SlideShare uma empresa Scribd logo
A IDADE MEDIA
OCIDENTAL
a
t u
F
y BK
Os tempos da Idade Média duraram do Séculos V(5) ao
XV(15). A Idade Média começou com a queda do Império
Romano do Ocidente, em 476, e se encerrou com a tomada da
capital do Império Bizantino, Constantinopla, pelos turco-
otomanos, em 1453. Costuma ser dividida em duas: Alta e
Baixa Idade Média. Foi um tempo de reis, rainhas,
cavaleiros, monges e guerras por toda Europa.
O QUE É IDADE MÉDIA?
Que o império romano era gigantesco todos nós sabemos.
Porém isso levou a uma série de dificuldades para cuidar de
tantas terras. Terras férteis e clima bom foram alguns dos
fatores que interessaram povos vizinhos a entrar no
território Romano. Além desse interesse, não tiveram outra
saída, pois estavam sendo ameaçados e pressionados por
outros povos, sendo a única alternativa fugir e entrar em
terras romanas. Naquele período, os romanos tinham o
costume de chamar invasores de bárbaros. Mas na verdade
muitos povos invadiram Roma e mais tarde a união das
heranças romanas e desses povos formaram os povos
europeus da atualidade.
A IDADE MÉDIA:O COMEÇO
MAPA: INVASÕES BARBARAS
MAPA: NOVOS REINOS
O Reino Franco (França) foi, dentre os bárbaros, o
de maior duração e estabilidade fundado no
Ocidente. Carlos Martel ganhou prestígio e se
tornou rei com a vitória contra os muçulmanos na
Batalha de Poitiers, em 732, que impediu o avanço
do Império Islâmico (árabes) sobre a Europa
Ocidental. O Reino Franco atingiu o apogeu durante
o reinado de Carlos Magno que fez uma aliança com
a Igreja Católica e se tornou Imperador do Império
e Protetor da Igreja.
A IDADE MÉDIA:O COMEÇO
RIVALIDADE E MEDO
A partir do século V(5), com o enfraquecimento do Império
Romano, a Europa passou a sofrer diversas invasões dos
povos bárbaros como Vimos anteriormente. Eles
destruíram as instituições romanas, mas com exceção dos
francos cujo reino se desmoronou no século IX, não
conseguiram substituí-las por outro Estado forte. A
tomada do controle do comércio no mar Mediterrâneo
pelos árabes, nos séculos VII e VIII, deixou os europeus
ainda mais enfraquecidos.
Ã
Á
A civilização islâmica nasceu na Arábia, uma península
com clima seco e muito quente localizada no oriente
médio. Por ser uma região desértica somente nos
arredores dos oásis e nas proximidades do mar a
civilização árabe floresceu. Eram vários povos,
organizados em tribos ou clãs, divididos em dois grandes
grupos de acordo com as características culturais mais
marcantes:
 árabes do litoral
 árabes do deserto.
Os povos que viviam no deserto da Arábia antes
dos islâmicos eram denominados beduínos, eram
nômades e levavam uma vida difícil no deserto,
utilizando como meio de sobrevivência o camelo,
animal do qual retiravam seu alimento (leite e carne)
e vestimentas (couro e pelo). Viviam do pastoreio e
de suas caravanas, praticavam o comércio de vários
produtos pelas cidades da região, eles se
organizavam em tribos e formavam acampamentos
temporários pelo deserto. Na religião dos antigos
beduínos predominou o politeísmo, ou seja, cada
tribo tinha sua própria divindade.
Já as tribos coraixitas, habitavam a região
litorânea e viviam do comércio fixo. As práticas
comerciais, contudo, circunscreviam-se aos meses
finais do ano (setembro a dezembro), quando os
beduínos se deslocavam em direção às cidades.
Além de seus objetivos mercantis, essa migração
possuía também um caráter religioso, tendo A
CIDADE DE MECA como ponto de convergência. A
atração da cidade era um templo, a
célebre Caaba, que abrigava uma Pedra Negra que
segundo a tradição caiu do céu (um meteorito)
A partir do século VII(7), a civilização árabe
começou a passar por uma grande transformação,
tendo a frente um homem chamado Maomé
(Mohamed, em árabe). Maomé era comerciante, e,
estabeleceu contatos comerciais com diversas
comunidades judaicas e também cristãs, por meio
das quais obteve conhecimento das práticas do
culto monoteísta(um só deus). Assim Maomé
começou a dar início as suas pregações, o islã,
cujo nome significa em árabe, “submissão a Alá”,
“entregar-se a Deus”.
Ã
De início, os árabes negaram as revelações de
Maomé, segundo as quais só havia um Deus, de quem
ele, Maomé, era o Profeta. Depois, procuraram
ridicularizá-lo. Por fim, começou a perseguição.
Uma tentativa de assassinato ocorreu em 622, quando
então Maomé fugiu de Meca para Medina. Essa foi
a Héjira (“fuga”), que marca o início do calendário
muçulmano.
Na cidade de Medina Maomé começou a Guerra
Santa contra Meca, atacando suas caravanas, cujos
itinerários conhecia muito bem. Seus êxitos militares
eram considerados provas da existência de Alá.
Ã
Diante do crescente prestígio de Maomé, os lideres
Árabes procuraram um acordo (Tratado de
Hodaibiya): Maomé voltaria para Meca, mas os ídolos da
Caaba deveriam ser conservados. Mas em 630, com o
apoio dos árabes do deserto, Maomé destruiu os ídolos,
com exceção da Pedra Negra, que foi
solenemente dedicada a Alá. Estava implantado
o monoteísmo e com ele surgiu o Islamismo, o mundo dos
submissos a Alá e obedientes ao seu representante, o
Profeta Maomé. Organizou-se, assim, um Estado
Teocrático (A religião rege o governo).
De 630 até 632, quando morreu, Maomé viveu em
Medina. Converteu pela força das armas os árabes
restantes. Seu livro básico, o Corão ou Alcorão, só foi
compilado mais tarde, com base nos escritos de Said, um
escravo persa que sintetizava seus pensamentos.
A Suna, conjunto de ditos e episódios atribuídos a Maomé,
surgiu depois, para completar a tradição em torno da vida
do Profeta. Foi após a morte do profeta, em 632, que o
islamismo dividiu-se em algumas seitas divergentes, as mais
importantes são:
 Sunitas: defendiam que o chefe político-religioso,
sucessor do profeta, deveria ser escolhido pelos
seguidores, de acordo com antigo costume árabe de
escolher o chefe de cada tribo. Além disso, afirmavam
que a doutrina do Corão, deveria ser complementada pelo
Sunna (livro de registros das pregações de Maomé).
 Xiitas: para os mais radicais seguidores de Maomé, o
chefe religioso e político deveria ser um descendente
direto do profeta que exerceria o poder de forma
absoluta
Ç
Os califas, como eram chamados os chefes
sucessores de Maomé, iniciaram a expansão islâmica e,
aproveitando-se da fraqueza dos novos vizinhos,
ativaram a Guerra Santa (djihad), ou seja, luta contra
quem não segue a religião islâmica (infiel).
A expansão em direção ao Ocidente se fez sob a
dinastia Omíada e atingiu seu ápice quando Tarik
atravessou o estreito de Gilbraltar, penetrando na
península Ibérica (711) e subjugando grande parte dos
visigodos. Os árabes só foram detidos na batalha de
Poitiers em 732, nos Pireneus, por Carlos Martel como
vimos anteriormente.
Ã
Ã
Os califas e os Sultões passaram a ter poderes
