SlideShare uma empresa Scribd logo

Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques

douglas
douglas

Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques Cortesia www.dunamath.com & www.betagama.com.br

1 de 91
Baixar para ler offline
Planejamento e Controle de
Estoques
“Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas
que cite os websites abaixo como fonte de referencia.”
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Introdução
A administração dos estoques é uma tarefa crucial e
rotineira nas organizações.
À medida que os materiais circulam ao longo de toda a
cadeia de produção, estoques são formados em todos os
estágios da cadeia.
Por que necessariamente é preciso formar estoques?
Por que e como administrar os níveis de estoques?
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Posição do Estoque na Cadeia de Suprimentos
farmácia
fábrica
cadeia
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Gestão de Estoques
Por que é preciso formar estoques?
4 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Gestão de Estoques
Por que é preciso formar estoques?
1) Porque existe uma diferença de ritmo entre
fornecimento e demanda.
Gestão de Estoques
Por que é preciso formar estoques?
2) Vários produtos são produzidos utilizando os
mesmos recursos transformadores e, portanto, alocam-se
janelas de tempo para produzir determinadas quantidades de
cada um deles, que precisam durar até que venha a ser
realizada a sua produção novamente;
Massa de pão
Massa de rosca
Assar
(forno)
(1)

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produçãoMauro Enrique
 
81 slids planejamento e projeto do processo logístico 02 jul 2013
81 slids  planejamento e  projeto do processo  logístico  02 jul 201381 slids  planejamento e  projeto do processo  logístico  02 jul 2013
81 slids planejamento e projeto do processo logístico 02 jul 2013delano chaves gurgel do amaral
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifadoVera Gomes
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaIsabella Menezes
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de comprasDanilo Pires
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeGerisval Pessoa
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02Sheila Moreira Bezerra
 
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De Informação
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De InformaçãoLogística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De Informação
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De InformaçãoWeNova Consulting
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosFelippi Perez
 

Mais procurados (20)

03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICAAula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
81 slids planejamento e projeto do processo logístico 02 jul 2013
81 slids  planejamento e  projeto do processo  logístico  02 jul 201381 slids  planejamento e  projeto do processo  logístico  02 jul 2013
81 slids planejamento e projeto do processo logístico 02 jul 2013
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre Logística
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Logística empresarial
Logística empresarialLogística empresarial
Logística empresarial
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De Informação
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De InformaçãoLogística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De Informação
Logística Empresarial - Processamento De Pedidos E Sistemas De Informação
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
 

Semelhante a Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques

Estoques
EstoquesEstoques
Estoquescarlapg
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfPedro Luis Moraes
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfPedro Luis Moraes
 
Sistemas de estoques – demanda independente
Sistemas de estoques – demanda independenteSistemas de estoques – demanda independente
Sistemas de estoques – demanda independenteEduardo Braga Jr
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaAgnaldo Cruz
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoquesogerente
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdfThiago Thome
 
Gestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.pptGestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.pptMARIO SOARES
 
Apostila custos armazenagem_lec
Apostila custos armazenagem_lecApostila custos armazenagem_lec
Apostila custos armazenagem_lecRafael Cavalcanti
 
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptUFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptMarcusMartins46
 
Apostila 06 administração de estoques
Apostila 06   administração de estoquesApostila 06   administração de estoques
Apostila 06 administração de estoqueszeramento contabil
 
O plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoquesO plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoquesCarlos Alexandre Sá
 
Logística Aula 4
Logística Aula 4Logística Aula 4
Logística Aula 4robsonnasc
 

Semelhante a Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques (20)

Gestão de estoques
Gestão de estoquesGestão de estoques
Gestão de estoques
 
Estoques
EstoquesEstoques
Estoques
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
 
Sistemas de estoques – demanda independente
Sistemas de estoques – demanda independenteSistemas de estoques – demanda independente
Sistemas de estoques – demanda independente
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoques
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
 
Gestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.pptGestão de Estoque.ppt
Gestão de Estoque.ppt
 
Cap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.pptCap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.ppt
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apostila custos armazenagem_lec
Apostila custos armazenagem_lecApostila custos armazenagem_lec
Apostila custos armazenagem_lec
 
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptUFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
 
Apostila 06 administração de estoques
Apostila 06   administração de estoquesApostila 06   administração de estoques
Apostila 06 administração de estoques
 
O plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoquesO plano de reposição de estoques
O plano de reposição de estoques
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
 
