SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Repensando a Textualidade: caminhos da Lingüística Textual Prof. Luiz Fernando Gomes Baseado no trabalho de Maria da Graça Costa Val – UFMG (1999)- IV Fórum de Estudos Lingüísticos - UREJ
Introdução Conceito de textualidade: Conjunto de características que fazem com que um texto seja um texto, e não apenas uma seqüência de frases.
Introdução A LT começou a se desenvolver na Europa a partir do final do anos 60, sobretudo entre os anglo-germânicos, e tem se dedicado a estudar os princípios constitutivos do texto e os fatores envolvidos em sua produção e recepção.
A partir do final dos anos 60 estudos voltados para fenômenos que ultrapassam os limites da frase: interessados menos nos produtos e mais nos processos – a enunciação, a interlocução e suas condições de produção.  o texto e o discurso
3 Vertentes da LT: 1ª. Análise Transfrástica Há fenômenos sintáticos que não podem ser suficientemente entendidos quando se toma a frase como unidade máxima de análise. Ex. artigo definido x indefinido, ordem dos sintagmas,  tempos e modos verbais.  análise “transfrástica”, focaliza as relações entre os enunciados de uma seqüência, interessando-se por questões como a: correferência, o emprego do artigo, a correlação entre os tempos e modos verbais, que hoje identificamos como atinentes à coesão textual.
Análise Transfrástica É necessário considerar a seqüência de enunciados que compõe o contexto lingüístico em que esses fenômenos ocorrem.  Existem de regras sintáticas que extrapolam a frase. Ex. The boy went to themovies.  Someonegavehimthemoney.
Isenberg Isenberg (1968): relações não expressas por marcas lingüísticas de superfície = procedimentos de textualização. 12 procedimentos pressuposição
2ª. Vertente: texto como unidade lógico-semântica Amplia-se o conceito chomskyano de competência lingüística para o de capacidade que habilitaria os falantes a: produzir,  interpretar  e reconhecer textos coerentes, resumir e parafrasear textos, competência textual:
Competência textual perceber os limites e a completude ou incompletude de um texto, atribuir título a um texto identificando seu tópico central,  produzir textos a partir de um título ou tema dado.
Gramática Textual A tarefa da gramática seria descrever e explicar a competência textual, estabelecendo os princípios constitutivos do texto, explicitando os critérios de sua delimitação e completude, determinando uma tipologia de textos.
Texto é muito mais Texto como unidade lógico-semântica. O texto é mais que uma seqüência de enunciados concatenados;  sua significação é um todo resultante de operações lógicas, semânticas e pragmáticas.
Van Dijk (1973) Questões de macroestrutura e microestrutura semânticas: vínculos inter e intrafrasais (recorrência de morfemas, pronominalizações, conjunções, verbos, etc.). O texto é pensado não como a seqüência ou a soma dos significados localizados, mas como um todo estruturado, cuja significação, cuja coerência, se faz no plano global.  Significados locais dependem do significado global.
3ª. Vertente: ênfase nos aspectos pragmáticos a significação de um texto não se encerra nem se resolve nele mesmo, mas se produz na relação desse texto com o contexto em que ele ocorre, nas ações que, por ele, com ele ou nele, os falantes realizam.
Aspectos Pragmáticos a textualidade inclui tanto o aspecto lingüístico (sintático e semântico) quanto o aspecto social. a dimensão sociocomunicativa tem primazia sobre as dimensões semântica e sintática.
Teoria do texto A coerência: identificação, pelos parceiros, da função ilocutória intencionada pelo locutor.  Teoria do texto busca a competência comunicativa, que diz respeito à capacidade de atuar com eficiência e eficácia em situações sociais de comunicação. Coerência não está no texto propriamente dito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunosEstratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunos
LugaraoAfecto
 
Landasan pendidikan
Landasan pendidikanLandasan pendidikan
Landasan pendidikan
Pipit Wijaya
 
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaranTeori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
روحايز حمزه
 
Makalah motivasi dalam belajar
Makalah motivasi dalam belajarMakalah motivasi dalam belajar
Makalah motivasi dalam belajar
Zuha Farhana
 
Procedimentos e métodos de ensino
Procedimentos e métodos de ensinoProcedimentos e métodos de ensino
Procedimentos e métodos de ensino
Poliana Silvesso
 
administrasi pendidikan dalam profesi keguruan
administrasi pendidikan dalam profesi keguruanadministrasi pendidikan dalam profesi keguruan
administrasi pendidikan dalam profesi keguruan
Afif Kurniawan
 

Mais procurados (20)

Estratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunosEstratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunos
 
Makalah tentang prinsip prinsip kepemimpinan
Makalah tentang prinsip prinsip kepemimpinanMakalah tentang prinsip prinsip kepemimpinan
Makalah tentang prinsip prinsip kepemimpinan
 
