SlideShare uma empresa Scribd logo
Pré-Renascimento
Desde o século XIII, surgem manifestações precursoras do espírito humanista
que marcará o Renascimento. O processo de depuração da teologia se deve a
Santo Tomás de Aquino, cuja filosofia incorpora conceitos de Aristóteles;
Francesco Petrarca, no Cancioneiro, glorifica o amor na sua poesia lírica e fixa
a forma do soneto; Dante Alighieri faz a síntese da alma medieval com o
espírito novo; Giovanni Boccaccio, no Decamerão, faz impiedosa radiografia
da sociedade de seu tempo. Outros nomes importantes nessa fase de transição:
os poetas franceses Guilherme de Orleãs, de delicado lirismo, e François
Villon, cujo Grande testamento é um amargo testemunho sobre a condição
humana nessa época; e Geoffrey Chaucer, cujos Contos de Canterbury, em
versos, sintetizam os costumes e a cultura ingleses do século XV.

Dante Alighieri (1265-1321) nasce em Florença e por questões políticas é
obrigado a se exilar, morrendo em Ravena. Em Sobre a língua do povo, escrita
em latim para os eruditos da época, Dante defende o uso do italiano nas obras
poéticas. E é nessa língua que ele escreve a Divina Comédia, considerada a
primeira obra da literatura italiana. Esse relato, de uma viagem imaginária
pelo inferno, purgatório e paraíso, é uma alegoria do percurso do homem em
busca de si mesmo.

Giovanni Boccaccio (1313-1375) é filho de um mercador da região da
Toscana, Itália. Seu pai o faz estudar em Nápoles e Florença. Boccaccio lê os
clássicos latinos e escreve poesias. Decamerão, escrito em prosa, traz cem
histórias curtas contadas por três moças e sete rapazes que se refugiam no
campo para fugir da peste negra. Nas histórias se chocam os valores cristãos e
o espírito libertino, sinais da transição para o renascimento.
Renascimento.

Durante os séculos XV e XVI intensificou-se, na Europa, a produção artística
e científica. Esse período ficou conhecido como Renascimento ou
Renascença.

As características principais deste período são as seguintes:

   ●   Valorização da cultura greco-romana. Para os artistas da época
       renascentista, os gregos e romanos possuíam uma visão completa e
       humana da natureza, ao contrário dos homens medievais;
   ●   As qualidades mais valorizadas no ser humano passam a ser a
       inteligência, o conhecimento e o dom artístico;
   ●   Enquanto na Idade Média a vida do homem devia estar centrada em
       Deus (teocentrismo), nos séculos XV e XVI o homem passa a ser o
       principal personagem (antropocentrismo).
   ●   A razão e a natureza passam a ser valorizados com grande intensidade.
       O homem renascentista, principalmente os cientistas, passam a utilizar
       métodos experimentais e de observação da natureza e universo.


Renascimento Cultural

Durante os séculos XIV e XV as cidades italianas como, por exemplo,
Gênova, Veneza e Florença, passam a acumular grandes riquezas provenientes
do comércio. Estes ricos comerciantes começam a investir nas artes,
aumentando assim o desenvolvimento artístico e cultural. Por isso, a Itália é
conhecida como o berço do Renascimento. Porém, este movimento cultural
não se limitou à Península Itálica. Espalhou-se para outros países europeus
como, por exemplo, Inglaterra, Espanha, Portugal, França e Países Baixos.




Principais representantes do Renascimento Italiano e suas principais obras:

   ●   Michelangelo Buonarroti (1475-1564)- destacou-se em arquitetura,
       pintura e escultura.
   ●   Obras principais: Davi, Pietá, Moisés, pinturas da Capela Sistina.
●   Rafael Sanzio (1483-1520) - pintou várias madonas (representações da
    Virgem Maria com o menino Jesus).
●   Leonardo da Vinci (1452-1519)- pintor, escultor, cientista, engenheiro,
    físico, escritor, etc obras principais: Mona Lisa, Última Ceia.
Na área científica podemos mencionar a importância dos estudos de
astronomia do polonês Nicolau Copérnico. Este defendeu a revolucionária
idéia do heliocentrismo (teoria que defendia que o Sol estava no centro do
sistema solar).Copérnico também estudou os movimentos das estrelas.

Nesta mesma área, o italiano Galileu Galilei desenvolveu instrumentos
ópticos, além de construir telescópios para aprimorar o estudo celeste. Este
cientista também defendeu a idéia de que a Terra girava em torno do Sol. Este
motivo fez com que Galileu fosse perseguido, preso e condenado pela Igreja
Católica, que considerava esta idéia como sendo uma heresia. Galileu teve que
desmentir suas idéias para fugir da fogueira.