Log
LogLog
Log
 
T&q
T&qT&q
T&q
 
Aula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdfAula 04_AML.pdf
Aula 04_AML.pdf
 
Logística Aula 4
Logística Aula 4Logística Aula 4
Logística Aula 4
 

Mais de douglas

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuadouglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6douglas
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logisticadouglas
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalisedouglas
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localizaçãodouglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produtodouglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demandadouglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidadedouglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)douglas
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisicodouglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)douglas
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operaçõesdouglas
 

Mais de douglas (19)

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 

Último

2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...
2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...
2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...Unicesumar
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACsandracesteves71
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...leitev350
 
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Unicesumar
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...AcademicaDlaUnicesum
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfPedroRocha294899
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...AcademicaDlaUnicesum
 
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...assedlmoi
 
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Unicesumar
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...AaAssessoriadll
 
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024Unicesumar
 
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvRenandantas16
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...AaAssessoriadll
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Unicesumar
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...mariaclarinhaa2723
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...daimonkonicz6
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.pptJefersonCavalcante10
 

Último (20)

2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...
2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...
2. Considerando as críticas com relação à emergência de novas formas desregul...
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
 
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
 
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...
O uso de cartilhas é de um ensino não contextualizado com a realidade das cri...
 
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
 
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
 
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
 

Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques

  • 1. Planejamento e Controle de Estoques “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.” www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 2. Introdução A administração dos estoques é uma tarefa crucial e rotineira nas organizações. À medida que os materiais circulam ao longo de toda a cadeia de produção, estoques são formados em todos os estágios da cadeia. Por que necessariamente é preciso formar estoques? Por que e como administrar os níveis de estoques? www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 3. Posição do Estoque na Cadeia de Suprimentos farmácia fábrica cadeia www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 4. Gestão de Estoques Por que é preciso formar estoques? 4 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 5. Gestão de Estoques Por que é preciso formar estoques? 1) Porque existe uma diferença de ritmo entre fornecimento e demanda.
  • 6. Gestão de Estoques Por que é preciso formar estoques? 2) Vários produtos são produzidos utilizando os mesmos recursos transformadores e, portanto, alocam-se janelas de tempo para produzir determinadas quantidades de cada um deles, que precisam durar até que venha a ser realizada a sua produção novamente; Massa de pão Massa de rosca Assar (forno) (1)
  • 7. Gestão de Estoques Por que é preciso formar estoques? 3) Há incerteza quanto ao volume que vai ser demandado, ou quanto à capacidade de se produzir o que está sendo demandado em tempo hábil; Incerteza causada por:  Erros de previsão de demanda.  Quebra de equipamentos.  Falta de material.  Problemas de qualidade.
  • 8. Gestão de Estoques Por que é preciso formar estoques? 4) A demanda é sazonal, mas a capacidade produtiva está disponível de forma constante, o que pode justificar a produção uniforme ao longo do tempo para atender às necessidades concentradas em determinados períodos.
