aristocratas estimulados
a alfabetizarem-se, homens sábios serviam à Corte. Esse renascimento foi apoiado pela
Igreja, a qual fiscalizava os livros distribuídos
-Luís, o Piedoso, filho de Carlos Magno, assume em 813. Fortemente apoiado pela
Igreja, Luís foi um monarca fraco. Abadias e aristocratas conseguiam se livrar do
controle do poder central, tornando-se autônomos
-Nova onda de invasões, principalmente dos vikings, com seus navios de quilha rasa,
subiam os rios rapidamente, matando e destruindo
-A morte de Luís levou à divisão de seu Império por seus filhos, no Tratado de
Verdun. Carlos, o Calvo ficou com a França Ocidental. Luís, o Germânico, com a
França Oriental. E Lotário, com a França Central, repartida após sua morte por Carlos e
Luís
-A autoridade real esfacelou-se rapidamente. Condes, duques e marqueses passaram a
exercer seu poder em nível local (autônomos). Em 877, os domínios chamados de
feudos, tornaram-se hereditários. Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os
vikings, concedeu-lhes o ducado da Normandia. Nesse mesmo ano ocorreu a morte do
último rei do Império Carolíngio, levando ao seu fim, dando início ao Sacro Império
Romano-Germânico
Feudalismo
-Características:
*Ruralização econômica e demográfica (êxodo urbano), já que a agricultura era de
subsistência
*Declínio do comércio, devido à agricultura
-Bloqueio do Mediterrâneo
*Descentralização política
*Dependência dos camponeses em relação ao senhor da terra (chefes guerreiros)
*Vínculos militares entre a nobreza
*Ascenção da Igreja Católica
-Resultou em uma fusão entre elementos romanos e germânicos
*Elementos romanos:
->Vila: unidade com produção voltada à subsistência
->Regime de Colonato: produziu camponeses presos à terra
->Declínio da vida urbana: ruralização, já que terra = vida
->Declínio do comércio e enfraquecimento do Estado
*Elementos germânicos:
->Subsistência
->Suserania e Vassalagem
->Insegurança gerada pelas invasões, o que acentuou as relações de suserania e
vassalagem e ampliou a dependência dos trabalhadores em relação aos guerreiros que
proporcionava proteção
-Além disso, houve a dominação árabe sobre o Mediterrâneo, a qual declinou ainda
mais o comércio e a dependência europeia de uma economia autossuficiente
-Feudos: grandes propriedades rurais voltada para a economia de subsistência
-Sociedade feudal eraestamental: nobreza (hereditária) era superior, sendo o inferior os
camponeses, os quais eram dependentes da terra do senhor, sendo chamados de servos
-Essa terra era divida em 3 mansos:
* Manso senhorial: compreendia metade de terra agricultável e a casa do senhor
*Manso servil: compreendia outra metade de terra agricultável e uma outra
propriedade, utilizada pelo senhor e o servo
*Manso comunal: compreendia terras coletivas, como pastos e bosques
-Servos deviam ao senhor 3 obrigações:
*Corveia: trabalho no manso senhorial, sendo toda produção do senhor
*Talha: parcelas da produção do manso servil
*Banalidades: taxas pela utilização do moinho, do forno, entre outros
Além disso, ainda havia, para os filhos dos servos sobreviverem do mesmo trabalho dos
pais, a mão morta, taxa paga por herdeiros para trabalharem. E o dízimo para a Igreja,
correspondendo a 10% da produção
-Servo não tinha estímulo para uma maior produção, resultando em um baixo nível
técnico e consequente produtividade insignificante, caracterizando o Feudalismo
Igreja e as monarquias feudais
-Igreja Católica consolidou seu poder durante a Idade Média
-Causas dessa consolidação: final do Império Romano, quando a oficialização do
Cristianismo transferiu para a Igreja parte da autoridade do Estado, já que o declínio
completado do Império fez com que a Igreja fosse a única instituição organizada,
detendo a fé dos cristãos, fazendo com que os mesmo fossem manipulados pela
instituição. Exemplo: Reino Franco
-A aliança com o Império Carolíngio e com a formação do Estado Pontifício,
solidificando o fortalecimento da autoridade do papa. Criava-se uma monarquia
pontificial (da Igreja, já que o papa controla tudo)
-As terras da Igreja, fruto de doações de nobres, faziam com que a mesma se tornasse a
instituição com maior número de terras até hoje
-Esse poder teve sua origem no ideário cristão, que oferece um consolo aos miseráveis e
necessitados, os quais deveriam ir para o céu. Assim, além do poder das terras, a Igreja
passou a ter um poder ideológico sobre a população. A sociedade começa a formar sob
uma ordem divina, obtendo o nome de sociedade de ordens, na qual havia aqueles que
guerreiam, os que oram (padres) e os que trabalham (servos – povo miserável),
constituindo um todo indivisível, ao mesmo tempo trino e uno, como Pai, Filho e
Espírito Santo (representação do céu), com todos os fenômenos atribuídos a Deus, em
um sistema chamado Teocentrismo
-O Teocentrismo ampliou o poder ideológico da Igreja, que passava a ser a ligação do
homem com Deus. Assim, adotou uma postura de dirigir a fé através de dogmas,
verdades absolutas que não admitem contestações perseguindo violentamente quem se
opunha aos mesmos
-Organização da Igreja:
*Clero secular: formado pelo papa, bispos e padres, todos aqueles que conviviam com
os fiéis
*Clero regular: monges, ou seja, aqueles que se isolavam no mundo em mosterios para
não haver influência em sua crença
Sacro Império Romano-Germânico
-Fundação do Reino Germânico a partir do fim da dinastia Carolíngia. Porém, a partir
desse fim, a tendência era o enfraquecimento da autoridade central, como era o objetivo
da nobreza, já que a mesma queria sua autonomia, mas houve a intervenção da Igreja
desejando associar-se a um Estado forte, que pudesse universalizar o Cristianismo,
proteger suas diversas terras e impedir ataques
-A Igreja apostou em um poder centralizado, assim como a estrutura do Império
Carolíngio
-Assim, pressionados pela instituição, os quatro duques das regiões hoje Alemanha,
Francônia, Saxônia, Suábia e Baviera elegeram o duque Henrique da Saxônia
-Henrique apoiou-se na Igreja para neutralizas o poder dos demais duqeus, concedendo
a abade e bispos poderes condais
-Seu filho, Oto I, prosseguiu a política paterna. Proclamou-se o legítimo herdeiro e
sucessor de Carlos Magno e assumiu o título de Imperador dos Romanos, mas em um
Império que tinha por base a Germânia e que já nascia em aliança à Igreja. Formava-se
o Sacro Império Romano-Germânico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
mundica broda
 