A formação Social da Mente
A formação Social da MenteA formação Social da Mente
A formação Social da Mente
 
MENGKAJI TEKS PIDATO DALAM KONTEKS BAHASA RESMI
MENGKAJI TEKS PIDATO DALAM KONTEKS BAHASA RESMIMENGKAJI TEKS PIDATO DALAM KONTEKS BAHASA RESMI
MENGKAJI TEKS PIDATO DALAM KONTEKS BAHASA RESMI
 
FILSAFAT ILMU PENGETAHUAN
FILSAFAT ILMU PENGETAHUANFILSAFAT ILMU PENGETAHUAN
FILSAFAT ILMU PENGETAHUAN
 
4. teori-belajar
4. teori-belajar4. teori-belajar
4. teori-belajar
 
1-Teori Belajar Behavioristik.pptx
1-Teori Belajar Behavioristik.pptx1-Teori Belajar Behavioristik.pptx
1-Teori Belajar Behavioristik.pptx
 
Landasan pendidikan
Landasan pendidikanLandasan pendidikan
Landasan pendidikan
 
Makalah kurikulum kbk
Makalah kurikulum kbkMakalah kurikulum kbk
Makalah kurikulum kbk
 
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaranTeori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
Teori belajar-behavioristik-penerapannya-dalam-pembelajaran
 
Filsafat eksistensialisme
Filsafat eksistensialismeFilsafat eksistensialisme
Filsafat eksistensialisme
 
Makalah motivasi dalam belajar
Makalah motivasi dalam belajarMakalah motivasi dalam belajar
Makalah motivasi dalam belajar
 
TEORI MOTIVASI DALAM PEMBELAJARAN
TEORI MOTIVASI DALAM PEMBELAJARANTEORI MOTIVASI DALAM PEMBELAJARAN
TEORI MOTIVASI DALAM PEMBELAJARAN
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Procedimentos e métodos de ensino
Procedimentos e métodos de ensinoProcedimentos e métodos de ensino
Procedimentos e métodos de ensino
 
Filsafat Ilmu
Filsafat IlmuFilsafat Ilmu
Filsafat Ilmu
 
Ebook-kuliah itu enggak penting
Ebook-kuliah itu enggak pentingEbook-kuliah itu enggak penting
Ebook-kuliah itu enggak penting
 
administrasi pendidikan dalam profesi keguruan
administrasi pendidikan dalam profesi keguruanadministrasi pendidikan dalam profesi keguruan
administrasi pendidikan dalam profesi keguruan
 
Pengembangan Bahan Ajar
Pengembangan Bahan AjarPengembangan Bahan Ajar
Pengembangan Bahan Ajar
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 

Destaque

Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
Sabrina Dará
 
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
cleia
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Carla Souto
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
nelsonalves70
 

Destaque (16)

Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
 
Minicurso 2 Aula
Minicurso 2 AulaMinicurso 2 Aula
Minicurso 2 Aula
 
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
 
Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
 
2011 linguistica textual
2011 linguistica textual2011 linguistica textual
2011 linguistica textual
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADE
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 

Semelhante a Repensando A Textualidade

Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Francione Brito
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...
Marisa Paço
 
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Sabrina Dará
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos sal
Sandra Campelo
 

Semelhante a Repensando A Textualidade (20)

Artigo076
Artigo076Artigo076
Artigo076
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
 
Linguistica textual
Linguistica textualLinguistica textual
Linguistica textual
 
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
 
Planos textuais
Planos textuaisPlanos textuais
Planos textuais
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciência
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
 
Aspectualização espacial claudia sousa antunes
Aspectualização espacial claudia sousa antunesAspectualização espacial claudia sousa antunes
Aspectualização espacial claudia sousa antunes
 
Resenha os sentidos do texto
Resenha os sentidos do textoResenha os sentidos do texto
Resenha os sentidos do texto
 
Fichamento estética da criação verbal bakhtin
Fichamento estética da criação verbal   bakhtinFichamento estética da criação verbal   bakhtin
Fichamento estética da criação verbal bakhtin
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...
 
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos sal
 

Mais de Ufal- Universidade Federal de Alagoas

Mais de Ufal- Universidade Federal de Alagoas (12)

Letramentos e etnografia
Letramentos e etnografiaLetramentos e etnografia
Letramentos e etnografia
 
Aula magna veronica- aula remota e multiletramentos
Aula magna   veronica- aula remota e multiletramentosAula magna   veronica- aula remota e multiletramentos
Aula magna veronica- aula remota e multiletramentos
 
Como utilizar tecnologias na confecção de trabalhos acadêmicos
Como utilizar tecnologias na confecção de trabalhos acadêmicosComo utilizar tecnologias na confecção de trabalhos acadêmicos
Como utilizar tecnologias na confecção de trabalhos acadêmicos
 