religiosos, deixando a administração para o vizir. Os
califas promoveram também um avanço significativo
pela Europa e sul da Península Itálica. Córdoba
(Espanha) e Cairo (Egito) se tornam estados
independentes. Das posições que dominavam em terra
firme, os árabes faziam incursões contra as áreas
dominadas pelos cristãos, implantando a insegurança
geral. A Europa encontrava-se, assim, isolada. Más a
rivalidade entre os califados e a resistência dos povos
dominados freou a expansão islâmica.
Õ
MAPA: CONQUISTAS DOS CALIFAS
A busca pelo conhecimento é uma premissa da religião
islâmica; daí, terem desenvolvido várias e importantes
invenções e descobertas nas mais diversas áreas do
conhecimento:
 Química: álcool, açúcar, o nitrato de prata, o
carbonato de sódio e novas fórmulas para a produção
de vidro e esmaltes cerâmicos e o sabão moderno.
 Medicina: cirurgias e as causas de algumas moléstias
como o sarampo.
 Matemática: a utilização do zero e dos algarismos
arábicos, a álgebra, etc..
 Filosofia: a tradução das obras de Aristóteles e
Platão.
 Física: a ótica, com o desenvolvimento de lentes.
 Astronomia: o astrolábio e outros instrumentos de
medição e orientação espacial.
Ã
O mundo Ocidental recebeu forte influência da cultura
muçulmana:
 A literatura árabe possui clássicos como “As mil e uma
noites”. Nelas estão as histórias de Aladim, Simbá, e
Ali baba e os 40 ladrões.
 A música árabe é bem característica, assim como a
dança, a famosa dança do ventre.
 Perfumes, cosméticos e outros elementos culturais
também foram fortemente influenciados pela cultura
islâmica.
 Muitas palavras adaptadas em nossa língua são de
origem árabe como: álcool, alface, algarismo,
almofada, açúcar, arroz, café etc.
 Na culinária os Árabes deixaram o Quibe, cuscuz,
iogurtes e o café foi difundido pelos árabes.
Ã
A maioria das críticas ao mundo muçulmano relaciona-se
à sua limitada representação democrática, com uma
significativa repressão aos direitos do que se afastam
das regras impostas pelas sociedades islâmicas.
 Atualmente, 20% da população mundial é de origem
muçulmana.
 Estimativas atuais concluem que o número de
muçulmanos no mundo é de cerca de 1,2 bilhão.
 São maioria em 50 países, com aproximadamente 60
línguas e vêm de diversas origens étnicas.
 O árabe é a língua oficial
 Nos países islâmicos como Arábia saudita, e Irã são
retirados a maior parte do petróleo do planeta.
 Os Sheiks árabes do petróleo estão entre as pessoas
mais ricos do mundo
Ã
Dubai
representa,
atualmente, a
riqueza cultural e
econômica do
mundo islâmico.
MAPA:POVOS ISLÃMICOS HOJE
MELHORE SEUS CONHECIMENTOS:
VEJA O VIDEO GRANDES CIVILIZAÇÕES-O ISLÃ E
RESPONDA O QUESTIONÁRIO PASSADO PELO
PROFESSOR.
ÇÃ
Ã
622 D.C
COM O DOMÍNIO DO MAR MEDITERRÃNEO PELOS
ISLÃMICOS RESTOU AOS EUROPEUSSE FECHAR EM
SEUS REINOS.
A EUROPA SEGUIA isolada até o século IX(9),
quando ocorreu uma nova onda de invasões,
realizadas pelos Vikings (também conhecidos
como normandos). Como forma de defesa, os
nobres construíram grandes castelos, que
funcionavam como fortalezas, em torno dos quais
a população pobre se instalou, buscando
proteção.
OS VIKINGS CHEGARAM! CORRAM!
DICA:
MELHORESEUS
CONHECIMENTOS
VEJAA SÉRIEVIKINGSE CONHEÇAMAIS
SOBREA CULTURADESSEPOVO
EXTRAORDINÁRIO
SURGEMOS FEUDOS
E CASTELOS
Essas propriedades ficaram cada vez mais
isoladas umas das outras, o que criou a
necessidade de produzir ali mesmo o que era
preciso para sobreviver. O dinheiro e o
comércio quase desapareceram e A
agricultura de subsistência passou a ser
atividade econômica mais importante e os
donos das terras se tornaram os grandes
chefes políticos e militares. Era o início do
FEUDALISMO.
t t
CASTELOS ESTÃO DE PÉ ATÉ HOJE
MAPA: INVASÕES NO SÉCULO ix(9)
Feudalismo :
Imp. Romano + Bárbaros
Contribuição dos romanos:
Vila Romana: Senhores romanos sairam das
cidades e foram para os seus latifúndios no
campo (dandoorigemaos feudos medievais).
Colonos: muitas pessoas foram buscar
proteção e trabalho nas terras dos grandes
senhores, para utilizar esta terra, deveriam
ceder metade do que produziam ao
proprietário.
Fé Cristã: A Igreja Cristã surgiu em Roma e se
espalhou entreos povos Bárbaros.
Contribuição dos bárbaros:
Atividade Agropastoril: Atividade básica
destes povos era plantio e criação de
animais.
Comitatus: Guerreiros, juravam defender
seu chefe, este os equipava.
Direito consensual: leis não precisam
necessariamente estar num papel ou serem
escritas. Os costumes transformam-se nas
leis.
O PODER DOS
SENHORES
O sistema feudal, com efeito, é edificado como
uma pirâmide em que cada senhor é o vassalo
de um senhor mais poderoso. Os Senhores
Feudais (donos das terras) doadas pelos reis
deixavam camponeses(pobres) viverem nessas
terras em troca de serem seus leais servos e
dar parte de tudo que plantavam e produziam
para o seu senhor Feudal. Vejamos a seguir
como seria um feudo visto do alto.
t t
CASTELO
FLORESTA
RESERVA DOS
SERVOS
RESERVA DO
SENHOR
PEDÁGIO
MOINHO
IGREJA
VILAREJO
A VIDA NA IDADE MÉDIA
O REI: GOVERNA
OS NOBRES (IGREJA):
REZAM OU LUTAM
(CAVALEIROS)
OS SERVOS:
TRABALHAM
Big concept
Bring the attention of your audience over a key conceptusing icons or illustrations
O REI E
A NOBRESA
A principal característica política do feudalismo
era a descentralização do poder. O rei tinha
pouca ou nenhuma autoridade e, em troca de
ajuda militar, era comum que cedesse grandes
porções de terra (os feudos) a membros da
nobreza. Esse costume, o beneficium, se tornou
hábito entre os nobres, e eles passaram a doar
terras entre si. Numa cerimônia denominada
homenagem, o proprietário que recebia o
terreno - vassalo - prometia fidelidade e apoio
militar ao doador - suserano. Esse, por sua
vez, jurava proteção ao vassalo.
B
FOS CAVALEIROS yA cavalaria foi uma instituição que existiu
no sistema feudal. O cavaleiro era todo
homem de armas que se submeteu aos ritos
de uma cerimônia de iniciação específica: a
sagração do cavaleiro. Contudo, não basta
ter sido ordenado; deve-se também
obedecer a certas regras e sobretudo seguir
um modo de vida particular. Os cavaleiros
eram uma categoria social que reunia
especialistas em combate de cavalaria que
jura proteger a Fé, a Igreja e o seu Senhor
ou rei.
OS GLÉRIGOS (IGREJA)
As pessoas da igreja eram extremamente
diversificadas, e suas fronteiras com o
mundo dos leigos não são sempre nítidas.
Clérigo é todo homem da igreja; ele deve,
além disso, ter o cabelo cortado e vestir o
longo hábito que caracteriza seu estado.
Todo mundo almeja ser clérigo, pois ser da
igreja proporcionava diversos privilégios.
Nobres tinham os altos cargos e os demais
(menos os servos) se tornavam monges ou
padres em pequenas vilas e feudos.
K
OS CAMPONESES
O Camponês (Servo) estava preso a
terra, privado de certas capacidades e