Contexto Histórico

As conquistas marítimas e o contato mercantil com a Ásia ampliaram o
comércio e a diversificação dos produtos de consumo na Europa a partir do
século XV. Com o aumento do comércio, principalmente com o Oriente,
muitos comerciantes europeus fizeram riquezas e acumularam fortunas. Com
isso, eles dispunham de condições financeiras para investir na produção
artística de escultores, pintores, músicos, arquitetos, escritores, etc.

Os governantes europeus e o clero passaram a dar proteção e ajuda financeira
aos artistas e intelectuais da época. Essa ajuda, conhecida como mecenato,
tinha por objetivo fazer com que esses mecenas (governantes e burgueses) se
tornassem mais populares entre as populações das regiões onde atuavam.
Neste período, era muito comum as famílias nobres encomendarem pinturas
(retratos) e esculturas junto aos artistas.

Foi na Península Itálica que o comércio mais se desenvolveu neste período,
dando origem a uma grande quantidade de locais de produção artística.
Cidades como, por exemplo, Veneza, Florença e Gênova tiveram um
expressivo movimento artístico e intelectual. Por este motivo, a Itália passou
a ser conhecida como o berço do Renascimento.

O Renascimento, movimento artístico, científico e literário que floresceu na
Europa entre o período corresponde à Baixa Idade Média e início da Idade
Moderna (do século XIV ao XVI). Os humanistas valorizavam os temas em
torno do homem e a busca de conhecimentos e inspiração nas obras da
antigüidade clássica.

Os humanistas consideravam a Idade Média um período de "Trevas
Culturais", por terem sido esquecidos os modelos da cultura greco-latina. O
pensamento medieval, dominado pela religião, cede lugar a uma cultura
voltada para os valores do indivíduo. Os artistas, inspirando-se uma vez mais
no legado clássico grego, buscam as dimensões ideais da figura humana e a
representação fiel da realidade. Embora grandes admiradores da cultura
clássica, os artistas e intelectuais do Renascimento, adquirindo maior
confiança na sua própria capacidade, não se limitaram a imitar os modelos
antigos passaram a buscar inspiração na natureza que os cercava.

Esse movimento, cujo berço foi a Itália, teve em Florença e Roma seus dois
centros mais importantes.

E pode ser dividido em Duocento (1200 a 1299), Trecento (1300 a 1399),
Quattrocento (1400 a 1499) e Cinquecento (1500 a 1599).
IMPRESSIONISMO

O   Impressionismo      foi   um    movimento   artístico   que   revolucionou
profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século
XX. Havia algumas considerações gerais, muito mais práticas do que teóricas,
que os artistas seguiam em seus procedimentos técnicos para obter os
resultados que caracterizaram a pintura impressionista.

Principais características da pintura:

* A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a
luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam
constantemente, dependendo da incidência da luz do sol.

* As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do
ser humano para representar imagens.

* As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual
que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam
representá-las no passado.
* Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das
cores complementares. Assim, um amarelo próximo a um violeta produz uma
impressão de luz e de sombra muito mais real do que o claro-escuro tão
valorizado pelos pintores barrocos.

* As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na
paleta do pintor. Pelo contrário, devem ser puras e dissociadas nos quadros em
pequenas pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as
várias cores, obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser
técnica para se óptica.

A primeira vez que o público teve contato com a obra dos impressionistas foi
numa exposição coletiva realizada em Paris, em abril de 1874. Mas o público
e a crítica reagiram muito mal ao novo movimento, pois ainda se mantinham
fiéis aos princípios acadêmicos da pintura.
Claude Monet - incessante pesquisador da luz e seus efeitos pintou vários
motivos em diversas horas do dia, a fim de estudar as mutações coloridas do
ambiente com sua luminosidade.




Auguste Renoir foi o pintor impressionista que ganhou maior popularidade e
chegou mesmo a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros
manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do
fim do século XIX. Pintou o corpo feminino com formas puras e isentas de
erotismo e sensualidade, preferia os nus ao ar livre, as composições com
personagens do cotidiano, os retratos e as naturezas mortas.




Edgar Degas sua formação acadêmica e sua admiração por Ingres fizeram com
que valorizasse o desenho e não apenas a cor, que era a grande paixão do
Impressionismo. Além disso, foi pintor de poucas paisagens e cenas ao ar
livre. Os ambientes de seus quadros são interiores e a luz é artificial. Sua
grande preocupação era flagrar um instante da vida das pessoas, aprender um
momento do movimento de um corpo ou da expressão de um rosto. Adorava o
teatro de bailados
DADAÍSMO


Formado em 1916 em Zurique por jovens franceses e alemães que, se
tivessem permanecido em seus respectivos países, teriam sido convocados
para o serviço militar, o Dada foi um movimento de negação. Durante a
Primeira Guerra Mundial, artistas de várias nacionalidades, exilados na Suíça,
eram contrários ao envolvimento dos seus próprios países na guerra.

