SlideShare uma empresa Scribd logo
AlamarFeixe usado para fechar a frente do pluvial, também pode ser chamado de "Razionale". Por vezes encontra-se o alamar no véu umeral ou nas vimpas.
AmitoParamento usado no pescoço para cobrir a veste civil ou a batina antes de pôr a alva.
BáculoInsígnia Episcopal que representa o cajado que o Bispo, pastor diocesano, usa para conduzir suas ovelhas.
BarreteCardealChapéu quadrado usado pelos clérigos junto ao hábito diário e, de maneira especial, com os paramentos. Sua cor varia de acordo com o grau hierárquico do clérigo. BispoMonsenhor
BatinaHábito talar usado pelos clérigos seculares e regulares que não possuem hábito próprio. É negra, possui 33 botões na parte central e 5 em cada manga, estendendo-se até os calcanhares.Também conhecido como Sotaina
CáligasSapatilhas usadas pelos Bispos na forma extraordinária do rito romano.
CamauroParamento pontifício usado com vestes corais. Consta de um pequeno gorro vermelho (ou branco) com pele de arminho.
Capa magnaGrande capa usada pelos Bispos e Cardeais com vestes corais em sinal de solenidade. É violeta para os Bispos e vermelha para os Cardeais. Ela é presa sob a murça e sua parte posterior é segurada por um acólito que recebe o nome de caudatário. A capa magna é símbolo significativo de solenidade e jurisdição.
CapeloChapéu negro sem ornamento usado pelos clérigos no dia-a-dia.
CasulaManto sacerdotal usado sobre estola e alva. Seu significado remete ao caráter sacrificial da missa. Seu uso é obrigatório em todas as missas e proibido fora delas..
ChirotecoeLuvas usadas pelos Bispos. Seguem a cor do tempo, como os demais paramentos.
CínguloParamento usado para prender a alva junto ao corpo, símbolo da castidade.
ClaviFaixas verticais da dalmática.
ClergymanParte da batina usada próxima ao pescoço, possui algumas variações, constando sempre de uma fita branca que fica mais ou menos à mostra.
Cruz PeitoralInsígnia Episcopal que consta de um crucifixo usado com um cordão ou em corrente simples.O cordão que sustenta a cruz, em ocasiões litúrgicas (com vestes corais ou paramentos) é verde-dourado para Bispos e Arcebispos, vermelho-dourado para os cardeais e e dourado para o Papa.
Dalmática pontificalA dalmática pontifical, possui a mesma forma da dalmática diaconal. Veste até os joelhos, com mangas mais largas que as da alva, possui duas listras verticais (clavi) e duas listras horizontais (segmentae).
Faixa da BatinaFaixa de tecido usado pelos clérigos sobre a batina na altura do estômago.
FanonParamento pontifício com formato semelhante ao da murça, usado sobre a casula e sob o pálio
FerraioloCapa solene usada pelos clérigos sobre a batina em ocasiões solenes fora da liturgia como formaturas e atos cívicos, chamado também de tabarro
FérulaObjeto semelhante ao báculo. O Sumo Pontífice usa uma em forma de cruz como insígnia. Alguns vigários usavam férula com um globo, simbolizando jurisdição.
GaleroChapéu vermelho munido de várias borlas. Era o símbolo maior do cardinalato até sua abolição com o MotuProprio de Paulo VI.Motuproprio é uma das espécies normativas da Igreja Católica, expedido diretamente pelo próprio Papa. A expressão motuproprio poderia ser traduzida como "de sua iniciativa própria"
Gremial consta de um "avental" de linho. Sua cor, na forma ordinária do rito romano, é sempre branca, em qualquer situação. É usado por padres e bispos em diversas circunstâncias como listamos a seguir:Imposição das cinzas na quarta-feira de cinzas; Lava-pés de quinta-feira santa  Para a unção da no sacramento da crisma; Para a unção das mãos na ordenação presbiteral; Para a unção da cabeça do eleito na ordenação episcopal; Na dedicação do altar e de igreja, para as unções; Outras circunstâncias em que o sacerdote deva fazer unções estando sentado.
Hábito TalarHábito usado pelos clérigos e religiosos ordinariamente. Exemplos são os hábitos beneditinos, franciscanos e também a batina.
ÍnfulasTiras pendentes da parte posterior da mitra e do triregnum.
