SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA – SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO 
Edna Goya 
Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás 
O texto tem como objetivo apresentar uma experiência metodológica de trabalho de orientação que esta sendo desenvolvida com os bolsistas PIBID/FAV/UFG. Queremos falar dos procedimentos, das respectivas conquistas e dificuldades encontradas durante o desenrolar do projeto. Levando em consideração a quantidade de bolsistas exigidos pelo programa (15), os interesses dos bolsistas, e respectivas escolas (3) conveniadas, achamos por bem oferecer, dentro do projeto da Unidade, linhas temáticas para que os bolsistas pudessem se inscrever, de modo individual ou em duplas, conforme interesse. 
Palavras chave: ensino; artes visuais; formação de professores 
Entendemos que a formação do professor de artes visuais deva se preocupar com todos os níveis de ensino que antecedem a Universidade – da educação infantil ao ensino médio - e que os bolsistas devem conhecer outros espaços que o absorvam como profissional da área, portanto, defendemos a idéia de se proporcionar ao bolsista um campo mais aberto para a pesquisa, ensino e projetos de extensão. 
Compreendemos ainda que a formação do professor, de artes visuais, deve se preocupar com diversas temáticas que envolvem a pedagogia artística, haja vista que a área é bastante jovem enquanto campo de conhecimento especifico e obrigatório no currículo escolar. 
A escola necessita de um profissional que esteja aberto e qualificado para lidar com diferentes realidades e diversidade: cultural e educacional, situações de ensino, espaços e contextos, o que inclui o domínio de conhecimentos históricos, estéticos, artísticos, processuais, técnicos, de criação e processos de ensinar e aprender. Ele deve conhecer os materiais, os aspectos conceituais e filosóficos: da educação e da arte, mas sem se esquecer da complexidade e diversidade cultural que envolve todas as temáticas, práticas e contextos escolares. 
Os subprojetos dos bolsistas têm como finalidade estimulá-los a investigar assuntos de seus interesses no campo do ensino e extensão, cuja preocupação é a melhoria da qualidade de sua formação, o que implica no desenvolvimento de atividades estimulantes e diversificadas, pensando tanto na complexidade do ensino
artístico quanto nas escolas parceiras da rede municipal – segunda fase do ensino básico. Pensamos ainda na possibilidade de ocupação/visitas em outros espaços educacionais, não formais, uma vez que estes são considerados, no projeto pedagógico do curso, como importantes espaços de aprendizado, cuja preocupação é a ampliação do campo de ação do professor de artes visuais. 
Acreditamos que o desenvolvimento de estudos temáticos de modo mais ampliado, e que envolvam a melhoria da formação do professor, voltado para os diversos níveis, contextos e situações de ensino, propiciado pela diversificação de temáticas, tendo como eixo epistemológico o ensino de arte e sua melhoria, associado à natureza e duração do estágio docência – 2 anos – se poderá vir a contribuir não apenas para a formação do licenciando, mas para a ampliação de seu repertório e campo de ação, conseqüentemente, para melhoria dos cursos de graduação em licenciatura e ensino básico. 
Isto significa que o projeto do orientador deverá estar aberto para atender aos diferentes interesses, mas conforme a sua área de pesquisa: história, teoria e critica e ensino, com a preocupação em contribuir não só para a melhoria da formação do futuro professor, mas para colaborar com a escola, especialmente naquilo que lhes é menos acessível, a exemplo de estudos que discutam Arte africana na escola; Arte indígena (previsto pela LDB/96); Material didático; Metodologia de ensino artístico; Arte Goiana, Avaliação; Materiais, Processos Criativos, Conteúdos Didáticos e outros assuntos inerentes a formação do professor e a escola/parceira, mas sem perder de vista os conteúdos curriculares da escola básica. 
O trabalho de orientação dos bolsistas consiste em uma agenda semanal, com a participação de todos os bolsistas, com duração de 2 horas, com atendimentos individuais. Cada grupo/aluno tem a oportunidade de apresentação de seu projeto para os demais, aspecto que considero bastante produtivo ao permitir a troca de experiência e amadurecimento do grupo. 
A orientação do coordenador acontece em sintonia com as atividades do supervisor escolar para que o bolsista possa desenvolver um pensamento amplo e articulado sobre o seu tema, o ensino e a pesquisa, com vistas a extensão. Os projetos são desenvolvidos em parceria com as escolas conveniadas, com vistas a melhoria de sua formação, ao colocá-lo em contato com as diferentes realidades da escola e melhorar a qualidade de ensino artístico, na primeira fase da escola básica, sendo que para isto foram necessárias ações e sub-projetos de bolsistas em várias direções:
a) Arte africana na educação escolar 
b) Arte indígena na educação escolar 
c) Material didático e o ensino de arte 
d) Metodologia de ensino artístico 
e) Arte Goiana e o ensino de arte 
f) Materiais e ensino de arte 
g) Avaliação e o ensino de arte 
h) Processos Criativos 
i) Conteúdos Didáticos 
E a partir dos conhecimentos temáticos, elaborados pelo bolsista, que ele ira desenvolver suas atividades de ensino de arte, apoiado, e claro, pelos conhecimentos sobre os processos de ensinar e aprender. 
O propósito das atividades desenvolvidas pelos bolsistas é: 
 Que ele conheça a escola enquanto instituição cultural e educacional e sua estrutura; 
 Criar oportunidades para que o aluno conheça e interaja com a realidade do ensino público na área de artes visuais; 
 Conheça o sistema de organização pedagógica da escola; 
 Levar o aluno para a escola para que possa estabelecer um diálogo entre teoria, prática e realidade, nos diferentes níveis de ensino básico; 
 Criar condições para que o aluno elabore e vivencie projetos de ensino em parceria com a escola; 
 Promover um espaço de debates dentro do curso, escola e secretarias de educação sobre ensino de arte; 
 Melhorar a formação dos alunos do Curso de Graduação em Artes Visuais – Licenciatura da FAV, da Universidade Federal de Goiás, tendo a bolsa PIBID, como incentivo às discussões; 
 Integrar o ensino, praticar a pesquisa e a extensão, cujo tema aglutinador seja o ensino de Artes Visuais.
 Promover o envolvimento dos bolsistas PIBID/FAV nas atividades relacionadas ao ensino de arte, de forma transversal ao tema “educação” e “qualidade”; 
 Criar espaço para troca de experiências entre os alunos e entre alunos/escola; 
 Pensar políticas para o ensino de arte de Goiás; 
 Criar um grupo de estudo para pensar as questões referentes ao ensino de arte: o seu papel e lugar na escola e na educação. 
 Pensar juntamente com as instituições públicas de ensino de arte (Municipal, Estadual e espaços não formais) em um guia curricular para o ensino de arte para o ensino, fundamental e médio, que não seja tão dispare quanto é atualmente. 
 Conhecer os diversos guias curriculares existentes, tanto na rede privada quanto pública (da educação infantil ao ensino médio), uma vez que todos estes espaços se compõem como futuros campos de ação; 
 .Produzir conhecimentos nas áreas consideradas carentes de conteúdos artísticos que visem uma visão multicultural. 
 Criar um blog para discussão e veiculação do material produzido pelos grupos de estagiários 
Dentre os procedimentos previstos para o Grupo PIBID – FAV/UFG, incluem-se atividades em que os alunos serão público-alvo, e outras nas quais serão co- participantes do processo em execução. Dentre elas destacam-se: 