Fundaram um movimento literário para expressar suas decepções em relação a
incapacidade da ciências, religião, filosofia que se revelaram pouco eficazes
em evitar a destruição da Europa. A palavra Dada foi descoberta
acidentalmente por Hugo Ball e por Tzara Tristan num dicionário alemão-
francês. Dada é uma palavra francesa que significa na linguagem infantil
"cavalo de pau". Esse nome escolhido não fazia sentido, assim como a arte
que perdera todo o sentido diante da irracionalidade da guerra.

Sua proposta é que a arte ficasse solta das amarras racionalistas e fosse apenas
o resultado do automatismo psíquico, selecionado e combinando elementos
por acaso. Sendo a negação total da cultura, o Dadaísmo defende o absurdo, a
incoerência, a desordem, o caos. Politicamente , firma-se como um protesto
contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra.

Ready-Made significa confeccionado, pronto. Expressão criada em 1913 pelo
artista francês Marcel Duchamp para designar qualquer objeto manufaturado
de consumo popular, tratado como objeto de arte por opção do artista.

O fim do Dada como atividade de grupo ocorreu por volta de 1921.

Características principais do dadaísmo:


- Objetos comuns do cotidiano são apresentados de uma nova forma e dentro
de um contexto artístico;

- Irreverência artística;

- Combate às formas de arte institucionalizadas;

- Crítica ao capitalismo e ao consumismo;

- Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem lógica;

- Uso de vários formatos de expressão (objetos do cotidiano, sons, fotografias,
poesias, músicas, jornais, etc.) na composição das obras de artes plásticas;
- Forte caráter pessimista e irônico, principalmente com relação aos
acontecimentos políticos do mundo.

Nega totalmente:

a razão;

a arte tradicional;

a literatura tradicional;

- Proclama:

a espontaneidade;

o acaso;

a dúvida absoluta;

o primado dúvida absoluta;

o primado do instinto, do inconsciente, do radicalismo e do individualismo;

- O único princípio programático admitido é a incoerência;

Curiosidade - Receita para fazer um poema dadaísta:

   1.   Pegue num jornal.
   2.   Pegue numa tesoura.
   3.   Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar ao seu
        poema.
   4.   Recorte o artigo.
   5.   Recorte em seguida, com atenção, algumas palavras que formam esse
        artigo e meta-as num saco.
   6.   Agite suavemente.
   7.   Tire em seguida cada pedaço um após o outro.
   8.   Copie, precisamente, na ordem em que elas são tiradas do saco.
9.   O poema está concluido.




Principais artistas:
Marcel Duchamp (1887-1968), pintor e escultor francês, sua arte abriu
caminho para movimentos como a pop art e a op art das décadas de 1950 e
1960. Reinterpretou o cubismo a sua maneira, interessando-se pelo
movimento das formas.

O experimentalismo e a provocação o conduziram a idéias radicais em arte,
antes do surgimento do grupo Dada (Zurique, 1916). Criou os ready-mades,
objetos escolhidos ao acaso, e que, após leve intervenção e receberem um
título, adquiriam a condição de objeto de arte.
Em 1917 foi rejeitado ao enviar a uma mostra um urinol de louça que chamou
de "Fonte". Depois fez interferências (pintou bigodes na Mona Lisa, para
demonstrar seu desprezo pela arte tradicional), inventou mecanismos ópticos.
Man Ray (1890-1976, americano, nome real Emmanuel Radnitzky) – A
pintura, seu primeiro quadro (1913) é cubista, assim como o cinema, quatro
curta-metragens produzidos na década de 40, sempre andaram a reboque da
grande paixão que Man Ray tinha pela fotografia. Era um experimentalista por
excelência. Mesmo sem deixar a sua paixão de lado, funda, em 1915, a
primeira revista dadaísta dos Estados Unidos, The Ridgefield Gazook, e, em
1921, participa da primeira Exposição Surrealista de Fotos, em Paris. E,
tentando enquadrar a fotografia na categoria de arte, escreve, em 1937, o livro
Fotografia não é Arte?
Fazia, assim, uma provocação tipicamente dadaísta à sociedade da época. Man
Ray trabalhou, a exemplo da arte pictórica do século IX, em três gêneros:
natureza morta, paisagem e retrato. Lidando com os princípios básicos da
fotografia, ele inova, busca relevo, a terceira dimensão e, para alcançar isso,
começa a usar a raio grafia, uma técnica em que objetos são colocados sobre o
papel fotográfico em um quarto escuro e expostos à luz sem utilização da
câmera.
Man Ray foi, na verdade, o grande defensor da fotografia como arte, uma
espécie de artesão conceitual, sempre brincando com uma consciência por trás
das coisas                                    em busca da metáfora e não
simplesmente jogando elementos.



