SlideShare uma empresa Scribd logo
MORFOLOGIA: PROCESSOSMORFOLOGIA: PROCESSOS
DEDE
FORMAÇÃO DAS PALAVRASFORMAÇÃO DAS PALAVRAS
IFES campus VianaIFES campus Viana
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Olivaldo MarquesOlivaldo Marques
  
  
PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRASPROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS
  
 Inicialmente observemos alguns conceitos sobreInicialmente observemos alguns conceitos sobre
palavras primitivas e derivadas e palavras simples epalavras primitivas e derivadas e palavras simples e
compostas:compostas:
  
 PALAVRAS PRIMITIVASPALAVRAS PRIMITIVAS – palavras que não são– palavras que não são
formadas a partir de outras.formadas a partir de outras.
  
 Exemplo: pedra, casa, paz, etc.Exemplo: pedra, casa, paz, etc.
  
 PALAVRAS DERIVADASPALAVRAS DERIVADAS – palavras que são– palavras que são
formadas a partir de outras já existentes.formadas a partir de outras já existentes.
  
 Exemplo: pedrada (derivada de pedra), ferreiroExemplo: pedrada (derivada de pedra), ferreiro
(derivada de ferro).(derivada de ferro).
  
  
   
PALAVRAS SIMPLES – são aquelas que
possuem apenas um radical.
 
Exemplo: cidade, casa, pedra.
 
PALAVRAS COMPOSTAS - são palavras que
apresentam dois ou mais radicais.
 
Exemplo: pé-de-moleque, pernilongo, guarda-
chuva.
 
Na língua portuguesa existem dois processos de
formação de novas palavras: derivação e
composição.
 
DERIVAÇÃODERIVAÇÃO
  
 É o processo pelo qual palavras novasÉ o processo pelo qual palavras novas
(derivadas) são formadas a partir de outras que(derivadas) são formadas a partir de outras que
já existem (primitivas). Podem ocorrer dasjá existem (primitivas). Podem ocorrer das
seguintes maneiras:seguintes maneiras:
1.1. Prefixal;Prefixal;
2.2. Sufixal;Sufixal;
3.3. Derivação prefixal e sufixal;Derivação prefixal e sufixal;
4.4. Parassintética;Parassintética;
5.5. Regressiva;Regressiva;
6.6. Imprópria.Imprópria.
1.1. PREFIXALPREFIXAL – processo de derivação– processo de derivação
pelo qual é acrescido umpelo qual é acrescido um prefixoprefixo a uma um
radical.radical.
  
 Exemplo:Exemplo: desdesfazer,fazer, ininútil.útil.
 Vejamos alguns prefixos latinos eVejamos alguns prefixos latinos e
gregos mais utilizados:gregos mais utilizados:
  
2.2. SUFIXALSUFIXAL –– processo de derivação peloprocesso de derivação pelo
qual é acrescido umqual é acrescido um sufixosufixo a um radical.a um radical.
  Exemplos:Exemplos:
 PedrPedreiroeiro
 LivrLivraria
 LaranjLaranjeiraeira
3.3. PREFIXAL E SUFIXALPREFIXAL E SUFIXAL – ocorre quando há– ocorre quando há
acréscimoacréscimo não simultâneonão simultâneo de um prefixo e de umde um prefixo e de um
sufixo a um radicalsufixo a um radical
  Exemplos:Exemplos:
 ImIm- + perdo + -- + perdo + -ávelável
 In- +feliz+ -mente
 DesDes- + leal+ -- + leal+ -dadedade
 4. PARASSINTÉTICA4. PARASSINTÉTICA –– processo de derivação pelo qual é acrescido umprocesso de derivação pelo qual é acrescido um
prefixo e sufixoprefixo e sufixo simultaneamentesimultaneamente ao radical.ao radical.
 Exemplos:Exemplos: aa ++ noit +noit + ecerecer = ANOITECER= ANOITECER
PREFIXOPREFIXO RADICALRADICAL SUFIXOSUFIXO
perper ++ noit +noit + arar. = PERNOITAR. = PERNOITAR
  