Idade MéDia Pp
Idade MéDia PpIdade MéDia Pp
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
rvanessarebelo
 
A cultura do mosteiro
A cultura do mosteiroA cultura do mosteiro
A cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
Jonatas Carlos
 
HIST: Ficha Formativa de História
HIST: Ficha Formativa de HistóriaHIST: Ficha Formativa de História
HIST: Ficha Formativa de História
7F
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof Iair
Tricia Carnevale
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IX
historiajovem2011
 
Reino franco
Reino francoReino franco
Reino franco
PROFºWILTONREIS
 
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
aparicioanabela
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
eiprofessor
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDiaC:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
AEDFL
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
 
Idade MéDia Pp
Idade MéDia PpIdade MéDia Pp
Idade MéDia Pp
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
A cultura do mosteiro
A cultura do mosteiroA cultura do mosteiro
A cultura do mosteiro
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
HIST: Ficha Formativa de História
HIST: Ficha Formativa de HistóriaHIST: Ficha Formativa de História
HIST: Ficha Formativa de História
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof Iair
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IX
 
Reino franco
Reino francoReino franco
Reino franco
 
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
Identidade civil.europa ocidental deise 10 h2
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDiaC:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
C:\Fakepath\Ocidente Na Alta Idade MéDia
 

Semelhante a A Idade Média

Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francosFeudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Profdaltonjunior
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
Agassis Paulo Bezerra
 
