SlideShare uma empresa Scribd logo

Quimica tabela periodica

tabela periodica

1 de 56
Baixar para ler offline
QUÍMICA
A Tabela
Periódica dos
elementos
TABELA PERIÓDICA
 Dimitri Ivanovich Mendeleyev (1834-1907) nasceu na
St. Petersburg e posteriormente viveu na França e
Alemanha. Conseguiu o cargo de professor de química
na Universidade de St. Petersburg.
 Mendeleyev criou uma carta para cada um dos 63
elementos conhecidos. Cada carta continha o símbolo do
elemento, a massa atômica e suas propriedades químicas
e físicas. Colocando as cartas em uma mesa, organizou-
as em ordem crescente de suas massas atômicas,
agrupando-as em elementos de propriedades
semelhantes. Formou-se então a tabela periódica.
 A vantagem da tabela periódica de Mendeleyev sobre as
outras, é que esta exibia semelhanças numa rede de
relações vertical, horizontal e diagonal.
 Em 1906, Mendeleyev recebeu o Prêmio Nobel por este
trabalho.
 O elemento de número atômico 101 é o Mendelévio (Md)
em sua homenagem.
Quimica tabela periodica
A descoberta do número atômico
 Em 1913, o cientista britânico Henry Moseley
descobriu que o número de prótons no núcleo de um
determinado átomo era sempre o mesmo.
 Moseley usou essa idéia para o número atômico de
cada átomo. Quando os átomos foram arranjados de
acordo com o aumento do número atômico, os
problemas existentes na tabela de Mendeleyev
desapareceram.
 Devido ao trabalho de Moseley, a tabela periódica
moderna está baseada no número atômico dos
elementos.
 Com o passar do tempo, os químicos foram
melhorando a tabela periódica moderna, aplicando
novos dados, como as descobertas de novos
elementos ou um número mais preciso na massa
atômica, e rearranjando os existentes, sempre em
função dos conceitos originais.
• A última maior troca na tabela, resultou do
trabalho de Glenn Seaborg, na década de 50.
• A partir da descoberta do plutônio em 1940,
Seaborg descobriu todos os elementos
transurânicos (do número atômico 94 até
102).
• Reconfigurou a tabela periódica colocando a
série dos actnídeos abaixo da série dos
lantanídeos.
• Em 1951, Seaborg recebeu o Prêmio Nobel
em química, pelo seu trabalho.
• O elemento 106 tabela periódica é chamado
seabórgio (Sg), em sua homenagem.
Quimica tabela periodica

Recomendados

Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodicaIsasesantos
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.Ajudar Pessoas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasKátia Elias
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoCarlos Priante
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slidesMicaela Neiva
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódica
 
Classificacao periodica dos_elementos
Classificacao periodica dos_elementosClassificacao periodica dos_elementos
Classificacao periodica dos_elementos
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Química Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONOQuímica Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONO
 
Números quânticos
Números quânticosNúmeros quânticos
Números quânticos
 
Aula solubilidade
Aula  solubilidadeAula  solubilidade
Aula solubilidade
 
Íons e Elementos químicos
Íons e Elementos químicosÍons e Elementos químicos
Íons e Elementos químicos
 
Química distribuição eletronica
Química   distribuição eletronicaQuímica   distribuição eletronica
Química distribuição eletronica
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Aula elementos químicos
Aula elementos químicosAula elementos químicos
Aula elementos químicos
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Tabela Periódica ENEM 2016
Tabela Periódica ENEM 2016Tabela Periódica ENEM 2016
Tabela Periódica ENEM 2016
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Classificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementosClassificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementos
 
Estrutura Atomica
Estrutura AtomicaEstrutura Atomica
Estrutura Atomica
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 

Destaque

Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estrutura
Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estruturaAula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estrutura
Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estruturaMaiquel Vieira
 
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usos
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usosAulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usos
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usosMaiquel Vieira
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoEstude Mais
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções InorgânicasFabi Wentz
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorioEstude Mais
 
2º lei de mendel ii
2º lei de mendel ii2º lei de mendel ii
2º lei de mendel iiEstude Mais
 