ManícotoO manícoto é posto no punho sobre a alva, pode ser amarrado ou provido de elástico. Seu uso é mais resumido em relação ao gremial, resume-se basicamente à unção do altar, impedindo que o bispo suje a alva com o Santo Crisma ou que tenha o inconveniente que ficar segurando o punho da mesma. Usando-o, além de evitar situações constrangedoras e inconvenientes, alimenta-se à tradição litúrgica, mantendo vivo o uso de tal paramento.
ManípuloParamento cujo formato lembra o de uma pequena estola, usado no antebraço esquerdo pelo sacerdote durante a missa.
MantelCapa negra com mozeta usada sobre a batina ordinariamente. Antes do MotuProprio de Paulo VI podia ser violeta para os Bispos e vermelha para os CardeaisMotuproprio é uma das espécies normativas da Igreja Católica, expedido diretamente pelo próprio Papa. A expressão motuproprio poderia ser traduzida como "de sua iniciativa própria"
MantelettaParamento usado nas vestes corais de alguns clérigos sobre roquete/sobrepeliz.
MitraInsígnia Episcopal, usada à cabeça possui a forma de dois pentágonos unidos, munida de duas faixas na parte de trás: as ínfulas.
MúleosSapatos vermelhos usados pelo Sumo Pontífice
MurçaPequena sobre-capa usada nas vestes corais sobre a sobrepeliz ou o roquete e sob a cruz peitoral. Sua cor varia de acordo com o grau hierárquico do clérigo.
PálioInsígnia Episcopal usada ao redor do pescoço pelos Arcebispos como símbolo de poder e jurisdição.
PluvialÉ um manto amplo, aberto à frente que os clérigos usam em algumas circunstâncias. Um nome muito conhecido é "capa de asperges" recebe esse nome em função de o celebrante usar-se dela durante o rito de asperges,e recebeu ainda o nome, isto mais atualmente, de "capa de bênção" por ser usada na bênção com o Santíssimo Sacramento.
PrelatícioChapéu ornado com borlas usado pelos clérigos. O número e a cor das borlas variam de acordo com o grau hierárquico do clérigo.
RationaleParamento episcopal próprio de algumas Sés, usado sobre a casula e sob o pálio. "Rationale" ou "Razionale" também pode significar o feixe do pluvial (cf. Alamar)
RoqueteTrata-se de uma "túnica" de cor branca. Geralmente feita de linho fino ou tecido semelhante. Atinge os joelhos. Distingue-se da sobrepeliz principalmente pelas mangas mais estreitas, frequentemente enfeitados com rendas. Pode ser forrada nos punhos e/ou na barra.
SegmentaeFaixa horizontal da dalmática que une as clavi
SobrepelizParamento semelhante a alva, curto e com mangas largas usados pelos acólitos ao servir a missa e também pelos sacerdotes em rituais que não se juntou à missa, por vários ministros no exercício de suas funções. A liturgia sempre quis colocar uma veste branca como base, à semelhança dos 24 anciãos que estão nos céus em volta do trono do Cordeiro (Ap 4, 4). Cerimoniários assistindo ao papa durante o rito do lava-pés. Observe que Mons. Guido Marini (à direita) usa sobrepeliz com renda e não roquete. Observe as mangas: são largas.RoqueteSobrepeliz
SolidéuO solidéu é uma pequena calota que os clérigos usam na cabeça. Sendo preto para os padres, para todos os monsenhores é preto com frisos violáceos. Todo violeta para os bispos, vermelho para os cardeais e branco para o papa.
TonacellaParamento típico dos noviços franciscanos, usado sobre a alva.
TriregnumObjeto formado por três coroas unidas, acimado por um globo e uma cruz. Usado pelo Romano Pontífice em ocasiões solenes, fora da liturgia. Não foi abolido, porém está em desuso.
TúnicaTúnicaEspécie de alva com gola fechada. Difere da alva pois não possui escapulárioAlva
TunicelaParamento do Subdiácono (forma extraordinária).
Vestes coraisConjunto de vestimentas usadas pelos clérigos ao assistir celebrações sem oficiar nelas, chegar e sair solenemente da igreja, etc.
Véu umeralUsado para segurar o Santíssimo Sacramento, relíquias e os santos óleos, o véu umeral consta de um paramento quadrado posto sobre os ombros.
 VimpaParamento semelhante ao véu umeral, quadrado e posto nas costas. São usadas pelo mitríferoe baculífero que portam a mitra e báculo, respectivamente. Suas cores variam conforme a cor litúrgica da cerimônia. Além do significado de respeito com as insignias episcopais, as vimpas possuem um lado prático que é evitar que o suor das mãos dos acólitos sujem ou danifiquem as insignias, mormente o tecido da mitra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
Francisco Rodrigues
 