Bibliografia:
HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins
Fontes, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cubismo y neoplastisismo
Cubismo y neoplastisismoCubismo y neoplastisismo
Cubismo y neoplastisismo
Alejandro Moreno
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
Escultura Neoclássica
Escultura NeoclássicaEscultura Neoclássica
Escultura Neoclássica
Hca Faro
 
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquetTema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
Marta López
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - Rodin
Carlos Pinheiro
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
Edenilson Morais
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
Ana Barreiros
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
Iga Almeida
 
Arquitectura neoclásica en Montevideo
Arquitectura neoclásica en MontevideoArquitectura neoclásica en Montevideo
Arquitectura neoclásica en Montevideo
Mónica Salandrú
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
15.1 VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
15.1  VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo15.1  VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
15.1 VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
manuel G. GUERRERO
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
Ana Barreiros
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura Renascentista
DeaaSouza
 
2º fundamentos11
2º fundamentos112º fundamentos11
2º fundamentos11
María José Gómez Redondo
 
Escultura romántica y realista
Escultura romántica y realistaEscultura romántica y realista
Escultura romántica y realista
Mónica Salandrú
 
Arquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimentoArquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimento
luisaprof
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
Alexandre Amorim
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
Karyn XP
 

Mais procurados (20)

Cubismo y neoplastisismo
Cubismo y neoplastisismoCubismo y neoplastisismo
Cubismo y neoplastisismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Escultura Neoclássica
Escultura NeoclássicaEscultura Neoclássica
Escultura Neoclássica
 
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquetTema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
Tema 9. el gótico (arquitectura). a. casquet
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - Rodin
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
 
Arquitectura neoclásica en Montevideo
Arquitectura neoclásica en MontevideoArquitectura neoclásica en Montevideo
Arquitectura neoclásica en Montevideo
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
 
15.1 VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
15.1  VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo15.1  VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
15.1 VANGUARDIAS HISTÓRICAS. Fauvimso, cubismo, expresionismo
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura Renascentista
 
2º fundamentos11
2º fundamentos112º fundamentos11
2º fundamentos11
 
Escultura romántica y realista
Escultura romántica y realistaEscultura romántica y realista
Escultura romántica y realista
 
Arquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimentoArquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimento
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
 

Destaque

CHARLAS XAVIER FONTENLA
CHARLAS XAVIER FONTENLACHARLAS XAVIER FONTENLA
CHARLAS XAVIER FONTENLA
lacorsos
 
Pintores del cuattrocento
Pintores del cuattrocentoPintores del cuattrocento
Pintores del cuattrocento
lacorsos
 
ESCULTORES 400
ESCULTORES 400ESCULTORES 400
ESCULTORES 400
lacorsos
 
Fédon e a palavra1
Fédon e a palavra1Fédon e a palavra1
Fédon e a palavra1
greghouse48
 
Giotto
GiottoGiotto
Giotto
lacorsos
 
Trabalho - Renascimento
Trabalho - RenascimentoTrabalho - Renascimento
Trabalho - Renascimento
Felipe B. Vianna
 

Destaque (6)

CHARLAS XAVIER FONTENLA
CHARLAS XAVIER FONTENLACHARLAS XAVIER FONTENLA
CHARLAS XAVIER FONTENLA
 
Pintores del cuattrocento
Pintores del cuattrocentoPintores del cuattrocento
Pintores del cuattrocento
 
ESCULTORES 400
ESCULTORES 400ESCULTORES 400
ESCULTORES 400
 
Fédon e a palavra1
Fédon e a palavra1Fédon e a palavra1
Fédon e a palavra1
 
Giotto
GiottoGiotto
Giotto
 
Trabalho - Renascimento
Trabalho - RenascimentoTrabalho - Renascimento
Trabalho - Renascimento
 

Semelhante a Pré renascimento

3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
Cibeli Soares Leite
 
camoes
camoescamoes
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
alexandroschmitt
 
Renascimento2
Renascimento2Renascimento2
Renascimento2
carmelguerreiro
 
Aula 08 renascimento
Aula 08 renascimentoAula 08 renascimento
Aula 08 renascimento
Elizeu Nascimento Silva
 
Renascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptxRenascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptx
CarlosHenriqueAveiro1
 
Características do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué limaCaracterísticas do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué lima
Josué Bezerra de Lima
 
História da arte renascimento
História da arte   renascimentoHistória da arte   renascimento
História da arte renascimento
Ana Cristina D Assumpcão
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Priscila Barbosa
 