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2Maiquel Vieira
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem químicaMaiquel Vieira
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem químicaMaiquel Vieira
 
Simulado Enem Química nº 4 - 2012
Simulado Enem Química nº 4 - 2012Simulado Enem Química nº 4 - 2012
Simulado Enem Química nº 4 - 2012Maiquel Vieira
 
Simulado Enem Química nº 2 - Mega Intensivo 2012
Simulado Enem Química  nº 2 - Mega Intensivo 2012Simulado Enem Química  nº 2 - Mega Intensivo 2012
Simulado Enem Química nº 2 - Mega Intensivo 2012Maiquel Vieira
 
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 - Referente aulas 1 a 6
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 -  Referente aulas 1 a 61º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 -  Referente aulas 1 a 6
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 - Referente aulas 1 a 6Maiquel Vieira
 
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicar
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicarSimulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicar
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicarMaiquel Vieira
 
Simulado 2 - Enem Química
Simulado 2 - Enem QuímicaSimulado 2 - Enem Química
Simulado 2 - Enem QuímicaMaiquel Vieira
 
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4Maiquel Vieira
 

Destaque (20)

Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estrutura
Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estruturaAula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estrutura
Aula 3 - Modelos atômicos - Átomos e sua estrutura
 
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usos
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usosAulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usos
Aulas de química para o Enem - Matéria, suas propriedades e usos
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
 
Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
2 lei de mendel
2 lei de mendel 2 lei de mendel
2 lei de mendel
 
NAZISMO
NAZISMONAZISMO
NAZISMO
 
7 ano células
7 ano células7 ano células
7 ano células
 
2º lei de mendel ii
2º lei de mendel ii2º lei de mendel ii
2º lei de mendel ii
 
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 2
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem química
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem química
 
Simulado Enem Química nº 4 - 2012
Simulado Enem Química nº 4 - 2012Simulado Enem Química nº 4 - 2012
Simulado Enem Química nº 4 - 2012
 
Simulado Enem Química nº 2 - Mega Intensivo 2012
Simulado Enem Química  nº 2 - Mega Intensivo 2012Simulado Enem Química  nº 2 - Mega Intensivo 2012
Simulado Enem Química nº 2 - Mega Intensivo 2012
 
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 - Referente aulas 1 a 6
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 -  Referente aulas 1 a 61º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 -  Referente aulas 1 a 6
1º Simulado Revisão ENEM QUIMICA 2013 - Referente aulas 1 a 6
 
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicar
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicarSimulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicar
Simulado 2012 10 questões (aula 1 a 7) publicar
 
Simulado 2 - Enem Química
Simulado 2 - Enem QuímicaSimulado 2 - Enem Química
Simulado 2 - Enem Química
 
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4
Aula de química para o Enem - Orgânica - Módulo 4
 

Semelhante a Quimica tabela periodica

99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifmsVagner Dias
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifmsVagner Dias
 
Resumo tabela periódica e propriedades periódicas
Resumo  tabela periódica e propriedades periódicasResumo  tabela periódica e propriedades periódicas
Resumo tabela periódica e propriedades periódicasProfª Alda Ernestina
 
1213721378 1437.tabela periodica
1213721378 1437.tabela periodica1213721378 1437.tabela periodica
1213721378 1437.tabela periodicaPelo Siro
 
Escola estadual josé maria de morais
Escola estadual josé maria de moraisEscola estadual josé maria de morais
Escola estadual josé maria de moraisClaudelane Paes
 
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoQuímica geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoJemuel Araújo da Silva
 
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdf
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdfTabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdf
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdfGabrielaHonorio4
 
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódicaprofNICODEMOS
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08Marcos Júnior
 
Química Ensino Médio tabela periódica.pdf
Química Ensino Médio tabela periódica.pdfQuímica Ensino Médio tabela periódica.pdf
Química Ensino Médio tabela periódica.pdfBernardo Werneck
 
História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)ct-esma
 

Semelhante a Quimica tabela periodica (20)

Tabela PerióDica
Tabela PerióDicaTabela PerióDica
Tabela PerióDica
 
Atomística
AtomísticaAtomística
Atomística
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
 