X semana de letras parte 2 ufal
X semana de letras parte 2  ufalX semana de letras parte 2  ufal
X semana de letras parte 2 ufal
 
X semana de letras parte 1 ufal
X semana de letras  parte 1 ufalX semana de letras  parte 1 ufal
X semana de letras parte 1 ufal
 
Viaduto versao jan 2013
Viaduto versao jan 2013Viaduto versao jan 2013
Viaduto versao jan 2013
 
Referencias
ReferenciasReferencias
Referencias
 
Referencias
ReferenciasReferencias
Referencias
 
Referencias
ReferenciasReferencias
Referencias
 
Luiz Fernado Congressomicrobio
Luiz Fernado CongressomicrobioLuiz Fernado Congressomicrobio
Luiz Fernado Congressomicrobio
 
Hist Escrita09 Resumida
Hist Escrita09 ResumidaHist Escrita09 Resumida
Hist Escrita09 Resumida
 
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticosHistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 

Repensando A Textualidade

  • 1. Repensando a Textualidade: caminhos da Lingüística Textual Prof. Luiz Fernando Gomes Baseado no trabalho de Maria da Graça Costa Val – UFMG (1999)- IV Fórum de Estudos Lingüísticos - UREJ
  • 2. Introdução Conceito de textualidade: Conjunto de características que fazem com que um texto seja um texto, e não apenas uma seqüência de frases.
  • 3. Introdução A LT começou a se desenvolver na Europa a partir do final do anos 60, sobretudo entre os anglo-germânicos, e tem se dedicado a estudar os princípios constitutivos do texto e os fatores envolvidos em sua produção e recepção.
  • 4. A partir do final dos anos 60 estudos voltados para fenômenos que ultrapassam os limites da frase: interessados menos nos produtos e mais nos processos – a enunciação, a interlocução e suas condições de produção. o texto e o discurso
  • 5. 3 Vertentes da LT: 1ª. Análise Transfrástica Há fenômenos sintáticos que não podem ser suficientemente entendidos quando se toma a frase como unidade máxima de análise. Ex. artigo definido x indefinido, ordem dos sintagmas, tempos e modos verbais. análise “transfrástica”, focaliza as relações entre os enunciados de uma seqüência, interessando-se por questões como a: correferência, o emprego do artigo, a correlação entre os tempos e modos verbais, que hoje identificamos como atinentes à coesão textual.
  • 6. Análise Transfrástica É necessário considerar a seqüência de enunciados que compõe o contexto lingüístico em que esses fenômenos ocorrem. Existem de regras sintáticas que extrapolam a frase. Ex. The boy went to themovies. Someonegavehimthemoney.
  • 7. Isenberg Isenberg (1968): relações não expressas por marcas lingüísticas de superfície = procedimentos de textualização. 12 procedimentos pressuposição
  • 8. 2ª. Vertente: texto como unidade lógico-semântica Amplia-se o conceito chomskyano de competência lingüística para o de capacidade que habilitaria os falantes a: produzir, interpretar e reconhecer textos coerentes, resumir e parafrasear textos, competência textual:
  • 9. Competência textual perceber os limites e a completude ou incompletude de um texto, atribuir título a um texto identificando seu tópico central, produzir textos a partir de um título ou tema dado.
  • 10. Gramática Textual A tarefa da gramática seria descrever e explicar a competência textual, estabelecendo os princípios constitutivos do texto, explicitando os critérios de sua delimitação e completude, determinando uma tipologia de textos.
  • 11. Texto é muito mais Texto como unidade lógico-semântica. O texto é mais que uma seqüência de enunciados concatenados; sua significação é um todo resultante de operações lógicas, semânticas e pragmáticas.
  • 12. Van Dijk (1973) Questões de macroestrutura e microestrutura semânticas: vínculos inter e intrafrasais (recorrência de morfemas, pronominalizações, conjunções, verbos, etc.). O texto é pensado não como a seqüência ou a soma dos significados localizados, mas como um todo estruturado, cuja significação, cuja coerência, se faz no plano global. Significados locais dependem do significado global.
  • 13. 3ª. Vertente: ênfase nos aspectos pragmáticos a significação de um texto não se encerra nem se resolve nele mesmo, mas se produz na relação desse texto com o contexto em que ele ocorre, nas ações que, por ele, com ele ou nele, os falantes realizam.
  • 14. Aspectos Pragmáticos a textualidade inclui tanto o aspecto lingüístico (sintático e semântico) quanto o aspecto social. a dimensão sociocomunicativa tem primazia sobre as dimensões semântica e sintática.
  • 15. Teoria do texto A coerência: identificação, pelos parceiros, da função ilocutória intencionada pelo locutor. Teoria do texto busca a competência comunicativa, que diz respeito à capacidade de atuar com eficiência e eficácia em situações sociais de comunicação. Coerência não está no texto propriamente dito.