pagava a maioria dos impostos, não podia
entrar para o clero ou beneficiar-se
plenamente dos bens do Feudo. Sua
condição, porém, é diferente da dos
escravos da Antiguidade; ele goza de uma
certa personalidade jurídica e pode possuir
um patrimônio; o senhor, que lhe deve
justiça e proteção, não pode espancá-lo,
matá-lo ou vendê-lo.
This is your
presentation title
O PODER DA IGREJA
Nenhuma instituição foi tão rica, bem organizada
e influente na Europa feudal quanto a Igreja
Católica. Com a transformação do cristianismo em
religião oficial do Império Romano, no ano de 391,
a Igreja passou a acumular fortunas e vastos
territórios. No século V(5), a instituição tinha uma
organização de poderes definida. Os religiosos
dedicaram-se a converter os bárbaros a fé cristã,
ganhando prestígio e passando a assumir funções
administrativas e de poder nos novos reinos.
OS MONGES QUE
COPIAVAM
Além de deterem poder político e
econômico, os sacerdotes formavam a elite
que sabia ler e escrever e tinham o monopólio
do conhecimento. Não é a toa que os maiores
filósofos da época foram os religiosos: Santo
Agostinho e São Tomás de Aquino. O
pensamento filosófico da época foi
intensamente influenciado pela fé e a igreja,
tentando unir a fé a razão. Más por outro lado
graças aos monges copistas, que copiavam as
obras e histórias do passado muito coisa do
passado distante não se perdeu.
MAPA: IGREJA NA IDADE MÉDIA
A GUERRA PELA CIDADE SANTA
As Cruzadas foram movimentos militares cristãos em
sentido à Terra Santa (a cidade de Jerusalém) com a finalidade
de ocupá-la e mantê-la sob domínio cristão. A cidade de
Jerusalém estava sob o controle dos islâmicos desde o ano
636, quando o califa Omar ibn al-Khattab havia conquistado a
cidade dos bizantinos. No século XI, os países cristãos da
Europa sofriam com a expansão dos reinos Islâmicos, tanto na
Península Ibérica (região onde se localizam hoje Portugal e
Espanha) quanto nas terras do Império Bizantino, onde os
turcos eram a ameaça. Nessa época começa a surgir na Igreja o
interesse emreavero controle da Terra Santa.
AS CRUZADAS
O termo Cruzada não era conhecido na época em
que ocorreram. Mais tarde foi chamada assim porque
seus participantes se consideravam soldados de
Cristo e se distinguiam pela cruz em suas roupas. Na
época em que ocorreram, eram chamadas de
peregrinação ou de guerra santa pelos europeus. Após
a derrota na 1ª Cruzada, outro exército ocidental,
comandado pelos franceses, invadiu o oriente para
lutar pela mesma causa. Liderados por Godofredo de
Bulhão, estes guerreiros massacraram os turcos
durante o combate e tomaram Jerusalém, permitindo
novamente livre para acesso aos peregrinos que
queriam conhecer a cidade sagrada.
AS CRUZADAS
A relação dos dois povos ficava cada vez mais desgastada
devido à violência e a ambição desenfreada que havia tomado
conta dos cruzados, e, sobre isso, o clero católico nada podia
fazer para controlar a situação. Embora não tenham sido
bem-sucedidas, a ponto de até crianças terem feito parte e
morrido por este tipo de luta, causaram grande mudança na
vida dos europeus. Os Árabes contribuíram para o
enriquecimento cultural europeu, promovendo
desenvolvimento intelectual. Depois de varias tentativas
Jerusalém não foi dominada pelos cristãos, mas as
movimentações ocorridas no trajeto para a Terra Santa
expandiram os relacionamentos com o mundo conhecido na
época.
AS CRUZADAS
AS CIDADES
As cidades (Burgos) eram aldeias um
pouco maiores. No entanto, a partir do
século XI (graças as cruzadas) um inegável
crescimento urbano, em decorrência da
retomada do comércio e das atividades de
troca, o desenvolvimento do artesanato e as
feiras aumentaram. As cidades passam a
atrair mais pessoas e aumentar sua
população, adquiriram importância, e
aumentaram cadavez mais.
A PESTE NEGRA
.
A peste negra foi uma doença que assolou a Europa de 1347 até 1353 durante a Idade Média. A enfermidade tem sua
origem na Mongólia e se espalhou pelo Ocidente através dos barcos que realizavam o comércio entre Ásia e Europa.
As primeiras notícias que se tem da peste foi durante a guerra entre genoveses e mongóis na cidade de Caffa (atual
Teodósia), na Península da Crimeia, em 1346. Ao ver que os mongóis morriam, os genoveses atribuíam à doença à
justiça divina, pois era um sinal inequívoco que Deus estaria do lado dos cristãos.
A PESTE NEGRA
Os barcos que vinham do oriente levavam a bordo ratos que hospedavam pulgas no seu corpo e eram elas que
transmitiam a bactéria da doença. Esses ratos entraram em contato com seus pares europeus e assim é disseminada a
doença por toda Europa. Não havia muito que fazer, a não ser isolar o doente. Mesmo assim, o contágio atingiu e matou
cidades inteiras, esvaziou mosteiros e assustou populações. A epidemia do século XIV(14) foi a que entrou no imaginário
coletivo ocidental. No entanto, até o século XIX(19) se verificaram surtos de peste negra pela Europa.
Durante a peste negra, as cidades
contratavam médicos para que
ajudassem a curar os doentes. Nem
sempre estes eram habilitados ou
possuíam estudos de medicina, mas
eram aceitos com a esperança de que
trariam a cura. Os médicos vestiam uma
máscara feita de couro e com um bico
que se assemelhava ao de uma ave.
Dentro dele havia ervas aromáticas a fim
de prevenir o contágio. Afinal, durante
muito tempo se acreditava que a doença
era transmitida pelo ar.
Máscara da
peste negra
INTERDICIPLINAR: CIÊNCIA E
HISTÓRIA
O QUEREALMENTECAUSAVAA PESTENEGRA
ERAM PARASITASQUEAS PULGASDOSRATOS
CARREGAVAM.
PESQUISESOBREA DOENÇAQUE
CHAMAMOSHOJEDE PESTEBUBÔNICA:
CAUSAS, TRATAMENTOE PREVENÇÃO.
VEJA O VIDEO MONGÓIS E A PESTE NEGRA
E RESPONDA OS EXERCICIOS PROPOSTOS
PELO PROFESSOR.
FEUDALISMO: INICIO DO FIM
A partir do século XI, a Igreja conseguiu diminuir os conflitos entre senhores feudais. A principal medida tomada nesse
sentido foi a Paz de Deus: para evitar os prejuízos causados pelos embates, a Igreja proibiu os confrontos em
determinados dias da semana. A Europa entrou num período de relativa paz e segurança. A agricultura se desenvolveu, o
que possibilitou um consequente crescimento populacional. Porém, a partir do fim do século XIII, aproximadamente, o
sistema feudal deixou de dar conta da sociedade em expansão. Sobretudo após as Cruzadas, que liberaram o
Mediterrâneo aos europeus, a pressão pelo aumento do comércio e pela urbanização levou, aos poucos, à substituição
do feudalismo por um novo sistema econômico: o capitalismo, que se consolidaria no chamado Renascimento e na
Idade Moderna.
MELHORESEUSCONHECIMENTOS:
VEJA OS FILMES CRUZADAS E O NOME DA
ROSA. E ENTENDA UM POUCO SOBRE A
CULTURA MEDIEVAL
LEIA TAMBÉM O LIVRO:
Como Seria Sua Vida na Idade Media?
Autor: Fiona Macdonald
Serie ABusca do Graal
Autor: Bernard Cornwell