 OBSERVAÇÃOOBSERVAÇÃO ::
  
 Existem palavras que apresentam prefixo e sufixo, mas não são formadas porExistem palavras que apresentam prefixo e sufixo, mas não são formadas por
parassíntese. Para que ocorra a parassíntese é necessários que o prefixo e oparassíntese. Para que ocorra a parassíntese é necessários que o prefixo e o
sufixo juntem-se ao radical ao mesmo tempo. Para verificar tal derivação bastasufixo juntem-se ao radical ao mesmo tempo. Para verificar tal derivação basta
retirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra deixar de ter sentido, entãoretirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra deixar de ter sentido, então
ela foi formada por derivação parassintética. Caso a palavra continue a ter sentido,ela foi formada por derivação parassintética. Caso a palavra continue a ter sentido,
mesmo com a retirada do prefixo ou do sufixo, ela terá sido formada por derivaçãomesmo com a retirada do prefixo ou do sufixo, ela terá sido formada por derivação
prefixal e sufixal.prefixal e sufixal.
 4. REGRESSIVA4. REGRESSIVA - processo de derivação em- processo de derivação em
que são formados substantivos a partir deque são formados substantivos a partir de
verbos.verbos.
  
 Exemplos:Exemplos:
 Ninguém justificou oNinguém justificou o atrasoatraso. (do verbo atrasar). (do verbo atrasar)
 OO debatedebate foi longo. (do verbo debater)foi longo. (do verbo debater)
  
5.IMPRÓPRIA5.IMPRÓPRIA - processo de derivação- processo de derivação
que consiste na mudança de classeque consiste na mudança de classe
gramatical da palavra sem que sua formagramatical da palavra sem que sua forma
se altere.se altere.
  
 Exemplo: OExemplo: O cantarcantar do pássaro emocionoudo pássaro emocionou
a todos.a todos.
  
COMPOSIÇÃOCOMPOSIÇÃO
  
 É o processo pelo qual a palavraÉ o processo pelo qual a palavra
é formada pela junção de dois oué formada pela junção de dois ou
mais radicais. A composiçãomais radicais. A composição
pode ocorrer de duas formas:pode ocorrer de duas formas:
  
 POR JUSTAPOSIÇÃOPOR JUSTAPOSIÇÃO
 POR AGLUTINAÇÃO.POR AGLUTINAÇÃO.
  
 JUSTAPOSIÇÃOJUSTAPOSIÇÃO – quando não há alteração nas– quando não há alteração nas
palavras e continua a serem faladas (escritas) da mesmapalavras e continua a serem faladas (escritas) da mesma
forma como eram antes da composição.forma como eram antes da composição.
  
Exemplo: girassol (gira + sol), pé-de-moleque (pé + de +Exemplo: girassol (gira + sol), pé-de-moleque (pé + de +
moleque)moleque)
  
 AGLUTINAÇÃOAGLUTINAÇÃO – quando há alteração em pelo menos– quando há alteração em pelo menos
uma das palavras seja na grafia ou na pronúncia.uma das palavras seja na grafia ou na pronúncia.
  
 Exemplo: planalto (plano + alto)Exemplo: planalto (plano + alto)
  
 Além da derivação e da composição existem outros tiposAlém da derivação e da composição existem outros tipos
de formação de palavras que sãode formação de palavras que são hibridismohibridismo ,,
onomatopeia e redução.onomatopeia e redução.
  
HIBRIDISMOHIBRIDISMO
   É a formação de palavras a partir da junção deÉ a formação de palavras a partir da junção de
elementos de idiomas diferentes.elementos de idiomas diferentes.
   Exemplo:Exemplo: automóvelautomóvel (auto – grego + móvel –(auto – grego + móvel –
latim),latim), burocraciaburocracia (buro – francês + cracia –(buro – francês + cracia –
grego).grego).
  