  • 9. Tipos de Estoque 1) Estoques de Ciclo: Existem somente, e tão somente, porque a produção ou compra de material se dá em lotes, ou bateladas, que proporcionam economias que compensam os custos associados à manutenção deste tipo de estoque. Ex: máquina de parafusos Setup: 7 horas Capacidade produtiva: 4000 parafusos/hora. Vale a pena fazer um setup p/ produzir 2000 parafusos?
  • 10. Tipos de Estoque 2) Estoque de Segurança: Estoque adicional para compensar um eventual atraso na produção, na entrega, ou mesmo um aumento inesperado na demanda. Os estoques de segurança levam em consideração a probabilidade de as incertezas acontecerem. Por esta razão, são classificados como de natureza probabilística.
  • 11. Tipos de Estoque 3) Estoque de Antecipação: Ex: compensar período de entresafra do setor agrícola.
  • 12. Tipos de Estoque 4) Estoque de Distribuição (no canal): Existe porque o material não pode ser transportado instantaneamente do fornecedor para o cliente. Corresponde a todo material em trânsito. Período em que o fornecedor não pode vender o material para outro cliente e ao mesmo tempo o cliente ainda não recebeu o material.
  • 13. Decisões de Estoque Quanto pedir: volume de ressuprimento Quando pedir: momento de reabastecimento Como controlar o sistema: rotinas prioridades gerenciamento das informações
  • 14. Custos de Estoque Custo de colocação do pedido. Custo da operação de compra. Descontos de preço para quantidade. Pequenas compras podem ser mais caras. Custo pela falta de estoque. Estoque MP: emitir ordem de compra de urgência é caro. Estoque PA: emitir ordem de fabricação de urgência sai caro por causar transtornos à linha de produção. Também há risco de não atender o cliente no prazo. Custo de capital de giro. Contrair empréstimo para fazer estoque.
  • 15. Custos de Estoque Custo de armazenagem. Locação, iluminação, climatização, mão-de-obra. Custo de obsolescência. Prazo de validade expirado ou um produto que sai de linha. Custo de ineficiência de produção. Estoques podem ofuscar problemas de produção.
  • 16. Tipos de Lote Lote Compra: quantidade de material adquirida e entregue em cada compra realizada. Realizado pelo departamento de compras. Lote de fabricação: quantidade de produtos produzida de uma só vez, geralmente entre dois set-ups. Realizado pelo departamento de manufatura.
  • 17. Estoque Cíclico A Utilibrás é uma empresa que produz e comercializa eletrodomésticos. A empresa possui uma linha de produção que monta 100 ventiladores por dia. Ela compra os motores de um fornecedor em lotes de 1000 peças por pedido. Os 1000 motores demoram cerca de 10 dias para serem consumidos. Em= LC/2 1000
  • 18. Estoque Cíclico Ao invés de adquirir 1000 unidades de motor a cada dez dias e ter um estoque médio de 500 unidades, a Utilibrás poderia adquirir 500 unidades a cada 5 dias de produção e ter um estoque médio de apenas 250 unidades. Reduzir o estoque médio permite reduzir os custos de manutenção deste estoque.
  • 19. Estoque Cíclico 19 Suposições do Modelo : Consumo constante e ressuprimento instantâneo e periódico. Taxa Demanda (D) = (Q) unidades (I) período
  • 20. Custo Total do Estoque Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Estocagem: refere-se aos custos de manutenção (locação, iluminação, controle, mão-de-obra). Custo de Pedido: (Transporte ou Setup) + custos administrativos Custo de Transporte: custo do frete. Foi disparado uma ordemordem de comprade compra para repor o estoque de MP. Custo de Setup: custo da parada de produção e por perdas de material. Foi disparado uma ordem de produçãoordem de produção para repor estoque de PA.
  • 21. 1) Em=500, ou seja, Q=1000: em 30 dias ocorram 3 pedidos. 2) Em=250, ou seja, Q=500: em 30 dias ocorreram 6 pedidos. O custo de pedido aumentou enquanto e o custo de manutenção diminui. Qual valor de Q é o ideal p/ reduzir Ct ? Voltando ao exemplo da empresa de eletrodomésticos, vale a pena reduzir o tamanho do pedido (Q) cada vez mais e então reduzir o estoque médio? Custo Total do Estoque
  • 22. Lote Econômico de Compra - LEC É o tamanho Q do pedido de compras que permite minimizar o custo total do estoque de MP. Sendo o Custo Total (Ct) determinado em função do tamanho do pedido (Q), ou seja: Ct(Q). Da teoria de Cálculo, sabe-se que para achar Q que minima Ct(Q) basta: Antes,precisamos equacionar Ct(Q) para então derivar.
  • 23. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Estocagem: refere-se aos custos de manutenção (locação, iluminação, controle, mão-de-obra). CE = (Custo Unitário Estoque) x (Quantidade em Estoque) Lote Econômico de Compra - LEC Estoque Médio (Em)
  • 24. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Pedido: Transporte + custos administrativos CP = (Custo Unitário Pedido) x (Quantidade de Pedidos) Lote Econômico de Compra - LEC freqüência