Paramentos ii
Paramentos iiParamentos ii
Paramentos ii
Maria Antonieta Silva
 
Missa parte por_parte
Missa parte por_parteMissa parte por_parte
Missa parte por_parte
Presentepravoce SOS
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
Simone Oliveira
 
Acólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missaAcólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missa
Jean
 
Acolitos objeto liturgico
Acolitos objeto liturgicoAcolitos objeto liturgico
Acolitos objeto liturgico
Josemilton Junior
 
Celebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana SantaCelebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana Santa
Sandro Rezende
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
eusouaimaculada
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
Jean
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
pascomichu
 
Solenidade, festa e memoria
Solenidade, festa e memoriaSolenidade, festa e memoria
Solenidade, festa e memoria
Jean
 
missal passo a passo
missal passo a passomissal passo a passo
missal passo a passo
naejanamor
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A música litúrgica formação
A música litúrgica formaçãoA música litúrgica formação
A música litúrgica formação
mbsilva1971
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
Samuel Elanio
 
Objetos Liturgicos
Objetos LiturgicosObjetos Liturgicos
Objetos Liturgicos
Maria Antonieta Silva
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
Fernando José Ribeiro dos Santos
 

Mais procurados (20)

Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
 
Paramentos ii
Paramentos iiParamentos ii
Paramentos ii
 
Missa parte por_parte
Missa parte por_parteMissa parte por_parte
Missa parte por_parte
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
 
Acólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missaAcólitos no rito da missa
Acólitos no rito da missa
 
Acolitos objeto liturgico
Acolitos objeto liturgicoAcolitos objeto liturgico
Acolitos objeto liturgico
 
Celebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana SantaCelebrações da Semana Santa
Celebrações da Semana Santa
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
 
Solenidade, festa e memoria
Solenidade, festa e memoriaSolenidade, festa e memoria
Solenidade, festa e memoria
 
missal passo a passo
missal passo a passomissal passo a passo
missal passo a passo
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
A música litúrgica formação
A música litúrgica formaçãoA música litúrgica formação
A música litúrgica formação
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
 
Objetos Liturgicos
Objetos LiturgicosObjetos Liturgicos
Objetos Liturgicos
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
 

Destaque

Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
Juliana Cristina M. Muniz
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Karina Lima
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Equipes de Pastoral Litúrgica
Equipes de Pastoral LitúrgicaEquipes de Pastoral Litúrgica
Equipes de Pastoral Litúrgica
Região Episcopal Belém
 
Encontro de Liturgia
Encontro de LiturgiaEncontro de Liturgia
Encontro de Liturgia
José Vieira Dos Santos
 
Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}
Gabriel Linhares
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Cris-Keka Mania
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
Samuel Elanio
 
Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
Juliana Cristina M. Muniz
 
Eucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do SenhorEucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do Senhor
José Vieira Dos Santos
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascal
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascalHinário para o tríduo pascal e tempo pascal
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascal
wellingtonihs
 