Resumo tabela periódica e propriedades periódicas
Resumo  tabela periódica e propriedades periódicasResumo  tabela periódica e propriedades periódicas
Resumo tabela periódica e propriedades periódicas
 
Tabela periodica resumo
Tabela periodica resumoTabela periodica resumo
Tabela periodica resumo
 
1213721378 1437.tabela periodica
1213721378 1437.tabela periodica1213721378 1437.tabela periodica
1213721378 1437.tabela periodica
 
Escola estadual josé maria de morais
Escola estadual josé maria de moraisEscola estadual josé maria de morais
Escola estadual josé maria de morais
 
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoQuímica geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
 
Tabela peridica
Tabela peridicaTabela peridica
Tabela peridica
 
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdf
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdfTabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdf
Tabela e Propriedades Periódicas (ERE).pdf
 
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt
2º SEMESTRE - TABELA PERIÓDICA HISTÓRIA.ppt
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódica
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Química Ensino Médio tabela periódica.pdf
Química Ensino Médio tabela periódica.pdfQuímica Ensino Médio tabela periódica.pdf
Química Ensino Médio tabela periódica.pdf
 
Tabela Periodica
Tabela PeriodicaTabela Periodica
Tabela Periodica
 
História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
 

Mais de Estude Mais

Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoEstude Mais
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaEstude Mais
 
O que é um seminario
O que é um seminarioO que é um seminario
O que é um seminarioEstude Mais
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosEstude Mais
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemEstude Mais
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemEstude Mais
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemEstude Mais
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enemEstude Mais
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidadesEstude Mais
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasEstude Mais
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento geneticoEstude Mais
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesEstude Mais
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes BiologicasEstude Mais
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaEstude Mais
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populistaEstude Mais
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaEstude Mais
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Estude Mais
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEstude Mais
 
Exercicio de polinomios
Exercicio de polinomiosExercicio de polinomios
Exercicio de polinomiosEstude Mais
 

Mais de Estude Mais (20)

Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
 
Exercicios de estatistica
Exercicios de estatisticaExercicios de estatistica
Exercicios de estatistica
 
O que é um seminario
O que é um seminarioO que é um seminario
O que é um seminario
 
Guia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de semináriosGuia de apresentação de seminários
Guia de apresentação de seminários
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
 
Ecologia comunidades
Ecologia comunidadesEcologia comunidades
Ecologia comunidades
 
Sucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomasSucessao ecologica e biomas
Sucessao ecologica e biomas
 
Melhoramento genetico
Melhoramento geneticoMelhoramento genetico
Melhoramento genetico
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
 
Populacoes Biologicas
Populacoes BiologicasPopulacoes Biologicas
Populacoes Biologicas
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
Regime liberal populista
Regime liberal populistaRegime liberal populista
Regime liberal populista
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
 
Energia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemasEnergia e materia nos ecossistemas
Energia e materia nos ecossistemas
 
Exercicio de polinomios
Exercicio de polinomiosExercicio de polinomios
Exercicio de polinomios
 