Baixa Idade Média.pptx
Baixa Idade Média.pptxBaixa Idade Média.pptx
Baixa Idade Média.pptx
IsaacAugustoAlvesdeF
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
Henrique Rodrigues
 
Idade.media.resumo
Idade.media.resumoIdade.media.resumo
Idade.media.resumo
Scriba Digital
 
Slide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdfSlide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdf
CaiqueDantas4
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdfFeudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
ROSANEAPARECIDAANTUN1
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
Elisângela Martins Rodrigues
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Cristiane Freitas
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
3 feudalismo
3 feudalismo3 feudalismo
3 feudalismo
profrogerio1
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
Laguat
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
Izaac Erder
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
Izaac Erder
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Auxiliadora
 
Aula 04 baixa idade média
Aula 04   baixa idade médiaAula 04   baixa idade média
Aula 04 baixa idade média
Jonatas Carlos
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Queda de roma e idade média
Queda de roma e idade médiaQueda de roma e idade média
Queda de roma e idade média
Carolina Medeiros
 

Semelhante a A Idade Média (20)

Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francosFeudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
 
Baixa Idade Média.pptx
Baixa Idade Média.pptxBaixa Idade Média.pptx
Baixa Idade Média.pptx
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
 
Idade.media.resumo
Idade.media.resumoIdade.media.resumo
Idade.media.resumo
 
Slide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdfSlide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdf
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdfFeudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
Feudalismo_ o que foi, origem, economia, resumo - PrePara ENEM.pdf
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
3 feudalismo
3 feudalismo3 feudalismo
3 feudalismo
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
 
Aula 04 baixa idade média
Aula 04   baixa idade médiaAula 04   baixa idade média
Aula 04 baixa idade média
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Queda de roma e idade média
Queda de roma e idade médiaQueda de roma e idade média
Queda de roma e idade média
 

Mais de BriefCase

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
BriefCase
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
BriefCase
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
BriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
BriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
BriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
BriefCase
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
BriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
BriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
BriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
BriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
BriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
BriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
BriefCase
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
BriefCase
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
BriefCase
 
A Palestina dos Hebreus
A Palestina dos HebreusA Palestina dos Hebreus
A Palestina dos Hebreus
BriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
 
A Palestina dos Hebreus
A Palestina dos HebreusA Palestina dos Hebreus
A Palestina dos Hebreus
 

