SlideShare uma empresa Scribd logo
Receita pública
CONCEITO
A Receita Pública é o valor em dinheiro administrado pelo Tesouro Nacional usado para
pagar as despesas e investimentos públicos. É o resultado dos impostos, taxas,
contribuições e outras fontes redirecionados para as despesas públicas. Ela é formada
pelos tributos pagos pelos cidadãos e pelos empréstimos feitos pelo Governo. Sendo
assim, as receitas públicas podem constituir-se em originárias ou derivadas.
Receitas Originárias: são as provenientes do patrimônio estatal.
Receitas Derivadas: são provenientes através do Estado por meio de tributos e multas.
A receita pública também pode ser dividida em efetiva e não-efetiva. A primeira é aquela
em que os recursos não são obrigações e dessa forma mudam a condição líquida
patrimonial, ou seja, é a que provêm do próprio setor público como os impostos. Já a não-
efetiva refere-se aos recursos que não mudam a condição líquida patrimonial e não são da
arrecadação, como as operações de crédito. Podem ser classificados três tipos de receitas
públicas: cobrança de tributos, prestação de serviços e venda de materiais.
Classificação da Receita Pública
Receitas Orçamentárias e Extra-orçamentárias
A receita pública pode ter natureza orçamentária, quando os recursos não serão
restituídos posteriormente ou natureza extra-orçamentária, quando os recursos deverão
ser devolvidos.
Receita Orçamentária: Fonte de recursos que são do Estado e que não serão devolvidos.
São usados nas despesas públicas e podem ser previstas na lei orçamentária anual.
Receita Extra-Orçamentária: São patrimônios que serão devolvidos futuramente, pois se
tratam de recursos transitórios do Estado e que não podem ser previstos no orçamento. É
usado para pagar as despesas extra-orçamentárias e podem ser convertidas em
orçamentárias no momento em que o Estado consegue se beneficiar de decisões
administrativas favoráveis.
Classificação da Receita Pública
Receitas Orçamentárias e Extra-orçamentárias
A receita pública pode ter natureza orçamentária, quando os recursos não serão
restituídos posteriormente ou natureza extra-orçamentária, quando os recursos deverão
ser devolvidos.
Receita Orçamentária: Fonte de recursos que são do Estado e que não serão devolvidos.
São usados nas despesas públicas e podem ser previstas na lei orçamentária anual.
Receita Extra-Orçamentária: São patrimônios que serão devolvidos futuramente, pois se
tratam de recursos transitórios do Estado e que não podem ser previstos no orçamento. É
usado para pagar as despesas extra-orçamentárias e podem ser convertidas em
orçamentárias no momento em que o Estado consegue se beneficiar de decisões
administrativas favoráveis.
Quanto à Natureza
In Natura: Prestação de serviço e obrigações ao Estado sem pagamento financeiro. Ex:
Alistamento e serviço militar.
Em serviços: Pagamento de obrigações utilizando dinheiro.
Quanto à Aplicação
Receita Geral: Refere-se a uma receita sem destino anteriormente definido, como os
impostos em geral.
Receita Especial: Receita com um destino já definido.
Quanto à Categoria Econômica
Efetiva: Situação que faz crescer a situação líquida patrimonial fundindo-se ao patrimônio
público e não representa uma obrigação do poder público.
Não-efetiva: Não muda a situação líquida patrimonial.
Receitas correntes
Receitas em que não há uma cobrança financeira em relação ao Estado.
Receita Tributária: Corresponde aos tributos relacionados a legislação tributária:
contribuições, taxas e impostos.
Receitas de Contribuições: Está relacionada as receitas de caráter social e as de caráter
econômico. São analisadas como encargos parafiscais.
Receita Patrimonial: Surge por meio do uso econômico do patrimônio público como juros e
dividendos.
Receita Agropecuária: Resultado da exploração das atividades agropecuárias.
Receita Industrial: Resultado das atividades industriais como serviços de utilidade pública,
construção civil e extrativismo mineral.
Receita de Serviços: Resultante das seguintes atividades: meios de transporte, serviços,
comércio, serviços educacionais, etc.
Transferências Correntes: São recursos financeiros concebidos por pessoas jurídicas ou