  • 25. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Lote Econômico de Compra - LEC
  • 26. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Lote Econômico de Compra - LEC Tamanho do pedido que minimiza o custo total do estoque de MP.
  • 27. Lote Econômico de Compra - LEC A Compubrás, uma empresa montadora de computadores, consome 1.000 chicotes elétricos por mês. Supondo que a empresa adquira seus chicotes a um custo de R$ 20,00 cada, e que o frete praticado é de R$ 40,00 por viagem e que o custo de oportunidade de captação de recursos financeiros é da ordem de 5% ao mês, qual o tamanho do lote de compra que minimiza o custo total?
  • 28. Lote Econômico de Compra - LEC A Compubrás, uma empresa montadora de computadores, consome 1.000 chicotes elétricos por mês. Supondo que a empresa adquira seus chicotes a um custo de R$ 20,00 cada, e que o frete praticado é de R$ 40,00 por viagem e que o custo de oportunidade de captação de recursos financeiros é da ordem de 5% ao mês, qual o tamanho do lote de compra que minimiza o custo total? Extraindo os dados: Demanda: D = 1000; Custo unitário material: Cu=20; Frete = 40; Custo Oportunidade: t=0.05 Cp = Frete + Adm Aqui: Cp=Frete= 40; LEC = 283 unidades.
  • 29. Lote Econômico de Compra - LEC
  • 30. Lote Econômico de Compra - LEC Observar: 1) Extremos não apresentam bons resultados. 2) Tamanhos de Lote próximos do ideal implicam numa pequena mudança do Custo Total.
  • 31. 31 Lote Econômico de Compra - LEC Isto permite que a empresa Compubrás possa utilizar, por exemplo, um lote de 250 ou 300 unidades, se as embalagens forem de 50 unidades cada. Há maior flexibilidade para ajustar o valor teórico encontrado com o mundo físico real. Q*=283
  • 32. Lote Econômico de Compra - LEC Desafio JIT: Um objetivo no Just in Time é reduzir os níveis de estoques. Para isto é preciso reduzir o tamanho dos pedidos. Mas como reduzir o tamanho do pedido sem aumentar o custo total de estoque? A alternativa é trabalhar para reduzir o custo de pedido (Cp), atuando na redução dos custos de frete.
  • 33. Lote Econômico de Compra - LEC Exemplo: supondo que a Utilibrás desejasse diminuir o lote de compra de 283 unidades para 100 unidades, qual deveria ser o custo de cada pedido para que 100 unidades representassem o novo lote econômico de compra? Dados anteriores: Demanda: D = 1000; Custo unitário material: Cu=20; Frete = 40; Custo Oportunidade: t=0.05 Reduzir o lote de compra de 283 para 100 unidades significa uma redução de 2,83 vezes. Reduzir o custo do pedido de R$ 40,00 para R$ 5,00 significa uma redução de 8 vezes, ou seja (2,83)^2 vezes.
  • 34. Agregação de Compras num Único Pedido É uma forma de tentar reduzir o custo de frete, para reduzir o custo de pedido e então conseguir reduzir o tamanho do lote de compra sem comprometer o custo logístico total. Transporte costuma apresentar um custo mínimo fixo por pedido transportado. Assim, reunir vários materiais de vários fornecedores, localizados próximos entre si, em um único pedido de compra costuma trazer vantagem de redução do custo logístico total desses materiais. Ex: Empresa localizada em Curitiba com 3 fornecedores localizados em São Paulo. Vale a pena explorar o fato destes 3 fornecedores estarem perto ?
  • 35. Desconto com base no lote de compra O desconto se baseia na quantidade de material adquirido por lote de compra. O preço unitário do material diminui à medida que o lote de compra aumenta. Quando esta situação ocorre, o modelo do lote econômico de compra precisa levar em conta a variação do custo do material.
  • 36. Desconto com base no lote de compra Min Min Min
  • 37. 37 Desconto com base no lote de compra Para determinar o lote econômico de compra nesta situação de descontos por quantidade, deve-se seguir o seguinte procedimento: 1. Calcular o valor do LEC para cada um dos preços oferecidos na tabela de preços do fornecedor em função da faixa de quantidade comprada; 2. Se a quantidade do LEC para o menor preço for viável (estiver dentro da faixa de preço), então, este será o valor do LEC correto para a faixa; 3. Se a quantidade do LEC não for viável por estar fora da faixa de preço, o LEC será o ponto de mudança de preço para a faixa em questão; 4. Calcular o custo total para cada um dos LEC encontrados. O LEC final, é o que apresentar o menor custo total.
  • 38. Desconto com base no lote de compra Exemplo: a Esportebrás é uma indústria de confecções especializada em roupas esportivas, que consome cerca de 100 toneladas de um determinado tecido azul por ano. A produção é relativamente constante ao longo do ano. O custo de cada pedido (transporte) é de R$ 600,00 por entrega. A empresa calcula o custo de estocagem em função do custo do capital, que é de 50% ao ano. A tecelagem fornecedora do tecido azul apresenta uma tabela de preços com descontos por quantidade comprada, conforme mostrado a seguir. Qual o lote econômico de compra e o custo total para esta situação?