1) Atenção ao Ensino de Artes Visuais para que se desenvolva com qualidade e definição do espaço da arte na escola 
O bolsista PIBID-FAV terá várias possibilidades de atuação, sendo que suas ações visem de melhoria de sua formação e da qualidade da Educação em artes visuais, incluindo temas como: 
a) confecção de material educativo; 
b) organização de grupos; 
c) elaboração de estratégias de abordagem e sensibilização dos grupos de trabalho;
Considerando-se o momento da formação do bolsista PIBID-FAV, caberá a ações mais elaboradas, que incluem desde a condução do grupo, as visitas a visitas a escolas e a participação nas reuniões das equipes multiprofissionais que acompanham estes grupos. 
2) Proposta de Extensão: Capacitação continuada e permanente de professores das escolas parceiras e alunos do curso. O aluno poderá desenvolver projetos de extensão preferencialmente em grupo ou individual, tanto voltados para a orientação da comunidade escolar (alunos) quanto para a comunidade externa à escola, ou com os professores da escola ou ainda de outro espaço, formal ou não formal, conforme normatizações do PIBID. 
d) Organização de palestras e oficinas de arte diversas 
As ações que envolvem o bolsista PIBID-FAV e deverão ser desenvolvidas em vários níveis de estágios: na definição do conteúdo programático, na revisão bibliográfica do assunto estágio/formação, na montagem do plano de ação em todas as suas etapas (conteúdo programático, objetivos, estratégias e avaliação) dependendo do momento da formação do bolsista o PIBID – FAV/UFG. 
Cabe ressaltar que esta capacitação envolve alunos dos cursos de graduação na área do ensino (tanto na FAV quanto em outros cursos que historicamente são ou irão constituir-se como parceiros de atividades com a FAV, tais como Música, Teatro e Dança); profissionais de educação (cuja formação permanente é um compromisso da UFG); alunos de cursos de pós-graduação lato e strictu sensu . 
a. Complementação dos campos de estágio para alunos do Grupo PIBID – FAV/UFG: Os estágios serão realizados/complementados em locais que mantêm convênio e/ou uma parceria de longa data com o curso de Artes (espaços formais e não formais, públicos). 
b. Compromisso do projeto PIBID/FAV/UFG: Envolver-se com a formação permanente e atualização dos professores das escola/campo de estágio.
c. Articular estágio/currículo escolar e pesquisa e extensão/formação 
d. A alocação dos alunos nas escola será realizado via sorteio 
Ações Previstas: 
1. Participar de atividades relacionadas à prática multiprofissional e transdisciplinar na área da educação/arte preconizada pelo currículo do curso; 
2. Organizar eventos científicos na área ensino de arte e educação; 
3. Vivenciar uma efetiva articulação teoria-prática e da pesquisa na formação do educador; 
4. Promover encontros técnicos científicos com a participação de estudantes, professores, supervisores, gestores e secretaria educacionais na área de ensino de arte; 
5. Estimular o desenvolvimento de pesquisas individual e/ou grupo focadas para melhorias de processo educacional; 
6. Desenvolver um sistema de divulgação de temas relevantes à educação em arte, dentro do campus e na comunidade em geral; 
7. Vivenciar a interação docente-escola; 
8. Criar um núcleo de debates sobre ensino de arte; 
9. Inserir as discussões já existentes sobre ensino de arte nos Encontros com Coordenadores do Ensino de arte de Goiânia no Projeto; 
10. Envolver as Secretarias de Educação, Municipal e Estadual, no Projeto. 
Esperamos que o projeto seja mais uma oportunidade para se discutir e melhorar a formação do Licenciando em Artes Visuais na FAV/UFG e estreitar as relações com as instituições oficiais de ensino. Pelo Projeto, de Iniciação à Docência, o aluno poderá melhorar os seus conhecimentos sobre a realidade do ensino público (Municipal e Estadual). 
Pelas discussões espera-se que haja o amadurecimento reflexivo do aluno/professor/secretarias de Educação e que o contato do aluno com a realidade de ensino o aproxime da profissão e sirva de motivação para o exercício do magistério, hoje em crise em nosso país, por falta de políticas para a educação brasileira e de
qualidade. Espera-se ainda que ao terminar o período de bolsa, e por meio da avaliação, seja possível se verificar a validade do projeto para a melhoria das experiências do aluno, consequentemente do curso. 
O principal resultado a ser esperado refere-se a capacitação dos discentes comprometidos com o programa, o que poderá resultar em profissionais mais responsáveis, quer seja na sua prática, quer seja com a população-alvo de suas ações. 
O principal resultado esperado é a capacitação dos discentes comprometidos com o programa, que resultará em profissionais responsáveis, quer seja na sua prática, quer seja com a população-alvo de suas ações. 
A orientação será no sentido de que o(s) aluno(s) escolham uma das temáticas constadas no projeto do orientador para a elaboração de seus sub-projetos, buscando articular, se possível, as temáticas ao TCC e Estágios Supervisionado. A escolha das escolas se deu mediante sorteio, sendo cinco alunos por escola. O sorteio ocorreu da seguinte forma: Cada grupo de cinco tirou o nome de uma escola. 
8. BIBLIOGRAFIA 
Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação. 
Estatuto e Regimento Geral dos Cursos de Graduação da Universidade FEDERAL DE Goiás, 
Estatuto e Regimento da UFG – Portaria nº 1150 - DOU: 08/11/19, página 232339. 
Estatuto e Regimento Interno – Coordenador de Curso. 
Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 
Referenciais para formação de Professores/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. A 
Secretaria, 1999. 
Resolução CONSUNI nº 06/2002 – Regulamento Geral dos Cursos de Graduação. 
Resolução CNE/CP2, de 19/02/2002. Institui a duração e a carga-horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. 
Resolução – CCEPC Nº 631 – Define a política da UFG para formação de Professores da Educação Básica. 
Resolução – CCEPC Nº 766 – Define od Estágios Curriculares Obrigatórios e não Obrigatórios dos Cursos de Bacharelado e Específicos da Profissão na universidade Federal de Goiás
Resolução CCEPC 731 – Define a política de estágios da UFG para formação de professores da educação básica. 
Resolução nº 01/2002 – Conselho Diretor da FAV/UFG. 
Regimento Interno da FAV – Aprovado pelo Conselho Diretor. 
Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte/Secretaria de Educação Fundamental.-Brasília: MEC/SEF, 1998. 
Edital PIBID Nº 02/2009 – CAPS/DEB 
http://www.goiania.go.gov.br/shtml/educacao/ef_ciclos.shtml 
http://www.hojenoticia.com.br/editoria_materia.php?id=26309 
http://www.hojenoticia.com.br/editoria_materia.php?id=13494 
http://www.tribunadoplanalto.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=255 
Edna de Jesus Goya - Professora da Faculdade de Artes Visuais/UFG – GO, Doutoranda em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/SP; Mestre em Arte Publicitária e Produção Simbólica pela ECA/USP-SP (1998); Curso de Especialização em Educação (UCG, 1986) e em Arte-Educação (UFG, 1989); Bacharel em Artes Visuais, Habilitação Gravura (UFG, 1992) e Licenciatura em Desenho e Plástica (UFG, 1983). Coordenadora de Estágio Curso de Artes Visuais – Licenciatura da FAV/UFG e Programa de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/FAV/UFG). ednajgoya@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Declaração de Bolonha
Declaração de BolonhaDeclaração de Bolonha
Declaração de BolonhaChuck Gary
 
Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio edimar f dantas dantas
 
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005Solange Soares
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...Rosane Domingues
 
Projeto da CCPP- Câmpus Camboriú
Projeto da CCPP- Câmpus CamboriúProjeto da CCPP- Câmpus Camboriú
Projeto da CCPP- Câmpus CamboriúHelen Horowitz
 
Slides pacto atribuições
Slides pacto atribuiçõesSlides pacto atribuições
Slides pacto atribuiçõesCaroline Marino
 
Projecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosProjecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosANA GRALHEIRO
 
Livro Competencias Essenciais
Livro Competencias EssenciaisLivro Competencias Essenciais
Livro Competencias EssenciaisAlfredo Lopes
 
A P R E S E N T AÇÃ O O B J E T I V O S E P R O P O S T A S
A P R E S E N T AÇÃ O  O B J E T I V O S  E  P R O P O S T A SA P R E S E N T AÇÃ O  O B J E T I V O S  E  P R O P O S T A S
A P R E S E N T AÇÃ O O B J E T I V O S E P R O P O S T A SMilton Alvaro Menon
 
Plano Anual de Actividades 09/10
Plano Anual de Actividades 09/10Plano Anual de Actividades 09/10
Plano Anual de Actividades 09/10guest0462827d
 
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoGelson Rocha
 
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAM
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAMOrganização Administrativa do Sistema Educativo na RAM
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAMRute Moedas da Silva
 
Programação aulas
Programação aulasProgramação aulas
Programação aulasminizao
 

Mais procurados (19)