A Idade Média

  • 1. A Idade Média Nomenclatura e divisões -Idade Média: período compreendido entre a queda do Império Romano do Ocidente, em 476, e a queda do Império Romano do Oriente e o fim da Guerra dos Cem Anos, em 1453 -A caracterização desses dez século de diferença é o fruto de uma visão criada pelo Renascimento Cultural, o qual considerava a Idade Média a “Idade das trevas”, já que, segundo os mesmos, o clássico escureceu diante do barbarismo e o obscurantismo. Porém essa expressão é errada, já que a Idade Média é importante, já que é nela em que se formam as bases do mundo europeu, os países (delimitação territorial), as línguas, a nação (característica de um povo) e o próprio domínio do Cristianismo -Dividido em : *Alta Idade Média- século V a XI. Na qual uma nova sociedade surgia sobre a queda do Império Romano, caracterizada pelos reinos bárbaros, pela invasão dos árabes, pelo avanço e consolidação do poder da Igreja Católica e pela formação do Feudalismo *Baixa Idade Média- século XI a XV. Na qual o Feudalismo entra em crise e começa a cair, dando início a um processo que viria a resultar no Capitalismo O Império Bizantino / Império Romano do Oriente -Capital: Constantinopla -Origens: século IC, quando o imperador Constantino, apósreunificar o Império, transferiu sua capital para Constantinopla. A nova subdivisão do Império Romano, no governo de Teodósio, foi em Império Romano do Ocidente, com capital em Roma e depois em Milão, e o Império Romano do Oriente, com capital em Constantinopla -O processo de invasões germânicas acabou com o Império, o qual durou ainda dez séculos, até sua conquista pelos turcos, em 1453 *Economia e sociedade -Mesmo com a ruralização e a feudalização se intensificando nesse período, o Império Bizantino manteve características comerciais e urbanas, ao lado da vida rural. Além disso, manteve seu poder centralizado e um forte controle sobre a economia em meio da fragmentação política do resto da Europa -Parte das terras era do Estado, as demais ficavam nas mãos da aristocracia. A pequena propriedade era inexistente e a mão de obra era composta por camponeses livres e um pouco de escravos. A produtividade rural era muito limitada e gerava pouco excedente, não sendo a agricultura a base econômica, já que tal riqueza se concentrava no comércio, o qual se localizava em Constantinopla, a qual era estratégica, além de ser protegida por uma marinha bizantina
  • 2. -Sociedade: *Organização política e religiosa -Centralização política -Nesse período, durante seu apogeu, no reinado de Justiniano, havia um Estado forte, com amplo controle sobre a vida econômica inclusive monopolizando alguns setores, e um expansionismo militar -Houve a Reconquista: Justiniano retoma algumas regiões que haviam sido ocupadas por povos germânicos. Além disso, Justiniano fez uma obra administrativa, criando um Corpo Jurídico Civil, ou seja, um código civil -A questão da religião ocupou um lugar fundamental no Estado, já que seu surgimento já havia incorporado a estrutura cristã. Através do Edito de Milão, Constantino legalizava o culto. Teodósio, através do Edito de Tessalônica, tornou o Cristianismo a religião oficial do Império -Assim, a religião se tornou uma justificação e sustentação do poder imperial. O imperador era visto como uma manifestação humana de Deus, e realizava o cesaropapismo (poder executivo, jurídico e religioso) O Islão As origens -A Arábia, berço do islamismo, constituiu-se em um deserto. Assim, as poucas cidades erguiam-se em oásis isolados (impossibilitando uma unidade política). O restante do território era formado por beduínos (árabes do deserto), vivendo em tribos e eram seminômades , sobrevivendo da criação de cabras e da extração de tâmaras, necessitando do comércio -Porém, mesmo com a aproximação devido ao comércio, o isolamento tornava impossível uma unidade política. Assim como suas diferenças religiosas, antes do Islão, os árabes eram politeístas