ONOMATOPÉIAONOMATOPÉIA
  
 Consiste na criação de palavras através daConsiste na criação de palavras através da
tentativa de imitar vozes ou sons da natureza.tentativa de imitar vozes ou sons da natureza.
  
 Exemplos:Exemplos:
 fonfomfonfom
 cocoricócocoricó
 tique-taquetique-taque
 boom!.boom!.
  
  
  
REDUÇÃOREDUÇÃO
  
 Um processo de formação de palavras que consiste emUm processo de formação de palavras que consiste em
reduzi-las com objetivo de economizar tempo e espaçoreduzi-las com objetivo de economizar tempo e espaço
nas comunicações. São tipos especiais de redução asnas comunicações. São tipos especiais de redução as
siglas,siglas, asas abreviaçõesabreviações e ase as abreviaturasabreviaturas
 Siglas -Siglas - Sigla é o nome dado ao conjunto de letrasSigla é o nome dado ao conjunto de letras
iniciais dos vocábulos (normalmente os principais) queiniciais dos vocábulos (normalmente os principais) que
compõem o nome de uma organização, uma instituição,compõem o nome de uma organização, uma instituição,
um programa, um tratado, entre outros.um programa, um tratado, entre outros.
Exemplo:Exemplo:
IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública eIBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e
Estatística)Estatística)
  
REDUÇÃOREDUÇÃO
  
 Abreviação –Abreviação – Redução de palavras até o limiteRedução de palavras até o limite
que não comprometa sua compreensão.que não comprometa sua compreensão.
 Exemplo: auto (automóvel), quilo (quilograma),Exemplo: auto (automóvel), quilo (quilograma),
moto (motocicleta) pneu (pneumático).moto (motocicleta) pneu (pneumático).
 AbreviaturaAbreviatura – redução, principalmente, de nomes– redução, principalmente, de nomes
científicos e gramaticais, de Estados e territórios,científicos e gramaticais, de Estados e territórios,
profissões, pronomes de tratamento.profissões, pronomes de tratamento.
 Exemplo: PB (Paraíba); av. (avenida); prof.Exemplo: PB (Paraíba); av. (avenida); prof.
(professor).(professor).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
Fábio Guimarães
 
Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
Fernanda Câmara
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
Vivian gusm?
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
Sadrak Silva
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
Alice Silva
 
Verbo
VerboVerbo
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
Rita Cunha
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
Flávio Ferreira
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
Evilane Alves
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
PaolaLins
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Andriane Cursino
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Viviane Oliveira
 
Forma nominal
Forma nominalForma nominal
Forma nominal
Flávio Ferreira
 
Sinônimos e antônimos
Sinônimos e antônimosSinônimos e antônimos
Sinônimos e antônimos
Persalde Santiago
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Keu Oliveira
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
Diego Prezia
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
Leisiane Jesus
 
Modo subjuntivo
Modo subjuntivoModo subjuntivo
Modo subjuntivo
Daniele Bertollo
 

Mais procurados (20)

Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
 
Forma nominal
Forma nominalForma nominal
Forma nominal
 
Sinônimos e antônimos
Sinônimos e antônimosSinônimos e antônimos
Sinônimos e antônimos
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Modo subjuntivo
Modo subjuntivoModo subjuntivo
Modo subjuntivo
 

Destaque

CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
Karen Olivan
 
Conto
ContoConto
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
Karen Olivan
 
Contos
ContosContos
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
Thauane Furquim
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Curtido de pieles_de_alpaca
Curtido de pieles_de_alpacaCurtido de pieles_de_alpaca
Curtido de pieles_de_alpaca
marina machaca humpire
 
Estrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavrasEstrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavras
Dani Bertollo
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
Karen Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
Karen Olivan
 
Gramática - Orações Subordinadas Substantivas
Gramática - Orações Subordinadas SubstantivasGramática - Orações Subordinadas Substantivas
Gramática - Orações Subordinadas Substantivas
Mentor Concursos
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
Karen Olivan
 