A Missa Explicada Por Padre Pio
A Missa Explicada Por Padre PioA Missa Explicada Por Padre Pio
A Missa Explicada Por Padre Pio
carlosedvargas
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
Catequese da Missa Tridentina - Símbolos
Catequese da Missa Tridentina - SímbolosCatequese da Missa Tridentina - Símbolos
Catequese da Missa Tridentina - Símbolos
Orlando Junior
 
Formação paroquial ii 2011 - semana santa
Formação paroquial ii  2011 - semana santaFormação paroquial ii  2011 - semana santa
Formação paroquial ii 2011 - semana santa
sidneybartolo
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
Juliana Cristina M. Muniz
 
Aula Anjo da Guarda
Aula Anjo da GuardaAula Anjo da Guarda
Aula Anjo da Guarda
Rafaella Vasconcellos
 
Primeira Eucaristia 16.09.12
Primeira Eucaristia   16.09.12Primeira Eucaristia   16.09.12
Primeira Eucaristia 16.09.12
Cateclicar
 
Missa 1 eucaristia 2012
Missa 1 eucaristia 2012Missa 1 eucaristia 2012
Missa 1 eucaristia 2012
Catequese são sebastião
 

Destaque (20)

Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Equipes de Pastoral Litúrgica
Equipes de Pastoral LitúrgicaEquipes de Pastoral Litúrgica
Equipes de Pastoral Litúrgica
 
Encontro de Liturgia
Encontro de LiturgiaEncontro de Liturgia
Encontro de Liturgia
 
Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 
Simbolos
SimbolosSimbolos
Simbolos
 
Os símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicosOs símbolos litúrgicos
Os símbolos litúrgicos
 
Eucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do SenhorEucaristia Ceia do Senhor
Eucaristia Ceia do Senhor
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascal
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascalHinário para o tríduo pascal e tempo pascal
Hinário para o tríduo pascal e tempo pascal
 
A Missa Explicada Por Padre Pio
A Missa Explicada Por Padre PioA Missa Explicada Por Padre Pio
A Missa Explicada Por Padre Pio
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
Catequese da Missa Tridentina - Símbolos
Catequese da Missa Tridentina - SímbolosCatequese da Missa Tridentina - Símbolos
Catequese da Missa Tridentina - Símbolos
 
Formação paroquial ii 2011 - semana santa
Formação paroquial ii  2011 - semana santaFormação paroquial ii  2011 - semana santa
Formação paroquial ii 2011 - semana santa
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Aula Anjo da Guarda
Aula Anjo da GuardaAula Anjo da Guarda
Aula Anjo da Guarda
 
Primeira Eucaristia 16.09.12
Primeira Eucaristia   16.09.12Primeira Eucaristia   16.09.12
Primeira Eucaristia 16.09.12
 
Missa 1 eucaristia 2012
Missa 1 eucaristia 2012Missa 1 eucaristia 2012
Missa 1 eucaristia 2012
 

Semelhante a Objetos e paramentos liturgicos 2

Formação litúrgica 2017 VS CMC
Formação litúrgica 2017 VS CMCFormação litúrgica 2017 VS CMC
Formação litúrgica 2017 VS CMC
Victor Silvestre
 
Curso basico
Curso basicoCurso basico
Curso basico
Marcos Moraes
 
Vocabulário dos Acólitos
Vocabulário dos AcólitosVocabulário dos Acólitos
Vocabulário dos Acólitos
arceuseragon
 
Formacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
Formacao_Acolitos_Paroquia_AlcobacaFormacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
Formacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
paroquiadealcobaca
 
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICAHIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
Virna Salgado Barra
 
4 paramentos-liturgicos-e-vestes
4 paramentos-liturgicos-e-vestes4 paramentos-liturgicos-e-vestes
4 paramentos-liturgicos-e-vestes
SITEclarissasmarilia
 