  • 39. 39 Desconto com base no lote de compra 1 - Cálculo do lote econômico de compra para Cu=R$1,40: O valor do LEC de 13.093 kg se encontra fora da faixa de preço de R$1,40/kg, ou seja, para esta quantidade, o custo unitário ainda é R$1,50/kg. Portanto, o LEC corresponde ao menor tamanho de pedido possível ao preço de R$1,40, ou seja, 15.000 kg.
  • 40. Desconto com base no lote de compra 2 - Cálculo do lote econômico de compra para Cu=R$1,50: O valor do LEC de 12.649 kg se encontra na faixa de preço de R$1,50/kg. Portanto, o lote econômico de compra ao preço de R$1,50 é, de fato:
  • 41. Desconto com base no lote de compra 3 - Cálculo do lote econômico de compra para Cu=R$1,60 O valor do LEC de 12.247 kg se encontra fora da faixa de preço de R$1,60/kg, ou seja, para esta quantidade, o custo unitário já é R$1,50/kg. Portanto, o LEC para o preço de R$1,60/kg corresponde à quantidade limite de transição entre as faixas de custo unitário R$1,60 e R$1,50.
  • 42. Desconto com base no lote de compra 4 - Cálculo dos custos logísticos totais para cada um dos LEC encontrados: Cu é o quanto se paga a mais por unidade do produto por não se estar usufruindo dos descontos oferecidos pelo fornecedor em função do volume de compra. Cu(i) = [Cu da faixa (i)] – [Menor Cu oferecido] OBS: alguns autores não incluem o Cu.
  • 43. 43 Desconto com base no lote de compra 4 A - Cálculo do custo total para Para grandes volumes (acima de 15.000 kg), obtém-se a melhor negociação, em termos de custo unitário, ou seja, Cu=0. O custo logístico total para lotes de compra de 15.000 é, portanto:
  • 44. Desconto com base no lote de compra 4 B - Cálculo do custo total para Neste caso, o custo unitário do material é R$ 0,10 maior do que na situação anterior. Este custo deve ser considerado como parte do custo logístico total, porque ele decorre da decisão de se comprar em menores lotes.
  • 45. Desconto com base no lote de compra 4 C - Cálculo do custo total para Neste caso, o custo unitário do material (Cu=1,60) é R$ 0,20 maior do que na situação de compra de grandes lotes (em que Cu=1,40) e R$ 0,10 maior do que na situação de lotes intermediários (em que Cu=1,50). Para lotes de 5.000 kg, com Cu=1,60, o custo logístico total é:
  • 46. Desconto com base no lote de compra Resp.: O lote econômico de compra que representa o menor custo total equivale a 15 toneladas por lote de compra.
  • 47. Desconto com base no lote de compra Resp.: Se o fornecedor do tecido não oferecesse descontos em função da quantidade adquirida, seria melhor a Esporbrás adquirir 12.247 kg de tecido por pedido, o que implicaria em um estoque médio equivalente a 6.123,5 kg (lembrando que o estoque médio corresponde à metade do lote de compra). O desconto por quantidade levou, contudo, a Esporbrás a adquirir lotes de 15.000 peças por pedido, o que implica em um estoque médio de 7.500 kg de tecido, já que este tamanho de lote ocasionou o menor custo logístico total (R$ 9.250,00).
  • 48. Reflexão Oferecer descontos em função do tamanho do lote de compra é uma estratégia inteligente? Beneficia mais o fornecedor ou o cliente?
  • 49. Lote Econômico de Fabricação - LEF Como calcular o LEF? Estratégia é a mesmo do LEC. Equacionar Ct(Q) para então derivar. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Estocagem sofre uma alteração no cálculo do Estoque Médio; e o Custo do Pedido não mais relaciona-se ao frete e sim ao setup.
  • 50. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Pedido: Custo de Setup + custos administrativos CP = (Custo Unitário Pedido) x (Quantidade de Pedidos) Lote Econômico de Fabricação - LEF D: demanda LF: tamanho do lote de fabricação. (Q)
  • 51. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Custo de Estocagem: refere-se aos custos de manutenção (locação, iluminação, controle, mão-de-obra). CE = (Custo Unitário Estoque) x (Quantidade em Estoque) Estoque Médio (Em) Lote Econômico de Fabricação - LEF D: Taxa de Demanda (unidades/tempo) P: Taxa de Produção
  • 52. Lote Econômico de Fabricação - LEF Eac C Em LF Em = Eac/2 Eac= LF – C P = unid/tempo = LF/T D = unid/tempo = C/T P P-D
  • 53. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Lote Econômico de Fabricação - LEF
  • 54. Custo Total = Custo Estocagem + Custo de Pedido Tamanho do pedido que minimiza o custo total do estoque de PA. Lote Econômico de Fabricação - LEF
  • 55. Lote Econômico de Fabricação - LEF Ex: A Fogobrás utiliza 3,6 milhões de botões por ano . Os botões acionadores são fabricados na própria empresa, à razão de 30 mil por dia. A empresa monta 3.000 fogões por dia, trabalhando em média 20 dias por mês. Cada fogão utiliza cinco botões acionadores. Considerando uma taxa de juros de 30% ao ano para os custos de estocagem, sabendo- se que o custo unitário da matéria-prima e produção do botão acionador é R$ 0,35 e que o custo de setup da máquina de injeção que produz o botão é R$ 450,00 por troca, pede-se o LEF: Cp: 450; D: 3.600.000 / ano t: 0.3; Cu: 0,35; P = 30.000/dia = 7.200.000 / ano LEF = 248.423 peças
