SlideShare uma empresa Scribd logo
Crescimento e Renovação Celular

DNA e Síntese Proteica

BG -11º Ano

Professores: Ana Cravo, Carlos Almeida, Gabriela Meireles e Graça Neto (2013)
Ácidos Nucleicos
•

Meados do século XIX – Friedrich Miescher descobre os ácidos nucleicos;
descoberta pouco importante para a época porque foram consideradas
moléculas simples.

•

1928 – trabalhos realizados pelo bacteriologista Frederick Griffith constituíram o
primeiro passo para a descoberta da importância do DNA:
– trabalhou com bactérias da espécie
Diplococcus pneumoniae que
provocam a pneumonia em mamíferos, pretendendo encontrar uma vacina
para esta doença;
– verificou que esta bactéria apresentava duas formas:
• tipo R (desprovidas de cápsula e com aspecto rugoso);
• tipo S (envolvidas por uma cápsula de polissacarídeos que lhes
conferia um aspeto liso).

Friedrich Miescher
http://www.fmi.ch/

Frederick Griffith
http://people.ibest.uidaho.edu/
Experiências de Frederick Griffith

http://www.prof2000.pt/
Experiências de Oswald Avery
•

1944 – Oswald Avery e os seus colaboradores MacCarthy e MaCleod,
pretendiam identificar a substância química responsável pela transformação de
bactérias da estirpe R em bactérias da estirpe S, ou seja, identificar o factor
transformante descoberto por Griffith:
– extraíram de células do tipo S, mortas pela ação do calor, os vários
constituintes celulares tais como lípidos, proteínas, glícidos e DNA.;
– cada constituinte foi espalhado isoladamente numa cultura viva de
Pneumococcus do tipo R e, após algum tempo de incubação, foi injectado
em ratos;
– Avery e os seus colaboradores concluíram que as bactérias do tipo R
incorporavam no seu material genético a informação recebida do DNA das
bactérias do tipo S adquirindo a forma patogénica.
Conclusão: o DNA é o material hereditário.

Oswald Avery
http://www.biorede.pt/zoom_image.asp?ImageID=3143

http://www.nlm.nih.gov
Experiências de Oswald Avery
•

Oswald Avery efetuou ainda o seguinte procedimento:
– obteve uma mistura de bactérias do tipo R vivas com bactérias do tipo
S mortas pelo calor;
– tratou uma amostra A dessa mistura com uma protease (enzima que
degrada as proteínas) e uma amostra B da mesma mistura com uma
DNAase (enzima que degrada o DNA);
– inoculou dois lotes de ratos, um com a amostra A e outro com a
amostra B.
Observações:
 ratos do lote A morreram;
 ratos do lote B permaneceram saudáveis.
Experiências de Hershey e Chase
•

1953 – Alfred Hershey e Marta
Chase utilizaram bacteriófagos
(vírus que infectam bactérias) com
os quais efetuaram um conjunto de
experiências.

•

Estes investigadores consideraram
que as proteínas da cápsula do
vírus não têm fósforo (P), mas
apresentam enxofre (S) e que o
DNA apresenta na sua constituição
fósforo (P), mas não enxofre (S).

•

Isolaram, então, dois lotes de
bacteriófagos,
que
marcaram
radioativamente:
– num dos lotes marcaram só o
enxofre das proteínas (35S);
– no
outro
lote
marcaram
somente o fósforo do DNA
(32P).

http://www.biorede.pt
Ácidos Nucleicos
•

DNA – Ácido Desoxirribonucleico:
– suporte da informação biológica;
– onde estão contidas as características de cada
organismo.

•

RNA – Ácido Ribonucleico:
– indispensável ao processamento da informação
biológica.

http://www.not1.com.br/
Composição e Estrutura
•

Nucleótido – unidade básica dos ácidos nucleicos:
– Grupo Fosfato;
– Pentose;
– Base Azotada.

http://www.e-escola.pt/

http://www.e-escola.pt/t
Pentose
DNA
Desoxirribose
(tem menos um O)

RNA
≠

Ribose
(tem mais um O)

http://bioglossa.wikispaces.com
Bases Azotadas
Pirimídicas (anéis simples)
-Citosina (C)
-Timina (T)
-Uracilo (U)

Púricas (anéis duplos)
-Adenina (A)
-Guanina (G)
DNA
•

1953 – Watson e Crick propõem o modelo de dupla hélice do DNA:
– duas cadeias de desoxirribonucleótidos (que formam uma dupla hélice);
– as cadeias estão unidas entre si por ligações de hidrogénio entre as bases
azotadas;
• a adenina (A) une-se à timina (T) por duas ligações de hidrogénio;
• a guanina (G) liga-se à citosina (C) por três ligações de hidrogénio;
• a especificidade de ligações entre as bases, complementaridade de bases,
permite que, a partir da sequência de nucleótidos de uma cadeia, se conheça
a sequência da outra cadeia;
– as cadeias complementares da molécula de DNA são antiparalelas, ou seja, à
extremidade 3' livre de uma cadeia corresponde a extremidade 5' livre da outra.

Watson e Crick
http://dnamazing.com/
DNA

http://www.youtube.com/watch?v=qy8dk5iS1f0

https://dspace.ist.utl.pt/
DNA
•

A estrutura do DNA é a mesma em todas as espécies, sendo, portanto, universal no
mundo vivo.

•

Gene – segmento de DNA com uma sequência nucleotídica própria que contem
determinada informação.

•

O número e a sequência de nucleótidos diferem de gene para gene. A ordem dos
nucleótidos num gene possui um significado preciso; ela pode codificar a expressão
de uma característica.