físicas e que são utilizadas no atendimento de Despesas Correntes. Isso é importante para
compreender a origem da receita e sua destinação.
Outras Receitas Correntes: São receitas que não se adequam aos já citados
anteriormente. Ex: juros de mora, multas, cobrança da dívida ativa, etc.
Receitas de capital
Receitas que surgem através de recursos financeiros que surgem da contração de dívidas.
Operações de Crédito: Está relacionada com a obtenção de recursos com o intuito de
suprir disparidades orçamentárias ou financiar obras públicas. São essas operações de
crédito que cobrem déficits orçamentários.
Alienação de Bens: Está correlacionada com alienação de bens patrimoniais como imóveis
e ações.
Amortização de Empréstimos: A amortização de empréstimos é considerada uma receita
de capital.
Transferências de Capital: Estão associadas as Despesas de Capital e nela devem ser
aplicadas.
Outras Receitas de Capital: Estão relacionadas com as Receitas de Capital que não
podem ser classificadas em outras fontes.
Quanto a Duração
Ordinária: Receitas periódicas responsáveis pelo abastecimento dos cofres públicos,
como os impostos.
Ex: Impostos e taxas regulares.
Extraordinárias: Receitas esporádicas que entram apenas eventualmente nos cofres
público.
Ex: IEG, empréstimos compulsórios e doações.
Quanto a Fonte
Originárias: São as que surgem através do próprio patrimônio do Estado. Ele produz os
bens e serviços e realiza atividades parecidas com as do setor privado. Ocorrem sob a
vontade do Estado e do setor privado. Exemplo: venda de combustíveis.
Derivadas: Procede do patrimônio dos contribuintes, por meio de autorização do Estado.
Essas receitas surgem através de empresas privadas e a renda de determinadas pessoas
que devem pagar tributos, penalidades, apreensões, etc. Mistas: Receita proveniente das
empresas públicas.
Espécies da Receita Pública
Domínio Público
São as concentradas e permanentes no Estado. Além disso, são caracterizadas como
patrimônio da União, dos Estados e municípios. São bens que não são convertidos em
renda e que não podem ser vendidos. Exemplos: escolas, hospitais, etc.
Domínio Privado
São as que pertencem ao Estado e geram renda. Eles satisfazem as necessidades
públicas, não prescrevem e não são passíveis de propriedade exclusiva ou privada.
Estágios da Receita Pública
A receita pública deve ocorrer por meio de uma sequência de ações para auxiliar a entrada
dos recursos financeiros nos cofres estatais. Confira os seguintes estágios:
Previsão
É uma estimativa em relação as receitas no intuito de estabelecer uma proposta
orçamentária para aprovação no legislativo e na criação de uma Lei Orçamentária.
Foi instituído pelo Decreto Federal nº 15.783, de 08/11/22, três fases para a receita:
arrecadação, fixação e recolhimento. Como não há a possibilidade de fixação da receita
ela torna-se prevista, pois não há certeza do processo. Posteriormente foi implantada a Lei
4.320/64, que criou a previsão da receita.
Arrecadação
O processo de arrecadação ocorre quando o Estado recolhe, tributos, multas e créditos.
Os valores arrecadados devem ser redirecionados para a Conta Única do Tesouro
Nacional. A arrecadação pode acontecer nos casos em que são retidos ou descontados os
tributos como acontece com o imposto de renda descontado na folha de pagamento.
A arrecadação pode ser caracterizar em direta, quando é realizada pelo próprio Estado, ou
indireta, em casos em que a arrecadação é feita por terceiros conveniados ao Estado. São
denominados agentes de arrecadação responsáveis pelo recolhimento, são eles:
Agentes públicos.
Agentes privados.
Recolhimento
O processo de recolhimento ocorre quando o agente arrecadador (público ou privado)
repassa o o que foi arrecadado para o Tesouro Público ou banco oficial. Essa conta única
está no Banco Central.
Dívida Ativa: A dívida Ativa são créditos na Fazenda Pública que quando não são pagos
no dia de seu vencimento, são inscritos pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional,
conforme a legislação relacionada ou por meio de processo regular.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Universidade Pedagogica
 