  • 56. Alinhamento entre LEC e LEF LEC e LEF dificilmente serão os mesmos. Caso LEF > LEC, convém incentivar o cliente a aumentar o tamanho do lote de compra oferecendo descontos por tamanho de pedido. *
  • 57. Ressuprimento de Estoques Revisão Contínua: Quando o estoque de um material atinge um limite mínimo (Ponto de Ressuprimento) dispara-se uma ordem de compra de tamanho fixo. Revisão Periódica: A cada período fixo (Intervalo de Ressuprimento) dispara-se uma ordem de compra de tamanho variável.
  • 58. Revisão Contínua Quando o nível de estoque diminuir para 60 unidades, um pedido de compra é emitido e o tempo de entrega do material corresponde a aproximadamente 12 dias. 8
  • 59. Revisão Contínua Acontecem variações de demanda e do tempo de ressuprimento. Como se pode observar o ponto de ressuprimento foi elevado de 60 para 80 unidades o que permite um estoque de segurança de 20 unidades. Caso não houvesse este estoque ocorreria falta de material no segundo ciclo de abastecimento, entre o dia 18 e 19 de produção.
  • 60. Revisão Contínua Ponto de Ressuprimento: Taxa de Demanda Tempo de Ressuprimento ou Lead Time Estoque de Segurança Nível de estoque em que é disparado a ordem de compra. DLT Demanda prevista durante o Lead Time (tempo de ressuprimento ou entrega)
  • 61. Revisão Contínua Ponto de Ressuprimento: Previsão de Demanda durante Tempo de Ressupr. (Lead Time): DLT PR ES DLT
  • 62. Revisão Contínua Nível de Serviço (NS): Nível de serviço é a probabilidade de não faltar material durante um ciclo de abastecimento. (ciclo de abastecimento: é o intervalo entre duas entregas).  Estoque de segurança com demanda variável e lead time constante.  Estoque de segurança com demanda variável e lead time variável.  Estoque de segurança com demanda constante e lead time constante. Obs.: modelos assumem demanda como f.d.p. normal.
  • 63. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT variável e LT constante. O material em questão tem fornecedor que apresenta elevado grau de garantia no cumprimento do prazo de tempo de ressuprimento tornando mínima ou desprezível qualquer variação no prazo de entrega.
  • 64. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT variável e LT constante.
  • 65. Nível de Serviço: Tabela f.d.p. Normal Padrão
  • 66. Nível de Serviço: Tabela f.d.p. Normal Padrão
  • 67. Nível de Serviço: Tabela f.d.p. Normal Padrão
  • 68. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT variável e LT constante. Exemplo: Com base nas vendas das últimas semanas e utilizando um modelo adequado de previsão de demanda, uma farmácia levantou a previsão de vendas média de 126 caixas de determinado analgésico por semana com um desvio padrão de 14 caixas. A farmácia adota o sistema de revisão contínua e abre todos os dias da semana. Considerando que a farmácia deseja um nível de serviço de 97% de atendimento e o fornecedor tem um prazo de entrega de 3 dias, calcular o estoque de segurança necessário e o ponto de ressuprimento que deve ser utilizado.
  • 69. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT variável e LT constante Exemplo: Solução Nível de serviço = 97% portanto Z = 1,88 TR= 3 dias = 0,429 semana Desvio padrão da demanda = 14 caixas D = 126 caixas por semana ES = Z x sqrt(TR) x DesvioLT = 1,88 x sqrt(0,429) x14 = 7 caixas PR = (D xTR)+ ES = (126 x 0,429)+7 PR = 71 caixas
  • 70. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT constante e LT variável. Material apresenta processos de consumo ou utilização com demanda constante ou de variação desprezível como, por exemplo, em determinados processos contínuos de fabricação, mas não existe garantia absoluta no tempo de ressuprimento da matéria prima.
  • 71. Nível de Serviço: Estoque de segurança com DLT variável e LT variável. A variabilidade pode acontecer tanto para a demanda como para o tempo de ressuprimento.
  • 72. Nível de Serviço: Exemplo: A venda de leite em embalagens de um litro do tipo longa vida em uma loja de conveniência do tipo 24 horas, apresenta a demanda média de 12 litros por dia com um desvio padrão de 2,5 litros, o tempo médio de entrega do leite pelo fornecedor é de cinco dias com um desvio padrão de 2 dias. Considerando que a loja de conveniência adota o sistema de revisão contínua de ressuprimento, calcular o estoque de segurança de leite necessário a esta loja para um nível de atendimento de 98% e o ponto de ressuprimento equivalente. www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 74. Revisão Contínua Vantagens: A falta de material se torna mais difícil pois o material é comprado sempre que o nível de estoque atinge o ponto de ressuprimento. O estoque de segurança será menor pois visa eliminar a falta de material apenas durante o tempo de ressuprimento. Permite utilizar o lote econômico de compra. Desvantagens: Devido à variação das datas de compra é difícil agrupar diversos materiais para serem comprados de uma única vez.