Hierarquia católica
Hierarquia católicaHierarquia católica
Hierarquia católica
Forte de Coimbra
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
Domingo de ramos - forma extraordinária do rito romano
Domingo de ramos -   forma extraordinária do rito romanoDomingo de ramos -   forma extraordinária do rito romano
Domingo de ramos - forma extraordinária do rito romano
Francisco Ferreira
 
Missa Solene na Forma Extraordinária do Rito Romano
Missa Solene na  Forma Extraordinária do Rito RomanoMissa Solene na  Forma Extraordinária do Rito Romano
Missa Solene na Forma Extraordinária do Rito Romano
Francisco Ferreira
 
Missa paixão cards
Missa paixão cardsMissa paixão cards
Missa paixão cards
Maria Antonieta Silva
 
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
rosenirevangelista23
 

Semelhante a Objetos e paramentos liturgicos 2 (12)

Formação litúrgica 2017 VS CMC
Formação litúrgica 2017 VS CMCFormação litúrgica 2017 VS CMC
Formação litúrgica 2017 VS CMC
 
Curso basico
Curso basicoCurso basico
Curso basico
 
Vocabulário dos Acólitos
Vocabulário dos AcólitosVocabulário dos Acólitos
Vocabulário dos Acólitos
 
Formacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
Formacao_Acolitos_Paroquia_AlcobacaFormacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
Formacao_Acolitos_Paroquia_Alcobaca
 
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICAHIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
HIERARQUIA DA IGREJA CATÓLICA
 
4 paramentos-liturgicos-e-vestes
4 paramentos-liturgicos-e-vestes4 paramentos-liturgicos-e-vestes
4 paramentos-liturgicos-e-vestes
 
Hierarquia católica
Hierarquia católicaHierarquia católica
Hierarquia católica
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
Domingo de ramos - forma extraordinária do rito romano
Domingo de ramos -   forma extraordinária do rito romanoDomingo de ramos -   forma extraordinária do rito romano
Domingo de ramos - forma extraordinária do rito romano
 
Missa Solene na Forma Extraordinária do Rito Romano
Missa Solene na  Forma Extraordinária do Rito RomanoMissa Solene na  Forma Extraordinária do Rito Romano
Missa Solene na Forma Extraordinária do Rito Romano
 
Missa paixão cards
Missa paixão cardsMissa paixão cards
Missa paixão cards
 
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
03_ALTIEREZ_DOS_SANTOS_LITURGIA_ELEMENTOS_BASICOS_PARTE_II-compactado-1.pdf
 

Último

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 

Último (15)