  • 3. -Origem do Islamismo acontece com as pregações de Maomé, influenciado pelo Judaísmo e pelo Cristianismo, começava a pensar na ideia de crer em um só Deus, porém essas ideias foram mal recebidas pelos Coraixitas, já que eram politeístas. A oposição foi violenta, levando Maomé e seus seguidores a fugir para a cidade de Medina A conversão da Arábia -Ao fixar-se em Medina, Maomé contava com o apoio da elite local, já que a mesma queria a queda de Meca, assim, começou a realizar ataques a caravanas que se dirigiam a Meca, reprimindo o comércio dessa cidade -Com isso, houve uma expansão de sua crença, já que a doutrina de Maomé estava diretamente ligada às condições de vida do árabe e suas necessidades, além disso, o islamismo representava uma justificativa religiosa à vida material do árabe A expansão islâmica -A decadência dos Impérios Romano e Persa, assim como a descentralização política e militar, que caracterização os povos bárbaros do norte da África e da Península Ibérica favoreceram a expansão islâmica. Os árabes conquistaram vastas regiões do Oriente, incorporando os atuais Irã, Iraque e norte da Índia e o território africano -São derrotados no território franco, na Batalha de Pointiers, em 732. Porém, mesmo detidos em sua expansão, a consolidação estava feita, pois mantiveram os domínios anteriores Efeitos da expansão islâmica -A penetração árabe na Europa deixou feitos importantes para a organização europeia. O processo de ruralização e o declínio do comércio passaram a ser definitivos, visto que as invasões germânicas ficaram mais frequentes -Com o domínio árabe sobre o Mediterrâneo, o comércio europeu declinou, além disso, estava com sua produção agrícola sem perspectivas de mercados -A presença árabe na Península Ibérica motivou a luta dos povos cristãos para expulsá- los na Guerra da Reconquista, originando os reinos de Portugal e Espanha -Os árabes influenciaram na Matemática, Astronomia e Filosofia
  • 4. Os reinos bárbaros -O Império Romano declinou devido às invasões germânicas, os quais deram origem aos reinos bárbaros -Os novos dominantes eram povos bárbaros, de origem germânica. Suas estruturas, baseadas em tribos, para uma nova realidade que possuía vastos domínios, acabou misturando as realidades, na qual elementos do poder local se fundem à necessidade de garantir posse da terra e à defesa contra inimigos, com a criação de uma estrutura militar e com a existência de reinos -As sociedades germânicas passaram de tribos para agrupamentos guerreiros, centrado na figura de um chefe (que era reconhecido, ou seja, legitimado pelo povo), comandando guerreiros, os quais se submetem por vontade própria e possuíam vínculos somente militares, mas de caráter pessoal, com juramentos de fidelidade e obediência, em troca de proteção pelo chefe. Essa organização se chamava “grupo de guerra” e teve importante influência na formação do Feudalismo -A necessidade militar levou a um processo de organização desses agrupamentos guerreiros, formando uma autoridade central militar, caracterizando um poder monárquico -Os chefes guerreiros faziam juramentos ao rei, assim como os guerreiros aos chefes, porém os guerreiros não faziam esse juramento diretamente ao rei -Assim, sem comércio e com a agricultura a atividade principal do império, a questão militar assumiu um papel de sobrevivência ligada à defesa da terra, a qual proporcionava o alimento, ou seja, a vida -O rei era a autoridade militar que detinha todas as terras, então, para a defesa das mesmas, o mesmo concedia o comando de parte das terras e proteção aos chefes guerreiros, em troca de fidelidade, obediência e serviço militar. Essa organização é chamada de suserania e vassalagem -Suserano é aquele que concede a terra em troca de obediência e fidelidade do vassalo
  • 5. -A base que os povos germânicos tinham na agricultura acelerou a ruralização europeia e estabeleceu as bases de produção feudal. As cidades romanas já decadentes perderam sua função economia, transformando-se em centros administrativos, centros de defesa, em função das muralhas, ou em centros religiosos *Reino Franco -Francos: são os povos germânicos que invadiram as terras de Gália dos romanos, ocupando as terras da atual França -Diferenciação dos outros povos bárbaros: precoce centralização política e a aliança que estabeleceram com a Igreja Católica -Ocupação da Gália: fez-se a partir de um intenso processo de lutas contra habitantes e entre os principais chefes guerreiros francos, destacou-se o chefe Meroveu, o qual derrotou uma série de adversários e estendeu seu domínio. A conclusão desse expansionismo deu-se por Clóvis, neto de Meroveu, o qual foi o primeiro a compreender a necessidade do apoio das populações nativas para consolidar seu poder e a vitória, assim, voltou-se à Igreja Católica, a qual era adorada pela população -A conversão de Clóvis e a consequente aliança com a Igreja foram decisivas para seu processo de conquista, conseguindo derrotar os demais guerreiros francos, impondo-se como rei, formando a origem Merovíngia -Clóvis dividiu o reino em condados, nomeando os nobres guerreiros, condes, para administrá-las (suserania e vassalagem), iniciando o processo de descentralização política. Os últimos reis merovíngios ficaram conhecidos pela designação de reis indolentes -Seu poder era formal, não tendo nenhuma autoridade, já que a administração dos domínios reais ficou para os majordomus (nobres) -Século VII: major domus se fortalece. Em 679, Pepino de Heristal transformou o cargo de major domus em vitalício e hereditário, independente da nomeação do rei -Notou-se esse novo poder quando os árabes invadiram a França, na qual coube ao major domusCarlos Martel, filho de Pepino de Heristal, e não ao rei, o comando dos exércitos francos que derrotaram os árabes na Batalha de Pointiers -A vitória consolidou a aliança entre os francos e a Igreja Católica e fortaleceu a autoridade central -Pepino, o Breve, filho de Carlos Martel, finalizou esse processo. Alegando ter sangue real e contando com o apoio dos nobre e da Igreja, ele depôs o último rei morovíngio e fez-se coroar rei da França no ano de 751. Surgiu a dinastia Carolíngia
  • 6. -Pepino refez a aliança com a Igreja, o que lhe permitiu distribuir as vastas propriedades da Igreja entre seus seguidores que, em troca, oferecia serviço militar. A propriedade recebida chamava-se benefício. Sua posse era condicionada à prestação do serviço militar na forma de cavaleiro. A Igreja, por conceder as propriedades, passou a cobrar o dízimo -Pepino também interveio na Itália contra os Iombardos que ameaçavam o papa, em 756, conseguindo territórios que foram doados ao papa Estevão II, originando o Patrimônio de São Pedro -Essa ação foi decisiva para a ampliação dos domínios francos. A aliança com a Igreja foi fator decisivo para que os fiéis aceitassem a dominação franca Império Carolíngio -768- Carlos Magno, filho de Pepino, o Breve, empenhou-se em expandir o território, anexando o norte da Itália, derrotando os ávaros e obtendo a submissão de boêmios, morávios e croatas. Fazendo do Reino Franco o mais extenso -Todas essas conquistas foram com a ajuda da Igreja. Essa condição consolidou-se na missa de natal de 800, o papa Leão III coroou Carlos o Imperador dos Romanos (não de Roma, e sim dos cristãos, ou seja, conotação religiosa) -A administração do império seguiu o modelo franco de divisão em condados, passando os bispos também a exercerem poderes condais. Nas fronteiras, criaram-se as Marcas, que ficavam sob controle do marquês. Essas medidas favoreceram os poderes jurídico- militares -Carlos tentou ter um controle central criando os missidominici, funcionários que percorriam o Império fiscalizando a administração de condes e bispos. Mas a guerra foi o fator determinante para a centralização -Renascimento Carolíngio: escolas foram fundadas, sendo os aristocratas estimulados a alfabetizarem-se, homens sábios serviam à Corte. Esse renascimento foi apoiado pela Igreja, a qual fiscalizava os livros distribuídos -Luís, o Piedoso, filho de Carlos Magno, assume em 813. Fortemente apoiado pela Igreja, Luís foi um monarca fraco. Abadias e aristocratas conseguiam se livrar do controle do poder central, tornando-se autônomos -Nova onda de invasões, principalmente dos vikings, com seus navios de quilha rasa, subiam os rios rapidamente, matando e destruindo
  • 7. -A morte de Luís levou à divisão de seu Império por seus filhos, no Tratado de Verdun. Carlos, o Calvo ficou com a França Ocidental. Luís, o Germânico, com a França Oriental. E Lotário, com a França Central, repartida após sua morte por Carlos e Luís -A autoridade real esfacelou-se rapidamente. Condes, duques e marqueses passaram a exercer seu poder em nível local (autônomos). Em 877, os domínios chamados de feudos, tornaram-se hereditários. Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os vikings, concedeu-lhes o ducado da Normandia. Nesse mesmo ano ocorreu a morte do último rei do Império Carolíngio, levando ao seu fim, dando início ao Sacro Império Romano-Germânico Feudalismo -Características: *Ruralização econômica e demográfica (êxodo urbano), já que a agricultura era de subsistência *Declínio do comércio, devido à agricultura -Bloqueio do Mediterrâneo *Descentralização política *Dependência dos camponeses em relação ao senhor da terra (chefes guerreiros) *Vínculos militares entre a nobreza *Ascenção da Igreja Católica -Resultou em uma fusão entre elementos romanos e germânicos *Elementos romanos: ->Vila: unidade com produção voltada à subsistência ->Regime de Colonato: produziu camponeses presos à terra ->Declínio da vida urbana: ruralização, já que terra = vida ->Declínio do comércio e enfraquecimento do Estado *Elementos germânicos: ->Subsistência ->Suserania e Vassalagem ->Insegurança gerada pelas invasões, o que acentuou as relações de suserania e vassalagem e ampliou a dependência dos trabalhadores em relação aos guerreiros que proporcionava proteção -Além disso, houve a dominação árabe sobre o Mediterrâneo, a qual declinou ainda mais o comércio e a dependência europeia de uma economia autossuficiente -Feudos: grandes propriedades rurais voltada para a economia de subsistência -Sociedade feudal eraestamental: nobreza (hereditária) era superior, sendo o inferior os camponeses, os quais eram dependentes da terra do senhor, sendo chamados de servos