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus
Sílvia Mendonça
 
Moisés E O Povo Hebreu
Moisés E O Povo HebreuMoisés E O Povo Hebreu
Moisés E O Povo Hebreu
Fraternidade Hilaríon de Monte Nebo
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
Ajudar Pessoas
 
Os hebreus
Os hebreusOs hebreus
Resumo hebreus
Resumo hebreusResumo hebreus
Resumo hebreus
Péricles Penuel
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Lucas Reis
 
Hebreus e Fenicios
Hebreus e  FeniciosHebreus e  Fenicios
Hebreus e Fenicios
Carlos Vieira
 
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
KehilatSarel
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
Ramon Chieppe
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
Fabiana Tonsis
 
A palestina dos hebreus 2011
A palestina dos hebreus 2011A palestina dos hebreus 2011
A palestina dos hebreus 2011
BriefCase
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
Sílvia Mendonça
 
Hebreus
HebreusHebreus
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Carlson Cruz
 
O Povo Hebreu
O Povo HebreuO Povo Hebreu
O Povo Hebreu
Josemi Medeiros
 
Civilização Hebraica
Civilização HebraicaCivilização Hebraica
Civilização Hebraica
Patrícia Morais
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
Sílvia Mendonça
 
HISTÓRIA DO POVO HEBREU
HISTÓRIA DO POVO HEBREUHISTÓRIA DO POVO HEBREU
HISTÓRIA DO POVO HEBREU
Iara .
 
O povo judeu sua organização social política e religiosa
O povo judeu sua organização social política e religiosaO povo judeu sua organização social política e religiosa
O povo judeu sua organização social política e religiosa
Roseli Lemes
 

Mais procurados (20)

A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus A HistóRia Dos Hebreus
A HistóRia Dos Hebreus
 
Moisés E O Povo Hebreu
Moisés E O Povo HebreuMoisés E O Povo Hebreu
Moisés E O Povo Hebreu
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
Os hebreus
Os hebreusOs hebreus
Os hebreus
 
Resumo hebreus
Resumo hebreusResumo hebreus
Resumo hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus e Fenicios
Hebreus e  FeniciosHebreus e  Fenicios
Hebreus e Fenicios
 
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
Aspectos da cultura hebraica - 1ª parte
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
 
A palestina dos hebreus 2011
A palestina dos hebreus 2011A palestina dos hebreus 2011
A palestina dos hebreus 2011
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
O Povo Hebreu
O Povo HebreuO Povo Hebreu
O Povo Hebreu
 
Civilização Hebraica
Civilização HebraicaCivilização Hebraica
Civilização Hebraica
 
Os Hebreus
Os HebreusOs Hebreus
Os Hebreus
 
HISTÓRIA DO POVO HEBREU
HISTÓRIA DO POVO HEBREUHISTÓRIA DO POVO HEBREU
HISTÓRIA DO POVO HEBREU
 
O povo judeu sua organização social política e religiosa
O povo judeu sua organização social política e religiosaO povo judeu sua organização social política e religiosa
O povo judeu sua organização social política e religiosa
 