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 

Objetos e paramentos liturgicos 2

  • 1. AlamarFeixe usado para fechar a frente do pluvial, também pode ser chamado de "Razionale". Por vezes encontra-se o alamar no véu umeral ou nas vimpas.
  • 2. AmitoParamento usado no pescoço para cobrir a veste civil ou a batina antes de pôr a alva.
  • 3. BáculoInsígnia Episcopal que representa o cajado que o Bispo, pastor diocesano, usa para conduzir suas ovelhas.
  • 4. BarreteCardealChapéu quadrado usado pelos clérigos junto ao hábito diário e, de maneira especial, com os paramentos. Sua cor varia de acordo com o grau hierárquico do clérigo. BispoMonsenhor
  • 5. BatinaHábito talar usado pelos clérigos seculares e regulares que não possuem hábito próprio. É negra, possui 33 botões na parte central e 5 em cada manga, estendendo-se até os calcanhares.Também conhecido como Sotaina
  • 6. CáligasSapatilhas usadas pelos Bispos na forma extraordinária do rito romano.
  • 7. CamauroParamento pontifício usado com vestes corais. Consta de um pequeno gorro vermelho (ou branco) com pele de arminho.
  • 8. Capa magnaGrande capa usada pelos Bispos e Cardeais com vestes corais em sinal de solenidade. É violeta para os Bispos e vermelha para os Cardeais. Ela é presa sob a murça e sua parte posterior é segurada por um acólito que recebe o nome de caudatário. A capa magna é símbolo significativo de solenidade e jurisdição.
  • 9. CapeloChapéu negro sem ornamento usado pelos clérigos no dia-a-dia.
  • 10. CasulaManto sacerdotal usado sobre estola e alva. Seu significado remete ao caráter sacrificial da missa. Seu uso é obrigatório em todas as missas e proibido fora delas..
  • 11. ChirotecoeLuvas usadas pelos Bispos. Seguem a cor do tempo, como os demais paramentos.
  • 12. CínguloParamento usado para prender a alva junto ao corpo, símbolo da castidade.
  • 14. ClergymanParte da batina usada próxima ao pescoço, possui algumas variações, constando sempre de uma fita branca que fica mais ou menos à mostra.
  • 15. Cruz PeitoralInsígnia Episcopal que consta de um crucifixo usado com um cordão ou em corrente simples.O cordão que sustenta a cruz, em ocasiões litúrgicas (com vestes corais ou paramentos) é verde-dourado para Bispos e Arcebispos, vermelho-dourado para os cardeais e e dourado para o Papa.
  • 16. Dalmática pontificalA dalmática pontifical, possui a mesma forma da dalmática diaconal. Veste até os joelhos, com mangas mais largas que as da alva, possui duas listras verticais (clavi) e duas listras horizontais (segmentae).
  • 17. Faixa da BatinaFaixa de tecido usado pelos clérigos sobre a batina na altura do estômago.
  • 18. FanonParamento pontifício com formato semelhante ao da murça, usado sobre a casula e sob o pálio
  • 19. FerraioloCapa solene usada pelos clérigos sobre a batina em ocasiões solenes fora da liturgia como formaturas e atos cívicos, chamado também de tabarro
  • 20. FérulaObjeto semelhante ao báculo. O Sumo Pontífice usa uma em forma de cruz como insígnia. Alguns vigários usavam férula com um globo, simbolizando jurisdição.
  • 21. GaleroChapéu vermelho munido de várias borlas. Era o símbolo maior do cardinalato até sua abolição com o MotuProprio de Paulo VI.Motuproprio é uma das espécies normativas da Igreja Católica, expedido diretamente pelo próprio Papa. A expressão motuproprio poderia ser traduzida como "de sua iniciativa própria"
  • 22. Gremial consta de um "avental" de linho. Sua cor, na forma ordinária do rito romano, é sempre branca, em qualquer situação. É usado por padres e bispos em diversas circunstâncias como listamos a seguir:Imposição das cinzas na quarta-feira de cinzas; Lava-pés de quinta-feira santa Para a unção da no sacramento da crisma; Para a unção das mãos na ordenação presbiteral; Para a unção da cabeça do eleito na ordenação episcopal; Na dedicação do altar e de igreja, para as unções; Outras circunstâncias em que o sacerdote deva fazer unções estando sentado.
  • 23. Hábito TalarHábito usado pelos clérigos e religiosos ordinariamente. Exemplos são os hábitos beneditinos, franciscanos e também a batina.
  • 24. ÍnfulasTiras pendentes da parte posterior da mitra e do triregnum.