Declaração de Bolonha
Declaração de BolonhaDeclaração de Bolonha
Declaração de Bolonha
 
Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio
 
Projeto pibid
Projeto pibid Projeto pibid
Projeto pibid
 
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
 
Catalogo br-fp
Catalogo br-fpCatalogo br-fp
Catalogo br-fp
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
Projeto da CCPP- Câmpus Camboriú
Projeto da CCPP- Câmpus CamboriúProjeto da CCPP- Câmpus Camboriú
Projeto da CCPP- Câmpus Camboriú
 
Slides pacto atribuições
Slides pacto atribuiçõesSlides pacto atribuições
Slides pacto atribuições
 
Relatorio final
Relatorio   finalRelatorio   final
Relatorio final
 
Projecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivosProjecto educativo objectivos
Projecto educativo objectivos
 
Subprojeto Pibid-Letras/Ufal
Subprojeto Pibid-Letras/UfalSubprojeto Pibid-Letras/Ufal
Subprojeto Pibid-Letras/Ufal
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
 
PEA 2012-13
PEA 2012-13PEA 2012-13
PEA 2012-13
 
Livro Competencias Essenciais
Livro Competencias EssenciaisLivro Competencias Essenciais
Livro Competencias Essenciais
 
A P R E S E N T AÇÃ O O B J E T I V O S E P R O P O S T A S
A P R E S E N T AÇÃ O  O B J E T I V O S  E  P R O P O S T A SA P R E S E N T AÇÃ O  O B J E T I V O S  E  P R O P O S T A S
A P R E S E N T AÇÃ O O B J E T I V O S E P R O P O S T A S
 
Plano Anual de Actividades 09/10
Plano Anual de Actividades 09/10Plano Anual de Actividades 09/10
Plano Anual de Actividades 09/10
 
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
 
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAM
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAMOrganização Administrativa do Sistema Educativo na RAM
Organização Administrativa do Sistema Educativo na RAM
 
Programação aulas
Programação aulasProgramação aulas
Programação aulas
 

Destaque

Currículo Professor de Artes Visuais Lucas Bocatto
Currículo Professor de Artes Visuais Lucas BocattoCurrículo Professor de Artes Visuais Lucas Bocatto
Currículo Professor de Artes Visuais Lucas BocattoLucas Bocatto
 
Curriculum de professor_atual
Curriculum de professor_atualCurriculum de professor_atual
Curriculum de professor_atualWanderson Amaral
 
Professor de musica curriculo - arnaldo alves
Professor de  musica   curriculo - arnaldo alvesProfessor de  musica   curriculo - arnaldo alves
Professor de musica curriculo - arnaldo alvesArnaldo Alves
 
CURRICULUM VITAE Alexandra Damaso
CURRICULUM VITAE Alexandra DamasoCURRICULUM VITAE Alexandra Damaso
CURRICULUM VITAE Alexandra DamasoAlexandra Damaso
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11Titina Corso
 
Curriculum Profª Elizete Arantes
Curriculum  Profª Elizete ArantesCurriculum  Profª Elizete Arantes
Curriculum Profª Elizete Aranteselizetearantes
 
Modelo de-curriculum-1-preenchido
Modelo de-curriculum-1-preenchidoModelo de-curriculum-1-preenchido
Modelo de-curriculum-1-preenchidoJocileu Segundo
 
Curriculum vitae 2013
Curriculum vitae 2013Curriculum vitae 2013
Curriculum vitae 2013Ana Santos
 

Destaque (10)

Currículo Professor de Artes Visuais Lucas Bocatto
Currículo Professor de Artes Visuais Lucas BocattoCurrículo Professor de Artes Visuais Lucas Bocatto
Currículo Professor de Artes Visuais Lucas Bocatto
 
Curriculum de professor_atual
Curriculum de professor_atualCurriculum de professor_atual
Curriculum de professor_atual
 
Professor de musica curriculo - arnaldo alves
Professor de  musica   curriculo - arnaldo alvesProfessor de  musica   curriculo - arnaldo alves
Professor de musica curriculo - arnaldo alves
 
CURRICULUM VITAE Alexandra Damaso
CURRICULUM VITAE Alexandra DamasoCURRICULUM VITAE Alexandra Damaso
CURRICULUM VITAE Alexandra Damaso
 
Modelos de curriculo
Modelos de curriculoModelos de curriculo
Modelos de curriculo
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
 
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11
Curriculum Vitae EducaçãO E Artes PláSticas Junho11
 
Curriculum Profª Elizete Arantes
Curriculum  Profª Elizete ArantesCurriculum  Profª Elizete Arantes
Curriculum Profª Elizete Arantes
 
Modelo de-curriculum-1-preenchido
Modelo de-curriculum-1-preenchidoModelo de-curriculum-1-preenchido
Modelo de-curriculum-1-preenchido
 
Curriculum vitae 2013
Curriculum vitae 2013Curriculum vitae 2013
Curriculum vitae 2013
 

Semelhante a O PIBID - A formação do professor de Artes Visuais e as atividades de ensino e pesquisa nas escolas municipais de Goiânia - Segunda fase do Ensino Básico

31 997320837 semana cultural virtual
31 997320837 semana cultural virtual31 997320837 semana cultural virtual
31 997320837 semana cultural virtualDescomplicaConsultor
 
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdf
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdfSemana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdf
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdfHELENO FAVACHO
 
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigido
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigidoRelato de experiencia ana paula e janaína corrigido
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigidoAna Paula Brizola
 