•

Embora existam apenas quatro nucleótidos diferentes no DNA, cada um pode estar
presente um grande número de vezes e podem existir diferentes sequências desses
nucleótidos, sendo possível uma grande diversidade de moléculas de DNA. Pode,
pois, falar-se em universalidade e variabilidade desta molécula.

•

A totalidade de DNA contido numa célula constitui o genoma de um organismo e os
benefícios do seu conhecimento são inquestionáveis.
RNA
•

Estrutura – constituído por uma cadeia simples (podendo em determinadas zonas
dobrar-se sobre si própria devido à formação de pontes de H);

•

Propriedades – sintetizado a partir do DNA em três formas especificas, com funções e
estruturas diferentes:
– RNA mensageiro (mRNA);
– RNA de transferência (tRNA);
– RNA ribossómico (rRNA).

http://www.colegiovascodagama.pt/
DNA/RNA

http://galileu.esamadora.dyndns.org:81

/
DNA/RNA

http://www.sobiologia.com.br/
DNA

RNA

Cadeia dupla

Cadeia simples

Pentose – desoxiribose

Pentose – ribose

Bases: adenina, timina, citosina e
guanina

Bases: adenina, uracilo, citosina e
guanina

Cadeias – longas com milhares de
nucleótidos

Cadeias – curtas com algumas
centenas de nucleótidos

Localização – no núcleo e, em
pequenas quantidades, nos
cloroplastos e mitocôndrias.

Localização – principalmente no
hialoplasma.
DNA - replicação

Sendo o suporte da informação genética, o DNA necessita de se auto-reproduzir,
criando cópias, de modo a transmiti-las de geração em geração.

http://www.mundoeducacao.com/
DNA - replicação
•

Hipótese Semi-conservativa: cada nova moléculaé formada por uma cadeia
progenitora e por uma nova cadeia.

•

Hipótese Conservativa: a molécula progenitora serve apenas de molde à nova
molécula, formadas por duas novas cadeias.

•

Hipótese Dispersiva: a nova molécula é constituída por porções da molécula
progenitora e por nucleótidos sintetizados de novo.

http://www.esec-odivelas.rcts.pt/
Experiências de Meselson e Stahl
•

•

1.ª experiência – cultivaram bactérias (Escherichia coli) em meios de cultura diferentes: um
contendo um isótopo pesado de azoto ( 15N) e outro contendo azoto normal (14N).
– Verificaram que as bactérias cultivadas em 15N incorporaram esse azoto nos seus
nucleótidos formando um DNA com maior densidade, que se deposita mais próximo do
fundo do tubo.
2.ª experiência – cultivaram novamente bactérias E.coli num meio de cultura com 15N. Após
várias gerações de bactérias se terem desenvolvido no meio com azoto pesado, foram
transferidas para um meio de cultura com azoto normal ( 14N).
– Verificaram que as bactérias com azoto pesado utilizaram o azoto normal para
produzirem novas cadeias de DNA.
– Assim, na primeira geração, cada molécula de DNA apresentou uma cadeia de
nucleótidos com 15N (que provinha da geração parental) e outra com 14N (formada com
nucleótidos que incorporaram o azoto presente no meio). Desta forma as moléculas de
DNA apresentaram uma densidade intermédia entre DNA com 15N e DNA com 14N.
– Numa segunda geração 50% de moléculas de DNA apresentaram densidade normal e
50% tinham densidade superior.
– Numa terceira geração verificou-se que existia 75% moléculas de DNA com densidade
normal, e apenas 25% de densidade maior.
Experiências de Meselson e Stahl
•

2.ª experiência – cultivaram novamente bactérias E.coli num meio de cultura com 15N.
Após várias gerações de bactérias se terem desenvolvido no meio com azoto pesado,
foram transferidas para um meio de cultura com azoto normal ( 14N).
– Verificaram que as bactérias com azoto pesado utilizaram o azoto normal para
produzirem novas cadeias de DNA.
– Assim, na primeira geração, cada molécula de DNA apresentou uma cadeia de
nucleótidos com 15N (que provinha da geração parental) e outra com 14N (formada
com nucleótidos que incorporaram o azoto presente no meio). Desta forma as
moléculas de DNA apresentaram uma densidade intermédia entre DNA com 15N e
DNA com 14N.

www.netexplica.pt
Experiências de Meselson e Stahl
–
–

Numa segunda geração 50% de moléculas de DNA apresentaram densidade
normal e 50% tinham densidade superior.
Numa terceira geração verificou-se que existia 75% moléculas de DNA com
densidade normal, e apenas 15% de densidade maior.

http://www.youtube.com/watch?v=OzSIGxKWqoo

www.netexplica.pt
Hipótese Semiconservativa
1. Desenrolamento do DNA.
2. Rompimento das pontes de H
entre bases complementares
(enzimas – DNA polimerases).
3. Incorporação de nucleótidos do
meio, por complementaridade,
com formação de duas novas
cadeias.

http://www.youtube.com/watch?v=zdDkiRw1PdU
Síntese Proteica
•

O DNA regula toda a atividade das células
controlando a produção de proteínas.

•

Watson e Crick descreveram a existência de
um fluxo unidirecional de informação dos
ácidos nucleicos às proteínas:
– As proteínas só poderão ser produzidas
quando a informação genética chegar
ao exterior do núcleo;
– Assim, essa informação tem que ser
copiada para uma molécula de RNA:

 Transcrição;
–

A informação transportada pelo RNA é
utilizada para sintetizar proteínas:

 Tradução.
Código Genético
•

Constituído por 64 tripletos de 3 nucleótidos do DNA – Codogenes.