Semelhante a IDADE MÉDIA OCIDENTAL

A história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibéricaA história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibérica
Sofia Veras
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Privada
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
Agassis Paulo Bezerra
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
mundica broda
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
mundica broda
 
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdfImpério Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
HelderCastro22
 
Civilização árabe
Civilização árabeCivilização árabe
Civilização árabe
João Gonçalves Macedo
 
Civilização muçulmana
Civilização muçulmanaCivilização muçulmana
Civilização muçulmana
Péricles Penuel
 
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICAA ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
Antonio Marcos
 
O islã e sua história
O islã e sua históriaO islã e sua história
O islã e sua história
Gilberto Amorim
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Fernando Moreira
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
R C
 
Islamismo2017
Islamismo2017Islamismo2017
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
HistN
 
Islamismo - finalizado.pptx
Islamismo - finalizado.pptxIslamismo - finalizado.pptx
Islamismo - finalizado.pptx
GabrielGonalvesNogue1
 
Resumão islã
Resumão islãResumão islã
Lista islamismo
Lista islamismoLista islamismo
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
eiprofessor
 
Idade média (características) islamismo (1)
Idade média (características)   islamismo (1)Idade média (características)   islamismo (1)
Idade média (características) islamismo (1)
Aninha Alves
 
História Idade Média Árabes
História Idade Média ÁrabesHistória Idade Média Árabes
História Idade Média Árabes
Giorgia Marrone
 

Semelhante a IDADE MÉDIA OCIDENTAL (20)

A história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibéricaA história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibérica
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
 
Império islâmico
Império islâmico Império islâmico
Império islâmico
 
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdfImpério Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
 
Civilização árabe
Civilização árabeCivilização árabe
Civilização árabe
 
Civilização muçulmana
Civilização muçulmanaCivilização muçulmana
Civilização muçulmana
 
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICAA ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA
 
O islã e sua história
O islã e sua históriaO islã e sua história
O islã e sua história
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
Islamismo2017
Islamismo2017Islamismo2017
Islamismo2017
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
Islamismo - finalizado.pptx
Islamismo - finalizado.pptxIslamismo - finalizado.pptx
Islamismo - finalizado.pptx
 
Resumão islã
Resumão islãResumão islã
Resumão islã
 
Lista islamismo
Lista islamismoLista islamismo
Lista islamismo
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
 
Idade média (características) islamismo (1)
Idade média (características)   islamismo (1)Idade média (características)   islamismo (1)
Idade média (características) islamismo (1)
 
História Idade Média Árabes
História Idade Média ÁrabesHistória Idade Média Árabes
História Idade Média Árabes
 

Mais de Diego Bian Filo Moreira

Revolta federalista
Revolta federalistaRevolta federalista
Revolta federalista
Diego Bian Filo Moreira
 
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRAGUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
Diego Bian Filo Moreira
 
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
Diego Bian Filo Moreira
 
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICAERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
Diego Bian Filo Moreira
 
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTALREVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
Diego Bian Filo Moreira
 
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITAINFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
Diego Bian Filo Moreira
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
Diego Bian Filo Moreira
 
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIAINFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
Diego Bian Filo Moreira
 
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOSINFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
Diego Bian Filo Moreira
 
Filosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia ModernaFilosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia Moderna
Diego Bian Filo Moreira
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIALINFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Diego Bian Filo Moreira
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANOPRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino MédioO Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
O Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANOO Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
Diego Bian Filo Moreira
 
Filosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - HelenismoFilosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - Helenismo
Diego Bian Filo Moreira
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Diego Bian Filo Moreira
 

Mais de Diego Bian Filo Moreira (20)

Revolta federalista
Revolta federalistaRevolta federalista
Revolta federalista
 
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRAGUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
 
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICAERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
 
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTALREVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
 
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITAINFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
 
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIAINFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
 
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOSINFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
 
Filosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia ModernaFilosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia Moderna
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIALINFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANOPRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
 
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino MédioO Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
 
O Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANOO Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANO
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Filosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - HelenismoFilosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - Helenismo
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