orcamento publico
orcamento publicoorcamento publico
orcamento publico
Loyane Florentino
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
izidoriosilva
 
Bens públicos e externalidades
Bens públicos e externalidadesBens públicos e externalidades
Bens públicos e externalidades
Joan Pablo Gonçalves
 
Contabilidade Modulo 1
Contabilidade   Modulo 1Contabilidade   Modulo 1
Contabilidade Modulo 1
Hilda Pinto Gonçalves
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Despesas publicas vs receitas publicas
Despesas publicas vs receitas publicasDespesas publicas vs receitas publicas
Despesas publicas vs receitas publicas
Universidade Pedagogica
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Receita e despesa pública
Receita e despesa públicaReceita e despesa pública
Receita e despesa pública
Orlando Lima Treinamentos
 
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbioEconomia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Felipe Leo
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
Mikelina QualquerKoisa
 
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira SantosLições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
A. Rui Teixeira Santos
 
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiroTeodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
CelsoSilva26215544
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
razonetecontabil
 
Orcamento publico
Orcamento publicoOrcamento publico
Orcamento publico
Thomas Albertino
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
Superprovas Software
 
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
A. Rui Teixeira Santos
 
Investimentos financeiros
Investimentos financeirosInvestimentos financeiros
Investimentos financeiros
Universidade Pedagogica
 
Financas publicas unidade I
Financas publicas   unidade IFinancas publicas   unidade I
Financas publicas unidade I
Luciano_Wombili
 
Tipos de consumo
Tipos de consumoTipos de consumo
Tipos de consumo
EconomicSintese
 

Mais procurados (20)

Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
 
orcamento publico
orcamento publicoorcamento publico
orcamento publico
 
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas03  -as_receitas_e_as_despesas_públicas
03 -as_receitas_e_as_despesas_públicas
 
Bens públicos e externalidades
Bens públicos e externalidadesBens públicos e externalidades
Bens públicos e externalidades
 
Contabilidade Modulo 1
Contabilidade   Modulo 1Contabilidade   Modulo 1
Contabilidade Modulo 1
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Despesas publicas vs receitas publicas
Despesas publicas vs receitas publicasDespesas publicas vs receitas publicas
Despesas publicas vs receitas publicas
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Receita e despesa pública
Receita e despesa públicaReceita e despesa pública
Receita e despesa pública
 
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbioEconomia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
 
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira SantosLições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
Lições de Finanças Públicas 2012/13 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
 
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiroTeodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
Teodoro waty-manual de financas publicas e direito financeiro
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Orcamento publico
Orcamento publicoOrcamento publico
Orcamento publico
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
Economia e Finanças Publicas. Qual o papel do Estado? Conferencia na AJPD do ...
 
Investimentos financeiros
Investimentos financeirosInvestimentos financeiros
Investimentos financeiros
 
Financas publicas unidade I
Financas publicas   unidade IFinancas publicas   unidade I
Financas publicas unidade I
 
Tipos de consumo
Tipos de consumoTipos de consumo
Tipos de consumo
 

Destaque

Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
Rotary Clube Vizela
 
Trabalho de conclusão de curso
Trabalho de conclusão de cursoTrabalho de conclusão de curso
Trabalho de conclusão de curso
marcos_redel
 
Aula06 despesa pública
Aula06   despesa públicaAula06   despesa pública
Aula06 despesa pública
carolinamedeiros08
 
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
Anita Rocha
 
Plano Compensação Financeira
Plano Compensação FinanceiraPlano Compensação Financeira
Plano Compensação Financeira
leandrorosa
 
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
pcm1nd
 
Direito Tributario - atividade financeira do estado
Direito Tributario - atividade financeira do estadoDireito Tributario - atividade financeira do estado
Direito Tributario - atividade financeira do estado
Gisele Reis
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
Suelen Rocha
 
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - MonografiaNivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
Universidade Pedagogica
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
elliando dias
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
A. Rui Teixeira Santos
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
Biosfera MS
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Ricardo Bulgari
 

Destaque (13)

Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
Reunião nº 16 - Preparação da reunião de Homenagem ao Profissional - dia 15-1...
 