•

No mRNA cada aminoácido é codificado por um conjunto de 3 nucleótidos – Codão.

http://e-portfolio-biologia.blogspot.pt/
Código Genético
•

Características:
–

Universalidade do código genético:
• desde os organismos mais simples aos mais complexos, há uma linguagem
comum a quase todas as células;

–

O tripleto AUG tem dupla função - codifica o aminoácido metionina e constitui o
codão de iniciação para a síntese proteica;

–

Os tripletos UAA, UGA e UAG são codões de finalização – marcam o fim da
síntese proteica;

–

O código genético é redundante:
• existe mais do que um codão para codificar o mesmo aminoácido;

–

O terceiro nucleótido de cada codão é menos específico que os dois
primeiros:
•
ex: a prolina pode ser codificada por qualquer um dos seguintes codões:
CCU, CCC, CCA ou CCG;

–

O código genético não é ambíguo:
• a cada codão corresponde um aminoácido.
DNA versus Proteínas
Como é que 4 nucleótidos conseguem codificar 20 aminoácidos diferentes?

Moléculas

Monómeros

Proteínas

20 Aminoácidos

Ácidos nucleicos

4 Nucleótidos

http://gracieteoliveira.pbworks.com/
DNA versus Proteínas
•

1961/1968 – Marshall Niremberg, Har Gobind Khorana e colaboradores realizaram
experiências no sentido de decifrar o código genético.

•

Conclusão: Diferentes combinações de tripletos são responsáveis pela codificação
de diferentes aminoácidos.

http://11biogeogondomar.blogspot.pt/
Síntese Proteica - Transcrição
•

Uma molécula de mRNA forma-se por complementaridade de uma das cadeias do
DNA e, como tal, contém a mesma informação.

http://maisbiogeologia.blogspot.pt
Transcrição
1. Ligação da enzima RNA polimerase a locais específicos do DNA, no núcleo.
2. Rompimento das pontes de hidrogénio e separação das cadeias de DNA.
3. Ligação de nucleótidos livres no nucleoplasma a uma das cadeias do DNA, que
funciona como molde, formando-se o mRNA no sentido 5’ 3’.
4. A transcrição termina quando a RNA polimerase encontra um codãode finalização.
5. Libertação do mRNA sintetizado.
6. Restabelecimento das pontes de hidrogénio e da estrutura do DNA.

http://www.youtube.com/watch?v=HIIk00RRlgQ

http://www.cientic.pt
Transcrição
Processamento
•

Nos seres eucariontes, a informação necessária para a formação de uma proteína não
se encontra no DNA de forma contínua mas fragmentada.

•

Processamento – nos seres eucariontes, o RNA produzido inicialmente (RNA prémensageiro ou RNA precursor) sofre um processo de alteração, antes de sair do
núcleo:
– Intrões: secções do RNA que são removidas (sem informação na síntese
proteica);
– Exões: secções do RNA que são ligadas entre si para formar o mRNA.

galileu.esamadora.dyndns.org
Processamento

http://www.netxplica.com/
Migração
•

O mRNA funcional abandona o núcleo em direção ao citoplasma.

http://amigodasciencias.blogspot.pt/
Tradução
tRNA
•

É formado por cadeias de 75 a 80 ribonucleótidos.

•

A cadeia é dobrada em forma de “folha de trevo” (estabelecimento de pontes de
hidrogénio entre as bases complementares).

•

Anticodão – sequência de 3 nucleótidos que é complementar do codão do mRNA;
reconhece e liga-se ao codão.

http://www.cientic.pt
tRNA
•

Local aminoacil – região que permite fixar um determinado aminoácido (extremidade 3’
da molécula).

•

Funciona como intérprete do mRNA, convertendo a sua informação numa sequência de
aminoácidos.

•

Apresenta locais para a ligação a um ribossoma e para a ligação das enzimas que
intervêm na constituição dos péptidos.

http://www.cientic.pt
Ribossomas
•

Organelos não membranares, constituídos por rRNA e proteínas, organizados em duas
subunidades (maior e menor).

•

Podem encontrar-se livres no citoplasma ou associados ao RER.

•

Funcionam como sistemas de leitura do mRNA; locais onde decorre a tradução.

http://www.andomeioloki.xpg.com.br/
Síntese Proteica - Tradução
Iniciação
•A subunidade menor do ribossoma liga-se à extremidade 5’ do mRNA.
•Desliza ao longo do mRNA até encontrar o codão de iniciação (AUG).
•O tRNA com o aminoácido metionina (que corresponde ao codão AUG) liga-se por
complementaridade.
•A subunidade maior do ribossoma liga-se ao conjunto.

Areal Editores
Tradução
Alongamento
•Liga-se um segundo tRNA, com o respetivo aminoácido, ao codão seguinte.
•Estabelece-se uma ligação peptídica entre o novo aminoácido e a metionina.
•O ribossoma desliza ao longo da molécula, avançando 3 bases (sentido 5’  3’).
•O processo vai-se repetindo, com a ligação de novos aminoácidos.
•Os tRNA vão-se desprendendo sucessivamente.

Areal Editores
Tradução
Finalização
•Quando o ribossoma encontra um Codão de Finalização (UAA, UAG ou UGA), o
alongamento termina.
•O último tRNA liberta-se para o citoplasma.
•O ribossoma separa-se nas suas subunidades, que podem ser recicladas.
•O péptido é libertado.

http://www.youtube.com/watch?v=rZvInRO6J8Q

Areal Editores
Síntese Proteica - Tradução

http://www.youtube.com/watch?v=rZvInRO6J8Q
http://www.youtube.com/watch?v=P5fm3He_pds

http://www.netxplica.com/
Síntese Proteica
•

Existe consumo de energia: reações anabólicas (armazenamento de energia nas
ligações peptídicas).