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdf
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdfAVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdf
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdfjugimenes8
 
Importância do ensino de Artes Visuais...
Importância do ensino de Artes Visuais...Importância do ensino de Artes Visuais...
Importância do ensino de Artes Visuais...SandraVaz33
 
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumond
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumondCarecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumond
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Objetivos individuais da docente
Objetivos individuais da docenteObjetivos individuais da docente
Objetivos individuais da docenteCarla Rego Pires
 
ORIENTACOES CURRICULARES ARTES
ORIENTACOES CURRICULARES ARTESORIENTACOES CURRICULARES ARTES
ORIENTACOES CURRICULARES ARTESJayme Sousa
 
A formação de professores em arte
A formação de professores em arteA formação de professores em arte
A formação de professores em arteRomulo Coco
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosEdeilson Silva
 
Perfil geral de desempenho do educador de infânica
Perfil geral de desempenho do educador de infânicaPerfil geral de desempenho do educador de infânica
Perfil geral de desempenho do educador de infânicaMaria Albuquerque
 
7) Resultados esperados.
7) Resultados esperados. 7) Resultados esperados.
7) Resultados esperados. Unicesumar
 
1) Título do Projeto.
1) Título do Projeto. 1) Título do Projeto.
1) Título do Projeto. Unicesumar
 
Que Currículo para o Século XXI?
Que Currículo para o Século XXI?Que Currículo para o Século XXI?
Que Currículo para o Século XXI?Artur Coelho
 
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01SimoneHelenDrumond
 
Aprendizagens essenciais_EV
Aprendizagens essenciais_EVAprendizagens essenciais_EV
Aprendizagens essenciais_EVHelena Ferreira
 
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio Ambiente
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio AmbienteOs Desafios do PIBID Teatro e Meio Ambiente
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio AmbienteTássio Ferreira
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011EC306norte
 

Semelhante a O PIBID - A formação do professor de Artes Visuais e as atividades de ensino e pesquisa nas escolas municipais de Goiânia - Segunda fase do Ensino Básico (20)

PEDAGOGIA 4 E 5.pdf
PEDAGOGIA 4 E 5.pdfPEDAGOGIA 4 E 5.pdf
PEDAGOGIA 4 E 5.pdf
 
31 997320837 semana cultural virtual
31 997320837 semana cultural virtual31 997320837 semana cultural virtual
31 997320837 semana cultural virtual
 
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdf
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdfSemana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdf
Semana Cultural - portfólio pedagogia - Pedagogia 4º e 5º semestre.pdf
 
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigido
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigidoRelato de experiencia ana paula e janaína corrigido
Relato de experiencia ana paula e janaína corrigido
 
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdf
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdfAVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdf
AVALIAÇÃO I SG Metodologia do Ensino de Arte.pdf
 
Importância do ensino de Artes Visuais...
Importância do ensino de Artes Visuais...Importância do ensino de Artes Visuais...
Importância do ensino de Artes Visuais...
 
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumond
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumondCarecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumond
Carecterizacao de arte do 1º ao 5ºano simone helen drumond
 
Objetivos individuais da docente
Objetivos individuais da docenteObjetivos individuais da docente
Objetivos individuais da docente
 
ORIENTACOES CURRICULARES ARTES
ORIENTACOES CURRICULARES ARTESORIENTACOES CURRICULARES ARTES
ORIENTACOES CURRICULARES ARTES
 
A formação de professores em arte
A formação de professores em arteA formação de professores em arte
A formação de professores em arte
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
 
Perfil geral de desempenho do educador de infânica
Perfil geral de desempenho do educador de infânicaPerfil geral de desempenho do educador de infânica
Perfil geral de desempenho do educador de infânica
 
7) Resultados esperados.
7) Resultados esperados. 7) Resultados esperados.
7) Resultados esperados.
 
1) Título do Projeto.
1) Título do Projeto. 1) Título do Projeto.
1) Título do Projeto.
 
Que Currículo para o Século XXI?
Que Currículo para o Século XXI?Que Currículo para o Século XXI?
Que Currículo para o Século XXI?
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01
Carecterizacaodeartedo1ao5anosimonehelendrumond 110113200924-phpapp01
 
Aprendizagens essenciais_EV
Aprendizagens essenciais_EVAprendizagens essenciais_EV
Aprendizagens essenciais_EV
 
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio Ambiente
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio AmbienteOs Desafios do PIBID Teatro e Meio Ambiente
Os Desafios do PIBID Teatro e Meio Ambiente
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
 

Mais de PIBID UFPEL

Politicas Docentes no Brasil - Um estado da Arte
Politicas Docentes no Brasil - Um estado da ArtePoliticas Docentes no Brasil - Um estado da Arte
Politicas Docentes no Brasil - Um estado da ArtePIBID UFPEL
 
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...PIBID UFPEL
 
Pibid cartazes 3
Pibid cartazes 3Pibid cartazes 3
Pibid cartazes 3PIBID UFPEL
 
Pibid cartazes 2
Pibid cartazes 2Pibid cartazes 2
Pibid cartazes 2PIBID UFPEL
 
0 pibid cartazes 1
0 pibid cartazes 10 pibid cartazes 1
0 pibid cartazes 1PIBID UFPEL
 
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidades
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidadesInterdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidades
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidadesPIBID UFPEL
 
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...PIBID UFPEL
 
Reestruturação do Ensino Médio
Reestruturação do Ensino MédioReestruturação do Ensino Médio
Reestruturação do Ensino MédioPIBID UFPEL
 