Cultura renascentista.ppt
Cultura renascentista.pptCultura renascentista.ppt
Cultura renascentista.ppt
MauricioFraga5
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
José Ferreira
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
Alcir Costa
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Grazi Oliveira
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
Biany Lima Lima
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
Patrick Von Braun
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
marlete andrade
 
Aula 4- Renascimento cultural.pptx
Aula 4- Renascimento cultural.pptxAula 4- Renascimento cultural.pptx
Aula 4- Renascimento cultural.pptx
RobsonAbreuProfessor
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Ronaldocalho
 
Renascimento 2019ok
Renascimento 2019okRenascimento 2019ok
Renascimento 2019ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Semelhante a Pré renascimento (20)

3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
 
camoes
camoescamoes
camoes
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Renascimento2
Renascimento2Renascimento2
Renascimento2
 
Aula 08 renascimento
Aula 08 renascimentoAula 08 renascimento
Aula 08 renascimento
 
Renascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptxRenascimento Cultural.ppt.pptx
Renascimento Cultural.ppt.pptx
 
Características do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué limaCaracterísticas do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué lima
 
História da arte renascimento
História da arte   renascimentoHistória da arte   renascimento
História da arte renascimento
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Cultura renascentista.ppt
Cultura renascentista.pptCultura renascentista.ppt
Cultura renascentista.ppt
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
 
Aula 4- Renascimento cultural.pptx
Aula 4- Renascimento cultural.pptxAula 4- Renascimento cultural.pptx
Aula 4- Renascimento cultural.pptx
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Renascimento 2019ok
Renascimento 2019okRenascimento 2019ok
Renascimento 2019ok
 

Mais de greghouse48

Teócrito e o pensamento1
Teócrito e o pensamento1Teócrito e o pensamento1
Teócrito e o pensamento1
greghouse48
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
greghouse48
 
Poesia concreta..docx
Poesia concreta..docxPoesia concreta..docx
Poesia concreta..docx
greghouse48
 
Poesia concreta..docx
Poesia concreta..docxPoesia concreta..docx
Poesia concreta..docx
greghouse48
 
Aspectos antro at estruturadas brasil.docx
Aspectos antro at estruturadas brasil.docxAspectos antro at estruturadas brasil.docx
Aspectos antro at estruturadas brasil.docx
greghouse48
 
Plano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofiaPlano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofia
greghouse48
 
Folha de rosto
Folha de rostoFolha de rosto
Folha de rosto
greghouse48
 
As origens da filosofia
As origens da filosofiaAs origens da filosofia
As origens da filosofia
greghouse48
 
Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011
greghouse48
 
Oficina literária conceitos.
Oficina literária   conceitos.Oficina literária   conceitos.
Oficina literária conceitos.
greghouse48
 
Basílio da gama o uraguai
Basílio da gama   o uraguaiBasílio da gama   o uraguai
Basílio da gama o uraguai
greghouse48
 
Exercícios registros linguísticos
Exercícios registros linguísticosExercícios registros linguísticos
Exercícios registros linguísticos
greghouse48
 
Exercícios funções da linguagem
Exercícios funções da linguagemExercícios funções da linguagem
Exercícios funções da linguagem
greghouse48
 
Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011
greghouse48
 
Atividade filos2011
Atividade filos2011Atividade filos2011
Atividade filos2011
greghouse48
 

Mais de greghouse48 (16)

Teócrito e o pensamento1
Teócrito e o pensamento1Teócrito e o pensamento1
Teócrito e o pensamento1
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
 
O cortiço i
O cortiço iO cortiço i
O cortiço i
 
Poesia concreta..docx
Poesia concreta..docxPoesia concreta..docx
Poesia concreta..docx
 
Poesia concreta..docx
Poesia concreta..docxPoesia concreta..docx
Poesia concreta..docx
 
Aspectos antro at estruturadas brasil.docx
Aspectos antro at estruturadas brasil.docxAspectos antro at estruturadas brasil.docx
Aspectos antro at estruturadas brasil.docx
 
Plano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofiaPlano de aula e plano de ensino filosofia
Plano de aula e plano de ensino filosofia
 
Folha de rosto
Folha de rostoFolha de rosto
Folha de rosto
 
As origens da filosofia
As origens da filosofiaAs origens da filosofia
As origens da filosofia
 
Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011
 
Oficina literária conceitos.
Oficina literária   conceitos.Oficina literária   conceitos.
Oficina literária conceitos.
 