Trabalho de conclusão de curso
Trabalho de conclusão de cursoTrabalho de conclusão de curso
Trabalho de conclusão de curso
 
Aula06 despesa pública
Aula06   despesa públicaAula06   despesa pública
Aula06 despesa pública
 
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
Compensação financeira/gerção de energia (ANEEL)
 
Plano Compensação Financeira
Plano Compensação FinanceiraPlano Compensação Financeira
Plano Compensação Financeira
 
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
Receita pública - Administração Financeira e Orçamentária - Aula 2
 
Direito Tributario - atividade financeira do estado
Direito Tributario - atividade financeira do estadoDireito Tributario - atividade financeira do estado
Direito Tributario - atividade financeira do estado
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - MonografiaNivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
Nivel de execucao orcamental das despesas publicas - Monografia
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
 

Semelhante a Conceitos de receita públicas.

Aula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo IIIAula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo III
CETUR
 
Resumo normas gerais de direito financeiro
Resumo  normas gerais de direito financeiroResumo  normas gerais de direito financeiro
Resumo normas gerais de direito financeiro
Savio Dzayne
 
Modulo feito por mim
Modulo feito por mimModulo feito por mim
Modulo feito por mim
luciardeus
 
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Clécio Batista
 
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04   nocoes de administracao afo receita publicaAula 04   nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Neon Online
 
Resumão contabilidade publica
 Resumão   contabilidade publica Resumão   contabilidade publica
Resumão contabilidade publica
Luanna Gil
 
Resumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publicaResumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publica
Jeh Idiane
 
Resumão de Contabilidade Pública
Resumão de Contabilidade PúblicaResumão de Contabilidade Pública
Resumão de Contabilidade Pública
Samuel Bruno
 
Receita publica
Receita publicaReceita publica
Receita publica
Thamara Arouche
 
Direito financeiro
Direito financeiroDireito financeiro
Direito financeiro
alda2012
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
CETUR
 
Como funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasilComo funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasil
Valéria Lins
 
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Roniboy Almeida
 
Resumo tributario
Resumo tributarioResumo tributario
Resumo tributario
zeramento contabil
 
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdfApesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
Oldegar Simoes
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Original
m.jardim
 
Aula 01 nocoes de administracao afo orçamento publico
Aula 01   nocoes de administracao afo orçamento publicoAula 01   nocoes de administracao afo orçamento publico
Aula 01 nocoes de administracao afo orçamento publico
Neon Online
 
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasilienseAnálise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
americotomweb
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributaria
rdamaso
 
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PFNOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
Neon Online
 

Semelhante a Conceitos de receita públicas. (20)

Aula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo IIIAula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo III
 
Resumo normas gerais de direito financeiro
Resumo  normas gerais de direito financeiroResumo  normas gerais de direito financeiro
Resumo normas gerais de direito financeiro
 
Modulo feito por mim
Modulo feito por mimModulo feito por mim
Modulo feito por mim
 
Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)Apostila aulas 3 e 4 (4)
Apostila aulas 3 e 4 (4)
 
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04   nocoes de administracao afo receita publicaAula 04   nocoes de administracao afo receita publica
Aula 04 nocoes de administracao afo receita publica
 
Resumão contabilidade publica
 Resumão   contabilidade publica Resumão   contabilidade publica
Resumão contabilidade publica
 
Resumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publicaResumao contabilidade publica
Resumao contabilidade publica
 
Resumão de Contabilidade Pública
Resumão de Contabilidade PúblicaResumão de Contabilidade Pública
Resumão de Contabilidade Pública
 
Receita publica
Receita publicaReceita publica
Receita publica
 
Direito financeiro
Direito financeiroDireito financeiro
Direito financeiro
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
 
Como funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasilComo funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasil
 
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
Apostiladecontabilidadesitecursinhos 100306100227-phpapp01
 
Resumo tributario
Resumo tributarioResumo tributario
Resumo tributario
 
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdfApesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Original
 
Aula 01 nocoes de administracao afo orçamento publico
Aula 01   nocoes de administracao afo orçamento publicoAula 01   nocoes de administracao afo orçamento publico
Aula 01 nocoes de administracao afo orçamento publico
 
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasilienseAnálise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributaria
 
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PFNOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO - PF
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Conceitos de receita públicas.