6 estrutura e formação das palavras
6   estrutura e formação das palavras6   estrutura e formação das palavras
6 estrutura e formação das palavras
Ivana Mayrink
 
Conto tradicional
Conto tradicionalConto tradicional
Conto tradicional
Ana PAtrícia Lima
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
Carla Souto
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
Faell Vasconcelos
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
Amanda Damasceno
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do conto
luhren
 
Aula 1 estrutura e formação de palavras
Aula 1   estrutura e formação de palavrasAula 1   estrutura e formação de palavras
Aula 1 estrutura e formação de palavras
Cooperativa do Saber
 

Destaque (20)

CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Contos
ContosContos
Contos
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Curtido de pieles_de_alpaca
Curtido de pieles_de_alpacaCurtido de pieles_de_alpaca
Curtido de pieles_de_alpaca
 
Estrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavrasEstrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavras
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Gramática - Orações Subordinadas Substantivas
Gramática - Orações Subordinadas SubstantivasGramática - Orações Subordinadas Substantivas
Gramática - Orações Subordinadas Substantivas
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
6 estrutura e formação das palavras
6   estrutura e formação das palavras6   estrutura e formação das palavras
6 estrutura e formação das palavras
 
Conto tradicional
Conto tradicionalConto tradicional
Conto tradicional
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do conto
 
Aula 1 estrutura e formação de palavras
Aula 1   estrutura e formação de palavrasAula 1   estrutura e formação de palavras
Aula 1 estrutura e formação de palavras
 

Semelhante a Processos de formação de palavras

Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Edson Alves
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Andriane Cursino
 
Processos de formação das palavras
Processos de formação das palavrasProcessos de formação das palavras
Processos de formação das palavras
guest85fbf7c
 
Processos de formação das palavras
Processos de formação das palavrasProcessos de formação das palavras
Processos de formação das palavras
guest85fbf7c
 
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
josé ribamar
 
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavrasFinalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
AnaBittencourt
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavras
Itacarambi
 
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavrasFinalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
Itacarambi
 
o estudo da estrutura e formação das palavras
 o estudo da estrutura e formação das palavras o estudo da estrutura e formação das palavras
o estudo da estrutura e formação das palavras
Itacarambi
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavras
Itacarambi
 
formação de palavras1
formação de palavras1formação de palavras1
formação de palavras1
ssuser6ee2851
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
MarluceBrum1
 
Derivaã§ã£o e composiã§ã£o
Derivaã§ã£o e composiã§ã£oDerivaã§ã£o e composiã§ã£o
Derivaã§ã£o e composiã§ã£o
ostrapaula
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
Paula Oliveira Cruz
 
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
ssuser3646a1
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
rafaelcef3
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
Ana Vaz
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
Edson Alves
 
Apresentação morfossintaxe cópia
Apresentação morfossintaxe   cópiaApresentação morfossintaxe   cópia
Apresentação morfossintaxe cópia
Célia Tavares
 
Morfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavrasMorfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavras
ProfFernandaBraga
 

Semelhante a Processos de formação de palavras (20)

Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Processos de formação das palavras
Processos de formação das palavrasProcessos de formação das palavras
Processos de formação das palavras
 
Processos de formação das palavras
Processos de formação das palavrasProcessos de formação das palavras
Processos de formação das palavras
 
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
Processosdeformaodaspalavras 100517201716-phpapp01
 
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavrasFinalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavras
 
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavrasFinalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
Finalizado o estudo da estrutura e formação das palavras
 
o estudo da estrutura e formação das palavras
 o estudo da estrutura e formação das palavras o estudo da estrutura e formação das palavras
o estudo da estrutura e formação das palavras
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavras
 
formação de palavras1
formação de palavras1formação de palavras1
formação de palavras1
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
 
Derivaã§ã£o e composiã§ã£o
Derivaã§ã£o e composiã§ã£oDerivaã§ã£o e composiã§ã£o
Derivaã§ã£o e composiã§ã£o
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
 