IDADE MÉDIA OCIDENTAL

  • 2. Os tempos da Idade Média duraram do Séculos V(5) ao XV(15). A Idade Média começou com a queda do Império Romano do Ocidente, em 476, e se encerrou com a tomada da capital do Império Bizantino, Constantinopla, pelos turco- otomanos, em 1453. Costuma ser dividida em duas: Alta e Baixa Idade Média. Foi um tempo de reis, rainhas, cavaleiros, monges e guerras por toda Europa. O QUE É IDADE MÉDIA?
  • 3. Que o império romano era gigantesco todos nós sabemos. Porém isso levou a uma série de dificuldades para cuidar de tantas terras. Terras férteis e clima bom foram alguns dos fatores que interessaram povos vizinhos a entrar no território Romano. Além desse interesse, não tiveram outra saída, pois estavam sendo ameaçados e pressionados por outros povos, sendo a única alternativa fugir e entrar em terras romanas. Naquele período, os romanos tinham o costume de chamar invasores de bárbaros. Mas na verdade muitos povos invadiram Roma e mais tarde a união das heranças romanas e desses povos formaram os povos europeus da atualidade. A IDADE MÉDIA:O COMEÇO
  • 6. O Reino Franco (França) foi, dentre os bárbaros, o de maior duração e estabilidade fundado no Ocidente. Carlos Martel ganhou prestígio e se tornou rei com a vitória contra os muçulmanos na Batalha de Poitiers, em 732, que impediu o avanço do Império Islâmico (árabes) sobre a Europa Ocidental. O Reino Franco atingiu o apogeu durante o reinado de Carlos Magno que fez uma aliança com a Igreja Católica e se tornou Imperador do Império e Protetor da Igreja. A IDADE MÉDIA:O COMEÇO
  • 7. RIVALIDADE E MEDO A partir do século V(5), com o enfraquecimento do Império Romano, a Europa passou a sofrer diversas invasões dos povos bárbaros como Vimos anteriormente. Eles destruíram as instituições romanas, mas com exceção dos francos cujo reino se desmoronou no século IX, não conseguiram substituí-las por outro Estado forte. A tomada do controle do comércio no mar Mediterrâneo pelos árabes, nos séculos VII e VIII, deixou os europeus ainda mais enfraquecidos.
  • 8. Ã
  • 9. Á A civilização islâmica nasceu na Arábia, uma península com clima seco e muito quente localizada no oriente médio. Por ser uma região desértica somente nos arredores dos oásis e nas proximidades do mar a civilização árabe floresceu. Eram vários povos, organizados em tribos ou clãs, divididos em dois grandes grupos de acordo com as características culturais mais marcantes:  árabes do litoral  árabes do deserto.
  • 10. Os povos que viviam no deserto da Arábia antes dos islâmicos eram denominados beduínos, eram nômades e levavam uma vida difícil no deserto, utilizando como meio de sobrevivência o camelo, animal do qual retiravam seu alimento (leite e carne) e vestimentas (couro e pelo). Viviam do pastoreio e de suas caravanas, praticavam o comércio de vários produtos pelas cidades da região, eles se organizavam em tribos e formavam acampamentos temporários pelo deserto. Na religião dos antigos beduínos predominou o politeísmo, ou seja, cada tribo tinha sua própria divindade.
  • 11. Já as tribos coraixitas, habitavam a região litorânea e viviam do comércio fixo. As práticas comerciais, contudo, circunscreviam-se aos meses finais do ano (setembro a dezembro), quando os beduínos se deslocavam em direção às cidades. Além de seus objetivos mercantis, essa migração possuía também um caráter religioso, tendo A CIDADE DE MECA como ponto de convergência. A atração da cidade era um templo, a célebre Caaba, que abrigava uma Pedra Negra que segundo a tradição caiu do céu (um meteorito)
  • 12.
  • 13. A partir do século VII(7), a civilização árabe começou a passar por uma grande transformação, tendo a frente um homem chamado Maomé (Mohamed, em árabe). Maomé era comerciante, e, estabeleceu contatos comerciais com diversas comunidades judaicas e também cristãs, por meio das quais obteve conhecimento das práticas do culto monoteísta(um só deus). Assim Maomé começou a dar início as suas pregações, o islã, cujo nome significa em árabe, “submissão a Alá”, “entregar-se a Deus”. Ã
  • 14. De início, os árabes negaram as revelações de Maomé, segundo as quais só havia um Deus, de quem ele, Maomé, era o Profeta. Depois, procuraram ridicularizá-lo. Por fim, começou a perseguição. Uma tentativa de assassinato ocorreu em 622, quando então Maomé fugiu de Meca para Medina. Essa foi a Héjira (“fuga”), que marca o início do calendário muçulmano. Na cidade de Medina Maomé começou a Guerra Santa contra Meca, atacando suas caravanas, cujos itinerários conhecia muito bem. Seus êxitos militares eram considerados provas da existência de Alá. Ã
  • 15. Diante do crescente prestígio de Maomé, os lideres Árabes procuraram um acordo (Tratado de Hodaibiya): Maomé voltaria para Meca, mas os ídolos da Caaba deveriam ser conservados. Mas em 630, com o apoio dos árabes do deserto, Maomé destruiu os ídolos, com exceção da Pedra Negra, que foi solenemente dedicada a Alá. Estava implantado o monoteísmo e com ele surgiu o Islamismo, o mundo dos submissos a Alá e obedientes ao seu representante, o Profeta Maomé. Organizou-se, assim, um Estado Teocrático (A religião rege o governo).
  • 16. De 630 até 632, quando morreu, Maomé viveu em Medina. Converteu pela força das armas os árabes restantes. Seu livro básico, o Corão ou Alcorão, só foi compilado mais tarde, com base nos escritos de Said, um escravo persa que sintetizava seus pensamentos. A Suna, conjunto de ditos e episódios atribuídos a Maomé, surgiu depois, para completar a tradição em torno da vida do Profeta. Foi após a morte do profeta, em 632, que o islamismo dividiu-se em algumas seitas divergentes, as mais importantes são:  Sunitas: defendiam que o chefe político-religioso, sucessor do profeta, deveria ser escolhido pelos seguidores, de acordo com antigo costume árabe de escolher o chefe de cada tribo. Além disso, afirmavam que a doutrina do Corão, deveria ser complementada pelo Sunna (livro de registros das pregações de Maomé).  Xiitas: para os mais radicais seguidores de Maomé, o chefe religioso e político deveria ser um descendente direto do profeta que exerceria o poder de forma absoluta Ç
  • 17. Os califas, como eram chamados os chefes sucessores de Maomé, iniciaram a expansão islâmica e, aproveitando-se da fraqueza dos novos vizinhos, ativaram a Guerra Santa (djihad), ou seja, luta contra quem não segue a religião islâmica (infiel). A expansão em direção ao Ocidente se fez sob a dinastia Omíada e atingiu seu ápice quando Tarik atravessou o estreito de Gilbraltar, penetrando na península Ibérica (711) e subjugando grande parte dos visigodos. Os árabes só foram detidos na batalha de Poitiers em 732, nos Pireneus, por Carlos Martel como vimos anteriormente. Ã Ã