•

Durante o processo, algumas fases são amplificadas:
–

Várias moléculas de mRNA podem ser transcritas a partir do mesmo gene;

–

Uma única molécula de mRNA pode ser “lida” por vários ribossomas em
simultâneo: Polirribossoma ou Polissoma (formam-se diversas cópias da
mesma proteína);

–

No final, o mRNA é hidrolisado (dá origem a vários nucleótidos que são
reciclados).

galileu.esamadora.dyndns.org
Procariontes/Eucariontes

http://www.netxplica.com/
Mutações
•

Alterações bruscas do material genético.

•

Introduzem variabilidade.

•

Podem ser espontâneas ou induzidas por certos fatores, como os raios X, gama,
cósmicos ou ultravioletas, as nitrosaminas, a colquicina, o formaldeído, o fenol e
certos pesticidas.

•

Consequências – não produção de uma dada proteína, aparecimento de uma
versão inativa ou com novas funcionalidades.

•

A maior parte das mutações não provoca uma alteração significativa, pois:
–

envolve um único nucleótido do DNA;

–

o codogene alterado continuará a codificar o mesmo aminoácido;

–

a proteína em causa não será determinante para a sobrevivência da
célula/organismo.

•

Nota: podem surgir proteínas diferentes das habituais por falhas de
transcrição ou tradução e não apenas de replicação (“instrumento”
mutagénico).
Mutações

Mutações génicas - alteração de um ou vários nucleótidos de um gene.
Mutações Génicas

http://e-portefoliobio.blogspot.pt/2011/03/mutacoes-genicas.html
Mutações Génicas

http://www.cientic.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mitose
MitoseMitose
Mitose
Isabel Lopes
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
César Milani
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
José Luís Alves
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
Isabel Lopes
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
Matheus Faria do Valle
 
DNA
DNADNA
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
Bio
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Mutações cromossômicas unid 6
Mutações cromossômicas   unid 6Mutações cromossômicas   unid 6
Mutações cromossômicas unid 6
César Milani
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
emanuel
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Organização do cromossomo/DNA
Organização do cromossomo/DNAOrganização do cromossomo/DNA
Organização do cromossomo/DNA
Jaqueline Almeida
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células tronco
Silvana Sanches
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
Nathália Vasconcelos
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
Catir
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
Nuno Correia
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Rebeca Vale
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
Tércio De Santana
 
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
Aula 8   ciclo celular mitose e meioseAula 8   ciclo celular mitose e meiose
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
MARCIAMP
 
áCidos nucléicos dna e rna
áCidos nucléicos   dna e rnaáCidos nucléicos   dna e rna
áCidos nucléicos dna e rna
Silvana Sanches
 

Mais procurados (20)

Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Mutações cromossômicas unid 6
Mutações cromossômicas   unid 6Mutações cromossômicas   unid 6
Mutações cromossômicas unid 6
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Organização do cromossomo/DNA
Organização do cromossomo/DNAOrganização do cromossomo/DNA
Organização do cromossomo/DNA
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células tronco
 
Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
Aula 8   ciclo celular mitose e meioseAula 8   ciclo celular mitose e meiose
Aula 8 ciclo celular mitose e meiose
 
áCidos nucléicos dna e rna
áCidos nucléicos   dna e rnaáCidos nucléicos   dna e rna
áCidos nucléicos dna e rna
 

Destaque

Dna desde a descoberta ppt
Dna desde  a descoberta pptDna desde  a descoberta ppt
Dna desde a descoberta ppt
Fernando Bação
 
Codigo genetico, controle das atividades celulares
Codigo genetico, controle das atividades celularesCodigo genetico, controle das atividades celulares
Codigo genetico, controle das atividades celulares
Geraldo Ferigato
 
Diabetes1
Diabetes1Diabetes1
Proteínas estructura tridimensional
Proteínas estructura tridimensionalProteínas estructura tridimensional
Proteínas estructura tridimensional
Videoconferencias UTPL
 
ácidos nucleicos
ácidos nucleicosácidos nucleicos
Metabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celularMetabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celular
Thiago Benevides
 
Transcrição e processamento do pré-mRNA
Transcrição e processamento do  pré-mRNATranscrição e processamento do  pré-mRNA
Transcrição e processamento do pré-mRNA
Priscila Rodrigues
 
Bg 11 experiências de frederick griffith
Bg 11   experiências de frederick griffithBg 11   experiências de frederick griffith
Bg 11 experiências de frederick griffith
Nuno Correia
 
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
Rita_Brito
 
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaBioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
Rita Rainho
 
Ppt 2 Como Foi Descoberto O Dna
Ppt 2   Como Foi Descoberto O DnaPpt 2   Como Foi Descoberto O Dna
Ppt 2 Como Foi Descoberto O Dna
Nuno Correia
 
Biologia 11 como foi descoberto o dna
Biologia 11   como foi descoberto o dnaBiologia 11   como foi descoberto o dna
Biologia 11 como foi descoberto o dna
Nuno Correia
 
Experiências de hershey e chase
Experiências de hershey e chaseExperiências de hershey e chase
Experiências de hershey e chase
Cecilferreira
 
DNA
DNADNA
Mitose
MitoseMitose
Tradução - síntese proteica
Tradução - síntese proteicaTradução - síntese proteica
Tradução - síntese proteica
ceap
 
Descoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte IDescoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte I
Ana Castro
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteíca
LarissaComparini
 
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNAAula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Fernando Mori Miyazawa
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos
Mariana Cordeiro
 

Destaque (20)