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
375869124-Estrutura-e-Formacao-Das-Palavras.pptx
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Apresentação morfossintaxe cópia
Apresentação morfossintaxe   cópiaApresentação morfossintaxe   cópia
Apresentação morfossintaxe cópia
 
Morfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavrasMorfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavras
 

Mais de Olivaldo Ferreira

A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
Olivaldo Ferreira
 
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIAINTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
Olivaldo Ferreira
 
A linguagem publicitária
A linguagem publicitáriaA linguagem publicitária
A linguagem publicitária
Olivaldo Ferreira
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
Olivaldo Ferreira
 
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUALAVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
Olivaldo Ferreira
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
Olivaldo Ferreira
 
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua PortuguesaPrincipais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Olivaldo Ferreira
 
Realismo
RealismoRealismo
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Olivaldo Ferreira
 
Atividades do livro correção
Atividades do livro   correçãoAtividades do livro   correção
Atividades do livro correção
Olivaldo Ferreira
 
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Olivaldo Ferreira
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
Olivaldo Ferreira
 
Humanismo - introdução
Humanismo - introduçãoHumanismo - introdução
Humanismo - introdução
Olivaldo Ferreira
 
Desenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafoDesenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafo
Olivaldo Ferreira
 
Cantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescasCantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescas
Olivaldo Ferreira
 
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
Olivaldo Ferreira
 
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Olivaldo Ferreira
 

Mais de Olivaldo Ferreira (17)

A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
 
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIAINTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
 
A linguagem publicitária
A linguagem publicitáriaA linguagem publicitária
A linguagem publicitária
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUALAVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
 
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua PortuguesaPrincipais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Atividades do livro correção
Atividades do livro   correçãoAtividades do livro   correção
Atividades do livro correção
 
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
Humanismo - introdução
Humanismo - introduçãoHumanismo - introdução
Humanismo - introdução
 
Desenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafoDesenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafo
 
Cantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescasCantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescas
 
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
 
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Processos de formação de palavras