  • 1. Receita pública CONCEITO A Receita Pública é o valor em dinheiro administrado pelo Tesouro Nacional usado para pagar as despesas e investimentos públicos. É o resultado dos impostos, taxas, contribuições e outras fontes redirecionados para as despesas públicas. Ela é formada pelos tributos pagos pelos cidadãos e pelos empréstimos feitos pelo Governo. Sendo assim, as receitas públicas podem constituir-se em originárias ou derivadas. Receitas Originárias: são as provenientes do patrimônio estatal. Receitas Derivadas: são provenientes através do Estado por meio de tributos e multas. A receita pública também pode ser dividida em efetiva e não-efetiva. A primeira é aquela em que os recursos não são obrigações e dessa forma mudam a condição líquida patrimonial, ou seja, é a que provêm do próprio setor público como os impostos. Já a não- efetiva refere-se aos recursos que não mudam a condição líquida patrimonial e não são da arrecadação, como as operações de crédito. Podem ser classificados três tipos de receitas públicas: cobrança de tributos, prestação de serviços e venda de materiais. Classificação da Receita Pública Receitas Orçamentárias e Extra-orçamentárias A receita pública pode ter natureza orçamentária, quando os recursos não serão restituídos posteriormente ou natureza extra-orçamentária, quando os recursos deverão ser devolvidos. Receita Orçamentária: Fonte de recursos que são do Estado e que não serão devolvidos. São usados nas despesas públicas e podem ser previstas na lei orçamentária anual. Receita Extra-Orçamentária: São patrimônios que serão devolvidos futuramente, pois se tratam de recursos transitórios do Estado e que não podem ser previstos no orçamento. É usado para pagar as despesas extra-orçamentárias e podem ser convertidas em orçamentárias no momento em que o Estado consegue se beneficiar de decisões administrativas favoráveis. Classificação da Receita Pública Receitas Orçamentárias e Extra-orçamentárias A receita pública pode ter natureza orçamentária, quando os recursos não serão restituídos posteriormente ou natureza extra-orçamentária, quando os recursos deverão ser devolvidos. Receita Orçamentária: Fonte de recursos que são do Estado e que não serão devolvidos. São usados nas despesas públicas e podem ser previstas na lei orçamentária anual.
  • 2. Receita Extra-Orçamentária: São patrimônios que serão devolvidos futuramente, pois se tratam de recursos transitórios do Estado e que não podem ser previstos no orçamento. É usado para pagar as despesas extra-orçamentárias e podem ser convertidas em orçamentárias no momento em que o Estado consegue se beneficiar de decisões administrativas favoráveis. Quanto à Natureza In Natura: Prestação de serviço e obrigações ao Estado sem pagamento financeiro. Ex: Alistamento e serviço militar. Em serviços: Pagamento de obrigações utilizando dinheiro. Quanto à Aplicação Receita Geral: Refere-se a uma receita sem destino anteriormente definido, como os impostos em geral. Receita Especial: Receita com um destino já definido. Quanto à Categoria Econômica Efetiva: Situação que faz crescer a situação líquida patrimonial fundindo-se ao patrimônio público e não representa uma obrigação do poder público. Não-efetiva: Não muda a situação líquida patrimonial. Receitas correntes Receitas em que não há uma cobrança financeira em relação ao Estado. Receita Tributária: Corresponde aos tributos relacionados a legislação tributária: contribuições, taxas e impostos. Receitas de Contribuições: Está relacionada as receitas de caráter social e as de caráter econômico. São analisadas como encargos parafiscais. Receita Patrimonial: Surge por meio do uso econômico do patrimônio público como juros e dividendos. Receita Agropecuária: Resultado da exploração das atividades agropecuárias. Receita Industrial: Resultado das atividades industriais como serviços de utilidade pública, construção civil e extrativismo mineral. Receita de Serviços: Resultante das seguintes atividades: meios de transporte, serviços, comércio, serviços educacionais, etc.