Dna desde a descoberta ppt
Dna desde  a descoberta pptDna desde  a descoberta ppt
Dna desde a descoberta ppt
 
Codigo genetico, controle das atividades celulares
Codigo genetico, controle das atividades celularesCodigo genetico, controle das atividades celulares
Codigo genetico, controle das atividades celulares
 
Diabetes1
Diabetes1Diabetes1
Diabetes1
 
Proteínas estructura tridimensional
Proteínas estructura tridimensionalProteínas estructura tridimensional
Proteínas estructura tridimensional
 
ácidos nucleicos
ácidos nucleicosácidos nucleicos
ácidos nucleicos
 
Metabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celularMetabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celular
 
Transcrição e processamento do pré-mRNA
Transcrição e processamento do  pré-mRNATranscrição e processamento do  pré-mRNA
Transcrição e processamento do pré-mRNA
 
Bg 11 experiências de frederick griffith
Bg 11   experiências de frederick griffithBg 11   experiências de frederick griffith
Bg 11 experiências de frederick griffith
 
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
25268324 resumos-de-biologia-de-11âº-ano
 
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaBioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
 
Ppt 2 Como Foi Descoberto O Dna
Ppt 2   Como Foi Descoberto O DnaPpt 2   Como Foi Descoberto O Dna
Ppt 2 Como Foi Descoberto O Dna
 
Biologia 11 como foi descoberto o dna
Biologia 11   como foi descoberto o dnaBiologia 11   como foi descoberto o dna
Biologia 11 como foi descoberto o dna
 
Experiências de hershey e chase
Experiências de hershey e chaseExperiências de hershey e chase
Experiências de hershey e chase
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Tradução - síntese proteica
Tradução - síntese proteicaTradução - síntese proteica
Tradução - síntese proteica
 
Descoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte IDescoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte I
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteíca
 
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNAAula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 
sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos sistemática dos seres vivos
sistemática dos seres vivos
 

Semelhante a DNA

Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celular
Cecilferreira
 
Contributos para a caracterização do DNA
Contributos para a caracterização do DNAContributos para a caracterização do DNA
Contributos para a caracterização do DNA
ranhosas
 
DNA
DNADNA
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dnaCrescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
Diogo Soares
 
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
MariaMatias36
 
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
margaridabt
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
Guellity Marcel
 
Dna.ppt
Dna.pptDna.ppt
Dna.ppt
RitaGoulartS
 
Xixi
XixiXixi
Xixi
safarix
 
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Sorinz
 
Dna forense
Dna forenseDna forense
descoberta de DNA - experiências.pptx
descoberta de DNA - experiências.pptxdescoberta de DNA - experiências.pptx
descoberta de DNA - experiências.pptx
IsolinaSilva
 
Dna 110926163417-phpapp02
Dna 110926163417-phpapp02Dna 110926163417-phpapp02
Dna 110926163417-phpapp02
Rita_Brito
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
Mateus Ferraz
 
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
Hugo Martins
 
Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2
mega
 
Ácidos Nucleicos
Ácidos NucleicosÁcidos Nucleicos
Ácidos Nucleicos
URCA
 
Dna
DnaDna
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
CatarinaMatos62
 
Dna 4
Dna 4Dna 4

Semelhante a DNA (20)

Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celular
 
Contributos para a caracterização do DNA
Contributos para a caracterização do DNAContributos para a caracterização do DNA
Contributos para a caracterização do DNA
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dnaCrescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
Crescimento e renovacao_celular_-_historia_e_estrutura_do_dna
 
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
1- Ácidos nucleicos ALUNOS.pptx
 
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Dna.ppt
Dna.pptDna.ppt
Dna.ppt
 
Xixi
XixiXixi
Xixi
 
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
 
Dna forense
Dna forenseDna forense
Dna forense
 
descoberta de DNA - experiências.pptx
descoberta de DNA - experiências.pptxdescoberta de DNA - experiências.pptx
descoberta de DNA - experiências.pptx
 
Dna 110926163417-phpapp02
Dna 110926163417-phpapp02Dna 110926163417-phpapp02
Dna 110926163417-phpapp02
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
 
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
 
Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2
 
Ácidos Nucleicos
Ácidos NucleicosÁcidos Nucleicos
Ácidos Nucleicos
 
Dna
DnaDna
Dna
 
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
1.ÁcidosNucleicosHistóriaeEstrutura.ppt
 
Dna 4
Dna 4Dna 4
Dna 4
 

Mais de Mariana Cordeiro

Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
Mariana Cordeiro
 
Meiose
MeioseMeiose
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
Mariana Cordeiro
 
Cromossomas
CromossomasCromossomas
Cromossomas
Mariana Cordeiro
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Mariana Cordeiro
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Mariana Cordeiro
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
Mariana Cordeiro
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Mariana Cordeiro
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Mariana Cordeiro
 

Mais de Mariana Cordeiro (9)

Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
 
Cromossomas
CromossomasCromossomas
Cromossomas
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
 