Último

1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 

Quimica tabela periodica

  • 2. TABELA PERIÓDICA  Dimitri Ivanovich Mendeleyev (1834-1907) nasceu na St. Petersburg e posteriormente viveu na França e Alemanha. Conseguiu o cargo de professor de química na Universidade de St. Petersburg.  Mendeleyev criou uma carta para cada um dos 63 elementos conhecidos. Cada carta continha o símbolo do elemento, a massa atômica e suas propriedades químicas e físicas. Colocando as cartas em uma mesa, organizou- as em ordem crescente de suas massas atômicas, agrupando-as em elementos de propriedades semelhantes. Formou-se então a tabela periódica.  A vantagem da tabela periódica de Mendeleyev sobre as outras, é que esta exibia semelhanças numa rede de relações vertical, horizontal e diagonal.  Em 1906, Mendeleyev recebeu o Prêmio Nobel por este trabalho.  O elemento de número atômico 101 é o Mendelévio (Md) em sua homenagem.
  • 4. A descoberta do número atômico  Em 1913, o cientista britânico Henry Moseley descobriu que o número de prótons no núcleo de um determinado átomo era sempre o mesmo.  Moseley usou essa idéia para o número atômico de cada átomo. Quando os átomos foram arranjados de acordo com o aumento do número atômico, os problemas existentes na tabela de Mendeleyev desapareceram.  Devido ao trabalho de Moseley, a tabela periódica moderna está baseada no número atômico dos elementos.  Com o passar do tempo, os químicos foram melhorando a tabela periódica moderna, aplicando novos dados, como as descobertas de novos elementos ou um número mais preciso na massa atômica, e rearranjando os existentes, sempre em função dos conceitos originais.
  • 5. • A última maior troca na tabela, resultou do trabalho de Glenn Seaborg, na década de 50. • A partir da descoberta do plutônio em 1940, Seaborg descobriu todos os elementos transurânicos (do número atômico 94 até 102). • Reconfigurou a tabela periódica colocando a série dos actnídeos abaixo da série dos lantanídeos. • Em 1951, Seaborg recebeu o Prêmio Nobel em química, pelo seu trabalho. • O elemento 106 tabela periódica é chamado seabórgio (Sg), em sua homenagem.
  • 7. • O sistema de numeração dos grupos da tabela periódica, usados atualmente, são recomendados pela União Internacional de química Pura e Aplicada (IUPAC). METAIS AMETAIS GASES NOBRES
  • 9. A Tabela periódica atual • Elementos dispostos em ordem crescente de número atômico; • Sete linhas horizontais  períodos ou série • Dezoito linhas verticais  colunas, famílias ou grupos Elementos divididos em dois grupos: metais (elementos em verde) e não metais (elementos em amarelo, incluindo hidrogênio e os gases nobres) Série dos lantanídios e dos actinídios.
  • 10. Família (ou grupo) 1º período (ou série) 2º período (ou série) 3º período (ou série) 4º período (ou série) 5º período (ou série) 6º período (ou série) 7º período (ou série) Série dos Lantanídeos Série dos Actinídeos Num grupo,(famílias),os elementos apresentam propriedades químicas semelhantes. À medida que percorremos um período, as propriedades físicas variam regularmente, uniformemente.
  • 11. A numeração é feita em algarismos arábicos de 1 a 18, começando a numeração da esquerda para a direita, sendo o grupo:  1, o do hidrogênio e dos metais alcalinos ;  2, dos metais alcalino-terrosos;  13, dos elementos representativos da família do Boro (B);  14, da família do Carbono (C);  15, da família do Nitrogênio (N).  16, da família dos calcogênios;  17, da família dos halogênios e  18, o dos gases nobres .
  • 12.  Os elementos dos grupos A são chamados representativos.  Os metais das famílias B são chamados METAIS DE TRANSIÇÃO, sendo: * Os Lantanídeos e Actinídeos, os metais de transição interna. * Os demais, metais de transição externa.  Oficialmente, são conhecidos hoje 115 elementos químicos, dos quais 88 são naturais (encontrados na natureza) e 27 artificiais (produzidos em laboratório); estes últimos podem ser classificados em: * cisurânicos — apresentam número atômico inferior a 92, do elemento urânio, e são os seguintes: tecnécio (Tc), astato (At), frâncio (Fr), promécio (Pm); * transurânicos — apresentam número atômico superior a 92 e são atualmente em número de 23.