  • 8. -Essa terra era divida em 3 mansos: * Manso senhorial: compreendia metade de terra agricultável e a casa do senhor *Manso servil: compreendia outra metade de terra agricultável e uma outra propriedade, utilizada pelo senhor e o servo *Manso comunal: compreendia terras coletivas, como pastos e bosques -Servos deviam ao senhor 3 obrigações: *Corveia: trabalho no manso senhorial, sendo toda produção do senhor *Talha: parcelas da produção do manso servil *Banalidades: taxas pela utilização do moinho, do forno, entre outros Além disso, ainda havia, para os filhos dos servos sobreviverem do mesmo trabalho dos pais, a mão morta, taxa paga por herdeiros para trabalharem. E o dízimo para a Igreja, correspondendo a 10% da produção -Servo não tinha estímulo para uma maior produção, resultando em um baixo nível técnico e consequente produtividade insignificante, caracterizando o Feudalismo Igreja e as monarquias feudais -Igreja Católica consolidou seu poder durante a Idade Média -Causas dessa consolidação: final do Império Romano, quando a oficialização do Cristianismo transferiu para a Igreja parte da autoridade do Estado, já que o declínio completado do Império fez com que a Igreja fosse a única instituição organizada, detendo a fé dos cristãos, fazendo com que os mesmo fossem manipulados pela instituição. Exemplo: Reino Franco -A aliança com o Império Carolíngio e com a formação do Estado Pontifício, solidificando o fortalecimento da autoridade do papa. Criava-se uma monarquia pontificial (da Igreja, já que o papa controla tudo) -As terras da Igreja, fruto de doações de nobres, faziam com que a mesma se tornasse a instituição com maior número de terras até hoje -Esse poder teve sua origem no ideário cristão, que oferece um consolo aos miseráveis e necessitados, os quais deveriam ir para o céu. Assim, além do poder das terras, a Igreja passou a ter um poder ideológico sobre a população. A sociedade começa a formar sob uma ordem divina, obtendo o nome de sociedade de ordens, na qual havia aqueles que guerreiam, os que oram (padres) e os que trabalham (servos – povo miserável), constituindo um todo indivisível, ao mesmo tempo trino e uno, como Pai, Filho e Espírito Santo (representação do céu), com todos os fenômenos atribuídos a Deus, em um sistema chamado Teocentrismo
  • 9. -O Teocentrismo ampliou o poder ideológico da Igreja, que passava a ser a ligação do homem com Deus. Assim, adotou uma postura de dirigir a fé através de dogmas, verdades absolutas que não admitem contestações perseguindo violentamente quem se opunha aos mesmos -Organização da Igreja: *Clero secular: formado pelo papa, bispos e padres, todos aqueles que conviviam com os fiéis *Clero regular: monges, ou seja, aqueles que se isolavam no mundo em mosterios para não haver influência em sua crença Sacro Império Romano-Germânico -Fundação do Reino Germânico a partir do fim da dinastia Carolíngia. Porém, a partir desse fim, a tendência era o enfraquecimento da autoridade central, como era o objetivo da nobreza, já que a mesma queria sua autonomia, mas houve a intervenção da Igreja desejando associar-se a um Estado forte, que pudesse universalizar o Cristianismo, proteger suas diversas terras e impedir ataques -A Igreja apostou em um poder centralizado, assim como a estrutura do Império Carolíngio -Assim, pressionados pela instituição, os quatro duques das regiões hoje Alemanha, Francônia, Saxônia, Suábia e Baviera elegeram o duque Henrique da Saxônia -Henrique apoiou-se na Igreja para neutralizas o poder dos demais duqeus, concedendo a abade e bispos poderes condais -Seu filho, Oto I, prosseguiu a política paterna. Proclamou-se o legítimo herdeiro e sucessor de Carlos Magno e assumiu o título de Imperador dos Romanos, mas em um Império que tinha por base a Germânia e que já nascia em aliança à Igreja. Formava-se o Sacro Império Romano-Germânico