DNA

  • 1. Crescimento e Renovação Celular DNA e Síntese Proteica BG -11º Ano Professores: Ana Cravo, Carlos Almeida, Gabriela Meireles e Graça Neto (2013)
  • 2. Ácidos Nucleicos • Meados do século XIX – Friedrich Miescher descobre os ácidos nucleicos; descoberta pouco importante para a época porque foram consideradas moléculas simples. • 1928 – trabalhos realizados pelo bacteriologista Frederick Griffith constituíram o primeiro passo para a descoberta da importância do DNA: – trabalhou com bactérias da espécie Diplococcus pneumoniae que provocam a pneumonia em mamíferos, pretendendo encontrar uma vacina para esta doença; – verificou que esta bactéria apresentava duas formas: • tipo R (desprovidas de cápsula e com aspecto rugoso); • tipo S (envolvidas por uma cápsula de polissacarídeos que lhes conferia um aspeto liso). Friedrich Miescher http://www.fmi.ch/ Frederick Griffith http://people.ibest.uidaho.edu/
  • 3. Experiências de Frederick Griffith http://www.prof2000.pt/
  • 4. Experiências de Oswald Avery • 1944 – Oswald Avery e os seus colaboradores MacCarthy e MaCleod, pretendiam identificar a substância química responsável pela transformação de bactérias da estirpe R em bactérias da estirpe S, ou seja, identificar o factor transformante descoberto por Griffith: – extraíram de células do tipo S, mortas pela ação do calor, os vários constituintes celulares tais como lípidos, proteínas, glícidos e DNA.; – cada constituinte foi espalhado isoladamente numa cultura viva de Pneumococcus do tipo R e, após algum tempo de incubação, foi injectado em ratos; – Avery e os seus colaboradores concluíram que as bactérias do tipo R incorporavam no seu material genético a informação recebida do DNA das bactérias do tipo S adquirindo a forma patogénica. Conclusão: o DNA é o material hereditário. Oswald Avery http://www.biorede.pt/zoom_image.asp?ImageID=3143 http://www.nlm.nih.gov
  • 5. Experiências de Oswald Avery • Oswald Avery efetuou ainda o seguinte procedimento: – obteve uma mistura de bactérias do tipo R vivas com bactérias do tipo S mortas pelo calor; – tratou uma amostra A dessa mistura com uma protease (enzima que degrada as proteínas) e uma amostra B da mesma mistura com uma DNAase (enzima que degrada o DNA); – inoculou dois lotes de ratos, um com a amostra A e outro com a amostra B. Observações:  ratos do lote A morreram;  ratos do lote B permaneceram saudáveis.
  • 6. Experiências de Hershey e Chase • 1953 – Alfred Hershey e Marta Chase utilizaram bacteriófagos (vírus que infectam bactérias) com os quais efetuaram um conjunto de experiências. • Estes investigadores consideraram que as proteínas da cápsula do vírus não têm fósforo (P), mas apresentam enxofre (S) e que o DNA apresenta na sua constituição fósforo (P), mas não enxofre (S). • Isolaram, então, dois lotes de bacteriófagos, que marcaram radioativamente: – num dos lotes marcaram só o enxofre das proteínas (35S); – no outro lote marcaram somente o fósforo do DNA (32P). http://www.biorede.pt
  • 7. Ácidos Nucleicos • DNA – Ácido Desoxirribonucleico: – suporte da informação biológica; – onde estão contidas as características de cada organismo. • RNA – Ácido Ribonucleico: – indispensável ao processamento da informação biológica. http://www.not1.com.br/
  • 8. Composição e Estrutura • Nucleótido – unidade básica dos ácidos nucleicos: – Grupo Fosfato; – Pentose; – Base Azotada. http://www.e-escola.pt/ http://www.e-escola.pt/t
  • 9. Pentose DNA Desoxirribose (tem menos um O) RNA ≠ Ribose (tem mais um O) http://bioglossa.wikispaces.com
  • 10. Bases Azotadas Pirimídicas (anéis simples) -Citosina (C) -Timina (T) -Uracilo (U) Púricas (anéis duplos) -Adenina (A) -Guanina (G)
  • 11. DNA • 1953 – Watson e Crick propõem o modelo de dupla hélice do DNA: – duas cadeias de desoxirribonucleótidos (que formam uma dupla hélice); – as cadeias estão unidas entre si por ligações de hidrogénio entre as bases azotadas; • a adenina (A) une-se à timina (T) por duas ligações de hidrogénio; • a guanina (G) liga-se à citosina (C) por três ligações de hidrogénio; • a especificidade de ligações entre as bases, complementaridade de bases, permite que, a partir da sequência de nucleótidos de uma cadeia, se conheça a sequência da outra cadeia; – as cadeias complementares da molécula de DNA são antiparalelas, ou seja, à extremidade 3' livre de uma cadeia corresponde a extremidade 5' livre da outra. Watson e Crick http://dnamazing.com/
  • 13. DNA • A estrutura do DNA é a mesma em todas as espécies, sendo, portanto, universal no mundo vivo. • Gene – segmento de DNA com uma sequência nucleotídica própria que contem determinada informação. • O número e a sequência de nucleótidos diferem de gene para gene. A ordem dos nucleótidos num gene possui um significado preciso; ela pode codificar a expressão de uma característica. • Embora existam apenas quatro nucleótidos diferentes no DNA, cada um pode estar presente um grande número de vezes e podem existir diferentes sequências desses nucleótidos, sendo possível uma grande diversidade de moléculas de DNA. Pode, pois, falar-se em universalidade e variabilidade desta molécula. • A totalidade de DNA contido numa célula constitui o genoma de um organismo e os benefícios do seu conhecimento são inquestionáveis.