  • 75. Revisão Periódica OBS: Giro estoque = Demanda/Em (dobro de picos)
  • 76. Revisão Periódica Consiste em fazer apenas pedidos em intervalos fixos que necessitam apenas de uma verificação periódica no estoque remanescente no dia do pedido.
  • 77. Revisão Periódica Nível de Suprimento: Quantidade de material que atenda a demanda durante todo o intervalo de ressuprimento, adicionado do estoque de segurança. Tamanho do Pedido: Nível de Suprimento (NS) subtraído do estoque corrente (Ec), no término do período de reabastecimento (IR). LC = NS - Ec
  • 78. Estoque de segurança com DLT variável e LT constante. No sistema de revisão periódica, o “estoque de segurança” (ES) precisa garantir que não haja falta de material durante todo o intervalo de ressuprimento (IR) + o tempo de ressuprimento (TR ou LT). Revisão Periódica
  • 79. Exemplo: A demanda mensal açúcar em pacotes de 5 quilos em um supermercado é distribuída normalmente com uma média de 3.000 pacotes e um desvio padrão de 250 unidades. O supermercado compra o açúcar a cada 15 dias pois adota a política de revisão periódica de ressuprimento. Considerando que o fornecedor entrega o açúcar em 4 dias, calcular o estoque de segurança necessário para um nível de serviço de 95%. Revisão Periódica douglasmiranda@gmail.com 79 FACE-UFMG
  • 81. Revisão Periódica Vantagem: Permite o agrupamento dos materiais por tipo ou família facilitando a compra dos mesmos em um único dia. Desvantagem: Não permite a utilização do lote econômico de compra e exige estoques de segurança maiores para um mesmo nível de serviço. douglasmiranda@gmail.com 81 FACE-UFMG
  • 82. douglasmiranda@gmail.com FACE-UFMG 82 Adm. De Materiais maio/2010 Revisão Periódica c/ Backlogging É permitida a falta de material no estoque. Cliente não desiste do produto mas há um custo adicional devido ao atraso.
  • 83. Revisão Periódica c/ “Lost Sales” É permitida a falta de material no estoque. Cliente desiste do produto, portanto a venda é perdida. douglasmiranda@gmail.com 83 FACE-UFMG
  • 84. Problema do Vendedor de Jornais “News Boy Problem” Ex: Banca de Revistas e Jornais Se comprar mais jornais que a demanda, o estoque torna-se obsoleto. Se comprar menos jornais que a demanda, perde-se vendas (e talvez o cliente). Portanto, qual quantidade deve ser comprada pelo jornaleiro? Ex: padaria, supermercado, vestuário de moda...
  • 85. Revisão de Duas Gavetas Considerado uma variação do sistema de revisão contínua. O sistema de duas gavetas busca facilitar a dificuldade do controle contínuo do nível dos estoques necessário através de uma forma de controle visual.
  • 86. Revisão de Duas Gavetas A B A B A cheio. B em consumo. A cheio. B vazio. Colocar ordem de compra. A em consumo. B vazio. Aguardando material. A em consumo. B cheio. Chegada do material. A vazio. B cheio. Colocar ordem de compra. A vazio. B em consumo. Aguardando material. A B A B A B A B
  • 87. Revisão de Duas Gavetas Vantagem: Proporcionar um dos princípios básicos da boa estocagem, que é o FIFO. Além disto o sistema permite o controle visual dos estoques. Desvantagem: A necessidade de dois locais de armazenagem implica em maior ocupação do espaço destinado aos materiais.
  • 88. Prioridades de Estoques Sistema ABC Uma forma comum de discriminar diferentes itens é fazer uma lista deles de acordo com a “movimentação de valor de cada um” (taxa de uso multiplicado por seu valor individual). Teoria de Pareto: 20% dos itens respondem por 80% dos estoques.
  • 89. Prioridades de Estoques Sistema ABC Seq. Uso anual Custo Custo Uso anual Uso anual (unid) médio anual ($) acum ($) acum (%) 1 117 49 5.840 5.840 11,3 2 27 210 5.670 11.510 22,3 3 212 23 5.037 16.547 32,0 4 172 27 4.769 21.317 41,2 5 60 57 3.478 24.796 48,0 6 94 31 2.936 27.732 53,7 7 100 28 2.820 30.552 59,1 8 48 55 2.640 33.192 64,2 9 33 73 2.423 35.616 68,9 10 15 160 2.407 38.023 73,6 11 210 5 1.075 39.098 75,6 12 50 20 1.043 40.142 77,7 13 12 86 1.038 41.180 79,9 39 2 59 119 51.230 99,1 40 2 51 103 51.333 99,3 41 4 19 79 51.412 99,5 42 2 37 75 51.488 99,6 43 2 29 59 51.547 99,7 44 1 48 48 51.596 99,8 45 1 34 34 51.630 99,9 46 1 28 28 51.659 99,9 47 3 8 25 51.684 100,0 Itens têm importância relativa diferente Devem merecer atenção gerencial diferente Tabela: ordem decrescente de custo anual www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 90. Prioridades de Estoques Sistema ABC Poucos Itens importantes Importância média Muitos itens menos importantes %acumuladadevalordeuso itens (%) Região A Região B Região C 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 1005025 75 Rev. Cont. Rev. Per. Gráfico equivalente à coluna “Uso anual acum. (%)” do slide anterior. p q www.betagama.com.brwww.dunamath.com