Pibid unicamp-livro-volume-1
Pibid unicamp-livro-volume-1Pibid unicamp-livro-volume-1
Pibid unicamp-livro-volume-1PIBID UFPEL
 
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexões
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexõesInterdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexões
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexõesPIBID UFPEL
 
Como fazer um Blog?
Como fazer um Blog?Como fazer um Blog?
Como fazer um Blog?PIBID UFPEL
 

Mais de PIBID UFPEL (11)

Politicas Docentes no Brasil - Um estado da Arte
Politicas Docentes no Brasil - Um estado da ArtePoliticas Docentes no Brasil - Um estado da Arte
Politicas Docentes no Brasil - Um estado da Arte
 
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
 
Pibid cartazes 3
Pibid cartazes 3Pibid cartazes 3
Pibid cartazes 3
 
Pibid cartazes 2
Pibid cartazes 2Pibid cartazes 2
Pibid cartazes 2
 
0 pibid cartazes 1
0 pibid cartazes 10 pibid cartazes 1
0 pibid cartazes 1
 
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidades
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidadesInterdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidades
Interdisciplinaridade no Ensino Médio Desafios e potencialidades
 
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...
A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-apre...
 
Reestruturação do Ensino Médio
Reestruturação do Ensino MédioReestruturação do Ensino Médio
Reestruturação do Ensino Médio
 
Pibid unicamp-livro-volume-1
Pibid unicamp-livro-volume-1Pibid unicamp-livro-volume-1
Pibid unicamp-livro-volume-1
 
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexões
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexõesInterdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexões
Interdisciplinaridade no pibid geoartes ufpel práticas e reflexões
 
Como fazer um Blog?
Como fazer um Blog?Como fazer um Blog?
Como fazer um Blog?
 

Último

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

O PIBID - A formação do professor de Artes Visuais e as atividades de ensino e pesquisa nas escolas municipais de Goiânia - Segunda fase do Ensino Básico