Basílio da gama o uraguai
Basílio da gama   o uraguaiBasílio da gama   o uraguai
Basílio da gama o uraguai
 
Exercícios registros linguísticos
Exercícios registros linguísticosExercícios registros linguísticos
Exercícios registros linguísticos
 
Exercícios funções da linguagem
Exercícios funções da linguagemExercícios funções da linguagem
Exercícios funções da linguagem
 
Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011Atividade estr filos2011
Atividade estr filos2011
 
Atividade filos2011
Atividade filos2011Atividade filos2011
Atividade filos2011
 

Pré renascimento

  • 1. Pré-Renascimento Desde o século XIII, surgem manifestações precursoras do espírito humanista que marcará o Renascimento. O processo de depuração da teologia se deve a Santo Tomás de Aquino, cuja filosofia incorpora conceitos de Aristóteles; Francesco Petrarca, no Cancioneiro, glorifica o amor na sua poesia lírica e fixa a forma do soneto; Dante Alighieri faz a síntese da alma medieval com o espírito novo; Giovanni Boccaccio, no Decamerão, faz impiedosa radiografia da sociedade de seu tempo. Outros nomes importantes nessa fase de transição: os poetas franceses Guilherme de Orleãs, de delicado lirismo, e François Villon, cujo Grande testamento é um amargo testemunho sobre a condição humana nessa época; e Geoffrey Chaucer, cujos Contos de Canterbury, em versos, sintetizam os costumes e a cultura ingleses do século XV. Dante Alighieri (1265-1321) nasce em Florença e por questões políticas é obrigado a se exilar, morrendo em Ravena. Em Sobre a língua do povo, escrita em latim para os eruditos da época, Dante defende o uso do italiano nas obras poéticas. E é nessa língua que ele escreve a Divina Comédia, considerada a primeira obra da literatura italiana. Esse relato, de uma viagem imaginária pelo inferno, purgatório e paraíso, é uma alegoria do percurso do homem em busca de si mesmo. Giovanni Boccaccio (1313-1375) é filho de um mercador da região da Toscana, Itália. Seu pai o faz estudar em Nápoles e Florença. Boccaccio lê os clássicos latinos e escreve poesias. Decamerão, escrito em prosa, traz cem histórias curtas contadas por três moças e sete rapazes que se refugiam no campo para fugir da peste negra. Nas histórias se chocam os valores cristãos e o espírito libertino, sinais da transição para o renascimento.
  • 2. Renascimento. Durante os séculos XV e XVI intensificou-se, na Europa, a produção artística e científica. Esse período ficou conhecido como Renascimento ou Renascença. As características principais deste período são as seguintes: ● Valorização da cultura greco-romana. Para os artistas da época renascentista, os gregos e romanos possuíam uma visão completa e humana da natureza, ao contrário dos homens medievais; ● As qualidades mais valorizadas no ser humano passam a ser a inteligência, o conhecimento e o dom artístico; ● Enquanto na Idade Média a vida do homem devia estar centrada em Deus (teocentrismo), nos séculos XV e XVI o homem passa a ser o principal personagem (antropocentrismo). ● A razão e a natureza passam a ser valorizados com grande intensidade. O homem renascentista, principalmente os cientistas, passam a utilizar métodos experimentais e de observação da natureza e universo. Renascimento Cultural Durante os séculos XIV e XV as cidades italianas como, por exemplo, Gênova, Veneza e Florença, passam a acumular grandes riquezas provenientes
  • 3. do comércio. Estes ricos comerciantes começam a investir nas artes, aumentando assim o desenvolvimento artístico e cultural. Por isso, a Itália é conhecida como o berço do Renascimento. Porém, este movimento cultural não se limitou à Península Itálica. Espalhou-se para outros países europeus como, por exemplo, Inglaterra, Espanha, Portugal, França e Países Baixos. Principais representantes do Renascimento Italiano e suas principais obras: ● Michelangelo Buonarroti (1475-1564)- destacou-se em arquitetura, pintura e escultura. ● Obras principais: Davi, Pietá, Moisés, pinturas da Capela Sistina.
  • 4.
  • 5. Rafael Sanzio (1483-1520) - pintou várias madonas (representações da Virgem Maria com o menino Jesus).
  • 6. Leonardo da Vinci (1452-1519)- pintor, escultor, cientista, engenheiro, físico, escritor, etc obras principais: Mona Lisa, Última Ceia.
  • 7.