  • 14. RNA • Estrutura – constituído por uma cadeia simples (podendo em determinadas zonas dobrar-se sobre si própria devido à formação de pontes de H); • Propriedades – sintetizado a partir do DNA em três formas especificas, com funções e estruturas diferentes: – RNA mensageiro (mRNA); – RNA de transferência (tRNA); – RNA ribossómico (rRNA). http://www.colegiovascodagama.pt/
  • 17. DNA RNA Cadeia dupla Cadeia simples Pentose – desoxiribose Pentose – ribose Bases: adenina, timina, citosina e guanina Bases: adenina, uracilo, citosina e guanina Cadeias – longas com milhares de nucleótidos Cadeias – curtas com algumas centenas de nucleótidos Localização – no núcleo e, em pequenas quantidades, nos cloroplastos e mitocôndrias. Localização – principalmente no hialoplasma.
  • 18. DNA - replicação Sendo o suporte da informação genética, o DNA necessita de se auto-reproduzir, criando cópias, de modo a transmiti-las de geração em geração. http://www.mundoeducacao.com/
  • 19. DNA - replicação • Hipótese Semi-conservativa: cada nova moléculaé formada por uma cadeia progenitora e por uma nova cadeia. • Hipótese Conservativa: a molécula progenitora serve apenas de molde à nova molécula, formadas por duas novas cadeias. • Hipótese Dispersiva: a nova molécula é constituída por porções da molécula progenitora e por nucleótidos sintetizados de novo. http://www.esec-odivelas.rcts.pt/
  • 20. Experiências de Meselson e Stahl • • 1.ª experiência – cultivaram bactérias (Escherichia coli) em meios de cultura diferentes: um contendo um isótopo pesado de azoto ( 15N) e outro contendo azoto normal (14N). – Verificaram que as bactérias cultivadas em 15N incorporaram esse azoto nos seus nucleótidos formando um DNA com maior densidade, que se deposita mais próximo do fundo do tubo. 2.ª experiência – cultivaram novamente bactérias E.coli num meio de cultura com 15N. Após várias gerações de bactérias se terem desenvolvido no meio com azoto pesado, foram transferidas para um meio de cultura com azoto normal ( 14N). – Verificaram que as bactérias com azoto pesado utilizaram o azoto normal para produzirem novas cadeias de DNA. – Assim, na primeira geração, cada molécula de DNA apresentou uma cadeia de nucleótidos com 15N (que provinha da geração parental) e outra com 14N (formada com nucleótidos que incorporaram o azoto presente no meio). Desta forma as moléculas de DNA apresentaram uma densidade intermédia entre DNA com 15N e DNA com 14N. – Numa segunda geração 50% de moléculas de DNA apresentaram densidade normal e 50% tinham densidade superior. – Numa terceira geração verificou-se que existia 75% moléculas de DNA com densidade normal, e apenas 25% de densidade maior.
  • 21. Experiências de Meselson e Stahl • 2.ª experiência – cultivaram novamente bactérias E.coli num meio de cultura com 15N. Após várias gerações de bactérias se terem desenvolvido no meio com azoto pesado, foram transferidas para um meio de cultura com azoto normal ( 14N). – Verificaram que as bactérias com azoto pesado utilizaram o azoto normal para produzirem novas cadeias de DNA. – Assim, na primeira geração, cada molécula de DNA apresentou uma cadeia de nucleótidos com 15N (que provinha da geração parental) e outra com 14N (formada com nucleótidos que incorporaram o azoto presente no meio). Desta forma as moléculas de DNA apresentaram uma densidade intermédia entre DNA com 15N e DNA com 14N. www.netexplica.pt
  • 22. Experiências de Meselson e Stahl – – Numa segunda geração 50% de moléculas de DNA apresentaram densidade normal e 50% tinham densidade superior. Numa terceira geração verificou-se que existia 75% moléculas de DNA com densidade normal, e apenas 15% de densidade maior. http://www.youtube.com/watch?v=OzSIGxKWqoo www.netexplica.pt
  • 23. Hipótese Semiconservativa 1. Desenrolamento do DNA. 2. Rompimento das pontes de H entre bases complementares (enzimas – DNA polimerases). 3. Incorporação de nucleótidos do meio, por complementaridade, com formação de duas novas cadeias. http://www.youtube.com/watch?v=zdDkiRw1PdU
  • 24. Síntese Proteica • O DNA regula toda a atividade das células controlando a produção de proteínas. • Watson e Crick descreveram a existência de um fluxo unidirecional de informação dos ácidos nucleicos às proteínas: – As proteínas só poderão ser produzidas quando a informação genética chegar ao exterior do núcleo; – Assim, essa informação tem que ser copiada para uma molécula de RNA:  Transcrição; – A informação transportada pelo RNA é utilizada para sintetizar proteínas:  Tradução.
  • 25. Código Genético • Constituído por 64 tripletos de 3 nucleótidos do DNA – Codogenes. • No mRNA cada aminoácido é codificado por um conjunto de 3 nucleótidos – Codão. http://e-portfolio-biologia.blogspot.pt/
  • 26. Código Genético • Características: – Universalidade do código genético: • desde os organismos mais simples aos mais complexos, há uma linguagem comum a quase todas as células; – O tripleto AUG tem dupla função - codifica o aminoácido metionina e constitui o codão de iniciação para a síntese proteica; – Os tripletos UAA, UGA e UAG são codões de finalização – marcam o fim da síntese proteica; – O código genético é redundante: • existe mais do que um codão para codificar o mesmo aminoácido; – O terceiro nucleótido de cada codão é menos específico que os dois primeiros: • ex: a prolina pode ser codificada por qualquer um dos seguintes codões: CCU, CCC, CCA ou CCG; – O código genético não é ambíguo: • a cada codão corresponde um aminoácido.