  • 1. MORFOLOGIA: PROCESSOSMORFOLOGIA: PROCESSOS DEDE FORMAÇÃO DAS PALAVRASFORMAÇÃO DAS PALAVRAS IFES campus VianaIFES campus Viana Língua PortuguesaLíngua Portuguesa Olivaldo MarquesOlivaldo Marques   
  • 2.    PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRASPROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS     Inicialmente observemos alguns conceitos sobreInicialmente observemos alguns conceitos sobre palavras primitivas e derivadas e palavras simples epalavras primitivas e derivadas e palavras simples e compostas:compostas:     PALAVRAS PRIMITIVASPALAVRAS PRIMITIVAS – palavras que não são– palavras que não são formadas a partir de outras.formadas a partir de outras.     Exemplo: pedra, casa, paz, etc.Exemplo: pedra, casa, paz, etc.     PALAVRAS DERIVADASPALAVRAS DERIVADAS – palavras que são– palavras que são formadas a partir de outras já existentes.formadas a partir de outras já existentes.     Exemplo: pedrada (derivada de pedra), ferreiroExemplo: pedrada (derivada de pedra), ferreiro (derivada de ferro).(derivada de ferro).      
  • 3.     PALAVRAS SIMPLES – são aquelas que possuem apenas um radical.   Exemplo: cidade, casa, pedra.   PALAVRAS COMPOSTAS - são palavras que apresentam dois ou mais radicais.   Exemplo: pé-de-moleque, pernilongo, guarda- chuva.   Na língua portuguesa existem dois processos de formação de novas palavras: derivação e composição.  
  • 4. DERIVAÇÃODERIVAÇÃO     É o processo pelo qual palavras novasÉ o processo pelo qual palavras novas (derivadas) são formadas a partir de outras que(derivadas) são formadas a partir de outras que já existem (primitivas). Podem ocorrer dasjá existem (primitivas). Podem ocorrer das seguintes maneiras:seguintes maneiras: 1.1. Prefixal;Prefixal; 2.2. Sufixal;Sufixal; 3.3. Derivação prefixal e sufixal;Derivação prefixal e sufixal; 4.4. Parassintética;Parassintética; 5.5. Regressiva;Regressiva; 6.6. Imprópria.Imprópria.
  • 5. 1.1. PREFIXALPREFIXAL – processo de derivação– processo de derivação pelo qual é acrescido umpelo qual é acrescido um prefixoprefixo a uma um radical.radical.     Exemplo:Exemplo: desdesfazer,fazer, ininútil.útil.  Vejamos alguns prefixos latinos eVejamos alguns prefixos latinos e gregos mais utilizados:gregos mais utilizados:   
  • 6. 2.2. SUFIXALSUFIXAL –– processo de derivação peloprocesso de derivação pelo qual é acrescido umqual é acrescido um sufixosufixo a um radical.a um radical.   Exemplos:Exemplos:  PedrPedreiroeiro  LivrLivraria  LaranjLaranjeiraeira
  • 7. 3.3. PREFIXAL E SUFIXALPREFIXAL E SUFIXAL – ocorre quando há– ocorre quando há acréscimoacréscimo não simultâneonão simultâneo de um prefixo e de umde um prefixo e de um sufixo a um radicalsufixo a um radical   Exemplos:Exemplos:  ImIm- + perdo + -- + perdo + -ávelável  In- +feliz+ -mente  DesDes- + leal+ -- + leal+ -dadedade
  • 8.  4. PARASSINTÉTICA4. PARASSINTÉTICA –– processo de derivação pelo qual é acrescido umprocesso de derivação pelo qual é acrescido um prefixo e sufixoprefixo e sufixo simultaneamentesimultaneamente ao radical.ao radical.  Exemplos:Exemplos: aa ++ noit +noit + ecerecer = ANOITECER= ANOITECER PREFIXOPREFIXO RADICALRADICAL SUFIXOSUFIXO perper ++ noit +noit + arar. = PERNOITAR. = PERNOITAR     OBSERVAÇÃOOBSERVAÇÃO ::     Existem palavras que apresentam prefixo e sufixo, mas não são formadas porExistem palavras que apresentam prefixo e sufixo, mas não são formadas por parassíntese. Para que ocorra a parassíntese é necessários que o prefixo e oparassíntese. Para que ocorra a parassíntese é necessários que o prefixo e o sufixo juntem-se ao radical ao mesmo tempo. Para verificar tal derivação bastasufixo juntem-se ao radical ao mesmo tempo. Para verificar tal derivação basta retirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra deixar de ter sentido, entãoretirar o prefixo ou o sufixo da palavra. Se a palavra deixar de ter sentido, então ela foi formada por derivação parassintética. Caso a palavra continue a ter sentido,ela foi formada por derivação parassintética. Caso a palavra continue a ter sentido, mesmo com a retirada do prefixo ou do sufixo, ela terá sido formada por derivaçãomesmo com a retirada do prefixo ou do sufixo, ela terá sido formada por derivação prefixal e sufixal.prefixal e sufixal.