  • 8. Na área científica podemos mencionar a importância dos estudos de astronomia do polonês Nicolau Copérnico. Este defendeu a revolucionária idéia do heliocentrismo (teoria que defendia que o Sol estava no centro do sistema solar).Copérnico também estudou os movimentos das estrelas. Nesta mesma área, o italiano Galileu Galilei desenvolveu instrumentos ópticos, além de construir telescópios para aprimorar o estudo celeste. Este cientista também defendeu a idéia de que a Terra girava em torno do Sol. Este motivo fez com que Galileu fosse perseguido, preso e condenado pela Igreja Católica, que considerava esta idéia como sendo uma heresia. Galileu teve que desmentir suas idéias para fugir da fogueira. Contexto Histórico As conquistas marítimas e o contato mercantil com a Ásia ampliaram o comércio e a diversificação dos produtos de consumo na Europa a partir do século XV. Com o aumento do comércio, principalmente com o Oriente, muitos comerciantes europeus fizeram riquezas e acumularam fortunas. Com isso, eles dispunham de condições financeiras para investir na produção artística de escultores, pintores, músicos, arquitetos, escritores, etc. Os governantes europeus e o clero passaram a dar proteção e ajuda financeira aos artistas e intelectuais da época. Essa ajuda, conhecida como mecenato, tinha por objetivo fazer com que esses mecenas (governantes e burgueses) se tornassem mais populares entre as populações das regiões onde atuavam. Neste período, era muito comum as famílias nobres encomendarem pinturas (retratos) e esculturas junto aos artistas. Foi na Península Itálica que o comércio mais se desenvolveu neste período, dando origem a uma grande quantidade de locais de produção artística.
  • 9. Cidades como, por exemplo, Veneza, Florença e Gênova tiveram um expressivo movimento artístico e intelectual. Por este motivo, a Itália passou a ser conhecida como o berço do Renascimento. O Renascimento, movimento artístico, científico e literário que floresceu na Europa entre o período corresponde à Baixa Idade Média e início da Idade Moderna (do século XIV ao XVI). Os humanistas valorizavam os temas em torno do homem e a busca de conhecimentos e inspiração nas obras da antigüidade clássica. Os humanistas consideravam a Idade Média um período de "Trevas Culturais", por terem sido esquecidos os modelos da cultura greco-latina. O pensamento medieval, dominado pela religião, cede lugar a uma cultura voltada para os valores do indivíduo. Os artistas, inspirando-se uma vez mais no legado clássico grego, buscam as dimensões ideais da figura humana e a representação fiel da realidade. Embora grandes admiradores da cultura clássica, os artistas e intelectuais do Renascimento, adquirindo maior confiança na sua própria capacidade, não se limitaram a imitar os modelos antigos passaram a buscar inspiração na natureza que os cercava. Esse movimento, cujo berço foi a Itália, teve em Florença e Roma seus dois centros mais importantes. E pode ser dividido em Duocento (1200 a 1299), Trecento (1300 a 1399), Quattrocento (1400 a 1499) e Cinquecento (1500 a 1599).
  • 10. IMPRESSIONISMO O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX. Havia algumas considerações gerais, muito mais práticas do que teóricas, que os artistas seguiam em seus procedimentos técnicos para obter os resultados que caracterizaram a pintura impressionista. Principais características da pintura: * A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol. * As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser humano para representar imagens. * As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-las no passado.
  • 11. * Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das cores complementares. Assim, um amarelo próximo a um violeta produz uma impressão de luz e de sombra muito mais real do que o claro-escuro tão valorizado pelos pintores barrocos. * As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta do pintor. Pelo contrário, devem ser puras e dissociadas nos quadros em pequenas pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser técnica para se óptica. A primeira vez que o público teve contato com a obra dos impressionistas foi numa exposição coletiva realizada em Paris, em abril de 1874. Mas o público e a crítica reagiram muito mal ao novo movimento, pois ainda se mantinham fiéis aos princípios acadêmicos da pintura.
  • 12. Claude Monet - incessante pesquisador da luz e seus efeitos pintou vários motivos em diversas horas do dia, a fim de estudar as mutações coloridas do ambiente com sua luminosidade. Auguste Renoir foi o pintor impressionista que ganhou maior popularidade e chegou mesmo a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do fim do século XIX. Pintou o corpo feminino com formas puras e isentas de
  • 13. erotismo e sensualidade, preferia os nus ao ar livre, as composições com personagens do cotidiano, os retratos e as naturezas mortas. Edgar Degas sua formação acadêmica e sua admiração por Ingres fizeram com que valorizasse o desenho e não apenas a cor, que era a grande paixão do Impressionismo. Além disso, foi pintor de poucas paisagens e cenas ao ar livre. Os ambientes de seus quadros são interiores e a luz é artificial. Sua grande preocupação era flagrar um instante da vida das pessoas, aprender um momento do movimento de um corpo ou da expressão de um rosto. Adorava o teatro de bailados