  • 15. Ordem crescente de energia nos subníveis 1s 2s 2p 3s 3p 42 3d 4p 5s 4d 5p 6s 4f 5d 6p 7s 5f 6d Distribuição eletrônica e posição na tabela periódica
  • 16. s d p f O esquema abaixo mostra o subnível ocupado pelo elétron mais energético dos elementos da tabela periódica. Tabela periódica
  • 18. A distribuição eletrônica do átomo de um dado elemento químico permite que determinemos sua localização na tabela. Exemplo: Sódio(Na) – Z = 11 1s²2s²2p63s¹ Período: 3º Família: 1(1 A) – Metais Alcalinos Localização na tabela periódica dos elementos representativos (antigas Famílias A)
  • 19. Localização na tabela periódica dos elementos de transição (antigas Famílias B) Os elementos dessas famílias são denominados genericamente elementos de transição. Uma parte deles ocupa o bloco central da tabela periódica, de IIIB até IIB (10 colunas), e apresenta seu elétron mais energético em subníveis d. IIIB IVB VB VIB VIIB VIIIB IB IIB 1 d 2 d 3 d 4 d 5 d 6 d 7 d 8 d 9 d 10 d Exemplo: Ferro (Fe) / Z = 26 1s²2s²2p63s²3p64s²3d6 Período: 4º Família: 8B
  • 26. Apresentam brilho quando polidos; Sob temperatura ambiente, apresentam-se no estado sólido, a única exceção é o mercúrio, um metal líquido; São bons condutores de calor e eletricidade; São resistentes maleáveis (lâminas) e dúcteis (fios). METAIS
  • 27. Correspondem a 4,16% da crosta terrestre, sendo cálcio e magnésio os mais abundantes; O rádio é raro e muito instável (radioativo); Por ser muito reativo não se encontra isolado, mas combinado, principalmente na forma de silicatos, carbonatos e sulfatos; Ex: O magnésio é facilmente moldável e é utilizado na fabricação de ligas metálicas; METAIS ALCALINOS-TERROSOS
  • 29. Existem nos estados sólidos (iodo, enxofre, fósforo, carbono) e gasoso (nitrogênio, oxigênio, flúor); a exceção é o bromo, um não-metal líquido; não apresentam brilho, são exceções o iodo e o carbono sob a forma de diamante; não conduzem bem o calor a eletricidade, com exceção do carbono sob a forma de grafite; Geralmente possuem mais de 4 elétrons na última camada eletrônica, o que lhes dá tendência a ganhar elétrons, transformando-se em íons negativos (ânions) AMETAIS
  • 31. Formam moléculas monoatômicas. São inertes, elementos químicos que dificilmente se combinam com outros elementos, mas podem fazer ligações apesar da estabilidade (em condições especiais); – hélio, neônio, argônio, criptônio, xenônio e radônio. Possuem a última camada eletrônica completa, ou seja, 8 elétrons. A única exceção é o hélio, que possui uma única camada, a camada K, que está completa com 2 elétrons. GASES NOBRES
  • 32. Apresenta propriedades muito particulares e muito diferentes em relação aos outros elementos. Por exemplo, tem apenas 1 elétron na camada K (sua única camada) quando todos os outros elementos têm 2. HIDROGÊNIO
  • 33. Metais Ametais Gases nobres e Hidrogênio RESUMO H
  • 34. NOTAS • 1 - São elementos líquidos: Hg e Br; • 2 - São Gases: He, Ne, Ar, Kr, Xe, Rn, Cl, N, O, F, H; • 3 - Os demais são sólidos; • 4 - Chamam-se cisurânicos os elementos artificiais de Z menor que 92 (urânio): Astato (At); Tecnécio (Tc); Promécio (Pm) e Frâncio (Fr). • 5 - Chamam-se transurânicos os elementos artificiais de Z maior que 92: são todos artificiais; • 6 - Elementos radioativos: Do bismuto (83Bi) em diante, todos os elementos conhecidos são naturalmente radioativos.
  • 35. Propriedades Periódicas Raio atômico Eletronegatividade Potencial de ionização Eletroafinidade Eletropositividade Densidade Ponto de fusão e Ebulição Reatividade química
  • 36. Raio Atômico H Li Na K Rb Cs Fr É a distância que vai do núcleo do átomo até o seu elétron mais externo. Inclui os gases nobres.