  • 18. Os califas e os Sultões passaram a ter poderes religiosos, deixando a administração para o vizir. Os califas promoveram também um avanço significativo pela Europa e sul da Península Itálica. Córdoba (Espanha) e Cairo (Egito) se tornam estados independentes. Das posições que dominavam em terra firme, os árabes faziam incursões contra as áreas dominadas pelos cristãos, implantando a insegurança geral. A Europa encontrava-se, assim, isolada. Más a rivalidade entre os califados e a resistência dos povos dominados freou a expansão islâmica. Õ
  • 20. A busca pelo conhecimento é uma premissa da religião islâmica; daí, terem desenvolvido várias e importantes invenções e descobertas nas mais diversas áreas do conhecimento:  Química: álcool, açúcar, o nitrato de prata, o carbonato de sódio e novas fórmulas para a produção de vidro e esmaltes cerâmicos e o sabão moderno.  Medicina: cirurgias e as causas de algumas moléstias como o sarampo.  Matemática: a utilização do zero e dos algarismos arábicos, a álgebra, etc..  Filosofia: a tradução das obras de Aristóteles e Platão.  Física: a ótica, com o desenvolvimento de lentes.  Astronomia: o astrolábio e outros instrumentos de medição e orientação espacial. Ã
  • 21. O mundo Ocidental recebeu forte influência da cultura muçulmana:  A literatura árabe possui clássicos como “As mil e uma noites”. Nelas estão as histórias de Aladim, Simbá, e Ali baba e os 40 ladrões.  A música árabe é bem característica, assim como a dança, a famosa dança do ventre.  Perfumes, cosméticos e outros elementos culturais também foram fortemente influenciados pela cultura islâmica.  Muitas palavras adaptadas em nossa língua são de origem árabe como: álcool, alface, algarismo, almofada, açúcar, arroz, café etc.  Na culinária os Árabes deixaram o Quibe, cuscuz, iogurtes e o café foi difundido pelos árabes. Ã
  • 22. A maioria das críticas ao mundo muçulmano relaciona-se à sua limitada representação democrática, com uma significativa repressão aos direitos do que se afastam das regras impostas pelas sociedades islâmicas.  Atualmente, 20% da população mundial é de origem muçulmana.  Estimativas atuais concluem que o número de muçulmanos no mundo é de cerca de 1,2 bilhão.  São maioria em 50 países, com aproximadamente 60 línguas e vêm de diversas origens étnicas.  O árabe é a língua oficial  Nos países islâmicos como Arábia saudita, e Irã são retirados a maior parte do petróleo do planeta.  Os Sheiks árabes do petróleo estão entre as pessoas mais ricos do mundo Ã
  • 23. Dubai representa, atualmente, a riqueza cultural e econômica do mundo islâmico.
  • 25. MELHORE SEUS CONHECIMENTOS: VEJA O VIDEO GRANDES CIVILIZAÇÕES-O ISLÃ E RESPONDA O QUESTIONÁRIO PASSADO PELO PROFESSOR.
  • 26. ÇÃ Ã 622 D.C COM O DOMÍNIO DO MAR MEDITERRÃNEO PELOS ISLÃMICOS RESTOU AOS EUROPEUSSE FECHAR EM SEUS REINOS.
  • 27. A EUROPA SEGUIA isolada até o século IX(9), quando ocorreu uma nova onda de invasões, realizadas pelos Vikings (também conhecidos como normandos). Como forma de defesa, os nobres construíram grandes castelos, que funcionavam como fortalezas, em torno dos quais a população pobre se instalou, buscando proteção. OS VIKINGS CHEGARAM! CORRAM!
  • 29. SURGEMOS FEUDOS E CASTELOS Essas propriedades ficaram cada vez mais isoladas umas das outras, o que criou a necessidade de produzir ali mesmo o que era preciso para sobreviver. O dinheiro e o comércio quase desapareceram e A agricultura de subsistência passou a ser atividade econômica mais importante e os donos das terras se tornaram os grandes chefes políticos e militares. Era o início do FEUDALISMO. t t
  • 30. CASTELOS ESTÃO DE PÉ ATÉ HOJE
  • 31. MAPA: INVASÕES NO SÉCULO ix(9)
  • 32. Feudalismo : Imp. Romano + Bárbaros Contribuição dos romanos: Vila Romana: Senhores romanos sairam das cidades e foram para os seus latifúndios no campo (dandoorigemaos feudos medievais). Colonos: muitas pessoas foram buscar proteção e trabalho nas terras dos grandes senhores, para utilizar esta terra, deveriam ceder metade do que produziam ao proprietário. Fé Cristã: A Igreja Cristã surgiu em Roma e se espalhou entreos povos Bárbaros. Contribuição dos bárbaros: Atividade Agropastoril: Atividade básica destes povos era plantio e criação de animais. Comitatus: Guerreiros, juravam defender seu chefe, este os equipava. Direito consensual: leis não precisam necessariamente estar num papel ou serem escritas. Os costumes transformam-se nas leis.
  • 33. O PODER DOS SENHORES O sistema feudal, com efeito, é edificado como uma pirâmide em que cada senhor é o vassalo de um senhor mais poderoso. Os Senhores Feudais (donos das terras) doadas pelos reis deixavam camponeses(pobres) viverem nessas terras em troca de serem seus leais servos e dar parte de tudo que plantavam e produziam para o seu senhor Feudal. Vejamos a seguir como seria um feudo visto do alto. t t
  • 35. A VIDA NA IDADE MÉDIA O REI: GOVERNA OS NOBRES (IGREJA): REZAM OU LUTAM (CAVALEIROS) OS SERVOS: TRABALHAM
  • 36. Big concept Bring the attention of your audience over a key conceptusing icons or illustrations
  • 37. O REI E A NOBRESA A principal característica política do feudalismo era a descentralização do poder. O rei tinha pouca ou nenhuma autoridade e, em troca de ajuda militar, era comum que cedesse grandes porções de terra (os feudos) a membros da nobreza. Esse costume, o beneficium, se tornou hábito entre os nobres, e eles passaram a doar terras entre si. Numa cerimônia denominada homenagem, o proprietário que recebia o terreno - vassalo - prometia fidelidade e apoio militar ao doador - suserano. Esse, por sua vez, jurava proteção ao vassalo. B
  • 38.
  • 39. FOS CAVALEIROS yA cavalaria foi uma instituição que existiu no sistema feudal. O cavaleiro era todo homem de armas que se submeteu aos ritos de uma cerimônia de iniciação específica: a sagração do cavaleiro. Contudo, não basta ter sido ordenado; deve-se também obedecer a certas regras e sobretudo seguir um modo de vida particular. Os cavaleiros eram uma categoria social que reunia especialistas em combate de cavalaria que jura proteger a Fé, a Igreja e o seu Senhor ou rei.
  • 40.
  • 41. OS GLÉRIGOS (IGREJA) As pessoas da igreja eram extremamente diversificadas, e suas fronteiras com o mundo dos leigos não são sempre nítidas. Clérigo é todo homem da igreja; ele deve, além disso, ter o cabelo cortado e vestir o longo hábito que caracteriza seu estado. Todo mundo almeja ser clérigo, pois ser da igreja proporcionava diversos privilégios. Nobres tinham os altos cargos e os demais (menos os servos) se tornavam monges ou padres em pequenas vilas e feudos. K
  • 42.