  • 14. DADAÍSMO Formado em 1916 em Zurique por jovens franceses e alemães que, se tivessem permanecido em seus respectivos países, teriam sido convocados para o serviço militar, o Dada foi um movimento de negação. Durante a Primeira Guerra Mundial, artistas de várias nacionalidades, exilados na Suíça, eram contrários ao envolvimento dos seus próprios países na guerra. Fundaram um movimento literário para expressar suas decepções em relação a incapacidade da ciências, religião, filosofia que se revelaram pouco eficazes
  • 15. em evitar a destruição da Europa. A palavra Dada foi descoberta acidentalmente por Hugo Ball e por Tzara Tristan num dicionário alemão- francês. Dada é uma palavra francesa que significa na linguagem infantil "cavalo de pau". Esse nome escolhido não fazia sentido, assim como a arte que perdera todo o sentido diante da irracionalidade da guerra. Sua proposta é que a arte ficasse solta das amarras racionalistas e fosse apenas o resultado do automatismo psíquico, selecionado e combinando elementos por acaso. Sendo a negação total da cultura, o Dadaísmo defende o absurdo, a incoerência, a desordem, o caos. Politicamente , firma-se como um protesto contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra. Ready-Made significa confeccionado, pronto. Expressão criada em 1913 pelo artista francês Marcel Duchamp para designar qualquer objeto manufaturado de consumo popular, tratado como objeto de arte por opção do artista. O fim do Dada como atividade de grupo ocorreu por volta de 1921. Características principais do dadaísmo: - Objetos comuns do cotidiano são apresentados de uma nova forma e dentro de um contexto artístico; - Irreverência artística; - Combate às formas de arte institucionalizadas; - Crítica ao capitalismo e ao consumismo; - Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem lógica; - Uso de vários formatos de expressão (objetos do cotidiano, sons, fotografias, poesias, músicas, jornais, etc.) na composição das obras de artes plásticas;
  • 16. - Forte caráter pessimista e irônico, principalmente com relação aos acontecimentos políticos do mundo. Nega totalmente: a razão; a arte tradicional; a literatura tradicional; - Proclama: a espontaneidade; o acaso; a dúvida absoluta; o primado dúvida absoluta; o primado do instinto, do inconsciente, do radicalismo e do individualismo; - O único princípio programático admitido é a incoerência; Curiosidade - Receita para fazer um poema dadaísta: 1. Pegue num jornal. 2. Pegue numa tesoura. 3. Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar ao seu poema. 4. Recorte o artigo. 5. Recorte em seguida, com atenção, algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco. 6. Agite suavemente. 7. Tire em seguida cada pedaço um após o outro. 8. Copie, precisamente, na ordem em que elas são tiradas do saco.
  • 17. 9. O poema está concluido. Principais artistas: Marcel Duchamp (1887-1968), pintor e escultor francês, sua arte abriu caminho para movimentos como a pop art e a op art das décadas de 1950 e 1960. Reinterpretou o cubismo a sua maneira, interessando-se pelo movimento das formas. O experimentalismo e a provocação o conduziram a idéias radicais em arte, antes do surgimento do grupo Dada (Zurique, 1916). Criou os ready-mades, objetos escolhidos ao acaso, e que, após leve intervenção e receberem um título, adquiriam a condição de objeto de arte. Em 1917 foi rejeitado ao enviar a uma mostra um urinol de louça que chamou de "Fonte". Depois fez interferências (pintou bigodes na Mona Lisa, para demonstrar seu desprezo pela arte tradicional), inventou mecanismos ópticos.
  • 18. Man Ray (1890-1976, americano, nome real Emmanuel Radnitzky) – A pintura, seu primeiro quadro (1913) é cubista, assim como o cinema, quatro curta-metragens produzidos na década de 40, sempre andaram a reboque da grande paixão que Man Ray tinha pela fotografia. Era um experimentalista por excelência. Mesmo sem deixar a sua paixão de lado, funda, em 1915, a primeira revista dadaísta dos Estados Unidos, The Ridgefield Gazook, e, em 1921, participa da primeira Exposição Surrealista de Fotos, em Paris. E, tentando enquadrar a fotografia na categoria de arte, escreve, em 1937, o livro Fotografia não é Arte? Fazia, assim, uma provocação tipicamente dadaísta à sociedade da época. Man Ray trabalhou, a exemplo da arte pictórica do século IX, em três gêneros: natureza morta, paisagem e retrato. Lidando com os princípios básicos da fotografia, ele inova, busca relevo, a terceira dimensão e, para alcançar isso, começa a usar a raio grafia, uma técnica em que objetos são colocados sobre o papel fotográfico em um quarto escuro e expostos à luz sem utilização da câmera. Man Ray foi, na verdade, o grande defensor da fotografia como arte, uma espécie de artesão conceitual, sempre brincando com uma consciência por trás
  • 19. das coisas em busca da metáfora e não simplesmente jogando elementos. Bibliografia: HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2009.