  • 1. O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA – SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás O texto tem como objetivo apresentar uma experiência metodológica de trabalho de orientação que esta sendo desenvolvida com os bolsistas PIBID/FAV/UFG. Queremos falar dos procedimentos, das respectivas conquistas e dificuldades encontradas durante o desenrolar do projeto. Levando em consideração a quantidade de bolsistas exigidos pelo programa (15), os interesses dos bolsistas, e respectivas escolas (3) conveniadas, achamos por bem oferecer, dentro do projeto da Unidade, linhas temáticas para que os bolsistas pudessem se inscrever, de modo individual ou em duplas, conforme interesse. Palavras chave: ensino; artes visuais; formação de professores Entendemos que a formação do professor de artes visuais deva se preocupar com todos os níveis de ensino que antecedem a Universidade – da educação infantil ao ensino médio - e que os bolsistas devem conhecer outros espaços que o absorvam como profissional da área, portanto, defendemos a idéia de se proporcionar ao bolsista um campo mais aberto para a pesquisa, ensino e projetos de extensão. Compreendemos ainda que a formação do professor, de artes visuais, deve se preocupar com diversas temáticas que envolvem a pedagogia artística, haja vista que a área é bastante jovem enquanto campo de conhecimento especifico e obrigatório no currículo escolar. A escola necessita de um profissional que esteja aberto e qualificado para lidar com diferentes realidades e diversidade: cultural e educacional, situações de ensino, espaços e contextos, o que inclui o domínio de conhecimentos históricos, estéticos, artísticos, processuais, técnicos, de criação e processos de ensinar e aprender. Ele deve conhecer os materiais, os aspectos conceituais e filosóficos: da educação e da arte, mas sem se esquecer da complexidade e diversidade cultural que envolve todas as temáticas, práticas e contextos escolares. Os subprojetos dos bolsistas têm como finalidade estimulá-los a investigar assuntos de seus interesses no campo do ensino e extensão, cuja preocupação é a melhoria da qualidade de sua formação, o que implica no desenvolvimento de atividades estimulantes e diversificadas, pensando tanto na complexidade do ensino
  • 2. artístico quanto nas escolas parceiras da rede municipal – segunda fase do ensino básico. Pensamos ainda na possibilidade de ocupação/visitas em outros espaços educacionais, não formais, uma vez que estes são considerados, no projeto pedagógico do curso, como importantes espaços de aprendizado, cuja preocupação é a ampliação do campo de ação do professor de artes visuais. Acreditamos que o desenvolvimento de estudos temáticos de modo mais ampliado, e que envolvam a melhoria da formação do professor, voltado para os diversos níveis, contextos e situações de ensino, propiciado pela diversificação de temáticas, tendo como eixo epistemológico o ensino de arte e sua melhoria, associado à natureza e duração do estágio docência – 2 anos – se poderá vir a contribuir não apenas para a formação do licenciando, mas para a ampliação de seu repertório e campo de ação, conseqüentemente, para melhoria dos cursos de graduação em licenciatura e ensino básico. Isto significa que o projeto do orientador deverá estar aberto para atender aos diferentes interesses, mas conforme a sua área de pesquisa: história, teoria e critica e ensino, com a preocupação em contribuir não só para a melhoria da formação do futuro professor, mas para colaborar com a escola, especialmente naquilo que lhes é menos acessível, a exemplo de estudos que discutam Arte africana na escola; Arte indígena (previsto pela LDB/96); Material didático; Metodologia de ensino artístico; Arte Goiana, Avaliação; Materiais, Processos Criativos, Conteúdos Didáticos e outros assuntos inerentes a formação do professor e a escola/parceira, mas sem perder de vista os conteúdos curriculares da escola básica. O trabalho de orientação dos bolsistas consiste em uma agenda semanal, com a participação de todos os bolsistas, com duração de 2 horas, com atendimentos individuais. Cada grupo/aluno tem a oportunidade de apresentação de seu projeto para os demais, aspecto que considero bastante produtivo ao permitir a troca de experiência e amadurecimento do grupo. A orientação do coordenador acontece em sintonia com as atividades do supervisor escolar para que o bolsista possa desenvolver um pensamento amplo e articulado sobre o seu tema, o ensino e a pesquisa, com vistas a extensão. Os projetos são desenvolvidos em parceria com as escolas conveniadas, com vistas a melhoria de sua formação, ao colocá-lo em contato com as diferentes realidades da escola e melhorar a qualidade de ensino artístico, na primeira fase da escola básica, sendo que para isto foram necessárias ações e sub-projetos de bolsistas em várias direções:
  • 3. a) Arte africana na educação escolar b) Arte indígena na educação escolar c) Material didático e o ensino de arte d) Metodologia de ensino artístico e) Arte Goiana e o ensino de arte f) Materiais e ensino de arte g) Avaliação e o ensino de arte h) Processos Criativos i) Conteúdos Didáticos E a partir dos conhecimentos temáticos, elaborados pelo bolsista, que ele ira desenvolver suas atividades de ensino de arte, apoiado, e claro, pelos conhecimentos sobre os processos de ensinar e aprender. O propósito das atividades desenvolvidas pelos bolsistas é:  Que ele conheça a escola enquanto instituição cultural e educacional e sua estrutura;  Criar oportunidades para que o aluno conheça e interaja com a realidade do ensino público na área de artes visuais;  Conheça o sistema de organização pedagógica da escola;  Levar o aluno para a escola para que possa estabelecer um diálogo entre teoria, prática e realidade, nos diferentes níveis de ensino básico;  Criar condições para que o aluno elabore e vivencie projetos de ensino em parceria com a escola;  Promover um espaço de debates dentro do curso, escola e secretarias de educação sobre ensino de arte;  Melhorar a formação dos alunos do Curso de Graduação em Artes Visuais – Licenciatura da FAV, da Universidade Federal de Goiás, tendo a bolsa PIBID, como incentivo às discussões;  Integrar o ensino, praticar a pesquisa e a extensão, cujo tema aglutinador seja o ensino de Artes Visuais.
  • 4.  Promover o envolvimento dos bolsistas PIBID/FAV nas atividades relacionadas ao ensino de arte, de forma transversal ao tema “educação” e “qualidade”;  Criar espaço para troca de experiências entre os alunos e entre alunos/escola;  Pensar políticas para o ensino de arte de Goiás;  Criar um grupo de estudo para pensar as questões referentes ao ensino de arte: o seu papel e lugar na escola e na educação.  Pensar juntamente com as instituições públicas de ensino de arte (Municipal, Estadual e espaços não formais) em um guia curricular para o ensino de arte para o ensino, fundamental e médio, que não seja tão dispare quanto é atualmente.  Conhecer os diversos guias curriculares existentes, tanto na rede privada quanto pública (da educação infantil ao ensino médio), uma vez que todos estes espaços se compõem como futuros campos de ação;  .Produzir conhecimentos nas áreas consideradas carentes de conteúdos artísticos que visem uma visão multicultural.  Criar um blog para discussão e veiculação do material produzido pelos grupos de estagiários Dentre os procedimentos previstos para o Grupo PIBID – FAV/UFG, incluem-se atividades em que os alunos serão público-alvo, e outras nas quais serão co- participantes do processo em execução. Dentre elas destacam-se: 1) Atenção ao Ensino de Artes Visuais para que se desenvolva com qualidade e definição do espaço da arte na escola O bolsista PIBID-FAV terá várias possibilidades de atuação, sendo que suas ações visem de melhoria de sua formação e da qualidade da Educação em artes visuais, incluindo temas como: a) confecção de material educativo; b) organização de grupos; c) elaboração de estratégias de abordagem e sensibilização dos grupos de trabalho;