  • 43. OS CAMPONESES O Camponês (Servo) estava preso a terra, privado de certas capacidades e pagava a maioria dos impostos, não podia entrar para o clero ou beneficiar-se plenamente dos bens do Feudo. Sua condição, porém, é diferente da dos escravos da Antiguidade; ele goza de uma certa personalidade jurídica e pode possuir um patrimônio; o senhor, que lhe deve justiça e proteção, não pode espancá-lo, matá-lo ou vendê-lo.
  • 45. O PODER DA IGREJA Nenhuma instituição foi tão rica, bem organizada e influente na Europa feudal quanto a Igreja Católica. Com a transformação do cristianismo em religião oficial do Império Romano, no ano de 391, a Igreja passou a acumular fortunas e vastos territórios. No século V(5), a instituição tinha uma organização de poderes definida. Os religiosos dedicaram-se a converter os bárbaros a fé cristã, ganhando prestígio e passando a assumir funções administrativas e de poder nos novos reinos.
  • 46. OS MONGES QUE COPIAVAM Além de deterem poder político e econômico, os sacerdotes formavam a elite que sabia ler e escrever e tinham o monopólio do conhecimento. Não é a toa que os maiores filósofos da época foram os religiosos: Santo Agostinho e São Tomás de Aquino. O pensamento filosófico da época foi intensamente influenciado pela fé e a igreja, tentando unir a fé a razão. Más por outro lado graças aos monges copistas, que copiavam as obras e histórias do passado muito coisa do passado distante não se perdeu.
  • 47.
  • 48.
  • 49. MAPA: IGREJA NA IDADE MÉDIA
  • 50. A GUERRA PELA CIDADE SANTA As Cruzadas foram movimentos militares cristãos em sentido à Terra Santa (a cidade de Jerusalém) com a finalidade de ocupá-la e mantê-la sob domínio cristão. A cidade de Jerusalém estava sob o controle dos islâmicos desde o ano 636, quando o califa Omar ibn al-Khattab havia conquistado a cidade dos bizantinos. No século XI, os países cristãos da Europa sofriam com a expansão dos reinos Islâmicos, tanto na Península Ibérica (região onde se localizam hoje Portugal e Espanha) quanto nas terras do Império Bizantino, onde os turcos eram a ameaça. Nessa época começa a surgir na Igreja o interesse emreavero controle da Terra Santa. AS CRUZADAS
  • 51. O termo Cruzada não era conhecido na época em que ocorreram. Mais tarde foi chamada assim porque seus participantes se consideravam soldados de Cristo e se distinguiam pela cruz em suas roupas. Na época em que ocorreram, eram chamadas de peregrinação ou de guerra santa pelos europeus. Após a derrota na 1ª Cruzada, outro exército ocidental, comandado pelos franceses, invadiu o oriente para lutar pela mesma causa. Liderados por Godofredo de Bulhão, estes guerreiros massacraram os turcos durante o combate e tomaram Jerusalém, permitindo novamente livre para acesso aos peregrinos que queriam conhecer a cidade sagrada. AS CRUZADAS
  • 52. A relação dos dois povos ficava cada vez mais desgastada devido à violência e a ambição desenfreada que havia tomado conta dos cruzados, e, sobre isso, o clero católico nada podia fazer para controlar a situação. Embora não tenham sido bem-sucedidas, a ponto de até crianças terem feito parte e morrido por este tipo de luta, causaram grande mudança na vida dos europeus. Os Árabes contribuíram para o enriquecimento cultural europeu, promovendo desenvolvimento intelectual. Depois de varias tentativas Jerusalém não foi dominada pelos cristãos, mas as movimentações ocorridas no trajeto para a Terra Santa expandiram os relacionamentos com o mundo conhecido na época. AS CRUZADAS
  • 53. AS CIDADES As cidades (Burgos) eram aldeias um pouco maiores. No entanto, a partir do século XI (graças as cruzadas) um inegável crescimento urbano, em decorrência da retomada do comércio e das atividades de troca, o desenvolvimento do artesanato e as feiras aumentaram. As cidades passam a atrair mais pessoas e aumentar sua população, adquiriram importância, e aumentaram cadavez mais.
  • 54.
  • 55. A PESTE NEGRA . A peste negra foi uma doença que assolou a Europa de 1347 até 1353 durante a Idade Média. A enfermidade tem sua origem na Mongólia e se espalhou pelo Ocidente através dos barcos que realizavam o comércio entre Ásia e Europa. As primeiras notícias que se tem da peste foi durante a guerra entre genoveses e mongóis na cidade de Caffa (atual Teodósia), na Península da Crimeia, em 1346. Ao ver que os mongóis morriam, os genoveses atribuíam à doença à justiça divina, pois era um sinal inequívoco que Deus estaria do lado dos cristãos.
  • 56. A PESTE NEGRA Os barcos que vinham do oriente levavam a bordo ratos que hospedavam pulgas no seu corpo e eram elas que transmitiam a bactéria da doença. Esses ratos entraram em contato com seus pares europeus e assim é disseminada a doença por toda Europa. Não havia muito que fazer, a não ser isolar o doente. Mesmo assim, o contágio atingiu e matou cidades inteiras, esvaziou mosteiros e assustou populações. A epidemia do século XIV(14) foi a que entrou no imaginário coletivo ocidental. No entanto, até o século XIX(19) se verificaram surtos de peste negra pela Europa.
  • 57. Durante a peste negra, as cidades contratavam médicos para que ajudassem a curar os doentes. Nem sempre estes eram habilitados ou possuíam estudos de medicina, mas eram aceitos com a esperança de que trariam a cura. Os médicos vestiam uma máscara feita de couro e com um bico que se assemelhava ao de uma ave. Dentro dele havia ervas aromáticas a fim de prevenir o contágio. Afinal, durante muito tempo se acreditava que a doença era transmitida pelo ar. Máscara da peste negra
  • 58. INTERDICIPLINAR: CIÊNCIA E HISTÓRIA O QUEREALMENTECAUSAVAA PESTENEGRA ERAM PARASITASQUEAS PULGASDOSRATOS CARREGAVAM. PESQUISESOBREA DOENÇAQUE CHAMAMOSHOJEDE PESTEBUBÔNICA: CAUSAS, TRATAMENTOE PREVENÇÃO. VEJA O VIDEO MONGÓIS E A PESTE NEGRA E RESPONDA OS EXERCICIOS PROPOSTOS PELO PROFESSOR.
  • 59. FEUDALISMO: INICIO DO FIM A partir do século XI, a Igreja conseguiu diminuir os conflitos entre senhores feudais. A principal medida tomada nesse sentido foi a Paz de Deus: para evitar os prejuízos causados pelos embates, a Igreja proibiu os confrontos em determinados dias da semana. A Europa entrou num período de relativa paz e segurança. A agricultura se desenvolveu, o que possibilitou um consequente crescimento populacional. Porém, a partir do fim do século XIII, aproximadamente, o sistema feudal deixou de dar conta da sociedade em expansão. Sobretudo após as Cruzadas, que liberaram o Mediterrâneo aos europeus, a pressão pelo aumento do comércio e pela urbanização levou, aos poucos, à substituição do feudalismo por um novo sistema econômico: o capitalismo, que se consolidaria no chamado Renascimento e na Idade Moderna.
  • 60. MELHORESEUSCONHECIMENTOS: VEJA OS FILMES CRUZADAS E O NOME DA ROSA. E ENTENDA UM POUCO SOBRE A CULTURA MEDIEVAL LEIA TAMBÉM O LIVRO: Como Seria Sua Vida na Idade Media? Autor: Fiona Macdonald Serie ABusca do Graal Autor: Bernard Cornwell