  • 3. Transferências Correntes: São recursos financeiros concebidos por pessoas jurídicas ou físicas e que são utilizadas no atendimento de Despesas Correntes. Isso é importante para compreender a origem da receita e sua destinação. Outras Receitas Correntes: São receitas que não se adequam aos já citados anteriormente. Ex: juros de mora, multas, cobrança da dívida ativa, etc. Receitas de capital Receitas que surgem através de recursos financeiros que surgem da contração de dívidas. Operações de Crédito: Está relacionada com a obtenção de recursos com o intuito de suprir disparidades orçamentárias ou financiar obras públicas. São essas operações de crédito que cobrem déficits orçamentários. Alienação de Bens: Está correlacionada com alienação de bens patrimoniais como imóveis e ações. Amortização de Empréstimos: A amortização de empréstimos é considerada uma receita de capital. Transferências de Capital: Estão associadas as Despesas de Capital e nela devem ser aplicadas. Outras Receitas de Capital: Estão relacionadas com as Receitas de Capital que não podem ser classificadas em outras fontes. Quanto a Duração Ordinária: Receitas periódicas responsáveis pelo abastecimento dos cofres públicos, como os impostos. Ex: Impostos e taxas regulares. Extraordinárias: Receitas esporádicas que entram apenas eventualmente nos cofres público. Ex: IEG, empréstimos compulsórios e doações. Quanto a Fonte Originárias: São as que surgem através do próprio patrimônio do Estado. Ele produz os bens e serviços e realiza atividades parecidas com as do setor privado. Ocorrem sob a vontade do Estado e do setor privado. Exemplo: venda de combustíveis. Derivadas: Procede do patrimônio dos contribuintes, por meio de autorização do Estado. Essas receitas surgem através de empresas privadas e a renda de determinadas pessoas que devem pagar tributos, penalidades, apreensões, etc. Mistas: Receita proveniente das empresas públicas.
  • 4. Espécies da Receita Pública Domínio Público São as concentradas e permanentes no Estado. Além disso, são caracterizadas como patrimônio da União, dos Estados e municípios. São bens que não são convertidos em renda e que não podem ser vendidos. Exemplos: escolas, hospitais, etc. Domínio Privado São as que pertencem ao Estado e geram renda. Eles satisfazem as necessidades públicas, não prescrevem e não são passíveis de propriedade exclusiva ou privada. Estágios da Receita Pública A receita pública deve ocorrer por meio de uma sequência de ações para auxiliar a entrada dos recursos financeiros nos cofres estatais. Confira os seguintes estágios: Previsão É uma estimativa em relação as receitas no intuito de estabelecer uma proposta orçamentária para aprovação no legislativo e na criação de uma Lei Orçamentária. Foi instituído pelo Decreto Federal nº 15.783, de 08/11/22, três fases para a receita: arrecadação, fixação e recolhimento. Como não há a possibilidade de fixação da receita ela torna-se prevista, pois não há certeza do processo. Posteriormente foi implantada a Lei 4.320/64, que criou a previsão da receita. Arrecadação O processo de arrecadação ocorre quando o Estado recolhe, tributos, multas e créditos. Os valores arrecadados devem ser redirecionados para a Conta Única do Tesouro Nacional. A arrecadação pode acontecer nos casos em que são retidos ou descontados os tributos como acontece com o imposto de renda descontado na folha de pagamento. A arrecadação pode ser caracterizar em direta, quando é realizada pelo próprio Estado, ou indireta, em casos em que a arrecadação é feita por terceiros conveniados ao Estado. São denominados agentes de arrecadação responsáveis pelo recolhimento, são eles: Agentes públicos. Agentes privados. Recolhimento O processo de recolhimento ocorre quando o agente arrecadador (público ou privado) repassa o o que foi arrecadado para o Tesouro Público ou banco oficial. Essa conta única está no Banco Central.
  • 5. Dívida Ativa: A dívida Ativa são créditos na Fazenda Pública que quando não são pagos no dia de seu vencimento, são inscritos pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, conforme a legislação relacionada ou por meio de processo regular.