  • 25. ManícotoO manícoto é posto no punho sobre a alva, pode ser amarrado ou provido de elástico. Seu uso é mais resumido em relação ao gremial, resume-se basicamente à unção do altar, impedindo que o bispo suje a alva com o Santo Crisma ou que tenha o inconveniente que ficar segurando o punho da mesma. Usando-o, além de evitar situações constrangedoras e inconvenientes, alimenta-se à tradição litúrgica, mantendo vivo o uso de tal paramento.
  • 26. ManípuloParamento cujo formato lembra o de uma pequena estola, usado no antebraço esquerdo pelo sacerdote durante a missa.
  • 27. MantelCapa negra com mozeta usada sobre a batina ordinariamente. Antes do MotuProprio de Paulo VI podia ser violeta para os Bispos e vermelha para os CardeaisMotuproprio é uma das espécies normativas da Igreja Católica, expedido diretamente pelo próprio Papa. A expressão motuproprio poderia ser traduzida como "de sua iniciativa própria"
  • 28. MantelettaParamento usado nas vestes corais de alguns clérigos sobre roquete/sobrepeliz.
  • 29. MitraInsígnia Episcopal, usada à cabeça possui a forma de dois pentágonos unidos, munida de duas faixas na parte de trás: as ínfulas.
  • 30. MúleosSapatos vermelhos usados pelo Sumo Pontífice
  • 31. MurçaPequena sobre-capa usada nas vestes corais sobre a sobrepeliz ou o roquete e sob a cruz peitoral. Sua cor varia de acordo com o grau hierárquico do clérigo.
  • 32. PálioInsígnia Episcopal usada ao redor do pescoço pelos Arcebispos como símbolo de poder e jurisdição.
  • 33. PluvialÉ um manto amplo, aberto à frente que os clérigos usam em algumas circunstâncias. Um nome muito conhecido é "capa de asperges" recebe esse nome em função de o celebrante usar-se dela durante o rito de asperges,e recebeu ainda o nome, isto mais atualmente, de "capa de bênção" por ser usada na bênção com o Santíssimo Sacramento.
  • 34. PrelatícioChapéu ornado com borlas usado pelos clérigos. O número e a cor das borlas variam de acordo com o grau hierárquico do clérigo.
  • 35. RationaleParamento episcopal próprio de algumas Sés, usado sobre a casula e sob o pálio. "Rationale" ou "Razionale" também pode significar o feixe do pluvial (cf. Alamar)
  • 36. RoqueteTrata-se de uma "túnica" de cor branca. Geralmente feita de linho fino ou tecido semelhante. Atinge os joelhos. Distingue-se da sobrepeliz principalmente pelas mangas mais estreitas, frequentemente enfeitados com rendas. Pode ser forrada nos punhos e/ou na barra.
  • 37. SegmentaeFaixa horizontal da dalmática que une as clavi
  • 38. SobrepelizParamento semelhante a alva, curto e com mangas largas usados pelos acólitos ao servir a missa e também pelos sacerdotes em rituais que não se juntou à missa, por vários ministros no exercício de suas funções. A liturgia sempre quis colocar uma veste branca como base, à semelhança dos 24 anciãos que estão nos céus em volta do trono do Cordeiro (Ap 4, 4). Cerimoniários assistindo ao papa durante o rito do lava-pés. Observe que Mons. Guido Marini (à direita) usa sobrepeliz com renda e não roquete. Observe as mangas: são largas.RoqueteSobrepeliz
  • 39. SolidéuO solidéu é uma pequena calota que os clérigos usam na cabeça. Sendo preto para os padres, para todos os monsenhores é preto com frisos violáceos. Todo violeta para os bispos, vermelho para os cardeais e branco para o papa.
  • 40. TonacellaParamento típico dos noviços franciscanos, usado sobre a alva.
  • 41. TriregnumObjeto formado por três coroas unidas, acimado por um globo e uma cruz. Usado pelo Romano Pontífice em ocasiões solenes, fora da liturgia. Não foi abolido, porém está em desuso.
  • 42. TúnicaTúnicaEspécie de alva com gola fechada. Difere da alva pois não possui escapulárioAlva
  • 43. TunicelaParamento do Subdiácono (forma extraordinária).
  • 44. Vestes coraisConjunto de vestimentas usadas pelos clérigos ao assistir celebrações sem oficiar nelas, chegar e sair solenemente da igreja, etc.
  • 45. Véu umeralUsado para segurar o Santíssimo Sacramento, relíquias e os santos óleos, o véu umeral consta de um paramento quadrado posto sobre os ombros.
  • 46.  VimpaParamento semelhante ao véu umeral, quadrado e posto nas costas. São usadas pelo mitríferoe baculífero que portam a mitra e báculo, respectivamente. Suas cores variam conforme a cor litúrgica da cerimônia. Além do significado de respeito com as insignias episcopais, as vimpas possuem um lado prático que é evitar que o suor das mãos dos acólitos sujem ou danifiquem as insignias, mormente o tecido da mitra.