  • 27. DNA versus Proteínas Como é que 4 nucleótidos conseguem codificar 20 aminoácidos diferentes? Moléculas Monómeros Proteínas 20 Aminoácidos Ácidos nucleicos 4 Nucleótidos http://gracieteoliveira.pbworks.com/
  • 28. DNA versus Proteínas • 1961/1968 – Marshall Niremberg, Har Gobind Khorana e colaboradores realizaram experiências no sentido de decifrar o código genético. • Conclusão: Diferentes combinações de tripletos são responsáveis pela codificação de diferentes aminoácidos. http://11biogeogondomar.blogspot.pt/
  • 29. Síntese Proteica - Transcrição • Uma molécula de mRNA forma-se por complementaridade de uma das cadeias do DNA e, como tal, contém a mesma informação. http://maisbiogeologia.blogspot.pt
  • 30. Transcrição 1. Ligação da enzima RNA polimerase a locais específicos do DNA, no núcleo. 2. Rompimento das pontes de hidrogénio e separação das cadeias de DNA. 3. Ligação de nucleótidos livres no nucleoplasma a uma das cadeias do DNA, que funciona como molde, formando-se o mRNA no sentido 5’ 3’. 4. A transcrição termina quando a RNA polimerase encontra um codãode finalização. 5. Libertação do mRNA sintetizado. 6. Restabelecimento das pontes de hidrogénio e da estrutura do DNA. http://www.youtube.com/watch?v=HIIk00RRlgQ http://www.cientic.pt
  • 32. Processamento • Nos seres eucariontes, a informação necessária para a formação de uma proteína não se encontra no DNA de forma contínua mas fragmentada. • Processamento – nos seres eucariontes, o RNA produzido inicialmente (RNA prémensageiro ou RNA precursor) sofre um processo de alteração, antes de sair do núcleo: – Intrões: secções do RNA que são removidas (sem informação na síntese proteica); – Exões: secções do RNA que são ligadas entre si para formar o mRNA. galileu.esamadora.dyndns.org
  • 34. Migração • O mRNA funcional abandona o núcleo em direção ao citoplasma. http://amigodasciencias.blogspot.pt/
  • 36. tRNA • É formado por cadeias de 75 a 80 ribonucleótidos. • A cadeia é dobrada em forma de “folha de trevo” (estabelecimento de pontes de hidrogénio entre as bases complementares). • Anticodão – sequência de 3 nucleótidos que é complementar do codão do mRNA; reconhece e liga-se ao codão. http://www.cientic.pt
  • 37. tRNA • Local aminoacil – região que permite fixar um determinado aminoácido (extremidade 3’ da molécula). • Funciona como intérprete do mRNA, convertendo a sua informação numa sequência de aminoácidos. • Apresenta locais para a ligação a um ribossoma e para a ligação das enzimas que intervêm na constituição dos péptidos. http://www.cientic.pt
  • 38. Ribossomas • Organelos não membranares, constituídos por rRNA e proteínas, organizados em duas subunidades (maior e menor). • Podem encontrar-se livres no citoplasma ou associados ao RER. • Funcionam como sistemas de leitura do mRNA; locais onde decorre a tradução. http://www.andomeioloki.xpg.com.br/
  • 39. Síntese Proteica - Tradução Iniciação •A subunidade menor do ribossoma liga-se à extremidade 5’ do mRNA. •Desliza ao longo do mRNA até encontrar o codão de iniciação (AUG). •O tRNA com o aminoácido metionina (que corresponde ao codão AUG) liga-se por complementaridade. •A subunidade maior do ribossoma liga-se ao conjunto. Areal Editores
  • 40. Tradução Alongamento •Liga-se um segundo tRNA, com o respetivo aminoácido, ao codão seguinte. •Estabelece-se uma ligação peptídica entre o novo aminoácido e a metionina. •O ribossoma desliza ao longo da molécula, avançando 3 bases (sentido 5’  3’). •O processo vai-se repetindo, com a ligação de novos aminoácidos. •Os tRNA vão-se desprendendo sucessivamente. Areal Editores
  • 41. Tradução Finalização •Quando o ribossoma encontra um Codão de Finalização (UAA, UAG ou UGA), o alongamento termina. •O último tRNA liberta-se para o citoplasma. •O ribossoma separa-se nas suas subunidades, que podem ser recicladas. •O péptido é libertado. http://www.youtube.com/watch?v=rZvInRO6J8Q Areal Editores
  • 42. Síntese Proteica - Tradução http://www.youtube.com/watch?v=rZvInRO6J8Q http://www.youtube.com/watch?v=P5fm3He_pds http://www.netxplica.com/
  • 43. Síntese Proteica • Existe consumo de energia: reações anabólicas (armazenamento de energia nas ligações peptídicas). • Durante o processo, algumas fases são amplificadas: – Várias moléculas de mRNA podem ser transcritas a partir do mesmo gene; – Uma única molécula de mRNA pode ser “lida” por vários ribossomas em simultâneo: Polirribossoma ou Polissoma (formam-se diversas cópias da mesma proteína); – No final, o mRNA é hidrolisado (dá origem a vários nucleótidos que são reciclados). galileu.esamadora.dyndns.org
  • 45. Mutações • Alterações bruscas do material genético. • Introduzem variabilidade. • Podem ser espontâneas ou induzidas por certos fatores, como os raios X, gama, cósmicos ou ultravioletas, as nitrosaminas, a colquicina, o formaldeído, o fenol e certos pesticidas. • Consequências – não produção de uma dada proteína, aparecimento de uma versão inativa ou com novas funcionalidades. • A maior parte das mutações não provoca uma alteração significativa, pois: – envolve um único nucleótido do DNA; – o codogene alterado continuará a codificar o mesmo aminoácido; – a proteína em causa não será determinante para a sobrevivência da célula/organismo. • Nota: podem surgir proteínas diferentes das habituais por falhas de transcrição ou tradução e não apenas de replicação (“instrumento” mutagénico).
  • 46. Mutações Mutações génicas - alteração de um ou vários nucleótidos de um gene.

Notas do Editor

  1. {}