  • 37. Eletronegatividade É a capacidade que um átomo tem de atrair elétrons (ametais). Varia da esquerda para a direita e de baixo para cima, excluindo-se os gases nobres. H Fr
  • 38. Potencial de Ionização É a energia necessária para retirar um ou mais elétron de um átomo, no seu estado isolado e gasoso, transformando-o em um íon gasoso. Varia como a eletronegatividade e inclui os gases nobres. A segunda ionização requer maior energia que a primeira e, assim, sucessivamente. H He Ne Ar Kr Xe Rn
  • 39. Eletroafinidade É a energia liberada quando um átomo recebe um ou mais elétron, no seu estado isolado e gasoso. Varia como o Potencial de Ionização. Não inclui os gases nobres. Fr H
  • 40. Caráter Metálico É a capacidade que um átomo tem de perder elétrons (metais). Varia da direita para a esquerda e de cima para baixo excluindo-se os gases nobres. Li Na K Rb Cs Fr H F
  • 41. Densidade É a razão entre a massa e o volume do elemento. Varia das extremidades para o centro e de cima para baixo. Os
  • 42. Ponto de Fusão e Ebulição C 1A 2A
  • 44. Resumo das propriedades Eletronegatividade; Potencial de ionização; Eletroafinidade. Eletropositividade; Raio atômico
  • 45. APLICAÇÕES DE ALGUNS ELEMENTOS: Lantânio-Pedra para isqueiro; Zircônio-revestimento para metais; Ítrio-filtro para radar,lente para câmera fotográfica ; Titânio-pino para fratura; Manganês –trilho,cofre; Cobalto-lâmina de barbear,imã permanente; Níquel-moeda;talheres,ouro branco; Cádmio- parafusos,proteção anti-corrosiva; Potássio-adubo químico; Gálio-tela de televisão; Bromo-gás lacrimogêneo,anti-chamas,papel fotográfico, filme fotográfico;
  • 46. Elementos essenciais à vida Os organismos vivos, como qualquer matéria presente na terra ,são formados por átomos de ocorrência natural. Dos 90 elementos naturais,apenas 25 são essenciais nos organismos vivos e desses 25,somente 4 (H,C,N e O) perfazem 99,3% de todos os átomos de nosso corpo. Enxofre S hidrogênio H Cálcio Ca Carbono C Cloro Cl Cromo Cr Flúor F Iodo I Sódio Na Zinco Zn
  • 47. PROPRIEDADES PERIÓDICAS  As propriedades periódicas são aquelas que, à medida que o número atômico aumenta, assumem valores crescentes ou decrescentes em cada período, ou seja, repetem-se periodicamente.  Exemplo: o número de elétrons na camada de valência.  Outros exemplos: raio atômico, afinidade eletrônica, potencial de ionização, densidade, pontos de fusão e ebulição, eletronegatividade, entre outras.
  • 48. Raio atômico: o tamanho do átomo O tamanho do átomo é uma característica difícil de ser determinada, pois a eletrosfera de um átomo não tem fronteira definida. De maneira geral, para comparar o tamanho dos átomos, devemos levar em conta dois fatores: Caso os átomos comparados apresentem o mesmo número de níveis (camadas), devemos usar outro critério:
  • 51. • Ao retirarmos o primeiro elétron de um átomo, ocorre uma diminuição do raio. Por esse motivo, a energia necessária para retirar o segundo elétron é maior.
  • 54. DENSIDADE Experimentalmente, verifica-se que: • Entre os elementos das famílias IA e VIIA, a densidade aumenta, de maneira geral, de acordo com o aumento das massas atômicas, ou seja, de cima para baixo. • Num mesmo período, de maneira geral, a densidade aumenta das extremidades para o centro da tabela. • Assim, os elementos de maior densidade estão situados na parte central e inferior da tabela periódica, sendo o ósmio (Os) o elemento mais denso (22,5 g/cm³).
  • 55. PONTO DE FUSÃO E PONTO DE EBULIÇÃO • Nas famílias IA e IIA, os elementos de maiores TF e TE estão situados na parte superior da tabela. Na maioria das famílias, os elementos com maiores TF e TE estão situados geralmente na parte inferior. • Num mesmo período, de maneira geral a TF e a TE crescem das extremidades para o centro da tabela. • Entre os metais, o tungstênio (W) é o que apresenta maior TF: 3.410 ºC. • O carbono, por formar estruturas com grande número de átomos, apresenta TF (3.550 ºC) e TE (4.287 ºC) elevados.