  • 9.  4. REGRESSIVA4. REGRESSIVA - processo de derivação em- processo de derivação em que são formados substantivos a partir deque são formados substantivos a partir de verbos.verbos.     Exemplos:Exemplos:  Ninguém justificou oNinguém justificou o atrasoatraso. (do verbo atrasar). (do verbo atrasar)  OO debatedebate foi longo. (do verbo debater)foi longo. (do verbo debater)   
  • 10. 5.IMPRÓPRIA5.IMPRÓPRIA - processo de derivação- processo de derivação que consiste na mudança de classeque consiste na mudança de classe gramatical da palavra sem que sua formagramatical da palavra sem que sua forma se altere.se altere.     Exemplo: OExemplo: O cantarcantar do pássaro emocionoudo pássaro emocionou a todos.a todos.   
  • 11. COMPOSIÇÃOCOMPOSIÇÃO     É o processo pelo qual a palavraÉ o processo pelo qual a palavra é formada pela junção de dois oué formada pela junção de dois ou mais radicais. A composiçãomais radicais. A composição pode ocorrer de duas formas:pode ocorrer de duas formas:     POR JUSTAPOSIÇÃOPOR JUSTAPOSIÇÃO  POR AGLUTINAÇÃO.POR AGLUTINAÇÃO.   
  • 12.  JUSTAPOSIÇÃOJUSTAPOSIÇÃO – quando não há alteração nas– quando não há alteração nas palavras e continua a serem faladas (escritas) da mesmapalavras e continua a serem faladas (escritas) da mesma forma como eram antes da composição.forma como eram antes da composição.    Exemplo: girassol (gira + sol), pé-de-moleque (pé + de +Exemplo: girassol (gira + sol), pé-de-moleque (pé + de + moleque)moleque)     AGLUTINAÇÃOAGLUTINAÇÃO – quando há alteração em pelo menos– quando há alteração em pelo menos uma das palavras seja na grafia ou na pronúncia.uma das palavras seja na grafia ou na pronúncia.     Exemplo: planalto (plano + alto)Exemplo: planalto (plano + alto)     Além da derivação e da composição existem outros tiposAlém da derivação e da composição existem outros tipos de formação de palavras que sãode formação de palavras que são hibridismohibridismo ,, onomatopeia e redução.onomatopeia e redução.
  • 13.    HIBRIDISMOHIBRIDISMO    É a formação de palavras a partir da junção deÉ a formação de palavras a partir da junção de elementos de idiomas diferentes.elementos de idiomas diferentes.    Exemplo:Exemplo: automóvelautomóvel (auto – grego + móvel –(auto – grego + móvel – latim),latim), burocraciaburocracia (buro – francês + cracia –(buro – francês + cracia – grego).grego).
  • 14.    ONOMATOPÉIAONOMATOPÉIA     Consiste na criação de palavras através daConsiste na criação de palavras através da tentativa de imitar vozes ou sons da natureza.tentativa de imitar vozes ou sons da natureza.     Exemplos:Exemplos:  fonfomfonfom  cocoricócocoricó  tique-taquetique-taque  boom!.boom!.      
  • 15.    REDUÇÃOREDUÇÃO     Um processo de formação de palavras que consiste emUm processo de formação de palavras que consiste em reduzi-las com objetivo de economizar tempo e espaçoreduzi-las com objetivo de economizar tempo e espaço nas comunicações. São tipos especiais de redução asnas comunicações. São tipos especiais de redução as siglas,siglas, asas abreviaçõesabreviações e ase as abreviaturasabreviaturas  Siglas -Siglas - Sigla é o nome dado ao conjunto de letrasSigla é o nome dado ao conjunto de letras iniciais dos vocábulos (normalmente os principais) queiniciais dos vocábulos (normalmente os principais) que compõem o nome de uma organização, uma instituição,compõem o nome de uma organização, uma instituição, um programa, um tratado, entre outros.um programa, um tratado, entre outros. Exemplo:Exemplo: IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública eIBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística)Estatística)
  • 16.    REDUÇÃOREDUÇÃO     Abreviação –Abreviação – Redução de palavras até o limiteRedução de palavras até o limite que não comprometa sua compreensão.que não comprometa sua compreensão.  Exemplo: auto (automóvel), quilo (quilograma),Exemplo: auto (automóvel), quilo (quilograma), moto (motocicleta) pneu (pneumático).moto (motocicleta) pneu (pneumático).  AbreviaturaAbreviatura – redução, principalmente, de nomes– redução, principalmente, de nomes científicos e gramaticais, de Estados e territórios,científicos e gramaticais, de Estados e territórios, profissões, pronomes de tratamento.profissões, pronomes de tratamento.  Exemplo: PB (Paraíba); av. (avenida); prof.Exemplo: PB (Paraíba); av. (avenida); prof. (professor).(professor).