Notas do Editor

  1. Quando há filas: entidades(MP, componentes, subconjuntos) disputando os mesmos recursos (maquina/pessoa) Se optar por processar a massa de pão primeiro, será obrigado a estocar a massa de rosca, gerando WIP. Além disto, enquanto processa o pão, há demanda por rosca, então precisa ter estoque de rosca já pronta, gerando estoque de PA. Disputa pelo mesmo recurso gera 2 tipos de estoques (WIP/MP dependendo se MP ou subconjunto & PA)
  2. Em algum momento entre o dia 0 e 10 colocou-se uma ordem de compra, com prazo de entrega conhecido. Ex: LT=2 dias
  3. Demanda = 1000 peças por mês ; Tamanho de 1 Pedido= 200 peças Entao: precisa de 5 pedidos.
  4. O menor mínimo entre os 3 mínimos aponta para Q de 1700 peças aproximadamente. Mas para este Q, o preço é 1.40 e não 1.20.
  5. Valor final errado? Fazer na calculadora
  6. Valor final errado? Fazer na calculadora
  7. Correção: formula esta usando 1.50 ao invés de 1.60 Valor final errado. Recalcular.
  8. Quem oferece o desconto? Por que? E o lado do cliente? Já colocar resposta geral aqui para entender depois: fornecedor induz cliente a aproximar tamanho da ordem de compra da lote econômico de fabricação do fornecedor
  9. C: unidades consumidas durante período de (produção e demanda) Eac: Estoque acumulado
  10. Colocar no quadro em aula o exemplo da fabrica de fios e tecido relacionando Lote de compra com lote de fabricação. Ex anotações de aula pag 6b Se aula do concurso é sobre isto, caprichar neste exemplo dando valor não so para LEC mas também para LEF.
  11. Tamanho do lote de compra é sempre o mesmo. Muda apenas o quando, em funcao de quando alcançar o ponto de ressuprimento.
  12. Células possuem valores de probabilidades. Dada a probabilidade desejada (Nível de Serviço) achar Z da normal padrão para substituir nas equações.
  13. NS: não é nível de serviço, e sim Nível se Suprimento