  • 5. Considerando-se o momento da formação do bolsista PIBID-FAV, caberá a ações mais elaboradas, que incluem desde a condução do grupo, as visitas a visitas a escolas e a participação nas reuniões das equipes multiprofissionais que acompanham estes grupos. 2) Proposta de Extensão: Capacitação continuada e permanente de professores das escolas parceiras e alunos do curso. O aluno poderá desenvolver projetos de extensão preferencialmente em grupo ou individual, tanto voltados para a orientação da comunidade escolar (alunos) quanto para a comunidade externa à escola, ou com os professores da escola ou ainda de outro espaço, formal ou não formal, conforme normatizações do PIBID. d) Organização de palestras e oficinas de arte diversas As ações que envolvem o bolsista PIBID-FAV e deverão ser desenvolvidas em vários níveis de estágios: na definição do conteúdo programático, na revisão bibliográfica do assunto estágio/formação, na montagem do plano de ação em todas as suas etapas (conteúdo programático, objetivos, estratégias e avaliação) dependendo do momento da formação do bolsista o PIBID – FAV/UFG. Cabe ressaltar que esta capacitação envolve alunos dos cursos de graduação na área do ensino (tanto na FAV quanto em outros cursos que historicamente são ou irão constituir-se como parceiros de atividades com a FAV, tais como Música, Teatro e Dança); profissionais de educação (cuja formação permanente é um compromisso da UFG); alunos de cursos de pós-graduação lato e strictu sensu . a. Complementação dos campos de estágio para alunos do Grupo PIBID – FAV/UFG: Os estágios serão realizados/complementados em locais que mantêm convênio e/ou uma parceria de longa data com o curso de Artes (espaços formais e não formais, públicos). b. Compromisso do projeto PIBID/FAV/UFG: Envolver-se com a formação permanente e atualização dos professores das escola/campo de estágio.
  • 6. c. Articular estágio/currículo escolar e pesquisa e extensão/formação d. A alocação dos alunos nas escola será realizado via sorteio Ações Previstas: 1. Participar de atividades relacionadas à prática multiprofissional e transdisciplinar na área da educação/arte preconizada pelo currículo do curso; 2. Organizar eventos científicos na área ensino de arte e educação; 3. Vivenciar uma efetiva articulação teoria-prática e da pesquisa na formação do educador; 4. Promover encontros técnicos científicos com a participação de estudantes, professores, supervisores, gestores e secretaria educacionais na área de ensino de arte; 5. Estimular o desenvolvimento de pesquisas individual e/ou grupo focadas para melhorias de processo educacional; 6. Desenvolver um sistema de divulgação de temas relevantes à educação em arte, dentro do campus e na comunidade em geral; 7. Vivenciar a interação docente-escola; 8. Criar um núcleo de debates sobre ensino de arte; 9. Inserir as discussões já existentes sobre ensino de arte nos Encontros com Coordenadores do Ensino de arte de Goiânia no Projeto; 10. Envolver as Secretarias de Educação, Municipal e Estadual, no Projeto. Esperamos que o projeto seja mais uma oportunidade para se discutir e melhorar a formação do Licenciando em Artes Visuais na FAV/UFG e estreitar as relações com as instituições oficiais de ensino. Pelo Projeto, de Iniciação à Docência, o aluno poderá melhorar os seus conhecimentos sobre a realidade do ensino público (Municipal e Estadual). Pelas discussões espera-se que haja o amadurecimento reflexivo do aluno/professor/secretarias de Educação e que o contato do aluno com a realidade de ensino o aproxime da profissão e sirva de motivação para o exercício do magistério, hoje em crise em nosso país, por falta de políticas para a educação brasileira e de
  • 7. qualidade. Espera-se ainda que ao terminar o período de bolsa, e por meio da avaliação, seja possível se verificar a validade do projeto para a melhoria das experiências do aluno, consequentemente do curso. O principal resultado a ser esperado refere-se a capacitação dos discentes comprometidos com o programa, o que poderá resultar em profissionais mais responsáveis, quer seja na sua prática, quer seja com a população-alvo de suas ações. O principal resultado esperado é a capacitação dos discentes comprometidos com o programa, que resultará em profissionais responsáveis, quer seja na sua prática, quer seja com a população-alvo de suas ações. A orientação será no sentido de que o(s) aluno(s) escolham uma das temáticas constadas no projeto do orientador para a elaboração de seus sub-projetos, buscando articular, se possível, as temáticas ao TCC e Estágios Supervisionado. A escolha das escolas se deu mediante sorteio, sendo cinco alunos por escola. O sorteio ocorreu da seguinte forma: Cada grupo de cinco tirou o nome de uma escola. 8. BIBLIOGRAFIA Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação. Estatuto e Regimento Geral dos Cursos de Graduação da Universidade FEDERAL DE Goiás, Estatuto e Regimento da UFG – Portaria nº 1150 - DOU: 08/11/19, página 232339. Estatuto e Regimento Interno – Coordenador de Curso. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Referenciais para formação de Professores/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. A Secretaria, 1999. Resolução CONSUNI nº 06/2002 – Regulamento Geral dos Cursos de Graduação. Resolução CNE/CP2, de 19/02/2002. Institui a duração e a carga-horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Resolução – CCEPC Nº 631 – Define a política da UFG para formação de Professores da Educação Básica. Resolução – CCEPC Nº 766 – Define od Estágios Curriculares Obrigatórios e não Obrigatórios dos Cursos de Bacharelado e Específicos da Profissão na universidade Federal de Goiás
  • 8. Resolução CCEPC 731 – Define a política de estágios da UFG para formação de professores da educação básica. Resolução nº 01/2002 – Conselho Diretor da FAV/UFG. Regimento Interno da FAV – Aprovado pelo Conselho Diretor. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte/Secretaria de Educação Fundamental.-Brasília: MEC/SEF, 1998. Edital PIBID Nº 02/2009 – CAPS/DEB http://www.goiania.go.gov.br/shtml/educacao/ef_ciclos.shtml http://www.hojenoticia.com.br/editoria_materia.php?id=26309 http://www.hojenoticia.com.br/editoria_materia.php?id=13494 http://www.tribunadoplanalto.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=255 Edna de Jesus Goya - Professora da Faculdade de Artes Visuais/UFG – GO, Doutoranda em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/SP; Mestre em Arte Publicitária e Produção Simbólica pela ECA/USP-SP (1998); Curso de Especialização em Educação (UCG, 1986) e em Arte-Educação (UFG, 1989); Bacharel em Artes Visuais, Habilitação Gravura (UFG, 1992) e Licenciatura em Desenho e Plástica (UFG, 1983). Coordenadora de Estágio Curso de Artes Visuais – Licenciatura da FAV/UFG e Programa de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/FAV/UFG). ednajgoya@yahoo.com.br